Epistemologia

6,140 views
5,886 views

Published on

Síntese baseada em exercícios sobre conhecimento, verdade,saber e crença. Objetivo: oferecer um ponto de partida para reflexões sobre epistemologia para alunos do curso de comunicações. Tentativa: apresentar filosofia aos alunos de um modo menos solene. Talvez funcione...

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,140
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
68
Actions
Shares
0
Downloads
111
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Epistemologia

  1. 1. Epistemologia Relembrando exercícios e dinâmicas
  2. 3. Cotovia e sapos <ul><li>Conhecimento interessado </li></ul><ul><li>Limites de uma saber “local” </li></ul><ul><li>Atrevimento do saber universal </li></ul><ul><li>Verdade pode ser ameaça </li></ul><ul><li>Verdade potencial pode vir a ser verdade em ato </li></ul><ul><li>Cotovia: um saber na contra-mão do interesse de quase todos os sapos </li></ul>
  3. 4. Deu no jornal <ul><li>Será verdade? </li></ul><ul><li>Epistemologia e tradições de verificação em jornalismo </li></ul><ul><li>Notícia precisa espelhar a verdade, mesmo que esta não seja completa </li></ul><ul><li>Deu no jornal, devia ser verdade ... </li></ul><ul><li>É provável que a verdade não esteja de um só lado </li></ul>
  4. 5. Caniço pensante <ul><li>Frágil </li></ul><ul><li>Vai com o vento </li></ul><ul><li>Resiste </li></ul><ul><li>Sabe </li></ul><ul><li>Conhece </li></ul><ul><li>Pensa </li></ul><ul><li>Tem poder </li></ul>
  5. 6. A gente voa <ul><li>Pensamento é sonho </li></ul><ul><li>Pensamento é descoberta </li></ul><ul><li>Pensamento é mudança </li></ul><ul><li>Pensamento nos faz quem somos </li></ul>
  6. 7. Penso, logo existo <ul><li>Percepções me enganam </li></ul><ul><li>Visões diferentes me fazem duvidar </li></ul><ul><li>Será que vejo isso mesmo? </li></ul><ul><li>Onde procurar certeza? </li></ul><ul><li>Certeza está na razão </li></ul><ul><li>Penso, por isso sei que existo </li></ul>
  7. 8. As coisas estão no mundo <ul><li>A verdade está nas coisas </li></ul><ul><li>Voltar ao mundo sempre </li></ul><ul><li>Não há saber definitivo </li></ul><ul><li>Sabe mais quem quer aprender </li></ul>
  8. 9. Protágoras <ul><li>Hoje é isso </li></ul><ul><li>Amanhã aquilo </li></ul><ul><li>Nenhuma certeza </li></ul><ul><li>Só interesses </li></ul><ul><li>As coisas são o que queremos que sejam </li></ul><ul><li>Verdade como invenção humana </li></ul>
  9. 11. O Papagaio... <ul><li>Disse E </li></ul><ul><li>Veio a polícia </li></ul><ul><li>Ele disse B </li></ul><ul><li>É um sofista? </li></ul><ul><li>Não, sabe que vê E </li></ul><ul><li>Pensa E </li></ul><ul><li>Sabe que há uma verdade </li></ul>
  10. 12. Vimos E , e... <ul><li>Verdade clássica: E=E </li></ul><ul><li>Gente equivocada:vê B </li></ul><ul><li>Ciência corrige </li></ul><ul><li>Todos vêem E </li></ul>
  11. 13. Aprendemos em E que: <ul><li>O poder impõe visão </li></ul><ul><li>Necessário mudar representação </li></ul><ul><li>O E , lá fora, não muda </li></ul><ul><li>Mudam convicções </li></ul><ul><li>A verdade das coisas permanece </li></ul><ul><li>As coisas desafiam a “verdade” do rei </li></ul>
  12. 14. Recriação da verdade Adeus, Lenin
  13. 15. No filme aprendemos <ul><li>Importância da crença </li></ul><ul><li>Mudança de objeto = mudança de conhecimento </li></ul><ul><li>A verdade está no objeto, mas falsificações acabam com a verdade </li></ul><ul><li>Pra meditar: comunicação pode alterar a verdade </li></ul>
  14. 16. Conhecimento e verdade Sabemos. Mas podemos estar seguros do que sabemos?
  15. 17. Busca Não nos contentamos com pouco. Continuamos a buscar. Imitações não nos satisfazem. Queremos verdade.
  16. 19. Mi unicórnio <ul><li>Meu Unicórnio azul, aquele que era meu </li></ul><ul><li>Pastando eu o deixei e desapareceu. </li></ul><ul><li>Qualquer informação, decerto eu vou pagar </li></ul><ul><li>As flores que deixou não me querem falar. </li></ul><ul><li>Meu Unicórnio azul, ontem desapareceu </li></ul><ul><li>Não sei se me deixou, nem sei se se perdeu </li></ul>
  17. 20. Mi unicórnio <ul><li>Mas eu não tenho mais que um Unicórnio azul </li></ul><ul><li>E se alguém souber dele, que dê uma informação </li></ul><ul><li>Cem mil ou um milhão eu pagarei </li></ul>
  18. 21. Mi unicórnio <ul><li>Meu Unicórnio azul </li></ul><ul><li>Ontem desapareceu </li></ul><ul><li>Adeus </li></ul><ul><li>Meu Unicórnio e eu, fizemos amizade </li></ul><ul><li>Um pouco com Amor, um pouco com Verdade. </li></ul><ul><li>Com o seu chifre de anil, pescava uma canção </li></ul>
  19. 22. Mi unicórnio <ul><li>Sabê-la repartir tinha por vocação. </li></ul><ul><li>Meu Unicórnio azul, perdi o rasto seu </li></ul><ul><li>E pode parecer até um &quot;fado&quot; meu. / </li></ul><ul><li>Mas eu não tenho mais que um Unicórnio azul, </li></ul><ul><li>Mesmo que fossem dois, eu só queria aquele. </li></ul>
  20. 23. Mi unicórnio <ul><li>Cem mil ou um milhão eu pagarei. </li></ul><ul><li>Meu Unicórnio azul </li></ul><ul><li>Ontem desapareceu... </li></ul><ul><li>Adeus... </li></ul>
  21. 24. Inquietum est cor nostrum <ul><li>Há uma verdade lá... </li></ul><ul><li>Buscá-la é preciso </li></ul><ul><li>Alcançá-la é uma meta </li></ul><ul><li>Mas a verdade é um horizonte </li></ul><ul><li>Vamos atrás, ela se distancia... </li></ul>
  22. 26. O que é epistemologia? Tudo que já vimos até aqui.
  23. 27. Para dar ordem ao caos: Teoria do Conhecimento. De Johannes Hessen, São Paulo, Martins Fontes, 2003.
  24. 28. O que é epistemologia? Explicação filosófica do conhecimento humano.
  25. 29. Perguntas: <ul><li>Como falamos sobre o conhecimento? </li></ul><ul><li>Como refletimos sobre ele. </li></ul><ul><li>Como ele acontece no nosso cotidiano? </li></ul><ul><li>O que sabemos? </li></ul>
  26. 30. Que método para apresentar o problema? Fenomenológico: o que aparece diante de nós.
  27. 31. Fenomenologia <ul><li>Descreve as aparências </li></ul><ul><li>Para ir além delas </li></ul><ul><li>Para abrir as cortinas do palco </li></ul>
  28. 32. Duelo do conhecimento <ul><li>Sujeito invade o objeto </li></ul><ul><li>Objeto resiste, transcende o sujeito </li></ul>
  29. 33. O que vemos no duelo? <ul><li>Antagonismo </li></ul><ul><li>Separação </li></ul><ul><li>Dualismo </li></ul><ul><li>Assimetria </li></ul>
  30. 35. Para conhecer <ul><li>Atravessamos a ponte </li></ul><ul><li>Vemos o que há do outro lado </li></ul><ul><li>Entendemos diferença entre nosso lado e o lado de lá </li></ul><ul><li>Invadimos o outro lado </li></ul><ul><li>O lado de lá fica do lado de lá, e nós precisamos voltar para o nosso lado </li></ul>
  31. 36. Papéis <ul><li>Sujeito: apreender o objeto </li></ul><ul><li>Objeto: ser apreendido pelo sujeito </li></ul>
  32. 37. Que faz o sujeito? <ul><li>Sai de sua esfera </li></ul><ul><li>Invade o objeto </li></ul><ul><li>Tenta vencer resistência </li></ul>
  33. 38. O Objeto Sempre é um mistério
  34. 39. O que faz o objeto? <ul><li>Resiste </li></ul><ul><li>Esconde certas faces </li></ul><ul><li>Transcende </li></ul>
  35. 40. Quem muda é o sujeito <ul><li>Algo muda quando conhecemos </li></ul><ul><li>Saber provoca novidade no sujeito </li></ul><ul><li>Sujeito = sujeito + imagem do objeto </li></ul>
  36. 41. Resultado do encontro sujeito/objeto <ul><li>Objeto determina o sujeito </li></ul><ul><li>Eu sou eu e minhas circunstâncias (Ortega y Gasset) </li></ul><ul><li>Imagem como ponte </li></ul><ul><li>[intermediação mundo <---> sujeito] </li></ul>

×