Joao gomes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Joao gomes

on

  • 1,241 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,241
Views on SlideShare
1,241
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
9
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Joao gomes Joao gomes Presentation Transcript

  • Cruz vermelha
    Portuguesa
  • Introdução:
    A Cruz Vermelha Portuguesa.
    A Cruz Vermelha Portuguesa, é uma instituição humanitária não governamental
    e de utilidade pública e portanto sem fins lucrativos, desenvolvendo a sua missão em obediência aos seus Princípios Fundamentais, adoptados por
    Conferência Internacional da Cruz Vermelha de 1965.
  • Civil
    Todas as pessoas que não sejam combatentes (em caso de dúvida a
    pessoa tem que ser considerada civil). Se e durante este tempo o Civil toma
    parte directamente nas hostilidades, é considerado combatente e perde a
    protecção.
  • Historia de Portugal :
    Fundada em 11 de Fevereiro de 1865 pelo Dr. José António Marques,
    a Cruz Vermelha Portuguesa tem cumprido as mais diversas missões humanitárias nos
    planos nacionais e internacionais. Em colaboração com organismos internacionais tem
    prestado socorros e assistência às populações de países assolados pela fome, guerra e
    outras situações de miséria. Independentemente da existência de guerra, ou não, e alheia
    a orientações políticas, acorre em prol da população, tanto em situações de rotina, como
    de emergência (desastres, epidemias, alterações da ordem pública e calamidades
    naturais de todo o tipo).
  • Acção social…
    A Cruz Vermelha Portuguesa, enquanto parte integrante de uma rede
    humanitária constituída pelas Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e Crescente
    Vermelho, pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do
    Crescente Vermelho (FICV) e pelo Comité Internacional da Cruz Vermelha, tem como
    missão proteger a dignidade humana, actuando, através da sua experiência operativa,
    junto dos mais vulneráveis.
  • Objecto de uma profunda reestruturação iniciada em 1978, o Hospital da Cruz
    Vermelha Portuguesa é, hoje, uma unidade hospitalar de referência que dispõe dos
    mais sofisticados meios tecnológicos e de um quadro clínico permanente de
    reconhecido prestígio. Graças à ampliação das instalações, à modernização dos
    equipamentos e ao reforço dos recursos humanos, o Hospital da Cruz Vermelha
    Portuguesa registou nos últimos cinco anos um significativo crescimento,
    qualitativo e quantitativo, dos serviços de saúde prestados, nomeadamente nas áreas
    de cardiotorácica, vascular, ortopedia e oftalmologia. Com mais de 8.000
    intervenções cirúrgicas realizadas, 1.391 nascimentos, 13.200 internamentos, 25.500
    consultas e 3.740 urgências efectuadas em 2002, o Hospital da Cruz Vermelha
    Portuguesa não só aumentou significativamente a sua actividade como
    profissionalizou e especializou as suas equipas, nomeadamente, de técnicos,
    enfermeiros e auxiliares.
    Saúde…
  • Socorrismo…
    As Unidades de Socorro são constituídas por voluntários devidamente
    preparados e com formação técnico-profissional adequada para o cumprimento das
    missões de auxílio, assistência, tratamento de doentes e feridos, levantamento,
    transporte e primeiros socorros, quer em tempo de paz, quer em tempo de guerra. Aos
    voluntários que se oferecem para prestar serviço nas Unidades de Socorro é ministrado
    um Curso de Formação Base que assenta em três áreas didácticas.
    Este curso confere-lhe a habilitação de Tripulante de Ambulância de Transporte.
  • A Escola Profissional Almirante Domingos Tasso de Figueiredo,
    abreviadamente designada por EPTF, criada em Agosto de 1992, é um estabelecimento
    de ensino privado, que goza de autonomia cultural, científica, tecnológica e pedagógica.
    A EPTF tem como objectivos para a prossecução do seu projecto educativo, o exercício
    de actividades de educação, ensino e formação profissional, bem como o
    desenvolvimento de actividades nos domínios da investigação e divulgação científica e
    tecnológica, para além das relacionadas com o desenvolvimento pessoal e social das
    populações alvo. A interactividade criada com o meio local e a capacidade da EPTF
    induzir nos seus parceiros e colaboradores acções que dinamizem os próprios
    objectivos, faz dela uma organização aberta e participativa, que sem esquecer os
    Princípios Fundamentais da Cruz Vermelha, desempenha um papel relevante na
    formação de jovens e adultos, que através dela, encontram a via para se afirmarem como
    cidadãos plenos. O nome atribuído à Escola é o do 7º Presidente Nacional da Cruz
    Vermelha Portuguesa.
    Formaçao…
  • A intervenção humanitária internacional da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP)
    responde a um imperativo que orienta todo o Movimento Internacional da Cruz
    Vermelha e do Crescente Vermelho, o de "prevenir e aliviar o sofrimento humano onde
    quer que ele se verifique". As necessidades dos beneficiários são, por tal, a principal
    justificação das intervenções internacionais e, nesse sentido, nenhuma área geográfica é
    excluída da acção humanitária. Não obstante, há uma certa concentração geográfica das
    actividades de cooperação internacional da CVP que se prende, essencialmente, com
    razões históricas e culturais que contribuem para o impacto e eficiência dos laços que
    nos unem a outras Sociedades Nacionais.
    Internalização…
  • Pesquisa e localização…
    Movimentações de populações, refugiados, prisioneiros e mortos fazem parte
    das consequências dramáticas de uma guerra. Estas são muitas vezes acompanhadas
    pela ruptura dos meios tradicionais de comunicação e da impossibilidade de as pessoas
    se deslocarem livremente. Milhares de familiares são, assim, separados, sem notícias
    uns dos outros, e vivem na angústia de conhecer o paradeiro dos seus pais, filhos e
    irmãos desaparecidos e da vontade de se voltarem a reunir. Assim sendo, e com o apoio
    das Sociedades Nacionais, a ACP do CICV leva a cabo as seguintes actividades:
    - Restabelecimento e manutenção dos contactos familiares através da troca de
    mensagens Cruz Vermelha;
    Localização e apoio aos prisioneiros de guerra;
    - Informação às famílias sobre o paradeiro dos seus parentes mais próximos;
    - Reagrupamento familiar;
    - Fornecimento de documentos de viagem que permitam às pessoas sem
    documentos de identidade a entrada num país de acolhimento.
  • Ajuda a madeira e a todos nós:
  • A madeira é um dos bons casos de cruz vermelha
    A Delegação da Madeira da Cruz Vermelha Portuguesa foi a 5.ª Delegação da
    então designada Comissão Portuguesa de Socorros a feridos e doentes militares em
    tempo de Guerra, a ser instalada no país, decorria o ano de 1870. No entanto, a
    instalação “in facto” da Delegação só aconteceu no ano de 1914, a 14 de Novembro
    sendo seus fundadores o Dr. Eliseu de Sousa Drumond, Capitão José Sotero e Silva,
    Tenente António Agostinho Câmara e Manuel Passos de Freitas, aquando das primeiras
    batalhas da guerra de 1914. Na Madeira foi por altura de 1916 que a guerra fez a sua
    mais violenta aparição tendo a jovem Delegação, na altura, marcado a sua presença na
    zona da Quinta Vigia e Fortaleza de São Tiago, zonas que tinham sido bombardeadas
    pelos submarinos alemães.
  • Alguns tipos de resgate :
  • Voluntariado do Apoio Geral é constituído por voluntários que desempenham
    tarefas essencialmente de natureza social, convenientemente preparados e organizados
    pela CVP. É a herdeira da Secção Feminina criada em 1945, pela voluntária Carolina da
    Rocha Machado. Dentro das actividades desenvolvidas são de realçar o apoio a grupos
    de idosos carenciados; visitas a doentes internados nos hospitais; selecção e distribuição
    de roupas; serviço de café nas consultas externas do Centro Hospitalar do Funchal e
    ainda um peditório anual no mês de Maio e Bazar de Natal para angariação de fundos.
    Voluntarios
  • Corpo voluntario de juventude:
    O Corpo de Juventude da CVP tem como objectivo desenvolver, nos jovens dos 8 aos
    29 anos, os elevados princípios da Instituição, bem como os valores de cooperação e da
    solidariedade, devendo as suas actividades atender sempre aos interesses e capacidades
    dos diversos escalões etários a que se destinam, visando o desenvolvimento individual e
    colectivo dos seus elementos. O Corpo de Juventude da CVP/Madeira foi constituído a
    01 de Abril de 2005 e durante este curto período de existência tem vindo a participar em
    diversas campanhas devidamente programadas em conjunto com a coordenação
    nacional, nomeadamente a campanha “ Tá-se Bem ao Sol”, e outras em parceria com organismos regionais.
  • Trabalho elaborado por :
    - João Sousa
    - João Gomes