Your SlideShare is downloading. ×
O que são prostaglandinas
O que são prostaglandinas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O que são prostaglandinas

44,855

Published on

Prostaglandinas

Prostaglandinas

Published in: Education
1 Comment
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
44,855
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
191
Comments
1
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O que são prostaglandinas? As prostaglandinas são ácidos graxos modificados, frequentemente derivados de lipídios da membrana plasmática. Receberam esse nome por terem sido detectadas pela primeira vez no sêmen e terem sido consideradas produto da próstata, estrutura do sistema reprodutor masculino. Hoje sabemos que são produzidas e liberadas pela maior parte das células do corpo (se não todas), tanto em homens quanto em mulheres, diretamente para o fluido intersticial (que banha todas as células), funcionando como reguladores locais e afetando as células circundantes de várias maneiras. Desde sua descoberta já foram identificados cerca de 16 tipos de prostaglandinas, que, embora tenham propriedades de hormônios, diferem destes por uma série de razões: • são os únicos ácidos graxos conhecidos com atividade hormonal; • são produzidos pela membrana plasmática das células, enquanto hormônios normalmente são produzidos por estruturas do epitélio; • seus tecidos-alvo são os mesmos onde são produzidos, podendo ainda ser o tecido de outro indivíduo; • produzem efeitos muito acentuados em doses muito pequenas. Entre os efeitos mais estudados das prostaglandinas, podem-se destacar os seguintes: a) Capacidade de induzir contrações em musculatura lisa, desempenhando importante papel na reprodução. Após o ato sexual, prostaglandinas produzidas pelo homem e encontradas no sêmen aparecem no trato reprodutor feminino, onde induzem contrações da parede do útero e do oviduto. Isto ajuda tanto a movimentação do espermatozóide em direção ao oviduto quanto a do ovócito em direção ao espermatozóide. A mulher também produz prostaglandinas, em células da parede do útero durante o período menstrual e na placenta, durante a gravidez, que estimulam as contrações da parede uterina. Foram encontradas concentrações dessa substância 2 a 3 vezes maiores em mulheres que apresentam cólicas acentuadas no primeiro e segundo dias do período menstrual e, nestes casos, a administração de inibidores de prostaglandinas reduz a dor. b) Outros tipos de prostaglandina inibem contrações da musculatura lisa, como ocorre em bronquíolos e vasos sanguíneos, atuando na coagulação do sangue e na constrição dos vasos. c) Outro grupo produzido pelas células sanguíneas está envolvido em respostas inflamatórias e de defesa do organismo. Várias prostaglandinas ajudam a induzir febre e inflamação e também intensificam a sensação de dor, o que se acredita que funcione como um alarme, indicando que algo não vai bem. A descoberta de que as prostaglandinas atuam nesse processo ajudou a desvendar o mecanismo de atuação da aspirina (muito utilizada há anos, mas cujo funcionamento permanecia um mistério até bem pouco tempo). Descobriu-se que ela atua inibindo a produção de prostaglandinas, aliviando assim os sintomas de dor, febre e inflamação.Os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) são uma das classes de medicamentosmais usadas no mundo. Existem mais de 20 drogas diferentes, sendo as mais famosas: AAS (ácido acetilsalicílico) Diclofenaco Ibuprofeno Naproxeno Piroxican
  • 2. Anti-inflamatóriosOs AINES agem inibindo uma enzima chamada ciclooxigenase que produz outrachamada prostaglandina. São essas as substâncias responsáveis pela inflamação e dor.Porém, existem mais de um tipo de prostaglandina e ciclooxigenase, apresentandooutras funções além de mediar processos inflamatórios. Como a inibição realizada pelosanti-inflamatórios é não seletiva, além de abortar a inflamação, ocorre também umaalteração nos efeitos benéficos dessas substâncias.As prostaglandinas são responsáveis pelos seguintes efeitos no organismo:- Proteção do estômago contra ácidos produzidos no seu interior = Quando asprostaglandinas são inibidas, aumenta-se o risco de formação de gastrite e úlceras. Umadas principais causas de hemorragia digestiva é uso indiscriminado de AINES. OColecoxib é de uma classe chamada inibidores da COX2 que não afeta asprostaglandinas do estômago e por isso causam menos lesões gástricas.- Fluxo de sangue no rins = Pessoas normais conseguem tolerar essas alterações, maspacientes com problemas renais dependem muito das prostaglandinas para função dosrins, e sua inibição pode levar a um quadro de insuficiência renal aguda. Não existenenhum anti-inflamatório que não piore a função renal em pacientes cominsuficiência renal. São todos contra-indicados neste caso.- Coagulação sanguínea = Todos os AINES atuam nas plaquetas, diminuindo suaatividade. O AAS é a substância que mais inibe a função das plaquetas. Esse efeitocolateral é freqüentemente aproveitado em doentes com risco de infarto. É o que osleigos chamam de "afinar o sangue". Neste caso, o efeito colateral é benéfico. Mas essainibição das plaquetas e da coagulação pode ser perigosa em doentes que se submeterãoa cirurgias ou que apresentem algum traumatismo. Deve-se sempre suspender o AAS 7dias antes das operações. Os AINES são drogas seguras se administradas com indicaçãomédica. O problema é que esta talvez seja a classe de drogas mais auto-prescrita pelapopulação. Existem inúmeros efeitos colaterais e interações com outros medicamentosque devem ser levados em conta antes de tomá-los. Além dos efeitos já descritos acima,também podem ocorrer:Portanto, apesar de ser uma droga muito usada e segura, ela está longe de não apresentarcomplicações. Seu uso sem critérios pode levar a consequências graves.Um dos mais famosos casos de pressão da indústria farmacêutica na aprovação dedrogas aconteceu sobre os inibidores da COX2. Não havia estudos suficientes sobreefeitos colaterais e há suspeitas de ocultação de dados. Após ser lançado com granderepercussão pela pouca toxicidade gástrica, o Rofecoxib (VIOXX) foi retirado domercado quando um estudo que tentava provar seu benefício no câncer de cólonmostrou um aumento de infartos e AVCs nos pacientes que estavam tomando estadroga.

×