Manual compresores-sabroe smc-104-106-10_mk3

12,556 views
11,932 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
12,556
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
161
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Manual compresores-sabroe smc-104-106-10_mk3

  1. 1. 01.060178-910-PG 1Manual dos compressoresSMC 104-106-108 Mk3 e TSMC 108 Mk3, S - L - EO compressor de pistão tipo SMC/TSMCpode ser fornecido com vários acessóriosdependendo da sua função e requisitos.Algumas das possibilidades estão cobertaspor este manual, mesmo que não façamparte do conjunto adquirido.Na tabela abaixo estão marcados com (x) osacessórios incluídos no seu conjunto, com osnúmeros de série respectivos indicados emseguida.Sistema de controlo UNISAB IISistema analógicoBomba térmicaArrefecimento a água (tampas superiores e laterais)Arrefecimento a ár (tampas superiores e laterais)Água de arrefecimento do óleo (tampas laterais)Arrefecimento a óleo OSSI/HESIAcoplamento directoCorreia de transmissãoroda dentadacorreia de transmissãoEquipamento de operação em paraleloSeparador de óleo SABROE tipo OVURNº de sérieTipo de compressorDesignaçãoRefrigeranteControloArrefecimentoTipo de transmissãoLigações eléctricas anti-explosãoTransmissão dabomba de óleoR717 q R22 o R134a o R404A o R507 o _____ o
  2. 2. 0171-500-PG00.072 0178-910-PGIntroduçãoEste livro de instruções destina--se a dar aosoperadores conhecimentos profundos sobreo compressor e o agregado e ao mesmotempo informar sobre:S função e manutenção dos componentes,S datas para a revisão,S procedimento para a desmontagem i mon-tagem do compressor.O livro de instruções chama também aatenção para erros típicos, que podem ocor-rer durante o funcionamento, indica as suascausas e explica como devem ser corrigidos.Os operadores devem estar bem familiariza-dos com o conteúdo deste livro deinstruções, em parte para assegurar um fun-cionamento seguro, bom e eficiente, e emparte porque YORK Refrigeration não podedar garantia por danos provocados por utili-zação incorrecta, ainda que ocorridos no per-íodo de garantia.Por razões de segurança, a desmontagem emontagem de compressores e componentesdeve ser efectuada por pessoal autorizado.O conteúdo deste livro de instruções nãopode ser copiado ou transmitido a estranhossem autorização de YORK Refrigeration.São válidas as ”General Conditions for theSupply of Components and Spare Parts”(”Condições Gerais de fornecimento de com-ponentes e peças sobressalentes”) de YORKRefrigeration.No espaço em baixo pode inserir--se o representante local de YORK Refrigeration:
  3. 3. 0178-910-PG 3IndiceManual dos compressores SMC 104-106-108 Mk3 e TSMC 108 Mk3, S - L - E 1. . . . . . .Introdução 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Indice 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Primeiros socorros para acidentes com amoníaco 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Primeiros socorros para acidentes com HFC/HCFC 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Protecção do operador assim como do ambiente 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Descrição do compressor SMC 104-106-108 Mk3 e TSMC 108 MK3, S-L-E 12. . . . . . . . .Manuseamento dos compressores, utilização, equipamentos de segurança, etc. 14. . . . .Níveis de ruído de compressores de pistão e de parafuso 17. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Dados sobre vibrações dos compressores Todos os tipos de compressor 21. . . . . . . . . . .Dados dos compressores de pistão 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Limites de funcionamento 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Instruções gerais de utilização dos compressores de pistão 35. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arranque do compressor e da instalação. 35. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Paragem e arranque do compressor em paragens de curta duração 36. . . . . . . . . . . . . .Paragens curtas da instalação (até 2 ou 3 dias). 36. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Paragens mais longas da instalação (mais do que 2 ou 3 dias). 37. . . . . . . . . . . . . . . . . .Instalações automáticas 37. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Ensaio de pressurização da instalação refrigerante 38. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Evacuação da instalação refrigerante 39. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Diário de operação 40. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Manutenção do compressor de pistão 41. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Enchimento de óleo do compressor 49. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Controlo do estado do óleo 49. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Temperaturas de descarga normais 54. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Manutenção da instalação refrigerante 55. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Manutenção do compressor de pistão 57. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. Quando o compressor funciona 57. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. O compressor não funciona. 58. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Tampas superiores 58. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Montagem das tampas superiores e de água 60. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Válvula de descarga 61. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Camisa do cilindro com válvula de aspiração 63. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Biela 65. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Pistão 67. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Montagem e desmontagem do pistão e biela 67. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Bucim retentor 68. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Cambota 71. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Rolamento principal 73. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .O sistema de lubrificação do compressor 74. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Bomba de óleo 75. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Válvula de pressão de óleo 78. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .A válvula de shunt pos. 24 79. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Filtro de óleo. 80. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Filtros de aspiração 82. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Válvulas de bloqueio 83. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arranque em vazio e regulação de capacidade dos compressoresSMC e TSMC 100 e 180 85. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
  4. 4. 4 0178-910-PGVálvulas de solenóide 87. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arranque em vazio normal e regulação de capacidade 89. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arranque em vazio completo e regulação de capacidade 90. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Resistência de aquecimento do óleo 92. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Válvula de paragem pos. 23 e 42 94. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Medições na montagem da camisa do cilindro 95. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. Controlo do espaço morto 95. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. Controlo da capacidade extra de elevação. 96. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Manómetros 98. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Diâmetros dos rolamentos rebaixados para a cambota decompressores de 4-8 cilindros 100. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Diversas folgas e ajustes 101. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Torque de aperto para parafusos e cavilhas 102. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Manutenção da instalação frigorífica 105. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Detecção de avarias nos compressores alternativos 107. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Condições de funcionamento 107. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Reparação de avarias 110. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Escolha de óleo lubrificante para compressores SABROE 119. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Dados dos óleos Sabroe 126. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Alinhamento do agregado, Transmissão AMR 150. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Torneamento da flange do motor para transmissão AMR 157. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Transmissão por correia para os compressores de êmbolo SMC/TSMC 100 158. . . . . . . . .Relação de transmissão 159. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Transmissão de potência 159. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Desmontagem da transmissão 160. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Inspecção das correias e das polias 161. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Montagem e ajustamento da transmissão 162. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Esticamento das correias de transmissão 164. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Separador de óleo OVUR para SMC/TSMC 100 - HPC - SMC/TSMC 180 169. . . . . . . . . . .Ligações dos SMC 104-106-108 Mk3 - S-L-E, HPC 104S-106S-108S 173. . . . . . . . . . . . . . .Ligações do TSMC 108 Mk3 174. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Sistema de retorno do óleo em compressores de pistão em funcionamento paralelo. 175. .Compressores de pistão usados em sistemas de condicionamento de arCMO 24-26-28 e SMC 104-106-108 178. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arrefecimento a água do compressor de pistão 179. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arrefecimento, com bomba Térmica, dos compressores de pistãofuncionando com R717 187. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Construção da bomba térmica 191. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arrefecimento de óleo dos compressores de pistão com arrefecedorde óleo OSSI ou HE8S 196. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Arrefecimento do gás de descarga a pressão intermédia nos compressores 197. . . . . . . . .Sistema de arrefecimento intermédio com arrefecedor intermédio tipo DVEA, R717 197.Encomenda de peças de reserva 202. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Conjuntos de peças de reserva para compressores de pistão e gruposCMO/TCMO - SMC/TSMC 100 - SMC/TSMC 180 203. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
  5. 5. 0178-910-PG 5Bloco compressor 203. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Conjunto de peças de reserva para a Basic Unit 203. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .List of parts for SMC/TSMC 0661-680. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Tools for compressor SMC/TSMC 0661-684. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Desenho de peças de reserva 0661-521/0661-522. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Desenho de peças de reserva (detalhes) 0661-520. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Diagrama de tubagens Em função da encomenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Diagrama de eléctrico Em função da encomenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Desenho á escala Em função da encomenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Diagrama do circuito de arrefecimento Em função da encomenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Fundações Em função da encomenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Localização dos amortecedores Em função da encomenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
  6. 6. 0170-008-PG96.016 0178-910-PGPrimeiros socorros para acidentes com amoníaco(Fórmula quimica: NH3 - refrigerante: R717)· GeralO amoníaco possui um cheiro característi-co que o torna identificável, mesmo abaixas e inofensivas concentrações, pelamaioria das pessoas. Como o amoníacose ”auto-denuncia”, ele próprio dará oalarme em caso de fuga, de maneira queninguém permanecerá sob concentraçõesperigosas. Como o amoníaco é mais levedo que o ar, o melhor processo de evitar asua acumulação será através de umaventilação adequada.A experiência tem mostrado que oamoníaco é muito dificilmente inflamável eé um composto bastante estável em con-dições normais. Sob concentrações extre-mamente elevadas, ainda que limitadas, oamoníaco pode formar misturas in-flamáveis com o ar e oxigénio, devendoportanto ser manuseado com todo o cui-dado.· Regras básicas para primeirossocorros1. Chamar um médico imediatamente.2. Esteja preparado: Tendo sempre dis-ponível uma garrafa lavaolhos comuma solução salina isotónica esteriliza-da (0,9%) NaCI (água salgada).3. Perto de todas as instalações deamoníaco deverá existir um chuveiroou um tanque de água.4. Quando necessário aplicar primeirossocorros, as pessoas que os aplicaremdeverão estar devidamente protegidasde modo a evitar lesões adicionais.· Inalação1. Evacuar de imediato, para o ar livre, aspessoas afectadas, desapertando-lhesas roupas que lhes possam dificultar arespiração.2. Chamar imediatamente um médico/ambulância munido de oxigénio.3. Manter o paciente em repouso e quen-te, cobrindo-o com cobertores.4. Se a boca ou a garganta estiveremqueimadas (pelo frio ou ácido), deixarque o paciente, consciente, beba águaem pequenos goles.5. Se o paciente estiver consciente e aboca não estiver queimada dar-lhe chádoce ou café, quentes (nunca alimentaruma pessoa inconsciente).6. Poderá ser administrado oxigénio, masunicamente quando autorizado por ummédico.7. Se a respiração falhar, recorrer a respi-ração artificial.· Olhos afectados por líquido ouvapor concentrado1. Mantenha as pálpebras abertas e en-xague imediatamente os olhos com asolução salina anteriormente referida,pelo menos durante 30 min.2. Chamar um médico imediatamente.· Quemaduras na pele provocadaspor líquido ou vapor concentrado1. Lavar durante pelo menos 15 minutos,com grande quantidade de água, aszonas afectadas, removendo simulta-neamente e com cuidado a roupa con-taminada.2. Chamar um médico imediatamente.
  7. 7. 0178-910-PG 73. Depois da enxaguar, aplica-se umacompressa embebida numa soluçãosalina isotónica esterilizada (0,9%) Na-CI (água salgada), sobre as queimadu-ras, até receber outras indicações domédico.NUNCA EXISTIRÁ UMA INSTALAÇÃO 100% SEGURA.A SEGURANÇA DEVERÁ SER UMA MANEIRA DE ESTAR.
  8. 8. 8 0178-910-PGPrimeiros socorros para acidentes com HFC/HCFCRefrigerantes: R134a - R404A - R410A - R507 - R22 etc.· GeralO HFC/HCFC produzem, apenas em altasconcentrações, gases invisiveis mais pe-sados do que o ar e com um leve cheiro acloroformio. Em condições normais sãonão tóxicos, não inflamáveis, não explosi-vos e não corrosivos. Quando aquecidosa temperaturas superiores a 300°C tor-nam-se gases ácidos e tóxicos bastanteirritantes e agressivos ao nariz, olhos epele, sendo ainda, em geral, corrosivos.· Regras básicas para primeirossocorros1. Quando da evacuação de pessoasafectadas de zonas baixas ou poucoventiladas, onde haja suspeitas de al-tas concentrações de gás, os socorris-tas devem estar ligados por um caboao exterior, assim como deverão sercontinuamente observados por um as-sistente colocado fora da zona afecta-da.2. Não deverá ser utilizada adrenalina ouqualquer outro estimulante cardíaco.· Inalação1. Evacuar de imediato, para o ar livre, aspessoas afectadas. Manter os pacien-tes em repouso desapertando-lhes asroupas que lhes possam dificultar arespiração.2. Se o paciente estiver inconsciente,chamar de imediato um médico/am-bulância munido de oxigénio.3. Utilizar respiração artificial até que omédico autorize outro tratamento.· Olhos afectados1. Mantenha as pálpebras abertas e enxague imediatamente com uma soluçãosalina isotónica esterilizada (0,9%) Na-CI (água salgada), ou com água docecorrente, continuando durante pelo me-nos meia hora.2. Contactar um médico, ou levar imedia-tamente o paciente para um hospitalonde este possa ser observado.· Pele afectada - queimaduras frias1. Lavar imediatamente com grandesquantidades de água morna para rea-quecer a pele. Continuar durante pelomenos 15 minutos, removendo simulta-neamente e com cuidado as roupascontaminadas.2. Tratar exactamente como as queima-duras quentes e procurar aconselha-mento médico.3. Evitar o contacto directo com misturasóleo/refrigerante provenientes de com-pressores herméticos queimados elec-tricamente.NUNCA EXISTIRÁ UMA INSTALAÇÃO 100% SEGURA.A SEGURANÇA DEVERÁ SER UMA MANEIRA DE ESTAR.
  9. 9. 0178-910-PG 9Protecção do operador assim como do ambienteAdvertência!Uma instalação nunca pode ser segura de-mais. A segurança deve ser um modo de es-tar na vida!O aumento da industrialização ameaça onosso ambiente. É portanto absolutamenteimperativo que se proteja a natureza contra apoluição.Com este objectivo, muitos paises formula-ram leis que visam reduzir a poluição e pres-ervar o ambiente. Estas leis são aplicáveis atodas as indústrias, incluindo a refrigeração,e deverão ser respeitadas.Seja especialmente cuidadoso com as se-guintes substâncias:S RefrigerantesS Refrigerantes secundários (salmouras,etc.)S Óleos de lubrificaçãoOs refrigerantes possuem, em geral, umponto de ebulição natural que está grande-mente abaixo dos 0°C. Assim, estes refriger-antes líquidos poderão ser extremamenteperigosos se entrarem em contacto com apele ou com os olhos.Altas concentrações de vapor refrigerantepoderão asfixiar quando deslocam ar. Se al-tas concentrações de vapores refrigerantesforem inaladas, o sistema nervoso humanoserá afectado.Quando gases halogéneos entram em con-tacto com chamas ou superficies quentes (deaproximadamente 300°C) decompõem-se eproduzem químicos venenosos, que pos-suem um cheiro extremamente intenso, avi-sando assim da sua presença.Em altas concentrações, o R717 provoca di-fuculdades respiratórias e quando o vapor deamoníaco se mistura com o ar, em percenta-gens da ordem dos 15% para 18% vol., acombinação é explosiva e a ignição poderáser provocada por uma faísca ou por umachama.Vapor de óleo no vapor de amoníaco aumen-ta significativamente o perigo já que o pontode ignição desce para baixo da proporção damistura mencionada atrás.Em geral, o forte cheiro do amoníaco daráum aviso significativo da sua presençaantes da concentração se tornar perigosa.A tabela seguinte mostra os valores de re-frigerante contido no ar, medidos em %volume. Contudo, certos países têm limitesoficiais que diferem dos apresentados.0170-009-PG01.02
  10. 10. 10 0178-910-PGR717vol.% 0,1 0,005vol.% 0,2 0,002R134a R404A R507 R220,10,10,1Refrigerante halogeneos AmoníacoUnidade(TWA) Timeweighted averageAviso dado pelo cheiroAlém disso:S Se refrigerantes halogéneos forem direc-tamente libertados para a atmosfera, irãodestruir a camada de ozono na estratos-fera. A camada de ozono protege a terrados raios ultravioletas do sol. Assim, osrefrigerantes halogéneos nunca deverãoser libertados para a atmosfera. Utilize umsegundo compressor para conduzir o re-frigerante ao condensador/depósito dainstalação ou a cilindros de refrigeranteseparados.S Muitos dos refrigerantes halogéneos sãomisciveis com o óleo. O óleo drenado deuma instalação de refrigeração contém,muitas das vezes grandes quantidades derefrigerante. Assim, reduza, tanto quantopossivel, a pressão no depósito ou nocompressor antes de drenar o óleo.S O amoníaco é facilmente absorvido pelaágua: A 15°C, 1 litro de água é capaz deabsorver aproximadamente 0.5 Kg deamoníaco líquido (ou aproximadamente700 litros de vapor de amoníaco).S Mesmo pequenas quantidades deamoníaco na água (2-5 mg por litro) sãocapazes de produzir estragos na vidamarinha se forem poluídos cursos deágua ou lagos.S O amoníaco é um alcalino que destruirá avida vegetal caso seja libertado para a at-mosfera em grandes quantidades.O refrigerante evacuado de uma instalaçãode refrigeração deverá ser colocado em cilin-dros destinados especificamente a esse re-frigerante.Caso o refrigerante não se destine a ser re-utilizado, deverá ser enviado ao fornecedor,ou a um instituto autorizado de proceder àsua destruição.Os refrigerantes halogéneos nunca deverãoser misturados. Assim como o R717 nuncadeverá ser misturado com os refrigeranteshalogéneos.Purgade uma instalação derefrigeraçãoCaso seja necessário purgar o ar de umainstalação de refrigeração, certifique-se quese observa o seguinte:S Os refrigerantes não deverão ser liberta-dos para a atmosfera.S Quando se estiver a purgar uma insta-lação de R717, utilizar um purgador de arcertificado. O ar purgado deverá passaratravés de um tanque aberto de águapara que o restante R717 possa ser ab-sorvido. A mistura de água resultante,
  11. 11. 0178-910-PG 11deverá ser enviada para um instituto auto-rizado de proceder à sua destruição.S Os refrigerantes halogéneos não podemser absorvidos pela água. Nestes casos,deverá ser instalado na instalação umpurgador adequado. Este purgador de-verá ser regularmente inspecionado utili-zando um detector de fugas.Refrigerantes secundáriosAs soluções de sal (salmouras) de cloreto decálcio (CaCl2) ou de cloreto de sódio (NaCl)são normalmente utilizadas.Nos últimos anos, o alcool, o glicol e com-postos halogéneos têm sido utilizados naprodução de salmouras.Em geral, todas as salmouras deverão serconsideradas como prejudiciais à natureza edevem ser cuidadosamente utilizadas. Sejabastante prudente quando da alimentação oupurga de uma instalação de refrigeração.Nunca fazer a purga de salmouras para es-gotos ou para o meio ambiente. A salmouradeverá recolhida em depósitos próprios,onde deverá estar claramente inscrito o seuconteído, sendo depois enviados para uminstituto autorizado que procederá à sua des-truição.Óleos lubrificantesAdvertência!Ao meter óleo, evite contacto directo com apele. O contacto directo de óleos com a pelepode causar reacções alérgicas a longo pra-zo. Utilize pois sempre material de protecção– óculos e luvas – ao meter óleo.Os compressores de refrigeração são lubrifi-cados por um dos seguintes tipos de óleo,dependendo do rerigerante, tipo de insta-lação e condições de operação.-- Óleo mineral.-- Óleo semi sintético.-- Óleo sintético baseado em alkyl benzene.-- Óleo sintético baseado em polyalphaole-fine.-- Óleo sintético baseado em glicol.-- Óleo de ésterQuando da mudança de óleo no compressorou da drenagem de óleo dos depósitos dasinstalações de refrigeração, recolher sempreo óleo em depósitos onde esteja escrito ”óleousado”, enviando-os de seguida para uminstituto autorizado que procederá à sua des-truição.NotaEstas instruções são apenas informação geral. O dono da instalação de refrigeração éresponsável pelo cumprimento de todas as leis vigentes.
  12. 12. 0171-481-PG96.1212 0178-910-PGDescrição do compressorSMC 104-106-108 Mk3 e TSMC 108 MK3, S-L-EOs compressores SMC100 e TSMC 100 têmum diâmetro do pistão de 100mm, indicadopelo primeiro número da referência.O número de cilindros do bloco compressoré indicado pelos dois números seguintes,sendo por exemplo o SMC108 um compres-sor de 8 cilindros. Os SMC 100 são com-pressores de estágio único, que comprime ogás uma única vez.Nos compressores de duplo estágio TSMC100, o gás é comprimido duas vezes, sendoa relação entre o número de cilindros de altapressão e de baixa pressão de 1:3 respecti-vamente. Desta forma, o compressor de du-plo estágio TSMC 108 tem três cilindros dealta pressão e 6 de baixa pressão. Os com-pressores SMC 100 e TSMC 100 são fabri-cados em duas versões; uma versão S comum curso de 80 mm, a L com um curso de100 mm e a E com um curso de 120 mm.Os compressores funcionam com os refriger-antes definidos na secção seguinte.O tipo de compressor pode ser determinadopela placa de identificação que é colocadana superfície plana na extremidade opostaao eixo motor. Na ilustração seguinte podever-se uma placa de identificação daSABROE.SABROENúmeroRevolucionesPres. de pruebaPres. de trabajoVol. de barridoTipo RefrigerantebarbarrpmT0177093_2AARHUS DENMARKm3/hAñoA placa de identificação indica o nr. de sériedo compressor que se encontra gravado nobloco do compressor perto das câmaras desucção.
  13. 13. 0178-910-PG 13Deve referir-se ao nr. de série do com-pressor em qualquer comunicação com aSABROE a respeito do mesmo.Os pistões deslocam-se dentro das camisasde cilindro que estão integradas no bloco,com dois cilindros debaixo de cada tampasuperior.As válvulas de sucção que são do tipo deplaca anular, são montadas na parte superiordas camisas de cilindro. As válvulas de com-pressão constituem o topo das camisas decilindro e são mantidas no lugar por fortesmolas de segurança. As molas de segurançapermitem a deslocação do conjunto da válvu-la de descarga, apresentando assim umaabertura maior no caso de se verificarem en-tradas de refrigerante líquido nos cilindros.Isto evita sobrecargas nos rolamentos dasbielas.A cambota está apoiada em rolamentos des-lizantes, capazes de resistir a esforços tantono sentido radial como longitudinal. O óleode lubrificação para os rolamentos e para osistema de regulação de capacidade é pres-surizado pela bomba de óleo, accionada porroda dentada e incorporada no compressor.No lado do eixo, a cambota é provida de umbucim retentor equilibrado constituído por umanel de ferro fundido com uma anilha ve-dante que roda em conjunto com a cambota,e uma anilha de grafite estacionária pressio-nada por mola.Todos os compressores podem ser regula-dos em capacidade, incluindo no circuito decompressão pares de cilindros. Na tabelaseguinte indicam-se os níveis de capacidadepara que se podem regular os diversos com-pressores.A regulação de capacidade é efectuada atra-vés de válvulas de solenóide instaladas nocompressor.SMC 104 x xSMC 106 x x xSMC 108 x x x xTSMC 108 x x x25% 33% 50% 67% 75% 100%
  14. 14. 0170-119-PG97.0514 0178-910-PGManuseamento dos compressores, utilização,equipamentos de segurança, etc.Sentido de rotação dos compressoresPara reduzir o nível de ruído dos motoreseléctricos, dotam-se por vezes estes comaletas de ventilação de forma especial queobrigam a um sentido único de rotação domotor.Se encomendar isoladamente o motor a utili-zar, deve ter em atenção se o motor vai ac-cionar o compressor directamente ou porcorreia de transmissão.O sentido de rotação do compressor -- paraos modelos CMO-TCMO e SMC-TSMC - éindicado por uma seta fundida na tampa docompressor perto da caixa de bucim, comoindicado no desenho abaixo.Para os compressores modelo BFO, o senti-do de rotação não é indicado com uma seta,mas é standard como se mostra no desenho.Visto fo lado da extremidade do eixoManuseamento do compressor eagregadoPara içar o bloco do compressor, os modelosmaiores são providos de um orifício roscadopara montagem de olhal de suspensão. Vejao peso do compressor na tabela de dadosdo compressor.Nota:Só se pode içar o bloco do compressorisoladamente, usando o olhal de guinda-gem. Do mesmo modo só se pode içar omotor com o respectivo olhal.O agregado é içado pelos olhais soldados naestrutura. Estes estão bem marcados compintura vermelha. O peso do agregado estámarcado na placa de identificação do mes-mo.Durante o transporte e manuseamento deve-se tomar cuidado para não danificar os com-ponentes, tubos e ligações eléctricas.Utilizações dos compressores depistãoTipos de compressor:BFO 3, 4 e 5CMO-TCMO,SMC 100-TSMC 100 Mk3, S, L e ESMC180-TSMC180,HPO-HPCDe forma a evitar a utilização dos compres-sores de maneira inadequada, o que poderiacausar danos materiais e pessoais, devemos compressores ser utilizados apenas paraos seguintes fins:Como compressores de refrigeração com asvelocidades de rotação e limites de potênciaindicadas neste manual, ou de acordo comaprovação por escrito da SABROE.S Podem usar-se os refrigerantes seguintes:R717 - R221 - R134a1 - R404A1 - R5071 -R6001 - R600A1 - R2901 - LPG1.1 ) Com excepção de:- SMC-TSMC 100E (Só R717)- HPO og HPC (Só R717)
  15. 15. 0178-910-PG 15Outros tipos de gás só devem ser utiliza-dos depois de aprovados por escrito pelaSABROE.S Como bombas de calor em que:- BFO 3, 4 e 5- CMO - TCMO e SMC - TSMC devemser utilizados com uma pressão desaída máxima de 25 bar.- Os tipos HPO - HPC podem ser usadosaté uma pressão máxima de saída de40 bar.S Em ambientes com risco de explosão,desde que o compressor seja instaladocom equipamento anti-explosão aprova-do.O compressor não deve ser usado:S Para a evacuação de ar ou humidade doequipamento de refrigeração,S Para pressurizar a instalação de refriger-ação com ar,S Como compressor de ar.Dispositivo de paragem de em-ergênciaNo controlo do compressor tem que ser in-cluído um dispositivo de paragem de em-ergência.Se o compressor for fornecido com um dis-positivo de controlo da SABROE, o dispositi-vo de paragem de emergência faz parte inte-grante do mesmo.O dispositivo de paragem de emergênciadeve ser concebido de tal forma, que depoisde actuado continue na posição de paragematé ser reposto deliberadamente na posiçãonormal.O dispositivo de paragem de emergêncianão pode ser bloqueado sem que um com-ando de paragem seja transmitido.O dispositivo de paragem de emergência sódeve poder ser reposto através de umaacção deliberada, e esta acção não deve im-plicar um arranque do compressor, mas ape-nas possibilitar o arranque do mesmo.Outras exigências relativas ao dispositivode paragem de emergência:S Este deve ser constituído por um manípu-lo ou botão facilmente identificável eacessível.S Deve bloquear uma eventual situação deperigo tão depressa quanto possível, deuma forma que não acarrete riscos adicio-nais.Motores de combustão internaSe forem instalados motores de combustãointerna em salas, onde se encontram máqui-nas refrigerantes ou equipamentos e tuba-gens com refrigerante, deve-se assegurarque o ar utilizado por esses motores é aspi-rado de áreas, onde não existe a possibili-dade de presença de gás refrigerante, mes-mo no caso de se verificar uma fuga ou der-rame do mesmo.Se não se tomar esta precaução, existe orisco de que o refrigerante se misture com oóleo de lubrificação do motor podendo cau-sar corrosão, e com esta uma possível ava-ria do motor.
  16. 16. 16 0178-910-PGInstalação eléctrica anti-explosãoSe o compressor for fornecido com insta-lação eléctrica anti-explosão, isso é assinala-do na tabela descrita na primeira páginadeste manual de instruções.Adicionalmente, para além da placa de iden-tificação SABROE, existirá no bloco do com-pressor uma etiqueta EX idêntica ao desen-ho abaixo.T2516273_0Temperatura das superfíciesexpostasQuando em funcionamento, as áreas docompressor que estão em contacto com ogás quente de descarga aquecem. A temper-atura atingida é no entanto dependente dotipo de refrigerante empregue e do regime defuncionamento do compressor, podendo noentanto atingir fácilmente valores superioresa 70ºC, o que em superfícies metálicas podedar origem a queimaduras por contacto coma pele.O compressor é portanto geralmente dotadodas placas de advertência amarelas abaixomostradas, para sinalizar que os tubos, re-cipientes e peças existentes na vizinhançadas referidas placas, podem durante o fun-cionamento atingir temperaturas que provo-carão queimaduras de pele, quando tocadaspor mais do que 1 segundo.
  17. 17. 0170-114-PG99.060178-910-PG 17Níveis de ruído de compressores de pistão e deparafusoNas tabelas seguintes indicam-se os dadosde ruído dos compressores nas seguintesunidades:-- compensação A de potência sonora LW(Sound Power Level)-- compensação A de pressão sonora LP(Sound Pressure Level)Os valores de LW são uma média de muitasmedições efectuadas em diversos agrega-dos. As medições são efectuadas de acordocom a norma ISO 9614-2.Os valores são para além disso dados comopressão sonora média ao ar livre sobreuma superfície reflectora e a uma distânciade 1 metro, a partir de uma estrutura fictíciaenvolvendo o agregado. Cf. fig.1.Normalmente a pressão sonora verificadaestará entre os valores LW e LP, sendopossível calculá-la desde que se conheçamas características acústicas da sala dasmáquinas.No caso dos compressores de parafuso, osvalores médias dados pelas tabelas sãoafectados pelas componentes seguintes:S SAB 81-83-85-87-89, SAB 128 Mk3, SAB163 Mk3, SAB 202, SAB 330, SV e FV:Bloco de compressor + IP23 motor espe-cial + separador de óleo.S SAB 128 HR e 163 HR:Bloco de compressor a número máximode rotaçõ + IP23 motor especial + separa-dor de óleo.S SAB 110:Bloco de compressor + IP23 motor normal+ separador de óleo.As tolerâncias de medição:S 3 dB para os compressores de parafusoSAB, SV e FVS 5 dB para os compressores de parafusoVMYPara os compressores de pistão os dadosreferem-se apenas ao bloco do compressor.Os valores medidos são referentes ao fun-cionamento do compressor a 100% capaci-dade.Fig. 1Superficie medidaEstrutura fictíciaSuperfície reflectora1 metro1 metro
  18. 18. 18 0178-910-PGDeve-se no entanto salientar o seguinte:S Quando o compressor de parafuso traba-lha sob carga parcial ou com um valor deVi mal ajustado, pode algumas vezes veri-ficar-se um nível de ruído ligeiramente su-perior ao indicado nas tabelas.S Equipamentos adicionais como por exem-plo trocadores de calor, tubagens, válvu-las e outros, assim como a utilização deum tipo de motor diferente, podem au-mentar o nível de ruido sonoro na casa demáquinas.S O valor da pressão sonora indicado é,como referido, um valor médio medidosobre uma estrutura fictícia rodeando afonte de ruído. Podem portanto algumasvezes medir-se níveis de ruído locais su-periores aos indicados, como por exemploperto do compressor e do motor.S As caracteristicas acústicas da sala ondeo agregado do compressor está instalado,podem alterar o nível sonoro. Ter portantoem atenção que as condições acústicasdo local da instalação devem ser tomadasem conta quando se procede à confir-mação dos valores referidos.S Pode obter-se junto da SABROE dadosde ruído para outras formas de utilização.As tabelas estão divididas respectivamenteentre os compressores de pistão e de para-fuso. Os compressores de pistão estão paraalém disso divididos em compressores deestágio simples, duplo e bomba de calor.Para cada tabela são indicadas as condiçõesde funcionamento do compressor durante asmedições de ruído, assim como o tipo de re-frigerante utilizado.
  19. 19. 0178-910-PG 19COMPRESSORES DE PISTÃOEstágio simplesTemperatura de evaporação = --15ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 1450 rpmLW LPCMO 24 84 69CMO 26 86 71CMO 28 87 72SMC 104 S 95 79SMC 106 S 96 80SMC 108 S 97 81SMC 112 S 99 82SMC 116 S 100 83SMC 104 L 96 80SMC 106 L 97 81SMC 108 L 98 82SMC 112 L 100 83SMC 116 L 101 84SMC 104 E 96 80SMC 106 E 97 81SMC 108 E 98 82SMC 112 E 100 83SMC 116 E 101 84Bloco de compressorTemperatura de evaporação = --15ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 900 rpmLW LPSMC 186 101 83SMC 188 102 84Bloco de compressorEstágio duploTemperatura de evaporação = --35ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 1450 rpmTCMO 28 81 66TSMC 108 S 95 79TSMC 116 S 97 81TSMC 108 L 96 80TSMC 116 L 98 82TSMC 108 E 96 80TSMC 116 E 98 82LW LPBloco de compressorTemperatura de evaporação = --35ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 900 rpmLW LPTSMC 188 100 82Bloco de compressorBomba de calorTemperatura de evaporação = +20ºCTemperatura de condensação = +70ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 1450 rpmHPO 24 91 76HPO 26 93 78HPO 28 94 79HPC 104 97 81HPC 106 98 82HPC 108 99 84LW LPBloco de compressor
  20. 20. 20 0178-910-PGCOMPRESSORES DE PARAFUSOTemperatura de evaporação = -- 15ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 2950 rpm*Velocidade = 6000 rpmSAB 110 SM 98 81SAB 110 SF 98 81SAB 110 LM 98 81SAB 110 LF 98 81SAB 128 HM Mk2 102 84SAB 128 HF Mk2 106 88SAB 128 HM Mk3 101 84SAB 128 HF Mk3 104 86SAB 128 HR* 102 84SAB 163 HM Mk2 105 86SAB 163 HF Mk2 109 90SAB 163 HM Mk3 103 86SAB 163 HF Mk3 106 87SAB 163 HR* 103 85SAB 202 SM 104 85SAB 202 SF 105 86SAB 202 LM 104 85SAB 202 LF 105 86SAB 330 S 106 87SAB 330 L 106 87SAB 330 E 106 87SV 17 100 83SV 19 101 84FV 19* 101 86SV 24 103 85FV 24* 104 86SV 26 103 85FV 26* 107 85SAB 81 101 86SAB 83 102 85SAB 85 103 86SAB 87 105 86SAB 89 108 85LW LPBloco de compressorPressão minima de líquido para injecção de líquido,pressão de aspiração bar (a) x 2+2 barTemperatura de evaporação = --35ºCTemperatura de condensação = --5ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 2950 rpmAgregado do LW LPSAB 163 BM 106 88SAB 163 BF 110 92compressorTemperatura de evaporação = --15ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 2950 rpmLW LPVMY 347 H 97 82VMY 447 H 100 85VMY 536 H 104 88Bloco de compressorTemperatura de evaporação = 0ºCTemperatura de condensação = +35ºCRefrigerante = R22/R717Velocidade = 2950 rpmLW LPVMY 347 M 99 84VMY 447 M 101 86VMY 536 M 105 89Bloco de compressor
  21. 21. 0170-115-PG01.010178-910-PG 21Dados sobre vibrações dos compressoresTodos os tipos de compressorOs dados de vibração para os compressoresde êmbolo YORK Refrigeration Sabroe es-tão de acordo com: Norma ISO 10816, Parte6, Anexo A, grupo 4, AB, que estabelece osvalores máximos de vibração em funciona-mento permitidos, de 17,8 mm/s.Os dados de vibração para os compressoresde parafuso Sabroe de YORK Refrigerationcumprem a norma ISO 10816, 1.a parte,Anexo B, classe III, C, que estabelece em11,2 mm/s os valores máximos permitidos devibração em serviço.As medições devem ser feitas como se mos-tra nos pontos A--D da figura em baixo.Deverá no entanto ter--se em atenção oseguinte:S Os motores cumprem EN 60034--14 (CEI/IEC 34--14) Classe N.S Montando os agregados de compressorsobre os amortecedores de vibração for-necidos pela YORK Refrigeration, redu-zem-se as vibrações transmitidas ao pavi-mento nas seguintes percentagens:-- 85-95% no caso dos agregados decompressor de parafuso-- 80% no caso dos agregados de com-pressor de pistãoS Podem entretanto verificar--se níveis maiselevados de vibração, se:-- O compressor e o motor não forem ali-nhados como descrito na secção rele-vante.-- Um compressor de parafuso funcionarcom uma relação Vi errada.-- As tubagens de ligação forem executa-das de uma forma que cause tensõesno agregado do compressor, ou a estesejam transmitidas vibrações dos pró-prios tubos ou de outra maquinaria aeles conectada.-- Os amortecedores de vibração não fo-rem correctamente montados, ou nãoforem respeitados os planos de funda-ções enviados em conjunto com a en-comenda.
  22. 22. 22 0178-910-PGDados dos compressores de pistãoCMO 4, CMO 24-28, TCMO 28, SMC 104-116,TSMC 108-116, SMC 186-188, TSMC 188Limites de funcionamento:A SABROE prescreve certos limites de fun-cionamento, dentro dos quais os compres-sores e equipamentos extra eventuais, de-vem operar. Estes limites de funcionamentopara os refrigerantes R717, R22, R134a,R404A, R507 e R407C, assim como os da-dos principais dos compressores são descri-tos nas tabelas seguintes:Tipo de nr. de diâmetro curso RPM Volume de Peso máx.compressor cilindros do do máx./min.8 aspiração do blococilindro pistão (RPM máx.) do compr.mm mm rpm m3/h kgCMO 4 4 65 65 1800/900 93.2 200CMO 24 4 70 70 1800/900 116 340CMO 26 6 70 70 1800/900 175 380CMO 28 8 70 70 1800/900 233 410TCMO 28 2+6 ¨ 70 70 1800/900 175 410SMC 104 S 4 100 80 1500/700 226 580SMC 106 S 6 100 80 1500/700 339 675SMC 108 S 8 100 80 1500/700 452 740SMC 112 S 12 100 80 1500/700 679 1250SMC 116 S 16 100 80 1500/700 905 1350TSMC 108 S 2+6 ¨ 100 80 1500/700 339 775TSMC 116 S 4+12 ¨ 100 80 1500/700 679 1400SMC 104 L 4 100 100 1500/700 283 580SMC 106 L 6 100 100 1500/700 424 675SMC 108 L 8 100 100 1500/700 565 740SMC 112 L 12 100 100 1500/700 848 1250SMC 116 L 16 100 100 1500/700 1131 1350TSMC 108 L 2+6 ¨ 100 100 1500/700 424 775TSMC 116 L 4+12 ¨ 100 100 1500/700 848 1400SMC 104 E 4 100 120 1500/700 339 600SMC 106 E 6 100 120 1500/700 509 700SMC 108 E 8 100 120 1500/700 679 770SMC 112 E 12 100 120 1500/700 1018 1300SMC 116 E 16 100 120 1500/700 1357 1400TSMC 108 E 2+6 ¨ 100 120 1500/700 509 800TSMC 116 E 4+12 ¨ 100 120 1500/700 1018 1450SMC 186 6 180 140 1000/450 1283 2560SMC 188 8 180 140 1000/450 1710 2840TSMC 188 2+6 ¨ 180 140 1000/450 1283 29008 nota: A velocidade de rotação máxima (RPM) pode ser inferior à indicada nesta tabela, dependendo das condições de funcionamento e refrigerante empregue. Consulte os gráficos seguintes.¨ Compressores de estágio duplo (cilindros de alta pressão + cilindros de baixa pressão).0171-476-PG00.05
  23. 23. TETC°C--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40010203040506070T245400_0/2CondensingtemperatureEvaporating temperature1243°C--70--40--76 --58 --40 --22 --4 14 32 50 68 86 104 °F--94°F--22--41432506886104122140158--400178-910-PG 23R717Operating limitssingle stagecompressorsCMOSMC 100 S-LSMC 180Tipo Área RPM Enfriamientomáx. min. reforçoCompr. de estágio únicoe alta pressãoCMO 201-2 1800900As tampas de topo e laterais são arrefecidas porar # / Arrefecido a águaCMO 203-4 1800900Arrefecido a águaBomba térmica/arrefecidoa águaSMC 100 S L1-2 1500700As tampas de topo e laterais são arrefecidas porar # / Arrefecido a águaSMC 100 S-L 3 1500 700Arrefecido a água Bomba térmica/arrefecido4 1200Arrefecido a água Bomba térmica/arrefecidoa águaSMC 1801 750450 Arrefecido a águaSMC 1802-3-4 1000*450 Arrefecido a água# El enfriador de aceite enfriado porrefrigerante incluído.* Velocidade de 840 a 920 rpm não permitidaBomba térmica:As tampas de topo e laterais são arrefecidasatravés da injecção de refrigerante.O sistema inclui arrefecimento de óleoArrefecimento a água:As tampas de topo e laterais são arrefecidaspor água. O sistema inclui arrefecimento deóleo.Nota: Sob condições de carga parcial a temperatura do gás pressurizado não deveultrapassar 150°C/302°F
  24. 24. 1-(1a) 15002 1200TETC °°( C)( C)--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40010203040506070T245400_0/2700SMC100 E1a: Nesta área o compressor não deve funcionar com uma capacidade inferior a 50%121aTemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçaoBomba térmica:As tampas de topo e laterais sãoarrefecidas através da injecçãode refrigerante.O sistema incluiarrefecimento de óleoArrefecimento a água:As tampas de topo e laterais são arrefe-cidas por água.O sistema inclui arrefeci-mento de óleo.Nota: Sob condições de carga parcial a temperatura do gás pressurizado não deveultrapassar 150ºC.Tipo Área RPM Arrefecimentomáx. min. reforço compr. de estágio único ealta pressãoArrefecido a água Bomba térmica/arrefecido a água24 0178-910-PGR717Limites defuncionamentocompressoresde estágio únicoSMC 100 E
  25. 25. 0178-910-PG 25R717Limites defuncionamentocompressoresde estágio duploTCMOTSMC 100 S-L-ETSMC 180Tipo Área RPM Arrefecimento Notamáx. min. topo e lateral10007501-211500450700 1)1)2O arrefecimento do óleo é sempre necessárioBomba térmica:Só as tampas de topo dos cilindros de altapressão são arrefecidas através da injecçãode refrigerante.O sistema inclui arrefeci-mento de óleoArrefecimento a água:As tampas de topo e laterais são arrefecidas por água.O sistema inclui arrefecimentode óleo.Funcionamento sob carga parcial:1) Dependendo das condições de funciona-mento e da pressão, terá eventualmente deser utilizado um sistema de circuito se-cundário.Consultar a secção: Sistema decircuito secundário para compressores deestágio duplo.TCMO 1-2 1800 900TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçaoBomba térmica/arrefecido a águaArrefecido a água°--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40TE010203040506070TCT0177128_0 view 3,1°CC12Bomba térmica/arrefecido a águaTSMC 100S-L-ETSMC180
  26. 26. Tipo Área RPM Arrefecimento do óleo 1) Notamáx. min. necessário1 1500 não2 1500 não3 1800 A menos de 50% de capacidade4 1800 sim1 1000 não2 1200 não3 1500 A menos de 50% de capacidade4 1200 sim1 não aplicável2 1000 não3 1200 A menos de 50% de capacidade4 1000 sim1-2 não aplicável3 A menos de 50% de capacidade4 simTampas de topo: apenas instalação de arrefe-cimento a ar1) Quando se torna necessário proceder aoarrefecimento do óleo existe escolha livreentre os processos A e B -- No caso docompressor SMC 180 no entanto, apenasse pode usar o método A.A: As tampas laterais são arrefecidas a água.B: Arrefecedor integrado de óleo por refriger-ante com válvula de expansão termostática.CMO900700700450SMC100SSMC100LSMC180 750TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçao--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40TE010203040506070TC °( C)°( C)T0177128_0 view 1.4123426 0178-910-PGR22Limites defuncionamentocompressoresde estágio únicoCMOSMC 100 S-LSMC 180
  27. 27. Tipo Área RPM Arrefecimento do óleo 1) Notamáx. min. necessário1-2 15003-4 18001 10002-3 1200 7004 1500TSMC 1100L 2 10003-4 1200TSMC 1-2180 3-4 750 450simnãosimsim2)2)2)Tampas de topo: apenas instalação de arrefecimento a ar1) Quando se torna necessário proceder aoarrefecimento do óleo existe escolha livreentre os processos A e B -- No caso docompressor SMC 180 no entanto, apenasse pode usar o métodoA: A: As tampas laterais são arrefecidas aágua.B: Arrefecedor integrado de óleo por refriger-ante com válvula de expansão termostática.Funcionamento sob carga parcial:2) Dependendo das condições de funciona-mento e da pressão, terá eventualmente deser utilizado um sistema de circuito se-cundário.Consultar a secção: Sistema decircuito secundário para compressores deestágio duplo.TCMO 900TSMC100S700TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçaonão aplicávelnão aplicável°C--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40TE010203040506070TCT0177128_0 view 5.1 °C12340178-910-PG 27R22Limites defuncionamentocompressoresde estágio duploTCMOTSMC 100 S-LTSMC 180
  28. 28. 28 0178-910-PGR134aLimites defuncionamentocompressoresde estágio únicoCMOSMC 100 S-LTipo ÁreaCMO1-2RPMMáx Min1200900Nota1500150018001000120012001500100010001200700700SMC100SSMC100L3123123Tampas de topo: apenas instalação de arrefe-cimento a ar1) Quando se torna necessário proceder aoarrefecimento do óleo existe escolha livreentre os processos A e B.A: As tampas laterais são arrefecidas a água.B: Arrefecedor integrado de óleo por refriger-ante com válvula de expansão termostática.TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçaoArrefecimento do óleonecessário 1)nãonãonãonãonãonãonãoA menos de 50% de capacidadeA menos de 50% de capacidadeA menos de 50% de capacidadeA menos de 50% de capacidadenão aplicável--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40TE010203040506070TC80°C°CT0177128_V8,1123
  29. 29. 0178-910-PG 29R134aLimites defuncionamentocompressoresde estágio duploTCMOTSMC 100 S-LTipo ÁreaRPMArrefeimento NotaMáx MinTCMOTSMCTSMC100L1 - 2312312315001800100012001500100012009007007001)1)1)2)2)2)100S1) Arrefecimento do óleo:Não necessário.Tampas de topo e laterais:apenas instalação de arre-fecimento a ar.2) Funcionamento sob cargaparcial:Torna-se necessário um sistema decircuito secundário para garantiruma temperatura intermédia emcaso funcionamento sob carga mínima.TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçaonão aplicável--30--20--10--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30 40TE010203040506070TCT0177128_0V8,1°C°C123
  30. 30. 30 0178-910-PGR404ALimites defuncionamentocompressoresde estágio únicoCMOSMC 100 S-LnãoTipo Área NotaRPMMáx MinA menos de 50% de capacidadeA menos de 50% de capacidadenãonãoTampas de topo: apenas instalação de arrefe-cimento a ar1) Quando se torna necessário proceder aoarrefecimento do óleo existe escolha livreentre os processos A e B.A: As tampas laterais são arrefecidas a água.B: Arrefecedor integrado de óleo por refriger-ante com válvula de expansão termostática.TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçao--30--20--100--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30102030604050ET°CTC274263.1Rev.0°C12Arrefecimento do óleonecessário 1)SMC100L21CMO20SMC100S 21211200 70010001000120015001500180012001500900700A menos de 50% de capacidadenãonãonão
  31. 31. 0178-910-PG 31R404ALimites defuncionamentocompressoresde estágio duploTCMOTSMC 100 S-LTipo ÁreaTCMO2811212TSMC100STSMC100LRPMMáx Min90018001800212001500120010007007001)1)1)Nota2)2)TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçao1) Arrefecimento do óleo:Não necessário.Tampas de topo e laterais:apenas instalação de arre-fecimento a ar.2) Funcionamento sob cargaparcial:Torna-se necessário um sistema decircuito secundário para garantiruma temperatura intermédia emcaso funcionamento sob carga mínima.Arrefecimento do óleonecessário 1)--10010--60 --50 --40 --30 --20 --10 020304050ET °CTC°C274263.3Rev.06012
  32. 32. 32 0178-910-PGR507Limites defuncionamentocompressoresde estágio únicoCMOSMC 100 S-L2SMC100L1Tipo ÁreaCMO20SMC100S 12211200 70010001200120015001500180012001500900700NotaRPMMáx MinnãoA menos de 50% de capacidadeTemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçaoArrefecimento do óleonecessário 1)nãonãonãonãonãoA menos de 50% de capacidadeA menos de 50% de capacidadeTampas de topo: apenas instalação de arrefe-cimento a ar1) Quando se torna necessário proceder aoarrefecimento do óleo existe escolha livreentre os processos A e B.A: As tampas laterais são arrefecidas a água.B: Arrefecedor integrado de óleo por refriger-ante com válvula de expansão termostática.--30--20--100--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 30102030604050ET°CTC °C274263.2Rev.012
  33. 33. 0178-910-PG 33R507Limites defuncionamentocompressoresde estágio duploTCMOTSMC 100 S-LTipo ÁreaTCMO2811212TSMC100STSMC100LRPMMáx Min90018001800212001500120010007007001)1)1)Nota2)2)TemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçao1) Arrefecimento do óleo:Não necessário.Tampas de topo e laterais:apenas instalação de arre-fecimento a ar.2) Funcionamento sob cargaparcial:Torna-se necessário um sistema decircuito secundário para garantiruma temperatura intermédia emcaso funcionamento sob carga mínima.Arrefecimento do óleonecessário 1)--10ET010--60 --50 --40 --30 --20 --10 020304050TC °C274263.4Rev.0°C6012
  34. 34. 34 0178-910-PGR407CLimites defuncionamentocompressoresde estágio únicoCMO & SMCTipo ÁreaÁreaRPM Arrefecimento do óleo Notamáx min necessário 1)1 1500 900 nãoCMO 2 1800900A menos de 50 % de capacidade3 1800900sim1 1200 700 nãonãoSMC 100 S 2 1500700A menos de 50 % de capacidade3 1200700sim1 1000 700 nãoSMC 100 L 2 1200700A menos de 50 % de capacidade3 1000700sim1 não aplicávelSMC 180 2 750 450 A menos de 50 % de capacidade3 750 450 simTampas de topo: apenas instalação de arrefecimento a ar1) Quando se torna necessário proceder aoarrefecimento do óleo existe escolha livreentre os processos A e B -- No caso docompressor SMC 180 no entanto, apenasse pode usar o métodoA: A: As tampas laterais são arrefecidas aágua.B: Arrefecedor integrado de óleo por refriger-ante com válvula de expansão termostática.TE--30--20--10010--60 --50 --40 --30 --20 --10 0 10 20 302040503060231TCT245411 0 view 2°C--70°CTemperaturadecondensaçaoTemperatura de evaporaçao
  35. 35. 0171-461-PG96.060178-910-PG 35Instruções gerais de utilização doscompressores de pistão tipo CMO/TCMO, SMC/TSMCArranque do compressor e dainstalação.S Antes de se proceder ao arranque docompressor, depois de um período de pa-ragem de vários meses, deve-se procedera uma lubrificação prévia do mesmo.Neste processo lubrificam-se os rola-mentos e enche-se de óleo o sistema delubrificação do compressor, antes de seproceder ao arranque do mesmo.Procede-se à pré-lubrificação ligandouma bomba de óleo à válvula de pré-lu-brificação, que nos modelos mais re-centes de compressores SMC-TSMC-HPC está ligada ao invólucro do bucimretentor do eixo, pos. 6A, e no caso dosCMO-TCMO-HPO está ligada à tampa,pos. 86H ou 87K. Como bomba de pré-lu-brificação recomenda-se o uso da bombamanual de óleo SABROE nr. 3141-155,montada como se mostra na fig. 1.Fig. 1T0177131_0 V15Para o compressor válvula de pré-lubrificaçãobujãovedantebomba de óleoà escolhaPara a pré-lubrificação usa-se óleo novofiltrado, do mesmo tipo usado pelo com-pressor, nas seguintes quantidades:TipocompressorCMOTCMOHPOSMC 104106-108TSMC 108HPCSMC 112-116TSMC 116SMC 186-188TSMC 188ca. 25ca. 35ca. 45ca. 502,53,54,55,0Bombadas coma bombamanualSABROEQuantidadeestimadade óleo emlitrosS O elemento de aquecimento do cárter temque estar ligado pelo menos durante 6 a 8horas antes de se arrancar com o com-pressor, de forma a evaporar eventuaisrestos de refrigerante misturados no óleo.Durante este período a válvula de blo-queio de aspiração deve permanecer ab-erta.S Verifique o nível de óleo no cárter. O nívelde óleo deve ser sempre visível no mos-trador de nível. Cf. capítulo Enchimentode óleo do compressor.S Ligue o arrefecimento do compressor,bombas de salmoura, ventiladores de ar-refecimento a ar, assim como eventuaisdispositivos de arrefecimento do compres-sor.S Verifique o ajuste correcto dos automatis-mos de segurança do compressor.
  36. 36. 36 0178-910-PGS Abra a válvula de bloqueio de descargado compressor.S Coloque o regulador de capacidade naposição de capacidade mínima.S Para evitar uma redução excessiva dapressão no compressor, deve-se abrir aválvula de bloqueio de aspiração duasvoltas, de forma a evitar um eventual es-pumar do óleo do cárter.S Abrem-se todas as outras válvulas de blo-queio, com excepção da válvula de blo-queio principal na linha de líquido e outrasválvulas de circuitos secundários, dedica-das a outros fins.S Verificar se o relê temporizador 3K13mantém a válvula solenóide da linha deretorno de óleo fechada durante 20 a 30minutos, após o arranque do compressor.S Liga-se o motor do compressor e verifica-se a pressão de aspiração e de óleo.S Abre-se cuidadosamente até se encontrartotalmente aberta.S Abre-se a válvula de bloqueio principal nalinha de líquido.S Se o óleo do cárter espumar ou se ouvi-rem ruídos de pancadas no compressor,isto explica-se pelo arrasto de gotas delíquido no gás de aspiração, devendo-seproceder ao ajuste da válvula de bloqueiode aspiração.S O compressor está agora em funciona-mento. Aumenta-se progressivamente acapacidade, deixando que o compressorestabilize o seu funcionamento em cadaajuste antes de passar ao seguinte. Con-trola-se cuidadosamente a pressão doóleo e se este forma espuma.S Verifica-se o funcionamento do tubo deretorno de óleo vindo do separador. (verifi-car se existem entupimentos nos filtros ounos bocais). O tubo está normalmentequente.S Não saia de perto da instalação antes dedecorridos 15 minutos depois do arran-que, e nunca antes de esta se encontrarem funcionamento equilibrado.Paragem e arranque do compres-sor em paragens de curta duraçãoAntes de parar o compressor deve-se reduzira capacidade do mesmo para o mínimo du-rante dois minutos e depois pará-lo.Durante paragens de curta duração não énecessário fechar as válvulas de descarga ede aspiração, e tem que se manter o ele-mento de aquecimento ligado.Se o compressor for arrefecido a água, ofluxo de água deve ser parado durante a pa-ragem do compressor, normalmente atravésde uma válvula solenóide colocada no tubode alimentação de água para o compressor.Esta válvula deve ser ligada ao relê de com-ando do motor do compressor.O arranque do compressor deve ser semprefeito com este na regulação de capacidademínima, elevando-se esta gradualmente deforma a que não se verifique um abaixamen-to brusco da pressão de evaporação, acarre-tando pancadas de líquido no compressor eformação de espuma no óleo do cárter.Paragens curtas da instalação(até 2 ou 3 dias).S Pára-se o fornecimento de líquido para osevaporadores alguns minutos, antes de separar a instalação.S Pára-se o compressor e fecham-se asválvulas de bloqueio de aspiração e des
  37. 37. 0178-910-PG 37carga. Fecha-se também a válvula de re-torno de óleo.S Param-se os circuitos de arrefecimento docondensador, bombas, ventiladores eeventualmente o arrefecimento do com-pressor.S Interrompe-se a corrente eléctrica tantopara o circuito de potência como de con-trolo.Paragens mais longas da insta-lação (mais do que 2 ou 3 dias).S A válvula de bloqueio principal depois dodepósito de líquido é fechada e evacuam-se os evaporadores. Se necessário ajus-ta-se o pressostato de baixa pressão paraum valor mais baixo durante a evacuação.S Deixa-se subir a temperatura nos evapo-radores e repete-se o processo de eva-cuação.S Quando a pressão de aspiração tiver sidoreduzida para pouco mais que a pressãoatmosférica, para-se o compressor e fe-cham-se as válvulas de bloqueio de aspi-ração e descarga. Fecha-se também aválvula de retorno de óleo.S Param-se os circuitos de arrefecimento docondensador. Se houver risco de conge-lação drena-se a tubagem.S Interrompe-se a corrente eléctrica, tantopara o circuito de potência como de con-trolo.S Verifica-se se existem eventuais fugas nocondensador, depósito de líquido e diver-sos recipientes, assim como tubagens edemais equipamento contendo refriger-ante.Instalações automáticasS A instalação refrigerante é posta em fun-cionamento conforme descrito na secçãode Arranque. Depois do arranque coloca-se o controlo na posição de funcionamen-to automático.S As instruções especiais relativas ao tipode sistema automático em questão devemser seguidas cuidadosamente.S Mesmo nas instalações automáticas devecontrolar-se diariamente:-- O nível do óleo-- O retorno automático do óleo-- A pressão do óleo-- As pressões de aspiração e no condensa-dor-- A temperatura dos tubos pressurizados-- O ajuste correcto dos automatismos desegurança
  38. 38. 38 0178-910-PGEnsaio de pressurização da insta-lação refrigeranteAntes de se proceder ao enchimento dainstalação com refrigerante, tem que seproceder a um ensaio de pressurização e devácuo.A pressurização da instalação é efectuadacom um dos seguintes gases:S Ar seco - podem usar-se garrafas de aratmosférico seco - nunca use garrafas deoxigénio.S Compressor de alta pressão.S Nitrogénio (azoto).ImportanteOs compressores da instalação não po-dem ser utilizados para pressurizar ainstalação.Não se pode utilizar água ou qualqueroutro líquido para os ensaios de pres-surização.Se utilizar nitrogénio é importante utilizaruma válvula redutora provida de manómetroentre a garrafa e a instalação.Durante o ensaio é importante que os trans-dutores de pressão e outro equipamento deregulação não sejam sujeitos à pressão deensaio. De igual forma, devem fechar-se asválvulas de bloqueio do compressor duranteo ensaio.As válvulas de segurança da instalação de-vem ser retiradas do circuito porque apressão a que abrem é normalmente inferiorà pressão de ensaio.ImportanteDurante o ensaio não devem permanec-er pessoas nos locais da instalação nemnas proximidades das partes da insta-lação existentes no exterior.S Toda a instalação é ensaiada sob pressãode acordo com as regras de testes depressurização válidas no local.S A pressão de teste nunca pode evidente-mente exceder a pressão máxima ad-missível.S No caso do compressor dever ser testadoem conjunto com o agregado, a pressãode ensaio não pode exceder os seguintesvalores:- Compressores de pistão:lado da A.P. 24 barlado da B.P. 17.5 barS Deve observar-se em relação a estes val-ores, que os manómetros, pressostatos,transdutores de pressão e outros equipa-mentos de controlo, não devem ser sub-metidos à pressão de ensaio.S Posteriormente baixa-se a pressão para10 bar durante 24 horas - como primeiroteste de estanquicidade - sendo que umainstalação estanque manterá a mesmapressão durante este período.Durante o teste de estanquicidade é permiti-do o acesso de pessoas às salas onde oequipamento está instalado.S O segundo teste consiste na detecção deeventuais fugas em soldaduras e junções,através da aplicação de água com sabão,mantendo a pressão de 10 bar.Durante a execução dos testes preenche-seum relatório de teste contendo o seguinte:
  39. 39. 0178-910-PG 39S Data do testeS Pessoa encarregada do testeS ObservaçõesEvacuação da instalação refriger-anteA instalação refrigerante deve ser evacuadadepois do teste de pressurização, para retiraro ar e a humidade. Independentemente dotipo de gás refrigerante usado, toda e qual-quer instalação de refrigeração tem que serevacuada.Deve-se notar que os refrigerantes HCFC eCFC são muito pouco miscíveis com a água,devendo portanto executar-se uma eva-cuação muito cuidadosa das instalações queusam estes gases.O ponto de ebulição de um líquido é definidocomo a temperatura à qual a pressão exerci-da pelo seu vapor é igual à pressão atmos-férica. No caso da água esta temperatura éde 100ºC. Se baixar a pressão, também sebaixa o ponto de ebulição da água.A tabela seguinte dá os pontos de ebuliçãoda água a muito baixas pressões:mm HG51015206,639,1412,7317,80bar0.00880.01220.01700.0237Ponto de ebu-liçãoda água em ºCÀ pressão dePara a evacuação da instalação utiliza-seuma bomba de vácuo que retira o ar e a hu-midade existentes na instalação.A bomba de vácuo deve ter a possibilidadede baixar a pressão até 0,1 mm Hg (colunade mercúrio), e deve estar provida de umaválvula de equilíbrio de pressão ”gas ballastvalve”. Esta válvula deve ser utilizadasempre que possível para evitar a conden-sação de vapor de água na bomba de vácuo.ImportanteNunca utilize o compressor de refrigeraçãopara evacuar a instalação.Para que a evacuação seja executada cor-rectamente, a pressão final na instalaçãonão deve ser superior a 5 mm Hg. Deve cha-mar-se a atenção para o facto de que, se atemperatura for inferior a 10ºC, eventuaisresíduos de água dentro da instalação po-dem congelar. Neste caso deve aquecer-se ainstalação porque se torna muito difícil eva-porar gelo.Recomenda-se proceder à evacuação daseguinte forma:S Estabelece-se um vácuo superior a 5 mmHg.S Seguidamente introduz-se ar seco ou azo-to a uma pressão equivalente à pressãoatmosférica. Nunca usar garrafas de ox-igénio.S Volta a estabelecer-se um vácuo superiora 5 mm Hg.S Isola-se a bomba de vácuo da instalaçãorefrigerante, e verifica-se se a pressãosobe durante 2 horas. Se ainda existirágua na instalação, esta evaporará au-mentando portanto a pressão. Se issoacontecer, considera-se que a evacuaçãonão foi efectuada convenientemente edeverá ser repetida.
  40. 40. 40 0178-910-PGDiário de operaçãoPara manter o controlo sobre o funcionamen-to do compressor e da instalação de refriger-ação, recomenda-se a implementação de umdiário de operação. Este deve ser preenchi-do a intervalos regulares, podendo assim seruma fonte de informação útil sobre as cau-sas de eventuais distúrbios de funcionamen-to.-- No mínimo, este diário deve conter as se-guintes observações:· Indicador de nível de óleo· UNISAB II· Manómetro do compressor· UNISAB II· Termómetro na linha de aspiraçãojunto ao compressor· UNISAB II· Termómetro na linha dedescarga junto ao compressormas antes do separador· UNISAB II· Quadro eléctrico· Cf. capítulo sobre enchimentode óleobar°C°CAmp.°C· UNISAB II (acessório)Observação Local da medição Unidade de medidaPeríodo Data e horaPressão de aspi-raçãoºC ou barºC ou bar· Manómetro do compressor· UNISAB II· Manómetro do compressor· UNISAB IIPressão de descargaPressão de óleoTemperatura do óleoTemperatura do gásna aspiraçãoTemperatura do gásna descargaNível de óleo nocompressordeve ver-se óleono indicadorAbastecimento deóleo do compressorNr. de litrosConsumo eléctrico domotor do compressorDeve simultâneamente verificar-seos seguintes pontos:(eventualmente assinalados com cruz no diário)S Funcionamento correcto do circuito de arrefecimento do compressorS Se o compressor produz ruídos fora do normalS Se o compressor vibra de forma anormal
  41. 41. 0171--462--PG99.050178-910-PG 41Manutenção do compressor de pistãoPara assegurar uma operação livre de pro-blemas, é aconselhável proceder periodica-mente a acções de manutenção preventivada instalação refrigerante.A SABROE indica neste capítulo algumasmanutenções periódicas, que são determina-das a partir do número de horas de funciona-mento da instalação, desde que arrancoupela primeira vez ou após uma renovaçãototal do compressor.Os intervalos de manutenção são tambémdependentes da velocidade de rotação docompressor. Se este funcionar abaixo das1200 RPM, a SABROE permite a utilizaçãode intervalos de manutenção mais longos.No entanto note-se que o compressor devesempre funcionar dentro dos limites de RPMestabelecidos pela SABROE.Cf. Descrição do compressor.Se o compressor funcionar dentro dos limitesde temperatura e pressão estabelecidos eforem executadas as manutenções prescri-tas, este terá um funcionamento sem proble-mas durante longo tempo.Deve-se portanto controlar diariamente:Pressão de funcionamentoTemperatura de funcionamentoNível e pressão do óleoRuídos e vibrações anormaisCf. capítulo sobre o diário de operação.Teste de queda de pressãoÉ possível verificar através deste teste seexistem perdas de pressão dentro do com-pressor, entre a entrada de aspiração esaída de descarga. O teste faz-se com ocompressor parado como é descrito abaixo.S Imediatamente após a paragem do com-pressor mede-se a pressão no lado daaspiração e no da descarga.S Fecha-se rapidamente a válvula de blo-queio de descarga, e toma-se nota do mo-mento exacto de fecho desta válvula e davelocidade da queda de pressão no ladoda descarga.Normalmente esta não excede 3 bar em 5minutos.Se a pressão cair mais rapidamente isto édevido a fugas dentro do compressor quepodem ser devidas às seguintes causas:· Mau contacto entre as válvulas dedescarga e as respectivas bases (Pos.20C contra Pos. 20A e 19H);· Vedante defeituoso, Pos. 19T; (não noCMO)· Vedante defeituoso, Pos. 19K;· Devido à camisa do cilindro e a tampasuperior terem sido apertadas, sem seter instalado o varão roscado longo.Assim, a camisa do cilindro estáassente nas bielas, pos. 15 A; (não noCMO).· O cone da válvula de segurança nãoencosta perfeitamente na baserespectiva, ou a anilha vedanteexterior, Pos. 24B, ou a interior,Pos. 24C, estão danificadas. (Cf.secção sobre a válvula de segurança).Durante o teste de queda de pressão, presteatenção a qualquer tubagem ligada ao ladoda descarga e que possa influir no resultadodeste teste.
  42. 42. 42 0178-910-PGEsvaziamento de refrigerante docompressorAntes de se poder desmontar o compressordeve retirar-se todo o gás refrigerante docompressor, o que se pode fazer do seguintemodo:1. Regule o compressor para a posição decapacidade mínima, e ajuste lentamente aválvula de bloqueio de aspiração até a fe-char por completo.2. O compressor actuará então o pressosta-to de baixa pressão, que pode neste casoser ajustado para parar o compressor auma pressão mais baixa que a normal..3. Feche então a válvula de bloqueio de des-carga e as outras tubagens ligadas aocompressor.4. Nos compressores funcionando com HFCou HCFC, retira-se o gás restante ligandouma bomba de vácuo à válvula de esva-ziamento Pos. 42.42R22Bomba de esvaziamentoS Nos compressores funcionando a R717usa-se o seguinte método:A válvula de esvaziamento Pos. 42. é ligadaa um recipiente vazio fechado, que por suavez vai ligar a um tanque aberto cheio deágua.Água42R717A água absorverá o refrigerante e deverá serenviada imediatamente para destruição. As-sim que a pressão ficar equilibrada, deve fe-char-se a válvula para evitar entrada de águapara o compressor.Nota:As instruções seguintes dizem respeito aocompressor. A manutenção da instalaçãorefrigerante é descrita num capítulo à parte.O motor do compressor é assistido de acor-do com as instruções respectivas. Para cadaperíodo de manutenção a SABROE podefornecer os conjuntos de peças de reservanecessárias, que de preferência devem estaracessíveis antes de se proceder à man-utenção periódica.No caso de o compressor não poder ser pos-to em funcionamento, começa-se o esvazia-mento no ponto 3 fechando neste caso tam-bém a válvula de bloqueio da aspiração.
  43. 43. 0178-910-PG 43H. de func< 1200 RPMH. de func.> 1200 RPM75 501.1 Retira-se e deita-se fora o cartucho de filtragem dofiltro de aspiração.Limpa-se o filtro de aspiração.Depois de trabalhos importantes de reparação, oucontaminação excepcional do cartucho de filtragem,recomenda-se a montagem de um cartucho novopor um período adicional de 50 horas de funciona-mento.1.2 Verifica-se a tensão das correias de transmissão300 2002.1 Verifica-se ou muda-se o óleo. Na mudança de óleodeve também substituir-se o cartucho do filtro deóleo. Cf. Controlo do estado do óleo.2.2 Limpa-se o filtro de aspiração.2.3 Verifica-se o correcto funcionamento dos elementosseguintes:Válvulas solenóideArrefecimento do compressorBomba de calorAutomatismos de segurançaResistência de aquecimentoCorreia de transmissão em V2.4 Apertam-se de novo todas as ligações a tubagensexteriores2.5 Verifica-se o sistema de retorno do óleo do separa-dor.2.6 Reapertar a transmissão.Nr.123.1 Verifica-se ou muda-se o óleo. Na mudança de óleodeve também substituir-se o cartucho do filtro deóleo. Cf. Controlo do estado do óleo.3.2 Limpa-se o filtro de aspiração.3.3 Verifica-se o correcto funcionamento dos elementosseguintes:Válvulas solenóideArrefecimento do compressorBomba de calorAutomatismos de segurançaResistência de aquecimentoCorreia de transmissão em VSistema de retorno do óleo do separador3.4 Em relação ao funcionamento como bomba de calorinspecciona-se:Bases das válvulas.Camisas dos cilindrosPistões, bielas e rolamentos.Segmentos dos pistões e do espalhador de óleo.Mudam-se os anéis vedantes das válvulas de aspi-ração e descarga.3.5 Acaba-se a manutenção com um teste de queda depressão.7500 50003AcçãoManutenção periódica
  44. 44. 44 0178-910-PGH. de func.< 1200 RPMH. de func.> 1200 RPM15000 100004.1 Verifica-se ou muda-se o óleo. Na mudança de óleodeve também substituir-seo cartucho do filtro de óleo. Cf. Controlo do estadodo óleo.4.2 Limpa-se o filtro de aspiração.4.3 Verifica-se o correcto funcionamento dos elementosseguintes:Válvulas solenóideSistema de arrefecimento do óleoSistema de arrefecimento a água em relação a even-tuais depósitos ouentupimentos.Bomba de calorAutomatismos de segurançaResistência de aquecimentoCorreia de transmissão em VTransmissão e alinhamentoSistema de retorno do óleo do separadorBases das válvulas.Camisas dos cilindrosPistões, bielas e rolamentos.Segmentos dos pistões e do espalhador de óleo.Mecanismo de arranque em vazioEstanquicidade da junta4.4 Mudam-se:Os anéis vedantes das válvulas de aspiração e des-carga.As correias de transmissão4.5 Acaba-se a manutenção com um teste de queda depressão.Nr.422500 150005.1 Verifica-se a correia de transmissão em V5.2 Em relação ao funcionamento como bomba de calorinspecciona-se:Bases das válvulas.Camisas dos cilindrosPistões, bielas e rolamentos.Segmentos dos pistões e do espalhador de óleo.Mudam-se os anéis vedantes das válvulas de aspi-ração e descarga.5Acção
  45. 45. 0178-910-PG 45< 1200 rpm > 1200 rpm30000 20000Nr.66.1 Muda-se o óleo do compressor,Muda-se o cartucho do filtro do óleoLimpa-se o cárter6.2 Limpa-se o filtro de aspiração.6.3 Verifica-se o correcto funcionamento dos elementosseguintes:Válvulas solenóideSistema de arrefecimento do óleoSistema de arrefecimento a água em relação a even-tuais depósitos ouentupimentos.Bomba de calorAutomatismos de segurançaResistência de aquecimentoCorreia de transmissão em VTransmissão e alinhamentoBases das válvulas.Camisas dos cilindrosPistões, bielas e rolamentos.Segmentos dos pistões e do espalhador de óleo.Mecanismo de arranque em vazioEstanquicidade da juntaBomba de óleo e transmissãoVálvulas de bloqueio6.4 Mudam-se:Os anéis vedantes das válvulas de aspiração e de-scarga.As correias de transmissão em VAs meias secções dos rolamentos das varas de li-gação (não aplicável aoscompressores CMO)6.5 Acaba-se a manutenção com um teste de queda depressão.60000 40000 Renovação total do compressor, contactar SABROE37500 25000 Igual à manutenção nr. 545000 30000 Igual à manutenção nr. 452500 35000 Igual à manutenção nr. 378910A partir deste ponto recomeça-se a partir da manutenção periódica 3 inclusive.H. de func. H. de func.Acção
  46. 46. 46 0178-910-PGÓleo de lubrificaçãoRequisitos do óleo de lubrificaçãoO óleo para máquinas de refrigeração deveprimeiramente proporcionar uma adequadalubrificação do compressor, mesmo às tem-peraturas relativamente elevadas, que severificam no processo de compressão. Nãodeve carbonizar a estas temperaturas, nemprecipitar parafina ou cera, quando sujeito abaixas temperaturas. O óleo não deve tam-bém ser corrosivo por si, ou quando mistura-do com elementos refrigerantes.Os óleos mencionados na recomendação deóleos deste manual de instruções preen-chem, segundo os seus fabricantes, estascondições.Regras gerais do uso de óleos delubrificação em compressores derefrigeraçãoS Deve utilizar-se unicamente óleo de refrig-eração novo e limpo, de fabricante recom-endado, para enchimento do compressor.O óleo recuperado do sistema do eva-porador nas instalações de refriger-ação a amoníaco, nunca deve ser utili-zado de novo no compressor.S Deve usar-se a qualidade de óleo inicial-mente prescrita para o compressor.S Evitar sempre que possível misturar difer-entes tipos de óleo. A mistura de doisóleos é normalmente de qualidade inferiorà qualidade de cada um dos óleos isola-damente.A mistura de óleos pode além disso darorigem à formação de lamas que podemacumular-se nas válvulas e filtros.S Quando se torna necessário mudar detipo de óleo, isto deve ser efectuado emligação com uma mudança geral do óleodo compressor, assim como com a drena-gem de todo o óleo da instalação, dentroda medida do possível.O óleo de refrigeração deve estar isentode humidade, que pode causar pertur-bações de funcionamento e corrosão.O óleo deve portanto ser comprado embarris, em quantidade equivalente à ne-cessária para proceder a uma mudançacompleta de óleo, ou no máximo a duas.Os barris devem ser mantidos cuidadosa-mente tapados. Se o óleo de um barrilnão for usado na totalidade, o barril deveguardar-se quente e bem tapado para evi-tar a absorção de humidade.ObservaçãoDesaconselha-se a reutilização do óleodrenado do compressor ou da instalação.O óleo absorveu a humidade do ar e podecausar problemas de funcionamento.Desligue sempre a corrente eléctrica daresistência de aquecimento antes de dre-nar o óleo.Se após a leitura desta secção ainda subsis-tirem dúvidas sobre o tipo de óleo que temsido utilizado no seu compressor, é preferívelcontactar a SABROE em vez de arriscar oenchimento com óleo inadequado.Instruções para a escolha de óleode lubrificação para compressoresde refrigeraçãoA instrução sobre Escolha de óleo de lubrifi-cação mostra mais detalhadamente quais ostipos de óleo a usar nos diversos tipos defuncionamento dos compressores.
  47. 47. 0178-910-PG 47Carga de óleo de lubrificação emcompressores de pistão.Devido ao facto de que todos os compres-sores de pistão da SABROE são dotados deuma válvula de enchimento de óleo especial,instalada no cárter, é possível adicionar óleodurante o normal funcionamento do com-pressor.Para esse efeito usa-se uma bomba de óleomanual ou o seguinte procedimento:Nota:No enchimento inicial de óleo usa-se abomba de óleo, sendo evidente que nãose pode por o compressor em funciona-mento antes de este estar abastecido deóleo.S Reduz-se a pressão no cárter, ajustando aválvula de bloqueio da aspiração, até omanómetro da pressão de aspiração mos-trar um valor ligeiramente abaixo ao dapressão atmosférica.S Enche-se com óleo a mangueira ligada àválvula de enchimento de óleo, e mergul-ha-se o lado livre da mangueira dentro dorecipiente com óleo de lubrificação.S Abre-se cuidadosamente a válvula de en-chimento, deixando que a diferença depressão force o óleo a entrar no cárter.S Evita-se a entrada de ar ou impurezaspara dentro do compressor, fechando aválvula antes de todo o óleo ter sido suga-do.Nota:Para se obter uma pressão de aspiraçãoinferior à pressão atmosférica, pode algu-mas vezes ser necessário reajustar opressostato de baixa pressão para que ocompressor possa trabalhar com umapressão de aspiração mais baixa. Develembrar-se de repor o pressostato na po-sição normal depois de ter procedido aoabastecimento de óleo.Quando em funcionamento pode adicio-nar-se óleo usando a bomba de óleomanual.Nota:Como os refrigerantes fluorogenados, tipoR22 por exemplo, são miscíveis com oóleo de lubrificação, existirá sempre al-gum óleo misturado com o líquido refriger-ante na instalação. Torna-se portanto ne-cessário adicionar óleo após o início deoperação, ou após renovação do refriger-ante.Preste portanto especial atenção ao nívelde óleo do compressor no período a se-guir ao arranque da instalação.Mudança de óleo do compressor derefrigeraçãoS Interrompe-se a corrente eléctrica da re-sistência de aquecimento.S Fecham-se as válvulas de bloqueio docompressor e a válvula de retorno de óleodo separador de óleo.S Diminui-se a pressão no cárter até um val-or ligeiramente acima do valor da pressãoatmosférica, ajustando a válvula de blo-queio de aspiração, mantendo o compres-sor a funcionar na regulação de capaci-dade mais baixa. Alternativamente podeobter-se essa pressão parando o com-pressor e fechando a válvula de bloqueiode aspiração. A pressão no cárter subirálentamente.
  48. 48. 48 0178-910-PGS O óleo escapará através da válvula dedrenagem Pos. 23, com o compressor pa-rado.S A pressão no compressor será equilibradacom a pressão atmosférica através daválvula de evacuação, Pos. 42. Cf. capítu-lo Protecção do meio ambiente.S Desmontam-se as tampas laterais.S Troca-se o cartucho do filtro do óleo.S Limpa-se bem o interior do cárter companos de algodão secos e limpos (nãousar desperdício).S Montam-se de novo as tampas laterais.S Enche-se o cárter com óleo para máqui-nas de refrigeração, segundo as recomen-dações da SABROE, até ao nível correc-to.S Liga-se a resistência de aquecimento.S Liga-se o compressor à bomba de vácuoe evacua-se até cerca de 5-7 mm Hg fe-chando em seguida a ligação. Seguida-mente abre-se a válvula de bloqueio deaspiração um par de voltas, e o compres-sor fica cheio de gás refrigerante.Nos compressores para R717 é suficiente”ventilar” o compressor abrindo cuidado-samente a válvula de bloqueio de aspi-ração, enquanto que a válvula de eva-cuação, Pos. 42, está aberta. Consulte noentanto a secção sobre Protecção domeio ambiente.Quando se detecta o cheiro do amoníacofecha-se a válvula de evacuação.S A válvula de bloqueio de descarga e aválvula da linha de retorno do óleo sãoabertas, podendo então proceder-se aoarranque do compressor segundo asInstruções gerais de operação.
  49. 49. 0178-910-PG 49Enchimento de óleo do compressorCompressorTipo TamanhoBFOCMOTCMOSMC 100TSMC 100Mk 3SMC 180TSMC 1803452426281041061081121161861881,545141618262830475080904 13Quantidade deóleo no cárterem litrosS-L & EA quantidade de óleo dada pela tabela cor-responde à quantidade de óleo que sempredeverá encontrar-se no cárter.Normalmente, depois do arranque inicial dainstalação, deverá acrescentar-se óleo nocompressor, uma vez que uma percentagemdo óleo - especialmente nas instalaçõesusando HCFC - é absorvida pelo líquido re-frigerante.Os seguintes factores devem ser tomadosem conta, quando se pretende determinar aquantidade total de óleo, contida pela insta-lação:S Tipo de agente refrigeranteS Quantidade de refrigerante existente nainstalaçãoS Extensão da instalaçãoS Gama de temperaturas a que a instalaçãofuncionaEspecialmente quando se arranca com ainstalação e quando se procede à carga denovo refrigerante, deve prestar-se especialatenção ao nível de óleo.O nível de óleo deverá sempre ser visívelno nível de vidro. Na tabela abaixo mos-tra--se a correspondência entre uma que-da de nível de óleo de aproximadamente10 mm e a quantidade equivalente de óleoem litros.T0177162_0Compressortipo tamanhoSMC /TSMC100S-L & ESMC /TSMC180CMO/TCMO242628~1 litros óleo104106108112116186188Quantidade de óleo nocárter em litros correspon-dente a uma diferençade nível de 10mm.~2 litros óleo~6 litros óleo~6 litros óleoControlo do estado do óleoO óleo de máquina refrigerante é uma partevital do compressor, porque para além dafunção de lubrificação e arrefecimento daspeças móveis, ele também impede a pene-tração de partículas abrasivas nos rolamen-tos.
  50. 50. 50 0178-910-PGA análise do óleo pode, portanto, fornecerinformações importantes sobre o funciona-mento do compressor, devendo portantoproceder-se a análises do óleo dentro dosintervalos de tempo prescritos.A drenagem de óleo para análise deveexecutar-se com o compressor em funciona-mento, retirando-se assim uma amostra re-presentativa.Antes de se recolher a amostra deve limpar-se a válvula de drenagem e drenar algumóleo, para evitar que eventuais impurezasacumuladas perto da válvula sejam incluídasna amostra.Controlo visualVerte-se o óleo para uma garrafa limpa devidro transparente, ou para um tubo de en-saio, podendo facilmente inspeccionar visu-almente o óleo, segurando o recipiente emfrente a uma fonte de luz branca. Pode-seeventualmente comparar a amostra comuma amostra do mesmo tipo de óleo, antesde ser utilizado.Um óleo aprovado pela inspecção visualdeve ser:S claro e brilhanteS isento de partículas visíveisS ao se deitar uma gota entre os dedos, vis-coso e oleoso ao tacto, sem partículas ad-erentesSe não puder aprovar o óleo pelo controlovisual, deve mudar o óleo do compressor ouenviar a amostra para análise laboratorial.Aviso:Se colocar a amostra de óleo numa gar-rafa de vidro, esta não deve ser fechadahermeticamente antes de todo o refriger-ante eventualmente misturado no óleo seevaporar. A existência de refrigerante noóleo pode dar origem a sobrepressãocapaz de fazer explodir a garrafa. Nuncase deve encher a garrafa até ao topo.Não envie a garrafa de vidro pelo correio,para este efeito deve usar-se uma garra-fa de plástico apropriada. Leia por favor oparágrafo seguinte.Análise laboratorialA análise laboratorial da amostra de óleopode ser efectuada pelo fabricante do mes-mo.A SABROE desenvolveu, em colaboraçãocom a Mobil Oil, um método de análise queoferece aos seus clientes a possibilidadede analisar qualquer tipo de óleo de diversosfabricantes, obtendo resultados uniformiza-dos.A partir desta análise pode determinar-se:S Se pode continuar a utilizar o óleo,eventualmente após filtragem adequada,ou se este está gasto e deve ser trocado.S Se eventuais partículas existentes no óleosão resultado da abrasão de partesmóveis ou rolamentos do compressor, in-dicando a necessidade de exame maisdetalhado do compressor.S Em cada relatório mostram-se também osresultados obtidos nos 3 testes anteriores,podendo assim seguir-se a evolução doestado do óleo e do compressor entreanálises.
  51. 51. 0178-910-PG 51ProcedimentoS Nas filias locais da Sabroe Refrigerationpode-se pedir um jogo de formulários comenvelope de enveo e um fraco de plásticopara a amostra do óleo.S Amostra do óleo tira--se directamente daválula de drenagem -- depois de limpa --para o frasco. A tampa coloca--se no fras-co, mas só se enrosca complitamente de-pois de passadas algumas horas. Destemodo, um eventual resto de refrigerantepoderá dissipar--se do óleo antes daamostra ser enviada para o laboratório.S Siga as instruções em Sampling and Ship-ping Instructions anexa ao jogo de for-mulários, onde o endereço do laboratóriona Holanda também está indicado.A análiseNeste capítulo dão-se alguns valores médiosque se podem usar na prática, mas no en-tanto deve-se naturalmente prestar atençãose os valores dados pela análise se aproxi-marem destes. Desta forma, um conteúdo deágua de 100ppm numa instalação de HCFCpode ser algumas vezes excessiva e provo-car deposição de cobre no vedante do eixo.Valores limiteSabroe Óleo PAO 68 Sabroe Óleo AP 68 Sabroe Óleo A 100Parâmetro Unidade Método Valorespe-cifica-do Máx. Mín.Valorespe-cifica-do Máx. Mín.Valorespe-cifica-do Máx. Mín.Viscosidade @ 40°C cSt ASTM D 445 66 76 53 64 74 51 100 115 80TAN *1) mg KOH/g ASTM D 664 0,03 0,2 -- 0,01 0,2 -- 0,05 0,2 --SAN * 2) mg KOH/g ASTM D 665 -- 0 -- -- 0 -- -- 0 --Água ppm Karl Fisher -- 100 -- -- 100 -- -- 100 --Aparência -- -- relatório relatório relatórioCor -- ASTM D1500relatório relatório relatórioPentano insolúvel W% MM 490(5μm)-- 0,05 -- 0,05 -- -- 0,05 --Oxidação abs/cm IR,1700-1720/cm-- 5 -- -- 5 -- -- 5 --Nitração abs/cm IR,1627-1637/cm-- 5 -- -- 5 -- -- 5 --Nitrocompostos abs/cm IR,1547-1557/cm-- 0,5 -- -- 0,5 -- -- 0,5 --Valores máximos de conteúdo de metal no óleoChumbo ppm ICP -- 10 -- -- 10 -- -- 10 --Cobre ppm ICP -- 10 -- -- 10 -- -- 10 --Silício ppm ICP -- 25 -- -- 25 -- -- 25 --Ferro ppm ICP -- 100 -- -- 100 -- -- 100 --Crómo ppm ICP -- 5 -- -- 5 -- -- 5 --Alumínio ppm ICP -- 10 -- -- 10 -- -- 10 --Estanho ppm ICP -- 10 -- -- 10 -- -- 10 --1): Informação sobre TAN (Total Acid Number) só paraunidades onde não se usa amoníaco2): Informação sobre SAN (Strong Acid Number) só paraunidades onde não se usa amoníaco
  52. 52. 52 0178-910-PGEm relação a cada análise efectuada é ela-borado um relatório com as seguintes con-clusões:S Se é possível continuar a usar o óleo semtomar nenhuma medida.S Se é necessário proceder a uma filtragemdo óleo antes de continuar a usá-lo.S Esta filtragem deve ser efectuada em cir-cuito fechado bombeando o óleo a partirdo agregado do compressor, através deum filtro de 3 mícrons e de retorno aoagregado sem entrar em contacto com oar atmosférico.Ou finalmente, se o óleo se tornou com-pletamente inutilizável.O relatório será sempre enviado para o en-doreço indicad nom dos formulários, sendouma cópia envida para a SABROE REFRI-GERATION. Deste modo a SABROE estarásempre à vossa disposição.
  53. 53. 3,5 barHTMTMP 55* 120* 150° C° CKP 98KP 98 ° C80° C55KP 77T(E) XT(E) NT(E) STEATPMC +CVC° C--25° C--154.5 barxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx12 barKP 5(KP 15)KP 1(KP 15)1)2)T(E) XTEA xR22R134aR404AR507R717xxxxx xxxxx xxxxx xxxxx xxxxx xxxxxxxxRegulação das pressões e temperaturas dos com-pressores SABROE tipos SMC-TSMC e CMO-TCMORegulação de fábrica - pode ser ajustada, se necessário, para um ponto de corte, 20°C acimada temp. normal de compressão mais elevada.Para TCMO, R717 TEAT 20-2 esp., a regulação de fábrica é de 85°C.Ajustar as válvulas ”TEAT” de modo a que a temperatura de compressão (-5°C/+10°C) previstana linha de descarga, seja atingida à capacidade de 100% do compressor.Aumentar a temperatura de abertura da válvula 10°C rodando a haste 5 voltas no sentido dosponteiros do relógio.Imp: A regulação de fábrica deve sempre ser aumentada 10°C min.O ajustamento da válvula ”TEAT” deve ser feito com o sistema de arrefecimento”thermopump” fora de serviço.RefrigeranteEquipamentodesegurançaEquimentodecontroloSMC - TSMC - CMO2 - TCMO2CMO4 0.8-1.2 barSMC - TSMC - CMO2 - TCMO2CMO43.5 bar1.3 bar4.5 bar1) 2)Válvula de se-gurança docompressorPressostato depressão alta e in-termédiaPressostato depressão baixaPressostatode óleoTermostato nalinha decompressãoTermostatode óleoTermostato dearrefecimento docompressorVálv. termostaticap/arrefecimentodo compressorVálv. de injecçãop/ o arrefecimentointermédioVálv. de ”by-pass”Válv. de regulaçãoda pressãodo óleoRegular p/ 2 bar abaixo da regulação daválv. de segurança p/paragem do com-pressorRegular p/ uma pressão com a temp.de saturação inferior em 5°K à temp.de evap. mais baixaRegulada normalmente p/ 4°C de so-breaquecimento alterar p/ 10°C de so-breaquecimento min.Regulação para min. 10ºC sobreaque cimentoRegulação para min. 10ºC sobreaque cimento***Regulação fábrica. 45ºC ver abaixoRegulação fábrica. **75ºC ver abaixo24 bar (parão)22 bar (espcial)0170-012-PG96.040178-910-PG 53

×