Livro de textos do aluno

3,293 views
3,134 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,293
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
109
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Livro de textos do aluno

  1. 1. capa_livro_textos_2010.pdf 2009-11-05 15:39 Livro de Textos do Aluno C M YCMMYCYCMY K Livro de Textos do Aluno
  2. 2. governo do estado de são paulo secretaria da educação fundação para o desenvolvimento da educação Livro de Textos do Aluno 3a Edição Se este livro for perdido E por acaso for achado Para ser bem conhecido Leva meu nome assinado São Paulo, 2010Livro de Textos_Aluno.indd 1 2009-11-05 15:35
  3. 3. Governo do Estado de São Paulo Governador José Serra Vice-Governador Alberto Goldman Secretário da Educação Paulo Renato Souza Secretário-Adjunto Guilherme Bueno de Camargo Chefe de Gabinete Fernando Padula Coordenadora de Estudos e Normas Pedagógicas Valéria de Souza Coordenador de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo José Benedito de Oliveira Coordenador de Ensino do Interior Rubens Antônio Mandetta de Souza Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação Fábio Bonini Simões de Lima Diretora de Projetos Especiais da FDE Claudia Rosenberg Aratangy Coordenadora do Programa Ler e Escrever Iara Gloria Areias Prado Esta obra é uma adaptação de “Alfabetização: livro do aluno”, volumes I a III, publicada pela Fundescola/Secretaria de Ensino Fundamental/MEC em 2000 para o Projeto Nordeste. Catalogação na Fonte: Centro de Referência em Educação Mario Covas São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. S239L Ler e escrever: livro de textos do aluno / Secretaria da Educação, Fundação para o Desenvolvimento da Educação; seleção dos textos, Claudia Rosenberg Aratangy. 3. ed. São Paulo : FDE, 2010. 192 p. : il. Adaptação de “Alfabetização: livro do aluno”, volumes I a III, publicado pela Fundescola/Secretaria de Ensino Fundamental/MEC em 2000 para o Projeto Nordeste. Documento em conformidade com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. 1. Literatura infantil 2. Ensino fundamental 3. Leitura 4. Atividade pedagógica 5. Programa Ler e Escrever 6. São Paulo I. Título. II. Fundação para o Desenvolvimento da Educação. III. Aratangy, Claudia Rosenberg. CDU: 82-93Livro de Textos_Aluno.indd 2 2009-11-05 15:35
  4. 4. Querido aluno, querida aluna Este livro foi feito especialmente para você. São textos varia- dos: canções para você cantar, adivinhas para você descobrir a res- posta, decorar e depois perguntar aos seus amigos, poemas para você recitar, parlendas para você brincar, quadrinhas para você se divertir, histórias para você se emocionar, receitas para você cozinhar... e mui- tos outros, que não só vão ajudar você a aprender a ler, mas também vão deixar você cada vez mais sabido(a)! Alguns destes textos você poderá ler sozinho(a) mesmo que ain- da esteja começando a aprender a ler; outros você irá ler com a ajuda de sua professora ou de seu professor; outros, ainda, serão lidos por sua professora ou professor, mas você poderá acompanhar a leitura. O livro é seu e você deverá cuidar bem dele para que possa usá- lo não só este ano, mas nos próximos também. Você pode levá-lo para casa para ler com seus familiares, para mostrar para outros ami- gos ou, simplesmente, para se divertir, cantar, se emocionar, brincar, cozinhar, aprender... Divirta-se e aproveite! Equipe do Programa Ler e EscreverLivro de Textos_Aluno.indd 3 2009-11-05 15:35
  5. 5. Sumário 1a Parte – Textos para ler em voz alta, se emocionar ou se divertir. . . . . 9 arlendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . P 10 Trava-línguas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 divinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A 17 Cantigas de roda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Canções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Poemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Quadrinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 2a Parte – Histórias para rir, chorar, se divertir e se assombrar . . . . . . . . . 53 Contos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Irmãos Grimm O Príncipe-rã ou Henrique de Ferro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 A Bela Adormecida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 João e Maria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 Branca de Neve . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Rumpelstichen. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 O Gato de Botas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 Rapunzel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 Cinderela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Os Sete Corvos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Chapeuzinho Vermelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 Charles Perrault Chapeuzinho Vermelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 O Pequeno Polegar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Hans Christian Andersen O Soldadinho de Chumbo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 O Patinho Feio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 O Rouxinol do Imperador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 As Roupas Novas do Imperador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Ítalo Calvino Joãozinho-sem-medo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 As mil e uma noites Ali Babá e os Quarenta Ladrões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Contos brasileiros O Bicho Manjaléu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 O Macaco e o Rabo (1) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 O Macaco e o Rabo (2) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 A Onça, o Macaco e o Boneco de Cera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131Livro de Textos_Aluno.indd 4 2009-11-05 15:35
  6. 6. Fábulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 O Ratinho, o Gato e o Galo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 O Corvo e o Jarro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 A Gansa dos Ovos de Ouro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 O Cão e o Osso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 O Vento e o Sol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 O Leão e o Ratinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 A Rã e o Touro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 O Galo e a Raposa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 A Raposa e as Uvas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 O Galo e a Pérola. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 A Formiga e a Pomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 O Leão e o Javali . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 O Lobo e o Cão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 Lendas e mitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 Oxóssi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 Maria Pamonha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 Como a Noite Apareceu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 Pandora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 Narciso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 3a Parte – extos para estudar, conhecer a vida de pessoas T interessantes, saber como jogar ou cozinhar. . . . . . . . . . . . . 153 Textos de divulgação científica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154 Borboleta-de-praia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154 Galo-de-campina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Pelo da gata pode ter mais cor que o do macho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Desmatamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Lixo orgânico e inorgânico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 Quando os animais mentem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 O Cruzeiro do Sul . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157 Borboletas urbanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Nem cobra nem minhoca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159 O Pantanal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 Costumes pantaneiros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 Diversidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164 Gigante entre as araras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 Textos instrucionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 Receitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 Doces 1. Pamonha do Norte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 2. Bolinhos de Tapioca. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 3. Broas de Fubá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 4. Cocadas de Ovos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 5. Arroz-doce . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169Livro de Textos_Aluno.indd 5 2009-11-05 15:35
  7. 7. Salgados 1. Batata frita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 2. Bolinhos de Arroz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 3. Macarrão ao Alho e Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 Jogos e brincadeiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 1. Queimada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 2. Pique-bandeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173 3. Vassourobol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174 4. Bola ao centro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 5. Guerra das bolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 6. Carimbo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176 7. Quem toca mais ganha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177 8. Alerta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 9. Beisebol de chute, ou rebatida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 10. Câmbio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179 11. Taco ou Bétis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179 12. Dois toques (futebol) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 13. Ataque e defesa (futebol) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 14. Controle (futebol). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 15. Rebatida e drible (futebol). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182 16. Cinco corta (vôlei) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182 17. Vinte e um (vôlei) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 18. Cabra-cega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 19. Coelhinho sai da toca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184 20. Pega-pega corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184 21. Mãe da rua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 22. Nunca três . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 23. Fugi fugi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 Jogos de cartas para crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 1. Bum! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 2. Anote o bum! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 . 3. A batalha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188 4. Trinta e um . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188 Biografias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189 Dom Pedro I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189 Cecília Meireles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190 Gonçalves Dias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190 Santos Dumont . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190Livro de Textos_Aluno.indd 6 2009-11-05 15:35
  8. 8. Livro de Textos_Aluno.indd 7 2009-11-05 15:35
  9. 9. Livro de Textos_Aluno.indd 8 2009-11-05 15:35
  10. 10. 1a Parte – Textos para ler em voz alta, se emocionar ou se divertir Esta é a primeira parte de seu livro de textos. Aqui você vai encontrar parlendas, trava-línguas, adivinhas, cantigas de roda, canções, poemas e quadrinhas. As adivinhas, as cantigas de roda, as parlendas, as quadrinhas e os trava-línguas são textos da tradição oral brasileira — isso quer dizer que foram feitos para ser falados. A maioria deles é de domínio público, ou seja, não se sabe quem os inventou: foram simplesmente passados de boca a boca, das pessoas mais velhas para as mais novas. Você deve conhecer tex- tos desse tipo, mesmo que não seja os que estão aqui; lembre-se daqueles que são contados pelas pessoas do lugar em que você vive. As canções escolhidas para este livro, de diferentes épocas e estilos musicais, são as que ficaram conhecidas por muitos brasileiros. Você pode aproveitar as canções que já sabe e gosta e também escrevê-las e cantá-las. Os poemas são textos parecidos com as canções, só que não são mu- sicados. Alguns dos que estão aqui foram feitos especialmente para crian- ças. Repare que os poemas, assim como as quadrinhas e os trava-línguas, “brincam” com os sons das palavras e com o seu significado. Estes textos são para você ler, reler, cantar, brincar, declamar, adivinhar e se divertir. Bom proveito!Livro de Textos_Aluno.indd 9 2009-11-05 15:35
  11. 11. Parlendas Rei, capitão Pinta lainha Soldado, ladrão De cana vitinha Moça bonita Entrou na barra de vinte cinco Do meu coração. Mingorra, mingorra E cate forra Tire essa mão Uni duni tê Que está forra. Salamê minguê Um sorvete colorê O escolhido foi você. Boca de forno Forno Tira um bolo Luar, luar Bolo Pega esse menino Se o mestre mandar! E ajuda a criar. Faremos todos! E se não for? Bolo! Hoje é domingo Pede cachimbo Cachimbo é de barro Santa Luzia Dá no jarro Passou por aqui O jarro é fino Com seu cavalinho Dá no sino Comendo capim O sino é de ouro Santa Luzia Dá no touro Passou por aqui O touro é valente tire esse cisco Dá na gente Que caiu aqui. A gente é fraco Cai no buraco O buraco é fundo Mourão, mourão Acabou-se o mundo. Tome teu dente podre Dá cá meu são. 10 parte 1 - PARLENDASLivro de Textos_Aluno.indd 10 2009-11-05 15:35
  12. 12. Santa Clara clareou São Lunguim, São Lunguim São Domingo alumiou Me ache este… Vai chuva, vem sol Que eu dou três pulim. Vai chuva, vem sol Pra enxugar o meu lençol. Sol e chuva Casamento de viúva. Meio-dia Chuva e sol Macaco assobia Casa raposa com rouxinol. Panela no fogo Trabalha, trabalha Barriga vazia. João Gome! Quem cochicha Se não trabalha, o rabo espicha Não come! Come pão com lagartixa. Rabo cortou, Emendou, saiu Cadê o toucinho que estava Se não sair, aqui? Vou dar foguinho. O gato comeu Cadê o gato? Foi pro mato Lá atrás da minha casa Cadê o mato? Tem uma vaca chocadeira O fogo queimou Quem rir ou falar primeiro Cadê o fogo? Corre o bicho e a bicheira. A água apagou Cadê a água? O boi bebeu Chicotinho queimado Cadê o boi? Vale dois cruzados Foi carregar trigo Quem olhar pra trás Cadê o trigo? Leva chicotada. A galinha espalhou Cadê a galinha? Foi botar ovo Cabra cega de onde veio? Cadê o ovo? Vim do Pandó O padre bebeu Que trouxeste pra mim? Cadê o padre? Pão-de-ló Foi rezar missa. Me dê um pedacinho? Cadê a missa? Não dá pra mim Acabou! Quanto mais pra tua avó. parte 1 - PARLENDAS 11Livro de Textos_Aluno.indd 11 2009-11-05 15:35
  13. 13. Batatinha frita Lá vai a bola Um, dois, três Girar na roda Estátua! Passear depressa E sem demora E se no fim Una, duna Desta canção Tena, catena Você estiver Saco de pena Com a bola na mão Vila, vilão Depressa pule fora. Conta direito Que doze são. Um, dois, três, Quatro, cinco, seis, Galinha gorda! Sete, oito, nove, Gorda ela! Para doze faltam três. Cadê o sal? Cruz de pau, Está na panela! Cruz de ferro, Vamos a ela Quem olhar vai pro inferno! Vamos! O macaco foi à feira Lé com lé Não sabia o que comprar Tré com tré Comprou uma cadeira Um sapato em cada pé. Pra comadre se sentar A comadre se sentou A cadeira esborrachou Ordem Coitada da comadre Em seu lugar Foi parar no corredor. Sem rir sem falar Com um pé Com o outro Uni pandi Com uma mão Cirandi Com a outra Deu picoti Bate palmas Deu pandi Pirueta Picoté Traz pra frente Picotá Pancada. É pi San vá. 12 parte 1 - PARLENDASLivro de Textos_Aluno.indd 12 2009-11-05 15:35
  14. 14. Dedo mindinho A bênção, Dindinha Lua! Seu vizinho Me dê pão com farinha Maior de todos Pra dar pra minha galinha Fura bolo Que tá presa na cozinha. Mata piolho. Xô, xô, galinha! Vai pra tua camarinha. Bão bala lão Senhor capitão Bate palminha, bate Espada na cinta Palminha de São Tomé Ginete na mão. Bate palminha, bate Pra quando papai vier. Papai dará papinha Joãozinho é um bom guiador Mamãe dará maminha Quando falta gasolina Vovó dará cipó Ele faz xixi no motor. Na bundinha da menina. A baratinha voou, voou Rá ré ri ró rua Chegou na boca de Maria Perua e parou. Saia do meio da rua! Papai do céu Lá em cima do piano mandou dizer Tem um copo de veneno quem vai ser o primeiro: Quem bebeu morreu é este daqui. Quem saiu fui eu. Beterraba-raba-raba Um, dois, Quem errar é uma diaba. Feijão com arroz; Borboleta-leta-leta Três, quatro, Quem errar é uma capeta. Arroz com pato; Cinco, seis, Bolo inglês; O dô tê cá Sete, oito, Le pepino le tomá Café com biscoito; Le café com chocolá Nove, dez, Ó dó te cá. Vai na bica lavar os pés Pra comprar cinco pastéis Pra ganhar quinhentos réis Pra comer no dia dez. parte 1 - PARLENDAS 13Livro de Textos_Aluno.indd 13 2009-11-05 15:35
  15. 15. Trava-línguas O rato e a rosa Rita Retreta O rato roeu a roupa do rei de Quando toca a retreta Roma, na praça repleta O rato roeu a roupa do rei da se cala o trombone Rússia, se toca a trombeta. O rato roeu a roupa do RodovaLho… O rato a roer roía. Tatu E a rosa Rita Ramalho — Alô, o tatu taí? do rato a roer se ria. — Não, o tatu num tá. Mas a mulher do tatu tando, é o mesmo que o tatu tá. A rata A rata roeu a rolha da garrafa da rainha. Tigres tristes Três pratos de trigo Pintor português para três tigres Paulo Pereira Pinto Peixoto, tristes. pobre pintor português, pinta perfeitamente portas, paredes e pias, Pardal pardo por parco preço, patrão. — Pardal pardo, por que palras? — Palro sempre e palrarei, porque sou o pardal pardo, Pedro o palrador d’el-rei. Se o Pedro é preto, o peito do Pedro é preto e o peito do pé do Pedro é O sapo no saco preto. Olha o sapo dentro do saco, o saco com o sapo dentro, o sapo batendo papo Gato e o papo soltando vento. Gato escondido com rabo de fora tá mais escondido Sabiá que rabo escondido Você sabia com gato de fora. que o sábio sabiá sabia assobiar? 14 parte 1 - trava-línguasLivro de Textos_Aluno.indd 14 2009-11-05 15:35
  16. 16. Tempo A pia perto do pinto O tempo perguntou pro tempo O pinto perto da pia. quanto tempo o tempo tem. Tanto mais a pia pinga, O tempo respondeu pro tempo mais o pinto pia… que o tempo tem tanto tempo A pia pinga, quanto tempo o tempo tem. o pinto pia, pia pinto. O velho O pinto perto da pia, Por aquela serra acima a pia perto do pinto. vai um velho seco e peco. — Ô, seu velho seco e peco! Este cepo seco é seu? Pato Paco Pato Paco ou Paco Pato Zé é pacato Zé é Pataco ataca catibiribé pagou o pato. seja matuté Pobre Pato Paco de firififé. ou Paco Pato? Pinto O pinto pia, A babá boa bebeu a pipa pinga. o leite do bebê. Pinga a pipa, Farofa feita o pinto pia. com muita farinha fofa Pipa pinga. faz uma fofoca feia. Quanto mais o pinto pia, mais a pipa pinga. O bispo de Constantinopla quer se desconstantinopolizar. Quem conseguir Ninho de mafagafos desconstantinopolizar Num ninho de mafagafos o bispo de Constantinopla há cinco mafagafinhos. bom desconstantinopolizador Quem os desmafagafizar, será. bom desmafagafizador será. Uma folha verdolenga quem desverdolengar bom desverdolengador será. Eu, como desverdolenguei bom desverdolengador serei. parte 1 - trava-línguas 15Livro de Textos_Aluno.indd 15 2009-11-05 15:35
  17. 17. Galinha que cisca muito DISSERAM QUE NA MINHA RUA borra tudo e quebra o caco, TEM PARALELEPÍPEDO FEITO pois agora você diga DE PARALELOGRAMOS. certo, sem fazer buraco: SEIS PARALELOGRAMOS “aranha arranhando o jarro TEM UM PARALELEPÍPEDO. e o sapo socando o saco”. MIL PARALELEPÍPEDOS À sombra da amoreira TEM UMA PARALELEPÍPEDOVIA. Dora namora. UMA PARALELEPÍPEDOVIA No ramo da goiabeira TEM MIL PARALELOGRAMOS. A cigarra mora. ENTÃO UMA PARALELEPÍPEDOVIA No alto da torre É UMA PARALELOGRAMOLÂNDIA? sonha Carolina. Debaixo da parreira brinca Marina. ALICE DISSE QUE EU DISSE QUE ELA DISSE QUE O QUE EU DISSE A ROSA PERGUNTOU À ROSA ERA UM POÇO DE TOLICE. QUAL ERA A ROSA MAIS ROSA. MAS EU DISSE QUE NÃO DISSE A ROSA RESPONDEU PARA A ROSA O QUE ELA DISSE QUE A ROSA MAIS ROSA QUE EU DISSE QUE ELA DISSE, ERA A ROSA COR-DE-ROSA. E QUEM FEZ O DISSE-DISSE FOI A DONA BERENICE. O DOCE PERGUNTOU PRO DOCE QUAL É O DOCE MAIS DOCE CINCO BICAS, CINCO PIPAS, QUE O DOCE DE BATATA-DOCE. CINCO BOMBAS. O DOCE RESPONDEU PRO DOCE TIRA DA BOCA DA BICA, BOTA NA QUE O DOCE MAIS DOCE QUE BOCA DA BOMBA. O DOCE DE BATATA-DOCE É O DOCE DE DOCE DE BATATA- DOCE. 16 parte 1 - trava-línguasLivro de Textos_Aluno.indd 16 2009-11-05 15:35
  18. 18. Adivinhas O que é, o que é… 12. Pode ser grande ou pequeno, mas tem sempre a dimensão de 1. Por que é que o boi sobe o um pé? morro? 13. O que é que nunca passa e 2. Tem casa, mas mora em cima? sempre está na frente? 3. Tem cabeça, tem dente, tem 14. Qual a formiga que sem a barba, não é bicho e não é gente? primeira sílaba vira fruta? 4. Tem boca, tem língua, mas não 15. O que é que nunca volta, fala? embora nunca tenha ido? 5. Cai em pé e corre deitado? 16. O que é que sempre se conta e raramente se desconta? 6. Tem chapéu, mas não tem cabeça, 17. O que é que pode ser de ferro, Tem boca, mas não fala, de gelo, de chocolate e de água Tem asa, mas não voa, ao mesmo tempo? Tem bico, mas não belisca? 18. O que é que não é de carne, 7. Está no meio do ovo? nem de osso, mas se enche de carne viva para aguentar as 8. Falta numa casa para formar um espetadelas? casal? 19. O que é: o ferreiro faz, o cavalo 9. Quem é que nasce no rio, vive no usa, no jardim é flor, na comida é rio e morre no rio, mas não está tempero, mas no rosto é marca? sempre molhado? 20. O que é que pode passar diante 10. que é que corre em volta do O do sol sem fazer sombra? pasto inteiro sem se mexer? 21. Onde se encontra o centro de 11. que é que enche a casa, mas O gravidade? não enche a mão? 20. O vento. 21. Na letra I. 13. O futuro. 14. Saúva. 15. O passado. 16. Idade. 17. Barra. 18. Dedal. 19. Cravo. 6. Bule. 7. A letra V. 8. A letra L. 9. O carioca. 10. A cerca. 11. Botão. 12. Sapato. 1. Porque não pode passar por baixo. 2. Botão. 3. Alho. 4. Sapato. 5. Chuva. Respostas parte 1 - adivinhas 17Livro de Textos_Aluno.indd 17 2009-11-05 15:35
  19. 19. 22. Soletre ratoeira com quatro letras. 33. O que é que tem uma porção de dentes, mas não tem boca? 23. que é que quando se perde O jamais se consegue encontrar 34. Como é que se retira uma de novo? pessoa que cai num poço? 24. enho músculos de aço e passo T 35. O que acaba tudo com três o ano falando com metade da letras? população do mundo. Quem sou? 36. O que é que tem centro, mas 25. que é: as mulheres não têm O não tem começo nem fim? e não querem ter; os homens querem ter, mas quando têm 37. Qual é a primeira coisa que tratam geralmente de se o boi faz de manhã, quando sai desfazer? o sol? 26. que é o que é: cinco operários O 38. O que é que é verde como o e só um tem chapéu? mato, mas mato não é, fala como gente, mas gente não é? 27. que é preciso para apagar O uma vela? 39. O que é que entra na água mas não se molha? 28. uem é tão forte que pode parar Q um automóvel com uma só mão? 40. Qual é a pessoa que quando trabalha deixa qualquer um de 29. ual é o homem que tem de fazer Q boca aberta? mais de três barbas por dia? 41. O que é que vive com os pés na 30. que é que não tem pernas, O cabeça? mas sempre anda? 42. O que é que vem sempre para 31. O que é que dá, sem nada ter? casa pelo buraco da fechadura? 32. que é que não está dentro da O 43. Responda bem depressa: um casa, nem fora da casa, mas a gato caiu num poço; como foi casa não estaria completa sem que ele saiu? ela? 37. Faz sombra. 38. Papagaio. 39. Sombra. 40. Dentista. 41. Piolho. 42. Chave. 43. Molhado. as horas). 32. Janela. 33. O serrote. 34. Completamente molhada. 35. Fim. 36. Círculo. 27. Que ela esteja acesa. 28. Guarda de trânsito. 29. O barbeiro. 30. Sapato. 31. Relógio (dá 22. Gato. 23. O tempo. 24. Linha telefônica. 25. Barba. 26. Cinco dedos e um dedal. Respostas 18 parte 1 - adivinhasLivro de Textos_Aluno.indd 18 2009-11-05 15:35
  20. 20. 44. que é que quanto mais O 52. O que será, o que será? cresce, mais baixo fica? Que me preocupa tanto… Viaja por todo o mundo 45. que é que tem mais de O Mas fica sempre em seu canto? quarenta cabeças e não pode pensar? 53. Onde será que você, Mesmo sem ser banqueiro, 46. ois irmãos irmanados D Mesmo sem ser milionário, Um se come cru, outro assado Pode sempre achar dinheiro? Quem são? 54. Todo mundo precisa, 47. ltas varandas A Todo mundo pede, Formosas janelas Todo mundo dá, Que abrem e fecham Mas ninguém segue? Sem ninguém tocar nelas 55. O que está fora você joga fora. 48. u me chamo cama E Cozinha o que está dentro Nela ninguém se deita E come o que está fora Só leão se ajeita Depois, o que está dentro você Quem sou? joga fora… 49. le morre queimado E 56. esponda se for capaz, R Ela morre cantando Sem ficar atrapalhado: Nosso rei Pedro Segundo, Onde é que foi coroado? Adivinhações em versinhos 57. Bicho manso e saltador, 50. amos ver se me responde se V Gosta de ir aos pinotes, é possível descobrir: o que é Levando, cheio de amor, bem fácil de entrar, mas difícil Dentro da bolsa os filhotes. de sair? 58. Com dez patas vai de lado, 51. que é, o que é mesmo? O Constelação tem seu nome, Quero ver se vai saber, Não tem pescoço e é caçado Que está bem na sua frente, Porque é gostoso e se come. Mas você não pode ver? 58. Caranguejo. 53. No dicionário. 54. Conselho. 55. Espiga de milho. 56. Na cabeça. 57. Canguru. 48. Camaleão. 49. Cigarro e cigarra. 50. Alho no espremedor. 51. O futuro. 52. Selo. 44. Rabo de cavalo. 45. Caixa de fósforos. 46. Caju e castanha. 47. Olhos. Respostas parte 1 - adivinhas 19Livro de Textos_Aluno.indd 19 2009-11-05 15:35
  21. 21. Cantigas de roda Atirei o pau no gato Se esta rua fosse minha Atirei o pau no ga-to-to, Se esta rua, se esta rua mas o ga-to-to fosse minha, não morreu-reu-reu. eu mandava, Dona Chi-ca-ca eu mandava ladrilhar admirou-se-se com pedrinhas, com o be-rro, com pedrinhas de brilhantes com o be-rro para o meu, que o gato deu: para o meu amor passar. miaaaaaauuuu… Nesta rua, nesta rua tem um bosque, Sai, piaba que se chama, Sai, sai, sai, que se chama solidão. Ó, piaba, Dentro dele, saia da lagoa. dentro dele mora um anjo, Bota a mão na cabeça, que roubou, a outra na cintura. que roubou meu coração. Dá um remelexo no corpo, dá uma umbigada Se eu roubei, no outro. se eu roubei teu coração, tu roubaste, tu roubaste o meu também. Pai Francisco Se eu roubei, Pai Francisco entrou na roda, se eu roubei teu coração, tocando o seu violão é porque, dão rão rão dão dão [bis] é porque te quero bem. Vem de lá seu delegado, E Pai Francisco foi pra prisão. Pombinha branca Como ele vem todo requebrado, Pombinha branca, parece um boneco o que está fazendo? desengonçado. Lavando a roupa do casamento. A roupa é suja é cor-de-rosa pombinha branca é preguiçosa. 20 parte 1 - cantigas de rodaLivro de Textos_Aluno.indd 20 2009-11-05 15:35
  22. 22. AI, EU ENTREI NA RODA Roda pião Ai, eu entrei na roda O pião entrou na roda, ô, pião! [bis] Ai, eu não sei como se dança Roda pião, bambeia pião! [bis] Ai, eu entrei na “rodadança” Sapateia no terreiro, ô, pião! [bis] Ai, eu não sei dançar Faça uma cortesia, ô, pião! [bis] Sete e sete são catorze, Com mais sete, vinte e um Tenho sete namorados A galinha do vizinho Só posso casar com um A galinha do vizinho Namorei um garotinho Bota ovo amarelinho Do colégio militar, Bota um, bota dois, O diabo do garoto, Bota três, bota quatro, Só queria me beijar Bota cinco, bota seis, Todo mundo se admira Bota sete, bota oito, Da macaca fazer renda Bota nove, bota dez. Eu já vi uma perua Ser caixeira de uma venda Lá vai uma, lá vão duas, O PASTORZINHO Lá vão três pela terceira Havia um pastorzinho Lá se vai o meu benzinho, Que vivia a pastorear No vapor da cachoeira Saiu de sua casa Essa noite tive um sonho E pôs-se a cantar Que chupava picolé Acordei de madrugada, Dó, ré, mi, fá, fá, fá Chupando dedo do pé Dó, ré, dó, ré, ré, ré Dó, sol, fá, mi, mi, mi Dó, ré, mi, fá, fá, fá parte 1 - cantigas de roda 21Livro de Textos_Aluno.indd 21 2009-11-05 15:35
  23. 23. Bá-bé-bi-bó-bu Cachorrinho O bá-bé-bi-bó-bu Cachorrinho está latindo Vamos todos aprender, lá no fundo do quintal. soletrando o bê-á-bá. Cala a boca, cachorrinho! na cartilha do ABC. [bis] Deixa o meu benzinho entrar. O M é uma letra que se Ô, tindô, lelê! escreve no ABC. Ô, tindô, lelê, lalá! Maria, você não sabe Ô, tindô, lelê! como eu gosto de você. [bis] Não sou eu que caio lá. A barata Carrocinha A barata diz que tem A carrocinha pegou sete saias de filó. três cachorros de uma vez [bis] É mentira da barata, Tra-la-la-lá ela tem é uma só. Que gente é essa? Tra-la-la-lá [bis] Ah! Ah! Ah! Que gente má! Oh! Oh! Oh! Ela tem é uma só. Balaio A barata diz que tem Eu queria ser balaio, sinhá! sete saias de balão. Balaio eu queria ser… É mentira, ela não tem Pra andar dependurado nem dinheiro pro sabão. na cintura de você. Ah! Ah! Ah! Balaio, meu bem, balaio, sinhá, Oh! Oh! Oh! balaio do coração… Nem dinheiro pro sabão. Moça que não tem balaio, sinhá, bota a costura no chão. A barata diz que tem um sapato de fivela. Eu mandei fazer balaio É mentira da barata, pra guardar meu algodão o sapato é da mãe dela. Balaio saiu pequeno, não quero balaio, não. Ah! Ah! Ah! Oh! Oh! Oh! Balaio, meu bem [repete] O sapato é da mãe dela. 22 parte 1 - cantigas de rodaLivro de Textos_Aluno.indd 22 2009-11-05 15:35
  24. 24. Barata Meu limão Eu vi uma barata Meu limão, meu limoeiro, na careca do vovô. meu pé de jacarandá, Assim que ela me viu, uma vez tindô-lê-lê, bateu asas e voou. outra vez tindô-lá-lá. Seu Joaquim-qui-rim-quim da perna torta-ra-ta Cirandinha dançando valsa-ra-sa Ciranda, cirandinha, com a Maricota-ra-ta. vamos todos cirandar, vamos dar a meia-volta, Eu bem que disse-ri-se volta e meia vamos dar. que não bulisse-ri-se no violão-dão-rão-dão O anel que tu me deste da dona Alice-ri-se. era vidro e se quebrou. O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou. Estou presa Estou presa, meu bem Por isso, dona (Fulana), estou presa. entre dentro desta roda, Estou presa por um cordão. diga um verso bem bonito, Me solte, meu bem diga adeus e vá-se embora. me solte. Me prenda no coração. Sereia No laço do teu olhar Eu morava na areia, sereia você me prendeu um dia Me mudei para o sertão, sereia fiz tudo pra me livrar Aprendi a namorar, sereia, (ai meu bem) com um aperto de mão mas vi que não conseguia. Oh, sereiá! Vapor de Cachoeira Bambu O vapor de Cachoeira Bambu tira bu, não navega mais no mar [bis] aroeira manteigueira, Arriba o pano, toca o búzio, tirarás (Fulana) nós queremos vadiar. para ser bambu. Ai, ai, ai, nós queremos vadiar. parte 1 - cantigas de roda 23Livro de Textos_Aluno.indd 23 2009-11-05 15:35
  25. 25. Periquito Maracanã A pomba no laço Periquito Maracanã A pombinha voou, voou cadê a sua Iaiá [bis] caiu no laço se embaraçou [bis] Faz um ano, faz dois anos Ai me dá um abraço que eu não vejo ela passar. que eu desembaraço Essa pombinha [bis] Ora vai fechando, que caiu no laço. ora vai fechando, ora vai fechando até fechar. Teresinha de Jesus Ora vai afastando, Teresinha de Jesus ora vai afastando, de uma queda foi ao chão. ora vai afastando até afastar. Acudiram três cavalheiros, todos três chapéu na mão Ora vai pulando, ora vai pulando, O primeiro foi seu pai; ora vai pulando até parar. o segundo, seu irmão; Vai correndo o terceiro foi aquele até parar. a quem Teresa deu a mão. Da laranja quero um gomo, do limão quero um pedaço, Guabiraba da morena mais bonita Quebra-quebra guabiraba, quero um beijo e um abraço. quero ver quebrar Quebra lá que eu quebro cá, quero ver quebrar. Pombinha Pombinha, quando tu fores, Escreve pelo caminho. Marcha, soldado Se não achares papel, Marcha, soldado, nas asas do passarinho. cabeça de papel! Quem não marchar direito Do bico faz um tinteiro. vai preso pro quartel. Da língua, pena dourada. Dos dentes, letra miúda. Marcha, soldado, Dos olhos, carta fechada. cabeça de papelão! Se não marchar direito, A pombinha voou, voou [bis] cai na ponta do facão. Ela foi-se embora e me deixou. 24 parte 1 - cantigas de rodaLivro de Textos_Aluno.indd 24 2009-11-05 15:35
  26. 26. Cai, cai, balão Meu chapéu Cai, cai, balão! O meu chapéu tem três pontas, Cai, cai, balão, tem três pontas o meu chapéu. aqui na minha mão! Se não tivesse três pontas, Não cai não, não cai não, não seria o meu chapéu. não cai não! Cai na rua do sabão! A canoa virou A canoa virou, Giroflê pois deixaram ela virar. Fui passear no jardim celeste Foi por causa de (Fulana), Giroflê, giroflá que não soube remar. Fui passear no jardim celeste para te encontrar. Se eu fosse um peixinho e soubesse nadar, Se encontrasse com o rei eu tirava (Fulana) Giroflê, giroflá do fundo do mar. Se encontrasse com o rei para te encontrar. Airi pra cá, Eu faria reverência airi pra lá, Giroflê, giroflá (Fulana) é bela Eu faria reverência e quer casar. para te encontrar. Se encontrasse com a rainha Giroflê, giroflá Sapo cururu Se encontrasse com a rainha Sapo cururu para te encontrar. da beira do rio, quando o sapo canta, Eu faria um cumprimento oh, maninha, Giroflê, giroflá é que está com frio! Eu faria um cumprimento para te encontrar. A mulher do sapo deve estar lá dentro, Se encontrasse com um soldado, fazendo rendinha, eu batia continência. oh, maninha, Se encontrasse com o diabo, para o casamento! eu faria o sinal-da-cruz. parte 1 - cantigas de roda 25Livro de Textos_Aluno.indd 25 2009-11-05 15:35
  27. 27. Carneirinho, carneirão Caminho da roça Carneirinho, carneirão, No caminho da roça neirão, neirão tem maracujá, Olhai pro céu, olhai pro chão, mas não tem maduro pro chão, pro chão pra meu bem chupar. Manda o rei, nosso senhor, senhor, senhor, Dona Mariquinha, olê [bis] para todos se levantarem. Dona Mariquinha, olá [sentarem, ajoelharem etc.] Machadinha Ai, ai, ai, minha machadinha! Ai, ai, ai, minha machadinha! Fui no mar Quem te pôs a mão Fui no mar buscar laranja, sabendo que és minha? [bis] coisa que o mar não tem. Voltei toda molhadinha Se és minha, das ondas que vão e vêm. eu também sou tua. [bis] Fui no mar da vida um dia, Pula, machadinha, fui buscar amor também. pro meio da rua. [bis] O amor que eu queria, ai, meu Deus, no mar não tem! No meio da rua não hei de ficar. [bis] Nas ondas fui embalada até que à praia voltei Porque tenho (Fulana) sozinha, triste e molhada para ser meu par. [bis] das lágrimas que chorei! Peixe vivo Como pode um peixe vivo Três, três passará Viver fora da água fria [bis] Três, três passará, derradeiro ficará. Como poderei viver [bis] Bom vaqueiro, bom vaqueiro, sem a tua, sem a tua dá licença d’eu passar sem a tua companhia? [bis] com meus filhos pequeninos para acabar de criar. 26 parte 1 - cantigas de rodaLivro de Textos_Aluno.indd 26 2009-11-05 15:35
  28. 28. Pobre e rica Fui ao Tororó Eu sou pobre, pobre, pobre Fui ao Tororó de marré, marré, marré. beber água e não achei. Eu sou pobre, pobre, pobre Encontrei bela morena de marré-de-si. que no Tororó deixei. Eu sou rica, rica, rica de marré, marré, marré. Aproveita, minha gente, Eu sou rica, rica, rica que uma noite não é nada. de marré-de-si. Quem não dormir agora Quero uma de vossas filhas dormirá de madrugada. de marré, marré, marré Quero uma de vossas filhas Ó, dona (Fulana), de marré-de-si. ó, (Fulanazinha), Escolha a que quiseres entrarás na roda de marré, marré, marré. ou ficarás sozinha. Escolha a que quiseres de marré-de-si. Sozinha eu não fico, nem hei de ficar, Eu quero a (Fulana) porque tenho (Fulana) de marré, marré, marré. para ser meu par. Eu quero a (Fulana) de marré-de-si. Deita aqui no meu colinho, deita aqui no colo meu, Que ofício darás a ela e depois não vá dizer de marré, marré, marré? que você se arrependeu. Que ofício darás a ela de marré-de-si? Eu passei por uma porta, seu cachorro me mordeu. Dou ofício de costureira Não foi nada, não foi nada, de marré, marré, marré. quem sentiu a dor fui eu. Dou ofício de costureira de marré-de-si. Esse ofício (não) me agrada Mineira de Minas de marré, marré, marré. Eu sou mineira de Minas, Esse ofício (não) me agrada, mineira de Minas Gerais. de marré-de-si. Eu sou carioca da gema, carioca da gema do ovo. Rebola-bola você diz que dá, que dá. Você diz que dá na bola, mas na bola você não dá. parte 1 - cantigas de roda 27Livro de Textos_Aluno.indd 27 2009-11-05 15:35

×