• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Crise De 1929 E New Deal
 

Crise De 1929 E New Deal

on

  • 3,966 views

Powerpoints da Aula de História

Powerpoints da Aula de História

Statistics

Views

Total Views
3,966
Views on SlideShare
3,961
Embed Views
5

Actions

Likes
1
Downloads
88
Comments
0

1 Embed 5

http://omniblogaerf.blogspot.com 5

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Crise De 1929 E New Deal Crise De 1929 E New Deal Presentation Transcript

    • ANOS 20: A PROSPERIDADE AMERICANA
    • EXPANSÃO DA IMPRENSA…
    • DO CINEMA… 1º Filme sonoro - 1927
    • DA RÁDIO …
    • A ERA DO JAZZ… Louis Armstrong Duke Ellington
    • Dos grandes feitos na aviação … Partiu de NYC, no seu “ Spirit of St. Louis” e chegou a Paris 33 horas depois! Amelia Earheart - 1ª mulher a voar sozinha através do Atlântico,
    • Dos primeiros passos na emancipação feminina …
    • Livre dos espartilhos, usados até o final do século XIX, a mulher tinha mais liberdade e já se permitia mostrar as pernas, colo e usar maquiagem.
    •  
    •  
    • Dos Night-clubs…
    • Nos anos 20, os EUA conhecem um grande crescimento industrial. É a fase da prosperidade!
    • Entre outras, no sector automóvel
    • Graças à introdução de novos métodos de trabalho:
    • Taylorismo
    • Trabalho em cadeia
    • Estandardização
    • Ler doc 1, pág. 29 + Factos e Feitos + Vocabulário
    •  
    • A indústria automóvel arrasta também o crescimento de… Aço Borracha Vidro
    • Crescimento das cidades
    • Grande crescimento da produção Diminuição dos preços Aumento do consumo Publicidade Recurso ao crédito
    • Publicidade
    • Recurso ao crédito
    • Crescimento dos LUCROS das empresas Grande procura das suas acções! Bolsa de Nova Iorque, em Wall Street
      • “ Todo o país especulava. Tanto os ricos como os pobres jogavam. A United Steel, grande sociedade produtora de aço, subia cada semana alguns pontos. A Steel estava a 200, 220, 250 e todas as manhãs, abrindo o seu jornal, cada americano via-se um pouco mais rico do que na véspera.”
      • Maurois, Chantiers américains, 1933
    •  
    • “ O motorista do rico conduz com as orelhas aguçadas para ouvir as notícias de uma alteração iminente de Bethlehem Steel: ele próprio possui 50 acções (…). O homem que lava as janelas dos escritórios do corretor faz uma pausa para observar o indicador automático, pois está a pensar em converter as suas poupanças laboriosamente acumuladas em algumas acções da Simmons. Edwin Lefévre – um articulista do mercado com uma considerável experiência pessoal – falou do criado de um corretor que tinha ganho cerca de um quarto de milhão, de uma enfermeira que tivera um lucro de cerca de 30.000 por ter aplicado as suas economias de acordo com as informações dadas pelos seus gratos pacientes.” John Kenneth Galbraith, A crise económica de 1929
    • MAS A PROSPERIDADE NÃO DUROU PARA SEMPRE… Aparecem, então, os primeiros sinais da crise:
      • a Europa recupera economicamente e diminui as compras aos EUA.
      • Os stocks acumulam-se nos armazéns, ficando sem venda.
      • A partir de 1927, o consumo não acompanha a produção;
      • Crise de superprodução!
    • “ Na 5ª-feira negra, 24 de Outubro, estava dado um golpe mortal no boom de Wall Street e ao mesmo tempo na prosperidade americana. Ainda hoje não se sabe quem pôs à venda, durante a 1ª hora da Bolsa, a quantidade de acções que provocou a avalanche (…). O resultado foi catastrófico. As acções desciam de minuto a minuto, porque não se encontravam compradores, a preços que na véspera seriam considerados absurdos. O que se passava em redor de Wall Street era apenas um reflexo do pânico que bruscamente estalara em todo o país: homens e mulheres acotovelavam-se diante de milhares de aparelhos registadores (…), apertavam-se (…) para seguirem com os seus próprios olhos, o naufrágio do navio em que tinham posto todas as esperanças. Que podiam fazer para se salvar? Vender. (…) Mas a máquina aperfeiçoada era insuficiente para registar todas as ordens maciças em Wall Street ”. Richard Lewinsoth, Histoire de la crise, in Les Mémoires de l’Europe
    •  
    • Toda a euforia dos "felizes anos 20" acabou no dia 29 de outubro de 1929, quando a Bolsa de Valores de Nova York registrou a maior baixa de sua história. De um dia para o outro, os investidores perderam tudo, afectando toda a economia dos Estados Unidos e, consequentemente, do resto do mundo. Os anos seguintes ficaram conhecidos como a Grande Depressão .
    • Companhias 3 Set. 3 Nov. General Electric 396 168 General Motors 72 36 U.S. Steel 261 150 Electric B. Share 186 50 O valor das acções em 1929
    • A Grande Depressão
    • Corrida aos bancos em 1929, Los Angeles 1929 – 600 bancos foram à Falência. 1933 – 11.000 dos 25.000 bancos foram à Falência. PORQUÊ?
    • 1. Bancos investiram em acções e perderam dinheiro. 2. Emprestaram dinheiro aos accionistas e, agora, não o conseguem recuperar. 3. Emprestaram dinheiro às empresas, mas como estas vivem uma crise de superprodução também não podem pagar os empréstimos.
    • Anos Falências de empresas 1929 22. 209 1930 36.355 1931 28.285 46% das empresas foram à falência
    •  
    •  
    • 1. Vivem uma crise de superprodução – os preços diminuem e provocam enormes prejuízos. 2. Não podem recorrer à ajuda dos bancos para tentar sobreviver à crise. FALÊNCIAS DAS EMPRESAS:
    • DESEMPREGO = 24%
    •  
    •  
    •  
    •  
    • Durante e após a 1ª G.M., os agricultores americanos habituaram-se a fornecer a Europa, mas agora …
    • Por que razão diminuem os preços?
    • Qual é o objectivo desta atitude?
    • “ É isto o mais triste, o mais amargo de tudo. Carradas de laranjas são atiradas para o chão. Homens armados de mangueiras derramam querosene por cima das laranjas e enfurecem-se contra o crime daquela gente que veio à procura dos frutos. Um milhão de criaturas com fome, criaturas que precisavam de frutos… e o querosene derramado… Há nisto tudo um crime, um crime que ultrapassa o entendimento humano… crianças atingidas pela pelagra têm de morrer porque a laranja não pode deixar de dar lucro.
    • O povo com redes para pescar as batatas nos rios, e os guardas impedem-nos. Os homens vêm nos carros ruidosos apanhar as laranjas caídas no chão, mas as laranjas estão untadas de querosene. E ficam imóveis, vendo as batatas passarem flutuando… Nos olhos dos homens reflecte-se o malogro. Nos olhos dos esfaimados cresce a ira. Na alma do povo, as vinhas da ira crescem e espraiam-se pesadamente, amadurecendo para a vindima.” John Steinbeck, As Vinhas da Ira
    • 500.000 agricultores perderam as suas quintas.
    •  
    • MUNDIALIZAÇÃO DA CRISE
    • DEPRESSÃO NOS PAÍSES EUROPEUS Baixa nas importações americanas Repatriamento dos capitais americanos Baixa na produção e nos preços FALÊNCIAS Quebra no consumo Desemprego
    • O New Deal – ver ficha de trabalho