Pelotas : Patrimonio, dinamicas e sistemas de espacos

774 views
607 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
774
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pelotas : Patrimonio, dinamicas e sistemas de espacos

  1. 1. Patrimônio não passa de uma alegoria.... um ideal, uma utopia, um mito criado por nós humanos.
  2. 2. Alegoria da Caverna Platão
  3. 3. Patrimônio não passa de uma alegoria.... um ideal, uma utopia, um mito criado por nós humanos.Tudo que se tem, dependendo do juízo de valor, pode ser tratado como patrimônio.Para definir o que é, e o que não é patrimônio, depende do que se vê... e do que se quer ver...
  4. 4. Patrimônio não passa de uma alegoria.... um ideal, uma utopia, um mito criado por nós humanos.Tudo que se tem, dependendo do juízo de valor, pode ser tratado como patrimônio.Para definir o que é, e o que não é patrimônio, depende do que se vê...
  5. 5. Introdução: O que éPlano de Ação para as Cidades HistóricasÉ um instrumento para a gestão do patrimônio cultural comenfoque territorial.Não deve se restringir ao perímetro protegido ouao conjunto de bens tombados.Deve considerar a dinâmica urbana.três eixos:1. Produção de conhecimento e informação2. Planejamento e gestão3. Dinamização e valorização dos sítios históricos
  6. 6. Pelotas . 1815
  7. 7. Pelotas . 1815
  8. 8. Com a devida proximidade e distanciamento dos recursos hídricos
  9. 9. Pelotas . 1815
  10. 10. Pelotas . 1835
  11. 11. Pelotas . 1835
  12. 12. Pelotas . 1835
  13. 13. Pelotas . 1835
  14. 14. Pelotas . 1882
  15. 15. Pelotas . 1882
  16. 16. Pelotas . 1882
  17. 17. Pelotas . 1916
  18. 18. Pelotas . 1916
  19. 19. Pelotas . 1916 Contrafeito Portão Casas em Fita
  20. 20. Pelotas . 1926
  21. 21. Pelotas . 1926
  22. 22. Pelotas . 1926
  23. 23. Pelotas . 1947
  24. 24. Pelotas . 1953
  25. 25. Pelotas . 1953
  26. 26. Pelotas . 1965
  27. 27. Pelotas . 1965
  28. 28. Pelotas . 1965
  29. 29. Pelotas . 2012
  30. 30. 1815 1835 1911 1926 1947 1965historiografia urbana .:. morfologia urbana .:. paisagem natural
  31. 31. Patrimônio Cultural;valorização do ambiente urbano. 2 indicações de caráter objetivo. >> paisagem natural como patrimônio; renaturalização como restauração. >> ambiência do sítio histórico; extrapolar perspectiva de intervenção.
  32. 32. Paisagem natural é antecessora à cidade. Renaturalização - Restauração Patrimônio Natural
  33. 33. Patrimônio Degradado Canal do Pepino
  34. 34. Patrimônio Degradado Margem do São Gonçalo
  35. 35. Renaturalização - Patrimônio Natural Recuperar a Memória e o Patrimônio
  36. 36. Renaturalização - Patrimônio Natural Recuperar a Memória e o Patrimônio
  37. 37. Patrimônio Natural Implantar de espaços abertos
  38. 38. Renaturalização - Patrimônio Natural Recuperar o ambiente natural intra-urbano
  39. 39. Como Preservar?Projetos de intervenções no ambiente natural urbano
  40. 40. Possibilidades ...• Recuperação• Renaturalização• Reabilitação
  41. 41. Possibilidades ...• Recuperação• Renaturalização• Reabilitação
  42. 42. Restauro – com técnicas específicas• Restauração• Reabilitação• Recuperação
  43. 43. Parque Linear P. Samuel de ChamplainQuebec
  44. 44. Parque Linear P. Samuel de ChamplainQuebec
  45. 45. Canal São Gonçalo???
  46. 46. RecuperaçãoRio Saint CharlesCanadá
  47. 47. RecuperaçãoRio Saint CharlesCanadá
  48. 48. Recuperação do Arroio Vieira – Rio Grande
  49. 49. Canal do Pepino???
  50. 50. RenaturalizaçãoRio Cheonggyecheon(Seul)
  51. 51. Renaturalização Rio Cheonggyecheon (Seul)Principais medidaspara a recuperação:• Remodelação do sistema viário• Priorização do sistema de transporte público;• Bombeamento da água do rio Han nos períodos de estiagem;
  52. 52. RenaturalizaçãoRio Cheonggyecheon(Seul) Resultados: • Recuperação da qualidade da água; • Reinserção de vida aquática; • Redução das temperaturas médias;
  53. 53. RenaturalizaçãoRio Cheonggyecheon(Seul)• Revitalização da área central e econômica;• Aumento da utilização do sistema de transporte público;• Criação de área de lazer;
  54. 54. Canal Santa Bárbara???
  55. 55. Patrimônio cultural;valorização do ambiente urbano. 2 indicações de caráter objetivo. >> paisagem natural como patrimônio; renaturalização como restauração. >> ambiência do sítio histórico; extrapolar perspectiva de intervenção.
  56. 56. qualificação entorno sítios históricos
  57. 57. Regimes Urbanos.
  58. 58. Fios ecléticos
  59. 59. Aluga-se um patrimônio.
  60. 60. LEI Nº 5.639, DE 01 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a ordenação do aparato publicitário no Município de Pelotas, e dá outras providencias.Art. 5º Ficam proibidas todas as propagandas e publicidades nos seguintes casos:• IX - Em conjuntos arquitetônicos ou elementos de interesse histórico, paisagístico ou cultural, quando obstruir a visão do Patrimônio Ambiental Urbano.
  61. 61. Aluga-se um patrimônio.
  62. 62. Permanência tapumesConstruída em 1878.Tombada pelo IPHAN em 1977Convive com tapumes desde 20019% da idade do prédio com tapumes.34% do período tombado pelo IPHAN. tapumes e andaimes correm risco de ser tombado?
  63. 63. Ambiência além de pequenos aparatos.
  64. 64. Ambiência além de pequenos aparatos.
  65. 65. em PelotasUma perspectiva presente...
  66. 66. Extensão (atual) Teatro Sete de Abril.....
  67. 67. Entorno da Catedral S.F.Paula.
  68. 68. Entorno da Catedral S.F.Paula.
  69. 69. Qualificação Pça. D.A.Zátera
  70. 70. Trecho rua Barão de Butuí.
  71. 71. Trecho rua Barão de Butuí.
  72. 72. Cultura Digital - Representação e Simulação do Patrimônio Construído • incorporar no estudo e preservação do Patrimônio Histórico Cultural, os métodos e técnicas da cultura digital. – Construção, Disponibilização e Compartilhamento. Informação do Inventário Patrimônio Histórico.
  73. 73. Cultura Digital - Representação e Simulação do Patrimônio Construído • incorporar no estudo e preservação do Patrimônio Histórico Cultural, os métodos e técnicas da cultura digital. – Construção, Disponibilização e Compartilhamento. Informação do Inventário Patrimônio Histórico.
  74. 74. Cultura Digital - Representação e Simulação do Patrimônio Construído • incorporar no estudo e preservação do Patrimônio Histórico Cultural, os métodos e técnicas da cultura digital. – Construção, Disponibilização e Compartilhamento. Informação do Inventário Patrimônio Histórico.
  75. 75. Otávio Martins Peres otmperes@gmail.com www.virtua-l-ego.blogspot.comhttp://faurb.ufpel.edu.br/laburb

×