Geo 11   gruta de naica - aula prática
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Geo 11 gruta de naica - aula prática

on

  • 2,003 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,003
Views on SlideShare
2,003
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
73
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Geo 11   gruta de naica - aula prática Geo 11 gruta de naica - aula prática Presentation Transcript

  • Aula Prática – Grutas de Naica
  • Nuno Correia 11/12 2
  • Os Megacristais de Selenite da Serra de NaicaA serra de Naica, no Norte do México, formou-se há cerca de 26 M.a., quando uma bolsade magma quente se elevou a partir do interior da Terra, até se alojar a cerca de 1140 mde profundidade, dobrando as rochas carbonatadas. Simultaneamente, a serra foiimpregnada com fluidos de elevada temperatura ricos em minerais, levando à instalaçãode filões de sulfuretos de chumbo, de prata e de zinco. Posteriormente, quando os fluidoshidrotermais começaram a arrefecer, instalaram-se filões de quartzo, de calcite e deanidrite. Há cerca de 1 a 2 M.a., forças tectónicas deram origem a fissuras e a fraturasrelacionadas com as três principais falhas que ainda hoje controlam a ascensão dos fluidostermais. Estes fluidos, altamente mineralizados, conduziram ao desenvolvimento de grutas.A Figura 1 representa esquematicamente um corte da serra de Naica, estando assinaladasas grutas, os corpos de minérios e as falhas. Durante um período de cerca de 500 milanos, à medida que a temperatura baixava e ocorria a dissolução lenta da anidrite –mineral semelhante ao gesso, mas desprovido de moléculas de água, ou seja, um sulfatode cálcio anidro –, foram-se formando grandes cristais de selenite, uma variedade degesso. O desenvolvimento destes cristais no interior das grutas foi possível devido a ummecanismo baseado na diferença de solubilidade entre o gesso e a anidrite a umatemperatura estável de 58 ºC, como está esquematizado na Figura 2. Na serra de Naica,no século XIX, teve início a exploração mineira de uma das mais importantes jazidasmundiais de sulfuretos de chumbo, de zinco e de prata. De modo a permitir os trabalhosde mineração em zonas antes inundadas, tem sido feito o bombeamento de água para asuperfície, possibilitando também a exploração agrícola na região. 3 Nuno Correia 11/12
  • Nuno Correia 11/12 4
  • Nuno Correia 11/12 5
  • Nuno Correia 11/12 6
  • Nuno Correia 11/12 7
  • Nuno Correia 11/12 8
  • Propriedades do mineral selenite Composição química - CaS04-2(H20) Cor - branca ou incolor Densidade - 1.5 a 2 Diafaneidade - transparente a translúcida Fratura – fibrosa Hábito (forma) - cristal perfeito (prismático tabular) Dureza – 2 Risca – branca Clivagem - perfeita numa das facesNuno Correia 11/12 9
  • cristal - crystal - porção de matéria sólida, limitada ounão por faces planas, cuja estrutura interna secaracteriza pela repetição periódica de um motivo(composto por átomos) nas três direções do espaço. Nuno Correia 11/12 10
  • A formação e desenvolvimento de cristais implicam determinadascondições do meio.Os movimentos das partículas dependem não só das condiçõesinternas inerentes à própria natureza das substancias quecristalizam mas também fatores externos.Os principais fatores externos que condicionam a formação decristais são:• a agitação do meio em que se formam;• o tempo; o espaço disponível;• e a temperatura. Nuno Correia 11/12 11
  • Quanto mais calmo estiver o meio, quanto mais lento for oprocesso e quanto maior for o espaço disponível, maisdesenvolvidos e perfeitos são os cristais obtidos.As partículas vão-se organizando ordenadamente nas diferentesdireções do espaço, o que determina um crescimento harmónico. Nuno Correia 11/12 12
  • Abbé Haüy Nuno Correia 11/12 13
  • A forma dos cristais é dependente das condições envolventes,mas a estrutura cristalina é constante e independente dessascondições.A estrutura cristalina é formada por fiadas de partículasordenadas ritmicamente segundo diferentes direções doespaço. Essas fiadas definem, assim, uma rede em queexistem unidades de forma paralelepipédica que constituema malha elementar ou motivo cristalino, unidades essas quese repetem. 14 Nuno Correia 11/12
  • Nuno Correia 11/12 15
  • Nuno Correia 11/12 16
  • A estrutura cristalina implica, pois, uma disposiçãoordenada dos átomos ou iões, que formam uma redetridimensional que segue um modelo geométrico regular ecaracterístico de cada espécie mineral.A interação das partículas tende a criar uma estruturaordenada em que as ligações entre elas sejam tãonumerosas e fortes quanto possível.Nos cristais, cada partícula é um átomo ou ião que ocupauma posição de modo a ordenar-se no espaço segundouma rede própria, ficando depois a oscilar em torno dasua posição de equilíbrio. Nuno Correia 11/12 17
  • Propriedades como a clivagem, condutibilidade caloríficae mesmo as diferenças de dureza verificadas emdiferentes direções numa mesma face de um cristal sãofacilmente explicadas à luz da teoria reticular. Nuno Correia 11/12 18
  • Essas propriedades dependem das forças que ligam as partículas entre si. Um mineral cliva mais facilmente segundo planos ligados por forças mais fracas e estes são sempre para elos uns aos outros. A forma poliédrica é, geralmente, uma consequência do arranjo interno das partículas. 19Nuno Correia 11/12
  • Em grande parte dos cristais, essa forma poliédrica não é visível. Nuno Correia 11/12 20
  • Nuno Correia 11/12 21
  • Nuno Correia 11/12 22
  • Nuno Correia 11/12 23
  • Nuno Correia 11/12 24
  • Nuno Correia 11/12 25
  • Nuno Correia 11/12 26
  • Nuno Correia 11/12 27
  • Nuno Correia 11/12 28
  • Um homem, submetido a aquecimento préviode 45ºC na Gruta de Naica, ingere gelopicado, em intervalos regulares. Os gráficosrelacionam a temperatura da pele, atemperatura interna e a sudorese nessehomem, nas condições dadas.Com base nos dados desses gráficos, écorreto afirmar que...a) ... a elevação da sudorese provoca um arrefecimento da pele.b) .. a redução da temperatura interna provoca redução da temperatura da pele.c) ... a redução da temperatura interna ocorre simultaneamente com o aumento da taxa de sudorese.d) .. o aumento da temperatura da pele ocorre no momento da ingestão do gelo.(Selecione a opção correta.) Nuno Correia 11/12 29
  • Um mamífero que esteja num ambiente frio e húmido, para regular a sua temperatura corporal, recorrerá a diversos mecanismos. Explique o processo que permite efetuar essa regulação. Nuno Correia 11/12 30
  • 3. Na área do Pantanal no Brasil, os jacarés aquecem-se ao sol nas margens dos riosdurante o dia e, como a água arrefece mais lentamente do que a terra, submergem ànoite. Essa estratégia dos crocodilos está relacionada com o facto de eles...a) ... serem ectotérmicos e por isso utilizarem o calor resultante da atividade metabólica durante a noite.b) ... serem ectotérmicos, dependendo de fontes externas de calor para a regulação da temperatura corporal.c) ... dependerem da água para a fecundação e para o desenvolvimento dos seus ovos.d) ... apresentarem o corpo revestido por um tegumento que funciona como superfície respiratória durante a noite e evita a dessecação durante o dia.e) ... não terem pulmões com uma superfície suficiente para uma troca gasosa eficiente, necessitando de realizar a absorção de oxigénio a partir da água do meio. (Selecione a opção correta.) Nuno Correia 11/12 31