Your SlideShare is downloading. ×
0
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
ConstruçãO De Projetos Palestra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

ConstruçãO De Projetos Palestra

8,272

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
8,272
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
84
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CONSTRUÇÃO DE  PROJETOS Prof. Ms Gracielle Boing Lyra Prof. Ms Aline Djulei Monguilhott
  • 2. O QUE É UM PROJETO?  Projetos  são  verdadeiras  fontes  de  investigação    e  criação  que  passam  por  processos  de  pesquisa  ,  aprofundamento,  análise,  criação  de  novas  hipóteses.  Essa  amplitude  neste  processo  faz  com  que  os  alunos  busquem  cada  vez  mais    informações,  materiais,  detalhamento.  Fontes  estas  de  constantes  estímulos  de  desenvolvimento  de  suas  competências.
  • 3.  Para  Gardner(1994)  um  projeto  fornece  oportunidade  para  os  estudantes  disporem  de  conceitos  e  habilidades  previamente  dominadas  a  serviço  de  uma  meta  ou  empreendimento.
  • 4.  Um  projeto    quando  bem  trabalhado  poderá  auxiliar  a  formação  de  um  sujeito  integral,  com  possibilidades  de  desenvolvimento  em  diferentes  áreas,  formando­se  amplamente,  não  limitando­ se  a  uma  ou  outra  competência  nos  diferentes contextos.
  • 5. ONDE O PROJETO ACONTECE  A escola é o lugar onde a intervenção pedagógica  intencional  desencadeia  o  processo  ensino  aprendizagem. O professor tem o papel explícito de interferir no  processo,  diferentemente  de  situações  informais  nas  quais  a  criança  aprende  por  imersão  em  um  ambiente  cultural.  Portanto,  é  papel  do  docente  provocar  avanços  nos  alunos  e  isso  se  torna  possível  com  sua  interferência  na  zona  proximal
  • 6. O PROJETO DEVE:   TRANSPARENTE EM TODO SEU CONTEXTO;  ORDENAR  OS  OBJETIVOS  GERAIS  E  ESPECÍFICOS;  DEIXAR  CLARAS  E  PRECISAS  AS  RESPONSABILIDADES  DAS  PARTES  ENVOLVIDAS;  RELACIONAR  E  ORDENAR  CONTEÚDOS  QUE  ATENDAM  ÀS  NECESSIDADES  INDIVIDUAIS E SOCIAIS
  • 7.  POSSIBILITAR O CONTROLE HORA/AULA  EM RELAÇÃO AOS CONTEÚDOS;  CRIAR ESTRATÉGIAS QUE ENVOLVAM A  PARTICIPAÇÃO EFETIVA DOS EDUCANDOS;  ESTABELECER CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO  PARA QUE SEJAM CONTÍNUOS E  DINÂMICOS;  PREVER A FLEXIBILIDADE, TENDO EM  VISTA SITUAÇÕES NOVAS.
  • 8. Temática:  definir  um  tema  que  possa  desenvolver  os  conhecimentos  adquiridos  no  programa e seja contextualizado à  realidades de sala de aula
  • 9. OBSERVANDO:  CRITÉRIOS  VALIDADE ( ATUALIZADOS)  FLEXIBILIDADE ( SUJEITOS A MODIFICAÇÕES)  SIGNIFICAÇÃO ( RELACIONADO A      EXPERIÊNCIAS DO ALUNO)  POSSIBILIDADE DE ELABORAÇÃO PESSOAL      (TRANSFORMAÇÃO DA INFORMAÇÃO PELO        PRÓPRIO ALUNO)  UTILIDADE CONHECIMENTOS COM SITUAÇÕES      NOVAS .  VIABILIDADE ( RECURSOS      DISPONÍVEIS,LIMITAÇÕES DE TEMPO,NÍVEL  DE       COMPREENSÃO).
  • 10. PLANEJAMENTO:   Após a escolha do tema é necessário  planejar  o projeto:     Esse  planejamento  deverá  traçar  os  seguintes passos: O quê? Sobre o que falaremos/pesquisaremos? Por quê? Por quê estaremos tratando deste tema?  Como? Como realizaremos esse projeto? Como operacionalizaremos?  Como poderemos dividir as atividades?
  • 11. Quando? Quando realizaremos as etapas  planejadas? Quem? Quem realizará cada uma das etapas?    Quem é responsável pelo que? Recursos: Quais serão os recursos –  materiais e humanos necessários para perfeita  realização do Projeto?
  • 12. PROBLEMÁTICA  Definir uma situação problema a ser focada  mediante seu desenvolvimento.  É importante que a situação problema seja  realmente uma situação  a ser pesquisada que de  aos alunos a oportunidade de realizar, descobrir,  avançar.
  • 13. “Tudo no mundo está  dando respostas ,o que demora é o tempo  das perguntas”    Saramago, escritor   português..
  • 14. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA  Definir  os conceitos e as teorias que darão base a  todas as ações  desenvolvidas. O Valor de nossas pesquisas depende do valor de  nossas leituras.
  • 15. OBJETIVOS   Definir  quais são os objetivos gerais e específicos  a serem alcançados com sua implementação.
  • 16. OBJETIVOS GERAIS      SÃO AMPLOS E ABRANGENTES     OBSERVÁVEIS A LONGO PRAZO     O TERMO GERAL NOS DÁ A IDÉIA DE  AMPLITUDE ABRANGÊNCIA. É ALGO  COMUM A MAIOR PARTE DE UM TODO.    
  • 17. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  CONCRETOS, DELIMITADOS   OBSERVÁVEIS A MÉDIO E A CURTO PRAZO    O  TERMO  ESPECÍFICO  EXPRESSA  UMA  IDEIA  PARTICULAR,  QUE  ESTABELECE  E  INDICA  OBJETIVAMENTE  AS  CARACTERÍSTICAS  E  PARTICULARIDADES  DE  ALGO.ESPECÍFICAR  DE  FORMA  EXPLÍCITA,  DETALHADA  E  CLARA  UMA  IDEIA, UM CONTEÚDO OU UMA INTENÇÃO.
  • 18. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  DEVEM INDICAR CLARAMENTE A  INTENÇÃO DO PROFESSOR E NÃO PODEM  DAR MARGENS A MUITAS  INTERPRETAÇÕES. PARA EVITÁ­LAS  DEVEMOS USAR VERBOS QUE NÃO  PERMITAM QUE ISSO OCORRA.
  • 19. OS OBJETIVOS GERAIS E  ESPECÍFICOS PODEM REFERIR­ SE AOS DOMÍNIOS:  COGNITIVO:  REFERE­SE  A  RAZÃO,  À  INTELIGÊNCIA  E  A  MEMÓRIA  COMPREENDENDO  DESDE  SIMPLES  INFORMAÇÕES  E  CONHECIMENTOS  INTELECTUAIS  ATÉ  IDEIAS  PRINCÍPIOS  ,  HABILIDADES  MENTAIS  DE  ANÁLISE  E  SÍNTESE.
  • 20. EXEMPLOS  INFORMAR­SE SOBRE OS PRINCIPAIS  RECURSOS NATURAIS
  • 21. DOMÍNIO AFETIVO  REFERE­SE AOS VALORES, ÀS ATITUDES, ÀS  APRECIAÇÕES E AOS INTERESSES.   OS OBJETIVOS DO CAMPO AFETIVO  ABRANGEM RECEPÇÃO, RESPOSTA,  VALORIZAÇÃO,ORGANIZAÇÃO,    CARACTERIZAÇÃO.
  • 22. EXEMPLO  VALORIZA A PESSOA HUMANA E O  TRABALHO INDIVIDUAL E COLETIVO
  • 23. DOMÍNIO PSICOMOTOR  REFERE­SE AS HABILIDADES OPERATIVAS  OU MOTORAS, HABILIDADES PARA  MANIPULAR MATERIAIS, OBJETOS,  INSTRUMENTOS OU MÁQUINAS.
  • 24. EXEMPLO  CONSTRUIR UM BARCO DE MADEIRA  MOLDAR UM BONECO DE BARRO
  • 25. OS OBJETIVOS DEVEM ESPECIFICAR  O QUE O ALUNO DEVE REALIZAR  PARA SABER SE O OBJETIVO ATENDE A  ESSA CARACTERÍSTICA DEVEMOS FAZER A  SEGUINTE PERGUNTA:   O QUE FARÁ O ALUNO PARA DEMONSTRAR  QUE ALCANÇOU O OBJETIVO?  SE O OBJETIVO RESPONDE A ESSA  PERGUNTA ELE ESTÁ BEM ENUNCIADO.
  • 26. METODOLOGIA  Definir os passos a  serem seguidos e  os recursos  materiais a serem  utilizados para  sua realização.
  • 27. CRONOGRAMA  Definir o  cronograma de  cada etapa de  desenvolvimento  e os seus  respectivos  prazos.
  • 28. EQUIPE DE TRABALHO  Definir as áreas de conhecimento  envolvidas , assim como os educadores  participantes e as suas respectivas  atribuições.
  • 29. AVALIAÇÃO  Definir o processo de avaliação e os instrumentos  a serem utilizados. AVALIAÇÃO  NÃO  É  UM  FIM  MAIS  UM  MEIO.  ELA  É  UM  MEIO  QUE  PERMITE  VERIFICAR  ATÉ  QUE  PONTO  OS  OBJETIVOS  ESTÃO  SENDO  ALCANÇADOS,  IDENTIFICANDO  OS ALUNOS QUE NECESSITAM DE ATENÇÃO INDIVIDUAL E  REFORMULANDO  O  TRABALHO  COM  ADOÇÃO  DE  PROCEDIMENTOS  QUE  POSSIBILITEM  SANAR  AS  DEFICIÊNCIAS IDENTIFICADAS.
  • 30.  Ler é entrar em outros mundos possíveis. É  indagar a realidade para compreendê­la melhor, é  se distanciar do texto e assumir uma postura  crítica frente ao que se diz e ao que se quer dizer,  é tirar carta de cidadania no mundo da cultura  escrita…  É POSSÍVEL LER NA ESCOLA?

×