Your SlideShare is downloading. ×

Design Thinking Process

2,906
views

Published on

Material vivencial do Workshop Business Design desenvolvido pela Ologia e Inventta. …

Material vivencial do Workshop Business Design desenvolvido pela Ologia e Inventta.
Esse é o processo de Design Thinking aplicado pela Ologia. O workshop faz com que os participantes tenham a experiência de desenvolver um projeto de Design Thinking.

Published in: Design

1 Comment
33 Likes
Statistics
Notes
  • Parabéns pela didática do material. Há algum tempo que pesquiso sobre o assunto para escrever a minha monografia a até hoje não havia encontrado um conteúdo que explique de forma tão clara e simples o processo de design think.

    Abs
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
2,906
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
33
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. BUSINESS DESIGNO Design como ferramenta de gestão e desenvolvimento de novas estratégias de produtos, serviços e processos
  • 2. BUSINESS DESIGN O PROCESSO DE DESIGN THINKING
  • 3. BUSINESS DESIGNO PROCESSO DE DESIGN THINKING 1 2 3 4 5 6
  • 4. BUSINESS DESIGN 1 PROBLEM FRAMING Redefinindo e organizando o problema a ser resolvido para soluções inovadoras 2 3 4 5 6 PROBLEM FRAMING
  • 5. BUSINESS DESIGN DE PARA Solução específica Solução em aberto Grande grupo de pessoas e lugares Grupo específico de usuários Problemas ou demandas tendem a chegar em nossas mãos pré-determinados. É preciso exercitar a habilidade de remontá-los a partir de uma ótica mais sistêmica, para que as etapas seguintes do processo sejam mais ricas e para que a solução seja o mais sustentável possível. Negócio Usuário Ideias Únicas Sistema de Ideias Sintomas Causas Objeto Atividade PROBLEM FRAMING1 EXEMPLO: Demanda por uma nova garrafinha de água para esportes Desenvolver uma maneira melhor para pessoas se hidratarem durante o exercício físico PROBLEM FRAMING
  • 6. BUSINESS DESIGN REDEFINA O PROBLEMA IDENTIFIQUE AMBIENTES IDENTIFIQUE PERSONAGENS Onde acontece a atividade, lugares a ver com a atividade, cadeia produtiva, tudo que possa contribuir ou interferir na forma como a atividade principal acontece. Usuário principal, usuário secundário, especialistas, pessoas que exercem influência na atividade ou possam ter informações relevantes. Ao redefinir o problema é preciso abrir todas as possibilidades de ambientes e personagens que possam influenciar no que está sendo estudado. Essas possibilidades marcam o início da próxima fase. PROBLEM FRAMING1 PROBLEM FRAMING
  • 7. BUSINESS DESIGN DE PERSONAGENSAMBIENTES PARA PROBLEM FRAMING1 PROBLEM FRAMING
  • 8. BUSINESS DESIGN 1 2 3 4 5 6 OBSERVAÇÃO Saindo do escritório e indo observar a realidade onde e como ela acontece, para desenvolver soluções mais aderentes. OBSERVAÇÃO
  • 9. BUSINESS DESIGN 2 OBSERVAÇÃO O maior conhecimento sobre qualquer assunto está na pessoas que o vivem no dia-a-dia. Para ter acesso a esse valioso conhecimento, é preciso observar. É hora de imergir na no universo do problema, observando a cadeia produtiva e a relação das pessoas com ela. Lugarde DESIGN(er)énarua. OBSERVAÇÃO
  • 10. BUSINESS DESIGN A inspiração para essa fase de Observação veio da Antropologia. A Etnografia (ou Pesquisa Social) é uma parte da Antropologia e refere-se ao estudo de um objeto ou situação pela vivência direta na realidade onde se insere. Sua aplicação no mundo dos negócios é cada vez maior e mais valorizada, pois aumenta exponencialmente a probabilidade de sucesso no desenvolvimento e lançamento de produtos, serviços, processos, campanhas, etc. 2 OBSERVAÇÃO ETNOGRAFIA OBSERVAÇÃO
  • 11. BUSINESS DESIGN ANTES DE SAIR Gaste um tempo pesquisando o que vai estudar, navegue a web, procure referências paralelas, converse. Coloque no papel o cenário macro que conseguiu ver, anote as interrogações que vierem à sua mente e, principalmente, selecione os fatores que você acha que (por enquanto) são importantes serem observados. PESQUISE Leve com você aparato para registrar o que achar importante: uma câmera fotográfica, filmadora, folhas para anotação, gravadores de áudio, etc. Tudo isso vai ajudar a montar o quebra-cabeça. ARME-SE Use os “Ambientes” e “Personagens” da fase de Problem Framing para definir seu plano de ação para a expedição. Defina suas prioridades de acordo com o tempo disponível. Se a pesquisa de campo for em grupo, dividam-se de modo que nunca vá somente uma pessoa. Perspectivas diferentes de um mesmo objeto são essenciais. PLANEJE 2 OBSERVAÇÃO OBSERVAÇÃO
  • 12. BUSINESS DESIGNOBSERVAÇÃO
  • 13. BUSINESS DESIGN No primeiro encontro busque pela pessoa de “AUTORIDADE” Se for um supermercado, chame o gerente. Se for numa comunidade, busque o prefeito ou identifique líderes comunitários. Entenda como acontecem as interligações, os agentes externos que influenciam naquela realidade. Concentre-se na pessoa, em suas atividades diárias, os acontecimentos curiosos, os perigos, as surpresas. Aproxime-se dessa pessoa de forma que ela lhe proporcione entrada em outros agentes do processo. APROVEITE ao máximo a oportunidade Local e momento são únicos: os comportamentos que você vai observar só fazem sentido no contexto onde ocorrem. Não fique com pressa de coletar informações. É um trabalho de detetive, onde uma pista leva à outra, e que pode te levar a desvendar o caso. DESCREVA os fatos Atenha-se a observar os fatos como eles realmente acontecem, como as pessoas se comportam, como interagem, falam, sem o fator de julgamento ou de prescrição de como aquela ação poderia ser mais eficiente ou de melhor experiência. As ideias vêm depois. CUIDADO ao sugerir hipóteses Tente ser o mais aberto possível na pergunta para não direcionar a visão e resposta da pessoa à sua sugestão. Por exemplo, quando quiser saber se outras coisas já foram tentadas em um processo, é melhor usar “Vocês já tentaram outras coisas?” do que “Vocês já fizeram do jeito X?”. EM CAMPOOBSERVAÇÃO 2 OBSERVAÇÃO
  • 14. BUSINESS DESIGN EM CAMPOOBSERVAÇÃO 2 seja NEUTRO(A) Busque uma posição de isenção durante a exploração. Se insira no ambiente com roupas neutras, condizentes com o contexto, que não demonstrem nem autoridade nem posição subalterna. Busque empatia com quem está conversando, mas não seja “o seu melhor amigo”. Procure não interferir na realidade do que está sendo estudado, não “faça pelas pessoas”: o objeto de estudo é o outro. Você vai ter o momento de experimentar quando for gerar ideias. Pense LATERALMENTE Algumas valiosíssimas informações podem estar com pessoas e em lugares teoricamente fora do processo observado. Um exemplo: os vigias de um shopping center podem dar muitas informações sobre o comportamento das pessoas que visitam o shopping. Seja CARA-DE-PAU Você vai perceber que ninguém vai chegar até você para contar o que quer saber. É preciso criar caminhos para se aproximar das pessoas para conseguir informações. OBSERVAÇÃO
  • 15. BUSINESS DESIGN PESQUISA PLANO DE AÇÃO OBSERVAÇÃO 2 OBSERVAÇÃO
  • 16. BUSINESS DESIGN 1 2 3 4 5 6 De volta da rua, todos chegam com muitos casos e observações (e soluções!). É hora de contar e mostrar a todos o que foi observado. INFO SHARE INFO SHARE
  • 17. BUSINESS DESIGN 3 À medida que o ser humano moderno envelhece ele vai se esquecendo de como contar histórias. Essa é a hora de contar ao grupo suas percepções. Ilustre com fotos, escreva, seja teatral, mostre como as coisas acontecem, o que as pessoas falaram, os fatos que aconteceram nos lugares visitados. INFO SHARE INFO SHARE CONTANDO HISTÓRIAS
  • 18. BUSINESS DESIGN TÉCNICA:Crie categorias ou temas principais para o que foi observado em campo. Todos devem dividir suas percepções com o resto do grupo e anotar frases curtas em post-its com as idéias principais dos relatos, relacionado-os a cada categoria. EXEMPLO: No caso da garrafinha d’água, poderíamos criar e dividir as seguintes macro-categorias. PORTABILIDADE ESTÉTICA MATERIALUSO EM MOVIMENTO INFO 3 SHARE INFO SHARE
  • 19. BUSINESS DESIGN 1 2 3 4 5 6 Com todos os fatos à vista, é hora de gerar ideias, possíveis soluções para o problema inicial. GERAÇÃO DE IDEIAS GERAÇÃO DE IDEIAS
  • 20. BUSINESS DESIGN 4 BRAINSTORMING “O problema com o brainstorm é que todo mundo acha que já o faz.” Tom Kelley - IDEO GERAÇÃO DE IDEIAS GERAÇÃO DE IDEIAS
  • 21. BUSINESS DESIGN O Brainstorm é o motor de idéias dentro do processo de Design Thinking. É a oportunidade para a equipe ‘fantasiar’ as ideias em um projeto, pensar em soluções variadas, sem censura. O grande objetivo estratégico é traduzir o que foi visto em campo em soluções diversas para o problema inicial. Um brainstorm eficiente deve durar no máximo UMA HORA. Mais do que isso pode fazer o grupo perder energia. Menos, pode perder ideias. Algumas técnicas podem deixar o Brainstorm mais produtivo. 4 BRAINSTORMINGGERAÇÃO DE IDEIAS OBSERVAÇÃO INSIGHTS IDEIAS SOLUÇÕES GERAÇÃO DE IDEIAS
  • 22. BUSINESS DESIGN 4 GERAÇÃO DE IDEIAS Antes de começar, faça um alongamento dos músculos mentais. Um aquecimento qualquer, para deixar a equipe mais extrovertida. Dinâmicas de grupo podem parecer cursos motivacionais, mas ajudam a consolidar as pessoas enquanto equipe, e também a esquecer temporariamente as preocupações como o relatório a ser acabado ou e-mails não lidos. ALONGAMENTO Uma boa sessão de brainstorm começa com a definição focada do problema a ser tratado. Se for conveniente para a solução, separe o problema em categorias amplas, da mesma forma que você fez no Info Share. As melhores definições de foco voltam-se para fora da empresa, ou seja, para uma necessidade específica do usuário, e não para dentro, como “ser melhor do que a empresa X”. DEFINA O FOCO Uma meta numérica desafia as pessoas antes e durante a sessão: ‘Vamos ter X idéias em uma hora’. Numerar as ideias geradas cria o senso de evolução e motiva as pessoas a pensarem de forma ainda mais abstrata para alcançar a meta. Em grupos experientes, 100 ideias por hora indica uma sessão boa e fluida. Estabeleça a sua meta. ESTABELEÇA META NUMÉRICA Não critique ou debata ideias. Isso pode esgotar a energia da sessão bem depressa. Desvieas críticas sem afastar os críticos. Para isso crie regras que quebrem essas atitudes, como ‘PENSE EM IDEIAS MALUCAS’, ‘SEJA VISUAL’, ‘VÁ ATRÁS DE QUANTIDADE’. Deixe-as sempre à vista de todos, em letras garrafais. REGRAS DIVERTIDAS TÉCNICAS GERAÇÃO DE IDEIAS
  • 23. BUSINESS DESIGN 4 TÉCNICASGERAÇÃO DE IDEIAS UTILIZE TODO O ESPAÇO Escreva ou coloque o fluxo de ideias de maneira que ele fique sempre visível para o grupo todo. Você pode usar computadores, tablets, ou qualquer dispositivo. Uma ferramenta de baixa tecnologia mas de grande impacto são os post-its afixados na parede ou em um quadro branco. O brainstorm é orientado ao grupo e as anotações concisas e rápidas matêm a equipe focada nas mesmas ideias. CHEGUE AO NÍVEL FÍSICO As boas sessões de brainstorm são extremamente visuais. Isso inclui desenhos, círculos, setas, esboços, fluxos, etc. Mas as melhores são as que entram no nível físico, utilizando as 3 dimensões. Para isso utilizamos quaisquer materiais que tivermos à mão, montando modelos primários de um conceito, ou mesmo uma expressão corporal. Utilize o que estiver disponível, não se preocupe em construir protótipos muito bem acabados. USE IDEIAS COMO TRAMPOLIM Algumas ideias podem, a princípio, parecer idiotas ou infactíveis, mas representam uma grande oportunidade para construção de outras geniais e viáveis. Assim funciona o trampolim. Sendo o facilitador ou não, você pode estimular o grupo incitando questões como ‘O que mais podemos fazer com essa ideia?’. Pequenas saltos, para frente ou para trás, podem criar novos horizontes para que se chegue a novas abordagens. GERAÇÃO DE IDEIAS
  • 24. BUSINESS DESIGN 1 2 3 4 5 6 Com todos os fatos à vista, é hora de gerar ideias, possíveis soluções para o problema inicial. CONVERGÊNCIA DE IDEIAS 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS
  • 25. BUSINESS DESIGN 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS Com todas as ideias expostas, como escolher UMA em meio a tantas? Um designer perguntaria: “Precisa ser só uma?”. Pequenas partes formam um todo. O princípio da convergência é olhar todas as ideias geradas e pinçar as melhores partes de todas para formar uma unica solução para o problema. Mas, como?
  • 26. BUSINESS DESIGN A convergência é um processo reducionista. Tem a missão de afunilar todas as ideias em soluções sistêmicas, somando-as. 1. Peça a todos que escolham as que acham mais interessantes. Separe as mais votadas. 2. Com essas ideias construa algumas hipóteses de solução para o problema - no mínimo duas, no máximo quatro. 3. Faça protótipos com o que tiver em mãos. Se for um serviço, procure encenar. Se for um negócio, procure desenhar. 4. Faça novamente uma votação para eleger os melhores aspectos de cada hipótese. Faça outra fusão deles, prototipe, corrija, reorganize. 5. Com o mesmo método continue reduzindo o número de opções através de votações, fusões e protótipos até chegar à solução final (ou um sistema de soluções). 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS TÉCNICA
  • 27. BUSINESS DESIGN PILARESTodas as hipóteses precisam ser balizadas por pilares que garantam a factibilidade do projeto. ECONOMICAMENTE VIÁVEL TECNICAMENTE POSSÍVEL DESEJÁVEL RESPOSTA AO PROBLEMA 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS
  • 28. BUSINESS DESIGN PROTOTIPAGEMFALHE ANTES PARA TER SUCESSO DEPOIS 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS Muitos de nós aprendemos alguma coisa de prototipagem quando crianças, seja fazendo projetos de escola, construindo fortes de areia, casinhas para bonecas, etc. Desmanchávamos tudo, fazíamos novamente, mudávamos coisas. Intuitivamente sabíamos que se continuássemos tentando novas técnicas acabaríamos aperfeiçoando drasticamente o que fazíamos. Vá dando forma ao projeto ao longo do tempo com o que você tiver em mãos.
  • 29. BUSINESS DESIGN PROTOTIPAGEMFALHE ANTES PARA TER SUCESSO DEPOIS 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS
  • 30. BUSINESS DESIGN 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS Faça sua Sorte A prototipagem não resolve apenas problemas diretos. Chame-a de faculdade de fazer descobertas felizes, ou até de sorte, mas uma vez que você começa a desejar ou realizar coisas, abre novas possibilidades de descoberta. É o mesmo método que tem ajudado cientistas a revelar alguns dos maiores segredos da natureza. Protótipos Vs. Imagens Se uma imagem vale mais que mil palavras, um protótipo vale mais que mil imagens. De algum modo você eleva a taxa de dados que uma pessoa recebe dando a elas a oportunidade de escolhas baseadas em coisas concretas. Protótipos vivos e móveis podem ajudar a dar forma às suas ideias. PROTOTIPAGEMFALHE ANTES PARA TER SUCESSO DEPOIS
  • 31. BUSINESS DESIGN 5 CONVERGÊNCIA DE IDEIAS CONVERGÊNCIA DE IDEIAS Pouco a Pouco Esqueça a surpresa, o ato de trabalhar em algo por meses e só ao final mostrar o resultado. Pode ser uma feliz surpresa ou um desastre total. Ataque as apresentações em estágios para corrigir o percurso antes que seja tarde demais. Trabalhe primeiro as piores idéias Quando não há boas ideias para inspiração, não desanime. Faça um protótipo de uma má ideia. Você pode saber que aquela não é a solução que você quer, mas se fizer protótipos pode acabar com ela mais depressa, ou talvez acabe eliminando o que há de ruim nela, ou talvez possa encontrar algo novo como trampolim. PROTOTIPAGEMFALHE ANTES PARA TER SUCESSO DEPOIS
  • 32. BUSINESS DESIGN 1 2 3 4 5 6 Não basta ter um grande design nas mãos se você não souber comunicá- lo. É hora de vender sua solução final. PRESENTATION 5 PRESENTATION
  • 33. BUSINESS DESIGNPRESENTATION 6 PRESENTATION Depois de sua expedição em campo, de sessões de Info Share e Brainstorm, você está munido com material rico o suficiente para que sua solução seja apresentada com alto impacto sensorial. Conte a história do seu processo de descoberta. As pessoas tendem comprar a forma como você pensa tanto quanto compram o produto final de sua trajetória. DICAS
  • 34. BUSINESS DESIGN 6 PRESENTATION é PRESENTATION DICAS
  • 35. BUSINESS DESIGN 6 PRESENTATION Para criar bons slides é preciso contar para o receptor todo o seu processo de trabalho, porém de forma resumida para não gastar muito tempo. Será preciso eliminar algumas partes. “Toda escrita é um processo de eliminação.” Martha Albrand PRESENTATION DICAS
  • 36. BUSINESS DESIGN Proporcione uma experiência memorável. 6 PRESENTATION PRESENTATION DICAS
  • 37. BUSINESS DESIGN Proporcione uma experiência memorável. 6 PRESENTATION PRESENTATION DICAS
  • 38. BUSINESS DESIGN 6 PRESENTATION Proporcione uma experiência memorável. Proporcione uma experiência memorável. PRESENTATION DICAS
  • 39. BUSINESS DESIGN Proporcione uma experiência memorável. 6 PRESENTATION PRESENTATION DICAS
  • 40. BUSINESS DESIGN WORKSHOP Parceria: www.inventta.net www.ologia.com.br R. Alvarenga Peixoto, 295/5º andar, Lourdes Belo Horizonte - MG CEP - 30180-120 renata.horta@inventta.net contato@ologia.com.br Rua Juiz de Fora, 115/sala 1208, Barro Preto Belo Horizonte - MG CEP - 30180-060