Your SlideShare is downloading. ×
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Luedemann psau bh 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Luedemann psau bh 2012

154

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
154
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Pagamento porServiços AmbientaisUrbanos para Gestãode Resíduos Sólidos Série Diálogos FEAM/FIPBelo Horizonte, setembro 2012
  • 2. Estrutura da apresentação Parte 1: Estimativa dos benefícios econômicos e ambientais da reciclagem  Os benefícios econômicos e ambientais associados à reciclagem  Panorama da geração e destinação de materiais recicláveis no Brasil Parte 2: Considerações sobre uma política para PSAU  Serviços ambientais no contexto urbano  Diretrizes para uma política de PSAU para a reciclagem  Instrumentos propostos
  • 3. Os benefícios econômicos e ambientais associados à reciclagem  Pergunta: Quanto a sociedade ganha com a reciclagem? Identificar e valorar impactos ambientais Resíduos, Resíduos, Resíduos, Resíduos, Resíduos, Resíduos, Resíduos, efluentes, efluentes, efluentes, efluentes, efluentes, efluentes, efluentes, emissões emissões emissões emissões emissões emissões emissões ReciclagemExtração de Produto Produto Produto Produto Consumo Descartematéria prima Intermediário 1 Intermediário 2 Intermediário n final Insumos Insumos Insumos Insumos Insumos Insumos Identificar e valorar impactos ambientais Identificar custos econômicos
  • 4. Os benefícios econômicos e ambientaisassociados à reciclagemEx. Custo dos insumos para produção primária de alumínioFatores Unidade Quantidade/ t Preço (R$) Valor total (R$) de alumínioRecursosÁgua m3 31,15 0,80 25,05Bauxita kg 10.011,30 0,09 896,72Coque kg 364,58 0,72 263,45Criolita kg 5,68 2,25 12,78Fluoreto (AlF3) kg 19,94 0,14 2,83Piche kg 114,82 0,00 0,01Soda caustica kg 447,24 0,81 362,49EnergiaEnergia elétrica MWh 15,63 266,80 4.170,08Óleo combustível kg 618,17 0,69 428,86Total 6.162,28
  • 5. Os benefícios econômicos e ambientaisassociados à reciclagemEx. Custo dos insumos para produção a partir da reciclagem do alumínioFatores Unidade Quantidade/ t Preço (R$) Valor total (R$) de alumínioRecursosÁgua m3 12,46 0,80 10,02Material secundário t 1,00 3.250,71 3.250,71EnergiaEnergia elétrica MWh 0,70 266,80 186,76Total 3.447,49
  • 6. Os benefícios econômicos e ambientaisassociados à reciclagemBenefícios econômicos da reciclagemMateriais Custo dos Custo dos Benefícios da Benefícios da insumos para insumos para reciclagem reciclagem (%) produção produção a (R$/t) primária (R$/t) partir da reciclagem (R$/t)Aço 552 425 127 23%Alumínio 6.162 3.447 2.715 44%Papel/papelão 687 357 330 48%Plásticos 1.790 626 1.164 65%Vidro 263 143 120 46%
  • 7. Os benefícios econômicos e ambientais associados à reciclagemBenefícios ambientais da reciclagem (custo evitado)Material Geração de Emissões de Consumo de Biodiversida Total energia (R$/t) GEE (R$/t) água (R$/t) de (R$/t) (R$/t)Aço 26 48 <1 <1 74Alumínio 169 170 <1 - 339Papel/ 10 9 <1 5 24papelãoPlásticos 5 51 <1 - 56Vidro 3 8 <1 - 11Aspectos não incluídos: poluição atmosférica local, efluentes líquidos, resíduos sólidos
  • 8. Os benefícios econômicos e ambientaisassociados à reciclagemBenefícios por tonelada de materialMaterial Benefícios relacionados ao Benefícios associados à Benefício processo produtivo gestão de resíduos sólidos total (R$/t) (R$/t) (R$/t) Benefícios Benefícios Coleta Disposição econômicos ambientais final (A+B+C+D) (A) (B) (C) (D)Aço 127 74 88Alumínio 2.715 339 2.941Celulose 330 24 -136 23 241Plásticos 1.164 56 1.107Vidro 120 11 18
  • 9. Panorama da geração e destinação demateriais recicláveis no BrasilExemplo ilustrativo (plástico) P ro d uto s nã o re c ic lá v e is N ã o c o le ta d o C a ta do re s C o le ta s e le tiv a C o ns um o 3 23 a pa re nte 5.92 1 A te rro s lixõ e s 5 .26 3
  • 10. Panorama da geração e destinação demateriais recicláveis no BrasilEstimativa dos benefícios totaisMateriais Benefícios gerados Benefício atual Benefícios potenciais pela reciclagem (R$ 1.000/ano) (R$ 1.000/ano) (R$/t)Aço 88 387.200 – 387.200 89.232Alumínio 2.941 473.501 – 952.884 488.206Papel e papelão 241 148.215 – 877.963 1.671.094Plásticos 1.107 357.561 – 1.064.934 5.826.141Vidro 18 1.404 – 8.460 19.980Total 1.367.881 – 3.291.441 8.094.653
  • 11. Estrutura da apresentaçãoParte 1: Estimativa dos benefícios econômicos e ambientais da reciclagem Os benefícios econômicos e ambientais associados à reciclagem Panorama da geração e destinação de materiais recicláveis no BrasilParte 2: Considerações sobre uma política para PSAU Serviços ambientais no contexto urbano Diretrizes para uma política de PSAU para a reciclagem Instrumentos propostos
  • 12. Serviços ambientais no contexto urbano Atividades exercidas no meio urbano que gerem externalidades ambientais positivas, ou diminuam externalidades ambientais negativas, sob o ponto de vista da gestão dos recursos naturais, da redução de riscos, ou da potencialização de serviços ecossistêmicos Exemplos:  Tratamento de efluentes  Reciclagem de resíduos urbanos  Manutenção de áreas verdes
  • 13. Diretrizes para uma políticade PSAU para a reciclagem Aspectos gerais da política  Pagamento condicionado à realização de um serviço  Estímulo ao aumento da produtividade  Grupo de problemas a serem abordados  Valor médio do preço por material pago aos catadores é inadequado  Preço do material reciclável é muito instável  Cooperativas encontram-se com baixo grau de organização  Considerar diferenças entre cooperativas
  • 14. Diretrizes para uma política de PSAU para a reciclagemAlta eficiência Baixa eficiência X
  • 15. Instrumentos propostos: Pagamento por produtividade (1/2) Objetivos  Elevar o nível de renda dos catadores  Estimular a profissionalização e aumento da eficiência Descrição do instrumento  Cooperativas divididas de acordo com grau de produtividade  Pagamento diferenciado, baseado na produtividade física das cooperativas  Pressupostos  Pagamento por catador maior para cooperativas mais eficientes  Pagamentos por tonelada maior para cooperativas menos eficientes
  • 16. Instrumentos propostos: Pagamento por produtividade (2/2) Exemplo numéricoEficiência Coop. Produção total Valores Valores globais Valor recebido física básicos repassados (R$) por catador (t) (R$/t) (R$)Alta 100 2.600 10,00 26.000,00 260,00Média 100 1.400 15,00 21.000,00 210,00Baixa 100 600 30,00 18.000,00 180,00Baixíssima 100 230 50,00 11.500,00 115,00
  • 17. Instrumentos propostos: Acréscimos compensatórios graduados Objetivos  Possibilitar intervenções discricionárias sobre os valores de grupos de materiais recicláveis  Estimular o aumento da coleta de materiais específicos  Reduzir a oscilação do valor de materiais específicos em momentos redução da preço Descrição do instrumento  Fator multiplicador estabelecido por grupo de material  O multiplicador deve estimular o recolhimento de grupos de materiais considerados prioritários  Em períodos de crises, o multiplicador pode ser modificado gerando acréscimos para materiais específicos
  • 18. Instrumentos propostos: Fundo cooperativo Objetivos  Aumentar o grau de organização e profissionalização das cooperativas Descrição do instrumento  Poderia ser operado por banco público, fundação, cooperativa de crédito ou outra instituição  O fundo cooperativo somente seria utilizado para fins específicos, acordados entre as cooperativas e o órgão gestor que visem capacitá-los para melhorias de médio e longo prazos  O fundo teria mais flexibilidade para financiar a formação de cooperativas
  • 19. Obrigado!• Bruno Milanez – UFJF• Gustavo Luedemann – IPEA gustavo.luedemann@ipea.gov.br• Jorge Hargrave – IPEA jorge.hargrave@ipea.gov.br• João Damásio – UFBA/PANGEA

×