Trabalhar Por Projectos Em Educação

  • 2,453 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,453
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
119
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Diferentes  públicos,  diferentes   reacções  face  à  escola.     A  forma  como  se  é  implicado  na  azáfama  do  começo  do  ano  lectivo  varia   muito,  consoante  o  modo  como  cada  um  se  relaciona  com  o  início  do  ano   escolar.     “colaboradores”     “parceiros”     Pais  “hostis”.     “Será  a  ida  à  escola  uma  perda  de  tempo?”     “Para  que  serve  lá  ir  e  o  que  é  que  lá  se  aprende?”     “Menos  uns  braços…  eu  com  a  idade  dele  já  trabalhava,  ajudava  os  meus  pais.”     “Se  não  fosse  esta  coisa  de  rendimento  mínimo…”     Muito  do  que  se  encontram  na  escola  é-­‐lhes  estranho:  estranhas  as   actividades  e  as  regras,  estranhas  exigências  e  formas  de  estimular,   estranhos  os  interditos.    
  • 2.   Bernstein  (1986)  –  problema  da   “recontextualização”.     Esforço  de  adaptação  dos  alunos  às   regras  e  exigências  das  instituições.     Bourdieu  e  Passeron  (1970)  –   exercício  da  “violência  simbólica”.     Imposição  de  valores  e   comportamentos  que  nem  sempre   coincidem  com  as  regras  dos  meios   onde  foram  socializados.  
  • 3.  Heterogeneidade  discente.    A  escola  começa  a  sentir-­‐se   impotente  para  resolver  os   problemas  com  que  se  depara.     CRISE  SOCIAL  IMPORTADA   (Formosinho,  1992)    Visão,  Missão,  Valores  de  uma   Organização.     Gestão  estratégica     Gestão  da  mudança     Aprendizagem  organizacional  
  • 4. Projecto:  uma  via  possível     (…)  torna-­‐se  evidente  a   necessidade  de  ocorrerem  na   escola  mudanças  significativas.     Poderá  a  introdução  de  uma  área   de  projecto  contribuir  para  que   algumas  dessas  mudanças   significativas  aconteçam?       2  vias:  Inovadora  /  Conservadora  
  • 5.   1.ª  Via:     Tentar  outras  formas  de  pensar  o  currículo.     Experimentar  outras  formas  de  trabalho.     Adequar  as  técnicas  às  actuais  populações   escolares.     2.ª  Via:     Continuar  a  ensinar  conteúdos  que  se  sabe   serem  importantes.     Aumentar  o  nível  de  exigência.     Diminuir  o  clima  de  permissividade,  de   balbúrdia.     Eliminar  os  que  perturbam  o  clima  de   trabalho.   “o  projecto  é  mais  outra  ideia”;  “mais  uma   modernice”;  “uma  brincadeira”  
  • 6. Um  debate  sobre  as  questões   do  recurso.     Caracterização  das  personagens:     Prof.  A  –  evidencia  uma  grande  necessidade  de  ser  esclarecido.     Prof.  B  –  critica  fortemente  esta  proposta  (o  projecto).     Prof.  C  –  reconhece  as  dificuldades,  mas  está  entusiasmado  em   implementar  a  proposta.     Prof.  D  –  encontra-­‐se  muito  dividido.     Aluno  –  preferiria  não  embarcar  mais  nesta  proposta  que  não  crê  poder  ser   realizável  nas  actuais  condições  sociopolíticas.     Encarregado  de  Educação  –  evidencia  uma  posição  muito  crítica  face  a   esta  proposta  de  reorganização  curricular.  
  • 7. Análise  e  interpretação  do   debate   1.  “Antes  de  falarmos  de  projecto,  é  preciso  sabermos  do  que  estamos  a  falar.”  O  que  é   um  projecto?   2.  “Porquê,  agora,  esta  ideia  de  projecto  em  educação?”   3.  “O  que  têm  a  ver  estas  áreas  de  projecto  com  o  Projecto  Educativo  de  escola?”   4.  “O  que  traz  de  novo  aos  alunos  a  realização  de  projectos?”   5.  “Como  desenvolver  um  projecto?”   6.  “Não  irá  o  projecto  prejudicar  a  aquisição  de  conteúdos?”   7.  “Meter  um  projecto  em  horas!  Hora  do  projecto!  Um  projecto  tem  de  ser  livre  e  ir   ocupando  o  tempo,  de  acordo  com  as  necessidades  que  ele  próprio  vai  criando.”   8.  “Eu  creio,  firmemente,  que  decidir  que  um  projecto  tem  de  ser  avaliado  é  ‘matá-­‐lo’.”   9.  “Eles  irão  conseguir  escolher  e  “impingir”  temas  para  o  projecto  que  pensem  ser   importantes.”   10.  “Ouvi  dizer  que  cada  projecto  irá  ser  orientado  por  dois  professores...  Por  que  razão  se   decidiu  isto?”  
  • 8. 1. “Antes de falarmos de projecto, é preciso sabermos do que estamos a falar.” O que é um projecto?   Projecto  é:     Termo  ambíguo  e  polissémico.     Plano  de  acção.     Intenção.     Desígnio.     Intento.     Programa.     Projéctil.     Roteiro.     Esboço.     “Projecto  de  vida”;  “projecto  de  viagem”;  “projecto  de  acção”;  “projecto  de   orçamentos”;  etc.     “Projecto  Educativo  de  Escola”;  “Projecto  Curricular  de  Escola  e  de  Turma”;  “Área   de  Projecto”;  “Metodologia  de  Projecto”;  etc.  
  • 9.   O  conceito  de  Projecto  está  associado:     A  concepções  de  formação  e  educação  que  não  se  coadunam  com  a   uniformização  e  que  não  se  esgotam  na  instrução  e  acumulação  de   conhecimentos.     Ao  reconhecimento  da  importância  do  envolvimento  dos  alunos  e   professores  nos  processos  de  construção  de  saberes  significativos  e   funcionais.     Ao  reconhecimento  de  que  a  qualidade  do  ensino  e  a  capacidade  de   corresponder  aos  problemas  do  dia-­‐a-­‐dia  passa  pelo  envolvimento   das  escolas  e  dos  seus  agentes.    “Mudar  a  atitude  face  à  escola.”  
  • 10.   Um  projecto  é  um  estudo  em  profundidade,  um  plano  de   acção  sobre  uma  situação,  sobre  um  problema  ou  um  tema.     Tempo  de  duração;  negociar  objectivos;  elaborar  o  plano;   definir  modos  de  acção  e  de  pesquisa;  construir  instrumentos   de  recolha  de  dados;  inventariar  recursos;  calendarizar  acções;   recolher  e  analisar  os  dados;  reflectir  sobre  os  percursos  do   projecto  e  os  efeitos  por  ele  gerados;  organizar  a  informação   e  divulgá-­‐la.  
  • 11.   Apesar  da  polissemia,  aqui  ficam  algumas   definições  de  projecto:     “é  um  ideal  muito  querido,  a  concretizar  através   de  um  trabalho  de  grupo  (…)”     “é  uma  tarefa  definida  e  realizada  em  grupo  (…)”     “é  a  estruturação  e  concretização  de  uma  ideia  e/ ou  interligação  de  ideias  (…)”  
  • 12.   Há  que  agir…  passar  do  plano  à  acção!!!     Roegiers  (1997):  Projecto  agido  –  o  projecto   não  é  apenas  intenção,  nem  apenas  plano,   nem  apenas  acção  e  produto,  mas  sim  o   conjunto  de  todas  as  dimensões.     Projecto  agido  =  projecto  projectado  +   projecto-­‐processo  +  projecto-­‐produto  
  • 13.   Projecto  agido  =  projecto  projectado  +  projecto-­‐processo   +  projecto-­‐produto     Projecto  projectado  =  projecto  visado  +  projecto  plano   Um  projecto   Um  projecto   pressupõem  a   pressupõem  a   clarificação  das   concepção  do   intenções  que  o   plano  que  o   orientam  e  que  o   organiza.   justificam.     Projecto-­‐processo  –  a  acção  que  o  irá  concretizar.     Projecto-­‐produto  –  que  permite  produzir  efeitos.  
  • 14.   Para  Escudero  Muñoz  (1988)  um  projecto  deve  definir  claramente   os  perfis  de  mudança  desejados  e  desenvolver-­‐se  por  forma  a   caminhar  nessa  direcção.     Para  Broch  e  Cros  (1991)  num  projecto  há  uma  dose  de  utopia  e  uma   dose  de  organização.     O  projecto  está  na  charneira  entre  o  desejo  de  se  lançar  na   aventura  e  a  própria  realização  da  aventura,  entre  o  querer  e  o   fazer.     A  ligação  entre  o  sentido  (a  intenção)  e  a  acção  (a  organização)   não  é  fácil  mas  é  preciso  ser-­‐se  capaz  de  inspiração  e  de  acção.     A  recusa  das  acções  (da  organização)  conduz  apenas  à  utopia  e  a  focagem   exclusiva  na  organização  ameaça  a  própria  acção  pela  perda  de  sentido.  
  • 15.   “mal-­‐estar”  no  sistema  educativo.   Problemas  da   Sociedade:  conflitos   Problemas   e  problemas  do   do  SEP;  as   contexto  económico   Escolas  e  os   global   professores  
  • 16.   “bodes  expiatórios”     Há  que  entender  quais  os  problemas  reais  no  quotidiano  da   escola.       Algumas  reflexões:     Os  jovens  sempre  foram  irreverentes;  em  choque  com   gerações  anteriores.     Conteúdos  curriculares  de  relevância  discutível.     “Educação  Bancária”  (Paulo  Freire).     Industrialização  &  modernização  da  sociedade    aumento  da   escolarização.     Escola  homogénea  torna-­‐se  disfuncional.       Tentações  do  meio  exterior  à  escola.  
  • 17.   Que  fazer?     Eliminar  os  que  perturbam?     Ou  tentar  introduzir  mudanças  no  processo  de   ensino-­‐aprendizagem?   Trabalho  por  Projectos    
  • 18.   Não  se  trata  de  magia!!!     É  preciso  que  vá  ao  encontro  dos  interesses  dos   alunos.     É  preciso  que  mobilize  diversos  conteúdos   disciplinares.     É  preciso  implicação  no  processo;  envolvimento,   cooperação!  
  • 19.   Projecto  Educativo  de  Escola:     União  dos  diferentes  actores  educativos   (interno  ou  externos  à  escola).     Projecto  significativo  cuja  missão  é  a  melhoria   da  escola.     Na  origem  do  PEE  está  a  aceitação  que  todos   se  implicam  no  processo.  Está  em  causa  o   desenvolvimento  do  sentido  de  pertença  à   instituição  escolar.  
  • 20.   Políticas  educativas  de  descentralização.     Processos  de  autonomia  da  escola.     Área  de  Projecto    contributo  para  o  reforço  da  identidade  de   cada  escola.     O  Projecto  implica    trabalho  cooperativo  &  interdisciplinar.     Contexto  de  autonomia  curricular  pressupõe:     Leitura  da  própria  realidade.     Identificação  de  problemas  e  necessidades.     Reconhecimento  da  utilidade  dos  projectos  e  planos  de   acção.  
  • 21.   Para  além  da  existência  de  um  projecto   educativo  como  símbolo  máximo  da   autonomia  da  escola  e  dos  projectos   curriculares  de  escola,  a  Área  de  Projecto   surge  como  um  vector  de  integração   curricular.    
  • 22.   A  Área  de  Projecto  é:     Um  espaço  de  debate  (1)  centrado  no  aluno,   (2)  nos  processos  colegiais  de  decisão  dos   professores  e  nas  (3)  parcerias  com  a   comunidade  educativa.     Um  processo  que  envolve  os  alunos  na:   concepção,  realização  e  avaliação  do   projecto.     Uma  área  privilegiada  de  construção  e   vivência  da  interdisciplinaridade.    
  • 23. Área  de  projecto:   Visa  a  concepção,  realização  e  avaliação  de   projectos,  através  da  articulação  de  saberes   de  diversas  áreas  curriculares,  em  torno  de   problemas  ou  temas  de  pesquisa  ou  de   intervenção,  de  acordo  com  as  necessidades  e   os  interesses  dos  alunos.   Organização  Curricular  e  Programas  Ensino  Básico  -­‐  1.º  Ciclo.   Departamento  da  Educação  Básica.  ME  
  • 24.   Um  projecto  constitui  um  espaço  e  um  tempo   privilegiado  para  que  os  alunos  possam   relacionar-­‐se  com  o  conhecimento  através  de   realizações  concretas.     É  um  espaço  em  que  os  alunos  e  os  professores   criam  oportunidades  para  que  a  escola  esteja   no  centro  do  conhecimento  e  da  reflexão  sobre   os  problemas  sociais,  económicos,  etc.     Abordagem  ecológico-­‐sistémica.    
  • 25.  Trabalho  de  projecto:   É  um  método  de  trabalho  que  requer  a   participação  de  cada  membro  do  grupo,   segundo  as  suas  capacidades,  com  o   objectivo  de  realizar  um  trabalho  conjunto,   decidido,  planificado  e  organizado  de   comum  acordo.   Thinés,  G.  Lempereur   Que  características  estão  implícitas  nesta   metodologia  de  trabalho???    
  • 26.   Trabalhar  em  projecto  representa  um  desejo  efectivo   de  produção  de  mudança.     Pelo  TP  adquire-­‐se  a  capacidade  de  lidar  com  o   imprevisto.     Pressupõe  o  desenvolvimento  de  competências  de   comunicação.     Pressupõe  o  desenvolvimento  da  análise  crítica  das   realidades.     Trabalhar  em  projecto  exige:  planificação,  antecipação   e  respostas  a  interrogações.  
  • 27.   Exige  uma  planificação  flexível;  aberta  e   capaz  de  lidar  com  o  imprevisto.     (destacar  o  segundo  parágrafo  da  página   38  do  documento  em  análise)     Trabalhar  em  projecto  é  caminhar,  ao   mesmo  tempo,  no  sentir  colectivo  das   orientações  educativas,  decididas  em   parceria,  e  na  singularidade  dos  projectos   curriculares!  
  • 28.   Não  há  receitas  em  educação!     Nenhuma  solução  é  válida  para  todas  as  situações!     Assim,  quando  estamos  face  a  um  problema  é  preciso   estudá-­‐lo,  compreendê-­‐lo  e  encontrar  uma  SUGESTÃO   adequada  para  o  enfrentar!   Análise crítica da realidade!   Analisar:  p.  43  –  Planificação  e  calendarização  das  fases   de  um  projecto.  
  • 29. Planificação  e  calendarização  das  fases  de   desenvolvimento  de  um  Projecto   1º   -­‐  Discussão  com  toda  a  turma  sobre   2º   os  possíveis  projectos  a  desenvolver.   -­‐  Escolher  o  ?tulo  do  Projecto  e   -­‐  Apelar  aos  interesses  dos  alunos.   elencar  o  que  se  tenciona  fazer,  ex.:  o   que  tenciona  produzir;  como   -­‐  Tomada  de  decisão.   organizar  o  trabalho;  que  dados  são   -­‐  Divulgar  o  Projecto  juntos  dos   necessários  recolher,  etc..   professores  da  turma  e  dos  pais.  
  • 30. 3º   4º   5º   6º   -­‐  Iniciar  o  trabalho  de   -­‐  ConHnuar  o  trabalho  de   pesquisa.   -­‐  ConHnuar  o  trabalho   -­‐  ConHnuar  o  trabalho  de   pesquisa.  Reformular  o   pesquisa.     de  pesquisa.   Projecto.  Tem  em  conta  a   -­‐  Reformular  o   Reformular  o   -­‐  Produzir  o  primeiro   data  de  apresentação  do   Projecto  e  a  lista  de   Projecto.   Projecto.   rascunho.   intenções  a  realizar.   Pesquisa  documental  +  Análise  críHca  dos   dados  +  Interpretação  da  realidade  
  • 31. 9º   8º   7º   -­‐  Apresentar  o  Projecto  em   -­‐  Alertar  para  os  cuidados  a   reunião  alargada.   -­‐  Produzir  um  segundo   ter  com  a  apresentação  oral   -­‐  Escrever  um  arHgo  para  o   rascunho.   do  Projecto.   jornal  da  escola.   -­‐  Produzir  o  relatório  final.   -­‐  Fazer  a  apresentação  final  do   -­‐  Escrever  um  arHgo  para  um   Projecto.   jornal.  
  • 32.   A  área  de  projecto  permite,  não  só  a  aquisição  de   conteúdos,  bem  como  o  desenvolvimento  de  muitas   outras  competências.     Para  além  de  poder  contribuir  para  melhorar  as   condições  de  aprendizagens  curriculares,  pode  ser  uma   outra  forma  de  valorizar  curricularmente  a  cultura  do   quotidiano  dos  alunos,  dos  seus  saberes,  dos  seus   contextos  e  dos  seus  problemas  sociais.     Uma  preocupação  latente  com  a  crise  social   importada.  
  • 33.   A  área  de  projecto  permite  a  aprendizagem   de  saberes  integrados  e  problematizados  que   tornam  possível  a  aprendizagem  significativa.     Assim  sendo,  relembramos  as  finalidades  da   AP…  
  • 34. Que  finalidades?     desenvolver  competências  sociais,  tais  como  a   comunicação  ,  o  trabalho  em  equipa,  a  gestão  de   conflitos,  a  tomada  de  decisões  e  a  avaliação  de   processos;      aprender  a  resolver  problemas,  partindo  das  situações   e  dos  recursos  existentes;      promover  a  integração  de  saberes;      desenvolver  as  vertentes  de  pesquisa  e  intervenção;      aprofundar  o  significado  social  das  aprendizagens   disciplinares.  
  • 35.   A  avaliação  tem  de  estar  sempre  presente   quando  se  desenvolve  qualquer  actividade,   sobretudo  se  implica  fazer  opções   significativas  e  delicadas.     Avaliar  é  “dar-­‐se  conta  de”.     Avaliar  é  descobrir  se  se  pode  prosseguir   ou  se  é  necessário  recomeçar!!!!