Geo 2 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - rios

5,037 views
4,891 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,037
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,031
Actions
Shares
0
Downloads
268
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Geo 2 ocupação antrópica e problemas de ordenamento - rios

  1. 1. Ocupação antrópica e problemas de ordenamento - Bacias Hidrográficas
  2. 2. Nuno Correia 10/11 2
  3. 3. [...] passavam dez minutos das 21 horas de quatro de Março [...]; um dos pilares da ponte cedeu, o tabuleiro partiu-se, o autocarro mergulhou nas águas rápidas do Douro, um rio tornado mais agressivo do que o habitual pelo Inverno rigoroso que se fez sentir durante meses. [...] O relatório do desastre da Hintze-Ribeiro -com mais de cem anos de idade - apontou o dedo acusador à extracção desregrada de areias do leito do Douro. [...] A consequência política directa foi o pedido de demissão, ainda na madrugada do dia 5, do Ministro do Equipamento Social. Anuário Expresso,2001 A demissão do Ministro do Equipamento Social reflecte a assunção, por parte do Governo, de falhas ao nível da política de ordenamento do território. Explique, de forma resumida, a importância de medidas coerentes e eficazes de ordenamento do território. Nuno Correia 10/11 3
  4. 4. Nuno Correia 10/11 4
  5. 5. 1607 flood that affected Burnham-On-Sea Nuno Correia 10/11 5
  6. 6.  São cursos de água, mais ou menos contínuos, que correm em leito próprio, transportando partículas de rochas de várias dimensões e substâncias em solução. Nuno Correia 10/11 6
  7. 7.  O conjunto de todos os cursos de água ligados a um rio principal. Nuno Correia 10/11 7
  8. 8.  área onde está implantada a rede corresponde à respectiva bacia hidrográfica. Nuno Correia 10/11 8
  9. 9.  Espaço que pode ser ocupado pelas águas.  Leito pode ser ▪ Ordinário / aparente ▪ Cheia ▪ Estiagem Nuno Correia 10/11 9
  10. 10. Nuno Correia 10/11 10
  11. 11. Ribeira num colector Ribeira num colector Funchal - Madeira Nuno Correia 10/11 11
  12. 12. A A B B C Nuno Correia 10/11 12
  13. 13. Estrada Leito de Cheia Ribeira num colector Nuno Correia 10/11 13
  14. 14. Rio Tejo - Ribatejo Nuno Correia 10/11 14
  15. 15. Rio Douro – Miragaia (Porto) Nuno Correia 10/11 15
  16. 16. Nuno Correia 10/11 16
  17. 17. Nuno Correia 10/11 17
  18. 18. Nuno Correia 10/11 18
  19. 19. Nuno Correia 10/11 19
  20. 20. Nuno Correia 10/11 20
  21. 21. Nuno Correia 10/11 21
  22. 22.  Meteorização e erosão  Transporte  Sedimentação Nuno Correia 10/11 22
  23. 23. Foto cedida : João Nogal Nuno Correia 10/11 23
  24. 24. Nuno Correia 10/11 24
  25. 25.  Extracção progressiva de materiais do leito e das margens do rio. Deve-se à pressão exercida pela água em movimento sobre as saliências do leito e das margens dos rios Nuno Correia 10/11 25
  26. 26. Rio Âncora Rio Caima Nuno Correia 10/11 26
  27. 27. Nuno Correia 10/11 27
  28. 28. Rio Guadiana – Pulo do Lobo (Mértola) Nuno Correia 10/11 28
  29. 29. Nuno Correia 10/11 29
  30. 30.  Deslocação dos detritos rochosos erodidos pela corrente de água para outros locais.  Designa-se por Carga sólida de um curso de água o conjunto de fragmentos sólidos por ele transportados. Nuno Correia 10/11 30
  31. 31. Foto cedida : João Nogal Nuno Correia 10/11 31
  32. 32. Nuno Correia 10/11 32
  33. 33. Nuno Correia 10/11 33
  34. 34.  Deposição dos materiais ao longo do leito e nas margens dos cursos de água – nos terraços fluviais, nos deltas e nos aluviões Nuno Correia 10/11 34
  35. 35. Nuno Correia 10/11 35
  36. 36. Foto cedida : João Nogal Nuno Correia 10/11 36
  37. 37. Nuno Correia 10/11 37
  38. 38. Foz do Douro Nuno Correia 10/11 38
  39. 39. Formação de um delta Nuno Correia 10/11 39
  40. 40. A deposição de materiais é importante quando ocorrem cheias. Nuno Correia 10/11 40
  41. 41. Nuno Correia 10/11 41
  42. 42.  Fenómeno natural provocado por precipitação intensa de curta duração, por precipitação muito prolongada ou por fusão dos gelos. Nuno Correia 10/11 42
  43. 43. Nuno Correia 10/11 43
  44. 44. Chuvas concentradas de intensas Chuvas contínuas 1. Climáticas Fusão rápida da neve Chuvas + Fusão rápida da neve Causas 2. Marinhas Caudal abundante + elevação do nível do mar das cheias Obstáculos transportados pelos rios 3. Obstáculos e derrocadas Desmoronamentos das margens para o leito Nuno Correia 10/11 44
  45. 45. Precipitações longas e moderadas Precipitações repentinas e de elevada intensidade. Fusão de grandes massas de gelo. Ruptura de barragens e de diques.  O excesso de água aumenta os caudais dos cursos e o leito normal extravasa, provocando a inundação das zonas mais próximas – leito de cheia. A elevação do leito pode acarretar elevados prejuízos materiais e humano. Nuno Correia 10/11 45
  46. 46. Os egípcios sabiam lidar bem com cálculos e faziam previsões das cheias do Nilo. Nuno Correia 10/11 46
  47. 47. Boas ou más? Depende do ponto de vista!! Nuno Correia 10/11 47
  48. 48. Más !! Ocupação antrópica Nuno Correia 10/11 48
  49. 49. Nuno Correia 10/11 49
  50. 50. Nuno Correia 10/11 50
  51. 51.  Cartas de vulnerabilidade e de risco  Correcta ocupação do Território  Previsão e medição da precipitação e dos caudais  Limpeza dos canais e manutenção das secções de escoamento  Manutenção de estruturas protectivas (como os diques naturais e artificiais)  Vigilância de infra-estruturas existentes no sistema fluvial (barragens, etc.)  Informação à população Nuno Correia 10/11 51
  52. 52. Nuno Correia 10/11 52
  53. 53. Nuno Correia 10/11 53
  54. 54. Nuno Correia 10/11 54
  55. 55. Nuno Correia 10/11 55
  56. 56. Nuno Correia 10/11 56
  57. 57.  Construir sistemas integrados de regularização dos cursos de água (barragens e canais)  Alargamento, aprofundamento e remoção de obstáculos nos leitos dos rios. Nuno Correia 10/11 57
  58. 58. Nuno Correia 10/11 58
  59. 59. Nuno Correia 10/11 59
  60. 60. Nuno Correia 10/11 60
  61. 61. Nuno Correia 10/11 61
  62. 62. Nuno Correia 10/11 62
  63. 63. Nuno Correia 10/11 63
  64. 64. Nuno Correia 10/11 64
  65. 65. (T.F. - transporte de fundo; T.S. - transporte em suspensão) Nuno Correia 10/11 65
  66. 66. Nuno Correia 10/11 66
  67. 67. Rio Mondego Nuno Correia 10/11 67
  68. 68. Nuno Correia 10/11 68
  69. 69. Nuno Correia 10/11 69
  70. 70. Nuno Correia 10/11 70
  71. 71. Nuno Correia 10/11 71
  72. 72. Entre-os-rios 72 Nuno Correia 10/11
  73. 73.  Associada à acumulação de sedimentos nos rios, como consequência da construção de barragens, floresce a actividade de extracção de inertes. Nuno Correia 10/11 73
  74. 74. Nuno Correia 10/11 74
  75. 75. Nuno Correia 10/11 75
  76. 76. Nuno Correia 10/11 76
  77. 77. Liuzhou – China Nuno Correia 10/11 77

×