ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas

1,378 views
1,269 views

Published on

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,378
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas

  1. 1. <ul><li>Exploração das Potencialidades da Biosfera </li></ul><ul><li>CONTROLO DE PRAGAS </li></ul>Nuno Correia
  2. 2. <ul><li>Espécie indesejável para o ser humano pelos danos que causa em bens materiais, como culturas agrícolas – que se traduz em competição alimentar – ou, na saúde humana, designa-se praga . </li></ul>Nuno Correia
  3. 3. <ul><li>Pesticidas ou agentes biocidas , são produtos químicos, nos quais se incluem os insecticidas , herbicidas , os rodenticidas e os fungicidas . </li></ul>Nuno Correia
  4. 4. <ul><li>Os diversos pesticidas diferem quando ao espectro de acção e à persistência . </li></ul>Nuno Correia
  5. 5. <ul><li>Largo espectro são tóxicos para um elevado número de espécies. </li></ul>Nuno Correia
  6. 6. <ul><li>Persistentes , quando se mantêm activos durante longos períodos de tempo (superior a um ano). </li></ul>Nuno Correia
  7. 7. <ul><li>A utilização de pesticidas permite aumentar a produtividade agrícola e combater doenças como a malária e o paludismo. </li></ul>Nuno Correia
  8. 8. <ul><li>Pode levar ao desenvolvimento de espécies resistentes por um mecanismo de selecção natural dirigida. </li></ul>Nuno Correia
  9. 9. <ul><li>Afecta outros como predadores naturais das pragas, introduzindo desequilibrios nos ecossistemas . </li></ul>Nuno Correia
  10. 10. <ul><li>Pode originar bioacumulação e bioampliação . </li></ul>Nuno Correia
  11. 11. <ul><li>Práticas de cultura alternativas </li></ul><ul><li>Controlo biológico </li></ul><ul><li>Esterilização de insectos </li></ul><ul><li>Uso de ferormonas </li></ul><ul><li>Hormonas juvenis e de muda </li></ul><ul><li>Biopesticidas </li></ul><ul><li>Engenharia genética </li></ul><ul><li>Luta Integrada </li></ul><ul><li>Métodos alternativos de controlo de pragas </li></ul>Nuno Correia
  12. 12. <ul><li>Certas práticas agrícolas permitem reduzir os danos causados pelas pragas. Entre essas práticas encontram-se as seguintes: </li></ul><ul><li>- rotação de culturas; </li></ul><ul><li>- plantação de sebes em redor das culturas, o que cria habitais para os inimigos naturais das pragas; </li></ul><ul><li>- cultivo de espécies em locais onde não existam as pragas que as atacam; </li></ul><ul><li>- ajuste dos ciclos de cultura de forma a fazer coincidir a altura de maior produção com a fase do ciclo de vida em que a praga é menos activa. </li></ul><ul><li>- culturas marginais, que desviam as pragas. </li></ul>Nuno Correia
  13. 13. <ul><li>Regulação das populações de pragas pelos seus inimigos naturais , como predadores, parasitas e agentes patogénicos. </li></ul><ul><li>É um método de regulação selectivo e não tóxico. Apresenta, contudo, as seguintes desvantagens: </li></ul><ul><li>- a tarefa de seleccionar o melhor inimigo natural e produzi-lo em grande quantidade é complexa e demorada; </li></ul><ul><li>- a acção dos inimigos naturais sobre as pragas é mais lenta do que a dos pesticidas químicos; </li></ul><ul><li>- na falta de um controlo rigoroso, as populações dos inimigos naturais podem aumentar e transformar-se numa nova praga. </li></ul>Nuno Correia
  14. 14. <ul><li>Machos de insectos criados em laboratório e tornados estéreis são libertados numa zona infestada. </li></ul><ul><li>O seu acasalamento com as fêmeas não produz descendência e a população da praga diminui. Este método tem as seguintes desvantagens: </li></ul><ul><li>funciona apenas com algumas espécies; </li></ul><ul><li>é dispendioso; </li></ul><ul><li>tem de ser aplicado continuamente, o que implica a necessidade de grandes quantidades de machos. </li></ul>Nuno Correia
  15. 15. <ul><li>As feromonas são substâncias produzidas pelos animais e que lhes permitem estabelecer comunicação. Nos insectos,são libertadas na altura do acasalamento para atrair o parceiro. </li></ul><ul><li>As feromonas podem ser colocadas em armadilhas, atraindo os insectos e desviando-os das culturas. Podem, também, ser utilizadas para atrair os predadores ou parasitas naturais. </li></ul><ul><li>Tem uma acção muito específica, mas a identificação, o isolamento e a produção de uma feromona é um processo demorado e dispendioso. </li></ul>Nuno Correia
  16. 16. <ul><li>As hormonas juvenis e de muda controlam o desenvolvimento e a reprodução dos insectos em diferentes momentos do seu ciclo de vida. A aplicação de hormonas sintéticas ou outras substâncias que interfiram com as hormonas naturais pode impedir que se complete o ciclo de vida do insecto. </li></ul>Nuno Correia
  17. 17. <ul><li>Alguns microrganismos produzem toxinas, específicas e biodegradáveis, que podem ser utilizadas como pesticidas biológicos. </li></ul><ul><li>As subespécies da bactéria do solo Bacillus thuríngiensis produzem uma variedade de toxinas, designadas toxinas Bt, que são aplicadas às culturas, protegendo-as das pragas de insectos, sem afectar os organismos de outros grupos. </li></ul>Nuno Correia
  18. 18. <ul><li>A tecnologia do DNA recombinante pode ser usada para a introdução nas plantas de genes que codificam a produção de toxinas ou outras substâncias com acção pesticida. As toxinas Bt, quitinases e lisozima são algumas dessas substâncias. </li></ul><ul><li>A transformação genética permite aumentar a especificidade, eficiência e estabilidade dos biopesticidas e já foi testada em várias espécies de plantas, como o tomateiro,o milho e o algodão. </li></ul><ul><li>A criação de plantas transgénicas torna possível: </li></ul><ul><li>aumentar a produtividade das culturas; </li></ul><ul><li>reduzir o impacto ambiental da aplicação de pesticidas sintéticos. </li></ul><ul><li>No entanto, a transferência dos genes estranhos para espécies selvagens pode introduzir desequilíbrios nos ecossistemas. </li></ul>Nuno Correia
  19. 19. <ul><li>A luta integrada não tem como objectivo a erradicação das pragas, mas a sua redução e manutenção em níveis economicamente aceitáveis. </li></ul><ul><li>Os programas de controlo integrado de pragas baseiam-se no conhecimento e na avaliação do sistema ecológico formado pela cultura, pragas que a atacam, inimigos naturais, condições ambientais e outras, e associam diferentes métodos com o objectivo de aliar a produtividade das culturas à redução dos riscos ambientais. </li></ul><ul><li>A aplicação destes programas é complexa e demorada. </li></ul>Nuno Correia
  20. 20. <ul><li>Não há consenso sobre a problemática dos OGM, existindo duas visões completamente antagónicas. Por um lado, defende-se a sua utilização, mas, por outro, apontam-se exemplos que põem em causa a sua viabilidade para consumo e utilização. </li></ul><ul><li>Os OGM podem ser encarados como uma solução do problema da fome no mundo. </li></ul><ul><li>O aumento da produtividade pode ser conseguido através do controlo de pragas. </li></ul><ul><li>O controlo de pragas pode ser feito com recurso a métodos químicos. </li></ul><ul><li>Os biocídas utilizados no controlo de pragas podem ter repercussões negativas no ambiente e no próprio Homem. </li></ul><ul><li>As pragas podem ser controladas por métodos naturais, em que se incluem o dadores, as feromonas e a esterilização. </li></ul><ul><li>As feromonas, substâncias químicas odoríferas, são usadas para atrair os inimigos (pragas) até às armadilhas. Apresentam vantagens, principalmente, por serem inócuas ao Homem e aos animais domésticos e respeitarem o equilíbrio ecológico. </li></ul><ul><li>Apenas o conhecimento das características próprias de cada espécie, nomeadamente, do seu ciclo de vida, permite uma actuação mais eficaz no ataque às pragas. </li></ul>Nuno Correia

×