Métodos de plantio de igrejas

4,916 views
4,725 views

Published on

1 Comment
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
4,916
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
263
Actions
Shares
0
Downloads
367
Comments
1
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Métodos de plantio de igrejas

  1. 1. • Cada local tem sua própria cultura característica... • As pessoas de certo local têm necessidades específicas... • Cada equipe de plantadores será única e diferente... • Os recursos e habilidades serão distintas em cada plantio... • Os resultados serão de propor-
  2. 2. • As pessoas gostam de estar com seus pares... • Grupos-alvo: grupos homogêneos de pessoas que queremos alcançar... • Cada grupo será atingido de maneira diferente dos outros... • Como vender a visão p/cada equipe... • O potencial/vocação de cada equipe... • As condições únicas de cada local... • Sem treinamento e mentoreamento
  3. 3. • Precisa haver mudança de para- digma, na maneira de trabalhar. o De controlador para recrutador o De palestrante para treinador o De diretor para encorajador o De supervisor para mentor o De foco em finanças p/foco em pessoas • Tendemos a pressupor que todos sabem de que se trata... • Tendemos a nos comprometer pouco e esperar pouco...
  4. 4. • Quanto menor o grupo melhor o aprendizado efetivo e prático. • Como as pessoas aprendem? o A Lei da Aprendizagem o A Lei da Expectativa o A Lei da Aplicação o A Lei da Retenção o A Lei da Necessidade o A Lei da Preparação o A Lei do Avivamento Bruce Wilkinson, As 7 leis da aprendizagem, Editora
  5. 5. o Andou com eles o Comeu com eles o Compartilhou a Sua vida o Ensinou-os um a um o Deu-lhes estágios práticos o Amou-os no dia-a-dia o Sofreu com eles... • As conversas pessoais têm mais impacto e transformam mais. • Como Jesus mentoreou os discípulos durante 3,5 anos?
  6. 6. • Em toda comunidade existem portas abertas para o trabalho... • A área onde a igreja será plantada precisa ser estudada e entendida. o Conhecer os líderes instituídos o ... a composição religiosa da comunidade o ... o grau de instrução e a ocupação o ... o nível sócio-econômico o ... a composição etária, escolas e instituições o Conhecer os principais problemas locais o Ver que serviços poderiam se oferecidos pela igreja como meio de aproximação
  7. 7. • A igreja/instituição mãe precisa estar saudável para gerar filhos • A igreja/instituição mãe precisa ser estudada e entendida. Precisa ter:o Vigor espiritual e denominacional o Liderança comprometida o Um Grupo Base para ceder o Possibilidade de apoiar o Grupo Base o Disposição para iniciar e continuar o Sustentar parcial ou inteiramente o projeto
  8. 8. Precisamos entendê-los: • São grupos ligados por cultura, língua, atividade, religião ou afinidade. • As pessoas gostam de receber o evangelho quando não preci- sam superar barreiras. Peter Wagner • Providenciar um ambiente que seja não-ameaçador é metade do caminho andado...
  9. 9. • Os métodos de PI podem ser divididos em 2 grandes grupos. • PI por Modalidade (fundados diretamente pela igreja mãe): • Igreja Mãe – Igreja Filha • Igrejas multicongregação • Plantio distrital • Divisão (plantio acidental) • Plantio Multi ou Monocultural • Plantio por Adoção • Mais adiante descrição de cada
  10. 10. • Quem planta a igreja define ini- cialmente a que grupo pertence. • PI por Sodalidade (fundados por denominação ou departamento): • Fazedores de Tenda • PI por Apóstolo ou Evangelista • Pastor plantador de igrejas • Replantando Igreja • Transplante de Igreja • PI para grupos-alvo especiais • Por método evangelístico utilizado • A seguir a descrição de cada um.
  11. 11. • Outros métodos de PI podem ser usados com igual impacto. • Alguns métodos de PI definidos p/método de evangelismo usado: • Rede de parcerias • Igrejas no lar • Por método evangelístico utilizado • Série de conferências • Pequenos Grupos • Duplas missionárias • Associação de métodos, etc. • Depende da realidade
  12. 12. • Uma igreja já estruturada planta outra igreja e dá todo apoio. • O Núcleo Base (NB) é de membros maduros dessa igreja-mãe. • O NB é de membros que moram na região e a conhecem bem. • Finanças, material e equipamento vem sobretudo da Igreja mãe. • Mãe dá força denominacional à filha, que nasce c/identidade forte.
  13. 13. • Mãe precisa de treinamento, apoio estratégico e logístico. • Ambas precisam de envolvimen-to da igreja organização e apoio institucional. • Parcerias com associações são bem-vindas e necessárias. • Vários métodos associados
  14. 14. • O membros do NB conhecem a área, a população e cultura local • Baixo custo para a organização • Baixo empenho da igreja-organização • Torna-se rapidamente ministério local • É e estimula o ministério leigo entusias- mando outros – típico Adventista • É autenticamente do povo desde o início • Dependendo do envolvimento da Igreja Mãe, a organização tem pouco controle
  15. 15. • Na maioria dos casos • Com a densidade de igrejas que temos em nosso território, de-veria ser o principal método. • Quando se quer estabelecer uma igreja sólida financeira e doutrinariamente em pouco tempo.
  16. 16. • Uma igreja já estruturada atende outros grupos-alvo. • O mesmo prédio serve p/diversas igrejas c/grupos mais homogêneos. • Cada igreja tem um público alvo e se organiza para atendê-lo. • Típico para cidades grandes com variedade de grupos e etnias. • Oferece vários cultos por semana p/diferentes públicos da vizinhança.
  17. 17. • Igreja mãe precisa de visão clara e vontade de ser relevante. • O grupo fundador precisa ser capaz de lidar confrontos internos. • Apoio com conhecimento sociológico e antropológico. • Tolerância por parte das organizações superiores.
  18. 18. • Muito prático e econômico em grandes cidades onde prédios/terrenos são caros • Baixo custo para a organização. • Baixo empenho da igreja para o plantio • Atende grupos vizinhos da igreja • Otimiza bens e propriedades da igreja • Torna a igreja relevante para um grupo maior de pessoas da vizinhança. • Pode trazer conflitos internos na igreja • Precisa de um alto grau de organização
  19. 19. • Em cidades grandes. • Onde o uso dos recursos e bens precisa ser otimizado. • Onde há muitos grupos homo- gêneos de pessoas. • Quando a igreja mãe quer ser mais relevante na vizinhança • Quando se desenvolve expertise no atendimento
  20. 20. • Onde há prioridades de Missão Global – município ou bairro. • As igrejas do distrito se unem para penetrar área não atingida • Cada igreja do distrito participa com aquilo que tem de melhor. • As igrejas se dispõe a abrir mão de parte do atendimento pastoral que receberiam para expandir.
  21. 21. • Visão clara e liderança capaz de levar as igrejas do distrito ao resultado final esperado. • Um plano estratégico adequado • Localização central no distrito • Apoio das organizações superiores quando necessário • Unidade entre os irmãos e liderança das igrejas do distrito.
  22. 22. • Muito prático e econômico para a maioria dos distritos. • Baixo custo para a organização. • Baixo empenho de cada igreja para o plantio da nova igreja no distrito. • Traz unidade e senso de equipe para as igrejas do distrito. • Tende a ser muito eficaz e rápido o PI. • Pode trazer conflitos entre as igrejas. • Pode deixar dúvidas sobre qual igreja é responsável pelo projeto.
  23. 23. • Sempre que possível. • Onde o uso dos recursos e bens precisa ser otimizado. • Onde as igrejas do distrito têm a mesma visão e vontade. • Onde há necessidade de plantar uma igreja de Missão Global. • Quando a liderança tiver
  24. 24. • Infelizmente há igrejas que não conseguem reconhecer o tempo de se dividir em paz. • A divisão da igreja e o plantio de uma nova acaba ocorrendo por discórdia e incapacidade de conciliar diferenças. • Se possível deve ser dirigida mesmo assim para que ajude a
  25. 25. • Trabalho pastoral nas igrejas resultantes da divisão. • Trabalho de reconciliação pós PI. • Líderes neutros que consigam dirigir o processo de PI para que cumpra um propósito maior. • Apoio da organização da igreja. • Compreensão do plano maior de
  26. 26. • Uma igreja pode ser plantada onde antes não havia nenhuma. • O processo de PI pode ser terapêutico para ambas as igrejas – avelha e a nova. • Deus pode mostrar a Sua capacidade de transformar as confusões humanas em bênçãos para todos os envolvidos. • Não é a melhor maneira de fazer PI. • Muita energia gasta no conflito que produz a separação. • Lutas paralelas podem atrasar o PI.
  27. 27. • Sempre que possível evitar esse modelo de PI. • Quando realmente não há maneiras de reconciliação.
  28. 28. • Em cidades grandes onde há mistura cultural e tolerância racial. • A população local busca a multiculturalidade e está disposta a pagar o preço da paciência mútua. • É adequado onde não ocorre como um esforço artificial, pelo contrário, existe um desejo natural da população em conviver assim.
  29. 29. • Visão clara e liderança capaz de intermediar conflitos e solucionar dificuldades raciais e étnicas. • Habilidade multicultural da liderança da nova igreja. • Apoio e tolerância das organizações superiores • Unidade entre os irmãos e lide- rança da igreja mãe e da filha.
  30. 30. • Se der certo o projeto irradia atmosfera de cultura celestial ao invés de conflitos humanos. • É um cartão de visita de tolerância e compreensão da denominação. • Pode tornar-se exemplo para pessoas, regiões e nações inteiras • Costuma ser bonito enquanto intenção. • Na maioria das vezes acaba em PI monocultural.
  31. 31. • Sempre que possível. • Onde o uso dos recursos e bens precisa ser otimizado. • Onde as igrejas do distrito têm a mesma visão e vontade. • Onde há necessidade de plantar uma igreja de Missão Global. • Quando a liderança tiver
  32. 32. • Em cidades grandes onde há mistura cultural e tolerância racial. • A população local busca a multiculturalidade e está disposta a pagar o preço da paciência mútua. • É adequado onde não ocorre como um esforço artificial, pelo contrário, existe um desejo natural da população em conviver assim.
  33. 33. • Percepção das realidades e tensões étnicas de uma cidade. • Se a liderança não for nativa preci- sará de competência intercultural. • Muitas vezes há necessidades de liderança nativa da cultura alvo. • Apoio, compreensão e tolerância das organizações superiores. • Precisa haver a aculturação da fé da 2ª geração p/que não a
  34. 34. • Há um enorme poder de atração de determinada cultura por seus pares. • Igrejas monoculturais tendem a crescer muito no início, se forem relevantes. • Estrangeiros tendem a aceitar Jesus no país que estão mais do que se estivessem em seu país de origem. • O crescimento é proporcional ao fluxo migratório da etnia para o país. • Se não for feito a aculturação da fé dos filhos dos imigrantes, eles saem da
  35. 35. • Sempre que houver um fluxo migratório significativo no país. • Sempre que as igrejas de um lugar não absorvam a etnia. • Onde há um grupo significativo de certa etnia ou nacionalidade. • Quando houver liderança com habilidade para trabalhar com o grupo em questão.
  36. 36. • Às vezes uma igreja é absorvida por outra ou por uma denominação. • Uma igreja ou denominação podem assumir uma congregação – pessoas, propriedades e corpo doutrinário. • Isso deve sempre ocorrer por iniciativa da igreja adotada. • Para a igreja mãe ou denominação deve ser uma adoção clara sem
  37. 37. • Assessoria jurídica da denominação que está adotando a igreja. • Apoio das organizações superiores. • Apoio financeiro das organizações superiores para o trâmite em todas as suas dimensões. • Liderança forte da denominação que está adotando, para que haja integração completa da nova igreja em plena conformidade doutrinária.
  38. 38. • Quando há uma adoção de uma igreja toda, o PI acontece de uma vez. • Se a igreja adotada estiver convicta, ela já vem pronta para o rol de igrejas da denominação. • Economia com a aquisição da propriedade e bens da igreja adotada. • Pode haver dificuldades doutrinárias e organizacionais pós-adoção. • Podem surgir grupos separatistas descontentes com a adoção.
  39. 39. • Sempre que houver plena concordância legal e doutrinária da igreja a ser adotada.
  40. 40. • O Núcleo Base (NB) é o ponto de partida para todos métodos. • Pessoas – geralmente um ou dois casais mudam para uma localidade para formar o NB. • Elas se estabelecem ali e buscam o seu ganha-pão como podem. • Usam seu esforço e tempo leigos para plantar uma igreja em um local onde não há nada.
  41. 41. • Geralmente tem boa vontade mas precisam de recursos para fundar a igreja. • Precisam de treinamento e apoio estratégico • Precisam de apoio da igreja- organização, para sentirem-se envolvidos e parte do todo. • Compreensão e muita oração.
  42. 42. • Baixo custo para a organização • Torna-se rapidamente ministério local • É um ministério leigo – típico Adventista • É autenticamente do povo desde o início • Se não houver treinamento e apoio pode tender a ministério independente... • A organização tem pouco controle • Se não tiver firmeza doutrinária: heresias
  43. 43. • Em um município longe de uma igreja mãe – área Missão Global • Cidades pequenas • Quando voluntários se dispõe • Quando os voluntários são de confiança e estão bem treinados • Em situações específicas para
  44. 44. • Modelo com enfatizado no NT. • Geralmente ele faz o PI por solicitação denominacional. • Ele precisa não apenas estabelecer a nova igreja, mas dar-lhe o alicer-ce para um crescimento saudável. • O Plantador da igreja estabelece e treina liderança local para a
  45. 45. • Apoio denominacional. • Orçamento definido até o final do processo de PI. • O apóstolo ou evangelista preci-sa de uma equipe qualificada. • Equipamento e material apro- priado para o processo de PI.
  46. 46. • O profissionalismo com que o PI é feito. • O resultado denominacional é sólido • As pessoas geralmente são bem instruídas e preparadas no processo. • A força denominacional consolida o PI. • Geralmente o custo é alto. • Tende a faltar identidade e estrutura leiga no projeto. • O evangelista vai embora, provocando muitas vezes a perda de conversos.
  47. 47. • Em um município longe de uma igreja mãe – área Missão Global • Cidades pequenas distantes. • Quando não há voluntários. • Quando não há igrejas próximas que poderiam servir de mãe. • Quando há um interesse deno-
  48. 48. • Às vezes uma igreja é mantida viva artificialmente apesar de não ter mais sinais vitais como: • Pessoas sendo salvas por meio dela • Entusiasmo nos membros • Percepção da presença de Deus, etc. • Geralmente com nova liderança que inspire confiança a igreja é reestruturada para crescer. • Novos esforços são feitos
  49. 49. • Nova abordagem, novo estilo, nova liderança. A liderança precisa ser capacitada para o processo. • Avaliação do local “queimado”.* • Orçamento definido até o final do processo de replantio. • Os membros que restaram precisam crer e estar dispostos, ou não podem ficar. • Apoio estratégico e de marketing.*Local queimado é considerado aquele que a comunidade local descrimina por má conduta anterior da igreja, ou outros elementos que prejudicam a imagem da igreja local.
  50. 50. • Manter a localização de igreja existente. • Recuperar o trabalho no local da igreja. • Desafia para não retroceder diante das dificuldades sofridas no passado no local • Exige ações concretas de reavivamento e reestruturação do jeito de ser da igreja.• Pode exigir investimentos altos. • O local pode estar queimado. • Há diversos elementos que já conspiram contra o processo desde o início.
  51. 51. • Em locais onde claramente há potencial de crescimento que na tentativa anterior não foi identificado ou não foi trabalhado adequadamente. • Quando for identificado que o local não foi queimado.
  52. 52. • A vizinhança de uma igreja que já foi relevante muda e precisa ir onde há pessoas. • A igreja precisa ser deslocada de onde ela não é mais relevante e ir para onde ela se tornará relevante de novo.
  53. 53. • Um novo lugar. • O velho local precisa ser vendido. • Um processo de transição em que a igreja ainda fique onde está até ser estabelecido o novo local. • Apoio jurídico e imobiliário da denominação. • Orçamento que apoie todo o processo de transplante, até a nova igreja estar saudável no novo local.
  54. 54. • Oportunidade de reinício para a igreja. • Oportunidade de tornar a ser relevante novamente. • Oportunidade de reforma espiritual e reavivamento. • Pode ser fonte de entradas financeiras. • Pode exigir investimentos altos. • A mudança pode ferir membros antigos. • Pode se tornar uma igreja desconectada da comunidade.
  55. 55. • Em locais onde claramente a igreja não pode mais ser relevante.* *Exemplo: Uma igreja que estava numa zona residencial que se transformou em zona de indústrias. Ou região agrícola que ficou desabitada.
  56. 56. • Uma União e um colégio decidem plantar uma igreja. • Uma associação com uma insti- tuição médica se unem. • Irmãos buscam apoio e parceria de empresas, associação, etc. • Um colégio planta uma igreja na área de uma associação s/apoio. • Miss. Calebe organizada por um colégio planta Igr. noutra união.
  57. 57. • Alguém precisa providenciar o Grupo Base, senão o projeto não tem estrutura e morre. • Muito diálogo para acertar as arestas institucionais. • Apoio estratégico e logístico • Vários métodos associados podem e deverão ser usados.
  58. 58. • Os custos e esforços são compartilhados • Pessoas já comprometidas com a obra se envolvem e são revigoradas • Alto controle e acompanhamento • Facilmente se encontra um GB capaz • Estimula o ministério entre obreiros • Quando a parceria é instituição/igreja local pode ocorrer sinergismo benéfico • Esforço gasto com negociações internas • Cadeia de comando pode ser complicada
  59. 59. • Sempre que possível • É muito salutar trabalhar em parcerias e em equipe. Só esse fato já prega o evangelho. • Especificamente em regiões onde há instituições e colégios. • Em projetos com a iniciativa de obreiros da instituição.
  60. 60. • Principalmente em locais de poucos recursos, inicia-se na casa de uma família adventista. • Inicia com os amigos de uma família e vai se expandindo. • Método natural não invasivo • Adequado onde há resistência da comunidade ao plantio de igreja. • Pode haver vários projetos de baixo custo num mesmo bairro.
  61. 61. • Apoio estratégico e logístico • Material e equipamento no lar. • Coordenação, se há vários projetos simultaneamente. • Associação com outros métodos: PG, classes bíblicas, visitas, etc. • Mentoreamento denominacional • Visão clara de fundar uma igreja
  62. 62. • Todos os prós do método mãe/filha • O custo é baixo para todos • Acontece de maneira muito natural • Percepção de genuinidade por parte dos interessados e participantes • Tende a não sair do status “igreja no lar” • Podem surgir problemas doutrinários e consequentemente grupos dissidentes • Pode haver domínio de um grupo apenas
  63. 63. • Pode ser um ótimo método de apoio a outros métodos. • É usado como instrumento de abertura de áreas difíceis. • Para iniciar um trabalho com um grupo homogêneo com potencial • Não deve ser usado como um fim em si mesmo, só se a área oferecer perigos p/uma igreja organizada.
  64. 64. • O método de plantio de igreja também pode ser definido pelo método ou conjunto de méto- dos utilizados em sua fundação. • Os métodos mais comuns são: o Pequenos grupos o Série de Conferências o Missão Calebe o Ação social – serviço à comunidade o Combinação de um ou mais métodos • Não excluímos outros métodos
  65. 65. • Um PG evangelístico pode ser o início de uma nova igreja. • Com diversos PGs evangelísticos funcionando simultaneamente é possível plantar uma igreja sólida • De qualquer maneira os PGs evangelísticos e relacionais são uma ferramenta de apoio impar, cada um com sua função
  66. 66. • “Evangelismo é um processo do qual as conferências são a colheita • Com diversos PGs evangelísticos funcionando simultaneamente é possível plantar uma igreja sólida • De qualquer maneira os PGs evangelísticos e relacionais são uma ferramenta de apoio impar.
  67. 67. • O envolvimento de jovens em massa no entusiasmo de sua juventude pode ser fundamental. • Uma Missão Calebe, ou como chamado outrora Supermissão, é um instrumento de impacto e de formação de opinião local. • Pode ser utilizado como largada para o projeto, ou como apoio associado com outros métodos.
  68. 68. • Temos fartura na inspiração so- bre o assunto de sermos relevan-tes como igreja na comunidade: o Ciência do Bom Viver o Beneficência Social o Parábolas de Jesus • A ação social é tão imprescindí- vel que qualquer projeto de PI adventista deveria ter como fundamento o atendimento às
  69. 69. • É impossível fundar uma nova igreja, sem fazer use de uma ou mais ferramentas evangelísticas. • A utilização conjunta de vários métodos é o melhor em PI. • Um planejamento estratégico com uma visão clara, que coordene os diversos esforços faz-se imprescindível num

×