Your SlideShare is downloading. ×
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Cognição Social
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cognição Social

32,081

Published on

Trabalho de psicologia do 12º Ano sobre cognição social e estereótipos, preconceitos e discriminação.

Trabalho de psicologia do 12º Ano sobre cognição social e estereótipos, preconceitos e discriminação.

Published in: Education
4 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
32,081
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
761
Comments
4
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Psicologia 12ºAno
    Estereótipos, Preconceitos e Discriminação
    Cognição Social
    Inês de Sousa Mascarenhas nº6 12ºC1
  • 2. Estrutura do Trabalho:
    páginas
    Cognição Social 151-177
    Impressões 153-157
    Impressão e categorização 154,155
    Formação das impressões 155,156
    Efeito das primeiras impressões 157
    Expectativas 159-163
    Estatuto e papel das expectativas 160
    Efeito das expectativas 161-163
    Atitudes 164-170
    Componentes das atitudes 165,166
    Atitudes e comportamentos 166,167
    Formação e mudança de atitudes 167,168
    Dissonância cognitiva 169,170
    Representações Sociais 172-177
    Elaboração das representações sociais 175,176
    Função das representações sociais 177
    Estereótipos, preconceitos e discriminação 221-223
    Estereótipos 221-224
    Estereótipos e categorização 221-223
    Funções dos estereótipos 223,224
    Preconceitos 224-226
    Discriminação 226-229
    Discriminação e auto-estima 228,229
  • 3. Cognição Social
  • 4. O que é?
  • 5.
  • 6. Humano Animal
  • 7. Cognição Social
    Relação
  • 8. Processos de Cognição Social
    Esquemas
  • 9. Impressões
    Construção de Imagem / Ideia; Formação da Impressão
    Características / Indícios
    Selecção dos aspectos considerados mais importantes
    Outro
    Eu
    Processo Mútuo
  • 10. Impressões
    Objectos
    Construção de Imagem / Ideia; Formação da Impressão
    Características / Indícios
    Selecção dos aspectos considerados mais importantes
    Objecto
    Eu
    Processo Único
  • 11. ImpressãoeCategorização
    Categorização através de: Semelhanças e Diferenças
  • 12. ImpressãoeCategorização
    Categoria
    Categoria
    Processos psicológicos
    Categoria
    Categoria
    pessoas
    sensações
    objectos
    Categoria
    Categoria
    Categoria
  • 13. Em suma:
  • 14. Formação das Impressões
  • 15. Formação das Impressões
    Indícios
    Impressão Global
  • 16. Formação das Impressões
    Atribuição de:
    Atribuição de:
  • 17. Teoria implícita da personalidade
  • 18. Experiência de Solomon
  • 19. Pessoa A
    Inteligente
    Trabalhadora
    Impulsiva
    Crítica
    Obstinada
    Invejosa
    Pessoa B
    Obstinada
    Crítica
    Invejosa
    Impulsiva
    Inteligente
    Trabalhadora
  • 20. Primeiras Impressões
    Primeira Impressão tem maior influência sobre a pessoa.
    Logo, não é indiferente a ordem pela qual descrevemos alguém a outra pessoa.
  • 21. Primeiras Impressões
    Caracterizam-se por
  • 22. Observação de Características.
    Efeito de “Halo”
    Impressão Formada pela pessoa.
    captada
    captada
    captada
    rejeitadas
  • 23. Primeiras Impressões
    As impressões podem ainda ser influenciadas por outros factores como o Humor:
    Pessoas com bom humor formam impressões positivas dos outros
    Pessoas com mau humor formam impressões negativas dos outros
  • 24. Expectativas
    Expectativas: Facilitadoras da Leitura do Mundo.
  • 25. Entrada num recinto festivo (casamento)
    Avistamento de uma pessoa de vestido preto
    Conclusão de que é convidada
    Formação de expectativas sobre a pessoa
    Exemplo
  • 26. Exemplo
    • Entrada num recinto festivo (casamento)
    • 27. Avistamento de uma pessoa de vestido preto
    • 28. Conclusão de que é convidada
    • 29. Formação de expectativas sobre a pessoa
    Indução
    Dedução
  • 30. Expectativas
  • 31. Importância das Expectativas na Vida Social:
    Pais – Filhos;
    Professores – Alunos;
    Empregados – Patrões;
    Expectativas, Estatuto e Papel
    Conjunto de Expectativas Mútuas
    Conjunto de comportamentos esperados de alguém com um dado estatuto
  • 32. Efeito das Expectativas
  • 33. Efeito das Expectativas
    Auto-realização das profecias.
    Efeito de Pigmaleão.
  • 34. As expectativas dos professores afectam de forma significativa o que os alunos aprendem.
    Os alunos em que têm altas expectativas geralmente apresentam progressos.
    Os alunos sobre os quais não há expectativas tendem a não realizar tantos progressos como os anteriores.
    Os alunos sobre os quais não há expectativas que fazem progressos são vistos de forma negativa.
    Efeito das Expectativas
    Efeito de Rosenthal
  • 35. Efeito das Expectativas
  • 36. Atitudes
  • 37. Atitudes
    Atitude
    Comportamento
    Tendência relativamente estável
    Predisposição
  • 38. Atitudes
    Em que consiste? Posição
    De quem? Agente
    Relativamente ao quê? Objecto
    Como se exprime? Sintomas ou Indicadores
    Qual a sua função? Função Cognitiva, Energética e Reguladora
  • 39. Atitudes
    Informações
    Este processo explica diferentes interpretações face ao mesmo acontecimento.
  • 40. Componentes das Atitudes
    construídas essencialmente
  • 41. Componentes das Atitudes
  • 42. Componentes das Atitudes
  • 43. Atitudes e Comportamento
    Uma vez que as atitudes não são directamente observáveis temos que as inferir dos comportamentos.
    Zona de Fumadores
    Zona de Não Fumadores
  • 44. Atitudes e Comportamento
    Factores que determinam uma atitude relativamente a um comportamento:
    Se é ou não forte
    Se é ou não relativamente estável
    Se é ou não relevante para o comportamento
    Se é ou não importante
    Se é ou não facilmente retida pela memória
    Página 167
  • 45. Formação e Mudança de Atitudes
  • 46. Formação e Mudança de Atitudes
    Observação
    Identificação
    Imitação
    de Modelos
  • 47. Dissonância Cognitiva é: sentimento desagradável que pode ocorrer quando a pessoa sustenta duas atitudes que se opõem.
    Como resolver?
    Mudando as duas convicções
    Alterando a percepção de importância de uma delas
    Acrescentando uma outra informação
    Negando a relação entre as duas convicções
    Dissonância Cognitiva
  • 48. Dissonância Cognitiva
  • 49. Dissonância Cognitiva
  • 50. Representações Sociais
    Representações:
  • 51. Representações Sociais
    Moscovici:
  • 52. Representações Sociais
    resultam das:
  • 53. Representações Sociais
  • 54. Representações Sociais
    Elaboração das Representações Sociais:
  • 55. Representações Sociais
    Objectivação:
    Representações complexas e abstractas
    Excluir e esquecer alguns elementos de modo a valorizar e desenvolver outros.
    Reagrupamento de ideias em torno de dado assunto.
    3 fases da objectivação:
    Construção Selectiva – Selecção dos elementos mais representativos. É mantida apenas a informação mais relevante.
    Esquematização Figurativa – Organização das ideias seleccionadas em esquemas figurativos simples que podem ser convertidos para imagens.
    Naturalização – Transformação do abstracto em concreto. Formação de imagens simples e concretas ou metáforas.
    tornam-se
    simples e concretas
  • 56. Representações Sociais
    Ancoragem:
    Enraizamento e assimilação de imagens criadas pela objectivação.
    Novas opiniões + Opiniões Anteriores = Universo de Opiniões.
    Integração do objecto da representação no sistema de valores do sujeito.
    Uma vez ancorada a representação social funciona como filtro cognitivo = informações novas interpretadas segundo quadros de representação preexistentes.
  • 57. Representações Sociais
  • 58. Representações Sociais
    Funções das Representações Sociais:
    Função de Saber
    Explicação, compreensão e desenvolvimento de acções sobre o real.
    Função da Orientação
    Guia de comportamento.
    Precede o desenvolvimento da acção.
    Função Identitária
    Construção de Identidade Social.
    Posicionamento em relação a grupos.
    Função de Justificação
    Explicação e Justificação de Opiniões e Comportamentos.
  • 59. Estereótipos, Preconceitos e Discriminação
  • 60.
  • 61. Estereótipos:
    Conjunto de Crenças
    Imagem Simplificada
    Características
    Grupo
    Quadros Interpretação
    Função Simplificação
    Integração Social
  • 62. Estereótipos, funções:
    Função Sociocognitiva – Bem e Mal, categorização da realidade social.
    Função Socioafectiva – Identidade Social. Definição de “nós” por oposição aos “outros”. Reforço da imagem positiva do grupo.
  • 63. Simplicidade
    Uniformidade
    Tonalidade Afectiva
    Durabilidade e Constância
    Pregnância
    Estereótipos, caracterização:
  • 64. Tarefa:
    Definição de: Preconceito e Discriminação.
    Se já sofreu de algum tipo de preconceito ou discriminação e em relação ao quê (se quiser contar).
    Se possuí algum tipo de preconceito ou discriminação e em relação ao quê (se quiser contar).
  • 65. Preconceitos e Discriminação:
    Falem!
  • 66. Preconceitos e Discriminação:
    Toda a Turma 12ºC1-12ºC4 :
    Diferença entre preconceito e estereótipo:
    Estereótipo – Atribui características a um dado grupo ou pessoa
    Preconceito – ‘’ ‘’ ‘’ ‘’ + avaliar esse grupo ou pessoa de forma negativa.
    Componente Cognitiva – Estereótipo
    Componente Afectiva – Preconceito
    Componente Comportamental - Discriminação
  • 67. Preconceitos e Discriminação:
    Discriminação: comportamento que nega a dada pessoa ou grupo o tratamento merecido. Acto intencional, justo ou injusto em relação a alguém ou a um grupo de pessoas.
    Acentua-se em tempos de crise económica e social.
    Níveis de discriminação:
    Exprimir opinião sobre o grupo
    Evitar relações com o grupo
    Medidas discriminatórias para com o grupo
    Agressão Física
    Extermínio
    Discriminação positiva: ex. apoio aos pobres.
    Pessoas que sofrem de discriminação perdem auto-estima e começam a crer no preconceito contra elas mesmas.
    2/3 das raparigas negras às quais se perguntou que boneca preferiam escolheram a branca em vez da que se assemelhava a elas por “ser mais bonita”
  • 68. Janeiro 2010

×