• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
REFLEXÕES ACERCA DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EM PLATÃO, DESCARTES, ROUSSEAU, MARX E GRAMSCI
 

REFLEXÕES ACERCA DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EM PLATÃO, DESCARTES, ROUSSEAU, MARX E GRAMSCI

on

  • 5,342 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,342
Views on SlideShare
5,342
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
40
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    REFLEXÕES ACERCA DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EM PLATÃO, DESCARTES, ROUSSEAU, MARX E GRAMSCI REFLEXÕES ACERCA DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EM PLATÃO, DESCARTES, ROUSSEAU, MARX E GRAMSCI Document Transcript

    • CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ- REITORIA ACADÊMICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR: ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICAREFLEXÕES ACERCA DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EM PLATÃO, DESCARTES, ROUSSEAU, GRAMSCI E MARX Noe Assunção Roseli da Silva Ramos Negreiros Botelho Barra Mansa 2012
    • CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ- REITORIA ACADÊMICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR: ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICAREFLEXÕES ACERCA DA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO EM PLATÃO, DESCARTES, ROUSSEAU, GRAMSCI E MARX Noé Assunção Roseli da Silva Ramos Negreiros Botelho Atividade executada por Noe Assunção e Roseli da Silva Ramos Negreiros Botelho, do Curso de Pós Graduação em Gestão Escolar: Administrativa e Pedagógica do Centro Universitário de Barra Mansa, como requisito parcial para a obtenção de nota para disciplina Filosofia da Educação e Ética profissional, sob a orientação da prof. Ozanan Vicente Carrara. Barra Mansa 2012
    • Questões de Filosofia da Educação para a primeira avaliação a ser entregue no final do cursoPós-UBM – Prof. Dr. Ozanan Carrara. 1. Quais são os princípios da educação platônica e seu ideal? A partir do texto estudado, indique os princípios que norteiam o modelo platônico de educação.Para Platão a educação deveria caminhar junto com a ética e a política, mesmo porque umbom governante deveria estar embasado pelo conhecimento , sob a égide da educação.O Estado deveria ser responsável pela formação do indivíduo desde criança tanto no campofísico, quanto intelectual e através da mesma esse indivíduo deveria viver a favor da sociedadee da coletividade.Num olhar atual, podemos fazer uma análise crítica da educação platônica onde seevidenciava um caráter excludente na medida em que durante o treinamento dos indivíduosque era longo, eram testados e aprovados apenas os que tivessem aptidões para oconhecimento, consequentemente uma educação elitista. 2. Mostre a relação entre política e educação em Platão.Para Platão a educação é inseparável da ação política pois para o mesmo é através daeducação que a alma do homem-fílósofo deveria ser formada possibilitando o alcance dacondição de governante da polis.A educação tende a adquirir um caráter político na medida em que passa a ser tarefa doEstado administrá-la e o indivíduo para Platão é cidadão que vive e participa coletivamente dasociedade. 3. Explique a Metafísica que está por trás da concepção platônica de educação.Se pensarmos na Metafísica como fundamento que está para além do mundo físico, visão domundo não somente naquilo que é real mas também do ilusório. Sob o viés político, Platãodefendia uma política feita com conhecimento, ética , verdade e uma educação de base sólida.O indivíduo passaria a agir com consciência na polis, sabendo compreender conceitosmetafísicos como justiça, verdade, ações morais individuais e coletivas.A metafísica educacional platônica se construía na renúncia do indivíduo a favor dacoletividade. 4. Qual a diferença entre a Metafísica antiga e medieval e a Metafísica moderna (Descartes e Rousseau)? Qual o fator determinante entre os antigos e os modernos que levou à mudança de enfoque da filosofia?A Metafísica Antiga se estruturava no reino das idéias, onde as reflexões eram voltadas para oconhecimento do real e o aparente, isto é entre a ilusão e a verdade. Tenta desvendar como aspessoas entendiam o mundo, incluindo nessa pauta a visão ilusória do real, a relação danatureza com os seus objetos: espaço, tempo, causas e efeitos e etc.
    • Com os estudos de filósofos como Descartes e Rousseau surge um novo elemento nosestudos metafísicos que era o “sujeito”, que se transforma num elemento determinante para amudança de paradigma da Metafísica da Antiguidade para a Modernidade, surgindo nessemomento um novo modelo filosófico que se definia como a Metafísica da subjetividade. O “eu”do indivíduo passava a ser produtor e descobridor de crenças verdadeiras, que bemembasadas poderiam se transformar em conhecimento. 5. Enuncie os princípios básicos que decorrem do modelo cartesiano de educação, ressaltando sua visão da família e da verdade.No modelo cartesiano a educação impunha aos alunos uma disciplina que contemplava apunição física. Não aceitava a verdade no seu caráter absoluto e sim na busca pelasevidências de forma clara e objetiva daquilo de que é verdadeiramente verdadeiro.Descartes via a criança como um ser inconsciente, como alguém que vivia das sensações,predomínio das ilusões, aceitação sem questionamento da realidade. Para iniciar uma vidaracional deveria romper o mais rápido possível com esse estado infantil. 6. Quais os princípios básicos da pedagogia de Rousseau? Que visão ele tem da infância e da verdade?Rousseau atribuía à infância um estado de pureza, imaculada pela cultura, nos remetendo àfamosa frase “ O homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe”, defendia a mínimainterferência do social no modo de pensar da criança. Uma educação natural, de caráterespontâneo como tarefas centrais, o saber, pensar e preparar o ingresso da criança nocontexto social, gradativamente sem desfigurar o caráter “virtuoso” do mundo da criança. Oapoio da família e dos pais seria necessário na formação dessa criança. 7. Quais as críticas de Gramsci ao espontaneismo do modelo rousseauniano de Educação? Você acha que elas são consistentes? Por quê?As críticas de Gramsci ao modelo rousseauniano de educação principalmente no que se refereàs crianças se estrutura na idéia do mesmo não acreditar na possibilidade do processo deaprendizagem ocorrer de forma natural, nem que apenas o ambiente seria estimulante paraesse processo. Gramsci não concordava com a possibilidade da criança se desenvolverintelectualmente de forma natural apenas com as suas características inatas , seria necessárioque fossem proporcionadas ações para o estímulo da aprendizagem. Gramsci defendia odesenvolvimento intelectual do indivíduo de forma coletiva, em constante interação com outrosindivíduos. O espontaneismo criticado por Gramsci é visto como instrumento de conformação,um terreno propício à alienação. A educação sob o viés gramsciano se pauta nas basescientíficas, voltadas para o trabalho, conscientização dos atores envolvidos e de modo aenfrentar as concepções ilusórias e míticas.
    • Comungo com as idéias de Gramsci no que se refere a uma educação crítica voltada para o desenvolvimento intelectual e integrado com formação profissional numa dinâmica autônoma ou seja a escola deveria preparar à criança para o trabalho porém separada da fábrica e de sua ideologia dominante, mesmo porque a educação em Gramsci deveria educar as massas trabalhadoras a fim de elevar o nível intelectual dos mesmos possibilitando a capacidade de se auto governarem. Enquanto educador não posso deixar de ressaltar também a importância e recorrência da filosofia rousseauniana na atualidade no que se refere a importância da presença e colaboração da família na formação moral e intelectual do indivíduo em parceria com a escola. 8. Quais os princípios da dialética e como eles ajudam a pensar a educação? Um princípio primário da dialética se estrutura na idéia da contradição, como exemplo é tomar uma afirmativa (tese) que gera uma negativa( antítese) através do contraditório sendo superados por uma negativa da negativa (síntese). Perceber que os objetos e os fenômenos estão sempre em movimento e que os mesmos mantêm uma interação constante e que no interior dessas relações existem forças de unidade e de oposição articulando simultaneamente. A dialética se opõe ao permanente e ao estático, está sempre numa constante movimentação contraditória, aberta às novas abordagens, inacabada e se reinventando diariamente. O educador no seu cotidiano inserido no seu contexto social deverá estar sempre atentos às críticas e autocríticas, assumindo um caráter questionador e contestador cotidianamente . Perceber que as limitações do pensamento e do conhecimento são características dos Seres Humanos, como dizia Marx a teoria deveria estar sempre em processo de releitura e a crítica da prática.09. Quais as críticas de Marx à educação burguesa? Você acha que elas continuam atuais? Dê exemplos. Para Marx a educação burguesa mantinha uma íntima relação com o Estado burguês e capitalista, que na teoria deveria proporcionar uma educação para todos que na realidade não era capaz de fazê-la principalmente pelo fato do Estado não ser do povo e sim elitista. O Estado capitalista não possuía caráter democrático se omitindo na concretização de políticas educacionais consistentes para todos. Marx via na propriedade privada e no Estado burguês obstáculos para a emancipação intelectual e profissional do indivíduo e consequentemente sua manutenção no estado de alienação. Um exemplo interessante que permeia por esse pensamento marxista de educação burguesa é a propaganda do MEC- Ministério da Educação e Cultura “Educação para todos”, onde o discurso de que todos têm direito de ingressar numa Universidade federal de qualidade, através do ENEM, se contrapõe à prática na qual os alunos das escolas públicas estaduais ou municipais não preparam esses indivíduos para tal empreitada. O ensino se transforma numa dialética entre ensino público superior de qualidade e Estado. Para Marx o Estado é elitista,
    • antidemocrático e incapaz de realizar na prática uma educação que estendesse a todos enquanto direito constitucional.10. Mostre como o trabalho pode se tornar um princípio educativo na concepção marxista de educação. Pensar a educação numa perspectiva Marxista é pensar no princípio do trabalho principalmente no que se refere ao processo de superação da alienação do indivíduo numa determinada realidade ou estrutura social. A alienação pelo trabalho preconizada por Marx se percebe pela imposição dos meios de produção, donos dos meios e dominação da super estrutura sobre a infra estrutura, onde a mão-de-obra do trabalhador também está alienada ao processo de fabricação para fins de sobrevivência no qual o indivíduo não se reconhece no produto final desta produção. Marx considerava necessário a união do ensino intelectual aliado ao físico e profissional, dessa maneira o trabalhador adquiriria conhecimento profundo do seu ofício, compensando suas deficiências , se libertaria do processo alienante e se reconheceria no processo final de produção. Esta educação voltada para o trabalho, ao mesmo tempo em que proporcionaria conhecimento escolar e profissional à classe trabalhadora constituiria num elemento de descoberta, criticidade e bom relacionamento social. A base dessa educação profissional no trabalho deveria ser embasada num desenvolvimento total, de acordo com as necessidades e capacidades dos indivíduos. REFERÊNCIAS: MORILA, Ailton Pereira & SENATORE, Regina Celia Mendes. Trabalho e educação em Marx e Gramsci. Disponível:http://www.ceunes.ufes.br/downloads/2/apmorila- Trabalho%20e%20educa%C3%A7%C3%A3o%20em%20Marx%20e%20Gramsci.pdf http://www.ulsj.edu.br/ JARDIM, Alex Fabiano Correa & BORGES, Ângela Christina & FREITAS, Gildete dos Santos et al. Filosofia da Educação. Disponível: http://www.webartigos.com/artigos/estado-e-educacao-em-platao/3646/ GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo. Filosofia da educação. São Paulo: Ática, 2006. Pag. 48 a 87. DIAS, Antônio Francisco Lopes. Política e Educação : critica de Marx à “Educação para todos”. Disponível: http://www.uespi.br/prop/XSIMPOSIO/TRABALHOS/PRODUCAO/Ciencias%20da%20Educaca
    • o/POLITICA,%20ESTADO%20E%20EDUCACAO- CRITICA%20DE%20MARX%20A%20EDUCACAO%20PARA%20TODOS.pdf DALBOSCO, Claudio Almir. Paradoxos da educação natural no Émile de Rousseau: os cuidados do adulto. Educ. Soc., Campinas, vol. 30, n. 106, p. 175-193, jan./abr. 2009 Disponível: www.scielo.br/pdf/es/30n106/v30n106a09.pdf LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Complexidade e Dialética: Contribuições à práxis política e emancipatória em educasção ambiental.Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 94, p. 131-152, jan./abr. 2006.Disponível: www.scielo.br/pdf/es/v27n94/a07v27n94.pdf