• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Artigo revista hotelaria somewhere over the rainbow abril 2011
 

Artigo revista hotelaria somewhere over the rainbow abril 2011

on

  • 1,084 views

Artigo de opinião do Olivier P. Soares na revista hotelaria, da Publituris. ...

Artigo de opinião do Olivier P. Soares na revista hotelaria, da Publituris.
Sob o título "Turismo 2.0 - Somewhere over the rainbow" desenvolve o tema da evolução do turismo online e onde estamos em termos de evolução até chegarmos ao arco-iris !

Statistics

Views

Total Views
1,084
Views on SlideShare
1,080
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

2 Embeds 4

http://www.linkedin.com 2
https://www.linkedin.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Artigo revista hotelaria somewhere over the rainbow abril 2011 Artigo revista hotelaria somewhere over the rainbow abril 2011 Document Transcript

    • opinião / management .Turismo 2.0:“Somewhereover the rainbow”.Se teve oportunidade (como eu) de ler a edição de retratada pelos “Isto é uma utopia” ou “É desneces-Janeiro desta revista, não deixou com certeza de dar sário” ou ainda “é só uma fase passageira, um buzzparticular atenção ao balanço dos últimos 10 anos da para consultores”.hotelaria em Portugal, comentado por hoteleiros e Fase 3: A Raiva, “Até parece que já não tinha pro-empresários portugueses. blemas suficientes, agora isto!”, “Eu é que sei comoTodos estes proeminentes individuais do turismo fazer, não preciso de invenções”mencionaram, sem exceção, que as dinâmicas de Fase 4: A Negociação. “Ok, então mas por onde co-Vendas e Promoção Online, vulgo “Turismo Onli- meçar ?”, ou “Pronto, vou criar uma página no Face-ne”, foram as principais mudanças no nosso sector. olivier book e logo vemos o que dá”O AntónioTrindade, por exemplo, resumiu este pon- SoareS fase 5: A Depressão, aqui prefiro não dar exemplo,to da melhor forma: “Não foi propriamente a hotela- / consultor porque destes temos demais hoje em dia...ria que mudou. Foi sobretudo o mundo (o cliente) e E finalmente, a fase de Aceitação, onde estamos de-a relação com ele. E aqui os fenómenos “net” e “re- cisivamente virados para as soluções em vez dos pro-des” passaram a ser os grandes eixos da evolução”. blemas.Pela excelência de objectividade, e simplicidade desta A verdade, é que nem todos estamos na mesma fase,observação, eu quase que poderia me ficar por aqui... mas não tenho dúvidas que a primeira já foi ultra-mas não, vou mesmo aproveitar ao máximo os meus passada pelos hoteleiros 2.0 portugueses, e a grande3000 caracteres de dissertação ! Acrescentando a maioria também já deixou para trás a fase de nega-este tema dos “grandes eixos de evolução”, mais um: ção. Deixo ao leitor que faça o seu próprio diagnósti-O hoteleiro 2.0 ! E isto porquê ? co de enquadramento, mas o importante é que temosLembro-me perfeitamente da minha primeira pa- progredido, disso estou seguro. Vejo clientes meuslestra sob o tópico dos novos canais online no turis- como o Turismo do Algarve, do Alentejo e hotéis nomo, nomeadamente das redes sociais como canais Algarve que estão claramente na fase de aceitação, jáde excelência. Nessa altura, tive clara noção que dos numa postura de desenvolvimento e de “andar para(poucos) presentes, a maioria olhava para mim como a frente”.se eu estivesse possuído por um estranho demónio, Em suma, nós que estamos num posicionamentovindo de outro planeta. Passado somente pouco mais de apoio ao hoteleiro 2.0, também temos de evoluirde 2 anos, várias conferências e clientes, vejo que estes e perceber que este representa a peça da engrenagemmesmos hoteleiros têm hoje uma apetência, curiosi- mais importante para o motor da mudança, e curio-dade e perspectiva totalmente diferente, quase arris- samente é também aquele que mais precisa de ajudacava a dizer que evoluíram; isto sem qualquer sentido porque apesar do turismo 2.0 estar “mesmo ali”, visí-pejorativo. Aliás, todos nós evoluímos drasticamente vel, ao pé do arco-íris, o caminho a desbravar para lánestes últimos 3 anos, sejamos hoteleiros, consultores, chegar é labiríntico e pode ser traiçoeiro.fornecedores, agentes ou operadores. Mas o hotelei- Vou continuar a trabalhar sob o mote do “Think &ro 2.0 é claramente aquele que teve de ultrapassar Run”, em vez do popular “Wait & See”, como tal, naas maiores dificuldades, eu costumo dizer que teve próxima coluna vou querer partilhar convosco qualde passar pelas fases clássicas de superação de dores o caminho a trilhar para ultrapassar as dores, queprofundas: soluções proponho para andar para a frente, até aoFase 1: O choque! Já falamos sobre isto, é o “Que mágico arco-Íris.heresia é esta do turismo online e das redes sociais ?”Fase 2: A fase “egipciana” do Denial (a Negação), osoares@quickwinsolutions.com Abril 2011 hotelaria 19
    • . protagonistas olivier SoareS / consultor Proveniente de uma família de hoteleiros, o gosto pela hotela- ria e o turismo sempre esteve presente. A procura constante de soluções inovadores levou- o a investir nas potencialidades das plataformas de redes so- ciais como factor de sucesso para o desenvolvimento co- mercial dos vários produtos turísticos, fomentando o bran- ding do destino e a divulgação de experiências. Foi através da sua página no Facebook “Turismo 2.0 – Pensar Online “que a sua ac- tividade ganhou notoriedade.Milena Melo Paula Sequeira Hélder SantoS/ sócia fundadora da WeFind / consultora Aguirre / administrador Dynamic Newman HotelsÉ sócia e fundadora da We-Find, o primeiro motor de Paula Sequeira é consultora Possuidor de uma larga ex-busca “humano” de ideias sénior do Departamento de periência hoteleira, quer nose tendências para empresas. Estudos de Mercado. É licen- mercados europeus, quer nosLicenciou-se em Jornalismo ciada em Matemática Aplica- mercados asiáticos, encontra-pela Universidade de Coim- da à Economia e Gestão pelo se associado a cerca de 100bra e trabalhou durante 7 anos ISEG e pós graduada em projectos de desenvolvimentocomo jornalista para publica- Corporate Finance pelo ISC- hoteleiro, como sejam a Inter-ções como a Revista Veja, Re- TE. Esteve ligada ao sector fi- Continental, a Starwood, a Hil-vista Exame e o Jornal OJE. É nanceiro, de estratégia empre- ton, a Marriott, a Meliã, entreuma curiosa profissional e está sarial e imobiliário, nos quais outros. Em Portugal angariousempre à procura de novas acompanhou diversos estudos o primeiro hotel InterConti-ideias de negócio e de fontes e publicações de turismo e nental (Porto) e o primeirode receita inovadoras. hotelaria. Antes de integrar a hotel Indigo (Lisboa), entre Aguirre Newman em 2008, outros Projectos desenvolvi- passou pela EDP RDPE e , dos e em desenvolvimento, Colliers P&I, onde participou quer em território Nacional em importantes projectos quer internacional (Polónia, imobiliários. Espanha, Brasil, etc.).66 hotelaria Abril 2011
    • Ano 07 • Nº 67 • Abril 2011 • Mensal • Preço de Capa: €10 (Portugal) A REVISTA DO GESTOR HOTELEIROPorto maisInterContinental+THE YEATMAN OPORTOABRE CAMINHO AO MERCADODE LUXO NA CIDADECARRÍS HOTELESESTREIA-SE EM PORTUGALCOM O HOTEL CARRÍS PORTORIBEIRA 67 Pilar Monzón, directora do InterContinental Palácio das Cardosas, em entrevista