Jacqueline panorama cadeia recicláveis final

650 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
650
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
52
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jacqueline panorama cadeia recicláveis final

  1. 1. Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama DSc. Engª Jacqueline RutkowskiInstituto Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade
  2. 2. Instituto Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade associação civil, sem fins lucrativos e econômicos, de caráter científico-sócio- educacional, cujo objetivo é desenvolver Tecnologias Sociais de apoio à sustentabilidade
  3. 3. Elo Suprimento: Resíduos Sólidos Urbanos• PNRS: um novo marco regulatório para o Brasil – Gestão integrada e sustentável dos RSU: 3 R´s – redução, reutilização e reciclagem e consórcios públicos e/ou público-privados; – Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e pelo seu descarte/ reaproveitamento: princípio produtor-pagador e logística reversa; – Inserção de catadores nos sistemas de coleta seletiva e de suas redes na comercialização de recicláveis .
  4. 4. Elo Suprimento : Resíduos Sólidos Urbanos– Coleta de RSU quase universal no Brasil: 97,8% dos domicílios (IBGE, 2010), mas 6,4 milhões de ton/ano não coletadas e 42% com destino inadequado(ABRELPE, 2011);– Geração crescente de RSU, maior que a taxa de crescimento populacional;– 32% RSU composto por recicláveis e 80% destes são compostos por plástico (7,5 mil ton/ano), papel, papelão e tetrapak (7,3 mil ton/ano)(ABRELPE, 2011);
  5. 5. Elo Suprimento : Coleta Seletiva• 58,6 % municípios (ABRELPE, 2012) ou 17% (IBGE, 2010) declaram ter serviços de C S: – Concentrada nas regiões Sudeste e Sul; – Parcial: maioria atinge cerca de 10% dos munícipes; – Não estruturada como Programa: baseada em Locais de Entrega Voluntária e/ou catadores: • 653 municípios declaram operar a CS em conjunto com catadores e 27% dos municípios declaram a presença de catadores (IBGE,2010). – cerca de 1200 cooperativas no Brasil, MG é o Estado com maior número (197);
  6. 6. Elo Suprimento : Coleta Seletiva– 9 de 10 kg de material reciclável chegam às empresas após passar por catadores que ampliam de 3% para 12% RSU reciclado (Valor Econômico, 2010,p.28 e p.43);– Atividade intensiva em trabalho, postos de trabalho de baixo grau de especialização formal mas qualificação tácita– importante papel social e econômico;– Decisão de produzir/ catar depende de valor de mercado - mix de produção muito variável e do mercado de mão de obra: mecanismo parcial e imperfeito para assegurar níveis crescentes de reciclagem.
  7. 7. Elo: Produção• Crescimento consistente da reciclagem de materiais: 7,1 milhões de ton. em 2008; – 375 mil pessoas ocupadas na reciclagem contra 150 mil em 1999 (IBGE, 2008);• A ausência de programas de CS bem estruturados reflete na dificuldade dos recicladores de conseguirem matéria prima, em quantidade desejada. A indústria de plástico opera com 30% de sua capacidade ociosa por falta de matéria prima (ABID, Plastivida,2008)Brasil: reciclagem de 98% das latas de alumínioe 56% do volume do PET (EUA- reciclagem PET 25%)
  8. 8. Elo: Produção• Produtos não homogêneos e características de qualidade (cor, grau de impurezas, compactação, etc.) influenciam muito o preço.• Valor agregado é muito pequeno, preço transporte muito relevante.• Atividade economicamente viável, mas: – garantia de fornecimento contínuo de material reciclável; – tecnologias apropriadas para os diferentes produtos e; – valor de comercialização para os novos produtos que compense os investimentos aplicados no processo.
  9. 9. Elo: Processamento• Reciclagem de todo o material disponível no RSU no Brasil geraria benefícios (ambientais e econômicos)de cerca de R$ 8 bilhões (IPEA, 2010) – Principais ganhos nos plásticos e derivados da celulose - maior abundância; – Vidro: abundante, mas ganhos reduzidos por tonelada reciclada e; – Alumínio: pouco abundante no RSU porque tem alto ganho por tonelada reciclada.
  10. 10. Elo: Processamento– Plástico: • resina reciclada pode custar entre 20% e 25% menos do que a resina virgem; • predominância de micro e pequenas empresas que fornecem para micro e pequenos transformadores, que compram segundo determinadas especificações; • raio de compra: até 100km– Papel: • médias e grandes empresas, indústria intensiva em capital; • maiores volumes de compras – maior importância do “atravessador” • raio de compra: até 200km • Brasil tem o menor custo mundial de produção de celulose (BNDES,2011)
  11. 11. Na fabricação deondulados de papelcerca de 63,6% utilizaaparas de onduladosrecicladas, destascerca de 50% éoriunda das linhas deprodução industrial deembalagens, restandoaproximadamente13,6% de embalagenspós-consumo. As grandes fábricas de papel no Brasil concentram-se nos estados de São Paulo, Paraná e Bahia. Registra-se, porém, que fábricas de menor porte, notadamente as que utilizam fibras recicladas, estão 16 espalhadas em todas as regiões do país
  12. 12. 17
  13. 13. O setor Plástico é dominado pelas pequenas empresas que empregam até 20 pessoas – 72,5% do parque produtivo; pouco mais de 10% das empresas são empresas de médio e grande porte Empresas da indústria de transformados de plásticos são, em geral, 30% menores que as da indústria de transformação em geral Cerca de 20% dos plásticos produzidos no Brasil são reciclados, percentual relativamente elevado quando comparado aos índices de outros países – na reciclagem mecânica o Brasil é o 4º maior reciclador.18
  14. 14. Parte dos materiais plásticos recicladosé oriunda da indústria – cerca de 40% eos restantes 60% vêm de embalagense de objetos pós-consumo.Maioria de mercados secundários:baixa qualidade/ especificidadetécnica e pequeno valor dematéria primaA localização da indústria detransformados de plástico associa-se às regiões mais densamenteindustrializadas/ mercadoconsumidor e APLs (ligados amoldes). Em MG metade dosempregos desta indústria localiza-se na RMBH 19
  15. 15. RECUPERADOR T1 RECUPERADOR T2 REVALORIZADORESCATADORES, SUCATEIROS,AC, CENTROS FERROS-VELHOS, INDÚSTRIAS DEE USINAS DE APARISTAS SEMI- TRIAGEM INTERMEDIÁRIOS MANUFATURADO S - Triagem -Triagem - Coleta -Classificação -Lavagem/desagre -Triagem -Compactação gação -Compactação -Comercialização -Moagem -Comercialização -Transporte -Extrusão -Transporte -Comercialização PLÁSTICO TRANSFORMADORES PAPEL INDÚSTRIAS DE PRODUTOS - Processo de MANUFATURA PLÁSTICO produção DOS (extrusão, injeção, PAPEL sopro, etc.)
  16. 16. Mercado de recicláveis é atrelado acommodities instáveis e há pouca competição (mercado oligopsônico) Muita informalidade e semi-informalidade – preços muito variáveisDificuldade de diálogo entre economia formal e social e solidária
  17. 17. Mercado segmentado e com diversos atores com papéis e interesses diferenciadosInvestimento público para estoques de materiais e monitoramento de preços e produção: regulação mercado, preço mínimo para materiais recicláveis?
  18. 18. Reciclagem é primariamente um problema de canais de distribuição, maior custo da reciclagem de RSU é de coleta, seleção e transporte. Investimento em informação e tecnologia: levar ao grande público o conhecimento sobre a reciclabilidade dos materiais, instruindosobre como proceder para o correto descarte das embalagens
  19. 19. Desenvolvertecnologias para produtos e materiais mais fáceis de reciclar e com melhor qualidade: design para reciclagem (ABIPET – parametros de reciclagem para projetos de embalagem). Disponibilização de serviços tecnológicos e outros benefícios atrelados à volume de recicláveis utilizados com matéria-prima
  20. 20. Programas públicos de promoção à reciclagem:mecanismos para remunerar essas atividades de maneira mais estável, buscando alternativas que amenizem ou eliminem a ciclicidade que predomina na atividade; arcabouço legal(países OCDE) para percentual mínimo de recicláveis nos produtos
  21. 21. Obrigada !!! Jacqueline.rutkowski@gmail.comAgradecimentos:À FBB – Fundação Banco do Brasil pelo financiamento à pesquisaAos parceiros :Núcleo Alternativas de Economia Solidária do DEP/UFMGINSEA e MNCR

×