Manuel bandeira2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Manuel bandeira2

  • 911 views
Uploaded on

um slide sobre Manuel Bandeira vida e obra.

um slide sobre Manuel Bandeira vida e obra.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
911
On Slideshare
911
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
26
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MANUEL BANDEIRA
    • Nasceu no Recife (Pernambuco) em 1886 e morreu no Rio de Janeiro em 1968.
    • Abandonou a Escola Politécnica aos dezoito anos, por causa da tuberculose.
    • Sua obra confunde-se com sua existência.
  • 2. ESTRÉIA: A cinza das horas , 1917
    • Sua poesia comunica-se com a tradição e a modernidade.
    • Se fosse dor tudo na vida,
    • Seria a morte o grande bem.
    • Libertadora apetecida,
    • A alma dir –lhe- ia ansiosa: - “vem!
    • (...)
    • E a vida vai tecendo laços
    • Quase impossíveis de romper:
    • Tudo o que amamos são pedaços
    • Vivos do nosso próprio ser.
    • A vida assim nos afeiçoa,
    • Prende. Antes fosse toda fel!
    • Que ao se mostrar às vezes boa,
    • Ela requinta em ser cruel...
    • (A vida assim nos afeiçoa)
  • 3. Seus poemas apresentam humor, erotismo, refinamento musical, prosaísmo. POEMETO ERÓTICO Teu corpo claro e perfeito, - Teu corpo de maravilha, Quero possuí-lo no leito Estreito da redondilha... Teu corpo é tudo o que cheira... Rosa... flor de laranjeira... Teu corpo, branco e macio, É como um véu de noivado... Teu corpo é pomo doirado... Rosal queimado do estio, Desfalecido em perfume... Teu corpo é a brasa do lume... Teu corpo é chama e flameja Como à tarde os horizontes... É puro como nas fontes A água clara que serpeja, Que em cantigas se derrama... Volúpia da água e da chama... A todo momento o vejo... Teu corpo... a única ilha No oceano do meu desejo... Teu corpo é tudo o que brilha, Teu corpo é tudo o que cheira... Rosa, flor de laranjeira...
  • 4. LIBERTINAGEM – 1930 – LIVRO INTEIRAMENTE MODERNISTA Poética Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e [manifestações de apreço ao Sr.diretor Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo [ de um vocábulo Abaixo aos puristas Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção Todos os ritmos sobretudo os inúmeráveis Estou farto do lirismo namorador Político Raquítico Sifilítico De todo o lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.
  • 5. De resto não é lirismo Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante [exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes maneiras de [agradar às mulheres,etc. Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare — Não quero mais saber do lirismo que não é libertação. Poética equivale a um manifesto modernista.
  • 6. Poemas inspirados por cenas cotidianas, pelas lembranças da infância no Recife... Evocação do Recife Recife Não a Veneza americana Não a Mauritssatd dos armadores das Índias Ocidentais Não o Recife dos Mascates Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois- Recife das Revoluções libertárias Mas o Recife sem história nem literatura Recife sem mais nada Recife da minha infância A Rua da União onde eu brincava de chicote-queimado e partia as vidraças da casa de Dona Aninha Viegas Totônio Rodrigues era muito velho e botava o pincenê na ponta do nariz Depois do jantar as famílias tomavam a calçada com cadeiras, mexericos, [namoros risadas (...)
  • 7. A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros Vinha da boca do povo na língua errada do povo Língua certa do povo Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil Ao passo que nós O que fazemos É macaquear A sintaxe lusíada A vida como uma porção de coisas que eu não entendia bem Terras que não sabia onde ficavam Recife... Rua da União... A casa do meu avô... Nunca pensei que ela acabasse! Tudo lá parecia impregnado de eternidade Recife... Meu avô morto. Recife morto, Recife bom, Recife brasileiro como a casa de meu avô.
  • 8. Não sei Dançar Uns tomam éter, outros cocaína. Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria. Tenho todos os motivos menos um de ser triste. Mas o cáculo das probabilidades é uma pilhéria... Abaixo Amiel! E nunca lerei o diário de Maria Bashkirtseff. Sim, já perdi pai, mãe, irmãos. Perdi a saúde também. É por isso que sinto como ninguém o ritmo do jazz-band. Uns tomam éter, outros cocaína. Eu tomo alegria! Eis aí por que vim assistir a este baile de terça-feira gorda . Visão irônica da vida...
  • 9. PRINCIPAIS TEMAS: cotidiano; amor; solidão; dor; morte... Bem que filho do Norte, Não sou bravo nem forte. Mas, como a vida amei, Quero te amar, ó morte - Minha morte, pesar Que não te escolherei. Do amor tive na vida Quanto amor pode dar: Amei, não sendo amado, E sendo amado, amei. Morte, em ti quero agora Esquecer que na vida Não fiz senão amar. CANÇÃO PARA A MINHA MORTE Sei que é grande maçada Morrer, mas morrerei - Quando fores servida - Sem maiores saudades Desta madrasta vida, Que todavia amei.
  • 10. O Último Poema Assim eu quereria o meu último poema Que fosse eterno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos A paixão dos suicidas que se matam sem explicação. O último poema de Libertinagem. Poesia marcada pela simplicidade...
  • 11. Sua obra confunde-se com sua existência.
    • Manuel Bandeira difere de seus parceiros da primeira fase do Modernismo brasileiro em virtude de ter-se voltado para sua realidade interior e tentar explicar-se.
    • Aborda a doença, a constante ameaça da morte ora melancolicamente, ora ironicamente.
    • A poesia foi o seu antídoto ao tédio.
  • 12. Principais obras
    • Carnaval
    • Poesias (incluindo Ritmo Dissoluto )
    • Libertinagem
    • Estrela da Manhã
    • Estrela da Tarde
    • Estrela da Vida Inteira