A educação na sociedade da informação   ricardo da silva
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A educação na sociedade da informação ricardo da silva

on

  • 4,532 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,532
Views on SlideShare
4,531
Embed Views
1

Actions

Likes
1
Downloads
52
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    A educação na sociedade da informação   ricardo da silva A educação na sociedade da informação ricardo da silva Document Transcript

    • 0 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RICARDO DA SILVA A EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO As novas tecnologias de informação e comunicação a serviço da Educação à Distância Palhoça (SC) 2008AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA RICARDO DA SILVA A EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO As novas tecnologias de informação e comunicação a serviço da Educação à Distância Monografia apresentada ao curso de especialização em Metodologia da Educação à distância como requisito parcial à obtenção do grau de especialista em Metodologia da Educação à distância Universidade do Sul de Santa Catarina Orientador: Prof.ª Angelita Marçal Flores Palhoça (SC) 2008AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Universitária da UnisulAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • RICARDO DA SILVA A EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO As novas tecnologias de informação e comunicação a serviço da Educação à Distância Monografia apresentada como parte das exigências para a obtenção do grau de Especialista pelo Curso de Metodologia da Educação a Distância pela UnisulVirtual. Aprovada em, _______de_____________________de ____________. BANCA EXAMINADORA Prof..........................................– Orientador Universidade do Sul de Santa Catarina Prof............................................. Universidade do Sul de Santa Catarina Prof............................................ Universidade do Sul de Santa CatarinaAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • ...Aos meus pais Lucia e Vilmar que me deram o suporte necessário para completar mais essa etapa em minha vida, e à Nadine que desde o início, esteve ao meu lado me incentivando, não me deixando desanimar a cada obstáculo encontrado.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • "O homem não morre quando deixa de viver, mas sim quando deixa de amar." (Charles Chaplin)AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • RESUMO A presente monografia apresenta o panorama atual das tecnologias que guiam a Educação à Distância na maioria das instituições de EaD e de acordo com a atual situação das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação, suas influências nos novos modelos de educação na sociedade de informação, procurando apontar as tendências das novas mídias e as quebras dos paradigmas educacionais que estas vêm causando e podem vir a causar em breve como ferramentas promissoras à Educação à Distância. Sabendo que a quantidade de alunos que estudam à distância aumenta gradativamente e devido a esse crescimento seu atual modelo necessita de estudos e pesquisas constantes a respeito das tecnologias e mídias que orientam seus caminhos, com a finalidade de obter maior eficácia na busca por uma educação real e prática. Vivemos na era da informação, onde a propagação e o acesso as informação tomaram uma dimensão de velocidade muito rápida. A educação em tempos de informação e tecnologias tão rapidamente divulgadas deve acompanhar essas mudanças; não podendo continuar estagnada em uma mesma forma e padrão. Devemos ter um olhar crítico com relação às Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs) apresentadas atualmente que poderão colaborar para o seu desenvolvimento e melhoramento. Estas novas tecnologias surgem para facilitar os caminhos de alunos e professores, como também para aumentar a gama de possibilidades tanto na vida em sociedade quanto para a transformação dessas informações em conhecimento, gerando progresso e desenvolvimento à sociedade como um todo, fazendo principalmente com que o acesso a esse conhecimento seja justo e sem distinção. Palavras-chave: Educação à distância. Novas Tecnologias. SociedadeAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • ABSTRACT The paper presents an overview from the current technologies that guide the Distance Education in most related institutions and according to the present situation of New Technologies of Information and Communication, their influence upon the new models of education in the society of information, trying to show the trends of new media and educational paradigms that they have caused and they are likely to cause soon as promising tools for the Distance Education. Being aware the amount of students who study at distance is gradually increasing and due to this growth its current model needs studies and researches about its technologies and media that guide its ways, with the aim of achieving greater efficiency in the search for a real and practical education. We live in the information age, where the spread and access to information are very immediate. The education in times of information and technologies so quickly disseminated must accompany these changes; it can not remain immovable with the same shape and model. We must have a critical eye about the New Information and Communication Technologies (NICTs) presented nowadays that could work for their development and improvement. These new technologies come to facilitate the students and teachers lives, but also to increase the range of possibilities both in society and for the transformation from information into knowledge, generating progress and development for this society as a whole, especially making this access to knowledge fair and without distinction. Keywords: Distance Education. New Technologies. Society.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...................................................................................................... 10 2. A EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO...........................................12 3. O ATUAL PANORAMA DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. (AS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS).................................................................................................... ..14 3.1 AS GERAÇÕES DOS MODELOS MIDIÁTICOS NA EAD...................................15 3.2 MÍDIAS DIDÁTICAS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ATUAL.............................17 3.2.1 Material Impresso............................................................................................19 3.2.2 Áudio e audiovisuais.......................................................................................21 3.2.2.1 Rádio..............................................................................................................21 3.2.2.2 Vídeo didático.................................................................................................23 3.2.2.3 Televisão........................................................................................................24 3.2.2.4 Teleconferência..............................................................................................26 3.2.3 Mídias de suporte informático as redes virtuais de aprendizagem............27 3.2.3.1 Videoconferência............................................................................................27 3.2.3.2 Comunicações mediadas por computador.....................................................29 3.2.3.3 Internet...........................................................................................................31 3.2.3.4 Vídeo Streaming.............................................................................................34 3.2.3.5 Teleconferência via Web................................................................................36 3.2.3.6 Videoconferência via Web..............................................................................37 3.2.3.7 Ambientes Virtuais de Aprendizagem............................................................37 4. AS MÍDIAS DIDÁTICAS DA NOVA GERAÇÃO DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA................................................................................................................40 4.1 O LIVRO ELETRÔNICO.......................................................................................42 4.2 TV DIGITAL .........................................................................................................44 4.3 PODCASTING......................................................................................................47 4.4 ESPAÇOS VIRTUAIS PARA A PRÁTICA EDUCATIVA......................................49 4.4.1 Comunidades virtuais.....................................................................................49 4.4.2 Blogs.................................................................................................................49 4.4.3 Ferramentas Wiki.............................................................................................50 4.5 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO....................................................................................52 4.6 REALIDADE VIRTUAL.........................................................................................56AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 4.6.1 O ambiente virtual Second Life......................................................................58 4.7. MOBILE LEARNING............................................................................................61 5. CONCLUSÃO........................................................................................................64 REFERÊNCIAS..........................................................................................................66AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 10 1. INTRODUÇÃO Segundo o Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância, (2007), em 2006, o Brasil teve cerca de 2.279.000 pessoas matriculadas em cursos a distância. A análise de alunos credenciados indica um crescimento de 54% em relação ao ano anterior. Considerando apenas os cursos de graduação e pós-graduação, observou-se um aumento de 91%. Os sucessivos aumentos de procura e ofertas evidenciam que a Educação à distância (EaD) está em pleno crescimento e chegou para ficar. A mídia mais utilizada em cursos a distância continua sendo o material impresso (86%). Enquanto o “e-learning” ocupa o segundo lugar, com 56%. Apesar da predominância da mídia “convencional”, a tendência é o uso cada vez maior da internet na EaD. Na medida em que aumenta continuamente o número de pessoas e domicílios com acesso à internet e as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs), estas fazem cada vez mais parte dos modelos de Educação a Distância. E assim a educação dessa nova Era se transforma e alguns paradigmas começam a serem quebrados e novos nascem ou estão em fase de desenvolvimento. A educação a Distância deve seu crescimento ao avanço das tecnologias, devido sua massificação e simplificação. A busca pelo novo torna-se relevante, pois não somente estaremos pesquisando o futuro da educação, como também os novos rumos que a EaD possa tomar. Tendo como base o presente das tecnologias que já fazem parte dos modelos de EaD existentes, buscamos os novos modelos que estão sendo desenvolvidos e o que seus potenciais para a constante melhoria da Educação à Distância. As NTCIs se desenvolvem com rapidez, em nossa sociedade da informação. O presente trabalho busca analisar a situação atual das novas tecnologias da informação e comunicação e seu papel na educação atual, buscando identificar as novas tendências para sua utilização na educação à distância, contribuindo assim na melhoria e desenvolvimento da qualidade dos cursos à distância. Realizar levantamento bibliográfico sobre o tema. Coletar dados sobre a atual situação das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação no ensino à distância. Identificar as principais dificuldades que surgem no processo de implantação de novas tecnologias da informação e da comunicação. ApontarAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 11 sugestões de melhoramento para a possível elaboração de possíveis novos parâmetros e diretrizes a serem utilizados pelas futuras gerações da EaD. Realizada a partir de levantamentos de materiais com dados já analisados e publicados por meios escritos e/ou eletrônicos (livros, artigos científicos, páginas na Web). A pesquisa lida com os registros escritos existentes sobre o universo em questão, se guiando pelo caminho teórico pelos quais outros pesquisadores já trilharam, desta forma podendo alcançar com propriedade dos objetivos propostos. Poderá ser realizada a partir de levantamentos de materiais com dados já analisados e publicados por meios escritos ou eletrônicos (livros, artigos científicos, páginas na Web), ou ser regida pela pesquisa documental, que trabalha com dados que ainda não receberam tratamento analítico e ainda não foram publicados. Como também ser utilizada para a coleta de dados gerais ou específicos de determinado assunto tanto como destinada à consulta de fontes documentais diversas da informação impressa ou eletrônica. É importante identificarmos as ferramentas que realmente podem ser utilizadas como instrumentos educacionais e avaliar sua aplicação de modo a promover a aprendizagem significativa, crítica e eficaz. E sendo essas as gerações que marcaram a evolução da educação à distância, e vivendo na sociedade da informação, devemos questionar: Quais serão as novas tecnologias de informação e comunicação que poderão ser acrescentadas ou até mesmo mudar o atual modelo do Ensino a Distância.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 12 2. A EDUCAÇÃO NA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Vivemos em uma nova Era. Vivemos na sociedade da informação. Sociedade da informação é um conceito utilizado para descrever “uma sociedade e uma economia que faz o melhor uso possível das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) no sentido de lidar com a informação, e que toma este como elemento central de toda a atividade humana”. (Castells, 2001). Segundo o Livro Verde para a sociedade da informação no Brasil (MCT, 2000) o desenvolvimento dessa sociedade tem seu inicio com o lançamento do Programa Americano HPCC (High Performance Computing and Communications) que ganhou notoriedade mundial a partir de 1991/92, pode ser considerado o começo do processo que hoje perpassa governos e empresas sob o rótulo de sociedade da informação. Inicialmente voltado para o avanço da tecnologia de redes e computação nos EUA e com um viés basicamente acadêmico, expandiu-se a partir de 1993/94 para incluir a iniciativa da National Information Infrastructure (NII), impulsionada pela administração Clinton/Gore, com foco na abordagem de desafios concretos da economia e sociedade americana. A chamada NII foi o mote inicial a partir do qual, em 1994, os EUA lançaram a idéia da Global Information Infra- structure (GII) como um desafio mundial a ser enfrentado por todos os governos. Esse papel de liderança dos EUA se deve a uma conjunção de fatores da história recente americana (especialmente a liderança inconteste em Internet). Segundo a Wikipedia (2008), a sociedade da informação é a conseqüência do crescimento informacional, caracterizada, sobretudo pela aceleração dos processos de produção e de disseminação da informação e do conhecimento. É uma nova era, onde as transmissões de dados são de baixo custo e as tecnologias de armazenamento são amplamente utilizadas, onde a informação flui a velocidades e em quantidades, antes inimagináveis. O surgimento das novas tecnologias, como a computação, multimídia e as redes de alta velocidade, têm criado novas possibilidades de desenvolvimento tecnológico. Palco para o desenvolvimento da Educação a Distância (EAD). Moore e Kearsley, (1996) definem a Educação a Distância como o aprendizado planejado que normalmente ocorre em um lugar diverso do ensino presencial e como conseqüência requer técnicas especiais de planejamento de curso, técnicasAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 13 instrucionais especiais, métodos especiais de comunicação, eletrônicos ou outros, bem como sua estrutura organizacional e administrativa específica. Ainda, segundo o Livro Verde para Educação na Sociedade da Informação (MCT, 2000) esta se caracteriza por abranger todas as atividades e processos intencionalmente educativos, caracterizados pelo fato de que, neles, o trabalho dos educadores e dos educandos se realizam em tempos e espaços diferentes, onde essa conexão é feita através de um ou mais meios de comunicação para que aconteça uma troca de informação. O desenvolvimento das TICs tem influenciado o desenvolvimento dos processos de ensino-aprendizado à distância como um apoio eficiente no manejo de informação, no qual atuam como mediadoras entre a troca de conhecimentos e também determinantes para a escolha de estratégias interessantes para a execução de novos projetos para a educação à distância. Portanto, devemos estudar e explorar essas novas ferramentas para que possamos criar novos e melhores modelos, sempre buscando uma educação democrática e de qualidade, usufruindo das novas mídias e ferramentas que a tecnologia nos proporciona para que esses objetivos sejam alcançados.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 14 3. O ATUAL PANORAMA DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (AS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS) Primeiramente, devemos nos focalizar no conceito de tecnologia de informação e comunicação para que possamos compreender seu atual papel na Educação à distância. Dentre os vários conceitos de Tecnologia da Informação e comunicação podemos destacar o de CRUZ (1997, p.160) que define as TICs como “o conjunto de dispositivos individuais, como hardware, e software, telecomunicações ou qualquer outra tecnologia que faça parte ou gere tratamento da informação, ou ainda, que a contenha” Existem muitas definições de tecnologia e direções para seus conceitos entre diversos autores de diversas áreas. Porém, utilizando conceitos mais abrangentes podemos citar um com uma maior amplitude que aparece na proposição de Abetti apud Steensma, (1996), que define tecnologia como “um corpo de conhecimentos, ferramentas e técnicas, derivados da ciência e da experiência prática, que é usado no desenvolvimento, projeto, produção, e aplicação de produtos, processos, sistemas e serviços”. O conceito de tecnologia – enquanto solução a um determinado problema ou conjunto deles – deve ser ampliado e revisto na perspectiva educacional, pois a educação trabalha no universo da diversidade, das individualidades, das subjetividades, das socializações. E assim, direcionado os conceitos de tecnologia a educação, temos o termo Tecnologias educacionais, que segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP, 2008), pode ser definida por quatro grandes características que se interpenetram, se ligam e se completam: 1) aplicação sistemática em educação, ensino e treinamento de princípios científicos, devidamente comprovados em pesquisas, derivados da análise experimental do comportamento de outros ramos do conhecimento científico; 2) conjunto de materiais e equipamentos mecânicos ou eletromecânicos empregados para fins de ensino; 3) ensino em massa (uso dos meios de comunicação de massa em educação) e 4) sistemas homem-máquina. A tecnologia educacional apresenta-se como um meio gerador de aprendizagem que faz parte do ensino como processo tecnológico e atualmente caracteriza-se pela busca de novos modos de trabalhar no campo educacional. UmAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 15 dos grandes desafios é adaptar a tecnologia moderna e os meios de comunicação atuais; como a televisão, o rádio, os suportes informáticos e outros que funcionam também como meios educativos, a um nível informal, como a internet à educação. Essa tecnologia educacional reflete sobre a aplicação de técnicas para a solução de problemas educativos procurando controlar o sistema de ensino- aprendizagem como aspecto central e a garantia de qualidade, preocupando-se com as técnicas e sua adequação às necessidades e à realidade dos educandos da sociedade em que vivemos. Alguns paradigmas ainda deverão ser transpostos e superados, mas muito está sendo feito e aceito para que uma nova educação possa se programar com qualidade e abertura. O cenário atual aponta um aumento das instituições de ensino superior que se utilizam da Educação a Distância como base de ensino e desta forma aponta uma tendência de crescimento e desenvolvimento. A efetiva evolução de um país na era sociedade da informação depende do envolvimento ativo de seus quadros humanos, especialmente de seus cientistas e pesquisadores em tecnologias de informação e comunicação. De acordo com Moran (2007) As tecnologias educacionais necessitam de contextos e encontros pedagógicos motivadores que ampliem a curiosidade, a motivação, a pesquisa, a interação para que alcance bons resultados. As tecnologias em contextos e encontros pedagógicos acomodados, rotineiros aumentam a previsibilidade, o desencanto, a banalização da aprendizagem, o desinteresse. Portanto, devemos partir do atual panorama das tecnologias educacionais para que possamos enxergar o que está sendo desenvolvido e pesquisado para o contínuo crescimento dessa educação sistematizada que possuímos. Devemos nos fundamentar no passado, desenvolver o presente para que possamos colher bons frutos na educação do futuro. A este propósito, Moran (2007) escreve: “As tecnologias são uma parte de um processo muito mais rico e complexo que é gostar de aprender e de ajudar a outros que aprendam numa sociedade em profunda transformação”. 3.1 AS GERAÇÕES DOS MODELOS MIDIÁTICOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIAAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 16 Para que possamos colher bons frutos na educação do futuro, assim como citado anteriormente, devemos então nos fundamentar no passado observando o desenvolvimento concretizado desde o início da utilização da Educação a distância como ensino formal. De acordo com Moore e Kearsley (1996), a educação a distância possui três gerações de modelos midiáticos. E são caracterizados como: Primeira geração dos modelos midiáticos na Educação à distância, foi a do ensino por correspondência, quando avançam as técnicas de impressão, melhoram os serviços postais, permitindo assim que a produção e a distribuição de materiais didáticos sejam facilitadas. Torna-se possível distribuir grandes quantidades de materiais para grupos geograficamente dispersos. Apesar de suas características serem um consenso, a sua data de inicio ainda gera discussões sobre os principais autores a respeito do tema, que não chegam a uma conclusão sobre uma data específica como marco inicial. Embora Landim (1997, p. 2) mencione um anúncio da Gazeta de Boston de 1728 que oferecia material para ensino e tutoria por correspondência e Alves (1994, p.9) considere como a primeira experiência de ED um curso de contabilidade na Suécia em 1833. Moore e Kearsley (1996, p. 20) destacam que o estudo em casa se tornou interativo com o desenvolvimento de serviços de correios baratos e confiáveis que permitiam aos alunos se corresponderem com seus instrutores. Na segunda geração da Educação a Distância, também chamada de ensino multimídia a distância ocorrida no final da década de 1960 e inicio da década de 1970, utilizando, além do material impresso, transmissões por televisão aberta, rádio e fitas de áudio e vídeo, com interação por telefone, satélite e TV a cabo. Surgem as primeiras Universidades Abertas, com design e implementação sistematizadas de cursos a distância. Mesmo que possa haver divergências quanto à primeira instituição e ao primeiro curso a distância, a bibliografia é unânime quanto à importância da Open University da Inglaterra, criada em 1969 como um marco e um modelo de sucesso, que tem atuação destacada até hoje. A terceira geração de cursos a distância está diretamente ligada ao uso do computador pessoal e da Internet, que viabiliza mecanismos para os estudantes se comunicar de forma síncrona pelo uso do computador e de ambientes virtuais de aprendizagem, interativos. Nesta modalidade o uso de tecnologias interativas –AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 17 como a internet e a videoconferência – prioriza os processo de comunicação. Esse modelo vem se estruturando a partir dos anos 90 e encontra-se consolidado nas grandes universidades do mundo. No século XXI, discute-se o nascimento das quarta e quinta gerações de EaD, caracterizadas pelo uso da inteligência artificial e da realidade virtual, mas ainda em ambientes experimentais. No Brasil, consolida-se atualmente a terceira geração, bastante calcada na interação proporcionada pelas redes telemáticas em grande desenvolvimento. Esta consolidação associa a modalidade à distância com as instituições de ensino e pesquisa, uma vez que estando estruturadas em mídias integradas, verifica-se em 2002, a oferta “de mais de cem instituições que ofereciam Educação à Distância com o uso de internet e videoconferência em disciplinas on- line, programas de educação continuada, e-learning, cursos de pós-graduação e de graduação” (Torres, 2005:43). 3.2 MÍDIAS DIDÁTICAS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ATUAL De acordo com o dicionário HOUAISS (2001), mídia é todo o suporte de difusão de informação que constitui um meio intermediário de expressão capaz de transmitir mensagens; meios de comunicação social de massas não diretamente interpessoais (como p.ex. as conversas, diálogos públicos e privados). Abrangem esses meios o rádio, o cinema, a televisão, a escrita impressa, em livros, revistas, boletins, jornais, o computador, o dvd, os satélites de comunicações e, de um modo geral, os meios eletrônicos e telemáticos de comunicação em que se incluem também as diversas telefonias. A mídia, como a origem da palavra sugere, é algo que se coloca entre, no mínimo, dois participantes no contexto educacional: aluno- professor, aluno-aluno, professor-aluno, aluno-aluno, alunos-professor, dentre outras possibilidades de configuração. A mídia não é a mensagem. As mídias sejam elas quais forem não são em si e nem por si mesmas, tecnologias educacionais, (já citadas anteriormente.) Toda mídia, como meio que se interpõe e viabiliza a interação entre pessoas participantes de um processo educacional, não é o agente criativo; ela pode carregar mensagens em informações, mas, por si só, é incapaz de produzir conhecimento, pronto para ser oferecido.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 18 As atividades educacionais realizadas em EAD são veiculadas pelos mais diferentes tipos de mídias. A escolha do suporte midiático define a modalidade de educação a distância que está sendo oferecida. O desenvolvimento de projetos educacionais a distância com qualidade técnica e pedagógica requer cuidados em muitos sentidos. A gestão das mídias para uso em educação é um dos primeiros movimentos para a sua efetivação. Envolve, não apenas a análise do investimento e a aquisição de equipamentos, mas o tratamento do conteúdo que vai ser veiculado e a formação de equipes de profissionais (técnicos e docentes) para o seu melhor uso pela área educacional, como um todo, e em cada projeto de ensino, em particular. E assim, a maneira que essas mídias serão planejadas e utilizadas adequadamente influenciará no resultado final da aprendizagem. Bates (1995) descreve que idealmente as decisões para escolhas de mídias devem ser dirigidas pelas necessidades de ensino da instituição, levando também em consideração a redução contínua de custos, o aumento da acessibilidade, e que a opção por tecnologias diferentes seja também um processo de decisão de nível estratégico e não apenas implícito. Para Lockwood e Gooley, (2001), adotar um meio que está disponível imediata ou convenientemente, apenas porque está sendo subutilizado no momento presente, pelo fato de que as pessoas já estão familiarizadas com ele, ou porque é um meio que pode facilmente atrair os colegas, são situações muito comuns em vários projetos de desenvolvimento de cursos. Entretanto, considerar a opinião dos alunos, que passarão centenas de horas interagindo com a mídia selecionada, pode revelar suas preferências e necessidades e evitar tomadas de decisão inapropriadas. Os autores reforçam ainda que, uma vez que a escolha da mídia foi realizada, os alunos terão que arcar com as conseqüências dessa escolha por um período considerável de tempo. Quando for o tempo de rever a escolha realizada, isto implicará custos que envolvem a mudança para o novo sistema e o preço de tomar uma decisão inapropriada pode custar alto. Existem diversos tipos de mídias a disposição atualmente e também como às novas mídias que surgem progressivamente e rapidamente com o avanço da tecnologia. Moore e Kearsley (1996) expressam que se devem analisar as características das mídias no processo de sua seleção para que se possa planejar sua utilização eficaz visando seu público alvo e preocupando-se na inserção dessas nos modelos pedagógicos educacionais. Cada mídia didática possui suas própriasAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 19 características, alcances e limitações e esses autores explicam que há aspectos positivos e negativos em cada um dos tipos de mídias. A forma como podem ser combinadas, resulta na composição de diferentes tipos de cenários, consoante o tipo de público-alvo e orçamento do projeto de EAD. Como observa Hernández: Propostas educacionais baseadas no uso de várias mídias e recursos tecnológicos são fundamentais para ajudar o aluno a compreender a realidade, examinar os fenômenos que o rodeiam de uma maneira questionadora, contribuindo, não só diante das experiências cotidianas, mas também diante de outros problemas e realidades (Hernández, 2000). Assim como citado anteriormente, no Brasil, consolida-se atualmente a terceira geração das mídias didáticas na EaD. Portanto nos concentraremos a seguir na descrição das características das mídias educacionais mais utilizadas atualmente no ensino a distância nacional. 3.2.1 Material Impresso De acordo com Misanchuk (1994) o material impresso foi muito utilizado nas primeiras experiências de educação à distância. Mesmo com o desenvolvimento de diversas tecnologias com maiores recursos de interação e comunicação (síncronas ou assíncronas) o material impresso continua sendo largamente utilizado. Em alguns cursos ele é utilizado como mídia principal e, em outros, como complemento e aliado de outras mídias, potencializando o processo de aprendizagem. O material impresso ainda é a mídia que os alunos mais se identificam, já que a cultura de estudo da maioria deles está fortemente ligada ao impresso. Ele é de fácil manuseio, os alunos não precisam de auxílio para utilizá-lo e, além disso, pode ser lido em qualquer hora e lugar. Aretio (1997) nos traz as principais características do material impresso para EaD: • É familiar, razoavelmente compreensível e aceito pelos alunos, professores e especialistas;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 20 • É adaptável ao ritmo dos alunos, permitindo a releitura, a leitura seletiva, o maior ou menor aprofundamento do que se lê; • Pode ser navegado com facilidade. O acesso aleatório a partes específicas é rápido e conveniente; • Não requer nenhum horário específico de distribuição (o aluno não precisa estar em um lugar e hora específicos); • Não requer equipamento específico para ser utilizado e é facilmente transportável; • É um meio "transparente", permitindo à mensagem ser transmitida sem distração ou interferência da tecnologia de entrega; • Tem custo unitário baixo em relação às alternativas, tanto para preparação quanto para duplicação; • É um formato muito eficiente para distribuição de grandes quantidades de conteúdo; • É fácil e barato de revisar; • É facilmente integrável a qualquer outro meio. Há também algumas limitações: • Nem todos os componentes da realidade podem ser acessados por meio da linguagem escrita; • A interatividade é mais difícil de conseguir com meio impresso que com outros meios (por exemplo, o computador); • A informação é apresentada por meio de uma série de seqüências e não é possível ter acesso a ela globalmente, de modo imediato; • A cor, se necessária, encarece os custos; • Há um número significativo de aprendizes que não sabem fazer uso adequado do material impresso, especialmente, ao que parece, a geração que foi educada assistindo mais à TV que lendo; • É mais difícil alcançar a motivação para o estudo com o meio impresso que com recursos audiovisuais ou informáticos.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 21 Segundo Sartori e Roesler (2005) entre as mídias impressas usualmente temo como principais formatos de utilização: • Manual do aluno: Caracterizam-se por apresentar e orientar o aluno quanto à metodologia do curso, os recursos e materiais utilizados, o sistema de avaliação, as formas de contato com a instituição etc; • Guia de estudo: Neste material o aluno tem acesso as informações institucionais, como os objetivos do curso, o cronograma de execução, datas importantes de encontros presenciais, entrega de atividades etc; • Cadernos pedagógicos, fascículos ou livros didáticos: É a fonte básica do conteúdo de cada curso ou disciplina de um curso. Geralmente tem uma estrutura específica, que pode sofrer alterações de acordo com cada instituição. Sartori e Roesler (2005) citam ainda que com o desenvolvimento da Internet, o texto entregue por mídia impressa cede espaço pouco a pouco ao texto on-line, que são disponibilizados aos alunos por meio de interfaces pedagógicas dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA). 3.2.2 Áudio e audiovisuais 3.2.2.1 Rádio “ O rádio é a escola dos que não tem escola” Roquette Pinto Segundo o programa de formação continuada mídias na educação - SEED/MEC (2007) o rádio, apesar de relativamente antigo, comparado com os mais novos meios de comunicação, como a televisão, a internet, o celular, dentre outros, ainda não tem sido devidamente difundido na rede de educação básica. No entanto, representa um instrumento rico em possibilidades pedagógicas e de grande abrangência para a EaD, podendo atingir todas as camadas da população. A primeira transmissão de rádio no Brasil ocorreu em 1922 durante as comemorações do centenário da Independência. Empresas norte-americanasAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 22 haviam levado duas pequenas estações ao Rio de Janeiro para divulgar a nova invenção e 80 receptores de rádio foram importados especialmente para o evento. O discurso do presidente Epitácio Pessoa foi transmitido ao vivo, mas muitas pessoas não acreditaram na demonstração de que era possível uma pessoa falar em um ponto e ser ouvida ao mesmo tempo em outros locais. Em 20 de abril de 1923 surge a PRA-2, Sociedade Rádio do Rio de Janeiro, a primeira emissora de rádio do Brasil, implantada por Edgard Roquette Pinto sob o lema “trabalhar pela cultura dos que vivem em nossa terra e pelo progresso do Brasil”. Em 1936, não conseguindo mais manter a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro sem publicidade, Roquette Pinto cedeu-a ao Ministério de Educação e Saúde com o compromisso de que a emissora continuasse a difundir programas educativos e culturais. Ela passou, então, a denominar-se Rádio do Ministério de Educação e Cultura (Rádio MEC)1, iniciando, assim, o sistema de Rádios Educativas no Brasil. Sendo que a Rádio Mec existe até hoje. O rádio continua sendo um dos principais meios de comunicação de massa do Brasil, apesar da concorrência com a TV e outros meios. Ele começou, na década de 90, a mostrar seu potencial de convergência com a Internet, meio no qual é mais fácil se transmitir áudio do que vídeo. Algumas emissoras criaram sites e passaram a disponibilizar sua programação na Internet de modo a permitir que o internauta ouvisse a emissora em tempo real ou também acessasse arquivos sonoros disponíveis no site. O rádio continua sendo muito ouvido pelas mais diversas faixas etárias e classes sociais. Em algumas horas da manhã, nos grandes centros urbanos, a audiência somada das emissoras de rádio chega a superar a audiência das emissoras de TV. O potencial educativo e pedagógico do rádio é resgatado por projetos que estimulam o uso da linguagem radiofônica e ganham força entre escolas e secretarias de Educação propiciando que crianças e jovens melhorem sua capacidade expressiva, desenvolvendo a criatividade e a oralidade. Landim (1997) nos traz as principais características do Rádio na EaD: 1 http://www.radiomec.com.brAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 23 • Funciona em tempo real em códigos puramente auditivos, tais como a palavra, o som e a música; • Na educação a distância tem como característica servir de suporte ao material escrito ou outros meios utilizados; • Os programas de rádio podem ser onerosos de desenvolver, mas são eficientes em termos de abrangência; • Utiliza-se de linguagem simples e de fácil entendimento pela maioria da população; • Os programas podem ser gravados para uma audição posterior. 3.2.2.2 Vídeo didático De acordo com Moran (2006) o vídeo é uma mídia individual, audiovisual e de fácil utilização. Baseando-se na utilização de imagens, sons, recursos técnicos e estéticos para fins educativos. Afirma ainda que o vídeo possibilita a utilização dos recursos técnicos e estéticos do cinema e televisão para fins educativos, suas características de portabilidade, acessibilidade e flexibilidade de uso são muito significativas, podendo o material ser enviado pelo correio, adquirido em bancas, transmitido por satélite com recepção por parabólica ou ainda por emissoras de TV abertas (broadcast) e gravado localmente. A identificação do usuário neste caso é de extrema importância, pois o vídeo deve ter um formato estético, uma linguagem e uma proposta pedagógica que atenda as necessidades de conteúdo, prendam a atenção e motivem o aluno (Koumi, 2006). Uma vez identificado o aluno, a dinâmica, os apresentadores, o conteúdo, a linguagem, os recursos de computação gráfica, os cenários, etc. serão definidos em função de um padrão que crie envolvimento e facilite a transmissão das mensagens. Em geral é utilizado como documento de acompanhamento ao curso em EaD. Moran (2006) cita como principais características do vídeo para uso na EaD:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 24 • São fáceis de utilizar e são controladas pelo aluno em termos de ritmo e local de utilização; • Aproximam a sala de aula à realidade e amenizam o isolamento dos alunos; • A maior parte dos programas educacionais que incorporam a televisão nos respectivos pacotes de aprendizagem disponibiliza DVDs para os alunos que não podem captar as emissões; • Os DVDS, tais como as emissões televisivas, devem sempre ser acompanhadas por descrições do tópico impressas, para orientar e focalizar a atenção dos alunos, e para minorar a necessidade de os alunos dividirem a atenção entre a visualização e a tomada de notas; • Mudança de atitudes ou opinião: é estressante para trabalhadores aceitar mudanças às quais tendem a resistir, mas podem ser encorajados a aceitá-las e mesmo apoiar se virem pessoas que mostram a experiência como positivas; • Criar empatia por pessoas ou procedimentos: mostrar de forma mais agradável uma alternativa em comparação com outra; • Encorajar e inspirar persistência: mostrando outras pessoas que tiveram dificuldades, mas ao final atingiram os objetivos propostos; • Entreter, envolver: diversão certamente não se contrapõe ao aprendizado, nem necessariamente cria um caráter superficial ao material, de fato mostrar fascinação pelo tema é uma poderosa ajuda. Humor pode ser também uma poderosa ferramenta, se bem feito (o que não é tarefa fácil); • Validar as abstrações acadêmicas mostrando sua utilizado para resolver problemas reais: como uma ilustração, onde mostrar a aplicação de conceitos abstratos auxilia o aprendizado. 3.2.2.3 Televisão De acordo com Moran (2006) a aproximação natural da escola junto às novas tecnologias de informação e comunicação permitiu o desenvolvimento de programas integrando a televisão como ferramenta complementar ao ensino. Ocupa lugar de destaque e seu alcance só perde em números para o rádio. Um exemploAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 25 bem sucedido no Brasil é a TV Escola que é um canal de televisão brasileiro via satélite por antena parabólica, com o intuito de promover a capacitação e atualização permanente dos professores do Brasil. A TV Escola é um canal de televisão do Ministério da Educação que capacita, aperfeiçoa e atualiza educadores da rede pública desde 1996. A proposta da TV Escola é proporcionar ao educador acesso ao canal e estimular a utilização de seus programas, contribuindo para a melhoria da educação construída nas escolas. Na implantação do Canal, cada escola pública com mais de 100 alunos recebeu um kit, composto por uma antena parabólica para sintonizar o canal e um vídeo-cassete. Sua programação exibe, durante 24 horas diárias, séries e documentários estrangeiros, produções da própria TV Escola, e é dividida em faixas: Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio, Salto Para o Futuro e Escola Aberta. Existe ainda, em horário especial, uma faixa destinada a cursos para a formação continuada de educadores, onde são oferecidos cursos de aperfeiçoamento das línguas inglesa, espanhola e francesa. Hoje a TV Escola atinge 400 mil professores em 21 mil escolas públicas do país (INEP, 2006). Segundo Carneiro (1997) a TV possui diferentes formatos relativos ao uso pedagógico: • Tele-aula ou vídeo-aula; • Série ficcional didática; • Audiovisual didático; • Vídeo-documentários; • Videoreportagem; • Entrevistas, debates, mesas-redondas; • Série interativas de debates. Landim (1997) apresenta as principais características no uso da Televisão para a EaD:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 26 • Capacidade de motivação do aluno que possui maior sentimento de pertencimento a um grupo; • A televisão educacional possui transmissão e recepção simultânea de ensino e de rápida atualização de informações; • Poderá transmitir conteúdos expositivos apresentando o professor em um ambiente de sala de aula com suporte do quadro negro, como também uma aula expositiva seguida de debates, demonstração da matéria preparada por profissionais da área; • A programação por satélite ou cabo também pode incorporar elementos interativos, tais como a ligação de salas de aula por vídeo ou áudio, ou através de vídeo num sentido ou de áudio em dois sentidos, em que os alunos que vêem o programa podem fazer perguntas por via telefônica em tempo real; • Quando corretamente concebida, a programação de televisão educacional tira um partido máximo de todos os aspectos deste meio: som, movimento, texto e cor; • As emissões devem sempre ser acompanhadas por descrições impressas do tópico, para orientar e focalizar a atenção dos alunos e para minorar a necessidade de os alunos dividirem a atenção entre a visualização e a tomada de notas. 3.2.2.4 Teleconferência. Segundo Cruz e Barcia (1999), a teleconferência é o termo que designa a comunicação via satélite onde o professor/conferencista encontra-se num estúdio de televisão e realiza sua apresentação "ao vivo" para a audiência, sem a interação direta com os mesmos. Somente através da presença de um mediador e estrutura de atendimento para receber, processar e encaminhar as perguntas que vão chegando ao decorrer do programa via telefone ou fax. Um modelo básico de teleconferência é da apresentação de conferencista(s)/professor(es) a que se segue uma discussão dirigida pelas perguntas que vão chegando dos telespectadores. É importante que o mediador e os palestrantes destaquem a importância da participação do público para que haja real envolvimento da audiência. Willis (1996) apresenta as principais características no uso da Teleconferência para a EaD:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 27 • O evento pode ser uma aula ou conferência que é transmitida via satélite e assistida em um monitor de TV; • Maiores vantagens e eficiência é a possibilidade de interação entre professores e alunos, e alunos entre si, sendo que a interação pode ser feita através de telefone, telefax e Internet; • É possível agregar imagens pré-produzidas em vídeo, computador, etc. como se fosse um programa de televisão; • A organização da recepção pode enriquecer e aperfeiçoar os cursos, a remessa de perguntas e dúvidas com antecedência permite direcionar o programa visando atender as questões colocadas pelos alunos; • Um procedimento comum a este tipo de transmissão é o de gravar em vídeo no local de recepção as aulas para registro e/ou uso e análise posterior; • A teleconferência complementa a utilização de outras mídias. 3.2.3 Mídias de suporte informático e as redes virtuais de aprendizagem 3.2.3.1 Videoconferência A videoconferência pode ser utilizada tanto como complementação do ensino presencial como na realização de aulas e reuniões totalmente à distância. Aulas e congressos podem ser transmitidos para uma quantidade maior de alunos através do uso de recursos de videoconferência e transmissão de vídeo, de acordo com Leopoldino, (2001). O custo de cursos através de videoconferência depende, além do número de salas, da estrutura disponível em cada ponto, que segundo Ceja e Romo (Apud Spanhol, 1999) pode ser agrupados em três categorias: • Sala de videoconferência - captação e visualização de áudio e vídeo, que envolvem a câmera, o microfone, a visualização e o som.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 28 • CODEC - este é o equipamento central do sistema. Faz a codificação, decodificação e compressão do som e imagem. • Transmissão e Recepção - modulação, demodulação e multiplexação. Os sistemas de videoconferência requerem conexão digital bidirecional de alta velocidade para o transporte do sinal. (Spanhol, 1999). Sendo que destes itens, a sala de videoconferência é o que permite maior flexibilidade da escolha de itens como isolamento acústico, iluminação, quantidade de assentos, sonorização e microfones, o CODEC sendo um por sala e a linha de transmissão depende do número de salas e da distância entre elas. O compartilhamento de recursos com comunidades distantes, a realização de experiências virtuais, quando as reais não são possíveis; a possibilidade de trazer aos alunos as opiniões de importantes especialistas através de palestras; a aplicação de atividades conjuntas como debates e exercícios em grupo e a perspectiva de trazer uma variedade de formas novas de aprendizagem com diversas mídias são apenas algumas das vantagens trazidas pelo uso da videoconferência no ensino a distancia. Principais aspectos técnicos e pedagógicos no uso da Videoconferência para o ensino a distância segundo Coventry (1998 apud Flores, 2007): • Videoconferência deve ser usada para facilitar o máximo o melhor da Educação a Distância; • Fornece os meios para colocar estudantes e tutores em um só lugar, mesmo que seja virtualmente; • Não fornece suporte para a aprendizagem aberta, os estudantes ainda precisam se inscrever e assistir as aulas em horários pré-estabelecidos e progredir no passo estabelecido pelo curso; • A videoconferência poderia abrir caminho para uma aproximação dupla, dando aos estudantes mais responsabilidades pelos seus aprendizados, trabalhos em grupos, cumprimento de tarefas, todas as quais deverão se beneficiar do ensino convencional, mas a videoconferência fornece a oportunidade de implementá-las na educação à distância;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 29 • Não existe forte evidência se áudio de duas vias, de uma via, ou simplesmente “videotapes” são mídias mais eficientes no ensino. Depende da situação do estudante e se é requerida à educação aberta (tempo e lugar) ao invés da Educação a Distância (lugar). De um modo geral, a videoconferência reduz gastos com viagem e hospedagem, além de proporcionar uma considerável economia de tempo, assim como a internet. Os recentes recursos dos softwares de comunicação instantânea têm promovido aos seus usuários cada vez mais flexibilidade na troca de informações e nas interações através de diferentes recursos multimídia. Do ano de 2000 em diante, com as grandes fusões de mercado, o avanço nas tecnologias e a melhoria da qualidade da internet, os preços começaram a cair. E a internet foi a principal responsável pela “democratização” do acesso a conferências, surgindo então a webconferência (ou webconferencing, em inglês), onde os computadores fazem o papel dos antigos CODECs. 3.2.3.2 Comunicações mediadas por computador O computador pode ser considerado a grande mídia potencializadora de EAD, pois possui uma grande capacidade de armazenamento, e possibilidades de reprodução de vídeos, som, imagens e material impresso, tornando esta mídia uma das mais completas para a educação a distância. Moore e Kearsley (1996) consideram que Instrução baseada via computador se refere aos programas onde os alunos estudam sozinhos em um computador pessoal. O programa pode ser utilizado através de CD-ROM ou via Internet, (que veremos posteriormente) Willis (1996) divide as aplicações do computador para Educação a Distância em 4 grandes categorias: • CAI - Computer Assisted Instruction - usa o computador como uma máquina de ensinar que apresenta discretas lições para atingir específicos, mas limitados objetivos educacionais. Existem várias modalidades de CAI, incluindo instrução e prática, tutoriais, simulações e jogos e solução de problemas;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 30 • CMI - Computer Managed Instruction - usa os ramos do computador, armazenagem e recuperação de dados para organizar a instrução e acompanhar o progresso e os trabalhos dos alunos. A instrução não é necessariamente apresentada pelo computador, apesar de CMI freqüentemente seja combinada com o CAI (o componente instrucional); • CMC - Computer Mediated Communication - descreve as aplicações via computador que facilitam a comunicação. Exemplos incluem e-mail, computer conferencing e eletronic bulletin boards; • Computer-Based Multimidia - Hypercard, hypermedia e uma geração ainda em desenvolvimento de robustas, sofisticadas e flexíveis ferramentas tem chamado a atenção de educadores a distância recentemente. O objetivo de multimídia baseado em computador é integrar varia tecnologias - voz, vídeo e computadores em uma única, facilmente acessível interface. Willis, (1996) menciona as vantagens e limites da utilização intensiva de computadores em cursos à distância: • Computadores podem facilitar o aprendizado no ritmo próprio dos alunos, individualizando o aprendizado; • Computadores são uma ferramenta multimídia. Com a incorporação de gráficos, impressos, áudio e vídeo computadores podem associar várias tecnologias. Vídeo interativo e CD-ROM podem ser associados em unidades instrucionais, cursos e ambientes de aprendizado; • Computadores permitem interação. Vários softwares são extremamente flexíveis e maximizam o controle do aluno; • A tecnologia avança rapidamente. Inovações surgem a cada momento, enquanto os custos caem. Com o entendimento das necessidades imediatas e dos requerimentos técnicos futuros, o educador atento aos custos pode navegar com mais segurança no volátil mercado da informática; • O computador fica mais e mais acessível. As networks podem ser locais, regionais e nacionais. Na verdade, muitas instituições hoje oferecem programas de graduação e pós-graduação quase exclusivamente baseadas em computador;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 31 • As redes de computador têm custo significativo de implantação, mesmo que computadores pessoais sejam acessíveis e o mercado muito competitivo, ainda assim os valores de desenvolvimento de redes instrucionais são altos. A aquisição de softwares e manutenção e atualização do equipamento também são custos; • A tecnologia muda rapidamente. Existe o risco de trocar constantemente o equipamento para se manter em dia com os últimos avanços tecnológicos; • Mesmo que computadores venham sendo usados desde a década de 60, ainda existem muitas pessoas que são "tecnologicamente iletradas" ou que não tem acesso a computadores; • Os alunos devem estar altamente motivados e ser proficientes na operação dos equipamentos antes de usar um ambiente de aprendizado computadorizado com sucesso. 3.2.3.3 Internet Segundo Ravet e Layte (1997), a Internet é uma rede de computadores interligada no mundo inteiro. A Internet tem revolucionado o mundo dos computadores e das comunicações como nenhuma invenção foi capaz de fazer antes. A invenção do telégrafo, telefone, rádio e computador prepararam o terreno para esta nunca antes havida integração de capacidades. A Internet é, de uma vez e ao mesmo tempo, um mecanismo de disseminação da informação e divulgação mundial e um meio para colaboração e interação entre indivíduos e seus computadores, independentemente de suas localizações geográficas. A internet trouxe a história do homem uma nova estrutura de comunicação e transformou a cultura de seus usuários viabilizando uma comunicação global em diferentes áreas e assuntos. Segundo Lévy (1999), “o nome Internet vem de internetworking (ligação entre redes)”. Matos e Vieira, 2003, complementam pontuando que “Numa conceituação genérica a Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro que utilizam os mesmos padrões e convenções que determinam como dois ou mais processos se comunicam e interagem para trocar dados, de forma que os usuários possam usufruir de serviços e comunicação em escala mundial”.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 32 Souza (2003) conta que as páginas da internet estão estruturadas em hipertextos, que se constroem a partir de operação elementar da atividade interpretativa que é a associação dando sentido a um texto ligando-o e conectando-o a outros textos. Através do hipertexto, devido a maior dinâmica ao texto, rompendo com a linearidade, disponibilizando um número ilimitado de informações, o internauta pode definir e selecionar o que busca possibilitando uma série de possibilidades, com direito às inúmeras tentativas e mudança de temática, dado ao caráter essencialmente interativo a transmissão da Internet que depende das ações do internauta, de modo ativo frente ao que escolhe ler, copiar, enviar, criar. O surgimento da World Wide Web ou WWW ou simplesmente Web, abre um novo cenário para Educação a Distância. Ela intensifica o uso da Internet, a rede global de computadores. Trata-se do uso de browsers ou softwares ditos de navegação pela Internet com interface gráfica e janelas. Scheer (1999). Laudon & Laudon (1999) mencionam que a Internet é valorizada porque permite que as pessoas se comuniquem de modo fácil, rápido e barato com outras pessoas em quase todos os lugares do mundo - ela praticamente elimina as barreiras de tempo e espaço. A tecnologia que torna tudo isso possível inclui redes, processamento cliente/servidor, padrões de telecomunicações e hipertexto e hipermídia. Características da Internet como meio para a educação à distância: • São vários os provedores de acesso à Internet atualmente, até mesmo gratuitamente, com isto facilitando seu acesso; • Uma grande quantidade de informação disponível na ponta dos nossos dedos: milhões de páginas de textos e gráficos, mas também som, vídeo, animação, simulação e programas de computador que podem ser baixados da rede para o cada computador com um click do mouse, tudo isso sem sair do conforto e segurança de nossas casas; • Diminuição de custos com educação as instituições de ensino. Cursos à distância requerem investimentos bem mais modestos do que no ensino presencial tradicional, como instalações físicas, etc;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 33 • As correções e atualizações dos materiais são bem mais simples. Diferente de um livro ou apostila. As alterações dos materiais disponíveis on-line para os cursos à distância são realizadas de forma digital, rápida e eficaz; • A customização do estudo, possibilitando aos alunos estudarem em horários de sua preferência e disponibilidade acelerando a autonomia da aprendizagem dos alunos em seus próprios ritmos; • A capacidade de integrar a internet com as outras tecnologias; como vídeo, televisão, jornal, computador, celular. Procurar integrar as novas tecnologias a uma visão pedagógica nova, criativa, aberta é algo que pode significar dinamismo, promoção de novos e constantes conhecimentos, e formando o prazer do estudar, do aprender, criando e recriando, promovendo a verdadeira aprendizagem; • O uso das redes como uma nova forma de interação no processo educativo amplia a ação de comunicação entre aluno e tutor proporciona a quebra de barreiras através da utilização das ferramentas disponíveis atualmente. O processo de troca de informação acontece de uma maneira mais efetiva do que nas formas mais antigas de ensino a distância, onde praticamente não havia interação; • Retorno ao aluno. O aluno tem mais facilidade de verificar como está seu rendimento, fazer comparações e verificar no que pode melhorar; • Atualmente a participação dos alunos cresce mais e mais. Se antes só era possível ler o conteúdo das páginas, hoje os formatos da Web permitem que os estudantes comentem e envie conteúdos, troque experiências, como até mesmo criar seu próprio espaço para discussões e opiniões, assim, tornando-se parte de todo o processo de uma forma mais integral; • A facilidade dos serviços de busca. Se corretamente utilizados trazem grandes vantagens. Pois, existe ainda a facilidade de dispersão. Diante de tantas possibilidades de busca, a própria navegação se torna mais sedutora do que o necessário trabalho de interpretação. Os alunos tendem a dispersar-se diante de tantas conexões possíveis se não forem guiados a uma pesquisa direcionada e eficaz. A Internet representa um dos mais bem sucedidos exemplos dos benefícios da manutenção do investimento e do compromisso com a pesquisa e o desenvolvimento de uma infra-estrutura para a informaçãoAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 34 3.2.3.4 Vídeo Streaming Segundo Ávila (2004), Streaming é uma forma de transmissão de sons e imagens (áudio e vídeo) através da internet sem a necessidade de efetuar o download desses dados. O nome streaming deriva da palavra stream que significa fluxo, correnteza, pois a máquina recebe os dados de forma contínua através da Internet, baseando-se na velocidade da conexão disponível para que se possa visualizar o vídeo continuamente em vez de transferir um único pacote grande para executar posteriormente. Para isso, apenas uma pequena parte do arquivo é armazenada no computador para depois ser apresentado, quase que instantaneamente. Esta tecnologia permite que o conteúdo fique acessível de imediato já que o usuário executa o conteúdo no momento em que ele chega. Para ter acesso a este tipo de conteúdo, é necessário que o usuário tenha o plug-in específico para a aplicação streaming. Citamos alguns dos mais populares: Windows Media Player, Real Media Player, Quick Time ou Macromedia Flash. O conteúdo Streaming pode ser transmitido em duas modalidades: • Ao Vivo (Live), que é a transmissão ao vivo do seu programa de rádio, de televisão, ou apresentação, curso ou treinamento, diretamente pela Internet a partir do local do evento ou de um estúdio. • Gravado (On Demand), que é o armazenamento no servidor de arquivos de áudio e vídeo compactados, para download posterior por parte do usuário, ou transmissão diretamente de equipamento de reprodução. Em matéria de visualização do conteúdo, os dois formatos não possuem nenhuma diferença. Mas, quanto à interatividade obviamente existem diferenças já que no caso da apresentação gravada, o visitante vê o vídeo sincronizado com os slides, tem um formulário de contato (envia um e-mail), pode fazer download de arquivos e assistir ao conteúdo quantas vezes necessárias. Já na apresentação ao vivo o visitante vê o conteúdo apenas pelo tempo de duração da transmissão ao vivo e tem ferramentas de interatividade a mais conforme a estrutura do seu projetoAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 35 (exemplos: chat, mensagens instantâneas para o palestrante, questionários em tempo real, etc.). Esta tecnologia já existe desde os anos 80, porém, a convergência de mídias, evidenciada com a utilização em massa dos computadores com a qualidade dos recursos multimídia e processadores cada vez mais velozes contribuíram com este tipo de recurso, destacando-se o aumento da qualidade dos programas de compressão de vídeo, fator essencial para uma boa transmissão. Outro ponto foi o aumento substancial de usuários que utilizam a internet com conexões de banda larga. É praticamente impossível acessar um vídeo com a baixa velocidade de uma linha discada. Principais características do Vídeo Streaming na EaD: • Interatividade de acesso com a disponibilidade de material a qualquer hora e lugar; • Interatividade de escolha com uma biblioteca de materiais on-demand; • Interatividade de controle podendo iniciar, parar, continuar, adiantar e rever o material quando necessário; • Integração de outras mídias na web, agregando valores aos materiais a serem utilizados, como textos, slides, chats, debates, links, questionários, e outros recursos disponíveis como parte de um ambiente virtual de aprendizagem; • Grande possibilidade de acesso. O ponto principal do Streaming é ser capaz de enviar e receber conteúdo de áudio e vídeo em qualquer parte do mundo, gravado ou ao vivo, com custos extremamente baixos; • Também já é possível assistir a vídeos em streaming via telefone celular; • Professores particulares e Palestrantes podem realizar cursos e palestras diretamente de suas casas; • Situar os alunos no mundo real, sendo que eles assimilam mais informações quando vêem um exemplo prático de determinada disciplina; • Cursos à distância têm a opção de trabalhar com interação ao vivo com o professor, utilizando determinados programas. Nesses casos, os alunos contam, em uma mesma tela, com o recurso de chat e podem realizar perguntas ou dar sugestões sobre o que está sendo exibido, além de compartilhar arquivos;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 36 • Todo vídeo produzido, mesmo que seja para transmissões via internet, precisa seguir os preceitos básicos de uma produção. Isto é, ter roteiro, direção, edição, continuidade, etc. Além de operadores de câmeras. Desta forma podendo encarecer sua produção; • Ainda não existem definições e metodologias de como usar essa tecnologia em modos pedagogicamente apropriados e sensatos as necessidades dos alunos no contexto educacional; • O número de usuário pode ser limitado nas transmissões ao vivo. Pois quanto melhor for a resolução, cada um dos usuários usará mais largura de banda diminuindo assim o número possível de usuários em determinado momento. 3.2.3.5 Teleconferência via Web A teleconferência via Web é definida como todo o tipo de conferência a distância em tempo real através da transmissão de vídeo streaming via internet onde o professor/conferencista encontra-se num estúdio de televisão e realiza sua apresentação "ao vivo" para a audiência, sem a interação direta com os mesmo. A interação poderá somente acontecer através de chats, e-mail, ou outra ferramenta disponível online, mas não há transmissão bi-direcional de imagem dos receptores. Com a expansão da internet, a utilização da teleconferência Web vem crescendo e se desenvolvendo para o uso na Educação à distância. O método de conferência via web mais simples utilizam programas de bate-papo e mensagens instantâneas para realizar as discussões em grupo baseadas em texto. Programas mais sofisticado permitem que as pessoas compartilhem documentos online. Para participar de conferências/aulas/palestras online, os participantes devem ter: • um computador disponível; • Acesso à Internet; • Microfones (opcional); • Webcams e placas de vídeo (dependendo do software a ser utilizado); Geralmente, toda apresentação ou reunião online possui um moderador e participantes. O moderador (que pode ser um professor) define a hora e a data do conferência/aula/palestra, prepara o conteúdo e certifica-se de que tudo estáAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 37 funcionando corretamente antes do encontro começar. Os participantes podem visualizar a apresentação em um software ou em um navegador Web sem dar retorno ou podem colaborar por telefone, bate-papo com voz ou mensagem instantânea on-line durante a reunião. Os moderadores podem gravar a apresentação para visualização posterior, além de passar seus recursos de moderador para os participantes durante o encontro. 3.2.3.6 Videoconferência via Web A videoconferência via web utiliza de softwares específicos através da rede de computadores por meio de câmeras acopladas ao computador para acontecer, sendo possível a transmissão de texto, áudio, vídeo e outros documentos de forma bidirecional, existindo interação on-line entre o moderador e os participantes em tempo real. Na videoconferência Web, (utilizando Internet e microcomputador) não há necessidade de ter os alunos em um mesmo local, em uma mesma sala, como na videoconferência usual. Com os avanços da tecnologia, proporcionando processadores mais rápidos e melhores esquemas de compressão de dados, a videoconferência Desktop, tornou-se viável. Na conferência desktop, a comunicação é feita através de uma pequena câmera acoplada ao computador juntamente com microfones, podendo ser realizada através da inclusão de software e hardware em computadores comuns, sem grandes implementos necessários, assim como a videoconferência usual. As características da videoconferência Web são basicamente as mesmas da videoconferência usual, sendo que a principal diferença entre os dois modelos é que a interatividade entre aluno professor e aluno com outros alunos acontece através da Internet, ao contrário das videoconferências que necessitam de salas especiais, exigindo equipamentos específicos e caros. 3.2.3.7 Ambientes virtuais de aprendizagemAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 38 Ambientes virtuais de aprendizagem (AVAs) são sistemas computacionais disponíveis na internet, destinados ao suporte de atividades mediadas pelas tecnologias de informação e comunicação. Permitem integrar múltiplas mídias, linguagens e recursos, apresentar informações de maneira organizada, desenvolver interações entre pessoas e objetos de conhecimento, elaborar e socializar produções tendo em vista atingir determinados objetivos. Almeida, (2003). Facilita o gerenciamento de cursos educacionais para seus estudantes, especialmente ajudando professores e aprendizes com administração do curso. O sistema pode acompanhar constantemente o progresso dos aprendizes, o qual pode ser monitorado pelos professores e aprendizes. Ainda de acordo com Almeida (2003), com os Ambientes Virtuais de Aprendizagem a EaD ganhou a possibilidade de organizar de maneira mais controlada cursos, mescla de aulas presenciais e a distância, possibilidade de aulas apenas virtuais, integração com novas possibilidades de interação pela Internet, além da aproximação entre professores e alunos dentro do processo educativo. A interação num ambiente virtual de aprendizagem é fundamental para que os alunos possam organizar suas idéias, compartilhar seus conhecimentos tornado-se sujeitos autônomos de sua aprendizagem. O número de ferramentas disponíveis para utilização também cresce a cada dia. São e-mails, fóruns, conferências, bate-papos, arquivos de textos, wikis, blogs, dentre outros. Ressalta-se que, em todos estes ambientes, textos, imagens e vídeos podem circular de maneira a integrar mídias e potencializar o poder de educação através da comunicação. Além disso, a possibilidade de hiperlinks traz o aumento do raio de conhecimento possível de ser desenvolvido pelos alunos. Estes hiperlinks podem ser realizados tanto dentro do próprio ambiente digital de aprendizagem (entre textos indicados ou entre discussões em fóruns diferentes, por exemplo), como também de dentro para fora e de fora para dentro (em casos de pesquisas alargadas de discussões internas, nos quais se pode trazer ou levar conteúdo desenvolvido para a discussão). Assim, pode-se diferenciar inclusive as nomenclaturas que são dadas à educação promovido a distância. De acordo com Santoro (2002), os ambientes de educação à distância apresentam uma diversidade de ferramentas e características que podem promover tanto a comunicação síncrona como assíncrona. O número de ferramentas disponíveis para utilização também cresce a cada dia. São e-mails, fóruns, espaçoAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 39 para recados do professor/tutor, chats, espaço para arquivos dos alunos, blogs, biblioteca virtual, espaço para exercícios, dentre outros. Ressalta-se que, em todos estes ambientes, textos, imagens e vídeos podem circular de maneira a integrar mídias e potencializar o poder de educação através da comunicação. Além disso, a possibilidade de hiperlinks traz o aumento do raio de conhecimento possível de ser desenvolvido pelos alunos. Estes hiperlinks podem ser realizados tanto dentro do próprio ambiente virtual de aprendizagem (entre textos indicados ou entre discussões em fóruns diferentes, por exemplo), como também de dentro para fora e de fora para dentro (em casos de pesquisas alargadas de discussões internas, nos quais se pode trazer ou levar conteúdo desenvolvido para a discussão). São exemplo de AVAs: • AulaNet; • Blackboard; • Teleduc; • Desire2Learn; • DeskEaD; • Edumate; • Ensinar; • Eureka; • LearnLoop; • Learning Space; • Moodle; • Sakai Project; • WebCT.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 40 4. AS MÍDIAS DIDÁTICAS DA NOVA GERAÇÃO DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Vivemos um momento interessante onde a tecnologia nos brinda com novidades a cada momento, e claro, que as tecnologias educacionais se desenvolvem no mesmo passo. A cada mês algo novo é desenvolvido, sendo assim, precisamos pesquisar e discutir a respeito as novas mídias que surgem com o desenvolvimento tecnológico atual, e fazem parte das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs). Estamos caminhando para uma nova fase de convergência e integração das mídias: Tudo começa a integrar-se com tudo, a falar com tudo e com todos. Tudo pode ser divulgado em alguma mídia. Todos podem ser produtores e consumidores de informação. Lemos (2003) cita que uma das características mais importantes e marcantes das mídias didáticas da nova geração é a interatividade. E representa essa noção de interatividade em três níveis: • Interatividade social, que marcaria de um modo geral nossa relação com o mundo e toda vida em sociedade; • Interatividade técnica do tipo “analógico-eletro-mecânica”, que experimentamos ao dirigir um automóvel ou mesmo ao girar a maçaneta da porta; • E a interatividade “eletrônico-digital”, que seria ao mesmo tempo técnica e social. É esta última que nos interessa particularmente. Sendo, que Serra (2003), sinaliza que “algumas características vão marcar a interatividade entre os usuários e as mídias digitais”, entre elas: • Feedback imediato, ou seja, cada ação do usuário corresponde a uma reação praticamente simultânea da máquina. • Os sistemas informatizados são concebidos de modo a prever o número mais alto possível de perguntas e as múltiplas combinações de respostas para que o usuário tenha a impressão de estar interagindo de forma análoga ao diálogo interpessoal e não perceba que a interação se dá dentro de um número limitado de possibilidades oferecidas pelo equipamento. • Capacidade de interagir de forma individualizada, em oposição aos meios massivos tradicionais.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 41 • Possibilidade de manipulação do conteúdo da informação. A este propósito Moran (2007) escreve: “a interatividade pressupõe uma atitude de vida muito mais ativa, investigativa, inovadora”. A internet apresenta-se como o palco principal onde essa interatividade vem a acontecer. Pois o crescimento exponencial no uso da Internet comparado às outras mídias, em se tratando de tempo para atrair a atenção, ou como alguns preferem o termo penetração, foi muito alto. Sendo que de 50 milhões de pessoas para terem acesso ao rádio demoraram cerca de 40 anos, o mesmo número para televisão foi de 13 anos, e, para a Internet, aconteceu em apenas 4 anos, deixando clara a facilidade de absorção dessa mídia pela população. (Communications of the ACM, 1999) Palácios, (2003) aponta que o fato de que, “pela primeira vez, se tem massividade e interatividade associadas. O jornal impresso e a televisão são meio massivos, já que possuem grande alcance, mas não são interativos — a comunicação ocorre em uma só via. O telefone é um meio interativo — a comunicação ocorre em duas vias —, mas não é massivo. Na Internet, a interatividade não é mais uma potencialidade e sim o modo de ser constitutivo da rede”. Dado ao pouco tempo histórico de disponibilidade da internet as suas possibilidades ainda têm sido sub-aproveitadas têm-se que investir em pesquisa, experimentar, testar possibilidades, criar dimensões para sua utilidade e papel frente as interrogantes educacionais, pautadas hoje e seu perfil enquanto linguagem e interatividade. Acima de tudo devemos nos preparar para receber essas novas mídias que já nos cercam, entender seus processos, criar e pesquisar metodologias, desenvolver e testar essas novas mídias junto aos alunos, pois eles serão os “consumidores” e deverão ser envolvidos nos processos. Porém não podemos prever o futuro da educação, isso seria bobagem. Portanto, este trabalho se resume a apontar as tendências, e tendo a humildade de saber que o que será apontado aqui como “tendência” poderá ou não a ser uma realidade.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 42 4.1 O LIVRO ELETRÔNICO Fazer um leitor de livros eletrônicos que consiga superar o material impresso é uma das tarefas mais difíceis no mercado atual. Porém as tentativas estão aumentando e as empresas de tecnologia estão apostando nesta idéia fazendo o uso da NTICS que já fazer parte de nossas vidas, como o celular e a internet. O livro eletrônico é a tentativa atual de aumentar ainda mais a praticidade do papel. Denis Russo Burgierman da Revista Super Interessante na edição de Maio de 2008 descreve em sua reportagem que em Novembro de 2007 nos Estados Unidos, (e despercebido no Brasil) a Amazon (empresa Americana de comércio eletrônico2) lança o Kindle, um aparelho sem-fio para a leitura de livros digitalizados preto e brancos. O Kindle funciona sem fio e não precisa ser conectado a computadores para ser carregado com livros, blogs ou periódicos ou até mesmo consultar e-mails. A bateria do aparelho dura cerca de 30 horas entre cada recarga e o parelho tem capacidade para armazenar até 200 livros. A Amazon afirma que 100 mil títulos estão disponíveis para os clientes do Kindle, com preços de US$ 9,99 (cerca de R$ 20), e leva menos de um minuto para baixar no aparelho, se o sinal estiver bom. A reportagem do site TERRA TECNOLOGIA - Amazon pode revolucionar leitura com livro eletrônico - de 20 de novembro de 2007 descreve que nos leitores de livros eletrônicos anteriores, o usuário precisava estar conectado a um computador, para o qual deveria baixar o livro, para em seguida transferi-lo ao aparelho leitor. Peter Svensson, repórter do site, que também testou e analisou o aparelho descreve que além das legibilidades, o grande benefício do e-ink3 é que consome muito pouca energia. Na verdade, nenhuma energia é utilizada enquanto a página é mostrada, apenas quando se muda de imagem. É possível também ler seus próprios documentos no Kindle, apesar da função ser limitada. Ao conectar o aparelho no computador, é possível transferir documentos de texto simples. Se você quiser transferir documentos do Word ou PDFs é necessário enviar o arquivo para a 2 www.amazon.com) 3 Tinta Eletrônica – tinta utilizada especificamente para visores de leitores eletrônicos. Site da empresa (www.eink.com).AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 43 Amazon, que converte e envia diretamente para o Kindle, a um custo de US$ 0,10 por documento. Kindle foi um projeto de desenvolvimento da Amazon durante três anos. A idéia era de que o aparelho passasse a um segundo plano, para permitir ao usuário desfrutar da leitura, assim como acontece com os livros físicos. De acordo com a Amazon, a tela do leitor é tão simples de ler quanto o papel, pois utiliza partículas de tinta reais, reflete a luz como o papel comum e não brilha como as telas de outros aparelhos eletrônicos. As primeiras tentativas de popularizar os leitores de livros eletrônicos chegaram ao final dos anos 90 com o RocketBook e o SoftBook Reader, duas invenções que passaram despercebidos por serem incômodas ao leitor e pela pouca oferta de títulos. Principais características do Livro Eletrônico que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância: • Poderá ser o sucessor do material impresso em EaD, baixando ainda mais os custos de produção, utilizando somente de downloads via internet das apostilas e materiais didáticos antes impressos; • Os ciclos editoriais seriam encurtados, porque não seria necessário imprimir fisicamente os livros e os custos cairiam. Isso permitiria reduzir os preços; • Assim como o material impresso é de fácil manuseio e pode ser lido em qualquer hora e lugar; • Capacidade alta de armazenamento, podendo carregar até 200 livros, incluindo apostilas e diversos materiais didáticos em sua memória interna, que pode ser expandida com cartões SD; • Usa a rede de celular para ficar online podendo baixar arquivos onde haja área; • Não necessita de um computador para gerenciar uma biblioteca, possui este recurso onde seus livros ficam organizados em ordem alfabética ou cronológica; As análises apontaram como desvantagem:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 44 • A carga da bateria que de acordo com a empresa Amazon deveria durar entre dois dias entre cargas, mas não durou o suficiente; • O Kindle utiliza, por enquanto, a rede sem-fio EVDO, o que pode limitar a venda do produto aos Estados Unidos, já que essa tecnologia é pouco usada fora do país; • Preço nos Estados Unidos US$ 400, 00, podendo ser de custo alto para os estudantes brasileiros. 4.2 TV DIGITAL Segundo Amaral (2003), A integração do sistema clássico da TV com o mundo das telecomunicações da informática, onde a internet possibilita a interação e navegação, fez surgir a nova televisão, a TV digital interativa. O autor descreve ainda que a TV Digital não é somente comércio como querem alguns, não é só entretenimento como querem outros e nem só mais uma tecnologia que vem para que o povo invista mais uma fatia do seu salário. É uma nova filosofia do processo de comunicação, do processo de aprendizagem, de encontros e trocas, de conhecermos as pessoas que estão assistindo ao mesmo programa que nós e que podem ter as mesmas idéias e necessidades. É uma forma de resgate do sentido do coletivo e das comunidades, das redes de informação e aprendizagem beneficiadas e facilitadas pela tecnologia. Moran (2007) sobre a TV DIGITAL cita que: As tecnologias começaram e se mantiveram separadas – computador, celular, Internet, mp3, câmera digital e agora a TV – e agora caminham na direção da convergência, da integração, dos equipamentos multifuncionais que agregam valor. O computador fica cada vez mais potente e menor, ligado à internet banda larga, a redes sem fio, à câmera digital, ao celular, aos tocadores de música. O telefone celular é a tecnologia que atualmente mais agrega valor: é wireless (sem fio) e rapidamente incorporou o acesso à Internet, à foto e vídeo digitais, aos programas de comunicação (voz, TV), ao entretenimento (jogos, música-mp3) e outros serviços. A televisão é a última das grandes mídias a tornar-se digital. E agora se insere num mundo de tecnologias já digitais, já mais interativas e integradas e precisa correr atrás para recuperar o espaço perdido, principalmente o das múltiplas escolhas na hora e lugar que as pessoas assim o quiserem.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 45 Segundo Thais Waisman, (2004) do Laboratório de TV Interativa da Escola do Futuro a nova tecnologia da TV Digital Interativa trará severas mudanças ao meio televisivo, aos hábitos de consumo, aos ambientes de aprendizagem, ao modo como os indivíduos se relacionarão com essa nova mídia. Empreendimentos voltados para a TV Digital Interativa são ainda um grande desafio para pesquisadores, técnicos e empresários. Os recursos envolvidos numa iniciativa do uso da TV digital são significativamente maiores que aqueles despendidos quando se produz conteúdo para internet. Mesmo assim, a justificativa dessa proposta faz-se clara quando percebemos que o mundo está caminhando rapidamente para este tipo de iniciativa, especialmente no setor educacional, apesar das tímidas experiências que se têm notícia. Um projeto em andamento que envolve escolas, residências, pais, professores e alunos conectados via cabo, utilizando os recursos educativos da TV Digital e da internet banda larga é The WISH TV4 (WorldGate Internet School to Home) que foi desenvolvido nos Estados Unidos. No Brasil o desenvolvimento dos aplicativos interativos para produções voltadas especificamente para a aprendizagem são o foco de estudos e pesquisa do LABITV5 – Laboratório de TV Interativa e Multimeios da Escola do Futuro da USP. Principais características da TV DIGITAL que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância segundo seus principais pesquisadores no Brasil: • A interatividade é a principal característica dessa mídia e representa o futuro do uso didático da TV. Com a convergência da internet e a TV, onde o espectador deixa de ser um receptor passivo e interage com o conteúdo da programação; • Na educação, teremos muitos canais e recursos para acessar conteúdos digitais de cursos e realizar debates com especialistas e entre alunos; • Será fácil também a orientação de pesquisas, de projetos e mostrar (apresentar, disponibilizar) os resultados; • Poderemos produzir belas aulas e deixa-las disponíveis para os alunos acessa-las no ritmo que quiserem e no horário que acharem conveniente, com qualidade melhor do que a atualmente conseguida na Internet; 4 www.wgate.com 5 www.labitv.futuro.usp.brAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 46 • Haverá mais realismo na interação à distância, nos programas de comunicação a distância, isto é conseguiremos, mesmo fisicamente longe, ter a sensação de estarmos juntos, de quase tocar-nos fisicamente; • Se estivermos viajando poderemos acessar um canal específico e interagir com os colegas e alunos através do celular ou de um computador portátil; • Novos ambientes de aprendizagem (corporativo e institucional, mesclando ambiente de trabalho com ambiente de aprendizagem, tanto do ponto de vista presencial e físico, como digital e interativo no mundo virtual); • Solicitação de vídeos de diversos formatos; • Serviços interativos de apoio ao estudante como: home banking, tempo, livraria, notícias, vídeos, outros programas – objetivo é situar o aluno no mundo real; • Suporte às aulas, trabalhos, projetos, testes e revisões de conteúdos. Amaral, (2003) sobre a TV DIGITAL cita que: A educação para o uso da TV digital interativa encontra sua máxima expressão quando professores e alunos têm a oportunidade de criar e desenvolver através dos meios suas próprias mensagens. Principais dificuldades para a utilização da TV DIGITAL segundo seus principais pesquisadores no Brasil: • Segundo Waisman (2004) os recursos envolvidos numa iniciativa educativa de caráter televisivo são significativamente altos se comparados a outras mídias; • Segundo Moran (2007) grandes grupos educacionais privados pensam nelas para baratear custos, ganhar escala (aulas para mais alunos, por satélite, por exemplo); vêem a educação como investimento, como negócio e buscam utilizar as tecnologias digitais para conseguir o máximo lucro com a mínima despesa. São modelos para grandes grupos, para países inteiros, oferecidos de modo uniforme para todos, com algum apoio de instituições locais. São os modelos oferecidos pelas mega-universidades que estão se consolidando agora, que vêem na TV digital uma forma ideal de realizar este modelo massivo. • Outro fator complicador é o ritmo lento, complexo e descontínuo da gestão pública, com recursos, mas dificuldade na implementação, na continuidade das políticas;AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 47 • A grande maioria das pessoas depende do modelo passivo de uma TV que dá tudo pronto, aparentemente de graça. Esse modelo fez sucesso. 4.3 PODCASTING O termo Podcasting segundo Moura e Carvalho (2006) foi criado pelo então VJ da MTV Adam Curry em 2004, que resultou da fusão de iPod - um aparelho que toca arquivos digitais em MP3/MP4 da empresa Apple, com Broadcasting - transmissão de rádio ou tevê, e é usado para descrever a tecnologia utilizada para baixar arquivos de áudio ou vídeo que podem ser acessados pela internet. Adam criou o primeiro agregador de podcasts usando applescript (linguagem de computador interpretada que age sobre a interface do sistema operacional da Apple) e disponibilizou o código na internet, para que outros programadores pudessem ajudar em sua concepção. Podcast é uma série de áudio ou vídeo utilizado para divulgar opiniões, entrevistas, música ou informações na internet. Estes dados podem ser atualizados automaticamente e os arquivos podem ser ouvidos diretamente no navegador ou baixados no computador, sendo que os programas ou arquivos, são gravados em qualquer formato digital (MP3, AAC e OGG são os mais utilizados), e ficam armazenados em um servidor na internet e podem ser transferidos para leitores portáteis. Geralmente no formato áudio, os arquivos podem ser atualizados automaticamente mediante uma espécie de assinatura gratuita disponibilizada pelos sites. No Brasil já existem diversos sites que disponibilizam podcasts a respeito de diversos assuntos6. De acordo com Moura e Carvalho (2006) A tecnologia podcasting está modificando a forma como se ensina e como se aprende na era da Sociedade de Informação. E assim escrevem: “falar de podcast é falar de uma aula que pode ser estudada ou gravada a qualquer momento, em qualquer lugar [...]” 6 Um deles é o http://www.podbr.com que disponibiliza conteúdos gratuitos para os usuários.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 48 Principais características do Podcasting que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância: • Podcasts podem ser utilizados para disponibilizar na internet partes de uma aula, explicações teóricas sobre um determinado assunto, comentários ou mensagens. • A utilização do podcast na aprendizagem pode transformar-se num recurso com grandes potencialidades, tanto pedagógicas, quanto motivacionais, visto que é uma tecnologia que anda no bolso de um grande número de pessoas. • Não substitui a sala de aula, mas é um canal a mais de comunicação entre os professores e alunos. Onde os professores podem encontram os estudantes no lugar onde eles mais freqüentam atualmente – a internet. • Os custos para sua utilização são mínimos e as ferramentas para sua utilização são simples e acessíveis. Para criar um Podcast não é necessário mais que um computador equipado com microfone e um software para gravação e edição de áudio • A grande maioria dos estudantes já está familiarizada com tal tecnologia. • Podcasting demonstra o poder do áudio versus o texto (ouvir ao invés de ler), permitindo seus usuários ouvir e aprender enquanto caminham, correm, andam de ônibus, ou até mesmo qualquer lugar longe de seus computadores. • Estudantes podem criar seus próprios podcasts - com gravações das atividades e exercícios, gravações das anotações ou uma reflexão do que foi aprendido. Principais dificuldades com a mídia Podcasting no uso em Ensino a distância: • Usuários devem possuir acesso à banda larga para baixar os arquivos. • Falta de interatividade entre pessoas ou estudantes e professores. • A qualidade de som de quem narra ou apresenta um conteúdo, incluindo efeitos de som e entonação de voz pode cair se não tratados com cuidado; • As aulas gravadas poderão gerar criticas ou constrangimento para os professores, se mal interpretadas ou se não forem de qualidade elevada.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 49 4.4 ESPAÇOS VIRTUAIS PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 4.4.1 Comunidades Virtuais Recuero (2002) descreve as comunidades virtuais como grupos de pessoas com interesses comuns que se estabelecem relações, trocam experiências e informações em um espaço virtual através da Internet em um espaço virtual. A infra-estrutura tecnológica de comunicação atual permite a conexão de um sem-número de pessoas, integradas para a formação de um pensar coletivo e flexível, capaz de ampliar as capacidades de pensamento e reflexão das individualidades conectadas. Lévy, (1999). Neste contexto, diversos espaços virtuais são acessados e, a partir deles, comunidades virtuais podem ser estabelecidas. Em comunidades virtuais as pessoas podem continuar conectadas nesses ambientes, mantendo a aprendizagem permanente, preservando objetivos e buscando resultados comuns, participando de forma igualitária, trabalhando em equipe, aprendendo colaborativamente e interagindo permanentemente, sendo que os professores deverão ser orientadores e/ou motivadores para que tudo isso venha a acontecer. Comunidades virtuais fazem parte da articulação formadora da cibercultura, juntamente com os princípios de interconexão e a inteligência coletiva Lévy, (1999). Os processos de cooperação e colaboração são premissas básicas para o desenvolvimento de uma comunidade virtual. 4.4.2 Blogs Segundo Blood (2002), os Blogs, abreviatura do termo em inglês weblogs, tem como características a facilidade em que pode ser criado, editado e publicado. Em geral, expressa relatos pessoais, idéias e sentimentos do autor, sobre os mais diversos assuntos e áreas. Os weblogs inicialmente eram filtros do conteúdo na Internet. Eram praticamente baseados em links e dicas de websites pouco conhecidos, bem como comentários, ou seja, funcionando, também, comoAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 50 publicação eletrônica, destruindo o mito de que weblogs tenham sido criados com a função exclusiva de servirem como diários eletrônicos. O formato Diário parece ter surgido ao mesmo tempo, segundo as observações de Blood, com igual força. O conhecimento da linguagem HTML era uma barreira constante para o aumento do número de usuários, que só foi quebrada com o surgimento das ferramentas dos sistemas baseados na Web, de fácil utilização, aliados à possibilidade de receber os conteúdos através de agregadores RSS, tornaram os blogs realmente populares7. Voigt (2007) descreve também que os Blogs não são apenas ferramentas para atividades jornalísticas e intelectuais individuais, mas espaço para debate, construção conjunta de conhecimentos e criação de redes sociais. A criatividade pessoal e coletiva determinará a utilização. 4.4.3 Ferramentas Wiki Não existe definição absoluta a respeito das ferramentas wiki, todavia, Barton, (2004) nos traz a Wiki como o nome usualmente dado a sistemas que permitem criação e edição conjunta de conteúdos pelos usuários. Voigt, (2007) adiciona que um serviço wiki permite que várias pessoas, geograficamente distantes, trabalhem em um mesmo texto de forma assíncrona. Não havendo uma hierarquia pré-estabelecida entre autores. Qualquer usuário pode adicionar conteúdos e também editar conteúdos inseridos por outras pessoas. Aqui reside uma diferença fundamental em relação ao blog, onde usuários podem escrever comentários, mas não alterar uma mensagem. Além do direito ilimitado de edição, a vantagem de um wiki é a possibilidade de trabalhar em um documento sem a necessidade de baixar para o computador, editar e enviar novamente. Tudo é realizado online e o trabalho fica disponível assim que o usuário salvar as alterações. O sistema controla todas as alterações, que ficam gravadas em um histórico. Desta forma, é possível retornar a uma versão anterior ou recuperar algo que foi excluído por engano. Porém, diferentes serviços wiki oferecem características diferentes, embora eles normalmente incluem as habilidade de 7 (como exemplo encontramos o Blogger – www.blogger.com)AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 51 comparar versões anteriores das páginas editadas, discutir os assuntos anteriormente à fazer mudanças e saber quem editou, o que e quando o fez, alguns possuem níveis de hierarquia, onde existem censores que poderão apagar o texto escrito se os mesmos não estiverem dentro das regras padrões do sistema. O projeto mais visível baseado na filosofia Wiki é o WIKIPEDIA8 (Uma enciclopédia de código aberto) Ferramentas Wikis podem ser utilizadas em atividades pedagógicas voltadas para o desenvolvimento da reflexão e da autonomia do aluno, mas principalmente para trabalho cooperativo e desenvolvimento de redes sociais. Principais características dos referidos espaços virtuais que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância: • Voigt, (2007) cita que existem várias possibilidades de uso pedagógico dessas ferramentas em atividades educacionais. A questão tecnológica não constitui barreira, pois os processos de criação e edição são tarefas relativamente simples; • Possuem as características necessárias ao ensino à distância. Pois trabalham as mudanças nos papéis desempenhados por professores e alunos do ensino presencial anterior, fazendo com que os alunos assumam um papel cada vez mais proativos, responsáveis pelo próprio aprendizado; • Os espaços podem ser utilizados como calendário de atividades, marcar trabalhos, seminários, sugerir leituras complementares dos assuntos tratados, disponibilizar links de bons conteúdos, manter arquivos de texto, imagens etc; • Servem como base de conhecimento. Notas feitas sobre os conteúdos das disciplinas feitas pelos alunos, resenhas de textos lidos, arquivos de exercícios e auto-avaliações podem ser compartilhadas, sendo que a pesquisa coletiva pode aumentar o interesse do aluno pela matéria; • Não podemos deixar de citar o incentivo ao respeito pela opinião de outro colega, sendo necessário o debate antes da criação, edição ou modificação dos textos; • Assim como também os docentes podem utilizar esses espaços para criar e preparar materiais didáticos em conjunto com colegas; • Um maior contato com alunos e professores, mesmo que virtualmente; 8 Disponível em http://www.wikipedia.org.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 52 • Segurança. Desde que os alunos sejam obrigados a fazer o log in ou tenham uma identificação para poder editar e publicar conteúdo ou para participar de determinada comunidade. • Os estudantes não precisam possuir conhecimentos de programação para utilizar desses espaços virtuais ou ter o seu próprio. Atualmente suas plataformas de criação e utilização são básicas e simples. Principais dificuldades com o uso dos espaços virtuais no Ensino a distância: • Como essas ferramentas são informais, escritos a partir do ponto de vista pessoal, estes podem enfocar muitas vezes interesses próprios e nem sempre assuntos do curso ou da disciplina; • Algumas ferramentas wiki possuem hierarquias que podem acabar com a atmosfera livre e aberta “censurando” ou até mesmo deletando os textos sem critério claros. Situação que não corresponde as características da EaD; • Podem não ser de fonte confiável, a não ser em casos específicos e exceções. Desta forma, não podem ser utilizados como referência a trabalhos acadêmicos; • A utilização de tais ferramentas ainda não está nos planos de muitas administrações, principalmente por falta de adaptação, enquanto os estudantes esbanjam vontade de conectar a vida real com o mundo digital. • Alunos obrigados a participar. Eles devem ser motivados e não obrigados a participar. O professor tutor deverá ter o papel de incentivar e direcionar os alunos a participarem com eficácia; • A internet como fonte para tudo. A busca pelas fontes para qualquer tipo de atividade pelos alunos não deverá ter somente como base a internet. Os professores deverão incentivar a busca por todos os tipos de fontes disponíveis além da internet. 4.5 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃOAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 53 O termo Web 2.0 foi criado por Tim O’Reilly em 2005 (Tim O’Reilly, nascido na Irlanda e fundador da OReilly Media e entusiasta de movimentos de apoio ao software livre e código livre) e desde lá o termo é amplamente comentado e discutido, com definições e delimitações nem sempre consensuais. Segundo o pesquisador Emilio Voigt, (2007) o termo Web 2.0 é utilizado para descrever a segunda geração da World Wide Web. A idéia é que o ambiente on-line se torne mais dinâmico e que os usuários colaborem para a organização de conteúdo. É caracterizada pela intensificação da participação dos usuários na rede, sendo os mesmos mais ativos, criando, utilização e remixando os conteúdos de maneira simples e corriqueiras. Em suma: os usuários passam de meros consumidores a produtores. Mattar (2007) concorda e adiciona que esse princípio é sempre enfatizado por pesquisadores na área da educação: dar a possibilidade de o aluno se tornar mais do que um ser passivo na etapa de aprendizagem. O aluno pode se tornar um agente pensante que veja nessas ferramentas a oportunidade ideal, estimulado pela possibilidade de formar e trocar conhecimentos. Ainda para o mesmo autor, na Web 2.0 o usuário não é mais pensado apenas como recipiente passivo, mas simultaneamente como produtor e desenvolvedor de conteúdo. Para a Educação á Distância, isto significa que o aluno passa também a ser autor e produtor de material didático. Professores têm a possibilidade de utilizar os recursos web 2.0 também para seu controle de aulas, através de ferramentas online que ajudam o trabalho do profissional de ensino. As características centrais da web 2.09 são resumidas por Kerres (2006, apud Voigt, 2007) nas seguintes comparações: • Usuário versus autor. Enquanto na “web 1.0” o usuário era visto como recipiente de uma página, na “web 2.0” ele torna-se também autor, incluindo opiniões e conteúdos. Em vez de apenas ler, o usuário modifica e (re)cria conteúdos. • Local x remoto: as fronteiras entre processamento/armazenamento local e remoto de dados deixam de existir. Os dados que antes eram gravados no 9 Um exemplo prático das características da denominada WEB 2.0 é o vídeo (Web 2.0 - The Machine is Us/ing Us). Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=6gmP4nk0EOEAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 54 • Os computadores pessoais agora migram para servidores remotos e podem ser acessados via navegador de internet a partir de qualquer lugar. • Privado x público: o privado torna-se cada vez mais público. Arquivos, acontecimentos pessoais, agenda, lista de favoritos são compartilhados na rede e tornam-se acessíveis a outras pessoas. Principais características Web 2.0 que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância: • A utilização correta da web 2.0 pode agregar valores à instituição de ensino. Um Wiki bem desenvolvido, por exemplo, pode ser usado como ferramenta de pesquisa para alunos futuros, formando uma enciclopédia particular; • A utilização de ferramentas como o blog, os Wiki e podcasts de acordo com as características da Web 2.0 melhorarão muito a interatividade e interação dos alunos dos cursos à distância sobre o conteúdo das disciplinas; • A utilização de um Ambiente Pessoal de Aprendizagem (APE) que seria um conceito, não um sistema. O APE ressalta a participação do indivíduo na organização do seu próprio aprendizado, que é contínuo e, portanto, não pode ser proporcionado por uma única fonte. Não faz mais sentido, portanto, o aluno trabalhar apenas com conteúdos e ferramentas pré-fabricados, pois ele precisa de liberdade para configurar seu próprio ambiente de estudo. Portanto, temos aqui a idéia de que o aluno se torna produtor de conteúdos e materiais didáticos; • O emprego dos microconteúdos. Que são pequenas quantidades de informação, pequenos objetos de aprendizagem que podem ser utilizados, reutilizados e remixados em diferentes situações e contextos. Tudo é visto como matéria-prima, que pode ser retrabalhada em função dos interesses, das disciplinas e das necessidades dos usuários. • O aproveitamento dos “nativos digitais”, que são os estudantes que fazem parte de uma geração que vem crescendo com a internet e que está atenta às novas possibilidades. Esta geração não se contenta mais com o uso da internet apenas como meio de transporte, seja para envio de e-mails ou disponibilização de conteúdos. • Novas tecnologias e novas maneiras de encarar a internet podem superar aquilo que sempre foi considerado uma desvantagem da EaD: carência deAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 55 • socialização e participação coletiva. Com a web 2.0 temos mais ferramentas que potencializam colaboração e construção conjunta de conhecimento; • Assincronismo. Os modelos assíncronos estão em maior sintonia com as necessidades e possibilidades atuais. A maioria dos serviços da web 2.0 aproveita as vantagens da assincronia, que permite não apenas flexibilidade, mas também criação de comunidades e redes sociais. Grupos não existem somente quando pessoas estão reunidas no mesmo local e no mesmo horário. Novamente uma característica direcionada a Educação à distância no que se refere à integração de seus estudantes, fazendo com que o aluno não se sinta mais “isolado”; • Estudante como produtor de material didático. Na web 2.0, o usuário não é mais visto apenas como recipiente, mas como produtor e desenvolvedor. Para a EaD isto significa que o aluno passa também a ser autor e pode participar da produção de material didático institucional. A criação conjunta deve considerar a qualidade do conteúdo e os pressupostos curriculares. • As instituições poderão ter a disposição todos esses recursos com baixo custo. Os recursos buscados deverão ser os de profissionais e técnicos que possam tornar todas essas características da Web 2.0 pedagogicamente aplicáveis. Levando em consideração a redução contínua de custos com produções de materiais e mídias didáticas. Principais dificuldades com o uso da Web 2.0 na Ensino a distância: • Uma das dificuldades seria fazer com que os educadores aprendam e usem a Web 2.0 a seu favor. Que procurem se adequar e utilizem essas ferramentas como um meio de melhorar o processo educativo; • A necessidade de treinar e educar os alunos nessas tecnologias e conceitos, pois nem todos são “nativos digitais”; • Socialização e participação coletiva precisam ser motivadas, estas não surgem automaticamente. Da mesma forma, o uso de software social e a criação de redes sociais devem ser claramente vinculados ao processo de aprendizagem. Não basta criar redes, é preciso criar redes de aprendizagem; • Não são necessários conhecimentos de informática ou programação para criar um blog, um podcast ou trabalhar em um wiki. Mas, cada vez mais surgemAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 56 • novos aplicativos e é difícil permanecer atualizado. O que poderia ser uma dificuldade para alguns estudantes; • A garantia de qualidade na produção de conteúdos sendo que os alunos serão incorporados ao processo de elaboração de material didático; • A dificuldade de harmonizar materiais institucionais previamente preparados com a construção conjunta e assim como combinar o aprendizado informal com as exigências curriculares; • Com a remixagem de conteúdos não pode dispensar a discussão sobre direitos autorais e plágio. 4.6 REALIDADE VIRTUAL O termo Realidade Virtual (RV) foi cunhado no final da década de 1980 pelo Americano Jaron Lanier, artista e cientista da computação que conseguiu convergir dois conceitos antagônicos em um novo e vibrante conceito, capaz de captar a essência dessa tecnologia: a busca pela fusão do real com o virtual, descreve Bioca, (1995). E segundo o mesmo autor a Realidade Virtual permite aos usuários a interação instrutiva com o ambiente virtual e seus objetos como se fossem reais, por imersão, na simulação tridimensional gerada por computador. Kirner (2004) define realidade virtual (RV) como uma técnica avançada de interface, onde o usuário pode realizar imersão, navegação e interação em um ambiente sintético tridimensional gerado por computador, utilizando canais multi- sensoriais. Através de cenários tridimensionais, é possível representar uma grande variedade de situações voltadas para diversas áreas de aplicação, tais como: excursões virtuais em mundos reais (como museus, terrenos, etc.) ou imaginários e representação de objetos (carros, máquinas, etc) ou personificações de seres reais (homem, animal, etc) ou imaginários (alienígenas). Em um ambiente de realidade virtual, o usuário sente a imersão, ou tem a sensação de estar dentro e fazer parte daquele mundo. Ele também é capaz de interagir com seu ambiente de várias maneiras significativas. Também de acordo com Scheer (1999) Realidade Virtual é uma forma de humanos visualizarem, manipularem e interagirem com computadores e dadosAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 57 extremamente complexos. Realidade Virtual é a animação do ponto de observação apresentada em um contexto interativo, em tempo real. A realidade virtual proporciona uma maneira de o participante interagir com um ambiente 3D. O mesmo autor ainda nos coloca que os ambientes de realidade virtual são definidos a partir do grau de imersão do usuário, conferindo 3 tipos de simulação da realidade: • Passiva. Proporciona ao usuário exploração automática e sem interferência através do ambiente 3D. A rota e as vistas são explícitas e exclusivamente controladas pelo software. • Exploratória. A exploração é dirigida pelo usuário através do ambiente 3D. O participante pode escolher a rota e as vistas, mas não pode interagir com entidades contidas na cena 3D. • Interativa. Além de proporcionar uma exploração dirigida pelo usuário, as entidades virtuais no ambiente respondem e reagem às ações do participante. De acordo com Kirner e Tori (2004) a RV trabalha na ponta do desenvolvimento científico e tecnológico, buscando sempre interfaces interativas mais próximas aos sentidos humanos. Contudo, o que hoje é considerado RV pode vir a ser a interface padrão do computador do futuro, e realidade virtual passar a ser a denominação de alguma nova tecnologia, que neste momento está sendo concebida nos laboratórios de pesquisa. Os jogos de computador de hoje, para citar um exemplo, se utilizam largamente de tecnologia de RV não imersiva, mas já não são conhecidos como tal. Braga (2001) cita que “com a Realidade Virtual presente na educação poderemos descobrir, explorar e construir conhecimento (aprender) sobre lugares que jamais pensaríamos visitar. O grande potencial da Realidade Virtual está exatamente nessas possibilidades, não só através de aulas ou objetos físicos, mas também através da manipulação virtual do alvo a ser explorado, analisado e estudado”. No ambiente da educação a realidade virtual está começando a ter um impacto significativo no processo de aprendizagem. Porém, mesmo parecendo ainda distante a possibilidade de ser considerada esta alternativa entre as mídias possíveis de serem utilizadas em cursos à distância, muito pelo custo e tempo de designAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 58 necessário, provavelmente, seguindo a tendência de barateamento dos equipamentos e desenvolvimento de novas aplicações, em muito pouco tempo este quadro será revertido e esta será uma opção viável. 4.6.1 O ambiente virtual Second Life Segundo Mattar e Maia (2007), dois dos maiores pesquisadores do assunto no Brasil, que enquanto para alguns o ambiente virtual Second Life, não passa de um simples ‘joguinho’; para outros, é o futuro da Web. Com os conceitos de ‘ilhas’ substituindo os de sites, de ‘trilhas’ substituindo os de menu, da não necessidade de utilização de um browser e do código aberto. Os autores ainda apresentam-no como “um ambiente colaborativo 3D de realidade virtual, em que é possível montar seu avatar. Como também existe a possibilidade de construir, comprar e vender objetos (ou seja, um ambiente que contempla, virtualmente, o conceito de propriedade intelectual), e que por isso possui seu próprio dinheiro, o Lindendolar”; Badler (1997) descreve avatar como o modelo de humanos virtuais que são usados como substitutos de “pessoas reais” dentro dos ambientes virtuais. O site do Second Life no Brasil10 descreve que “o cenário do jogo é em terceira dimensão e completamente interativo, onde qualquer objeto encontrado em sua jornada viabilizará a sua interação conforme sua respectiva função. Seus cenários são baseados em uma típica ilha tropical, cercada por centenas de ilhotas. Mas não se preocupe com distâncias: neste mundo você pode voar e se teletransportar. Durante o jogo, há dois mapas disponíveis para ajudá-lo em sua localização: um mini-mapa que representa a região onde você está e o próprio mapa, onde você visualiza o mundo por completo”. Pesquisadores, como Prof. Carlos Valente e João Mattar (2007) concluem que o SL é uma verdadeira revolução na tradicional EaD. Universidades como a Anhembi-Morumbi, Mackenzie, a ESAB e a Unisinos já tentam ocupar seu espaço educacional nesse mundo virtual. A USP lidera um mega-projeto chamado de Cidade do Conhecimento 2.0, onde algumas universidades brasileiras e outras estrangeiras exploram esse ambiente do ponto de vista educacional. 10 http://www.gruposecondlife.com.brAcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 59 Mattar (2007)11 descreve que “uma aula no Second Life gera memórias espaciais (onde eu sentei, onde o professor estava etc.), o que não ocorre nos chats, e que podem colaborar para o aprendizado. Além disso, o ambiente é ideal para a simulação. Por exemplo, pode-se dividir uma turma de Marketing em grupos, com o desafio de cada grupo criar um produto e comercializá-lo, medindo-se então os resultados num ambiente de realidade virtual quase real”. Principais características da Realidade Virtual que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância: • Imersos no mundo virtual os estudantes participam numa aventura, numa viagem exploratória que, à partida, suscita a curiosidade, o interesse, o desfio e consequentemente, a motivação, fundamental em qualquer contexto educativo. • O envolvimento no ambiente virtual faz com que os estudantes possam desenvolver um comportamento natural e intuitivo, agir de forma semelhante à do mundo real já que, paralelamente à inexistência ou minimização da interface, ele poderá interagir com o mundo envolvente obtendo dele, se possível em tempo real, à resposta adequada às suas ações; • Os estudantes podem executar experimentos no mundo virtual que seriam muito caros, difíceis ou perigosos de se realizar por outros meios; • Apoiar e motivar o aprendizado em excursões, fornecendo cenários virtuais semelhantes aos reais acrescidos de informações complementares; • Melhorar a compreensão sobre determinada obra ou experimento, através de uma maior aproximação e de uma visualização sob diferentes ângulos; • Permitir a simulação e a análise de experiências recém vivenciadas seja na própria sala de aula, no laboratório ou em passeios educativos; • O poder de ilustração da realidade virtual para alguns processos e objetos é muito maior do que outras mídias; • Permite uma análise de muito perto ou de muito longe; • Permite que as pessoas deficientes realizem tarefas que de outra forma não são possíveis; 11 O professor João Mattar mantém um blog onde discute as novas ferramentas para a EaD e disponibiliza uma lista de referências para o uso do Second Life em Educação. Disponível em http://blog.joaomattar.com/second-life/AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 60 • Dá oportunidades para a criação de experiências próximas a realidade; • Permite que o aprendiz desenvolva o trabalho no seu próprio ritmo; • Não restringe o prosseguimento de experiências ao período da aula regular; • Permite que haja interação, e desta forma estimula a participação ativa do estudante. Principais dificuldades com o uso da Realidade Virtual no Ensino a distância: • O equipamento necessário para algumas experiências com RV ainda tem um custo significativo e não é facilmente acessível. Sendo que estes equipamentos mínimos ainda não são comercializados em grande escala no Brasil e os programas ainda são limitados na área da educação; • Em alguns ambientes o ângulo de visão é menor do que o humano e assim podendo ocorrer sensações de claustrofobia, náuseas e outros pequenos desconfortos; • A simples informatização do material tradicional e sem uma adequada alteração das técnicas de ensino não terá eficácia nenhuma se não houver uma pesquisa, estudo e desenvolvimento pedagógico direcionado a esta área; • Há ainda vários limitadores nos ambientes virtuais como a necessidade de baixar o software e o elevado nível de exigências de hardware para que o programa possa rodar, além da longa curva de aprendizado para utilizar a ferramenta e, principalmente, para construir objetos; • A recepção da informação sensorial no mundo virtual é bastante problemática, já que a tecnologia existente não permite, ainda, a eficácia desejada; • Outros problemas são do domínio ético, sócio-cultural e psicológico: efeitos físicos e psicológicos da realidade virtual a médio e longo prazo, alterações nos comportamentos; • Principalmente existem ainda os problemas provenientes das limitações tecnológicas no qual limitam um pouco o sentido de imersão e versatilidade suficiente para a concretização de um largo conjunto de tarefas.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 61 4.7 MOBILE LEARNING (M-LEARNING) A utilização de dispositivos móveis na educação criou um novo conceito, o chamado Mobile Learning ou M-Learning (Aprendizagem Móvel) que, segundo Koschembahr, (2005 apud Reinhard , Saccol, Schlemmer, Barbosa, e Kristoffersen, 2005) pode ser definido como “os processos de aprendizagem que ocorrem, necessariamente, apoiados pelo uso de Tecnologias da Informação Móveis e Sem fio (TIMS) e que tem como característica fundamental a mobilidade de atores humanos, que podem estar fisicamente/geograficamente distante de outros atores e também de espaços físicos formais de educação, tais como salas de aula, salas de treinamento ou local de trabalho” M-Learning é também basicamente definido como “a entrega de conteúdo pedagógico aos estudantes utilizando tecnologia de computação móvel”. (Parsons e Ryu, 2006, tradução do autor). Outra definição interessante seria “o ponto no qual computação móvel e educação à distância se juntam para produzir a qualquer hora, e em qualquer lugar uma experiência educacional” (Kambourakis, Kontoni, and Sapounas, 2004, tradução do autor) Citadas anteriormente, as “TIMS são todas as ferramentas que permitam o acesso a dados e a comunicação pessoal de forma móvel, via acesso a redes sem fio. Exemplos: PDAs (Assistentes digitais portáteis), telefone celular (2,5G ou 3G), Palmtops, Telefones inteligentes, ou laptops habilitados à conexão com redes Wireless, ou seja, sem fio, assim como também as aplicações de RFID (Radio Frequency Identification)”. (Saccol e Reinhard, 2005). E, “seguindo essas tendências, essas novas tecnologias abrem novas possibilidades de atividades de aprendizagem e formação continuada a trabalhadores que realizam um trabalho móvel” (WIREDU, 2005). Aprender com mobilidade não é uma idéia nova – a possibilidade de aprender em qualquer lugar e a qualquer momento sempre foi buscada e potencializada com ferramentas como livros, cadernos e outros instrumentos móveis (portáteis) que existem há muito tempo. O que hoje ocorre é que as TIMS podem contribuir para a Aprendizagem com Mobilidade por disponibilizarem aos sujeitos o acesso rápido a uma grande e diversificada quantidade de informações, viabilizando seu recebimento e envio (quando associadas à Internet); além disso, essas tecnologias promovem a comunicação e a interação entre pessoas distantes geograficamente e temporalmente, de uma maneira sem precedentes..AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 62 (Reinhard N., Saccol A. Z., Schlemmer, E., Barbosa, J. L. V., Kristoffersen, 2005) Da mesma forma, a proliferação de locais nos quais é possível acessar a Internet via redes Wireless, (cafés, bares, shoppings, aeroportos, etc.) viabilizam a criação de novos ambientes onde haja a possibilidade de realizar atividades que envolvam a Educação à Distância. Principais características da M-Learning que poderão ser aproveitadas no Ensino a distância: • Melhorar os recursos para o aprendizado do aluno, que poderá contar com dispositivos computacionais móveis para execução de tarefas, anotação de idéias, consulta de informações via Internet, registro de fatos através de câmera digital, gravação de sons e outras funcionalidades existentes; • Prover acesso aos conteúdos didáticos em qualquer lugar e a qualquer hora, de acordo com a conectividade do dispositivo, tornando o processo de aprendizagem mais rápido, mais fácil, mais atrativo e mais aceitável aos alunos; • Aumentar as possibilidades de acesso aos conteúdos, melhorando e incentivando a utilização dos serviços providos pela instituição, educacional, como também, permitindo aos estudantes receber uma resposta rapidamente, a qualquer hora, ainda mais rápida do que via e-mail; • Uma educação centrada no aprendiz, focada na mobilidade do aprendiz como qualquer forma de aprendizado que acontece quando o aprendiz não está parado, em local predeterminado, ou o aprendizado que acontece quando o aprendiz toma vantagem de oportunidades de aprendizado oferecida por tecnologias; • Pode ser usada para retirar a carga de formalidade no quais os “nativos digitais” podem achar desmotivantes, desta forma aumentando a motivação e o foco dos mesmos sobre a aprendizagem. • Lida com a facilitação da colaboração e da comunicação entre alunos/alunos e alunos/professores e desta forma tende a aperfeiçoar essa mudança de paradigma entre o ensino centralizado no instrutor para o ensino focado nos aprendizes. Principais dificuldades com o uso da M-learning no Ensino a distância:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 63 • Custos podem significar uma barreira; nem todos podem custear PDAs ou um computador Laptop atualmente. Se todos os estudantes possuem laptops, PDAs, ou celulares, seria mais fácil seu uso para aprendizagem, porém; as instituições não podem ainda exigir que os estudantes os adquiram por causa do custo, no qual acarretaria na exclusão de alguns; • Ainda existe o problema que está nas fontes para o desenvolvimento de materiais e o suporte necessário para sua utilização. Esta infra-estrutura ainda está em falta na educação à distância atual; • Depende de quão preparados os professores estão para a utilização de tais tecnologias. Os professores podem ser uma parte crítica em M-learning, sendo que alguns ainda não estão preparados. Somente uma pequena porcentagem de professores usam PDAs, mas principalmente para uso pessoal; • O acesso à banda larga para o progresso das atividades ou até mesmo baixa velocidade da banda larga disponível ou tráfico pesado podem dificultar a execução do processo.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 64 5. CONCLUSÃO Atualmente, sucessivas inovações de tecnologias voltadas ao ensino caracterizam a intensificação dos processos de educação a distância como uma das tendências neste início de século. Apesar de utilizado há várias décadas, principalmente na América do Norte e Europa, o ensino a distância vem se configurando como uma das forças mais inovadoras para o aprendizado em todos os níveis com o advento dessas novas tecnologias. Cada vez mais o desenvolvimento dessas novas tecnologias tem contribuído para o crescimento e desenvolvimento do ensino a distância e se apresenta como uma das formas de resolver a deficiência existente na educação. Os desafios pedagógicos na utilização das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação, em especial os computadores e a internet, estão vinculados às suas potencialidades para promover interação intrapessoal e interpessoal, comunicação, troca de experiências e conhecimentos, oportunidades de pesquisas, tendo acesso a fontes diversificadas de informações e ser mediada conforme as necessidades e oportunidades individuais e coletivas. Os recursos tecnológicos disponíveis e os que surgirem não qualificarão automaticamente a EaD, pois são apenas ferramentas. Ferramentas necessitam de cuidados e precisam ser preparadas para uma tarefa. Acima de tudo, ferramentas necessitam do elemento humano para funcionar. Da mesma forma, é necessário um bom planejamento dos cenários pedagógicos. Não se pode simplesmente transferir os métodos da educação presencial para a EaD, é preciso verificar necessidades, conhecer o potencial das ferramentas e descobrir novos horizontes de aplicação. As pessoas utilizarão os novos recursos quando enxergarem sentido e quando forem motivadas para tal. O apoio ao aluno no manejo adequado das ferramentas, assim como no desenvolvimento das atividades pedagógicas, é fundamental, e este suporte técnico também deve estar à disposição dos professores. Devemos pensar em mídias integradas na educação a distância. As mídias devem ser pensadas de acordo com cada realidade específica. Não existe uma resposta única que se aplique a qualquer nível educacional e a qualquer circunstância. É importante a Integração das mídias no processo aprendizagem. E claro, não devemos esquecer que um bom conteúdo é outro elemento essencial para garantir qualidade.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 65 Contudo, algo é inquestionável nesse mundo de novas tecnologias e nessa nova era da educação à distância. Há de se investir em pesquisas, estudos e projetos interdisciplinares onde educadores em geral e especialistas da área da ciência da computação competentes debatam possibilidades educativas para a utilização adequadas das NTICs e possam desenvolver softwares educativos de qualidade, pois sabemos que as tecnologias educacionais apresentam-se como um meio gerador de aprendizagem e não como a responsável direta por ela. Alternativas de baixo custo devem ser concebidas para que o ensino a distância de qualidade em larga escala se torne uma realidade.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 66 REFERÊNCIAS ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Educação a Distância Via Internet. SP: Avercamp, 2003. ALVES, João Roberto Moreira. A educação a distância no Brasil: síntese histórica e perspectivas. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas avançadas em Educação, 1994. AMARAL, S. F. A TV Digital Interativa no Espaço Educacional. Jornal da Unicamp, set. de 2003. Disponível em: http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/setembro2003/ju229pg2b.html. Acesso em: 01 abr. 2008. ARETIO G, Lorenzo (ed.). El material impresso em la enseñanza a distancia - actas y congressos. Madrid : Universidad Nacional de Educación a Distancia. 1997. AVILA, Renato Nogueira Perez. Streaming – crie sua própria rádio web e TV digital. Rio de Janeiro: Brasport, 2004. BARTON, M. Embrace the wiki way! (2004). Disponível em: http://www.mattbarton.net/tikiwiki/tikiprint_article.php?articleId=4. Acesso em 11 mai. 2008. BADLER N. Real-time virtual humans. Pacific Graphics, 1997. BATES Anthony.W (Tony).Technology, open learning and distance education. London: Routledge, 1995. BIOCCA, F.; Levy, M. R. Communication in the Age of Virtual Reality. Lawrence Erlbaum Associates.Hillsdale,NJ. 1995. BLOOD, Rebecca. Weblogs: A History and Perspective. Disponível em: http://www.rebeccablood.net/essays/weblog_history.html. Acesso em 01 mai. 2008. BRAGA, Mariluci. Revista de Biologia e ciências da Terra. Realidade Virtual e Educação. Disponível em: http://www.uepb.edu.br/eduep/rbct/sumarios/pdf/realidadevirtual.pdf. Acesso em 13 jun. 2008. BURGIERMAN, Dênis Russo. Superfetiche: Meu livro eletrônico. Revista Super Interessante, São Paulo, Ed. 252, p.98-99, mai/2008. CASTELLS, M. Internet galaxy: Reflections on the internet, business and society. Oxford press. 2001 COMMUNICATIONS OF THE ACM, v. 42, n. 5, p. 9, Mai.1999.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 67 CRUZ, Dulce, BARCIA, Ricardo. Manual de Sobrevivência num ambiente virtual de educação a distância por videoconferência. Workshop Internacional sobre Educação Virtual - WISE 99, Fortaleza, dezembro de 1999. CRUZ, Tadeu. Sistemas, organização & métodos. São Paulo: Atlas, 1997. ECO, H. (1996): From Internet to Gutemberg – A lecture presented by Humberto Eco at The Italian Academy for Advanced Studies in America. Disponível em: <http://www.italynet.com/columbia/internet.htm>. FERRAZ, C. A.G at al. Co-autoria distribuída de cursos na internet. IN: Projeto Virtus: Educação e Interdisciplinariedade no ciberespaço. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2000. p. 109-121. FLANAGAN, Brian., Calandra, Brenda - Podcasting in the Classroom. In Learning & Learning with Technologies. 2005. FLORES, A. M; GAMEZ, L. Tecnologias Aplicadas a Educação à Distância: livro didático; Design instrucional Márcia Loch – 3 ed. Revista e atualizada – Palhoça: UnisulVirtual, 2007. FREEMAN, R. Planejamento de sistemas de Educação a Distância: uma manual para decisores. (2003) Disponível em: http://www.abed.org.br/col/planejamentosistemas.pdf Acesso em: 10 abri. 2008. GARRISON, D. R. Three generations of technological innovation in distance education. Distance education, vol 6. number 2, pp 235-241. 1985 HERNÁNDEZ, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000. HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Rio de Janeiro: Objectiva, c2001. INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Thesaurus Brasileiro da Educação. Tecnologia Educacional. Disponível em: http://www.inep.gov.br/pesquisa/thesaurus/thesaurus.asp?te1=122175&te2=39232&t e3=38929. Acesso em: 05 mai. 2008. JOBBINGS, D. Exploiting the educational potential of Podcasting. Russell Educational Consultancy and Productions, 2005. Disponível em: http://recap.ltd.uk/articles/podguide.html. Acesso em 03 Mai 2008. KAMBOURAKIS G., KONTONI, D. P. N., & Sapounas, I. (2004). Introducing Attribute Certificates to Secure Distributed E-Learning or M-Learning Services. Disponível em: http://www.ice.upc.edu/butlleti/innsbruck/416-174.pdf . Acesso em: 24 Fev. 2008. KERRES, M. Potenziale von Web 2.0 nutzen. In: Andreas Hohenstein & Karl Wilbers (ed.) Handbuch E-Learning, München : DWD, 2006. Disponível em:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 68 http://mediendidaktik.uniduisburg-essen.de/files/web20-a.pdf. Acesso em 09 abri. 2008. KIRNER, C. e ROMERO, T. RealidadeVirtual Conceitos e Tendências. Disponível em: http://www.ckirner.com/download/capitulos/livro_pre_simp-2004.pdf#page=12. Livro do Pré-Simpósio VII Symposium on Virtual Reality. São Paulo, 19 de outubro de 2004. Acesso em 30 jun 2008. KIRNER, C. Sistemas de Realidade Virtual. (2004). Disponível em: http://www.dcc.ufscar.br/~grv . Acesso em 15 fev. 2008 LEMOS, A. "Anjos interativos e retribalização do mundo: sobre interatividade e interfaces digitais". (2003). Disponível em: http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/interac.html Acesso em: 15 fev. 2008. KOUMI, J. Designing Video and Multimedia for Open and Flexible Learning, Routledge Falmer, 2006. KOSCHEMBAHR, Christopher Von. Mobile Learning: the next evolution. Chief Learning Officer, February 2005. LANDIM, C.M.M.P.F Educação a distância: algumas considerações. Rio de janeiro: Claudia Maria das Merces Paes Ferreira Landim, 1997. LAUDON, K. C., LAUDON, J. P. Sistemas de informação com Internet. 4. ed. Trad. Dalton Conde de Alencar. Rio de Janeiro : LTC - Livros Técnicos e Científicos, 1999. LEOPOLDINO, G. M. Avaliação de sistemas de videoconferência. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/55/55134/tde-05112001- 092604/publico/Dissertacao-Final.pdf. Acesso em 23 mai. 2008. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. LOCKWOOD, F., GOOLEY, A. (Eds) (2001). Innovation in open and distance learning. Successful Development of online and Web-based learning. Kogan Page, U.K. MATTAR. J. e MAIA, C. Second Life da ead & vida nova para o professor virtual: caixa de ferramentas 2.0 para o aututor. Disponível em: http://www.joaomattar.com/528200722418PM.pdf. Acesso em 05 mar. 2008. MATTAR, J. e VALENTE, C. Second Life e Web 2.0 na educação: o potencial revolucionário das novas tecnologias. São Paulo: Novatec, 2007. MATTAR, João. Web 2.0, e-learning 2.0, EaD 2.0: para onde caminha a educação a distância? Disponível em: http://blog.joaomattar.com/2007/09/07/web-20-e- learning-20-ead-20-para-onde-caminha-a-educacao-a-distancia/ . Acesso em 02 Mai 2008.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 69 MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia). Sociedade da informação no Brasil: livro verde. Brasília, Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000. Metodologia da Pesquisa: livro didático/ Ana Claudia Collaço de Mello... [et al.]; Design instrucional Luciano Gamez, [Daniela Erani Monteiro Will, Carmen Maria Cipriani Pandini]. – 3 ed. Ver. E atul. – Palhoça: UnisulVirtual, 2006. Ministério da Ciência e Tecnologia. Educação na Sociedade da informação – Livro Verde – Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0004/4799.pdf Acesso em 04 Abril de 2008. Ministério da Ciência e Tecnologia. Sociedade da informação no Brasil – Livro Verde – Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0004/4796.pdf. Acesso em 04 abr. 2008. MISANCHUK, E. Print Tools for distance education. In: WILLIS, Barry (ed.). Distance Education - Strategies and Tools. Englewood Cliffs, New Jersey : Educational Technology Publications, 1994. MOORE, M. G. e KEARSLEY, G. Distance education: a systems view. Belmont. USA: wadsworth Publishing Company, 1996. MORAN, J. M., MASETTO, M. e BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 12ª ed. Campinas, Papirus, 2006. MOREIRA, M.A. Os meios e os materiais impressos no currículo. In: SANCHO, J.M. (Org.). Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artmed, 1998. MOURA, Adelina & Carvalho, Ana Amélia - Podcast: Uma ferramenta para Usar Dentro e Fora da Sala de Aula. In Rui José & Carlos Baquero (eds): Proceedings of the Conference on Mobile and Ubiquitous Systems. Universidade do Minho, Guimarães, 155- 158 2006. MOURA, A. e CARVALHO, A. A. A. Podcast: Potencialidades na Educação. Disponível em: http://prisma.cetac.up.pt/artigospdf/5_adelina_moura_e_ana_amelia_carvalho_prism a.pdf. Acesso em: 20 abr. 2008. MORAN, J. M. A TV digital e a integração das tecnologias na educação boletim 23 sobre Mídias Digitais do Programa Salto para o Futuro. TV Escola - SEED, novembro, 2007. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2007/md/index.htm. Acesso em: 09 abr. 2008. MORAN, J.M. Tecnologias na Educação. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/textost.htm Acesso em: 10 mar. 2008. OREILLY, T. Web 2.0: Compact Definition? Disponível em: http://radar.oreilly.com/archives/2005/10/web_20_compact_definition.html. Acesso em 02 jun. 2008.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 70 PALÁCIOS, M. Modens, Muds, Baunds e FTPs: aspectos da comunicação no final do milênio. (2003). Disponível em: http://www.facom.ufba.br/. Acesso em: 08 jun 2008. PARSONS, D., & RYU, H. A framework for assessing the quality of mobile learning. (2006) Disponível em: http://www.massey.ac.nz/~hryu/M-learning.pdf. Acesso em: 24 jun. 2008. POLIZELLI, D.l e OZAKI, A. Sociedade da Informação: Desafios da Era da Colaboração e da Gestão do Conhecimento. São Paulo: Ed. Saraiva, 2007. RECUERO, R. C. Comunidades Virtuais: Uma Abordagem Teórica. (2002). Disponível em: http://www.pontomidia.com.br/raquel/teorica.htm. Acesso em: 02 mar. 2008. RAVET, S. & LAYTE, M. Technology-Based Training, A Comprehensive Guide to Choosing, Implementing, Managing, and Developing New Technologies in Training. Gulf Publishing Company, 1997, 259 (319) pages REINHARD, N., SACCOL A. M., SCHLEMMER E., BARBOSA, J. L. V., KRISTOFFERSEN, S. “Aprendizagem com Mobilidade no contexto organizacional”. Disponível em: http://www.inf.unisinos.br/~mobilab/download/projeto.pdf. Acesso em: 17 abr. 2008. SACCOL, A. e REINHARD, N. Tecnologias da Informação Móveis, Sem Fio e Ubíquas. Artigo publicado no ENANPAD 2004 e na Revista de Administração Contemporânea – 2005. SANCHEZ, F. (coord.). Anuário Brasileiro Estatístico de Educação Aberta e a Distância, 2007. São Paulo : Instituto Monitor, 2007. SANTORO, F. M.; BORGES, M. R.S.; SANTOS N. Um Framework para estudo de ambientes de suporte à aprendizagem cooperativa. Simpósio brasileiro de informática educativa. Anais do SBIE 2002. SARTORI, A. S e ROESLER, J. Educação superior a distância: gestão de aprendizagem e da produção de materiais didáticos impressos e on-line. Tubarão: Ed. Unisul, 2005. SCHEER, S. Multimeios em EAD. Educação a Distância: um debate multidisciplinar. Curitiba: NEAD, 1999. p. 159-173. SERRA, C., DINIZ, G. e MAIA, M. C. Do analógico ao digital: um breve relato da evolução dos meios de comunicação a partir de uma visão global tecnológica. (2003) Disponível em: <http://www.facom.ufba.br/projetos/digital/index.html> Acesso em 10 fev. 2008 SOUZA. M. C. S. de. A Tecnologia da Informação enquanto construção social- histórica e seu significado na sociedade contemporânea. Disponível em:AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 71 http://www.projetoeducar.com.br/informatica-educativa/relato3.htm. Acesso em 12 mar. 2008. SPANHOL, F. J. Manual Técnico da Videoconferência e Teleconferência. Florianopolis: UFSC, 1999 (Manual). STEENSMA, H. K. Acquiring technological competencies through inter- organizational collaboration : an organizational learning perspective. Journal of Engineering and Technology Management, v. 12, p. 267-86, 1996. Terra Tecnologia. Amazon pode revoluzionar a leitura com o livro eletrônico. Disponível em: http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI2087355-EI4799,00.html. Acesso em 03 mar. 2008. Terra Tecnologia. Análise: Kindle precisa mais bateria. Disponível em: http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI2094362-EI4799,00.html. Acesso em: 25 jun. 2008. The guide to the digital TV third edition. Disponível em: www.digitaltelevision.com. Acesso em 01 jun. 2008. TORRES, P. L. e LOCH, M. Fundamentos de educação á distância. Palhoça: Unisulvirtual, 2005. 94p. VIEIRA, F. M. S. & MATOS. M. de L. Internet. Disponível em: http://www.connect.com.br/~ntemg7/internet.htm. Acesso em 05 fev. 2008. VOIGT. E. Web 2.0, e-learning 2.0, ead 2.0: para onde caminha a educação a distância? Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/55200750254pm.pdf . Acesso em: 20 abr. 2008. VOIGT, E. Web 2.0, e-learning 2.0, ead 2.0: para onde caminha a educação a distância? Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/55200750254PM.pdf. Acesso em: 03 abr. 2008. WAISMAN T. TV digital interativa na educação: afinal, interatividade para quê? Escola do Futuro da USP. Disponível em: www.futuro.usp.br (2004). Acesso em: 17 jun 2008. WIKIPEDIA – A enciclopédia livre. A sociedade da informação. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sociedade_da_informa%C3%A7%C3%A3o Acesso em: 30 abr. 2008. WILLIS, B. Distance education at a Glance (1996) Series of Guides prepared by Emgineering Outreach at the University of Idaho. Disponível em: http://www.uidaho.edu/eo/dist1.html . Acesso em: 15 mai. 2008.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.
    • 72 WIREDU, G. Mobile Computing in work-integrated learning: problems of remotely distributed activities and technology use. Phd thesis – Department of Information Systems, London School of Economics and Political Science, London, 2005.AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.