• Like
Momento Saresp  Matrizes  Margarete
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Momento Saresp Matrizes Margarete

  • 9,286 views
Published

 

Published in Business , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
9,286
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
164
Comments
1
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Trabalho de elaboração e validação das matrizes Elaboração das matrizes por especialistas considerando: proposta curricular; Matrizes do Saeb/prova Brasil e as referências do Pisa.
  • 2. O que é matriz de referência para a avaliação?
  • 3. Matriz de referência Lista hierarquizada dos conteúdos de uma disciplina a serem aprendidos numa determinada série ou ciclo. Associadas a esses conteúdos são indicadas as competências cognitivas envolvidas, das quais os alunos farão uso para a adequada construção do conhecimento.
  • 4. Matriz  O “cruzamento” dos conteúdos com as competências (operações mentais) envolvidas, nos seus diferentes níveis de complexidade, gera as associações desejadas e, em cada uma delas, temos a indicação das habilidades.
  • 5.  Elaboração das Matrizes de Referência da Avaliação a partir do currículo estabelecido;  Definição clara de competências e habilidades, em cada disciplina e ciclo, com a indicação das expectativas de aprendizagem a serem avaliadas;  Criação do Banco de Itens;  Anualmente, avaliação em Língua Portuguesa e Matemática para compor o programa de Gestão por Resultados;
  • 6. Saresp 2009  Provas calibradas (itens pré-testados)  Habilidades comuns às do Saeb;  Resultados na escala de proficiência do Saeb;  Provas calibradas (itens pré-Dados integram a base de informações para a Gestão por Resultados);  Itens pré-testados;
  • 7. Destaques Conteúdos :  informação não é conhecimento.  memória não é inteligência.  Competências e habilidades:  dados estruturais da inteligência humana.  ações e operações mentais com as quais construímos conhecimentos.
  • 8. Dos instrumentos:  Provas referenciadas em avaliação de competências e habilidades.  Respeito aos níveis de desenvolvimento cognitivo dos alunos.  Itens de resposta construída pelos alunos.
  • 9. Características novas das provas  Metodologia BIB espiral/cadernos de prova. (blocos incompletos balanceados)  Análise TRI e Análises Clássicas. (teoria de resposta ao item)  Escala de Proficiência Saeb/Saresp.  Idesp.
  • 10. Abrangência:  2ª, 4ª, 6ª e 8ª séries do Ensino Fundamental.  3ª série do Ensino Médio.
  • 11. Áreas de Conhecimento:  Língua Portuguesa (incluindo Redação).  Matemática.  Ciências e Ciências da Natureza.  História e Geografia e Ciências Humanas (em 2009).
  • 12. Proposta para a 4ª série EF  Língua Portuguesa  Matemática  Conhecimentos gerais com cinco itens contextualizados em História, cinco em Ciências e cinco em Geografia.
  • 13. Aprender a conviver Competência social . Aprender a ser Competência pessoal Aprender a fazer Competência produtiva 4 Eixos da Educação Aprender a aprender Competência cognitiva
  • 14. Comparar Concluir Exploração Partilha Olhar Relacionar Curiosidade Descoberta
  • 15. Elementos conceituais gerais envolvidos na elaboração das matrizes
  • 16. Tema 1­ Universo, céu e sistema Terra – Sol – Lua.
  • 17. Competências Cognitivas  Entende-se por competências cognitivas as modalidades estruturais da inteligência, ou melhor, o conjunto de ações e operações mentais que o sujeito utiliza para estabelecer relações com e entre os objetos, situações, fenômenos e pessoas que deseja conhecer.
  • 18. Competências Cognitivas  A concepção de competência prende-se a uma compreensão da inteligência humana que atua ou opera como uma estrutura de conjunto não sendo possível destacar uma única operação mental como responsável por um determinado desempenho ou aprendizagem, mas um conjunto ou agrupamento delas que atuam simultaneamente na construção de conhecimentos.
  • 19.  Lino de Macedo, apoiado em estudos piagetianos, denomina esses conjuntos ou grupos como Coordenadores Cognitivos e indica que eles representam os aspectos funcionais da formação e do funcionamento dos esquemas de assimilação e de transformações dos objetos no processo de construção de conhecimentos.
  • 20. O Grupo I ou de esquemas presentativos  Envolve essencialmente competências responsáveis pela reprodução de conhecimentos já construídos para o reconhecimento de fatos ou de representações de problemas comuns.  Refere-se a operações mentais de repetição por semelhança ou diferença e realiza principalmente operações por correspondência aos dados observáveis.
  • 21. O Grupo I ou de esquemas presentativos  Nesse grupo encontram-se as ações e operações mentais que possibilitam a apreensão das características e propriedades permanentes e simultâneas de objetos comparáveis, e vão gradativamente propiciando a construção dos conceitos.
  • 22. O Grupo I ou de esquemas presentativos  Fazem parte deste conjunto, denominado GRUPO I, as seguintes competências:  observar / identificar / reconhecer / indicar / apontar / identificar / localizar/ descrever / discriminar / constatar / representar graficamente e representar quantidades.
  • 23. Tema 1­ Universo, céu e sistema Terra – Sol – Lua.
  • 24. O Grupo II ou de esquemas procedimentais  Apóia-se nas competências do Grupo I, mas incorpora qualidades diferentes de operações mentais, pois envolve competências responsáveis por realizar transformações, e não simples correspondências dos esquemas de assimilação às propriedades dos objetos de conhecimento.
  • 25. O Grupo II ou de esquemas procedimentais  Nesse grupo, encontram-se ações mentais mais coordenadas que pressupõem o estabelecimento de relações entre os objetos. São competências, que, em geral, permitem atingir o nível da compreensão e a explicação, mais que o saber fazer, pois supõem alguma tomada de consciência dos instrumentos e procedimentos utilizados, possibilitando sua aplicação a outros contextos.
  • 26. O Grupo II ou de esquemas procedimentais  Competências do Grupo II:  Classificar / seriar / ordenar / conservar / compor e decompor / fazer antecipações / calcular por estimativa / medir / interpretar.
  • 27. O Grupo III ou de esquemas operatórios  Inclui ações e operações de transformação que coordenam vários esquemas de assimilação. Essa coordenação é responsável pelo planejamento e escolha de estratégias para resolver problemas em situações pouco familiares e mais originais do que as do Grupo II.
  • 28. O Grupo III ou de esquemas operatórios  No Grupo III, encontram-se ações e operações mentais mais complexas, reflexivas e abstratas que envolvem a utilização de raciocínio hipotético dedutivo.  Essas competências tornam possível a aplicação de conhecimentos construídos em situações diferentes e para a resolução de problemas inéditos.
  • 29. O Grupo III ou de esquemas operatórios  Competências do Grupo III:  Analisar / aplicar relações ou conhecimentos, fatos e princípios / avaliar, criticar, analisar e julgar / explicar causas e efeitos / apresentar conclusões / levantar suposições / fazer prognósticos / fazer generalizações indutivas e construtivas / justificar.
  • 30. O que são Habilidades?  As habilidades traduzem as associações entre conteúdos e competências. Funcionam como indicadores ou descritores do que o aluno deve demonstrar como desempenho e permite concluir se houve de fato aprendizagem e em que nível ela ocorreu.
  • 31. • média de proficiência • distribuição dos alunos nos níveis de desempenho Abaixo do básico Básico Adequado Avançado
  • 32. PAG. 43
  • 33. Saresp na Escola PAG. 32
  • 34. Janela sobre a memória À beira-mar, um oleiro se aposenta, em seus anos finais. Seus olhos se cobrem de névoa, suas mãos tremem: chegou a hora do adeus. Então acontece a cerimônia de iniciação: o oleiro velho oferece ao oleiro jovem sua melhor peça. Assim manda a tradição, entre os índios do noroeste da América: o artista que se despede entrega sua obra-prima ao artista que se apresenta. E o oleiro jovem não guarda esta peça perfeita para contemplá-la e admirá- la: a espatifa contra o solo, a quebra em mil pedacinhos, recolhe os pedacinhos e os incorpora à sua própria argila. Eduardo Galeano
  • 35. Muito obrigada pela sua atenção! Margarete Agosta de Arruda e-mail: mgte@terra.com.br