Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça                                            PROJECTO EDUCATIVO




         ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                   PROJECTO ...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça                                                                    PROJECTO...
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Projecto Educativo 2008-2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Projecto Educativo 2008-2011

1,953

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,953
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Projecto Educativo 2008-2011"

  1. 1. Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO ESCOLA SECUNDÁRIA D. INÊS DE CASTRO ALCOBAÇA PROJECTO EDUCATIVO 2008-2011 Rua Costa Veiga - 2460 - 028 Alcobaça - Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt
  2. 2. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO “Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui? Isso depende muito de para onde queres ir - respondeu o gato. Preocupa-me pouco aonde ir - disse Alice. Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas - replicou o gato.” Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas “Projecto Educativo” – o documento que consagra a orientação educativa do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada, elaborado e aprovado pelos seus órgãos de administração e gestão para um horizonte de três anos, no qual se explicitam os princípios, os valores, as metas e as estratégias segundo os quais o agrupamento de escolas ou escola não agrupada se propõe cumprir a sua função educativa” (Decreto-Lei nº 75/2008, de 22/4, Art. 9º, nº 1, a) Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 2 de 48
  3. 3. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO "Então, se tu e eu fôssemos hábeis e sábios, depois de termos aprofundado tudo o que se refere ao espírito, poderíamos em seguida, ao jeito de passatempo, pôr-nos à prova um e outro, lutar entre nós à maneirados sofistas, opondo argumentos a argumentos. Mas, como não passamos de homens normais, procuraremos antes de mais nada confrontar os nossos pensamentos, para vermos o que eles valem e verificarmos se eles estão de acordo ou não se ajustam de maneira nenhuma." Sócrates (in Platão, Teeteto) “Se queres lucro a um ano, semeia trigo; se tens paciência para uma geração, planta uma árvore; que queres mudar mesmo (e podes esperar um século), educa um cidadão.” (Provérbio chinês) Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 3 de 48
  4. 4. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO ESTRUTURA DO PROJECTO EDUCATIVO I. MISSÃO II. A ESCOLA D. INÊS DE CASTRO 1. Prólogo 2. Razão de um nome 3. Valores: Cidadania, sucesso, qualidade, abertura, liberdade intelectual 4. Enquadramento teórico e legislativo. III. DIAGNÓSTICO 1. As fontes. 2. Caracterização sociocultural 2.1. Resultados 2.2. Indicadores sociais, demográficos e culturais; 2.2.1. Caracterização demográfica da zona de influência 2.2.2. Variação da população residente por freguesia (1981-2001) 2.2.3. Taxa de variação da população por grupos etários e por freguesia (1991-2001) 2.2.4. Mapa do emprego no concelho de Alcobaça 2.3. A população escolar 2.3.1. Alunos 2.3.2. Pessoal Docente 2.3.3. Pessoal Não docente 3. Análise “SWOT” 3.1. Pontos Fortes; 3.2. Pontos Fracos; 3.3. Constrangimentos; 3.4. Oportunidades IV. VALÊNCIAS 1. CFAE dos Concelhos de Alcobaça e Nazaré 2. Biblioteca Escolar 3. “Novas Oportunidades” 4. Departamento de Educação Especial 5. Serviços de Psicologia e Orientação 6. Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 4 de 48
  5. 5. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 7. Projectos V. CRITÉRIOS 1. Avaliação. 1.1. Mapa Conceptual 1.2. Critérios de Avaliação dos Alunos; 1.2.1. Noção de Critérios de Avaliação; 1.2.2. Critérios de Avaliação Gerais 1.3. Avaliação do Pessoal Docente 2. Constituição de Turmas 3. Distribuição de Serviço Docente e Elaboração de Horários VI. LINHAS ORIENTADORAS 1. Perfis. 1.1. Professor 1.1.1. Em relação à Escola 1.1.2. Em relação aos colegas 1.1.3. Em relação aos alunos 1.2. Aluno 1.3. Pessoal Não Docente 2. Plano de Formação VII. INDICADORES ANUAIS DA AVALIAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 1. Sucesso dos alunos 2. Clima de diálogo e participação 3. Espírito de cidadania activa e crítica 4. Relação da escola com a exterior. VIII. AVALIAÇÃO DO PROJECTO EDUCATIVO DE ESCOLA. IX. MODELO: UMA ESCOLA ABERTA Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 5 de 48
  6. 6. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO I - MISSÃO Construir uma Escola de Qualidade, exigente nos procedimentos, aberta, inclusiva e incentivadora do mérito e da competência, fundada nos valores da Cultura, do Humanismo e da Educação para a cidadania que, num contexto global, se afirme como uma escola portuguesa e europeia, tolerante e valorizadora da diferença como factor de enriquecimento. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 6 de 48
  7. 7. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO II - A ESCOLA D. INÊS DE CASTRO 1. Prólogo O mote platónico é um tributo à continuidade da ideia de projecto, tal como ele foi entendido pelos primeiros arquitectos do nosso Projecto Educativo. Estávamos em 1999, nos primórdios do pensamento da autonomia, na sequência do Decreto-Lei nº 115-A/98. Com todos os defeitos de que eventualmente tenha padecido, ele foi o começo de uma realidade nova – ainda que, muitas vezes, mais sedimentada na retórica do que na prática. O excerto platónico reenvia-nos, porém, para a noção de “intencionalidade”. Como salientam muitos teóricos da matéria – Leite,C. (1997), Rogiers (1997), Escudero Muñoz (1988), Broch&Cros (1991) – a ideia de “projecto” não vive sem a correlação de outras duas noções: “intenção” e “acção”, através das quais se torna possível partir de um presente para um futuro que se quer transformar. Essa intencionalidade – o que queremos – está subjacente à citação de Carroll: se não soubermos para onde queremos ir, todo o esforço subsequente será vão, indiferente. Devemos, pois, afastar a ideia de uma “navegação à vista”, procedimento tão típico de uma certa forma, tradicional, de ser português, em que tudo é “mais ou menos” e “logo se vê”… Muitos são os cuidados e os perigos que espreitam a prática pedagógica e a forma de encarar um projecto educativo. Para além dos que derivam da nossa mentalidade, há um outro que se apresenta na forma dilemática da abertura-fechamento. Se, por um lado, parece claro que uma instituição fechada sobre si mesma perde em intenção renovadora, não devemos esquecer o perigo oposto: uma escola demasiado aberta ao exterior corre o risco de perder a sua própria identidade, enveredando por um frenesim inconsequente de movimento contínuo. No tempo presente, sobram as palavras e escasseiam os factos ou, dito de outro modo: de pouco valem as palavras se não forem comprovadas por factos. No que ao Projecto Educativo diz respeito, é nosso dever descer da abstracção à realidade, traduzir as intenções e os lemas em metas, em planos de acção mensuráveis, objectiváveis. Uma escola, hoje, terá de ser uma “escola eficaz”. E, se é difícil materializar todas as componentes dessa “eficácia” educativa, parece haver um razoável consenso de que algumas variáveis serão incontornáveis: 1. A liderança, sobretudo se orientada para a melhoria das aprendizagens; 2. O “clima de escola”, sendo de salientar a importância de um “clima ordenado” e “disciplinado”; 3. A articulação e organização curricular, com processos, métodos e critérios inequivocamente interiorizados; 4. Participação das famílias – Cada vez é mais importante a co- responsabilização dos pais e encarregados de educação, na tarefa conjunta de instruir e educar os jovens; 5. Valorização da profissão docente, melhorando as condições de prestação do trabalho, no reforço da Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 7 de 48
  8. 8. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO autoridade, na oferta de formação contínua adequada; 6. Sentimento de vinculação à organização escolar, tomando a escola como uma realidade nossa, em relação à qual nos devemos sentir “inscritos”, comprometidos. É para aqui que tendencialmente nos queremos orientar. Ao contrário de Alice, pretendemos desenhar as metas para onde queremos apontar a nossa intencionalidade. É certo que neste tempo, mais propenso à confusão e ao boato do que às certezas, não é fácil estabelecer metas que valham por si mesmas, que concitem consensos razoáveis. É mais fácil hiperbolizar as dúvidas para justificar inacções. Há, contudo, muitos sinais que começam a dar o mote para um novo paradigma, paradigma esse assente na proposta, e não na crítica inconsequente. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 8 de 48
  9. 9. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2. RAZÕES DE UM NOME “Era uma vez...” Assim poderia começar a nossa história, tão longínquas são as raízes do ensino público em Alcobaça. Tudo terá começado no longínquo séc. XI, com a fundação, em França, da Ordem de Cister, nascida como reacção ao rumo demasiado secularizante da Ordem de Cluny. A figura proeminente de S. Bernardo cedo irá impor a Ordem nascente como uma referência, não só espiritual, mas também temporal. Assim, em 1153, D. Afonso Henriques doou a S. Bernardo 44.000 hectares de terras, a oeste da Serra de Candeeiros, que serviriam de base à implantação da Ordem no lugar de Alcobaça. O “sítio”, situado entre o Atlântico e a Serra de Candeeiros parecia adequado: “O sítio, circundado pelas encostas de colinas ricas de vegetação de todo o tipo, é silencioso e retirado. Ali reinam o sossego inalterável, o desprendimento das preocupações mundanas, a doce gravidade propícia ao estudo e aos trabalhos do espírito.” A segunda metade do séc. XII corresponde a um período de grande actividade e crescimento, tanto no domínio material (sobretudo ligado à Agricultura, com a criação das “Granjas” e dos estaleiros navais de Alfeizerão e Pederneira”) como no domínio cultural. Em 11 de Janeiro de 1269, é criada em Alcobaça, por Frei Estêvão Martins, a 1ª Escola Monástica Cisterciense em Portugal. Entre 1357 - 1433, Alcobaça atinge o seu período áureo, prosperidade que viria a ser interrompida com a decisão, em 1567, de desvincular Alcobaça de Claraval: o Abade, agora Comendatário, passava a ser nomeado directamente pelo Rei. Pio V, em Bula ao Cardeal D. Henrique, outorga aos monges de Cister completa autonomia. O séc. XVIII é marcado, em Alcobaça, por dois acontecimentos naturais que concorrerão para acelerar o declínio do mosteiro: as grandes inundações de 1722 e o terramoto de 1755. Ambos produziram estragos que se revelarão irrecuperáveis, trazendo o caos financeiro (motivado, em boa medida, pelas reconstruções, demasiado onerosas para a Ordem). Finalmente, no séc. XIX, as invasões francesas, sobretudo as de 1807 e 1812, trazem consigo o roubo e a pilhagem. E quando, em 1833, se dá a extinção das Ordens Religiosas em Portugal, o mosteiro, que se havia colocado ao lado do Rei D. Miguel contra os Liberais, vivia já em decadência. Entre 1910 e 1918, os esforços do ilustre alcobacense Manuel Vieira Natividade, juntamente com Ana de Castro Osório e José Joaquim dos Santos, conduzem à criação, em 1918, da Escola Agrícola Feminina Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 9 de 48
  10. 10. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO Vieira Natividade. O Decreto que a instituiu é de 18 de Abril de 1918 (Decreto nº 4105). As obras começaram com o lançamento da primeira pedra em 11 de Julho de 1921, sendo inaugurada em 3 de Maio de 1925. O projecto, supostamente de Raul Lino, era considerado arrojado para a época e sobrevive no edifício chamado, durante longos anos, “Escola Velha”. (Hoje, felizmente completamente recuperado, transformou-se numa inquestionável mais-valia para a Escola D. Inês de Castro e, indiscutivelmente, no seu “ex-líbris” maior). Pela Escola Agrícola Feminina passou o insigne alcobacense Prof. Joaquim Vieira Natividade (1899-1968). Contudo, a sua passagem pela escola, para além de curta, parece ter sido decepcionante para o futuro grande investigador. Curta, de facto, haveria de ser a vida da Escola. Em 1933, face à pouca frequência da escola (que era frequentada por alunas oriundas do “Asilo da Infância Desvalida de Alcobaça” e, porventura por isso, rejeitada pelos pais de Alcobaça) e à política hostil do Estado Novo, dá-se a extinção da Escola. Em 1932, por iniciativa e a expensas da Câmara, é criado o Liceu Municipal - que funcionaria, durante a sua curta vigência, nas instalações da extinta Escola Agrícola Feminina. Com efeito, pouco tempo volvido, em vez de se transformar em Liceu Nacional, como era anseio da população, o Liceu Municipal foi, também, extinto. Em 1947, recomeça o ensino agrícola, com cursos de Pomicultura. Sediado na antiga escola, doravante chamada “Escola Prática de Agricultura Vieira Natividade”, o curso destinava-se a trabalhadores rurais. Entretanto, tendo por voz “O Alcoa”, começa a desenhar-se um movimento de apoio à construção de uma Escola Técnica Comercial e Industrial em Alcobaça. Estes esforços viriam a ser coroados de êxito, oito anos depois, com a transformação da Escola Prática Agrícola em “Escola Técnica de Alcobaça” (ETA), através do Decreto 40:029, de 28 de Junho de 1955. Entretanto, tinha já sido aberto concurso para a construção de um edifício que comportasse dignamente a recém criada Escola Técnica. Segundo a brochura do Ministério das Obras Públicas (Junta das Construções para o Ensino Técnico e Secundário), "NOVAS INSTALAÇÕES DE ESCOLAS TÉCNICAS E LICEUS a inaugurar em Abril e Maio de 1961", há as seguintes informações sobre a nossa escola: "Ficam as novas instalações da Escola Técnica de Alcobaça situadas na extensa propriedade agrícola do Estado, onde funcionou durante muitos anos a Escola Agrícola Vieira Natividade. Uma vez que seria desaconselhável dotar esta Vila de duas escolas, foram os novos edifícios localizados na citada propriedade onde será ministrado também o ensino agrícola. Além dos Cursos Elementares de Especialização Profissional Agrícola, serão ministrados, para uma população de 800 alunos, os cursos do Ciclo Preparatório e Complementares de Aprendizagem - serralheiro, ceramista e comércio. Início da obra: 12-5-58; Conclusão: 15-3-61; Custo total das instalações: 10.131.000$00; Área coberta: 3450m2; Superfície de pavimentos: 5340m2." Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 10 de 48
  11. 11. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO Em 1971/72, foi incluída na Escola a secção liceal do Liceu de Leiria. Esta secção compunha-se de 5 anos, sendo cada um dos 3 últimos anos subdivididos nas secções de “Letras” e “Ciências”. Havia igualmente os 6º e 7º Anos. Em 1974/75, coincidente com a Revolução do 25 de Abril, deu-se uma “explosão” da população escolar. Por via disso, voltaram a ser ocupadas as instalações da Escola Velha - encerradas desde 1960. Foram também aproveitadas para instalações escolares os antigos dormitórios, construídos no final da década de 50 com as receitas da exploração agrícola. Em 1975/76, iniciou-se o Curso Geral Unificado do Ensino Secundário. A Lei 80/78 transforma todos os Liceus e Escolas Técnicas em “Escolas Secundárias”, ganhando a escola, então, o nome de Escola Secundária de Alcobaça. Em 1985/86, o ano escolar começou conturbado. Abandona-se a Escola Velha, completamente degradada, não obstante a colocação de um telhado novo em 1983, e são instalados (“provisoriamente”, mas até 2001) pavilhões pré-fabricados. Em 1988/89 é criada a Escola Secundária Nº 2 de Alcobaça, solução que aliviou bastante a pressão demográfica que se fazia sentir. Em 1990 (Janeiro), é celebrado o contrato programa para a criação da Escola Prática de Agricultura de Cister (EPACIS) em que são outorgantes o Estado (GETAP), a Escola Secundária Nº 1 de Alcobaça, a Câmara Municipal de Alcobaça, Cooperativa Agrícola de Alcobaça e a Cooperativa Agrícola dos Avicultores e Criadores de Gado da Benedita. Entretanto, a Escola Secundária Nº 1 de Alcobaça transforma-se em Escola Secundária D. Inês de Castro, em 24 de Setembro de 1993 (Despacho 140/SERE/93). Ultimamente, desde 2000, a Escola tem oscilado de tipologia: já foi escola apenas Secundária, voltou a acolher o 3º Ciclo... Neste momento, está, outra vez, a caminho de ser apenas Escola Secundária - razão pela qual já não temos connosco alunos do 7º nem do 8º anos (Agosto de 2008). Este facto pesou na alteração da tipologia da Escola que, por Despacho do Senhor Secretário de Estado da Educação, de 26 de Abril de 2007 (Ofício nº 22644, de 10 de Maio de 2007, da DREL), passou a ostentar a seguinte designação: ESCOLA SECUNDÁRIA D. INÊS DE CASTRO. Depois de uns tempos marcados por melhorias pontuais, muitas delas suportadas pelas receitas que ela própria foi gerando, a Escola entrou na 2ª fase do programa de modernização das Escolas Secundárias, levado a cabo pela “Parque Escolar”. O projecto, da autoria do Arquitecto João Miguel Silva, já foi apresentado publicamente, estando, neste momento, em fase de “incorporação de algumas das ideias resultantes das propostas apresentadas pela Escola e pela Associação de Pais. Seja como for, a verdade é Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 11 de 48
  12. 12. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO que uma nova escola se desenha para um horizonte temporal bastante próximo (2010-2011). Desde a demolição das actuais oficinas e a a reconversão daquele espaço em espaços laboratoriais, oficinais – para além da implantação do Refeitório nessa mesma zona. Para além da recentração dos Serviços Administrativos, Conselho Executivo e Biblioteca na zona em que já existiram os pré-fabricados (de má memória), é toda uma escola nova e de qualidade que se anuncia. Há, pois, razões imperiosas para uma renovação / revitalização de um projecto educativo, capaz de galvanizar todos os seus actores, colaboradores e utentes vários. A Escola D. Inês de Castro é, de certo modo, herdeira da história do ensino em Alcobaça. E, tal como a história, o ensino teve também um percurso pouco linear, como tudo o que acontece no caminho da Humanidade. Há um horizonte de esperança no futuro da escola. Disso não temos dúvidas. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 12 de 48
  13. 13. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 3. Valores: Cidadania, sucesso, qualidade, abertura, liberdade intelectual Na esteira do anterior PEE, os conceitos de sucesso, qualidade e cidadania, enquanto valores operativos, continuam a formar o seu núcleo conceptual. A estes devemos acrescentar outras preocupações, decorrentes quer da definição da missão da instituição quer de outros deles derivados: a dualidade ensino/formação, o imperativo de dignificação da actividades docente e discente, a equação investigação/mudança, a dialéctica diversificação/referência, a objectivação da avaliação, o predomínio sustentado do pedagógico sobre o administrativo, o incremento da inclusão em conjugação com os - mais individualistas - reconhecimento e valorização pessoais, a matriz local, nacional e europeia em que nos inserimos, nomeadamente a centralidade do humanismo neste eixo axiológico. Um outro valor emerge, cada vez mais, como incontornável: o de “abertura”, com toda a semântica relacionada: inclusão, mudança, sensibilidade ao erro, abertura às potencialidades pedagógicas das novas tecnologias. Numa época em que nada é garantido e tudo é para ser justificado, a inculcação do valor da mudança, da adaptabilidade ao que é mutável, não constitui apenas um valor; constitui também um “manual de sobrevivência”. Afigura-se importante complementar, agora, este quadro referencial de valores com a inclusão da liberdade intelectual. Conquistada a liberdade política e a liberdade de expressão, é importante que uma escola secundária se oriente pelo princípio de que deve formar jovens capazes de construir autonomamente o seu saber e não meros reprodutores de tudo o que o magister dixit. A liberdade aprende-se, não se ensina. A escola deve, pois, assumir-se como um espaço facilitador dessa aprendizagem. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 13 de 48
  14. 14. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 4. Enquadramento teórico e legislativo "Uma escola que pensa é constituída por pessoas que pensam ou aprendem a pensar. Aprender a pensar significa, literalmente, empreender uma discussão contínua, interrogar-se continuamente, observar, levar materiais para discussões em que cada um controla a sua própria discussão, consciência, responsabilidade, pensamento ético e pensamento cultural. O que interessa é que a escola pense e, para isso, são precisas muitas cabeças. Uma única cabeça pode obviamente pensar e até chegar muito longe. Contudo, no que diz respeito à educação, é necessária uma discussão conjunta; é preciso entrar em crise". Malaguzzi, 1991 De uma forma sistemática e intencional, a primeira vez que o conceito de “Projecto Educativo” se tornou operativo talvez tenha sido no Decreto-Lei nº 43/89. Efectivamente, no seu artigo 2º, nº1, identifica-se a autonomia da escola como a “capacidade de elaboração e realização de um projecto educativo em benefício dos alunos e com a participação de todos os intervenientes no processo educativo.” E, pormenorizando, o nº 2, destaca quais são os instrumentos dessa mesma autonomia:”O Projecto educativo traduz-se, designadamente, na formulação de prioridades de desenvolvimento pedagógico, em planos anuais de actividades educativas e na elaboração de regulamentos internos para os principais sectores e serviços escolares.” Este diploma legal não teve, no entanto, uma aplicação universal, vindo, sim, a fundamentar algumas experiências de gestão autonómicas que, com o Decreto- Lei nº 115-A/98, se aplicou a todo o universo educativo português. Podemos dizer que este diploma constituiu um marco importante na definição da autonomia das escolas, ao consagrar a figura do Regulamento Interno. Com efeito, sobretudo no plano pedagógico-organizacional, as escolas puderam escolher caminhos com algum grau de diversidade, encontrando soluções mais à sua medida. Para além deste facto, sem dúvida importante, esta autonomia ficou, contudo, durante muito tempo, bastante limitada, quando não reduzida a uma simples figura de retórica. A publicação recente do Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de Abril, vem aprofundar esta tendência autonómica, consagrando como instrumentos da autonomia, para além do Projecto Educativo (que vem de 1989), do Regulamento Interno e do Plano Anual de Actividades (que vem de 1998), o Orçamento. A este nível, porém, as possibilidades de intervenção não estão ainda suficientemente desenvolvidas – para além de um ou outro contrato de autonomia já assinados. Em termos de doutrina, a partir, nomeadamente, do pequeno excerto de Malaguzzi, poderemos caracterizar o grande dilema / paradoxo que se oferece à construção da autonomia: ela procura construir aquilo de que necessita como pressuposto para a sua existência. Ao tentar cortar com uma tradição centralista, procura inculcar na cultura das organizações escolares o gosto pela reflexão, e por uma reflexão em conjunto, que envolva muitas cabeças – desejavelmente, todas as cabeças da organização. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 14 de 48
  15. 15. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO Interessante também a ideia de “crise”, essencial para implementar a mudança. Na verdade, se é verdade que a primeira associação ao conceito nos faz lembrar perda, algo de negativo, a verdade é que, no seu sentido original (do grego, “krisis”), “crise” significa momento de decisão, momento de pesagem / passagem. Assim, sendo sempre sinónimo de vulnerabilidade, devemos “ler a crise” como uma oportunidade de crescimento, conducente a novos, e mais maduros, equilíbrios. Uma organização, uma escola, que nunca se sente em crise não cresce, não amadurece. Ser capaz de ler as crises é, assim, o caminho para, evitar as falsas tranquilidades, ganhar o gosto pelas estabilidades dinâmicas, de que nos fala Albalat, que exigem participações e acordos, comunicação entre todos os colaboradores. Pretende-se, assim, que o Projecto Educativo seja uma forma de organizar as tarefas a que uma escola se dá, um meio de projectar e de antecipar o futuro. Só a partir de um ponto de vista assim, modelizado como causa final das nossas actividades, estas poderão ganhar peso e consistência, permitindo, do mesmo passo, que se arregimentem os meios necessários, as vontades e as sinergias bastantes à consecução das ideias mais importantes. No actual contexto, é também fundamental gizar um Projecto Educativo que, hierarquizando prioridades e objectivos, permita lançar luz sobre o que avaliar. Acusa-se, e muitas vezes com razão, este tipo de documentos de ser apenas teoria, de ser mais um monte de papel. Para desmontar esta acusação, será necessário “obrigar” o Projecto Educativo a traduzir uma singularidade – a escola – dotada de uma vontade colectivamente construída, de uma verdadeira cultura de escola. De acordo com Matias Alves, o Projecto Educativo deverá ser “atractivo, benéfico e funcional para a comunidade educativa, distinto de qualquer outro, selectivo em todas as decisões, coerente com os princípios que estabelecer, distribuidor de responsabilidades, flexível no seu desenvolvimento, rendível quanto aos recursos, inovador, atento às realidades locais e às aspirações de cada um, potenciador da melhoria organizacional e do sucesso escolar e educativo e aberto à sociedade.” Resultado, necessariamente, de um processo de diagnóstico, este documento constituinte pretende-se, por força de uma tradição tão recente quanto imperativa, consensual, democrático e flexível. Esta faceta de obra aberta não deve retirar-lhe capacidades de fundamentação decisória; sem ser apodíctico, deve conter valores operacionalizáveis. Fiel à tradição, inaugurada há dez anos pelo primeiro Projecto Educativo, procurará ser um documento eminentemente orientador, susceptível de enformar, ao nível dos princípios, quer o Plano Anual (e, eventualmente, plurianual) de Actividades, quer o Regulamento Interno, quer os Projectos Curriculares de Escola e de Turma, quer o Orçamento, sem esquecer todas as medidas de política educativa que a Escola Secundária D. Inês de Castro escolher como suas. A este nível, o Projecto Educativo de Escola não poderá deixar de dar coerência às opções orçamentais, às políticas documentais, à gestão da Biblioteca Escolar, à Política de Formação, às iniciativas Novas Oportunidades. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 15 de 48
  16. 16. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO III - DIAGNÓSTICO A consciência crítica da Escola, enquanto local de conjugação de desempenhos, é fundamental para a tomada de decisões e avaliação do sucesso das medidas implementadas; uma cultura de auto- avaliação estará na base de uma praxis de constante optimização de procedimentos. A Escola deve ter como objectivo o constante aperfeiçoamento do seu desempenho. Deve, assim, aplicar-se uma política de auto-avaliação participada. 1. As fontes. Se queremos –e precisamos de – ser objectivos, temos de partir de factos. As bases a que recorreremos serão, essencialmente as seguintes: 1.1. INE – Recenseamento Geral da população e da Habitação, 2001 1.2. Carta Educativa do Concelho de Alcobaça 1.3. Observatório da Comunidade Educativa: 1.3.1. Inquérito sobre o Grau de Satisfação da Comunidade Educativa; 1.3.2. Estatísticas escolares 1.4. Avaliação Externa da Escola 1.5. GEPE 1.6. IEFP – Departamento de Planeamento Estratégico – Direcção de Serviços de Estudos (Estatísticas Mensais, 2004, 2005 e 2006) 1.7. CMA / Rede Social do Concelho de Alcobaça, Diagnóstico Social do Concelho de Alcobaça, 2007 2. Caracterização Sociocultural 2.1. Resultados Escolares Não tomando parte na discussão sobre a legitimidade / impossibilidade de os resultados escolares, quantificados, poderem servir para outras finalidades quaisquer, não poderá haver dúvidas de que eles são absolutamente incontornáveis, sempre que se queira analisar, projectar, melhorar, julgar uma organização escolar. Conceder-se-á, sem dificuldade, que a sua consideração descontextualizada poderá levar a juízos apressados, superficiais, quando não injustos. No entanto, com uma pluralidade de leituras e de análises, eles são o meio de confrontar a escola consigo mesma, a forma de “obrigar” a organização a rever os seus sucessos e fracassos, os seus progressos e os seus recuos, a sua situação em contexto, relativa, mas de análise indeclinável. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 16 de 48
  17. 17. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO Partiremos, pois, da constatação de que uma escola tem de ser eficaz, o que equivalerá a dizer que uma escola terá de ter sucesso, sendo os resultados escolares uma parte, importante, na definição dessa eficácia, constituindo-se em valores de referência incontornáveis para análise do percurso anterior e para o estabelecimento de metas para o futuro. As tabelas seguintes apresentam os valores das médias, relativas ao 3º Ciclo e ao Secundário, para os dois últimos anos lectivos. 3º CICLO Ano Lectivo 2006/2007 Ano Lectivo 2007/2008 Médias das disciplinas 3º Ciclo Médias Médias Anos de escolaridade 7º 8º 9º 8º 9º Língua Portuguesa 3,38 3,19 3,18 3,37 3,24 Inglês 2,95 2,78 2,85 3,02 3,02 Francês 3,31 3,35 3,19 3,52 3,51 Espanhol 4,03 - - 4,00 - Matemática 3,12 2,91 2,66 3,07 3,04 Ciências Naturais 3,39 3,35 3,53 3,55 3,29 Físico-Química 3,17 3,12 3,16 3,20 3,23 História 3,79 3,81 3,39 3,56 4,14 Geografia 3,29 3,21 3,38 3,63 3,38 Educação Física 3,63 3,63 3,71 3,97 3,87 TIC - - - - 3,86 Educação Visual 3,40 3,50 3,64 3,61 3,90 Educação Tecnológica 3,43 3,21 - 3,62 - Disciplinas Teatro 3,95 4,66 4,36 4,22 4,82 Dança 3,50 3,48 3,93 3,90 3,67 Artes de Jardim 4 3,89 4,44 3,96 4,00 EMRC 4,80 4,59 - 4,32 4,44 Áreas Curriculares Não Disciplinares Área de Projecto * 2,66 2,69 2,58 2,63 2,67 Formação Cívica * 2,56 2,63 2,64 2,67 2,61 Oficina de Escrita * 2,55 2,58 2,62 - - Estudo Acompanhado * 2,40 2,38 2,27 2,35 2,31 3,54 Alunos que Global de Ano de frequentam, Escolaridade 3,43 3,37 3,63 3,55 em (todas as disciplinas) 2008/2009, o 9ºAno * A média das Áreas Curriculares Não Disciplinares foi calculada sendo atribuídas as classificações de 1, 2 e 3 às Menções de NS, Sat e SB Fonte: Escola D. Inês de Castro “Observatório da Comunidade Educativa”, 2008 Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 17 de 48
  18. 18. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO SECUNDÁRIO MAPA COMPARATIVO DAS Ano Lectivo 2006/2007 Ano Lectivo 2007/2008 MÉDIAS DO SECUNDÁRIO 2006/07 - 2007/08 Médias Médias Anos de escolaridade 10º 11º 12º 10º 11º 12º Português 13,41 13,79 14,17 12,69 12,98 13,42 Francês 13,30 13,83 - 13,42 14,00 13,92 Inglês (iniciação) 14 - - - - - Inglês (continuação) 13,45 13,69 - 12,74 13,67 - Filosofia 13,04 13,32 - 12,76 13,68 - Psicologia B - - 15,48 - - 15,76 Sociologia - - 15,05 - - 15,28 Educação Física 15,67 15,67 16,67 15,28 16,77 17,11 Matemática A 11,46 11,04 12,68 10,77 10,56 13,72 MACS - 11,41 13,13 13,30 13,59 12,94 Físico-Química (iniciação) 11,71 12,38 - 12,14 14,67 - Disciplinas Físico-Química (continuação) - - 12,11 12,10 12,00 Física - - - - - 14,55 Química - - 12,03 - - - Biologia (Programa Novo) - - 17,0 - - - Biologia e Geologia (iniciação) 13,64 - - 12,98 15,18 - Biologia e Geologia (Continuação) - 15,07 15,41 - 14,00 15,66 Geometria Descritiva A (Inic.) - 16,11 - 16,40 18,00 - Geometria Descritiva A (Cont) - - - - - 17,40 História 13,30 13,0 12,46 13,00 14,09 12,86 Geografia A Bloco I 12,87 13,17 - 12,68 12,80 - Geografia Bloco II - 13,0 12,35 - 12,80 15,17 Economia A 13,33 13,17 - 12,60 12,08 - Área de Projecto - - 18,50 - - 16,92 Fonte: Escola D. Inês de Castro, “Observatório da Comunidade Educativa”, 2008 2.2. Indicadores Sociais, Demográficos e Culturais 2.2.1. Caracterização demográfica da zona de influência Densidade População População População Superfície (Hab/Km2 residente residente residente Km2 ) 1981 1991 2001 2001 88 944,0 9 833 014 9 867 147 10 318 111 Portugal 084 Sub Região 2 512.1 310 795 315 699 338 711 134.8 Oeste Alcobaça 406.9 52 347 54 382 55 376 136.1 Fonte: INE, Recenseamento Geral da População e Habitação , 2001 Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 18 de 48
  19. 19. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO De forma a compreender a distribuição territorial da população e as tendências futuras, procedeu-se à recolha e análise de dados demográficos, referentes aos últimos recenseamentos oficiais da população (Censos 1981,1991 e 2001) elaborados pelo Instituto Nacional de Estatística. Em 2001, a população do Concelho de Alcobaça atingiu os 55376 habitantes, correspondendo a 16% da população residente na Sub-Região Oeste. Com uma área de 406.9 km2 e uma densidade populacional de 136.1 hab/km2, o concelho apresenta, assim, uma densidade populacional superior à média da Sub-Região (134.8 hab/km2) e do País (111 hab/km2). Segundo os Censos de 1991 e 2001, a população residente na Sub-Região do Oeste sofreu um acréscimo de 7.3%, superando o crescimento médio a nível nacional (4.6%). No concelho de Alcobaça verificou-se um crescimento muito inferior ao que se fez sentir a nível da sub-região e do país, sendo este apenas de 1.8%. Neste concelho, o principal factor de acréscimo populacional, entre 1991 e 2001, foi a componente migratória que correspondeu a um aumento de 2416 indivíduos. O saldo natural foi negativo (- 113 indivíduos), acompanhando a tendência verificada a nível da Sub-Região do Oeste. A maior concentração populacional situa-se no eixo Alcobaça – Benedita, em que se destacam quatro centros populacionais importantes: Alcobaça, Évora de Alcobaça, Turquel e Benedita. Para além destas, Pataias, com os seus 5 453 habitantes assume-se como uma das “centralidades” do concelho. Maiorga, Prazeres de Aljubarrota, S. Martinho do Porto e Vestiaria são outras unidades significativas, sobretudo sob o ponto de vista da densidade: População Densidade Área Unidade Territorial Residente (Hab/Km2) Km2 2001 2001 Concelho de Alcobaça 406.9 55 376 136.1 Alcobaça 3.2 4 987 1 558.4 Bárrio 14.9 1 707 114.6 Cela 26.2 3 426 130.8 Cós 14.8 2 043 138.1 Évora de Alcobaça 42.7 4 788 112.1 Maiorga 10.1 1 965 194.5 População Densidade Área Unidade Territorial Residente (Hab/Km2) Km2 2001 2001 Prazeres de Aljubarrota 26.3 3 711 141.1 São Vicente de Aljubarrota 21.1 2 267 107.4 Turquel 40.4 4 342 107.4 Vimeiro 19.8 2 112 106.6 Fonte: INE, Recenseamento Geral da População e Habitação , 2001 Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 19 de 48
  20. 20. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2.2.2. Variação da população residente por freguesia (1981-2001) População Residente Unidade Territorial 1981 2001 TxVar. % Concelho de Alcobaça 52 347 55 376 5.6 Alcobaça 5 305 4 987 -6.1 Alpedriz 1516 849 -43.11 Bárrio 1 516 1 707 12.4 Cela 3 333 3 426 3.2 Cós 1 992 2 043 3.0 Évora de Alcobaça 4 342 4 788 10.0 Maiorga 2 029 1 965 -1.6 1 1 Montes 699 Prazeres de Aljubarrota 2 945 3 711 25.2 São Vicente de Aljubarrota 1 931 2 267 17.5 Vestiaria 1 201 1 262 5.0 Vimeiro 2 200 2 112 -4.0 Fonte: INE, Recenseamento Geral da População e Habitação , 2001 2.2.3. Taxa de variação da população por grupos etários e por freguesia (1991-2001) Projecção da variação da população 2001 – 2011, por grupos etários, nas freguesias da área de influência da Escola Escalão Etário 10-14 Escalão Etário 15-19 Freguesia Total 2001 2011 Variação 2001 2011 Variação Alcobaça 268 327 59 301 304 3 62 Alpedriz 34 30 -4 53 55 2 -2 Bárrio 84 90 6 116 97 -19 -13 Cela 180 190 10 234 202 -32 -22 Cós 92 85 -7 129 97 -32 -39 Évora 296 282 -14 321 289 -32 -46 Maiorga 83 60 -23 126 81 -45 -68 Montes 31 29 -2 33 24 -9 -11 Prazeres 172 252 77 229 163 -66 11 São Vicente 134 152 18 147 144 -3 15 Vestiaria 70 61 -9 81 76 -5 -14 Vimeiro 118 113 -5 153 147 -6 -11 Fonte: INE, Recenseamento Geral da População e Habitação , 2001 Poder-se-á concluir destes dados que, se em termos gerais, a população no concelho de Alcobaça apresenta alguma estabilidade (1º quadro), quando se consideram os escalões etários em idade escolar, se verifica uma tendência para a diminuição da população. 1 Esta freguesia englobava a dos Montes Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 20 de 48
  21. 21. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2.2.4. Mapa do emprego no Concelho de Alcobaça No concelho de Alcobaça, em 2001, residiam 27137 indivíduos com actividade económica (aproximadamente 58,3% do total da população com mais de 15 anos a residir no concelho: 46532) contra 19395 indivíduos sem qualquer actividade económica (41.7%). Entre estes últimos, a percentagem de reformados / aposentados / na reserva é preponderante. No que diz respeito à população residente empregada, constata-se um predomínio de “operários, artífices ou trabalhadores similares” (28,3%). São também preponderantes os “trabalhadores não qualificados” (15,3%) e “pessoal dos serviços e vendedores” (11,5%). Assim, será forçoso concluir que o concelho revela um cenário muito carenciado em trabalhadores qualificados. Numa análise por sectores de actividade, verifica-se uma predominância dos sectores secundário e terciário. Apesar de a empregabilidade no sector terciário ter registado um aumento de 11%, entre 1991 e 2001, é indisfarçável um abrandamento, hoje em dia, da capacidade de criar empregos neste sector de actividade – o que segue, alias, uma tendência registada a nível nacional. Segundo os dados de 2001, a taxa de desemprego era de 4,2%, sendo que 33,5% destes apenas tinham o 1º ciclo como habilitações literárias. DESEMPREGO REGISTADO, SEGUNDO OS NÍVEIS DE ESCOLARIDADE (Situação no final dos meses de Setembro) NÍVEIS DE ESCOLARIDADE ANO Nenhum 1º CEB 2º CEB 3º CEB SEC. SUP. TOTAL 2004 116 586 341 293 272 156 1764 2005 106 641 329 320 270 191 1859 2006 123 610 304 398 317 196 1948 Fonte: Rede Social do Concelho de Alcobaça, Diagnóstico Social do Concelho de Alcobaça, CMA, 2007 Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 21 de 48
  22. 22. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO NÍVEIS DE ESCOLARIDADE DA POPULAÇÃO DO CONCELHO DE ALCOBAÇA, POR FREGUESIA, NA ZONA DE INFLUÊNCIA DA ESCOLA(2001) Unidade 3º Analfabetos 1º CICLO 2º CICLO SECUNDÁRIO MÉDIO SUPERIOR Territorial CICLO Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % 54 Alcobaça 509 10 1308 26 488 10 11 1078 22 36 0,7 918 18 1 18 0,2 Bárrio 192 11 803 47 206 12 11 194 11 4 98 6 3 0 36 0,1 Cela 636 19 1530 45 419 12 11 326 10 5 99 3 8 0 46 0,2 Évora 826 17 2034 43 575 12 10 559 12 8 222 5 8 0 20 0,5 Maiorga 234 12 909 46 201 10 10 270 14 9 123 6 1 0 35 0,4 Prazeres 557 15 1476 40 497 13 10 510 14 14 228 6 9 0 20 0,1 S. Vicente 457 20 962 42 497 22 9 142 6 2 74 3 8 0 12 0,0 Vestiaria 142 11 539 43 175 14 10 193 15 0 175 14 8 0 21 0,0 Vimeiro 296 14 964 46 341 16 10 172 8 1 77 4 9 1 Fonte: INE: Recenseamento Geral da População e Habitação, 2001 Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 22 de 48
  23. 23. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2.3. A População Escolar 2.3.1 Alunos ALUNOS - ANO LECTIVO 2008-2009 Número de alunos Ano Curso Turmas F M Totais Regular 5 132 9º 151 CEF 2 16 Ciências e Tecnologias 4 93 Ciências Sócio-Económicas 1 18 Línguas e Humanidades 3 61 10º 251 Tecnológico Desporto 1 27 Profissional Técnico de Vendas 1 25 Profissional Gestão e Prog. SistInform. 1 25 11º Ciências e Tecnologias 3 82 Ciências Sócio-Económicas 1 17 Línguas e Humanidades 2 54 183 Profisisonal Técnico Com. Marketing 1 20 Profissional de Gestão de Equip. Inform. 1 20 Ciências e Tecnologias 3 81 Cências Económico-Sociais 1 13 12º 133 Ciências Sociais e Humanas 2 36 Profissional Gestão Equip Informáticos 1 16 Extra- Escolar 2 20 Nocturno EFA Básico 1 6 EFA Secundário 1 17 61 Módulos (11º) 1 10 Módulos (12º) 1 8 Totais 39 819  habilitações académicas dos Encarregados de Educação maioritariamente ao nível do ensino básico, notando-se, no entanto, uma ligeira progressão, por referência ao primeiro Projecto Educativo (1999)  um número significativo de alunos opta por cursos profissionais ou saídas profissionalizantes;  algum desajustamento entre profissão pretendida e área de estudos frequentada;  poucos hábitos de estudo e falta de métodos de trabalho;  o computador ganha importância, como passatempo, em relação à TV;  expectativas socioprofissionais difusas.  os alunos estudam normalmente pouco e, predominantemente, antes dos testes;  os alunos registam o essencial da aula; falta de métodos e hábitos de trabalho;  trabalhos de casa negligenciados pelos alunos;  sobretudo no 3º Ciclo, os alunos revelam comportamentos dispersivos;  não se verifica grande apetência pela busca de conhecimentos;  os alunos não pesquisam conhecimento de forma autónoma; Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 23 de 48
  24. 24. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2.3.2. Pessoal Docente PESSOAL DOCENTE Quadro Escola Contra Departamento Professores Professo- QZP Total tados Titulares res Línguas 7 12 3 2 24 Ciências Sociais e Humanas 5 10 2 5 22 Matemática e Ciências 7 22 6 4 39 Experimentais Expressões 2 6 2 0 10 21 50 13 12 95  concordância com a estruturação horária, aprovação da tarde livre de quarta-feira para reuniões, actividades extracurriculares e clubes;  a maioria dos professores convive com os alunos, mas poucos ajudam em pesquisa;  altos níveis de participação em actividades;  os “problemas emergentes no 3º ciclo”, que se diagnosticaram em 1999, confirmaram-se;  professores intervenientes com abordagens construtivas;  desconhecimento de normas de segurança;  os professores participam as ocorrências e consideram eficaz a resposta da escola, mas recomendam actuação imediata e maior firmeza;  por referência a 1999, as instalações são bastante mais satisfatórias;  funcionamento, atendimento e eficácia de serviços e blocos de aula satisfazem, mas existe largo espaço para melhorias;  relação escola comunidade é importante e funciona;  espaços deviam ser aproveitados e a sua segurança melhorada;  relacionamento perfectível com os auxiliares de acção educativa;  falta de ocupação de tempos livres; Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 24 de 48
  25. 25. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2.3.3. Pessoal Não docente PESSOAL NÃO DOCENTE Categoria Profissional Habilitações Literárias Idade 1º C. 2º C. 3º C. SEC SUP <30 30-40 40-50 <50 Auxiliares de A. Educativa 11 3 3 7 - 0 6 6 12 Outros 2 - - - - - - - 2 Administrativos 1 2 7 - - 2 4 4  Note-se uma diminuição, quase dramática, de efectivos: de 2002 até 2008, para um número muito aproximado de alunos, verificou-se uma diminuição de 22 elementos do pessoal não docente;  Aumento do nível etário;  Baixo nível de formação inicial;  Identificação com a escola, considerada como um lugar de referenciação. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 25 de 48
  26. 26. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 3. Análise “SWOT” Na análise e caracterização de uma organização, há uma metodologia, baseada no modelo de Excelência da “European Foundation for Quality Management”. Segundo essa metodologia, uma organização deverá analisar os seus “Pontos Fortes” (Strenghts), “Pontos Fracos” (Weaknesses), relacionando-os com as “Oportunidades” (Opportunities) e “Constrangimentos” / “Ameaças” (Threats), que o meio envolvente lhe coloca. Procederemos, assim, a uma “análise swot”, capaz de evidenciar, muito sucintamente, esses aspectos fundamentais. Tentaremos, assim, avaliar o nosso problema estratégico, de forma a podermos desenhar uma solução estratégica. Teremos em atenção, nomeadamente, os dados decorrentes da Avaliação Externa realizada em 2007, bem como o Inquérito de Satisfação da Comunidade Educativa, realizado, no mesmo ano, pelo Observatório da Comunidade Educativa. 3.1. Pontos Fortes  Diversificação da oferta educativa da escola;  Organização das aprendizagens ao nível dos Grupos / Departamentos;  Trabalho cooperativo ao nível de alguns grupos disciplinares;  Empenho e capacidade de trabalho, por parte da generalidade do pessoal docente e não docente;  Integração dos alunos, nomeadamente dos que apresentam necessidades educativas especiais de carácter permanente, em termos relacionais, afectivos e assistenciais;  Captação de verbas e sua aplicação em equipamentos informáticos e melhoramento da qualidade de vida;  Ligação à comunidade, através de parcerias formais, informais e não formais;  Atendimento personalizado instituído em regra;  Existência de um programa de incentivo à excelência (Prémio “O Melhor Aluno”);  Espírito de abertura a novas experiências, técnicas ou pedagógicas;  Estruturação horária, com a tarde de quarta-feira reservada para RCA e reuniões;  Importância da Biblioteca como centro tópico e simbólico da Escola;  O facto de ser escola-sede de um Centro de Formação e albergar um Centro Novas oportunidades; Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 26 de 48
  27. 27. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 3.2. Pontos Fracos  Limitado exercício efectivo de alguns órgãos intermédios;  Representação dos documentos teóricos (Projecto Educativo de Escola, Plano de Actividades, Projecto Curricular de Turma…) como algo “teórico”, sem ligação com a realidade;  Falta de abrangência do Plano de Actividades;  desconhecimento de normas de segurança;  agressões verbais, físicas e psicológicas entre membros da comunidade educativa;  danificação de material escolar;  deterioração do clima na sala de aula, com problemas ao nível da afirmação da autoridade do professor;  os professores participam as ocorrências e consideram eficaz a resposta da escola, mas recomendam actuação imediata e maior firmeza; 3.3. Constrangimentos  habilitações académicas dos Encarregados de Educação maioritariamente ao nível do ensino básico, notando-se, no entanto, uma ligeira progressão, por referência ao primeiro Projecto Educativo (1999);  desvalorização do conhecimento como forma de acesso a uma vida melhor;  participação reduzida dos pais na vida da escola;  falta de condições físicas que permitam um eficaz controlo das entradas e da circulação no espaço escolar;  deficientes condições de segurança, sobretudo em caso de sinistro. 3.4. Oportunidades  Estabilidade do corpo docente;  Diversificação das ofertas formativas da escola;  Existência de um GAAF.  Recentração, a breve prazo, da Escola como entidade física;  Manutenção, e reforço, da imagem positiva da escola no exterior;  “Escola Aberta”; Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 27 de 48
  28. 28. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO IV - AS VALÊNCIAS 1. CFAE DOS CONCELHOS DE ALCOBAÇA E NAZARÉ Programa de Acção a. Missão Nos últimos anos, em Portugal, os centros de formação de associações de escolas/agrupamentos foram o epicentro da formação contínua de professores. Com efeito, não obstante as inúmeras fragilidades que reflectiram, sobretudo em termos de identidade jurídica e autonomia financeira, os centros de formação desenvolveram uma actividade particularmente marcante no campo da oferta estruturante da formação, contribuindo decisivamente para a implementação de um território educativo fundamental na orientação e contextualização das dinâmicas organizacionais e individuais da formação dos últimos anos. No entanto, em matéria de formação dos profissionais da educação, enfrentamos hoje novos desafios, resultantes, nomeadamente, do novo Estatuto da Carreira Docente (DL nº 15/2007 de 19 de Janeiro) e da Avaliação do Desempenho Docente (DR nº2/2008 de 10 de Janeiro). No que se refere aos docentes, por exemplo, a melhoria dos resultados escolares dos alunos e da qualidade das aprendizagens, bem como as novas exigências no campo do desenvolvimento pessoal e profissional, no quadro de um sistema de reconhecimento do mérito e da excelência, condicionam e obrigam, presentemente, a repensar o enquadramento normativo e operacional da formação de docentes. A constatação de que a lógica de epicentro de formação é estrategicamente inadequada relativamente a estes tempos de mudança que estamos a atravessar acabou por ser inevitável, como resulta da entrada em vigor do Despacho nº 18039/2008, que considera extintos todos os centros de formação. Dado o contexto específico das escolas portuguesas, o principal desafio consiste em adequar as estratégias de formação a um novo quadro de referência da escola como eixo prioritário da concepção, organização e operacionalização da formação contínua. Daí que, de acordo com o Despacho nº 18038/2008, no âmbito do reconhecimento do papel central da escola e das necessidades de desenvolvimento profissional dos professores, correspondendo ao conceito de plano de formação previsto no Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de Abril, compete à escola aprovar o plano de formação e de actualização do pessoal docente e não docente, os quais “devem conter, em termos concretos e precisos, a explicitação do levantamento de necessidades, a indicação dos objectivos a atingir, a identificação das áreas de formação a desenvolver e das modalidades mais adequadas a utilizar e qual o público-alvo a atingir.” Neste novo enquadramento, em que a formação contínua dos profissionais da educação aparece centrada nas escolas e nas competências destas para elaborar os planos de formação, os centros de Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 28 de 48
  29. 29. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO formação de associações dos ensinos básico e secundário e dos estabelecimentos da educação pré- escolar readquirem uma nova significação enquanto hipocentros de acompanhamento e apoio. Compete à escola, com o apoio do centro de formação, elaborar os planos de formação que deverão ser organizados para dois anos lectivos. Por outro lado, deverá competir aos centros de formação, tomando como referência os planos de formação das associações de escolas/agrupamentos, elaborar os respectivos planos de acção, os quais devem conter, nos termos previstos pelo Despacho no 18038/2008, “a explicitação do dispositivo de formação que se destina a responder aos planos de formação das escolas associadas.” b. Objectivos gerais do Plano de Acção Considerando o papel central que a escola deve desempenhar nesta nova fase da formação contínua dos profissionais da educação, os objectivos gerais do CFAE dos Concelhos de Alcobaça e Nazaré para o triénio 2008-2011 são os seguintes:  Apoiar as escolas/agrupamentos:  no levantamento das suas necessidades de formação;  na formulação dos objectivos a atingir;  na identificação das áreas de formação a desenvolver;  na selecção das modalidades de formação mais adequadas a utilizar;  na definição do público-alvo a atingir;  na elaboração dos respectivos planos de formação;  elaborar o Plano de Acção, com base nos Planos de Formação das escolas associadas;  promover e assegurar, numa perspectiva de integração e participação, a execução do Plano de Acção;  coordenar e optimizar os recursos existentes, tanto materiais como humanos;  coordenar e desenvolver estudos locais de controle e aferição da formação;  apoiar projectos de acção e inovação das escolas associadas, contribuindo para a identificação de novas práticas e experiências significativas de ensino e educação;  elevar os níveis de formação dos profissionais da educação das escolas associadas, assumindo o nível de desempenho profissional “Bom” como referencial mínimo de formação;  alargar as possibilidades de acesso à formação por parte dos profissionais da educação das escolas associadas, através da modulação e do ajustamento das ofertas;  diversificar as oportunidades de formação e de desenvolvimento de novas metodologias de acção educativa; Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 29 de 48
  30. 30. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO  expandir e consolidar o CFAE dos Concelhos de Alcobaça e Nazaré como centro de excelência ao serviço de todas as escolas associadas. c. Cultura do CFAE dos Concelhos de Alcobaça e Nazaré Os objectivos gerais da política da acção do centro de formação devem traduzir-se por imperativos de melhoria do nível de formação dos profissionais da educação abrangidos, da sua satisfação e da sua competência no quadro das exigências de competitividade a que são submetidos. Neste sentido, o modelo de acção que preconizamos para este centro de formação assenta na comunicação e no conhecimento das necessidades das escolas, no apoio e acompanhamento permanentes das suas actividades. Ao director do centro é confiada a missão de responder com eficácia às solicitações das escolas através de dispositivos de formação adequados às suas necessidades, tendo como referenciais desta gestão operacional a capacidade de conduzir processos de mudanças, competências de gestão para a obtenção de resultados, competências de gestão de recursos materiais e tecnológicos, bem como talento para comunicar e estabelecer parcerias, tal como talento para promoção de redes de intercâmbio e cooperação de todos os profissionais da educação. As escolas precisam de profissionais reflexivos e criativos, com capacidade de processar informação relevante e educacionalmente significativa. A rapidez com que os conhecimentos evoluem e as competências se transformam, associada às profundas mudanças vividas pelas nossas sociedades, nestes tempos de alguma incerteza e deriva, exigem dos profissionais da educação uma adaptação permanente, individual e colaborativa, o que se traduz na necessidade de desenvolver novas competências. A valorização da função formação é cada vez mais crucial. Compete ao centro de formação operacionalizar os dispositivos que permitam sustentar e desenvolver todos os mecanismos de reconstrução e recompreensão da identidade profissional. A formação contínua torna-se, portanto, um instrumento capital de expansão e consolidação das dimensões fundamentais de desempenho dos profissionais da educação, designadamente, a dimensão profissional, social e ética, a dimensão de desenvolvimento do ensino e da aprendizagem, a dimensão de participação na escola e de relação com a comunidade e a dimensão de desenvolvimento profissional ao longo da vida. O centro de formação tem como fundamento de acção um conjunto de princípios que assentam naquilo que as escolas associadas reconhecem como essencial, designadamente em termos de prioridades da formação dos seus profissionais da educação, tendo como referencial as múltiplas áreas do conhecimento, ou as múltiplas vertentes das competências, de acordo com um enquadramento contextualizado e prático. A formação, visando o desenvolvimento pessoal e profissional permanente dos docentes e não docentes, deverá ser diversificada, em termos de apropriação/aprofundamento de conhecimentos e competências, bem como contextualizada, em termos de espaços escolares e de níveis Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 30 de 48
  31. 31. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO e áreas de conhecimento, atendendo à diversidade das escolas/agrupamentos e às suas disponibilidades em termos de expectativas e recursos. Trata-se de sublinhar uma cultura de acção com uma forte componente prática. Neste sentido, a formação dos profissionais da educação deverá orientar-se por princípios como o do desenvolvimento integrado, o princípio da formação por competências profissionais e o princípio da aprendizagem colaborativa. A prevalência desta orientação significa que o processo de desenvolvimento pessoal e profissional se encontra estreitamente relacionado com o processo de desenvolvimento curricular e organizacional das escolas. As dinâmicas contextualizadas e diversificadas da formação convergem com a prioridade da lógica da procura, da personalização e da rentabilização dos pontos fortes das escolas associadas. Em suma, em termos de curto prazo, na sequência da reestruturação e redefinição em curso, o centro de formação terá que dar resposta às necessidades/interesses/prioridades de formação das escolas/agrupamentos, coordenando, gerindo e dinamizando recursos locais, criando equipas interdisciplinares, e servindo de interface entre as escolas, outras instituições locais de formação de professores. Traduzindo esta ideia sob a forma de um compromisso incontornável, é fundamental que a formação contínua encontre nas escolas uma âncora sólida e significativa, procurando satisfazer as necessidades identificadas, quer pelos docentes e não docentes que aí exercem a sua actividade, quer pelos órgãos de gestão, que melhor conhecem os recursos humanos da sua organização, bem como o potencial do seu desenvolvimento pessoal e profissional. Esta cultura de formação constrói-se com uma sólida formação científica e pedagógica, assente em dinâmicas de trabalho colaborativo e cooperativo, mediante a convocação plena das responsabilidades inerentes e que devem ser assumidas por todos os agentes da formação. Neste quadro, cumprirá potencializar os recursos das estruturas existentes de financiamento à formação contínua, nomeadamente, o Quadro de Referência Estratégica Nacional – Programa Operacional do Potencial Humano (QREN – POPH). Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 31 de 48
  32. 32. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 2. BIBLIOTECA ESCOLAR Produção e Oferta Cultural – Construção Autónoma do Conhecimento Inserida num meio com inegáveis tradições culturais, a Escola pode e deve assumir um protagonismo que (já se esboça, sobretudo com) deve ter como parceiro privilegiado a Biblioteca Escolar – Centro de Recursos Educativos, encarada como parte integrante do processo educativo. “Nenhum vento é favorável para quem não sabe para onde vai” - Saint –Exupéry Há muito tempo que as bibliotecas escolares se desvincularam da sua matriz etimológica - um espaço em que se reúnem “βιβλοι”, livros em suporte de papel. Os velhos livros, palpáveis e reais, são, ainda, um bem inestimável que a política documental da escola não pode ignorar. Mesmo no século XXI, uma das formas de acesso à cultura são os livros e a leitura (nada substitui a relação mágica que se estabelece entre o livro – o autor – a página - a história) incentivar essa relação é uma missão essencial da BE. No entanto, preparar jovens para serem bem sucedidos na sociedade actual, baseada na informação e no conhecimento, implica que biblioteca escolar desenvolva nos alunos competências para a aprendizagem e a prática de avaliação e utilização da informação, em todos os suportes e formatos, considerando que a liberdade intelectual e o acesso à informação são essenciais à construção de uma cidadania livre e responsável. A biblioteca escolar só cumpre a sua função desenvolvendo políticas e serviços, seleccionando e adquirindo recursos, proporcionando acesso material e intelectual a fontes de informação apropriadas e diversificadas, disponibilizando equipamentos e pessoal qualificado, que forneçam informação fiável, acesso rápido, recuperação e transferência de informação, que melhorem a qualidade de vida, mediante a apresentação e apoio a experiências de natureza estética, orientando os utilizadores na apreciação das artes e dos valores culturais, encorajando a criatividade e uma ocupação útil e construtiva dos tempos livres. Mas uma nova biblioteca escolar não se constrói só com equipamentos e recursos humanos , é essencial uma mudança de atitude porque, sem ela, não haverá modificações profundas , por mais sofisticadas que sejam as ferramentas disponíveis. É, assim, essencial que este Projecto Educativo consagre princípios que impliquem uma nova forma de encarar uma biblioteca escolar, reconhecendo-a como potenciadora de aprendizagens socialmente ricas, que ajudem os jovens a desenvolver o seu sentido crítico e a construir autonomamente o seu saber, na sua caminhada para a idade adulta, porque, repita-se, a liberdade intelectual não se ensina, aprende-se. Neste capítulo, surge, como objectivo estruturante, a afirmação da Escola, na Comunidade e no subconsciente colectivo, como uma produtora natural de objectos culturais reconhecíveis, criando um clima de expectativa permanente. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 32 de 48
  33. 33. Escola Secundária D. Inês de Castro - Alcobaça PROJECTO EDUCATIVO 3. “NOVAS OPORTUNIDADES” PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO DO CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES O Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária D. Inês de Castro de Alcobaça propõe-se promover processos de diagnóstico e encaminhamento para educação e formação, de reconhecimento de competências, de formação e de certificação que respondam às necessidades dos cidadãos com reduzidos níveis de qualificação escolar e profissional, procurando sempre adequar os processos referidos ao perfil do formando adulto. O CNO D. Inês de Castro propõe-se, ainda, distinguir-se pela qualidade da oferta formativa. Assim, mobilizando os conceitos-âncora de “rigor”, “exigência” e “eficiência”, procurar-se-á criar uma imagem de seriedade associada a este processo de formação, contribuindo, assim, para credibilizar esta inovadora aposta na valorização dos recursos humanos. Integridade, profissionalismo, formação adequada à função e respeito pela diversidade serão os requisitos estruturais para a equipa técnica de profissionais do CNO D. Inês de Castro. Numa primeira fase, o Centro Novas Oportunidades irá assegurar a certificação escolar de Nível Básico e de Nível Secundário, remetendo para um próximo Plano Estratégico de Intervenção a possibilidade de se candidatar a RVCC Profissional. Pretende-se garantir igualdade de oportunidades a mulheres e homens e pretende-se desenvolver práticas que melhorem o acesso à formação por parte de públicos com dificuldades de inserção no mercado de trabalho, procurando garantir-lhes um acompanhamento personalizado, adaptado às condições específicas verificadas, no sentido de encontrar soluções adequadas ao perfil individual. Inserido na Comarca de Alcobaça, o CNO D. Inês de Castro poderá responder às motivações e expectativas das populações dos Concelhos de Alcobaça, Nazaré e Porto de Mós, oferecendo-lhes perspectivas de qualificação e certificação, sem que tenham de se deslocar para os grandes centros urbanos. Nesta fase de implementação, o horário de funcionamento, repartido entre o período da tarde (laboral) e o período nocturno (pós-laboral), procura diversificar a oferta, de modo a poder atender formandos adultos, ora em situação de desemprego, ora empregados em busca de qualificação e certificação suplementar. As Estruturas Regionais do Ministério da Educação, assim como a ANQ, serão regularmente informadas da evolução do Plano de Intervenção, numa lógica de melhoria contínua e de transparência de procedimentos. Haverá avaliação periódica dos processos e dos resultados alcançados, perspectivando-se sempre uma estratégia dinâmica de intervenção e a actualização constante dos formadores, através de Sessões de Formação regulares. Rua Costa Veiga - 2460– 028 Alcobaça Telef. 262 505 170 - Fax 262 596 460 Telemóveis : 962 097 175 – 913 6174 44 E-mail: esdica.ce@mail.telepac.pt Página 33 de 48

×