Your SlideShare is downloading. ×
Apresentação2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Apresentação2

1,253
views

Published on

historia da educação no Brasil

historia da educação no Brasil

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,253
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
68
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Direito e dever de todos segundo a Constituição é A Educação. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL2º LETRAS- INGLÊSPRISCILAEDUARDAELIS O verdadeiro papel da educação é de formar cidadãos críticos,participativos e transformadores sociais.
  • 2. História da Educação no Brasil 1 - Período Jesuítico (1549 1759) Á partir de 1549 com a chegada dos padres jesuítas, movidos porintenso sentimento religioso de propagação da fé cristã. Durante mais de 200anos, eles foram praticamente os únicos educadores do Brasil, e organizaramuma rede de colégios reconhecida por sua qualidade, alguns dos quaisofereciam modalidades de estudos equivalentes ao nível superior.
  • 3. 2 - Período Pombalino (1760 – 1808)•Em 1759, os jesuítas foram expulsos de Portugal e de suas colônias. •Pombal criou aulas régias de Latim, Grego e Retórica.• Professores geralmente despreparados, improvisados e mal pagos.* O sistema jesuítico foi desmantelado e nada parecido houve para dar continuidade a umtrabalho de educação.3 - Período Joanino (18081821)A mudança da Família Real, em 1808,Traz nova ruptura com a situação anterior.D. João VI abriu Academias Militares, Escolas de Direito e Medicina, a Biblioteca Real, oJardim Botânico e, sua iniciativa mais marcante em termos de mudança, a Imprensa Régia.A educação, no entanto, continuou a ter uma importância secundária.4 - Período imperial (1822-1889)D. Pedro I proclama a Independência do BrasilOutorga a primeira Constituição brasileira. Em 1823,Institui-se o Método Lancaster, ou do "ensino mútuo", pelo qual um aluno treinado(decurião) ensinava um grupo de 10 alunos (decúria) sob a rígida vigilância de um inspetor.Em 1826, um Decreto institui quatro graus de instrução: Pedagogias (escolas primárias),Liceus, Ginásios e Academias.
  • 4. REPUBLICA VELHAA República proclamada adotou na organização escolar a influência da filosofiapositivista. A Reforma de Benjamin Constant tinha como princípios orientadores aliberdade e laicidade do ensino, como também a gratuidade da escola primária.Os mesmos princípios estipulados pela Constituição Brasileira.surge a Reforma João Luiz Alves que introduz a cadeira de Moral e Cívica . Em 1930, foi criado o Ministério da Educação e Saúde Pública e,em 1931, o governo provisório sanciona decretos organizando o ensinosecundário e as universidades brasileiras ainda inexistentes. Em 1932 um grupo de educadores lança à nação :Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, redigido por Fernando deAzevedo e assinado por outros conceituados educadores da época.Em 1934, a nova Constituição (a segunda da República) dispõe, pela primeiravez, que a educação é direito de todos, devendo ser ministrada pela família epelos Poderes Públicos. Ainda em 1934, por iniciativa do governador ArmandoSalles Oliveira, foi criada a Universidade de São Paulo. Em 1935 o Secretáriode Educação do Distrito Federal, Anísio Teixeira, cria a Universidade doDistrito Federal.
  • 5. Estado Novo (1937-1945) Ênfaze no ensino e pré-vocacional profissional. Em 1942, por iniciativa do Ministro Gustavo CapanemaREFORMASNO ENSINO. Estas receberam onome de Leis Orgânicas do Ensino, compostas porDecretos-lei que criam o Serviço Nacional de Aprendizagem IndustrialSENAI e valoriza o ensino profissionalizante.O ensino ficou composto, neste período, por 5 anos primário, 4 ginasial e 3 de colegial. Em 1962, é criado o Plano Nacional de Educação e o Programa Nacional deAlfabetização, pelo Ministério da Educação e Cultura, inspirado no Método Paulo Freire.República Nova (1946-1963)competência à União para legislar sobre diretrizes e bases da educação nacional. Ainda em1946 o então Ministro Raul Leitão da Cunha regulamenta o Ensino Primário e o Ensino Normal,além de criar o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC.O Ministro Clemente Mariani, promulga Lei 4.024, em 20 de dezembro de 1961, sem apujança do anteprojeto original, prevalece reivindicações da Igreja Católica e dos donos deestabelecimentos particulares de ensino . Em 1950, Anísio Teixeira inaugura o Centro Popular de Educação (Centro EducacionalCarneiro Ribeiro), dando início a sua ideia de escola-classe e escola-parque;Em 1952, o educador Lauro de Oliveira Lima inicia uma didática baseada nas teoriascientíficas de Jean Piaget: o Método Psicogenético; em 1953, a educação passa a ser administrada por um Ministério próprio: o Ministério daEducação e Cultura;
  • 6. Regime Militar (1964-1985) Em 1964, um golpe militar aborta todas as iniciativas de se revolucionar a educaçãobrasileira, sob o pretexto de que as propostas eram "comunicizantes e subversivas". O RegimeMilitar espelhou na educação o caráter antidemocrático de governo: professores foram presos edemitidos; universidades foram invadidas; estudantes foram presos e feridos, União Nacionaldos Estudantes proibida de funcionar; o Decreto-Lei 477 calou a boca de alunos e professores. Neste período deu-se a grandeexpansão das universidades no Brasil. Para acabar com os "excedentes" (aqueles que tiravamnotas suficientes para serem aprovados, mas não conseguiam vaga para estudar), foi criado ovestibular classificatório. Para erradicar o analfabetismo foi criado o Movimento Brasileiro deAlfabetização MOBRAL, aproveitando-se, em sua didática, do expurgado Método PauloFreire.Entre denúncias de corrupção, acabou por ser extinto e, no seu lugar criou-se a FundaçãoEducar. É instituída a Lei 5.692, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em 1971. Acaracterística mais marcante desta Lei era tentar dar a formação educacional um cunhoprofissionalizante.Nova República (1986-2003)A Constituição de 1988, promulgada após amplo movimento pela redemocratização do País,Acontece a universalização do ensino fundamental e erradicação do analfabetismo. NO Governo Collor de Mello, em 1990, lança o projeto de construção de CentrosIntegrados de Apoio à Criança - CIACs, em todo o Brasil. A fase politicamente marcante na educação, foi o trabalho do Ministro Paulo Renato criou oConselho Nacional de Educação, vinculado ao Ministério da Educação e Cultura.
  • 7. A Classe docente no Brasil atual Ser professor hoje é uma tarefa bem difícil, mas prazerosa, pois ele precisa se dedicar, e muito, aos estudos, à pesquisa, ao seu desenvolvimento profissional e aos seus alunos. A profissão docente é uma das mais árduas, pois tem desafios todos os dias: como ensinar o aluno a pensar, a pesquisar, etc. A situação atual dos professores é semelhante ao século XVIII, em relação ao salário pago, sendo a média salarial do professor em início de carreira a terceira mais baixo em um total de 38 países desenvolvidos e em desenvolvimento comparados em um estudo da UNESCO. O Corpo discente no Brasil O aluno é um agente social que leva para a escola uma série de experiênciasacumuladas em casa, no trabalho, no clube, na igreja, etc. Ser aluno hoje é ser agente de elaboração do conhecimento e isso só acontecequando o aluno debate e exige do seu professor quando o questiona. Atualmente estásendo difícil concentrar o aluno em sala de aula com exercícios copiados da lousa,emque ele fica o tempo todo copiando, ouvindo o professor. Ele vem com uma amplitudede conhecimento, principalmente no que diz respeito a novas tecnologias. Alguns hojenão estão interessados em aprender e sim alcançar a média para passar de ano, poisaprender se tornou uma obrigação e não um desejo.
  • 8. A Educação hoje no Brasil - AnalfabetismoMuito já se falou sobre a Educação no Brasil. A Educação em todas as suas dimensões é umdesafio. Paulo Freire dizia que não se pode falar de Educação sem falar de amor. O Amor que éum sentimento próprio, terno, quebra paradigmas, barreiras e nos move para a construção de ummundo mais humano e educativo.No Brasil há um número muito elevado de analfabetos e pessoas que não conseguiram poralguma razão concluir a escolaridade em tempo regular. Ainda há espaços escolares que estudar é sinônimo de decorar. O nível intelectual dos alunoshoje tem caído, razões pela falta de interesse do aluno e/ou também pelo falta de motivação doprofessor, que por sua vez culpa sua remuneração. Apesar destes e de outros detalhes e pontosnegativos de nossa Educação atual, no Brasil, teve e tem seus méritos no crescimentoeducacional, tais como a LDB, Fundeb, PCN, ProUni, entre outros, que fazem parte do utópicocrescimento da Educação Brasileira.
  • 9. Níveis de Ensino De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) a educação no Brasil se divide em: Educação Infantil ; ( 0 a 6 anos) Ensino Fundamental ; ( dividi-se em ciclo I e II ) obrigatório. Ensino Superior; Educação de Jovens e adultos (antigo supletivo) e Ensino Técnico. Governo e Educação O Brasil é considerado um dos países cujo Governo Federal investe pouco naEducação. O Valor investido no ensino fundamental nos EUA ou no Japão é quase novevezes maior do que no Brasil, que está na 54ª posição pelo PISA Programa internacional deAvaliação dos estudantes. (NOVA ESCOLA, agosto de 2009). A pesquisa também fala que ospaíses mais bem colocados gastam uma quantidade maior por aluno do que o Brasil. Oeconomista americano James Heckman diz que "...um país como o Brasil só conseguirá realmentealcançar altos índices de produtividade quando entender que é necessário mirar nos anos iniciais.Eles são decisivos Para moldar habilidades que servirão de base para que outras surjam" (VEJA, 10 de Junho de2009). Apesar de o Brasil, não investir muito na Educação em espécies, criou vários programaseducacionais que facilitaram muitos jovens à chegarem ao ensino superior. Desde 1996estabeleceu sistemas de avaliação para facilitar os projetos de políticas públicas.
  • 10. Enem e ProUni O Enem Exame Nacional do Ensino Médio foi instituído em 1998 para ser aplicado, emcaráter voluntário, aos estudantes e egressos deste nível de ensino. Realizado anualmente, temcomo objetivo principal avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade básica, para aferir o desenvolvimento de competências fundamentaisao exercício pleno da cidadania. O Enem também tem como objetivo ajudar no ProUni (Programa Universidade para todos),sendo que as pessoas que mais se destacarem poderão fazer o ProUni e ter a chance de ganharuma bolsa de estudos do ensino superior.FIESO Programa de Financiamento Estudantil - FIES é destinado a financiar a graduação no EnsinoSuperior de estudantes que não têm condições de arcar com os custos de sua formação e estejamregularmente matriculados em instituições não gratuitas, cadastradas no Programa e comavaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC. Foi criada em 1999. A partir de 2005, oFIES passou a conceder financiamento também aos bolsistas parciais, beneficiados com bolsa de50%, do ProUni. Apenas para este público já foram realizadas mais de 4,6 mil contratações.IdebO Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado em 2007 para medir aqualidade de cada escola e de cada rede de ensino. O indicador é calculado com base nodesempenho do estudante em avaliações do Inep e em taxas de aprovação. Assim, para que oIdeb de uma escola ou rede cresça é preciso que o aluno aprenda, não repita o ano e freqüente asala de aula.
  • 11. Mestres Brasileiros Anísio, Paulo, Darcy e Florestan foram os principais pensadores pela Educação aqui no Brasil. Há outros mestres que também escreveram seu nome na história da Educação Nacional.Concluindo...O retrato da educação no Brasil é marcado por diferenças sociais gritantes e pela negligência doestado. É uma área sem o reconhecimento devido, apesar de ser o único meio de progresso.Com efeito, não é viável a um país ser economicamente forte sem uma educação qualificada.A valorização dos profissionais da educação, ampliação das condições de acesso e permanênciana escola e ampliação da qualidade do ensino oferecido são alguns dos desafios que se impõem aum ministro da Educação que, seriamente, deseje melhorar o sistema escolar brasileiro. Priorizar aeducação é capacitar continuamente o professor, é remunerá-lo de forma digna, de maneira queele não se sinta ridicularizado pelas péssimas condições de trabalho. Apesar de haver váriosexpoentes famosos, os verdadeiros construtores da utópica Educação estão dentro da sala deaula, vivendo no seu anonimato - o professor. Apenas quando a Educação for pauta prioritária noBrasil, os brasileiros terão condições plenas de realizar seu desenvolvimento econômico, social epolítico. Que a prioridade não seja apenas construir grandes viadutos ou algo semelhante, massim, construir a grande sabedoria na mente dos alunos.
  • 12. Referênciashttp://www.educabrasil.com.br/eb/dic/dicionario.asp?id=273http://segundosssa.blogspot.com.br/2012/01/historia-da-educacao-no-brasil-periodo.htmlhttp://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A9todo_Paulo_Freirehttp://www.infoescola.com/pedagogia/metodo-de-educacao-piagetiano/http://www.youtube.com/watch?v=AfArxoWl9rQhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Manifesto_dos_Pioneiros_da_Educa%C3%A7%C3%A3o_Nova Faculdades Integradas Teresa D’Ávila – FATEA Tópicos Avançados em Educação Stela Maris