Percepção
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Percepção

on

  • 9,969 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,969
Views on SlideShare
9,960
Embed Views
9

Actions

Likes
5
Downloads
321
Comments
0

1 Embed 9

http://sociologiaced4guara.blogspot.com.br 9

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Percepção Percepção Presentation Transcript

  • A ENTRADA NA VIDA - EU
  •  Etimologicamente, o termo mente vem do latim mèntem, que tem o significado de pensar, conhecer, entender, e significa também medir, visto que alguém que pensa não faz mais que medir, ponderar as ideias. Os gregos utilizavam o termo nous para indicar a mente, a razão, o pensamento, a intuição.
  • Durante muito tempo, associou-se a mente apenas à dimensão cognitiva: Raciocínio, dedução, abstracção, juízos, conceitos; Manifestação da racionalidade humana; Actividade consciente.
  •  Durante o século XX chegou-se à conclusão de que o funcionamento da mente não se reduz à produção racional, abstracta de conhecimentos. A mente passou a ser entendida como a manifestação total de processos dinâmicos que interagem entre si de forma complexa, implicando-se mutuamente. A mente começou assim a ser vista como um SISTEMA que integra vários processos (cognitivos, emocionais e conativos).
  • A MENTE COGNIÇÃO EMOÇÃO CONAÇÃO SABER SENTIR AGIRPERCEPÇÃO EMOÇÃO INTENCIONALIDADE MEMÓRIA AFECTO TENDÊNCIAAPREDIZAGEM SENTIMENTO ESFORÇO
  •  A percepção é um processo mediante o qual a informação sensorial é activamente organizada e interpretada pelo cérebro e que nos ajuda a compreender o mundo à nossa volta.
  • SENSAÇÃO PERCEPÇÃOÉ a detecção e recepção dos estímulos É a interpretação, organização enos órgãos dos sentidos, que são descodificação dos dados sensíveis, feitatraduzidos em impulsos nervosos que são pelo cérebro.conduzidos ao Sistema Nervoso Centralpera serem processados pelo cérebro. Selecciona, organiza, interpreta, atribui sentido. É um processo mental activo, embora dependa da sensação.
  •  A visão que temos do mundo não é uma reprodução, mas sim uma interpretação. Fazemos uma correcção mental, e de modo automático, ao conteúdo da nossa percepção de modo a manter a regularidade do mundo externo.
  •  Toda a informação sensorial é captada pelos sentidos e enviada para diferentes áreas do cérebro, onde é representada. Não reproduz o mundo como um espelho, como uma fotografia, porque o cérebro constrói uma representação mental ou imagem da realidade.
  •  “É no cérebro que a papoila se torna vermelha, que a maçã se torna aromática, que a cotovia canta.” Oscar Wilde
  • Estruturas fisiológicas Experiências anterioresMaturação PersonalidadeExperiências pessoais Factores sociaisCultura ValoresMotivação NecessidadesAtenção ProfissãoMemória AprendizagemEstruturas fisiológicas Experiências anteriores
  • INTENSIDADE TAMANHO CONTRASTETendência a percepcionar Tendência para captar objectos Tendência para ser mais sensível aOs estímulos com maior com tamanhos maiores. estímulos que contrastem no meio.intensidade. Figuras grandes num desenho. Um brilho na penumbra, uma ervaBrilho forte, um som alto, uma cor aromática não habitual num pratoberrante… cozinhado…SURPRESA E NOVIDADE REPETIÇÃO MOVIMENTOMuito utilizado quando se pretende Tendência para prestar atenção a Tendência para percepcionar maschamar a atenção. um estímulo novo e repetitivo. facilmente estímulos em movimento Um slogan publicitário. Uma bola a rodar para chamar a atenção de um gato.
  •  A visão é a percepção de raios luminosos pelo sistema visual. Esta é a forma de percepção mais estudada pela psicologia da percepção. A maioria dos princípios gerais da percepção foram desenvolvidos a partir de teorias especificamente elaboradas para a percepção visual.
  •  A audição é a percepção de sons pelos ouvidos. A psicologia, a acústica e a psicoacústica estudam a forma como percebemos os fenómenos sonoros. Uma aplicação particularmente importante da percepção auditiva é a música.
  •  O olfacto é a percepção de odores pelo nariz. Este sentido é relativamente ténue nos humanos, mas é importante para a alimentação. A memória olfactiva também tem uma grande importância afectiva. A perfumaria e a enologia são aplicações dos conhecimentos de percepção olfactiva. Em alguns animais, como os cães, a percepção olfactiva é muito mais desenvolvida e tem uma capacidade de discriminação e alcance muito maior que nos humanos.
  •  O paladar é o sentido de sabores pela língua. Importante para a alimentação. Embora seja um dos sentidos menos desenvolvidos nos humanos, o paladar é geralmente associado ao prazer e a sociedade contemporânea muitas vezes valoriza o paladar sobre os aspectos nutritivos dos alimentos. A culinária e a enologia são aplicações importantes da percepção gustativa. O principal factor desta modalidade de percepção é a discriminação de sabores.
  •  O tacto é sentido pela pele em todo o corpo. Permite reconhecer a presença, forma e tamanho de objectos em contacto com o corpo e também a sua temperatura. Além disso o tacto é importante para o posicionamento do corpo e a protecção física. O tacto não é distribuído uniformemente pelo corpo. Os dedos da mão possuem uma discriminação muito maior que as demais partes, enquanto algumas partes são mais sensíveis ao calor. O tacto tem papel importante na afectividade e no sexo.
  •  Não existem órgãos específicos para a percepção do tempo, no entanto é certo que as pessoas são capazes de sentir a passagem do tempo. A percepção temporal já foi objecto de diversos estudos desde o século XIX até os dias de hoje, em que é estudado por técnicas de imagem como a ressonância magnética.
  •  Assim como as durações, não possuímos um órgão específico para a percepção espacial, mas as distâncias entre os objectos podem ser efectivamente estimadas. Isso envolve a percepção da distância e do tamanho relativo dos objectos. Aparentemente a percepção espacial é supra- modal, ou seja, é compartilhada pelas demais modalidades e utiliza elementos da percepção auditiva, visual e temporal. Assim, é possível distinguir se um som procede especificamente de um objecto visto e se esse objecto (ou o som) está a aproximar-se ou a afastar-se.
  •  É a capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo, a sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. Este tipo específico de percepção permite a manutenção do equilíbrio postural e a realização de diversas actividades práticas. Resulta da interacção das fibras musculares que trabalham para manter o corpo na sua base de sustentação, de informações tácteis e do sistema vestibular, localizado no ouvido interno.
  •  A teoria da GESTALT foi formulada no início do século XX por um grupo de Psicólogos alemães (Wertheimer, Kolher e Koffka). Gestalt significa forma, padrão, configuração. Este movimento elaborou um conjunto de leis que tentaram explicar como a mente, de forma imediata, interpreta as informações sensoriais e produz uma percepção organizada.
  •  A principal tese dos gestaltistas é esta: o todo é maior que a soma das partes. Temos a percepção de formas unificadas e não de peças ou fragmentos.
  •  Assim, só reconhecemos uma melodia ouvindo-a globalmente: isoladas, as notas musicais nada significam. Uma vez organizada a melodia damos atenção à forma conjunta e não a notas isoladas.
  •  O mesmo acontece quando estamos a ver um filme de banda desenhada. Não vemos as imagens estáticas que são as suas partes mas o movimento, o filme como um todo.
  •  A constância perceptiva é a capacidade de percepcionar um objecto com os seus atributos básicos, independentes da variedade sensorial com que ele se apresenta.
  • CONSTÂNCIA DA DIMENSÃO/TAMANHO. O reconhecimento de que um objecto continua a ser o mesmo ou a ter a mesma dimensão independentemente da sua imagem na retina mudar.
  • CONSTÂNCIA QUANTO À COR Capacidade de percepcionar a cor dos objectos familiares como constante, apesar da sensação de cor mudar.
  • CONSTÂNCIA QUANTO À FORMA A tendência para percepcionar um objecto como tendo uma forma constante mesmo quando muda a imagem que é projectada na retina.
  •  "Sem ela [constância perceptiva], o nosso mundo perceptivo seria caótico. Suponhamos que os nossos amigos pareciam anões a certa distância e gigantes quando se aproximavam. Um bebé de colo seria percebido maior que um adulto, a um metro de distância. O mecânico que tivesse de escolher um parafuso ou uma porca de tamanho apropriado de entre uma grande variedade, a distâncias diversas dele, enfrentaria uma tarefa desesperada. À medida que se movesse, mudaria a percepção da grandeza e da forma dos objectos, tornando-se-lhe impossível confiar no que via ao interpretar a realidade.» Kendler, Int. à Psicologia
  •  Segundo um estudo de uma uniservidade inglesa a odrem das lertas numa palarva não émuito improtante, o que improta é a premiera e útlima lerta. O resto não é miuto improtante pois cousegnes ler sem dilficudade.
  •  Quando percepcionamos, a primeira coisa que fazemos é separar a figura do fundo. A nossa atenção selecciona partes da imagem e forma a percepção consoante a escolha feita.
  •  Tendência para agrupar os estímulos recebidos num todo coerente.
  • PROXIMIDADE Quando percepcionamos um aglomerado de objectos (estímulos perceptivos), tendemos a ver os objectos que estão próximos uns dos outros como formando um grupo ou unidade.
  • SEMELHANÇA Os objectos semelhantes ou em posição semelhante são, por tendência, agrupa dos juntos ou vistos como uma unidade.
  • FECHAMENTO Figuras incompletas tendem a ser vistas como completas.
  •  O sujeito ao percepcionar estímulos pode atribuir-lhes significações inadequadas, estabelecendo certa discrepância entre o real e percepção do mesmo. Tal discrepância pode ser mais ou menos acentuada, permitindo que em certos casos falemos de falsa percepções, ou de distúrbios perceptivos.
  •  Agnosias – se determinadas áreas cerebrais forem afectadas, o indivíduo perde total ou parcialmente as capacidades perceptivas. Existem diversos tipos de agnosias como sejam a visual, a auditiva e a somatossensorial.
  • Alucinações – são“percepções semobjecto”, na medida emque o indivíduo que asexperimenta passa poruma experiênciapsicológica interna queo leva a comportar-secomo se os estímulosexternos existissem defacto.
  • Ilusões – as ilusõesperceptivas ousensoriais resultamduma deformaçãodos estímulos reais,pois muitas vezes océrebro engana-se:discrepância entre agrandeza física e aperceptiva.
  •  O ESTUDANTE DISSE O PROFESSOR É PARVO. O ESTUDANTE, DISSE O PROFESSOR, É PARVO. O ESTUDANTE DISSE: O PROFESSOR É PARVO.
  •  Pessoas que vivem em regiões sem estradas, cujas linhas convergem num certo ponto, sem casa rectangulares com telhados que fazem ângulos, não estão familiarizadas com o tipo de indicadores que dão origem a esta ilusão perceptiva.
  •  Os pigmeus que vivem nas densas florestas do Congo raramente vêem objectos a longa distância. O antropólogo Colin Turnbull observou que, quando os pigmeus dessas áreas viajavam para as savanas e viam búfalos no horizonte, pensavam que os animais eram pequenos insectos e não volumosos mamíferos. A falta de experiência com objectos distantes explica a sua incapacidade para percepcionar a permanência do tamanho dos objectos.