Your SlideShare is downloading. ×
Religiosidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Religiosidade

2,205
views

Published on

Published in: Business, Health & Medicine

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
2,205
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide
  • Kl
  • Transcript

    • 1. RELIGIOSIDADE BRASILEIRA
    • 2. PLURALISMO RELIGIOSO BUDISTAS DEUS HINDUS MUÇULMANOS OUTROS CANDOMBLÉ CATÓLICOS JUDEUS EVANGÉLICOS
    • 3. RELIGIOSIDADE Mikhail BAKHTIN Max WEBER Senso comum Tendência do ser Humano para o sagrado
        • Um relacionamento circular Feito de alternâncias ,ora de cima para baixo, ora direção oposta.
      Justificar suas ações.
    • 4. MANIFESTAÇÕES DE FÉ Culto Devoção Oração Procissões Sacrifícios Formas ditas de se relacionar com o sagrado
    • 5.
      • Assim, entendemos o tema, focalizada neste trabalho, como um exemplo concreto de religiosidade popular, emergiu como uma construção simbólica deste constante movimento, entre o sagrado, para alguns e, o não consagrado, para outros. Isso se justifica, porque para o homem religioso, nem o espaço, nem mesmo o tempo, se revelam como fenômenos homogêneos ou contínuos, por isso, o culto piedoso, as festas devocionais, as peregrinações, entre outras manifestações, propicia a recriação de práticas antigas, muitas vezes associadas com elementos novos e pessoais, sobretudo nas relações de reciprocidade, especialmente o pagamento de promessas, a oferta de flores, velas ou ex-votos.
      CONCLUSÃO :
    • 6.
      • “ Um homem que buscava o caminho da espiritualidade, chegou ao sop é da Montanha da Verdade e quis saber qual era o caminho que o levaria à ilumina ç ão. Para cada homem santo a quem perguntava, obtinha uma resposta diversa. Depois de muito pensar, decidiu-se por um caminho e se convenceu que aquele era o ú nico caminho que o levaria ao topo da Montanha. Depois de algum tempo, quando chegou l á , o homem olhou para baixo e viu que os caminhos que levavam ao topo, eram tantos, quantos eram as almas que procuravam a Montanha. ”
      • (Par á bola Zen- budista)
      PARÁBOLA
    • 7. BIBLIOGRAFIA
      • As múltiplas faces de uma santidade: reflexões sobre a trajetória do conceito de “ser santo”. Estudos de História, Franca, v. 7, n. 1, 2000, p. 27-39
      • DURKHEIM, E. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
      • WEBER, M. História Geral da economia. Os Pensadores. São Paulo: Abril , 1974, v. 37.
      • SANTOS, M. L. Corpo Santo, Alma Santa: o culto e a devoção à Menina Izildinha em Monte Alto (1950-1997). Franca: UNESP, 1997 (Dissertação de Mestrado).