A CRISE ECONÔMICA NOMERCADO DOS RECICLÁVEIS         Maio/ 2012
INDÚSTRIA        REDES DE                          ATRAVESSADORES                  Setor do Papel      COOPERATIVA        ...
Material Exportado do Brasil na forma de resíduos, aparas e metais                          Material                      ...
O MERCADO DE RECICLÁVEIS   Mercado Oligopsônico       Pequenos produtores X Grandes Compradores       Restrição da marg...
   Crise Atual       Aumento da quantidade de trabalho do        catador para manter sua renda.       Essa lógica trari...
   Refletir sobre o trabalho do catador e buscar    novas alternativas.       Não há mais espaço para as cooperativas e ...
POLÍTICAPÚBLICA                                GOVERNO                  GOVERNO              MUNCIPAL                  FED...
Prestação de Serviço pelas Prefeituras.Força de Trabalho dos Catadores e Catadoras em           Cooperativas e Associação ...
Jornais – Lado dos Catadores, Associações,               Cooperativas e Redes.   Preço de recicláveis prejudica catadores...
Jornais – Lado dos Catadores, Associações,                Cooperativas e Redes.   Preço de recicláveis prejudica catadore...
Jornais – Lado dos Aparistas, Sucateiros e                  Indústrias da Reciclagem.   Crise atinge com força a Gerdau n...
LUIZ HENRIQUE DA SILVA      031.7813.8488luizasmare@yahoo.com.br
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis

719 views
633 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
719
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Luiz henrique a crise econômica no mercado dos recicláveis

  1. 1. A CRISE ECONÔMICA NOMERCADO DOS RECICLÁVEIS Maio/ 2012
  2. 2. INDÚSTRIA REDES DE ATRAVESSADORES Setor do Papel COOPERATIVA e Celulose S E Setor da ASSOCIAÇÕES Aparistas e Siderurgia Aço de Catadores Sucateiros e Ferro, de Materiais Recicláveis Queda da Produção Industrial Brasileira Queda na Exportação.Impactos da Crise nas TransaçãoCooperativas/Redes das Queda da Produção Mercadorias1º - Estoques Cheios de Material em Bolsa Estoques CheiosReciclável da Coleta Seletiva; Internacional.2º - Queda do Faturamento com a venda Commodities Queda nos preçosdos materiais; /Traders3º - Retirada dos Cooperados caindomensalmente , chegando quase 70%;4º - Aumento das despesas com CustoOperacional da Coleta;5º - Cooperado deixando a Cooperativa; Efeitos da Crise6º - Inadimplência com fornecedores e Econômica Mundial CRISEatraso no pagamento aos cooperados; INTERNACIONA7º - Desvalorização em alguns materiais Queda da Produção Lchega quase ser quinzenal. Mundial os Países (Quebra das deixam de comprar Bolsas materia-prima. Internacionais)
  3. 3. Material Exportado do Brasil na forma de resíduos, aparas e metais Material 2007 2008  USS* Toneladas USS* Toneladas Papel        Cartão, Kraft, Cru e Ondulado. 590 3 9,3 mil 11Cartão da pasta química branqueada 746 mil 2,1 mil 833 mil 2,6 milOutros Resíduos de papel-cartão. 119 mil mil 165 mil 844          Plásticos        Polímeros de Estireno 491 mil 684 256 mil 347Polímeros de Etileno 13 mil 32 102 mil 45          Metais        Chumbo 224 mil 262    Alumínio em forma bruta 278 mil 15 4,4 milhões 1,8 milNíquel 3 milhões 341 720 mil 190Cobre 3,7 milhões 5 mil 5 milhões 2 milFerro Fundido 3,7 milhões 19 mil 9,6 milhões 30 milEstanho 396 mil 104 500 mil 196Aços Inoxidáveis 33 milhões 11 mil 25 milhões 9,8 milResíduos do torno, da fresa, aparas, lascas, limalhas etc. 1 milhão 668 1 milhão 2 milOutros resíduos de ferro e aço 3,6 milhões 50 mil 7,6 milhões 58 mil          Outros Mercados        Borracha não endurecida 2,5 milhões 13 mil 3,2 milhões 13 mil Madeira 7,5 mil 4     Ministério do Desenvolvimento
  4. 4. O MERCADO DE RECICLÁVEIS Mercado Oligopsônico  Pequenos produtores X Grandes Compradores  Restrição da margem de negociação dos catadores para composição do preço dos materiais recicláveis determinada pelos grandes compradores.  Organização do trabalho é determinada pelos preços pagos pelos materiais recicláveis.  O catador não é pago pelo quantidade de trabalho realizado (jornada de trabalho).
  5. 5.  Crise Atual  Aumento da quantidade de trabalho do catador para manter sua renda.  Essa lógica traria mais exploração do próprio trabalho do catador.  As Cooperativas e Associações estão inseridas num contexto maior, onde a relação com o mercado, que desafia a sua sustentabilidade.
  6. 6.  Refletir sobre o trabalho do catador e buscar novas alternativas.  Não há mais espaço para as cooperativas e associações ficarem dependentes unicamente do mercado oligopsônico para a composição da renda do catador sem pensar sobre a remuneração do trabalho em toda atividade de coleta, triagem, prensagem, armazenamento e atividades de apoio.  Trabalho do Catador: Trabalho + Venda do Material = Renda.  Tecnologia Social
  7. 7. POLÍTICAPÚBLICA GOVERNO GOVERNO MUNCIPAL FEDERAL Responsável pela Limpeza Urbana Marco Legal Política Nacional de Resíduos Sólidos COOPERATIVAS de Catadores de Materiais Recicláveis Regulação do Câmara Setorial Mercado de da Reciclagem Reciclagem Incorporação Programas de nos Programas Marco Investimento no de Coleta Legal Setor Seletiva Municipais Desenvolvimento de Tecnologia Remuneração Social pela Prestação de Serviço Público
  8. 8. Prestação de Serviço pelas Prefeituras.Força de Trabalho dos Catadores e Catadoras em Cooperativas e Associação . Triagem, Mercado: Coleta Separação, Comercializaçã Seletiva, Prensagem, oComercializaç Atravessadores Carregamento, ão em Rede, , Sucateiros e Armazenamento a Indústria. e Administração. REMUNERAÇÃO DO PROCESSO DE TRABALHO DOS Câmara Setorial, CATADORES – PREFEITURAS. Regulação do MercadoColeta+Triagem+Armazenamento = Prestação de Serviço
  9. 9. Jornais – Lado dos Catadores, Associações, Cooperativas e Redes. Preço de recicláveis prejudica catadores Queda de preços de material dificulta vida de catadores Crise derruba preço de material reciclável e prejudica catadores Cooperativas e catadores amargam queda da receita Crise derruba renda de catadores em 81% Catadores sofrem com crise que afeta reciclagem. Atingidos pela crise, catadores de material reciclável pedem providências Desvalorização do dólar encolhe rendimento de catadores de rua Reflexos da crise atingem catadores e cooperativas de reciclagem em Taubaté
  10. 10. Jornais – Lado dos Catadores, Associações, Cooperativas e Redes. Preço de recicláveis prejudica catadores Queda de preços de material dificulta vida de catadores Crise derruba preço de material reciclável e prejudica catadores Cooperativas e catadores amargam queda da receita Crise derruba renda de catadores em 81% Catadores sofrem com crise que afeta reciclagem. Desvalorização do dólar encolhe rendimento de catadores de rua Reflexos da crise atingem catadores e cooperativas de reciclagem em Taubaté
  11. 11. Jornais – Lado dos Aparistas, Sucateiros e Indústrias da Reciclagem. Crise atinge com força a Gerdau nos EUA Queda na produção industrial gera crise no setor de reciclagem Crise econômica prejudica indústria de reciclagem Mercado de recicláveis enfrenta um de seus piores momentos com a crise Queda na produção industrial prejudica reciclagem Papel e celulose: prevendo cenário deteriorado. Sucateiros de São Paulo já sentem efeitos da crise internacional Sucateiros investem no mercado externo. Crise mundial já começa a afetar o setor de reciclagem de metais
  12. 12. LUIZ HENRIQUE DA SILVA 031.7813.8488luizasmare@yahoo.com.br

×