Boletim zoonoses 2010

601 views
454 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
601
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Boletim zoonoses 2010

  1. 1. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO ZOONOSES Marabá, PA 31 de dezembro de 2010 - Ano V, Nº 1 11º CENTRO REGIONAL DE SAÚDE/SESPA Bothrops atrox (Jararaca, jararaca-do-norte) O gênero Bothrops representa ogrupo mais importante de serpentes peço-nhentas, com mais de 60 espécies encontra-das em todo o território brasileiro. Entre 1990 e 1993, dentre os aciden-tes ofídicos ocorrido no Brasil 73,1%(59.619 de um total de 81.611 casos regis-trados) foram provocados pelo gênero Bot-hrops. A espécie Bothrops atrox, conhecida-mente como Jararaca e jararaca-do-norte, éo ofídio mais encontrado na Amazônia, prin-cipalmente em beiras de rios e igarapés. A espécie pode chegar até 1,5 metros locais onde se pode encontrá-las são principalmente em regiões dequando adultos sendo que não há registros matas úmidas e lugares inundados.de seu comprimento máximo, é um animal É uma serpente bem agressiva, fica agitada facilmente e atacaterrestre e diurno podendo ser encontrada constantemente. Apesar de ser um animal terrestre nada muito bem e,ativa durante todo dia. A cor de seu corpo é se necessário, consegue subir em árvores para caçar. Ataca suas pre-muito variável tendo como a cor de fundo sas com seu veneno, as quais fogem com o veneno na corrente sanguí-marrom, verde-oliva, amarelo, cinza ou mui- nea, ficam desorientadas e acabam morrendo. A serpente depois se-to raramente oxidado. gue seus rastros, sendo que os animais que estão em seu cardápio são O habitat do Bothrops atrox são as aves, sapos, mamíferos pequenos e lagartos.florestas tropicas e, apesar desta região ter Essas serpentes são encontradas em plantações desofrido muito com os desmatamentos, a ser- café e banana a procura de roedores para se alimen-pente não foi afetada como outro animais e tar, ficam praticamente imóveis e seus botes são bemesta entre as jararacas mais numerosas. Os rápidos para poder pegar suas presas. Por permanecerem em plantações se camuflam com o ambiente que muitas vezes não são percebidas pelos trabalhadores das plantações que acabam sendo Região de atacados. distribuição A Jararaca é muito NESTA EDIÇÃO venenosa, seu efeito é letal e rápido, sendo necessário .O que fazer e não fazer em caso de picada de cobra apenas 62mg para matar .Campanha de Vacinação Antirrábica Canina e Felina um ser humano. .Dados epidemiológicos Com apenas uma do- .Raiva animal: Dados em espécies animais se do veneno é possível .Parauapebas realiza capacitação de enfermeiros produzir 124mg de antído- .Dia “D” to e em alguns casos é pos- .Captura de quirópteros sível produzir 342mg. .Supervisão nos municípios .Primatas Não Humanos e a Febre Amarela
  2. 2. Boletim Epidemiológico Zoonoses 2010O QUE FAZER E NÃO FAZER EM CASO DE PICADA POR COBRA? NÚMERO DE AMPOLAS DE SORO A SEREM UTILIZADAS SEGUNDO A GRAVIDADE DA PICADA POR BOTHROPS Antibotrópico (SAB) Leve: quadro local discreto, sangramento em pele ou 2 a 4 mucosas. Antibotrópico-laquético Moderado: edema e equimose evidentes, sangramento 5 a 8 (SABL) sem comprometimento. Grave: alterações locais intensas, hemorragia grave, 12 hipotensão, anúria. SORO RECEBIDO E UTILIZADO PELOS MUNICÍPIOS DO 11ºCRS Frequência de soro antibotrópico utilizado entre os anos de 2007 e 2010 Após observações dos dados do SINAN, as notificações de agressões por Botrópicos tem-se aumentado significativamente, conseqüência de maior cobrança por parte do Setor, bem como do auxílio do modelo de planilha de peçonhento utili- zado. Em 2010 o 11ºCRS recebeu da central de imunizantes 3.940 doses de antibotrópico, tendo 180 ampolas de “saldo” de 2009 e, distribuiu aos 2007 2008 2009 2010 municípios 3.932 doses. No SINAN constam notifi- Quantidade de soro 2484 2775 3578 3672 cados a utilização de 3.672 ampolas. % 19,86% 22,18% 28,60% 29,35% Fonte: SINAN Frequência de antibotrópico utilizado e recebido segundo o município em 2010 Bom Abel Brejo Canaã Eldorado Novo São São Jesus do Breu Curionóp Goianési Itupirang Nova Palestina Parauap Rondon São João Figueired Grande dos dos Jacundá Marabá Repartim Piçarra Dom. do Geral. do Tucuruí Tocantin Branco olis a do Pará a Ipixuna do Pará ebas do Pará do Arag. o do Arag. Carajás Carajás ento Arag. Arag. s Utilizado 71 33 6 8 8 91 50 130 214 1152 23 354 3 151 11 281 65 177 12 832 Recebido 63 41 15 67 85 20 118 132 151 215 1.153 30 220 5 250 32 263 112 102 5 853 Fonte: Planilha da Raiva No gráfico a cima observam-se os município com o maior número de utilização do soro antibotrópico. Nes- tes dados não estão registrados saldo de doses de 2009 nos respectivos municípios. A Central de Informações Toxicológicas funciona no 5.º andar do HUJBB, prestando informações e orientações pelos telefones 0800 -7226001, 3249-6370, 3259-3748 aos profissionais da área de saúde e ao público em geral, 24 horas por dia, via telefone, quanto ao atendimen- to de pessoas ou animais intoxicados por plantas, drogas, produtos químicos ou animais peçonhentos. O Disque Intoxicação, que é acessado pelo número 0800-7226001, foi viabilizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), proporcionado a integração de todos os CITs existentes no Brasil, por meio da Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica (Renaciat). Fonte: http://www2.ufpa.br/webhujbb/ Página 2
  3. 3. Boletim Epidemiológico Zoonoses 2010 Campanha de Vacinação Antirrábica Canina e Felina Resultado da campanha de vacinação antirrábica em cães, em outubro de 2010 Abel B.Jes. B. Gran. Breu. Canaã Curio. Eldor. Goian. Itupir. Jacun. Marabá N.Ipix. N.Rep. Pales. Paraup. Piçar. Rond. S.Domi. S.Gera. S.João Tucuruí META 1.316 2.756 1.431 7.518 3.257 2.760 3.066 2.438 12.212 5.133 34.772 3.213 7.774 1.230 13.149 3.521 10.301 3.170 4.362 2.222 12.512 ALCANÇADO 1.336 2.849 1.230 0 3.807 2.856 2.068 3.493 4.550 3.342 16.662 3.305 6.113 1.248 9.197 3.601 10.328 3.220 2.527 2.311 4.529 % 101% 103% 86% 0% 117% 103% 67% 143% 37% 65% 48% 103% 79% 101% 70% 102% 100% 102% 58% 104% 36% Fonte: Planilha da Raiva Apesar da interrupção da campanha de vacinação animal, muitos municípios alcançaram índices significativos de suas metas, sendo Breu Branco não iniciado a campanha por questões gerenciais associadas à Secretaria Municipal de Saúde e não aos relatos ligados à vacinação. Resultado da campanha de antirrábica de felinos em outubro de 2010 Abel B.Jes. B. Gran. Breu. Canaã Curio. Eldor. Goian. Itupir. Jacun. Marabá N.Ipix. N.Rep. Pales. Paraup. Piçar. Rond. S.Domi. S.Gera. S.João Tucuruí META 638 1.000 637 3.263 1.180 1.121 899 1.089 4.690 3.121 15.036 1.114 2.851 414 4.533 1.223 4.527 1.386 1.360 577 5.172 ALCANÇADO 639 1.086 592 0 781 1.086 597 1.567 1.135 1.198 6.841 1.112 2.146 422 3.317 1.245 3.200 1.525 873 586 2.642 % 100% 109% 93% 0% 66% 97% 66% 144% 24% 38% 45% 100% 75% 102% 73% 102% 71% 110% 64% 102% 51% Fonte: Planilha da Raiva A Campanha Nacional de Vacinação Antirrábi- Em 2010 a vacinação utilizando exclusivamente a vacina RAI-PET® iniciou-se em junho e apenas em algunsca Canina em 2010 foi marcada por um episódio raro. Estados da Federação, período onde houve relatos de Através da Nota Técnica 150/07/10/10, o Minis- reações adversas e óbitos.tério da Saúde (MS), em comum acordo com o Conselho Dos lotes existentes no Brasil (59, 139, 177/10),Nacional de Secretários Estaduais de Saúde e Conselho em nossa Regional foi utilizado o lote 139/10, entretan-Nacional de Secretários Municipais de Saúde, diante do to, segundo resultado da campanha, foram apenas rela-aumento das notificações e dados preliminares das in- tados reações adversas em alguns município, sendo osvestigações laboratoriais referentes aos eventos adver- casos de óbito não comprovadamente conseqüentes dasos graves após vacinação contra raiva animal, determi- vacinação, mesmo assim, fora obedecida a instrução denou a interrupção preventivamente, e por período inde- interrupção da campanha.terminado, as campanhas de vacinação contra raiva Apesar dos relatos em mídia sobre as reações eanimal com uso da vacina RAI-PET®, em todo o País. óbitos em animais muitos proprietário de nossa região A vacina animal utilizada até o ano de 2009 foi a levaram seus cães para vacinação, chegando algunsFuenzalida & Palacios, substituída em 2010 pela de culti- municípios a completa meta de suas vacinações.vo celular, por apresentar maior imunogenicidade, segu- Ficaram de ser devolvidas à Central de Imunobio-rança além de ser recomendada pela Organização lógicos em Belém cerca de 40.375 doses de vacinas nãoMundial de Saúde. utilizadas pelos municípios do 11º CRS. Página 3
  4. 4. Boletim Epidemiológico Zoonoses 2010 Dados Epidemiológicos Frequência de Atendimento Antirrábico Humano segundo o município E m 2010, o 11ºCRS re- e vacinas recebidas em 2010c e b e u d o N íve l C e n tra l,11.100doses de vacinas antirrábicahumana, sendo que a Regionalpossuía 980 doses como saldo po-sitivo de 2009. Segundo o gráfico ao lado,os municípios que mais receberamvacina estão Marabá, Parauapebas,Tucurui seguido de Jacundá. Em relação ao soro antirrá- Eldor Bom Cana Goian Pales São Abel Brejo Breu Curio ado Nova Novo Parau Rond São Sãobico a Regional recebeu no ano Figuei J. do G. do Branc ã dos nópol dos ésia ItupirJacun Mara Ipixu Repar tina apeb Piçarr on doDom. Ger. João Tucur1.467 doses. Toca Caraj do anga dá bá do a do uí redo Arag. o is Caraj na t. as Pará Arag. Arag. ntins ás Pará Pará Arag. ás Frequência Atendimento 75 53 10 211 239 127 123 86 304 453 1900 71 238 11 808 53 202 133 144 51 443 Vacinas recebidas 145 90 25 370 480 220 330 260 550 810 3445 120 440 70 1850 125 360 400 375 210 970 Fonte: SINAN , Planilha da Raiva Frequência de Agressões segundo a Espécie em 2010 S em dúvida nenhuma o cãoainda representa a espécie com mai- 4869or expressividade em termos de a-gressões, sendo as praticadas pelosquirópteros fonte de preocupaçãopelas possíveis dificuldades no a-companhamento antirrábico comple-to quando ocorrentes em áreas dedifícil acesso e/ou isoladas, comoocorre na região do lago da Represa 604Hidrelétrica de Tucurui. 1 101 62 10 88 Ign/Branco Canina Felina Quiróptera Primata Herbívoro Outra (morcego) (macaco) Doméstico Fonte: SINAN Raiva Animal O s casos de raiva animal ainda têm MUNICÍPIOS FREQUÊNCIA DE CASOS DE RAIVA ANIMAL SEGUNDO A ESPÉCIE 2005 2006 2007 2008 2009 2010sido um problema em nossa Regional. Infeliz- Canaã dos 01 bubalinomente dos 21 município, apenas Marabá pos- Carajás Eldorado dossui Centro de Controle de Zoonoses, São Ge- Carajás 03 bovinosraldo do Araguaia um Núcleo e, Tucurui um Goianésia do 01 canino/urbanocanil. Ainda assim o apoio das Secretarias à Pará 01 felino/urbanoestes ambientes não são suficientes para aten- Itupiranga 01 bovinoder às necessidades plenas para que cumpram 01 felino/urbano 01 canino/urbanocom seus objetivos. Jacundá 07 canino/urbano Desde o ano de 2006 alguns municípios 03 canino/urbano 22 canino/urbano 35 canino/urbano 06 canino/urbano 06 canino/urbano 01 canino/urbanotêm notificados casos de raiva canina e/ou bo- Marabávina. 02 equídeos 02 canino/rural Em se tratando de caninos, ainda falta Parauapebas 02 bovinos 01 bovinomuito para se alcançar as metas de maior con- São Domingos 01 canino do Araguaiatrole da população de animais errantes, os São João do 01 canino/ruralquais nada mais são que vítimas da irresponsa- Araguaia 01 canino/rural 01 canino/ruralbilidade de proprietários que abandonam e/ou São Geraldo do Araguaia 01 bovino“criam” seus cães a esmo. Tucurui 01 canino/urbano Fonte: IEC-LANAGRO Página 4
  5. 5. Boletim Epidemiológico Zoonoses 2010 Parauapebas realiza capacitação de enfermeiros Conforme relatório enviado ao Setor de Zoo- noses, no dia 16 de julho foi realizada capacitação de 11 enfermeiros do setor hospitalar, onde foram abordados temas sobre o tratamento em caso de aci- dentes por animais peçonhentos, bem como a profila- xia e acompanhamento antirrábico humano. A iniciativa dos Técnicos da SMS do município, teve como objetivo indicar o tratamento correto e evi- tar os constantes desperdícios com a soroterapia ina- dequada. O evento foi organizado pelos técnicos Marcelo Claudio Monteiro da Silva (Dir. Deptº. DVS) , Maria Abadia Lopes (Coord.do Deptº. de Vig. Epidemiológi- ca) e Danielli de Almeida Maia (Coord. Imunização). Dia “D” Muitos municípios conseguiram realizar a campanha de vacinação nacional no dia “D”, outros em decorrência da situ- ação das estradas pelo período de chuvas tiveram que alterar a data. Dos 21 município apenas Breu Branco não realizou a campanha , sendo que Jacun- dá e Tucurui vacinou apenas na região urba- na. ANIMAIS VACINADOS SEGUNDO ESPÉCIE E ZONA ESPÉCIE ZONA URBANA SONA RURAL CANINA 51.493 37.079 FELINA 20.747 11.843 Modelo de Banner em TOTAL 72.240 48.922 Novo Repartimento Captura de quirópteros Entre 13 a 19 de junho, a equipe do Setor deZoonoses realizou captura de quirópteros e acompa-nhamento do tratamento profilático antirrábico humanona região do lago no município de Novo Repartimento. As atividades foram realizadas conjuntamente aequipe da Secretaria Municipal de Saúde de NovoRepartimento, através do programa governo itinerante. Na ocasião foram distribuídos mosqueteiros paraa população lacustre. Ao tratamento entre soro e vacinação antirrábicahumana totalizaram-se 42 pessoas, sendo que nas cap-turas de morcegos obteve-se um total de 08 Desmo-dus rotundos e 01 Diaemus youngi, sendo tratadocom pasta vampiricida apenas os Desmodus. Equipe participante da ação Página 5
  6. 6. Boletim Epidemiológico Zoonoses 2010 SUPERVISÃO NOS MUNICÍPIOS Entre os meses de novembro e dezembro tados encaminhados sob a forma de relatório de supervisão aos respectivos lugares e ao Nívelo Setor de Zoonoses realizou supervisão nos 21 Central para análise e tomada de providências.municípios da regional. A ação tinha como ob- Abaixo, constam a relação de imagens dosjetivo, além de apurar os dados da campanha únicos municípios que apresentam geradores, sen-de vacinação canina, coletar informações sobre do que alguns apesar de existirem não estão ins-reações adversas da vacina e óbitos, a situa- talados e que já representaram perdas significa-ção do acondicionamento dos vacinas antirrá- tivas de imunobiológicos como ocorreu no municí-bicas humanas, animais e de peçonhentos, pla- pio de Jacundá.nilha de controle de temperatura, termômetro Os municípios de Brejo Grande do Araguai-de máxima e mínima, a coleta aleatória de ge- a, Curionópolis, São João do Araguaia e Sãolox para identificar os quantitativos vencidos, Domingos do Araguaia não possuem grupo gera-modelos de carteiras de vacinação antirrábica dor, enquanto o gerador do Hospital Municipalanimal e a existência ou não de grupo gerador de Tucurui atende apenas ao centro cirúrgico.do setor de imunobiológicos dentre outras con-dições. Dos itens acima cita-dos foram encontradas inú-meras irregularidades quevariou de município paramunicípio, sendo tais resul- Abel Figueiredo Bom Jesus do Tocantins Breu Branco (Não instalado) Canaã dos Carajás Eldorado dos Carajás Goianésia do Pará Itupiranga (não instalado) Jacundá Marabá Novo Repartimento Palestina do Pará (Não instalado) (Não funcional) Piçarra Rondon do Pará São Geraldo do Araguaia Parauapebas (Instalado qdo. da falta de energia) Página 6
  7. 7. Boletim Epidemiológico Zoonoses 2010 Primatas não humanos e a Febre Amarela ÁREAS DE RISCO PARA A FEBRE AMARELA SIL- VESTRE, 2003ALOUATTA CARAYANesta espécie o macho ésempre preto e a fêmea clara.Nomes para os Alouattas:Guariba, Bugio, Gritador, Barbado, Roncador eCapelão CEBUS APELLA NIGRITUS Nomes Comuns: Macaco-prego, Mico, Piticau, Caetê e Caiarara. HAEMAGOGUS JANTHINOMYS Nomes comuns: Carapanã, geral- mente na região Norte; Pernilon- go, no Sul, Sudeste e Centro- Macho adulto de bugio-ruivo oeste; e Muriçoca, no Nordeste. (Alouatta guariba clamitans) Ima- Fonte: MS/SVSgem de Júlio César Bicca-Marques No ciclo urbano, o vírus é transmitido de homem a ho- A febre amarela é uma doença causada por um mem pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti in-arbovírus (do inglês arthropod borne virus = vírus trans- fectada pelo vírus da febre amarela. Não há participaçãomitido por artrópode), o vírus da febre amarela, e re- de animais domésticos na manutenção viral. O homem é opresenta importante causa de morbidade e letalidade hospedeiro responsável pela infecção dos mosquitos. Já oem vastas zonas das regiões tropicais da África e das ciclo silvestre é mais complexo: a transmissão se processaAméricas. A febre amarela silvestre é uma zoonose e, entre primatas não-humanos (macacos) e mosquitos silvestrescomo tal, impossível de ser erradicada − motivo pelo que vivem habitualmente nas copas das árvores.qual permanece ativa nas florestas tropicais tanto da As regras do SUS determinam que o nível municipal éÁfrica como da América do Sul. responsável pela adoção das medidas de prevenção e con- É uma doença febril aguda, cujo agente etiológico trole. Entretanto, em situações de maior gravidade a parti-é um vírus do gênero Flavivirus, da família Flaviviridae cipação dos níveis estadual e federal faz-se necessária,(do latim flavus = amarelo), é potencialmente epidêmica haja vista que a febre amarela é uma doença de potencialporém prevenível por vacina em torno de 10 anos. explosivo e notificação internacional. Os gêneros que mais têm sido associados com a GÊNERO ALOUATTA: Os filhotes de ambos os sexos de A.ocorrência de epizootias no Brasil são Alouatta, Cebus e caraya e A. guariba clamitans nascem com uma pelagemCallithrix. com coloração semelhante à das fêmeas adultas e os ma- chos mudam de cor ao longo de seu desenvolvimento. Enquanto os machos adultos de A. caraya são comple- tamente pretos e as fêmeas adultas são bege-acinzentada, bege-amareladas ou marrom claras, representado dos ex- tremos de coloração encontradas no gênero, as fêmeas a- dultas de A. guariba clamitans são marrons e os machos a- dultos tornam-se avermelhados em decorrência da libera- ção de um pigmento por glândulas apócrinas. CALLITHRIX PENICILLATA Nomes: para Callithrix: Sagui-comum, Sagui-detufo-branco, Sagui-detufo- preto, Mico-estrela, Sagui-de-cara-branca, Soim, Sagui-branco, Sagui-de- cabeça-preta Página 7
  8. 8. Equipe resgata Guariba 11º CENTRO REGIONAL DE SAÚDE SESPA HISTÓRICO DO SETOR O Setor de Zoonoses, iniciou sua estruturação no 11º CRS em novembro de 2006 com objetivo de criar um traba- lho sólido, cuja missão é coordenar, supervisionar e quando necessário executar atividades pertinentes ao Programa Na- cional da Raiva e demais Zoonoses nos 21 municípios sob a jurisdição do respectivo Centro. O Setor também desenvolve ações relacionadas a prevenção de Acidentes por Animais Peçonhentos e quando Durante as ações realizadas em Novo acionado realiza atendimento de foco de Febre Amarela e epizootias em primatas não humanos (macacos). Missões emRepartimento no lago da represa de Tucurui, Aldeias Indígenas também são realizadas, porém em parce-nossa equipe resgatou uma fêmea jovem deAlouatta (Guariba). A espécie fazia travessia ria e conforme solicitações das Instituições representativasentre ilhas e estava bastante fraca pelo es- dos indígenas.forço em área distaste das margens. Diretor Regional: Pedro Correa Lima O animal foi capturado em segurança e Chefe Deptº. de Vig. em Saúde: Ana Raquel Mirandasolto na ilha mais próxima em que se dirigia. Setor do Zoonoses: Neuder Wesley França da Silva REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E CRÉDITOS DE IMAGENS 2010 - 11º Centro Regional de Saúde / SESPABothrops atrox Publicação anual.-Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peço-nhentos. 2ª ed. - Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2001. Elaboração e Edição: Neuder Wesley França da Silva-http://animais.culturamix.com/informacoes/repteis/bothrops-atrox Médico Veterinário-http://www.butantan.gov.br/home/acidente_com_animais_peconhentos.php Tiragem: - (Divulgação através da Web)-Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretari- 5ª Publicação - dezembro 2010a de Vigilância em Saúde. – 6. ed. – Brasília : Ministério da Saúde,2005. Impresso no Setor do ZoonosesPrimatas não humanos e a febre amarela Marabá - Pará - Brasil-Manual de vigilância de epizootias em primatas não-humanos / Endereço: Pedro marinho, 1545Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília :Ministério da Saúde, 2005. CEP 68.502-420-Mamíferos do Brasil/Nelio R. dos Reis(et al). Londrina:2006. 437p Cidade Nova-http://www.superstock.com/stock-photos-images/4133-14180-http://es.wikipedia.org/wiki/Cebus_apella Fone-Fax: (94) 2101-9476-http://centrodeestudosambientais.wordpress.com/2009/04/16/ Email: nwvet@hotmail.comcampanha-E2%80%9Cproteja-seu-anjo-da-guarda%E2%80%9D/ Municípios de abrangência da Regional Abel Figueiredo, Bom Jesus do Tocantins, Breu Branco, Brejo Grande do Araguaia, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado dos Carajás, Goianésia do Pará, Itupiranga, Jacundá, Marabá, Nova Ipixuna, Novo Re- partimento, Palestina do Pará, Parauapebas, Piçarra, Rondon do Pará, São Domingos do Araguaia, São João do Araguaia, São Geraldo do Araguaia e Tucurui. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ / SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA / SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE / 11º CENTRO REGIONAL DE SAÚDE / DVS / SETOR DE ZOONOSES

×