Your SlideShare is downloading. ×
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Superando a pressão e o stress no trabalho policial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Superando a pressão e o stress no trabalho policial

1,837

Published on

Published in: Health & Medicine, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,837
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. SUPERANDO A PRESSÃO E O STRESS NO TRABALHO POLICIALNesse sentido, começo a informar nosso leitorque 78% dos profissionais brasileiros quedesenvolvem atividades na área da SegurançaPública sentem-se “angustiados” com relaçãoao “trabalho desenvolvido” em seu mister. Eisso, ao meu ver é no mínimo “extremamentepreocupante” face ao percentual obtido nessapesquisa.Então, continuei refletindo sobre o assunto e fizoutra pergunta: “Como superar pressões eadversidades no trabalho?”Quero compartilhar com o leitor e destacar osestudos da International Stress ManagementAssociation - ISMA, entidade presente em váriospaíses, incluindo o Brasil, que retratam umtrabalhador cada vez mais cansado, nervoso,ansioso e preocupado. E fazendo umretrospecto das pesquisas da ISMA realizadasem nosso país nos últimos 05 (cinco) anosmostra os efeitos da pressão corporativa sobreo comportamento e a saúde dos POLICIAISbrasileiros das mais diversas carreirasprofissionais, bem como de outras atividadesprofissionais. E, por essa razão, apresento aquialguns números que em minha humilde opiniãoé alarmante:
  2.  82% dos profissionais pesquisados apresentavam traços de ansiedade em diversos graus;  78% sentem-se angustiados em relação ao trabalho;  52% momentos de agressividade em casa oriundo do stress na corporação; e,  32% têm problemas gastro-intestinais.Esses dados apenas ilustram o que sentimos,isto é, está cada vez mais difícil lidar com aspressões no trabalho. Não quero parecerpessimista, nem bancar o cavaleiro doapocalipse corporativo, mas, para ser bemfranco, não acredito que a situação vámelhorar.Você acredita? Acho que também não.Tudo indica que, pelo menos nos próximosanos, a velocidade das mudanças continuaráacelerada, a competitividade prosseguirá seintensificando e as empresas continuarãoperseguindo resultados cada vez maisambiciosos, afinal precisam sobreviver.Agora vamos ao que é mais importante:Como suportar estas crescentes pressões notrabalho?Como enfrentar problemas e crises sem ficartão desgastado?
  3. Como lidar com as incertezas e instabilidadesdo mundo real e atual sem se deixar dominarpela preocupação?Infelizmente não há uma única resposta paraestas questões, na verdade são várias. Mas sevocê me colocasse na parede e exigisse umaresposta direta e certeira ela seria a célebrefrase de Dale Carnigie: “As pressões edificuldades na vida se dissipam a luz doconhecimento”.Uma das formas de reduzir os problemas eadversidades no ambiente de trabalho éconjugar o verbo aprender, isto mesmo, a letra“A” no começo de algumas palavras têm osentido de negação, no caso da palavra“aprender” o resultado seria mais ou menosassim: NÃO se PRENDER a conceitos e atitudesantigas, que talvez não funcionem mais nos diasturbulentos de hoje e se PRENDER a novasformas de fazer as mesmas coisas e quem sabeo resultado venha de forma diferente.A coisa funciona mais ou menos assim:Caso você tenha um problema com o tempo,isto é, 24 horas não são mais suficientes paravocê, leia o livro “Os 12 mandamentos daadministração do tempo”, eu garanto que sevocê colocar em prática pelo menos três dos
  4. mandamentos do livro você ganha 20% a maisde produtividade.Talvez o seu problema não seja com o tempo esim a sua relação com o seu chefe ou superiorhierárquico complicado ou com os seus colegasde trabalho. Neste caso faça um treinamento degestão de conflitos, para conquistarcompetências de como agir assertivamentecom estas pessoas.Se você trabalha na área de investigação,perícias ou administrativa e o seu resultado nãoestá bom, talvez seja hora de ler sobre comopersuadir e influenciar pessoas, pois existemtécnicas que podem auxiliar muito esteprocesso.Quer outro exemplo?Talvez você seja um líder e não estáconseguindo fazer a sua equipe produzir comeficácia, leia livros de como liderar melhor, façaum treinamento, converse com líderes queconseguem resultados, veja o que eles fazem eo que você não faz.E talvez você esteja pensando que artigo maisdoido é esse Dr. Jeferson Camillo! Será que eledesconhece a verdade? E, a bem da verdade éque nós POLICIAIS precisamos ser bempreparados física, mentalmente e
  5. tecnicamente. Obtermos bons, ou melhor,ótimos equipamentos, armamentos, viaturas,aeronaves para socorrismo e localização deforagidos em lugares inóspitos. E mais…Mas pera lá! E o homem… e o ser humano pordebaixo dessa farda, uniforme que juroudefender o cidadão com sua própria vida sepreciso for que cuida e zela por uma sociedadeordeira, mantendo a justiça, separando os bonsdos maus. Esse profissional não precisa deRECONHECIMENTO, não precisa deinvestimentos pesados nesse ser humano,devendo ELE ser valorizado pelo ESTADO comum salário DIGNO, principalmente nos diasatuais.E talvez você continue pensando: “Dr. JefersonCamillo o problema do POLICIAL no Brasil sãoos péssimos vencimentos que estão recebendoe a ausência total de treinamento efetivo comvalorização financeira face aos risco que esseprofissional é submetido e, o que é pior, nãoreconhecido pelo chefe dos Executivos em cadaEstado”.Neste ponto, começo a entender o profissionalda Segurança Pública no Brasil – o Policial, comsuas dificuldades, desafios e preocupaçõespróprias de um profissional extremantecompetente e admirado por pessoas comuns domundo inteiro, porém com frustrações comuns
  6. de qualquer chefe de família que necessitalevar para mesa de sua casa o fruto de seulabor admirado, necessário, mas nãoreconhecido pelo Governado e/ou Presidentedesta nação.A resposta para o problema de todos osPOLICIAIS do Brasil é Resiliência.Recomeçar, apesar dos desafios. Entenda maissobre resiliência e transforme revezes emvitórias. E saiba “Como uma palavra tãodiferente pode ter um significado tão prático eum resultado tão poderoso?”Modismos à parte, resiliência passa a ser vistacada dia mais como um comportamentofundamental na vida de todo o ser humano queestá disposto a experimentar um patamarsuperior em sua vida.Podemos entender isso simplesmente comomelhorar de vida, padrão social, carro, casa,emprego, carreira e assim por diante, ouperceber o infinito de possibilidades queexistem contidos nesse conceito.Afinal o que é resiliência?Resiliência surgiu na física e significa acapacidade humana de superar tudo, tirandoproveito dos sofrimentos, inerentes àsdificuldades, é trabalhado em todas as áreas
  7. como saúde, finanças, indústria, sociologia, epsicologia. Embora seja um assunto muitorecente entre nós, já é trabalhado à anos naAmérica do Norte, com sucesso.O estresse profissional é uma realidadeobservada hoje nas mais diferentes áreas esetores do mercado de trabalho, diferentementedo que muitos imaginam, não está restritoapenas para profissionais que exercem altoscargos em grandes empresas. O problema estápresente nos mais distintos níveis hierárquicos,em corporações e empresas de todos os portes,isso se intensifica à medida que se aumentamcobrança, pressão etc.Neste mundo globalizado um grande diferencialrepresenta a pessoa resiliente, pois o mercadoprocura profissionais que saibam trabalhar comaltos níveis de cobrança. Esses profissionaisrecuperam-se e se moldam a cada“deformação” (obstáculo) situacional.O equilíbrio humano é como a estrutura de umprédio, se a pressão for maior que a resistência,aparecerão rachaduras como doençaspsicossomáticas que se manifestam nosindivíduos que não possuem esta característicaex: gastrite entre outras.O ser humano resiliente desenvolve acapacidade de recuperar – se e moldar – se
  8. novamente a cada obstáculo e a cada desafio.Quando mais resiliente for o indivíduo maiorserá o desenvolvimento pessoal, isso torna umapessoa mais motivada e com capacidade decontornar situações que apresente maior graude tensão.Assim, um indivíduo submetido a situações deestresse que tem a capacidade de superá-lassem lesões mais severas – rachaduras – é umresiliente.Já o profissional que não possui este perfil é ochamado “homem de vidro”, que se “quebra” aoser submetido às pressões e situaçõesestressantes.Nesse sentido, a idéia de resiliência pode sercomparada às modificações da forma de umabexiga parcialmente inflada. Se comprimida,pode adquirir as formas mais diversas e emseguida retorna ao estado inicial.Existe dois tipos de indivíduos, aqueles quenascem e os que se tornam resilientes. E todosnós podemos nos tornar resiliêntes. Seguemalgumas dicas:
  9.  Mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente; Sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade; Aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação; Praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição. Os exercícios aumentam endorfinas e testosterona que, conseqüentemente, proporcionam sensação de bem-estar; Procurar manter o lar em harmonia, pois este é o “ponto de apoio para recuperar-se”; Aproveitar parte do tempo para ampliar os conhecimentos, pois isso aumenta a autoconfiança; Transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom; Assumir riscos – ter coragem; Tornar-se um “sobrevivente” repleto de recursos no mercado profissional; Apurar o senso de humor – desarmar os pessimistas; Separar bem quem você é e o que faz; Usar a criatividade para quebrar a rotina; Examinar e sobre a sua relação com o dinheiro; e, Permitir-se sentir dor, recuar e, às vezes, enfraquecer para em seguida retornar ao estado original.
  10. A resiliência consiste no equilíbrio entre atensão e a habilidade de lutar, de atingir outronível de consciência, que nos traz umamudança de comportamento e a capacidade delidar com os obstáculos da vida e doprofissional.Assim, percebemos que “resiliência” e a“superação de adversidades” sãocomportamentos e é um conjunto de palavraque poucas pessoas estão familiarizadas, aindadesconhecendo o seu sentido e significado porcompleto, pois, trata-se de um atributo pessoalque atualmente a maioria das corporações,órgãos governamentais e empresas buscamencontrar nos profissionais das mais variadasprofissões, não somente nos cargos de chefia eliderança mas em qualquer que seja o nívelhierárquico do profissional.Mas tudo isso ainda é pouco.Ser resiliente é balançar e não cair, se curvarmas não se quebrar, levar punhos seqüenciaisno fígado e permanecer de pé, ir ao inferno evoltar dele incólume, e ainda extrair dessachamuscante experiência idéias construtivas euma lição de vida.Não é fácil. É privilégio de poucos. E de ondeessas pessoas tiram essa incrível capacidadede superação?
  11. Algumas são resilientes por natureza, porém,segundo pesquisadores, é perfeitamentepossível o desenvolvimento desse atributo.O psiquiatra austríaco Viktor Frankl, fundadorda escola de “Logoterapia” foi praticamente opioneiro a desenvolver estudos sobre aresiliência baseado na sua própria experiênciade vida quando foi prisioneiro no campo deconcentração em Auschwitz.Em seu livro “A Busca do Sentido da Vida”,Viktor Frankl diz que “só sobrevive aquele queconsegue transcender sua existência eencontrar sentido em algo que está fora de sipróprio, como um amor ou um projeto”.Enquanto prisioneiro, Viktor Frankl concentrouseu pensamento no reencontro de sua esposa,seus pais e nas aulas que iria ministrar quandoa guerra acabasse.Preste atenção! A chave é sempre a busca deum sentido para a vida.Pesquisadores do assunto detectaram empessoas resilientes algumas características emcomum: autoconfiança, ampliação dosconhecimentos, flexibilidade, nível elevado deimprovisação, empatia e facilidade emestabelecer relacionamentos, bom humorcontagiante, rir da própria desgraça, apoio
  12. moral e sempre visando algum projeto ou sonhocomo disse o mestre Viktor Frankl.O profissional resiliente sabe como gerenciardificuldades, enfrentar pressões por metas eresultados, sabe recuar quando preciso, sabecomo lidar com o imprevisto, e até mesmo coma perda do emprego e problemas dolorosos deordem pessoal sem se abalar, ou jogar a toalha.As situações traumáticas são inevitáveis. Porisso, as corporações, órgãos governamentais eempresas de todos os portes cobiçam essesprofissionais. Com certeza, são essesprofissionais que fazem a diferença no quadrocorporativo.A resiliência pode ser, também, o talento ocultoe quem não consegue reagir bem às mudanças,acaba se tornando resistente – uma posiçãoantagônica à resiliência.Resistente é aquele que prefere não sofrermudanças, procura evitar qualquer tipo de riscoe desafio, preferindo a zona de conforto. Éaquele camarada conhecido por “osso duro deroer” e acaba trazendo problemas para seusuperior hierárquico e/ou gestor.Conheci duas pessoas que retratam muito bemessas duas figuras: Roberto, o resiliente e Júlio,o resistente. Eles fizeram faculdade juntos e
  13. Júlio começou a carreira com Roberto, nomesmo posto, graduação ou cargo, como queiraentender o leitor. Ganhando um salário mínimoe trabalhando bastante. Trabalhavam em umagrande corporação, sob bastante pressão eprecisavam entregar resultados em curto prazo.Eles se adaptaram rápido e, em alguns meses,Roberto conseguiu sua primeira promoção. Júlionão queria se inscrever em programas derecrutamento interno tinha medo do novo. Sabiaque estava em uma posição confortável, onde jádominava o trabalho e não precisava correr“riscos desnecessários”.Hoje, cinco anos depois, Roberto, o resiliente, éOficial Superior da corporação – ganha quinzevezes mais que Júlio, o resistente, que está nomesmo lugar, apontando a “sorte” de Robertona carreira.Quem costuma ler meus livros, artigos e/outextos sabe que não gosto muito da sorte.“Assim Falou Zaratustra” (Nietzsche) e “OPríncipe” (Maquiavel), ensinaram lições quemudaram minha postura em relação à carreira.Júlio estava à mercê da sorte, resistente àsmudanças. Roberto “fez sua própria sorte”,aceitou desafios e soube ser resiliente quandonecessário.Entendo que a resiliência é uma espécie detalento oculto, uma espécie de competência
  14. que fica adormecida e só vem à tona quando hárealmente muita pressão sobre o profissional –se ele a possuir, é claro.Então, reflita sobre sua atual capacidade dereagir às adversidades, à extrema pressão, eprocure trabalhar essa competência, tãonecessária quanto possuir liderança, boacomunicação e trabalho em equipe.Procuro descrever a resiliência como equilíbrioemocional – uma competência que exige muitamaturidade, percepção do ambiente e auto-avaliação contínua de sua posição perante ogrupo de trabalho.Ser resiliente é um pré-requisito para buscar ocrescimento na carreira e aceitar novosdesafios. E, em minha opinião resiliência “é aarte de transformar toda energia de umproblema em uma solução criativa”.A grandeza de um ser humano não é medidapelas suas realizações, mas sim pela coragemque ele tem de pedir perdão, se perdoar e seguirem frente, aprendendo transformando-se numpessoa melhor a cada dia.
  15. “O homem deve ser grande demais para reconhecer seus erros, esperto o suficiente para beneficiar-se deles e forte o suficiente para corrigi-los.”Pressões por resultados melhores, dificuldadesnos relacionamentos e instabilidade nacorporação são coisas comuns hoje em dia ecomo falamos tendem a ficar mais intensa comesta explosão de crescimento que o nosso paísestá passando. A diferença entre suportar esuperar tudo isto está na forma de lidar comestas questões e talvez esteja na hora de vocêaprender e desenvolver formas diferentes pararesolver velhos problemas.E você… Consegue reagir bem às adversidades?É resiliente ou resistente?Pense nisso!Um grande abraço de seu amigo de sempre eaté a próxima Dr. Jeferson Camillo

×