Your SlideShare is downloading. ×
0
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Arquitetura de sistemas web
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Arquitetura de sistemas web

2,501

Published on

Published in: Technology, Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,501
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
46
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. OPAKUS SOLUCÕES INTELIGENTES www.opakus.com.br
  • 2. ENGENHARIA DE SISTEMAS WEB
    • MVC e Struts
    • Camadas de Aplicação, níveis 3 e 4
    • Padrão MVC
    • Outros Padrões e J2EE
    • Struts
    • Estudo de Caso
    Jean Marcelo da Costa Sales CELEPAR - DIFAS
  • 3. Modelo 2 Camadas
  • 4. Modelo 2 Camadas
    • Camada de Apresentação com Regras de Negócio Juntas.
    • Camada de Persistência.
    Problemas para o usuário, que não tem os programas funcionando como deveriam; Problemas para a equipe de desenvolvimento que não tem o seu trabalho reconhecido e, normalmente, tem que trabalhar apenas "apagando incêndios"; e Problemas para a Administração/Gerência da rede que não consegue gerar os resultados esperados pela Administração da empresa, apesar dos elevados valores já investidos.  Maior TCO – Custo Total de Propriedade
  • 5. Modelo 3 Camadas
  • 6. Modelo 3 Camadas
    • Modelo e códigos construídos para representar as camadas.
    • Os servidores não precisam estar necessariamente em máquinas diferentes, podem estar na mesma máquina. Porem questões de performance são relevantes.
    • Camada de Apresentação
    • Camada de Negócios
    • Camada de Persistência
  • 7. Modelo 3 Camadas c/ MVC APRESENTAÇÃO NEGÓCIO OU LÓGICA PERSISTÊNCIA ( INTEGRAÇÃO ) NAVEGADOR WEB SGDB V C M SERVIDOR CLIENTE - SERVIDOR CLIENTE SERVIDOR WEB Helper classes
  • 8. Modelo 4 Camadas
  • 9. Modelo 4 Camadas CLIENTE ( APRESENTAÇÃO ) NAVEGADOR WEB CLIENTE PERSISTÊNCIA SGDB SERVIDOR GERENCIA DE APRESENTAÇÃO NEGÓCIO SERVIDOR WEB CLIENTE - SERVIDOR CLIENTE - SERVIDOR SERVIDOR APLICAÇÃO EJB in MVC V C M
  • 10. J2EE - 4 TIER
  • 11. MVC - FLUXOS
  • 12. MVC
  • 13. STRUTS Fluxo de Navegação de seus componentes
  • 14. STRUTS CAMADA DE NEGÓCIO OU LÓGICA OU REGRAS V C M SERVIDOR WEB Visão Modelo Controle JSP, Servlets, formBeans Classes de Negócios, DAO, Beans em Geral Actions, Servlet Controller Existe um forte acoplamento entre JSPs e formBeans.
  • 15. STRUTS No Struts temos classes Dispatcher , Request Processor, Controller e Helper (ActionsBeans e FormsBeans). Custom Tags ( Pattern View Helper ). Atualmente existem diversas ferramentas para configuração da Struts de forma visual com diversas opções entre produtos pagos e open source (EasyStruts, Struts Console).
  • 16. Modelagem
    • CASOS DE USO
    • MODELAGEM DAS OPERAÇÕES, FLUXOS, INTEFACES , DEFINIÇÕES, NEGÓCIOS .
    • DIAGRAMA DE CLASSES
    • Estrutura física do objetos em carregados em memória e seus relacionamentos.
    • DIAGRAMAS DE INTERAÇÃO
    • SEQUENCIA DAS OPERAÇÕES E TROCA DE MENSAGENS ENTRE OBJETOS.
    • ( TEMPO DE PROCESSAMENTO X INTERAÇÃO DOS OBJETOS )
    • DIAGRAMAS DE COMPORTAMENTO
    • DIGRAMAS DE ESTADOS, COMPORTAMENTO DOS OBJETOS E DO PROCESSAMENTO LÓGICO.
  • 17. Patterns Patterns descrevem maneiras comuns de se fazerem as coisas, tornando-os modelos-exemplo . Conjuntos de estratégias. Estes são identificados ao longo do desenvolvimento de projetos, onde surgem problemas repetitivos e obviamente com soluções semelhantes . Todo Pattern apresenta algumas características comuns: são baseados em experiências anteriores; são reutilizáveis; combinam estratégia de design e melhores práticas; podem ser usados juntos a fim de resolver uma gama maior de problemas.
  • 18. Patterns Acoplamento entre as Camadas
  • 19. Design Patterns – J2EE
    • Padrões da camada de apresentação (Web)
        • Front Controller
        • View Helper
        • Composite View
        • Service to Worker
        • Dispatcher View
        • Intercepting Filter
    • Padrões da camada de negócios (EJB)
        • Business Delegate
        • Value Object (ou Transfer Object)
        • Session Facade
        • Composite Entity
        • Value Object Assembler (ou Transfer Object Assembler)
        • Value List Handler
        • Service Locator
    • Padrões da Camada de Integração
        • Data Access Object - DAO
        • Service Activator
  • 20. RELAÇÃO ENTRE PATTERNS & FRAMEWORKS
    • A utilização de Patterns passa a ser mais interessante quando feita de forma conjunta, surgindo assim uma outra necessidade; o desenvolvimento de frameworks .
    • Exemplos Mais Conhecidos:
    • FrameWork para Pattern MVC : STRUTS
    • FrameWork para Pattern DAO : HIBERNATE
    • ( PERSISTÊNCIA DE DADOS )
  • 21. FUTURO CERTIFICAÇÃO CMM
  • 22. MENSAGEM “ Existem duas formas de construir um modelo de software. Uma é fazer o desenho tão simples que é óbvio não ter deficiências. Uma outra forma é fazer o modelo tão complicado que não tem deficiências óbvias .” C. A. R. Hoare
  • 23. Estudo de Caso : Acompanhamento de Vistorias
    • Processo de Vistoria compreende :
    • Solicitação de Vistoria
    • Pagamento da GR-PR
    • Agendamento da Vistoria
    • Cadastro de Resultado da Vistoria
    • Analise do Resultado
    • Possibilidade de Reentrada de Processo
    • Conclusão e Emissão de Certificados
    • Manutenção do Sistema e demais funcionalidades.
  • 24. Use Case Fluxo alternativo do Processo de Vistoria através de pesquisa. UC 1.1 : Fluxo alternativo do Processo de Vistoria através de pesquisa UC x UC 1: Processo de Vistoria UC y <<estende>> <<ator>>
  • 25. Descrição Sucinta do UC 1.1 Construir uma interface de entrada dos dados : logradouro, razão social, CPF, CNPJ e NIB. Nesta tela deve existir a opção para cada um destes dados, afim de possibilitar a pesquisa destes processos. Este dado deve trazer em uma próxima tela um relatório com a pesquisa dos NIBs e ter um link para abrir o documento, este por sua vez possibilitará o usuário a dar continuidade no processo de vistoria.

×