Tese
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
3,092
On Slideshare
3,089
From Embeds
3
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
31
Comments
0
Likes
1

Embeds 3

http://www.slideshare.net 3

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Didática da História e o slogan da formação de cidadãos
  • 2.
    • 1. Didática da História
    • =
    • Como
    • (teoria)
    • 2. Slogan da formação de cidadãos
    • =
    • O quê
    • (objeto = “representações” de professores de História sobre esse slogan)
    • LEFEBVRE, 1983
    1
  • 3.
    • 1. Didática da História
    • ( Geschichtsdidaktik )
    2 Estudo dos “processamentos da História sem forma científica”. PANDEL, 2006
  • 4.
    • “ A escola deve formar cidadãos críticos e participativos” ...
    • “ enquanto símbolo de um movimento social prático”.
    • SCHEFFLER, 1974
    2. Slogan da formação de cidadãos 3
  • 5.
    • 2005: São Paulo
    • Uma professora de escola estatal e de privada
    • Uma professora de escola estatal
    • Um professor de escola privada
    • 2006-2007: França
    • Um professor e uma professora de collège de centre-ville
    • Uma professora e dois professores de collège de village
    Pesquisa de campo didático-histórica ( geschichtsdidaktische Feldforschung ) 4
  • 6.
    • interpretive participational observation research methodology
    • ERICKSON, 1985
    • autoconfrontation simple
    • CLOT, 2000; FAÏTA, 2003
    Observação intensiva 5
  • 7.
    • (1) lembranças, apontamentos e notas de campo;
    • (2) registros de campo;
    • (3) gravações das aulas durante a observação;
    • (4) gravações das aulas em vídeo efetuadas pelos próprios professores;
    • (5) vídeos das entrevistas concedidas pelos professores;
    • SANJEK, 1990
    Tipos de fontes de dados 6
  • 8. 7
  • 9. 8
  • 10. 9
  • 11. 10
  • 12.
    • Introdução
    • 1. Definição de “pesquisa de campo didático-histórica”
    • 2. Cidadania é preciso, cidadania é impreciso
    • 3. Formar cidadãos...
    • 4. Formar cidadãos críticos...
    • 5. Formar cidadãos (...) participativos
    • 6. Metodologias de pesquisa de campo didático-históricas
    Sumário 11
  • 13.
    • Introdução
    • Objetivo da pesquisa;
    • Definição de slogan educacional (SCHEFFLER, 1974);
    • Objeto da pesquisa/Teoria das representações (LEFEBVRE, 1983);
    • Enfoque da pesquisa nas aulas de História;
    • Descrição dos professores observados e de suas escolas, em São Paulo e na França.
    12
  • 14.
    • 1. Definição de “pesquisa de campo didático-histórica”
    • Definição de cultura escolar (CHERVEL, 1990; 1998);
    • Definição de Didática da História, cultura histórica e consciência histórica na bibliografia germânica;
    • Definição de “pesquisa de campo didático-histórica”, diferenciada das Ciências da Educação, da etnografia da escolarização, da antropologia, da psicologia e da ergonomia.
    13
  • 15.
    • 2. Cidadania é preciso, cidadania é impreciso
    • Definição polissêmica de cidadania, dependente dos conceitos de “espaço público” e de “coletividade política” (AUDIGIER, 1999);
    • “ Espaço público”: definição de “vida privada” e de “vida pública” (ARENDT, 2005);
    • “ Coletividade política”: universalismo francês e comunitarismo anglo-saxão (DUMONT, 1983; 1994);
    • “ Formação” de cidadãos X Educação cívica: Democracia antiga como mito de origem da democracia moderna (FINLEY, 1988).
    14
  • 16.
    • 3. Formar cidadãos...
    • Definição de “educação” e de “formação” (PETERS, 1965; DUBET, 2002; ARENDT, 1972);
    • Definição de empatia histórica (BARING, 2006);
    • Análise dos episódios “Diários de Personagens do Egito Antigo” (Professora 1), “Ficha de estado civil” (Professor 6) e “‘Painéis’ sobre a obra de Antonil” (Professor 3).
    15
  • 17.
    • 4. Formar cidadãos críticos...
    • Uso “abusivo” de um conceito (TRAVERSO, 2002; ŽIŽEK, 2002; GARROS, 2005);
    • Análise de episódios do Professor 8 relacionados aos conceitos de comunismo e fascismo;
    • Análise de episódio da Professora 2 relacionado ao “mensalão”;
    • Questionamento do conceito de pós-convencionalidade (LELEUX, 2002).
    16
  • 18.
    • 5. Formar cidadãos (...) participativos
    • Análise dos seminários organizados pela Professora 1, pela Professora 2 e pelo Professor 3;
    • Descrição do ritual escolar francês relacionado à participação dos alunos;
    • Análise de representações da Professora 1 e da Professora 2 sobre participação dos alunos.
    17
  • 19.
    • Observação participante interpretativa;
    • Descrição dos tipos de fontes da dados;
    • Formas de análise das fontes de dados.
    6. Metodologias de pesquisa de campo didático-históricas 18
  • 20.  
  • 21.
    • Empatia histórica e educação para a cidadania
    • Nas representações de professores de História, há uma maior dificuldade para desenvolver a empatia diante de pensamentos e sujeitos contemporâneos que divergem da concepção liberal de cidadania, do que diante de pensamentos e sujeitos típicos de outras épocas que também divergem da mesma concepção liberal de cidadania. Essa dificuldade estaria relacionada a concepções de “cidadão crítico” presentes nas representações de professores de História.
    19
  • 22.
    • “ Cidadão participativo”
    • X “aluno participativo”
    • Apesar de os conceitos de “cidadão participativo” e de “aluno participativo” serem rigorosamente diferentes – na medida em que a escola é uma instituição pré-política e os alunos ainda não são cidadãos –, existe com freqüência uma confusão entre “cidadão participativo” e “aluno participativo” nas representações de professores de História.
    20