Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_quimica

  • 918 views
Uploaded on

Gabarito de Química

Gabarito de Química

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
918
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Química Propriedades gerais da matéria / AtomísticaCapítulo 1 1 1. Lavoisier sempre usava balança, pesando tudo antes e depois da queima. Fazia experiências em recipientes fechados e con-O surgimento da química siderou, para a diminuição de massa durante a queima, queConexões havia formação de gases.Página 7 12. c Na massa dos reagentes não está sendo considerada a massa Espera-se que, por meio de pesquisas (livros, textos, internet) do gás oxigênio. Assim, a massa total dos reagentes é maior e entrevistas com professores e historiadores, o aluno seja ca- que 10 kg. Portanto, a massa dos produtos formados também paz de identificar os fatos que serviram para grandes avanços será maior que 10 kg. sociopolítico-científicos durante a Idade Média, período do qual moxigênio + mgasolina = mprodutos o movimento das Cruzadas é muito emblemático no processo moxigênio + 10 = mprodutos de troca de informações e encurtamento de distâncias entre ∴ mprodutos > 10 kg os povos. Segue uma expectativa de resposta. 21. O termo genérico água relaciona-se com a definição de matéria. Durante a Idade Média, período em que ocorreram grandes Já o termo gelo, por ter limitadas a sua forma e características, avanços em diversas áreas, encontramos transformações é definido como um sistema. ocorridas nos campos da cultura (como o forte movimento de Observação: Gelo seria classificado como corpo se estivesse com tradução de textos gregos e árabes, marcando o fortalecimento mais detalhamento, como em cubo de gelo. da intelectualidade europeia), da política, das relações sociais e econômicas (como o retorno das transações financeiras e 22. I.  Corpo  II.  Matéria  III.  Sistema  IV.  Sistema  o reaparecimento da moeda). Esse período ficou conhecido 23. Sim, pois, por definição, a química trata de substâncias que como renascimento marítimo-comercial. Grandes eventos compõem a natureza, ou seja, de matéria. Como no vácuo de repercussão que ocorreram nessa época contribuíram acredita-se que não há nada, pode-se defini-lo como “ambiente para tais conquistas: a renovação da vida urbana, após um sem química”. longo período de vida rural, girando em torno dos castelos e mosteiros; o movimento das Cruzadas, a restauração e o 24. Bem: desenvolvimento de novas formulações de medicamentos desenvolvimento de novas rotas entre os povos, que, além ou qualquer produto que favoreça o bem-estar da população. de diminuírem distâncias, reabilitaram o comércio, a emer- Mal: desenvolvimento de armas químicas e de bombas atômicas. gência de um novo grupo social (os burgueses) e, sobretudo, o renascimento cultural com uma forte referência científico- Tarefa proposta -filosófica. 1. ePágina 12 Fe (metal): elemento químico; substância pura Para esse trabalho de pesquisa, o aluno deve procurar a Bronze: liga metálica de Cu + Sn; mistura Câmara Municipal de sua cidade em busca da informação re- 2. Metais: cobre e ferro querida. Com isso, espera-se que ele adquira um maior senso Liga metálica: bronze de cidadania. Não há uma resposta correta ou mesmo precisa Professor, atualmente os historiadores englobam essas três épo- e única para esse trabalho; porém, julga-se necessário que o cas em “Idade dos Metais”, que é a última fase da Pré-História aluno participe de pelo menos uma sessão em sua comarca (de 5000 a.C. a 4000 a.C.). para poder conhecer os trâmites que regem uma lei até ser aprovada. 3. Fogo + ar: quente Fogo + terra: secoExercícios complementares Terra + água: frio Ar + água: úmido 9. e Por migrarem de região para região em busca de alimentos — 4. Foram Demócrito e Leucipo. Átomo significava a menor porção nomadismo —, o desenvolvimento da agricultura surgiu ainda da matéria, a qual não poderia mais ser dividida. muito tempo depois. 5. A palavra kymiâ é de origem egípcia, que significa “terra pre-1 0. I-B; II-C; III-A ta”. Quando Alexandre, o Grande, invade a Índia, os árabes 1
  • 2. introduzem o prefixo “al”, equivalente ao artigo “a”, originando 22. • Animais podem se alimentar desses produtos, morrendo Al kimiâ e, posteriormente, alquimia. intoxicados ou por asfixia. • O acúmulo de polímeros não biodegradáveis nos lixões 6. Com a produção de ferro metálico, vários artefatos puderam impede a absorção da matéria biodegradável pela terra, ser confeccionados, facilitando a vida das pessoas. pois impermeabiliza o solo. 7. A ideia de que tudo na natureza era formado por átomos. • Aumenta a sujeira das ruas, entupindo bueiros e bocas de lobo, causando inundações em época de chuva. 8. Para Stahl, o flogístico teria uma massa negativa e, depois de ser liberado durante a queima, a massa final, após a queima 23. c do metal, seria maior que a inicial. Na reciclagem, os plásticos se transformam produzindo nova- mente plásticos, mantendo sua estrutura polimérica, ou seja, 9. Análises experimentais; utilização de balanças; determinação de macromolécula. de critérios (sistemas fechados). 24. e 10. Lavoisier contestou a ideia na qual se conseguiria sempre obter I. (F) Água pura é diferente de água potável, pois esta contém, substâncias sólidas a partir da água. entre outras coisas, vários sais minerais dissolvidos. 11. a) Segundo Stahl, um material, ao ser queimado, liberava II. (V) flogístico. Nesse caso, o flogístico seria negativo. III. (F) Segundo o texto, 13% é a porcentagem de pessoas que não b) Segundo Lavoisier, o metal se combina com algumas subs- têm acesso à água potável. tâncias do ar durante a queima. IV. (V) 12. Alimenta a combustão (comburente); presente na nossa respi- Capítulo 2 ração; produzido pela fotossíntese; oxida o álcool produzindo vinagre. Átomo 13. Produto isento de compostos que fazem mal à saúde. Conexões 14. Não, a química estuda todas as substâncias da natureza, inde- Os principais elementos radioativos estão citados na tabela pendentemente de sua origem ser natural ou artificial. a seguir. Trítio (hidrogênio-3) Determina o conteúdo de água no corpo 15. d Varredura do cérebro (PET) para traçar o Carbono-11 16. Corpo: porção limitada da matéria. caminho da glicose Substância: material essencial que forma qualquer estrutura Carbono-14 Ensaios de radioimunidade da natureza. Detecção de constrições e obstruções do Sódio-24 sistema circulatório 17. Como, em razão de sua fervura, o vapor-d’água se dissemina Auxilia na detecção de tumores oculares, (mistura) pela extensão do ar atmosférico, não haverá meios Fósforo-32 câncer de pele, ou tumores pós-cirúrgicos de definirmos suas características. Por isso, classificaremos a Desordens gastrointestinais e irregularidades água como matéria. Cromo-51 no baço 18. Plástico é o conjunto de substâncias formadas por materiais Diagnóstico de anemias, funcionamento das Ferro-59 orgânicos de constituição macromolecular. juntas ósseas Polímero: poli = muito; mero = parte. Cobalto-60 Tratamento de câncer Gálio-67 Varredura para detecção de tumores 9. A estrutura química dessas substâncias impede que ocorra uma 1 Selênio-75 Varredura do pâncreas necessária absorção de radiação UV, ou mesmo que sofra decompo- Criptônio-81m* Varredura da ventilação no pulmão sição por ação de microrganismos como bactérias, fungos ou algas. Estrôncio-85 Varredura dos ossos para doenças, incluindo câncer 20. Como o efeito da degradação pelo meio ambiente não é Diagnóstico de doenças do cérebro, ossos, cumulativo, as dez latas de conserva levarão, juntas, dez anos Tecnécio-99m fígado, rins, músculos e varredura de todo o 1 corpo. É o mais utilizado para que se decomponham, ou seja, do tempo para a 10 Detecta o mau funcionamento da glândula degradação de uma garrafa plástica. Iodo-131 tireoide, tratamento do hipertireoidismo e 21. São plásticos obtidos a partir de matéria-prima vegetal. câncer tireoidal Benefícios: além de dispensarem o uso do petróleo, têm a Mercúrio-197 Varredura dos rins característica de se degradarem muito mais rapidamente. *m = metaestável2
  • 3. Exercícios complementares 3. b O modelo atômico de Thomson é o primeiro a aceitar a divisi- 9. a bilidade do átomo com a descoberta do elétron. Rutherford foi o primeiro a considerar a existência de um núcleo Observação: no átomo. Alternativa a s característica do átomo de Dalton.10. a Alternativa c s característica do átomo de Bohr. Como A = Z + n, temos que n = A – Z. Alternativas d e e s característica do átomo de Rutherford- -Bohr.11. d O íon X2+ apresenta 15 elétrons, pois, se para transformar-se em 4. e cátion bivalente houve a perda de 2 de seus elétrons originais, O modelo de Thomson propõe que o átomo seja inteiramente o átomo neutro apresentava 17 elétrons e, logo, 17 prótons. maciço e essa massa apresente carga positiva, ficando os elé- Assim: trons dispostos como “passas” em um “pudim”. Rutherford, A = Z + n por outro lado, centraliza, além da massa, a carga positiva do A = 17 + (17 + 2) átomo no núcleo. A = 17 + 19 5. e A = 36 A = Z + n12. c 65 = Z + 35 - Átomo neutro  ânion ganha 2 e → Z = 30 Portanto, 30 prótons e, para o átomo neutro, 30 elétrons. 79 Se    79 Se 2– 34 34 30 X: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 34 prótons 34 prótons Para formar um cátion com 28 elétrons, o átomo deve perder 45 nêutrons A = p + n w 79 = 34 + n 2 e–. Logo: 34 elétrons n = 45 nêutrons 30 X2+: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 36 elétrons 6. e21. Soma = 31 (01 + 02 + 04 + 08 + 16) 12 C    13 C     6  6 14  6 C  ∴ isótopos22. V – V – F – F – V I. (V) Esse é o primeiro postulado de Bohr. 7. F – V – F – V – F II. (V) Esta afirmação constitui o princípio da quantização da I. (F) Apresentam cargas elétricas de sinais contrários. energia das órbitas. II. (V) III. (F) A emissão de luz só ocorre quando o elétron salta de uma III. (F) 10B  e   11B também apresentam o mesmo número de prótons.  5  5 órbita de maior energia para outra de menor energia. IV. (V) IV. (F) A teoria de Bohr pode ser aplicada a várias outras espécies V. (F) 35Cl − apresenta 18 nêutrons e 75Br − apresenta 40 nêutrons. 17 35 químicas (veja resposta do item V). 8. c V. (V) A teoria de Bohr é aplicada com êxito no estudo dos espectros Fe2+ s 24 elétrons de íons do tipo He+ e Li2+. 26 26 Fe3+ s 23 elétrons23. b Por serem provenientes de isótopos distintos do ferro, apre- O ítrio possui cinco camadas, pois temos um subnível 5s. Para sentam diferentes massas por possuírem diferentes números sabermos o número de elétrons mais energéticos, basta vermos de nêutrons. o subnível de maior energia da distribuição, que é, neste caso, o 9. d subnível 4d com apenas 1 elétron. Como os íons foram formados a partir do mesmo elemento24. e (mesmo símbolo), apresentam o mesmo número de prótons. O elemento terá o número de elétrons do argônio (18) mais os A carga 1+ indica que possuem 1 próton a mais que o número elétrons dos subníveis 4s (2) e 3d (6). Resultado total de 26 e–, o de elétrons. Portanto, ambos possuem o mesmo número de que corresponde ao ferro (Z = 26). elétrons. 1 0. aTarefa proposta 1 1. c 1. 1-B; 2-A; 3-D; 4-C II. (F) Dalton propõe que tudo é formado por átomos, partículas 2. 1-C; 2-A; 3-B; 4-D indivisíveis e indestrutíveis. 3
  • 4. 1 2. d I. (V) Esse experimento é baseado nas características do modelo II. (V) atômico de Rutherford-Bohr. III. (F) 1 3. d 22. e Pelos postulados de Bohr, quando um elétron retorna para o Espécie neutra: 8X w 1s2 2s2 2p4 seu nível original, ele libera energia na forma de onda eletro- Ânion bivalente: X2–: 1s2 2s2 2p6 magnética (fóton). 23. Átomo neutro Cátion bivalente 1 4. a - Idem ao exercício 13. X 0 → perdeu 2 e X 2+ 15. d 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 s 20 e– 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 s 18 e– Os átomos de todos os elementos químicos emitem algum Como Z = p = e– (para o átomo neutro) tipo de radiação, em deteminados comprimentos de onda, Z = 20 s átomo X dependendo do átomo. Átomo neutro s 33As0 s 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p3 Ganha 3 e–. 16. d Íon s 33As3– s 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 s energética A explicação para a cor amarela está na liberação de energia 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6 s geométrica pelo Na+, quando seus elétrons voltam a níveis menores de Último nível: 4s2 4p6 energia (Bohr). 24. d 17. e Isoeletrônicas s igual número de elétrons A chama do bico de Bunsen (originalmente azul), quando em Ânion s íon negativo s recebe e–, portanto menor número de contato com uma amostra de um composto de sódio, apresenta prótons cor amarela característica. Cátion s íon positivo s doa e–, portanto maior número de 18. a prótons Os sais de chumbo são caracterizados pelo seu número atômico, Portanto, apresenta maior número de prótons a espécie com o que lhes garante as mesmas propriedades químicas em razão maior número de cargas positivas s Mg2+ de apresentarem a mesma eletrosfera. 19. a Capítulo 3 Fazendo a distribuição eletrônica, temos: Classificação periódica (Z = 23): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d3 (2 elétrons de valência: 4s2) (Z = 31): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p1 (3 elétrons de valência: Conexões 4s2 4p1) Considerando que sejam poucas as possibilidades de surgirem (Z = 34): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p4 (6 elétrons de valência: “novas formas” de tabela, o professor pode sugerir a construção 4s2 4p6) de novas apresentações da tabela periódica tradicional, incen- = 38): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 5s2 (2 elétrons de valên- (Z tivando os alunos a produzir utilizando materiais reciclados, cia: 5s2) como papel, plásticos, isopor e materiais metálicos. Recursos (Z = 54): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 5s2 4d10 5p6 (8 elétrons multimídia, como fotos, vídeos ou slides, serão bem-vindos, de valência: 5s2 5p6) bem como interdisciplinarizar com arte e/ou história. 20. d No site da revista Superinteressante Aplicando o diagrama de Pauling, temos: http://super.abril.com.br/tabelaperiodica há uma nova propos- 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2… ta de tabela periódica, sugerida por Philip Stewart, que serve Para que o terceiro nível tenha 14 elétrons, o subnível 3d deve como curiosidade para ilustrar a aula. conter 6 elétrons. Observe: 3o nível: 3s2 3p6 3d6 w total = 14 elétrons. Exercícios complementares Assim, a distribuição completa é: 9. a 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d6 (Grupo 1(IA): ns1) Portanto, o número atômico desse elemento é 26. Como os elementos do grupo 1 apresentam um único elétron de 21. d valência, ao perdê-lo, torna-se um cátion — partícula carregada Como o subnível de maior energia é 4s com 1 e–, teremos a positivamente —, pois possuirá relativamente mais prótons do seguinte distribuição: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s1 que elétrons.4
  • 5. 1 0. b Tarefa proposta A corresponde aos elementos representativos com as distri- buições eletrônicas terminadas em s e p. B corresponde aos 1. d elementos de transição externa e C aos elementos de transição O ar atmosférico é constituído por 78% de N2 e 20% de O2, interna. portanto o astronauta apertou as teclas % e &.11. b 2. a Átomo: 29Cu: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d9 Ferro é um elemento de transição externa pertencente ao grupo Cátion: 29Cu2+: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d9 8(VIII B). Nota: O cobre, na verdade, apresenta uma configuração mais 3. d estável, chamada de anômala: 29Cu: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s1 3d10 tabela periódica, os elementos são agrupados na mesma Na12. a família por apresentarem o mesmo número de elétrons na 117 X: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 5s2 4d10 camada de valência. 5p6 6s2 4f14 5d10 6p6 7s2 5f14 6d10 7p5 4. d O cálcio e o magnésio são elementos químicos presentes no21. c mesmo grupo da tabela periódica e, por isso, apresentam as I. Incorreta. 16S: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p4. O enxofre tem 6 elétrons na mesmas propriedades químicas. camada de valência. II. Incorreta. O enxofre tem afinidade eletrônica maior que o 5. V – F – F – F carbono, pois o enxofre possui maior número de elétrons na I. (V) 26Fe: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d6 camada de valência. II. (F) O ferro é um metal de transição externa. III. Correta. III. (F) [Ne] 3s2 3p6 3d6 IV. (F) Ao perder dois elétrons, torna-se um cátion, assim seu raio22. d atômico diminui. 12 Mg: 1s2 2s2 2p6 3s2 s 3o período, grupo 2(IIA) 26 Fe: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d6 s 4o período; grupo 8(VIIIB) 6. Átomos que pertencem a um mesmo grupo na tabela perió­ 20 Ca: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 s 4o período; grupo 2(IIA) dica possuem propriedades químicas semelhantes. Assim, 19 K: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s1 s 4o período; grupo 1(IA) precisamos conhecer os grupos a que pertencem os átomos Mg tem o menor raio por ter o menor número de camadas. Entre A, B, C e D; para isso, vamos fazer a distribuição eletrônica o Fe, o Ca e o K, por possuírem o mesmo número de camadas de cada um. eletrônicas (quatro), o Fe tem o menor raio, por apresentar A partir dos dados fornecidos, vamos calcular o número atômico o maior número de prótons, e o K, o maior, por apresentar o de cada um, lembrando que: A = Z + n e, portanto: Z = A – n. menor número de prótons. Assim: Mg < Fe < Ca < K Temos, então: Átomo A (Z = 9): 1s2 2s2 2p5: grupo 17(VIIA)23. d Átomo B (Z = 11): 1s2 2s2 2p6 3s1: grupo 1(IA) O raio atômico cresce no sentido: Átomo C (Z = 17): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p5: grupo 17(VIIA) Átomo D (Z = 19): 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s1: grupo 1(IA) Portanto, os átomos A e C apresentam propriedades químicas semelhantes, assim como os átomos B e D. 7. d Os gases nobres pertencem ao grupo 18(VIIIA) da tabela perió­ dica e, portanto, têm 8 elétrons na camada de valência (com Portanto, a ordem crescente do raio será V < IV < IX. exceção do hélio, que tem 2 elétrons). O gás nobre com 4 níveis24. d energéticos apresenta a seguinte distribuição eletrônica: 17 Cl: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p5 s 3o período; grupo 17 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 16 S: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p4 s 3o período; grupo 16 Assim, o número atômico desse gás nobre é 36. 13 Al: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p1 s 3o período; grupo 13 8. d Como todos possuem o mesmo número de camadas eletrônicas 8 O: 1s2 2s2 2p4 s 2o período; grupo 16(VIA), calcogênio (três), o Cl tem o menor raio, por apresentar o maior número 22 Ti: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d2 s 4o período; grupo 4(IVB), metal de prótons, e o Al, o maior, por apresentar o menor número de de transição prótons. Assim, pela tabela fornecida: I-Cl; II-S; III-Al 9. Soma = 11 (01 + 02 + 08) 5
  • 6. (04) Incorreta. 48Cd2+ + 82Pb w 130X Portanto, a fusão desses núcleos formaria um elemento de A número atômico igual a 130. B C (16) A soma dos 30 prótons do zinco e dos 82 prótons do chumbo resulta no número de prótons (atômico) desse elemento. D 10. b a) Errada. Co (Z = 27) b) Correta. 16S: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p4 A = grupo 16 / 3º período C = grupo 13 / 4º período c) Errada. Ar (Z = 18) B = grupo 2 / 4º período D = grupo 1 / 5º período d) Errada. 22Ti: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d2 ∴ 4 níveis e) Errada. Boro é grupo 13 e semimetal. 16. c A afirmação é falsa, pois a maioria dos elementos da tabela é 11. b constituída por metais, tendo, portanto, propriedades que os 12. d caracterizam dessa forma. a) O ouro faz parte do grupo 11 da tabela periódica. 17. c b) O mercúrio faz parte do grupo 12 da tabela periódica. Como todas apresentam a mesma eletrosfera, será maior o c) O ouro está localizado no 6o período da tabela periódica. que contiver menos prótons no núcleo, o que gera menor e) O ouro é um metal. atração núcleo-eletrosfera. Nesse caso, o íon F– (apenas nove 13. c prótons). 48 Cd: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 5s2 4d10 18. b e • 12 Mg: 1s2 2s2 2p6 3s2 w grupo 2(IIA) w deve apresentar um O 35º elétron está aqui. grande aumento da segunda para a terceira energia de ioni- 14. V – V – F – F zação, já que o 3o elétron a ser retirado está numa camada III. (F) 79Au: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 5s2 6s2 4f14 5d9 mais interna, não mais na camada de valência w combina Para ser transformado em cátion, é necessário retirar elétron com os dados do elemento Y. de um orbital 6s. • 5B: 1s2 2s2 2p1 w grupo 13(IIIA) w o aumento deve estar IV. (F) Co e Au são elementos de transição externa.  localizado da terceira para a quarta energia de ionização w 15. Distribuição eletrônica: w combina com os dados do elemento X. 16A: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p4 • 19K: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s1 w grupo 1(IA) w o aumento deve 20B: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 estar localizado da primeira para a segunda energia de 31C: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p1 ionização w combina com os dados do elemento Z. 37D: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 3d10 4p6 5s1 19. d Não há elementos pertencentes a um mesmo grupo (A = 16(VIA), A retirada do elétron diminui o raio, dificultando a saída do B = 2(IIA), C = 13(IIIA) e D = 1(IA)), mas é fácil perceber que próximo elétron. o elemento D é o de maior raio, pois ele é o que possui mais camadas eletrônicas e está localizado no canto esquerdo da 20. a) São os de maior energia de ionização: hélio; flúor e tabela, onde existe baixa atração núcleo-eletrosfera. neônio. Também é simples perceber que o átomo do elemento A é o b) O aumento do número atômico faz crescer a atração menor — apresenta o menor número de camadas eletrônicas núcleo-eletrosfera e, consequentemente, a energia de e está localizado no canto direito da tabela, onde é forte a ionização. atração núcleo-eletrosfera. 21. a) Y < Z < X. Dentro de um período, o raio cresce para a Já os átomos dos elementos B e C possuem o mesmo número esquerda, por causa da diminuição do número atômico e, de camadas nas suas eletrosferas: quatro. Mas, como o átomo consequentemente, da atração núcleo-eletrosfera. C tem mais prótons em seu núcleo (31), sua atração núcleo- b) A < D < K. Dentro de um período, a energia de ionização -eletrosfera é maior, e seu raio, portanto, menor que o de B. cresce para a direita, por causa da diminuição do raio atô- Assim, a ordem crescente de raio atômico fica: mico nesse sentido. 16A < 31C < 20B < 37D c) X < Z < Y. Dentro de um período, a afinidade eletrônica Poderíamos também raciocinar em termos das posições cresce para a direita, por causa da diminuição do raio desses elementos na tabela periódica e consultar as setas atômico nesse sentido. referentes ao crescimento do raio atômico, chegando à mesma conclusão. 22. V – F – V6
  • 7. Observe as posições dos elementos na tabela: porque, no frio, o óleo demora para se tornar solúvel e ser consumido por microrganismos marítimos — a biodegradação 4 17 ocorre com eficácia apenas a partir dos 15 °C. Apesar da lim- X peza, que mobilizou 10 mil pessoas, cerca de 2% do petróleo 4 T continuam poluindo a costa da região. 5 Y Queima de petróleo no golfo Pérsico (1991) Obrigado a deixar o Kuwait, nação que havia invadido, o ditador iraquiano Saddam Hussein ordenou a destruição de cerca de 700 poços de petróleo no país. Mais de 1 milhão Assim: de litros de óleo foram lançados no golfo Pérsico ou queimados. I. (V) Como a fumaça dos poços bloqueou a luz do Sol e jogou um mar II. (F) Y tem maior raio que X, pois tem uma camada eletrônica a de fuligem no ar, ao menos mil pessoas morreram de problemas mais. respiratórios. A mancha viscosa de 1.500 km2 matou 25 mil aves III. (V) e emporcalhou 600 quilômetros da costa. Como o petróleo se infiltrou no solo, as sementes não germinam, 40% da água sub-23. F – V – V – V – V I. (F) Em uma família, a eletronegatividade aumenta de baixo terrânea foi contaminada e a terra quase não absorve água. para cima. Derrame do Prestige (2002) II. (V) Em novembro de 2002, o petroleiro grego Prestige naufragou III. (V) na costa da Espanha, despejando 11 milhões de litros de IV. (V) óleo no litoral da Galícia. A sujeira afetou 700 praias e matou V. (V) mais de 20 mil aves. Em comparação com o Exxon Valdez, a24. e quantidade de óleo derramado foi menor, e a biodegradação E1 s subnível de maior energia s 3p1  ∴ 3 e– na CV s do produto foi facilitada pelas temperaturas mais altas. Nos 3o período: família 3(IIIA) meses seguintes ao desastre, o submarino-robô Nautile soldou E3 s subnível de maior energia s 4s1  ∴1 e– na CV s o navio afundado a 3.600 metros de profundidade. Mas, como a 4o período: família 1(IA) vigilância diminuiu, os ambientalistas afirmam que vazamentos E2 s subnível de maior energia s 3p6  ∴ 8 e– na CV s pequenos ainda podem acontecer. 3o período: família 8(VIIIA) Fonte: http://mundoestranho.abril.com.br/ambiente E4 s subnível de maior energia s 2p5  ∴ 7 e– na CV s (acesso em 21 mar. 2011) 2o período: família 7(VIIA) a) (F) O mais eletronegativo é o E4. Exercícios complementares b) (F) Falsa, é um gás nobre. 9. a c) (F) E3 tem 4 camadas e E1 tem 3. Portanto E3 tem maior raio. A condensação é o processo de passagem do estado de vapor d) (F) E4 é o mais eletronegativo. para o estado líquido. Quando o vapor-d’água dissolvido no ar e) (V) São metais e, portanto, sólidos. encontra a garrafa, uma superfície mais fria, ele se condensa, formando as gotículas.Capítulo 4 10. aSubstâncias e transformações a) Correta. Em t1 a estrutura é líquida e em t2, por causa da perda de energia, é sólida.Conexões b) Incorreta. Uma mistura azeotrópica mantém constante o Professor, vários tipos de resposta são esperados, dependendo ponto de ebulição e, nesse caso, temos uma solidificação. da fonte em que o aluno for buscar. Seguem alguns exemplos c) Incorreta. O sistema pode ser uma mistura eutética, que, de acidentes ocorridos. como as substâncias puras, mantém constante o PF. d) Incorreta. O gráfico tratado é uma curva de resfriamento. Derrame do Exxon Valdez (1989) e) Incorreto. Com exceção da água, os outros sistemas, quando Em março de 1989, o petroleiro Exxon Valdez colidiu com ro- solidificam, aumentam a densidade. chas submersas na costa do Alasca e deu início ao mais danoso derramamento de óleo por um navio. O saldo do despejo de 11. a 40 milhões de litros de óleo incluiu 100 mil aves mortas e 2 mil O gelo tem densidade menor que a da água, por isso ele fica quilômetros de praias contaminadas. O problema se agravou somente na superfície. Com isso, a água sob essa camada de 7
  • 8. gelo fica “isolada” do meio externo, o que impede seu conge- 8. V – F – V – F – F – V lamento. I. (V) II. (F) A temperatura de maior massa específica é 4 °C. 12. b III. (V) A identificação dos blocos pode ser efetuada da seguinte maneira: IV. (F) A massa específica a 0 °C é: 1) Adicionar os três blocos em um recipiente com água. O bloco m 500 que flutuar é formado por polipropileno s densidade d= = = 0, 18  g/mL V 2.800 menor que a da água. 2) Adicionar os dois blocos restantes em um recipiente V. (F) Esta substância apresenta uma característica não uniforme contendo a solução C. O bloco que flutuar é formado por de sua dependência pela temperatura. Pelo gráfico, quando se poliestireno, pois sua densidade é menor que a da solução aquece, a densidade aumenta até 4 °C e, acima dessa tempe- C. O bloco formado por policarbonato afunda na solução, pois ratura, sua densidade diminui. sua densidade é maior que a da solução C. VI. (V) 21. b 9. c 1. Filtração. Separa-se o cloreto de prata sólido da solução 10. c aquosa de cloreto de sódio. Sólido PF Líquido PE Gasoso 2. Destilação. Separa-se o cloreto de sódio da água. Hg — –38,87 30,0 356,9 — 22. Soma = 15 (01 + 02 + 04 + 08) NH3 — –77,7 — –33,4 30,0 23. b C6H6 — 5,5 30,0 80,1 — O método é a flotação, ou seja, a adição de um líquido cuja C10H8 30,0 80,0 — 217,0 — densidade tem valor intermediário ao dos componentes da mistura. 11. e Como no início temos estado sólido: 24. c • acima de 130 °C a substância A está no estado líquido; É o único ciclo que envolve mudanças de estado físico, portanto, • abaixo de 50 °C a substância C está no estado sólido; fenômeno físico. • a substância C é a substância pura, pois PE e PF são constantes; • o ponto de congelamento de C é 50 °C. Tarefa proposta 12. b 1. c Fusão: passagem do estado sólido para o estado líquido. 2. e 1 3. b NaN3 s substância composta Na s substância simples 14. a N2 s substância simples I. Mistura homogênea líquido-líquido: destilação II. Mistura heterogênea sólido-líquido: filtração 3. d III. Mistura heterogênea líquido-líquido: decantação A água do rio antes do processo de tratamento apresenta par- IV. Mistura heterogênea sólido-líquido: filtração tículas em suspensão, então é mistura heterogênea. A água ao final do tratamento apresenta um aspecto límpido 15. d e cristalino, portanto é mistura homogênea. Uma solução aquosa de NaCl é uma mistura homogênea sólido- -líquido que é separada pelo processo da destilação simples. 4. b 16. V – F – V – F 5. b I. (V) A mistura é feita com os dois metais fundidos e, depois da II. (F)  Ar atmosférico filtrado é mistura homogênea. homogeneização, ela é solidificada. III. (V) 6. c IV. (F)  Catação é processo de separação de misturas heterogêneas O3 (ozônio) é substância simples e alótropo do gás oxigênio sólido-sólido. (O2). 17. c 7. c Como parte do sólido estará dissolvido, a filtração não conse- m m 272 g guirá obter essa massa de sólido, obrigando a realização de d = wV = =   ∴ V = 20 cm3 V d 13,6 g/cm3 uma total vaporização do componente líquido.8
  • 9. 18. d IV. Fenômeno físico. Solidificação. Dissolução: apenas o sal se dissolve. As impurezas, não. Todas as mudanças de estado físico são fenômenos físicos. Filtração: apenas as impurezas ficam retidas no filtro. O sal, não. 23. Soma = 1 (01) Evaporação: apenas a água se vaporiza. O sal, não. (02)  Incorreta. Um líquido homogêneo que apresenta ponto19. a de ebulição constante pode ser uma substância pura ou Caseína: utilizou-se um coador. Filtração. uma mistura azeotrópica. Albumina: utilizou-se um coador. Filtração. (04)  Incorreta. O número de fases é igual a dois, pois o Açúcares e sais: vaporização com formação de resíduo sólido. álcool e a água são líquidos miscíveis, formando Cristalização. uma única fase. Com óleo se estabelece a segunda fase.20. V – V – V (08)  Incorreta. Para separar o sal da água do mar (mistura I. (V) Exemplo: aspirador de pó. homogênea), deve-se realizar uma destilação. II. (V) O sal é solúvel em água e a areia é insolúvel. (16)  Incorreta. Sublimação e fusão são processos endotérmicos, III. (V) A filtração separa a água, e a fusão fracionada separa a areia ou seja, ganham energia. A condensação é exotérmica, (alto PE) do enxofre (baixo PE). pois ocorre a perda de energia.21. b 24. c Toda queima é uma transformação química, pois são produ- Ao ser aberto, o leite entrará em contato com os microrga- zidas novas substâncias. nismos presentes no ar, que o deteriorarão (transformações22. c químicas). Esse processo é retardado em temperaturas II. Fenômeno físico. Vaporização. baixas. 9