Teoria de pneumatica   oséias
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Teoria de pneumatica oséias

on

  • 1,209 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,209
Views on SlideShare
1,209
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
43
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Teoria de pneumatica   oséias Teoria de pneumatica oséias Presentation Transcript

    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 1 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Atuadores pneumaticos Automatismos são os meios, os instrumentos, maquinas , processos de trabalho, ferramentas ou recursos capazes de potencializar, reduzir, ou ate mesmo eliminar a ação humana dentro de um determinado processo produtivo, objetivando com isso, é claro, uma otimização e consequentemente melhoria de produção. Automação significa a dinamica organizada dos automatismo, ou seja, suas associaçoes de uma forma otimizada e direcionada à consecução dos objetivos do progresso humano
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 2 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Fluido- É qualquer substancia capaz de escoar e assumir a forma do recipiente que o contem. Pneumatica – Provem da raiz grega “Pneu ma”, Significa fôlego, vento. Logo pneumática é conceituada como sendo a matéria que trata dos movimentos e fenômenos dos gases. Eletropneumatica- Ramo da pneumática que utiliza a energia elétrica CC ou CA
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 3 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle AR COMPRIMIDO 1 DESENVOLVIMENTO DA TÉCNICA DO AR COMPRIMIDO Embora a base da pneumática seja um dos mais velhos conhecimentos da humanidade, foi preciso aguardar o século XIX para que o estudo do seu comportamento e propriedades se tornasse sistemático. Porém, pode-se dizer que somente após o ano de 1950 é que ela foi realmente introduzida no meio industrial. Antes, porém, já existiam alguns campos de aplicação e aproveitamento da pneumática, como por exemplo, a indústria de mineração, a construção civil e a indústria ferroviária (freio a ar comprimido). A introdução de forma mais generalizada da pneumática na indústria, começou com a necessidade, cada vez maior, da automatização e racionalização dos processos de trabalho. Apesar de sua rejeição inicial, quase que sempre proveniente da falta de conhecimento e instrução, ela foi aceita e o número de campos de aplicação tornou-se cada vez maior. Hoje, o ar comprimido tornou-se indispensável, e nos mais diferentes ramos industriais instalam-se equipamentos pneumáticos.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 4 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Desvantagens Preparação: o ar comprimido requer uma boa preparação. Impureza e umidade devem ser evitadas, pois provocam desgastes. Compressibilidade: não é possível manter uniformes e constantes as velocidades dos pistões mediante o ar comprimido. Escape de ar: o escape de ar é ruidoso. Custos: o ar comprimido é uma fonte de energia muito custosa. O custo de ar comprimido torna-se mais elevado se na rede de distribuição e nos equipamentos houver vazamentos consideráveis. Vantagens Volume: o ar a ser comprimido encontra-se em quantidades ilimitadas praticamente em todos os lugares. Transporte: facilmente transportável por tubulações. Armazenagem: o ar pode ser sempre armazenado ou transportado em reservatórios. Temperatura: garantia de funcionamento seguro, apesar das oscilações de temperatura. Segurança: não existe o perigo de explosão ou incêndio. Limpeza: o ar comprimido é limpo, não polui o ambiente. Construção: os elementos de trabalho são de construção simples. Velocidade: ao ar comprimido permite alcançar altas velocidades de trabalho. Regulagem: as velocidades e forças dos elementos a ar comprimido são reguláveis sem escala. Segurança contra sobrecarga: os elementos e ferramentas a ar comprimido são carregáveis até a parada final e, portanto, seguros contra sobrecarga.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 5 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle PRODUÇÃO DO AR COMPRIMIDO Para a produção de ar comprimido são necessários compressores, os quais comprimem o ar para a pressão de trabalho desejada. Na maioria dos acionamentos e comandos pneumáticos se encontra, geralmente, uma estação central de distribuição de ar comprimido. Não é necessário calcular e planejar a transformação e transmissão da energia para cada consumidor individual. A instalação de compressão fornece o ar comprimido para os devidos lugares através de uma rede tubular. Instalações móveis de produção são usadas, principalmente, na indústria de mineração, ou para máquinas que freqüentemente mudam de local. Já ao projetar, devem ser consideradas a ampliação e aquisição de outros novos aparelhos pneumáticos. Por isso é necessário sobredimensionar a instalação para que mais tarde não venha se constatar que ela está sobrecarregada. Uma ampliação posterior da instalação se torna geralmente muito cara. Muito importante é o grau de pureza do ar. Um ar limpo garante uma longa vida útil da instalação. A utilização correta dos diversos tipos de compressores também deve ser considerado.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 6 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle • Unidades de Medida de Pressão: N/m2 (Newton por metro quadrado), chamada de pascal [Pa]; 1 N/m2 = 1Pa; kgf/cm2 (quilograma força por centímetro quadrado); lbf/pol2 (libra força por polegada quadrada) = psi (Pound Square Inch); dyn/cm2 (dina por centímetro quadrado); Bar, equivalente a 106 dyn/cm2. Pressão
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 7 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle O conceito técnico define: •temperatura normal = 293 k (20ºC) •pressão normal = 0,980 bar •O conceito físico define: •temperatura normal = 273 (0º) •pressão normal = 1,013 bar •Conversões: •1kgf/cm2 = 14,223 psi •1bar = 14,503 psi •1ATM = 14,7 psi •1 litro de ar = 1,29 g
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 8 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle COMPRESSORES São equipamentos necessários à produção de ar comprimido, os quais comprimem o ar para se obter a pressão de trabalho desejada. Classificação Compressores de deslocamento positivo: baseiam-se fundamentalmente na redução de volume. O ar é admitido em uma câmara isolada do meio exterior, onde seu volume é gradualmente diminuído, processando-se a compressão. Quando uma certa pressão é atingida, a válvula de descarga é aberta, ou simplesmente o ar é empurrado para o tubo de descarga durante a contínua diminuição do volume da câmara de compressão; Compressores de deslocamento dinâmico: a elevação da pressão é obtida por meio da conversão de energia cinética em energia de pressão durante a passagem do ar através do compressor. O ar admitido é colocado em contato com impulsores (rotor laminado) dotados de alta velocidade. Este ar é acelerado, atingindo velocidades elevadas e, conseqüentemente, os impulsores transmitem energia cinética ao ar. Posteriormente, seu escoamento é retardado por meio de difusores, resultando uma elevação na pressão.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 9 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 10 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Exemplo de fluxograma
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 11 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Sistema de ar comprimido
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 12 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor alternativo dois estágios
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 13 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor alternativo
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 14 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor de fluxo axial
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 15 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressores tipo parafuso
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 16 Compressor de parafuso: este compressor é dotado de uma carcaça onde giram dois rotores helicoidais em sentidos opostos. Um dos rotores possui lóbulos convexos e o outro uma depressão côncava, sendo denominados, respectivamente, rotor macho e rotor fêmea. Pode ser acionado por engrenagens isoladas dos rotores ou pelo rotor macho. Consome mais energia que o compressor alternativo. Registra uma pressão de trabalho de 3 kg/cm2 a 17 kg/cm2 e um volume de ar produzido de 18 m/min a 600 m/min.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 17 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor alternativo Compressor de simples efeito: este tipo de compressor leva este nome por ter somente uma câmara de compressão, ou seja, apenas a face superior do pistão aspira e comprime o ar, pois a câmara formada pela face inferior está conectada ao cárter.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 18 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor de duplo efeito: neste tipo de compressor, as duas faces do pistão realizam o trabalho, ou seja, aspiram e comprimem o ar. O movimento alternativo do viirabrequim é transmitido ao êmbolo através do sistema cruzeta X biela.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 19 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressores Scroll
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 20 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressores Scroll
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 21 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor Centrífugo
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 22 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor Centrífugo
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 23 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Compressor Turbina
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 24 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 25 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 26 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle SECADOR POR ABSORÇÃO
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 27 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Preparação Estas são algumas considerações a serem observadas na preparação do ar comprimido: •. a impureza no ar comprimido provoca, em muitos casos, a interrupção nas instalações pneumáticas, podendo inclusive destruir os elementos pneumáticos; . é importante dar maior atenção à umidade presente no ar comprimido, pois ela é prejudicial aos elementos pneumáticos. •. para eliminar o condensado na rede de condutores de ar comprimido, utilizam-se os refrigeradores intermediários e finais; •. o ar comprimido, quando com umidade (água), deve ser secado, e, para isso, •existem os seguintes processos: - secagem por adsorção (processo químico); - secagem por absorção (processo físico); - secagem por refrigeração.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 28 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Filtros
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 29 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Filtro de ar
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 30 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Lubrificador
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 31 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Lubrificador
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 32 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Manômetro
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 33 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Secador por refrigeração
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 34 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Secagem por absorção
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 35 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Secagem por adsorção Ciclo de recuperação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 36 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Unidade de Condicionamento ou Lubrefil Simbologia
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 37 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Esquematização da Produção, Armazenamento e Condicionamento do Are Comprimido 1 - Filtro de Admissão 2 - Motor Elétrico 3 - Separador de Condensado 4 - Compressor 5 - Reservatório 6 - Resfriador Intermediário 7 - Secador 8 - Resfriador Posterior 1 2 3 4 8 6 5 7
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 38 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle ATUADORES •A energia pneumática será transformada, por cilindros pneumáticos, Em movimentos retilíneos e pelos motores pneumáticos em movimentos rotativos. •A geração de um movimento retilíneo com elementos mecânicos, conjugados com acionamentos elétricos, é relativamente custosa e ligada a certas dificuldades de fabricação e durabilidade.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 39 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro simples ação Os cilindros de ação simples são acionados por ar comprimido de um só lado, e portanto, trabalham só em uma direção. O retrocesso efetua-se mediante uma mola ou por uma força externa. A força da mola é calculada para que ela possa retroceder o pistão em posição inicial, com uma velocidade suficientemente alta, sem absorver, porém, energia elevada. Em cilindros de ação simples com mola montada, o curso do êmbolo é limitado pelo comprimento da mola. Por esta razão fabricam-se cilindros de ação simples só com comprimento de até aproximadamente 100 mm. Estes elementos de trabalho empregam-se principalmente para fixar, expulsar, prensar, elevar, alimentar, etc.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 40 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro simples ação Repouso ; recuo
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 41 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro simples ação Acionado ; avanço
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 42 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro de Ação Dupla A força do ar comprimido movimenta o pistão do cilindro de ação dupla em duas direções. Será produzida uma determinada força no avanço, bem como no retrocesso. Cilindros de ação dupla são utilizados especialmente onde é necessário também em retrocesso, exercer uma função de trabalho. O curso, em princípio, é ilimitado, porém, é importante levar em consideração a deformação por flexão e flambagem. A vedação aqui, efetua-se mediante êmbolo (pistão de dupla vedação).
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 43 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro dupla ação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 44 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro de dupla ação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 45 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle VÁLVULAS DE CONTROLE PNEUMÁTICO Denominam-se válvulas os elementos emissores de sinal e de comando que influenciam os processos de trabalho. Válvulas são aparelhos de comando ou de regulagem, de partida, parada e direção. São simbolizadas por quadrados que, unidos e de acordo com a sua quantidade, indicam o número de posições que podem assumir. A função e o número de vias das válvulas são desenhados nos quadrados. Para intensificação e uma ligação correta das válvulas, marcam-se as vias, considerando: . vias para utilização (saídas): A – B – C – D ou 2 – 4 – 6 – 8 . linhas de alimentação (entrada): P ou 1 . escapes (exaustão): R – S – T ou 3 – 5 – 7 . linha de comando (pilotagem): Z – Y – X ou 12 – 14 – 16 Segundo as suas funções, as válvulas subdividem-se em: •. direcionais •. de bloqueio •. de pressão •. de fluxo (vazão) •. de fechamento Válvulas Direcionais A denominação de uma válvula direcional depende do número de vias (conexões) e do número das posições de comando. As conexões de pilotagem não são consideradas como vias.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 46 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Muscular • geral •- por botão •- por alavanca •- por pedal Mecânico •- apalpador •- por mola •- por rolete •- por rolete escamoteável (gatilho) Elétrico •- por eletroímã (bobina- solenóide) •- com um enrolamento ativo •- com dois enrolamentos ativos no mesmo sentido •- com dois enrolamentos ativos em sentido contrário Pneumático •- por acréscimo de pressão (positivo) •- por decréscimo de pressão (negativo) •- sevopiloto positivo -servopiloto negativo Combinado •- por eletroímã e válvula de servocomando •- por elétroímã ou váuvula servocomando
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 47 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas controladora de Fluxo. Subdividem-se em: •Válvula de controle de fluxo fixa bidirecional. •Válvula de controle de fluxo variavel bidirecional. •Válvula de controle de fluxo variavel unidirecional. Válvulas de Bloqueio Estas válvulas têm as seguintes características: •- alternadora (elemento OU) •- retenção com mola. • retenção sem mola •- escape rápido •- de duas pressões (de simultaneidade; elemento E) Válvulas controladora de Pressão Subdividem-se em: •Válvula de alivio ou reguladora de pressão •Válvula de sequencia. •Válvula reguladora de pressão.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 48 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas 2 vias VÁLVULAS DIRECIONAIS Variando consideravelmente, tanto em construção como em operação, são usadas para controlar a direção do fluxo e para que sejam obtidos os movimentos desejados dos atuadores (cilindros, motores, etc), de maneira a efetuar o trabalho exigido. São válvulas que interferem na trajetória do fluxo de ar, desviando-o para onde for mais conveniente em um determinado momento por ação de um acionamento externo.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 49 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas 3 vias
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 50 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 3 vias normalmente aberta ; assento esférico Valvula de duas posições Tres vias Repouso
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 51 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 3 vias normalmente aberta ; assento esférico Atuada
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 52 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Repouso Válvula 3 vias normalmente aberta ; sede disco Acionada por pino
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 53 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Atuada Válvula 3 vias normalmente aberta ; sede disco Acionada por pino
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 54 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas de três vias
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 55 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas de cinco vias
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 56 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 3 vias normalmente fechada; sede disco Acionada por piloto Repouso
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 57 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Atuada Válvula 3 vias normalmente fechada; sede disco Acionada por piloto
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 58 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas 5 vias
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 59 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Piloto 12Válvula 5 vias Acionada por piloto
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 60 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Piloto 14Válvula 5 vias Acionada por piloto
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 61 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Prevenção e Drenagem para o Condensado Are Comprimido Separador Armazenagem de Condensados Drenos Automáticos Inclinação 0,5 a 2% do Comprimento Purgadores Unidade de Condicionamento (Utilização) Conexões Instantâneas Comprimento
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 62 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvulas de Controle Direcional 5 31 4 2 14 12 Simbologia
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 63 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Botão Alavanca Pedal Simbologia Simbologia Simbologia Pino Rolete Gatilho ou Rolete Escamoteável Simbologia Simbologia Simbologia Tipos de Acionamentos
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 64 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Piloto Positivo 12 Simbologia Diafragma Acionamento Combinado Elétrico e Pneumático Simbologia Simbologia Acionamento Combinado Muscular ou Elétrico e Pneumático 12 12
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 65 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Tipos Construtivos Simbologia 1 2 Válvula de Controle Direcional 2/2 Acionada por Rolete, Retorno por Mola, N.F, Tipo Assento com Disco
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 66 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Controle Direcional 3/2 Acionada por Pino Retorno por Mola, N.F., Tipo Assento Cônico Simbologia 31 2 A a2 2 31 Exemplo de Aplicação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 67 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Controle Direcional 3/2 Acionada por Piloto, Retorno por Mola, N.F., Tipo Assento com Disco 12 12 3 3 2 2 1 1 Exemplo de Aplicação A a0 12 2 1 3 a2 2 1 3 Simbologia 31 2 12
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 68 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Controle Direcional 3/2 Acionada por Solenóide Direto, Retorno por Mola, N.F. 22 11 Válvula de Controle Direcional 3/2 Acionada Por Solenóide Indireto, Retorno por Mola, N.F., do Tipo Assento com Disco 3 1 2 1 3 2 Simbologia 31 2 Simbologia 31 2
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 69 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 2 2 1 3 D 31 D Válvula de Controle Direcional 3/2 Acionada por Solenóide de Ação Indireta, Retorno por Suprimento Interno, N.F., Tipo Assento Lateral Simbologia 3 1 2
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 70 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Controle Direcional 3/2 Acionada por Solenóide de Ação Indireta, Retorno por Suprimento Interno, N.F., Tipo Assento 2 2 3 1 3 1 D DD Simbologia 3 1 2
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 71 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 12 10 A 2 a0 1 3 2 1 3 2 1 3 a2 a1 Válvula 3/2 Acionada por Duplo Piloto Positivo 2 12 12 3 1 2 3 1 10 10 Simbologia 31 2 12 10 Exemplo de Aplicação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 72 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 12 21 3 Válvula 3/2 de Partida Suave/Partida Rápida Simbologia 3 1 2 12
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 73 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 5/2 Acionada por Duplo Piloto Positivo 53 1 2 4D 2 4D 1 Simbologia 35 4 2 1
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 74 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 5/2, Sistema de Compensação de Desgaste Vantagens do Uso do Sistema de Compensação de Desgaste WCS • Máximo Rendimento - Resposta Rápida - Pressão inferior de operação; - Baixo Atrito - Menos desgaste. • Vida Útil Longa - Sob pressão a expansão radial das vedações ocorre para manter o contato de vedação com o orifício da válvula. • Regime de Trabalho - Trabalha sem lubrificação, não é requerida a l u b r i f i c a ç ã o contínua. • Vedação Bidirecional do Carretel - É u s a d o u m incluindo vácuo. Simbologia 35 4 2 1
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 75 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Controle Direcional 5/2, Acionamento por Simples Solenóide Indireto, Tipo Distribuidor Axial Simbologia 35 4 2 1
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 76 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 5/2, Acionamento por Duplo Piloto Positivo, Tipo Distribuidor Axial 5 1 3 5 1 3 4 2 4 2 14 12 14 12 Simbologia 35 4 2 1 14 12 A 14 12 a0 5 24 3 1 a2 2 31 a1 2 31 Exemplo de Aplicação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 77 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 5/3, Acionada por Duplo Piloto, Centrada por Mola, C.F., Tipo Distribuidor Axial 5 1 3 5 1 3 5 1 3 4 2 4 2 4 2 14 12 14 12 14 12 Simbologia 35 24 1 14 12
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 78 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula 5/3, Acionada por Duplo Solenóide, Centrada por Are Comprimido, C.A.P., Tipo Carretel 5 4 1 2 3 5 4 1 2 3 D D D DX D D D DX Simbologia 35 24 1
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 79 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Montagem de Válvulas Pneumáticas em Bloco Manifold Simbologia 35 4 2 1 14 12
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 80 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Retenção com Mola 2 1 2 1 Simbologia 12 Válvula de Escape Rápido 3 2 1 3 2 1 Simbologia 31 2 Elementos Auxiliares
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 81 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Isolamento, Elemento "OU" 1 1 2 1 1 2 Simbologia 11 2 A a0 12 1 2 3 a4 1 2 3 a2 1 2 3 a.02 1 1 2 Exemplo de Aplicação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 82 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia 11 2 A a0 12 1 2 3 a2 1 2 3 a.02 1 1 2 a4 1 2 3 Válvula de Simultaneidade (Elemento E) Exemplo de Aplicação 1 1 2 1 1 2
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 83 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Válvula de Controle de Fluxo Controle de Velocidade Simbologia 21 2 1 2 1
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 84 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle A a.01 1 2 3 a.02 a0 12 2 3 14 1 5 4 a1 2 31 a2 2 31 Exemplo de Aplicação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 85 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 12 2 1 t1 0 12 2 1 t1 0 Simbologia Temporizador Pneumático 1 3 9 10 P a S Funcionamento 5 6 2 4 7 8 P S S a a P
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 86 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Exemplo de Aplicação A 1 2 3 a3 a0 1214 5 4 a2 2 31 2 31 P a S a5 a.01 a.02
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 87 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Adaptador para conexão do cilindro Anel de fixação Pneumático Elétrico Eletrônico Módulos conectáveis & Simbologia aP S Captadores de Queda de Presto
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 88 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Exemplo de Aplicação A 1 2 3 a3 a0 1214 5 4 a2 2 31 P S a3
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 89 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Contador Predeterminador Pneumático YZ P A 00000 Y Z P A Simbologias Exemplo de Aplicação A 1 2 3 a3 a0 1214 5 4 1 2 3 a3 1 2 3 a2 1 2 3 a4 Y A P Z a.01 a.02 a.03 a.05
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 90 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Contador de Impulsos Microprocessado Os contadores de impulsos microprocessados foram desenvolvidos para aplicações industriais onde precisão, repetibilidade e confiabilidade são fundamentais para garantir o uso destes aparelhos em serviços contínuos, sob as mais rígidas condições de trabalho. Possui memória permanente, tipo EEPROM, o que dispensa o uso de baterias, pois em caso de falta de energia sua memória armazena não só a contagem indicada no display bem como os dados programados. Características: •Programável pelas teclas frontais. •Contagem UP/OWN(progressiva ou regressiva). •Fator de multiplicação ajustável entre 0,001 a 9999 ou 0,00001 a 999999. •Tempo de pulso de saída com duração ajustável. •Filtro de entrada de contagem ajustai. •Tres entradas configuráveis com alimentação, 24 Vcc – 50 mA, próprias para sensores: •Entrada E1 para dispositivos com saída NPN. •Entrada E2 para dispositivos com saída PNP. •Entrada E3 para dispositivos com saída NPN. •Duas pre-determinaçoes com saida à rele 5 A, 250 Vca. •Reset automático ou manual (local ou remoto). •Protegido por senha.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 91 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Funcionamento Operação em contagem progressiva (UP): Inicia em zero. Ao atingir o 1º e o 2º valor respectivamente os relés de saída são ativados ou desativados dependendo do modo de programação. Operação em contagem regressiva (DOWN):Inicia no valor da maior pre-determinação. Ao atingir o valor da menor pre- determinação e quando chegar a zero os relés de saída são ativados ou desativados, dependendo do modo de programação. Para reinicio da operação programa-se o tipo de reset desejado que pode ser automático ou manual sendo este local (tecla reset) ou remoto (entrada E1 e E2). Também por comando externo ( na entrada E3), é possível inibir-se a contagem. Tabela dos parâmetros ajustaveis. •PrE1 – Pré – determinaçao da saida S1 . O maior valor determina a parada ou reset. 5 •PrE1 – Pré – determinaçao da saida S2 . O maior valor determina a parada ou reset. 10. •Senha – Para se gravar uma nova senha, manter pressionado o 5º toque da senha anterior até o display apagar, em seguida digitar a nova senha com 5 toques. •Modo – Conforme tabela especifica. •T.Pul – Tempo de pulso de reset (ajustavel de 0,01 a 99,99 seg. ) •FAt – Fator de multiplicaçao (de 0,001 a 9999 ou 0,00001 a 999999). •MEMo./rESE – Memoriza ou não a contagem. •PnP/nPn – Seleciona a entrada de contagem (E1 =nPn ou E2=PnP). •FILt. – Frequencia de amostragem do filtro de entrada de contagem. - ini – lento com tempo de inibiçao para contatos - 100, 350, 700,1400Hz = Medio para sensores indutivos. - 2000Hz – rapido para encoders.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 92 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle •t.ini – tempo de inibiçao ( 0,01 a 99,99 seg.) •U-d ou E.ini – Programação da entrada E3. •UP/down – Seleçao do sentido de contagem UP=sobe, DOWN=desce. SUb/dESC – Conta na subida ou descida do pulso. rSt.Cr/rSt.n – Conta ou não conta durante o reset.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 93 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 0 1 1 1 2 Alimentaçã o Up- Fechado Down-Aberto Conta Reset GN D Saida 1 (S1) Ligação NPN 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 1 2 Alimentaçã o Up- Fechado Down-Aberto Reset Conta GN D Saida 1 (S1) Ligação PNP R S
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 94 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Sensor de Alívio Relé do Sensor de Alívio S 1 2 Desacionado Sensor de Alívio Relé do Sensor de Alívio S Acionado Relé do Sensor de Alívio Sensor de Alívio Sensor de Alívio P a S
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 95 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle AtuadoDesatuado Peça em Movimento Distância de Sensibilidade S P Alimentação de 3 a 8 bar Filtro - Regulador Px a Relé Amplificador a: Sinal envi ado do detector fluídico (0,5 a 2 mbar) Ar de suprimento filtrado, seco e regulado (Px= 100 a 300 mbar) Objeto a ser detectado Sensor fluídico a Relé Amplificador Desacionado 3 1 2 4 Px a S Acionado 3 1 Px a S 6 Acionador Manual Auxiliar 2 5 4 Pxa Pxa Sensor Fluídico de Proximidade
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 96 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia a P Sb S P a b A B Módulo de Segurança Bimanual
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 97 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 1 - Uma força de 2 kgf, é aplicada … 2 - … na tampa móvel cuja área mede 2 cm2 3 - Resultará numa pressão negativa de -1 kgf/cm2 4 - Gerando um vácuo de -1 kgf/cm2, no interior do recipiente 5 - Essa pressão negativa, depressão, é inferior à pressão atmosférica externa a qual está submetido o recipiente 2 cm2 -1 kgf/cm2 2 kgf 1 - O ar comprimido entra pelo pórtico P… 2 - … e sai para atmosfera pelo pórtico R 3 - A restrição provoca um aumento na velocidade do fluxo de ar … 4 - … gerando um vácuo parcial neste orifício, por onde o ar atmosférico penetra do pórtico A 1 - Enquanto o elemento gerador de vácuo estiver sob pressão do ar comprimido… 2 - Elemento gerador de vácuo 3 - A pressão atmosférica, agindo na superfície externa da ventosa, mantém a ventosa presa à peça 2 - … forma-se um vácuo entre a ventosa e a peça Ventosa Peça P R A Geradores de Vácuo, Ventosas Simbologia P R A
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 98 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Ventosas Padrão
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 99 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle 5,0 0,19 0,69 0,071 0,35 0,036 10,0 0,78 2,86 0,292 1,43 0,146 15,0 1,76 6,47 0,66 3,23 0,33 20,0 3,14 11,54 1,177 5,76 0,588 25,0 4,90 18,02 1,837 9,00 0,918 30,0 7,06 25,96 2,647 12,97 1,323 35,0 9,61 35,34 3,603 17,66 1,801 40,0 12,56 46,20 4,71 23,05 2,35 45,0 15,89 58,44 5,958 29,22 2,979 50,0 19,62 72,17 7,357 36,08 3,678 55,0 23,74 87,32 8,902 43,66 4,451 60,0 28,26 103,95 10,597 51,97 5,298 65,0 33,16 121,98 12,435 60,98 6,217 70,0 38,46 141,47 14,422 70,73 7,211 75,0 44,15 162,41 16,556 81,20 8,278 80,0 50,24 184,82 18,84 92,41 9,42 85,0 56,71 208,61 21,266 104,30 10,633 90,0 63,58 233,89 23,842 116,94 11,921 95,0 70,84 260,60 26,565 130,29 13,282 100,0 78,54 288,92 29,452 144,46 14,726 120,0 113,04 415,84 42,39 207,92 21,195 150,0 176,62 649,73 66,232 324,86 33,116 200,0 314,00 1155,12 117,75 577,56 58,875 300,0 706,86 2600,35 265,076 1300,17 132,536 Ø da Ventosa em mm Área em cm2 Força de Levantamento Superfície Horizontal Superfície Vertical em N em Kgf em N em Kgf Tabela de Capacidade de Carga para Ventosas Planas a 75% de Vácuo
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 100 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Atuadores Pneumáticos
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 101 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle P Vent. Simbologia Simbologia Simbologia Cilindro de Simples Efeito ou Simples Ação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 102 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Cilindro de Duplo Efeito ou Dupla Ação
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 103 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Cilindro com Amortecimento
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 104 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Cilindro de Haste Dupla
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 105 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Cilindro Duplex Contínuo ou Cilindro Tandem
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 106 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro Duplex Geminado ou Múltiplas Posições Simbologia 1 2 3 1 2 3 4
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 107 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Cilindro de Impacto
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 108 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Guias Lineares
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 109 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Cilindro sem Haste Simbologia
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 110 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Conversor Hidráulico de Velocidade (Hydro-Check) Simbologia Exemplo de Aplicação A 4 1 35 2 14 12 a 0 1 3 2a 2 1 3 2a 1 a.02
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 111 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Eixo Chavetado Conexão de Are Comprimido Palhetas com Molas, sem Lubrificação Standard Corpo de Aço Fundido Engrenagem Planetária Engrenagem Dentada Engrenagem sem Fim Simbologia Atuador Rotativo - Motor Pneumático
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 112 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Simbologia Oscilador Pneumático
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 113 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Garras Pneumáticas (Grippers) Garra de Fricção Garra de Abrangimento
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 114 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Vedações Tipo “O” Ring Tipo “L” Cup Tipo “U” Cup
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 115 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Método de Movimento (Intuitivo) Produto Estoque de Produtos Estocagem de Caixas n = 3 m = 3 Unidade de Transferência de Produto B A Entrada de Produtos Unidade de Estocagem Rotação Completa da Caixa de Papelão Saídas de Produtos Embalados Estoques de Caixas de Papelãol = 2 14 12 14 124 2 A b1 a.01 a.02 b2 b.01 b.02 a1 a0 4 2 35 1 b0 35 1 a.04 2 1 1 a4 2 1 3 a2 2 1 3 B Exemplo de Aplicação Diagrama Trajeto-Passo
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 116 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 01 Comandar um Cilindro de Simples Ação (Comando Direto).
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 117 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 02 Comandar um Cilindro de Simples Ação Utilizando uma Válvula Simples Piloto (Comando Indireto).
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 118 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 03 Comandar um Cilindro de Simples Ação Utilizando uma Válvula Duplo Piloto.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 119 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 04 Comandar um Cilindro de Simples Ação de Dois Pontos Diferentes e Independentes (Utilizar Elemento OU).
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 120 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 05 Comandar um Cilindro de Simples Ação Através de Acionamento Simultâneo de Duas Válvulas Acionadas por Botão (Comando Bimanual, Utilizar Elemento E).
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 121 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 06 Comando Bimanual com Duas Válvulas 3/2 vias Botão Mola em Série.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 122 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 07 Comando Direto de um Cilindro de Dupla Ação, sem Possibilidade de Parada em seu Curso.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 123 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 08 Comandar um Cilindro de Dupla Ação com Paradas Intermediárias.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 124 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 09 Comando Indireto de um Cilindro de Dupla Ação, Utilizando uma Válvula Simples Piloto.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 125 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 10 Comando Indireto de um Cilindro de Dupla Ação, Utilizando uma Válvula Duplo Piloto e com Controle de Velocidade do Cilindro.
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 126 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 11
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 127 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 12
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 128 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 13
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 129 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 14
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 130 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 15
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 131 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 16
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 132 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 17
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 133 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 18
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 134 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 19
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 135 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 20
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 136 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 21
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 137 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 22 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 138 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 23 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 139 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 24 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 140 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 25 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 141 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 26 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 142 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 27 A B C
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 143 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 28 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 144 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 29 A B C
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 145 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 30 A B
    • Sensores e atuadores_Atuadores Pneumaticos 146 Prof. Edilson A. da Silva Curso: Automação e controle Circuito - 31 A B