• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Catalogo Natal Sangue 2010

on

  • 466 views

AS EMISSÕES DE LUIS DE CAMÕES

AS EMISSÕES DE LUIS DE CAMÕES
DA
CRUZ VERMELHA PORTUGUESA

Statistics

Views

Total Views
466
Views on SlideShare
441
Embed Views
25

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

3 Embeds 25

http://nucleofilateliafaro.blogspot.com 16
http://osamigosdafilatelia.blogspot.com 8
http://www.nucleofilateliafaro.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Catalogo Natal Sangue 2010 Catalogo Natal Sangue 2010 Document Transcript

    • MOSTRA<br />FILATÉLICA<br />1243965184785<br />Organização:<br />Grupo Filatélico da Associação Humanitária de Dadores de Sangue de Beja<br />8 a 10 de Dezembro de 2010<br />OS APOIOS<br />Federação Portuguesa de Filatelia – APD<br />Correios de Portugal<br />Direcção do Centro Cultural e Desportivo do Hospital José Joaquim Fernandes<br />O CARIMBO COMEMORATIVO e o Posto de Correio<br />-13335186055<br />A funcionar em Posto de Correio, no local da exposição, no dia 8 de Dezembro de 2009, das 14,30 às 17,30 horas.<br />O LOCAL E O HORÁRIO<br />Rua Poeta Afonso Lopes Vieira, 15<br />7800 273 BEJA <br />Dia 8 das 14H30 às 17H30<br />Dias 9 e 10 das 20H00 às 23H00<br />FAS-PORTUGAL, Ao serviço da Humanidade <br />AS EMISSÕES DE LUIS DE CAMÕES<br />DA<br />CRUZ VERMELHA PORTUGUESA<br />Sobre os selos da CVP (e de outras entidades) a quem o governo tinha atribuído “Isenção de Franquia”, vejamos o que sobre o assunto, nos diz Oliveira Marques ao apresentar-nos na sua obra “História do Selo Postal Português” este tipo de selos, conhecido por “Selos de Porte Franco”:<br />Se bem que em diversos países, grande número de entidades gozem ou tenham gozado de isenção de franquia na sua correspondência, raros são, contudo, aqueles, que apenas permitiam esse privilégio, mediante a afixação de um selo especial.<br />Os Selos de Porte Franco<br /> Foi em Espanha que, pela 1ª vez, se usou este sistema. Tendo um funcionário desse país, Diego Castell publicado um livro de grande utilidade para os serviços postais de então, «Cartilla Postal de España», o Governo quis recompensá-lo concedendo-lhe isenção de franquia entre 1 de Janeiro e 30 Junho de 1869, mercê da aposição de uma fórmula especial, reproduzia um sobrescrito, rodeado de uma legenda «Cartilla Postal de España» e feito na cor azul escuro. O mesmo país, onze anos depois, concedeu idêntico privilégio ao célebre Dr. Thebussen (Mariano Pardo Figueiroa), que se limitou a fabricar uns carimbos especiais de vários tipos, que fazia imprimir sobre envelopes. Em Julho do ano seguinte (1881), António Fernandes Duro obteve também isenção de franquia, pela publicação do livro, «Resenha histórica dos correos». Este autor mandou imprimir uns selos de cor negra sobre papel amarelado, cujo desenho reproduzia um livro aberto, sobre um ramo de oliveira.<br />Portugal foi a segunda Nação a instituir sistema paralelo, mas desta vez de carácter perpétuo para os privilegiados. Até à República, foi concedida isenção de franquia, com selo privativo, à Sociedade Portuguesa da Cruz Vermelha (1889), União dos Atiradores Civis Portugueses (1889), Assistência Nacional aos Tuberculosos (1899) e Sociedade de Geografia de Lisboa (1903). Em 1898 a Comissão Central do Centenário da Índia usou um timbre de correspondência, que lhe garantia idêntico privilégio.<br />Embora a CVP tenha emitido outros selos (Cruz de Genebra e Florence Nightingale) iremos abordar unicamente os selos que deram origem ao título deste artigo.<br />Para sobrecarregar os selos das onze emissões Luís de Camões, foram criadas outras tantas sobrecargas diferentes, algumas muito idênticas entre si.<br />Grosso modo, podem ser agrupadas em seis tipos que vamos nominar por ordem cronológica de utilização.<br />Tipo I – sobrecarga usada na emissão de 1927, (selos números 5 a 10, numeração Afinsa).<br />Tipo II – usada nas emissões de 1928 (selos 11 a 16).<br />Tipo III – usada nas emissões de 1929, (selos 17 a 22); 1930 (selos 23 a 28); 1931 (selos 29 a 34) e 1932 (selos 35 a 40).<br />Tipo IV – Todos os selos com esta sobrecarga, também apresentam a sobrecarga Tipo I, isto acontece porque a sobrecarga tipo IV foi aplicada sobre as sobras dos selos sobrecarregados em 1927. A sobrecarga Tipo IV apresenta-se em plano ligeiramente superior à do Tipo I. Foi usada nas emissões de 1933 (selos 41 a 46); 1934 (selos 47 a 52) e 1935 (selos 53 a 58).<br />Tipo V – usada na emissão de 1936 (selos 59 a 64).<br />Tipo VI – usada na 2ª emissão de 1936 (selos 67 a 72).<br />Das trinta e uma franquias da emissão original, foram sobrecarregadas vinte e três; destas nenhuma o foi nas onze emissões, contudo, o selo de $40 quase atingiu o pleno, pois só não sofreu sobrecarga na segunda emissão de 1936, a última da CVP.<br />Sobre a perda de isenção de franquia, veja-se o que nos informa o Catálogo de Selos Postais e Marcas Pré-filatélicas da Afinsa:<br />“A Lei nº 1969 de 3 de Agosto de 1937, retirou a isenção de franquia à CVP, sendo-lhe concedida novamente um ano mais tarde. Porém não mais foi autorizada a usar selos privativos de porte franco, pelo que as vinhetas posteriormente emitidas por aquela entidade, não têm qualquer significado filatélico”.<br />Acrescentamos nós, que a criação da Classe Aberta, permite-nos a sua utilização, numa colecção temática desta disciplina, desde que, obviamente, tenha ligações com o tema estudado.<br />Tipo I – Sobrecarga aposta a vermelho no selo de 4$50 e a preto nos restantes, em meia folha de 50 selosTipo II – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos<br />Tipo III – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selosTipo III – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos<br />Tipo III – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selosTipo III - Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos<br /> Tipo IV s/ Tipo I – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos sobre os selos sobrecarregados de 1927Tipo IV s/ Tipo I – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos sobre os selos sobrecarregados de 1927<br />Tipo IV s/ Tipo I – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos sobre os selos sobrecarregados de 1927Tipo V – Sobrecarga aposta a vermelho no selo de $40 e a preto nos restantes, em meia folha de 50 selos<br />Tipo VI – Sobrecarga aposta a vermelho em meia folha de 50 selos<br />Bibliografia:<br />MARQUES, António Henrique de Oliveira – História do Selos Postal Português. Porto/Lisboa, Mercado Filatélico, 1954, 268 (X) pp.<br />Simões Ferreira, Catálogo de Selos de Portugal e Colónias. Porto/Lisboa, Mercado Filatélico 1981<br />Catálogo de Selos Postais e marcas Pré-Adesivas (Portugal, Açores, Madeira). Porto/Lisboa, Afinsa 2011<br />COLECÇÕES EXPOSTAS<br />Etiquetas de Impressão de Franquia Automática “FRAMA”<br />José Geada Sousa <br />República Socialista Federativa dos Sovietes da Rússia<br />José da Costa Lemos <br />Transportes – Emissão Base<br />Francisco Matoso Galveias<br />Amor pelo Próximo<br />José Geada Sousa<br />O Primeiro Dia do Selo<br />José Geada Sousa <br />Transfusão de Sangue, um pouco de História<br />Grupo Filatélico dos Dadores de Sangue de Beja<br />