Cap. 9 - O nordeste

4,483 views
4,344 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,483
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
356
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cap. 9 - O nordeste

  1. 1. O NordesteProf.º Acácio Martins
  2. 2. Características gerais• Primeira região brasileira a ser ocupada e explorada economicamente pelos portugueses;• A forma de exploração ocorreu de maneira diferente dentro da região: Zona da Mata com o açúcar; Sertão com a pecuária; Maranhão com outra administração colonial; Ceará e Piauí eram isolados do restante da região;• Grande diversidade natural ligada diretamente aos aspectos climáticos;• De acordo com a regionalização do IBGE, é formada por 9 estados.
  3. 3. Características gerais
  4. 4. Características gerais• Já a região geoeconômica do Nordeste é formada pelo território integral de 8 estados (BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE e PI) mais a parte norte de Minas Gerais e a porção centro-leste do Maranhão;• Possui a segunda maior população do Brasil, concentrada na faixa litorânea e capitais.• Possui as maiores desigualdades sociais, maior concentração de renda e os maiores índices de pobreza do país.
  5. 5. Características gerais• Já a região geoeconômica do Nordeste é formada pelo território integral de 8 estados (BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE e PI) mais a parte norte de Minas Gerais e a porção centro-leste do Maranhão;• Possui a segunda maior população do Brasil, concentrada na faixa litorânea e capitais.• Possui as maiores desigualdades sociais, maior concentração de renda e os maiores índices de pobreza do país.
  6. 6. As sub-regiões do Nordeste• Dividida em quatro sub-regiões de acordo com critérios físico-naturais:1) Meio-Norte;2) Sertão;3) Agreste;4) Zona da Mata.
  7. 7. Zona da Mata• Litoral do RN até o Sul da BA;• Mata Atlântica;• Natal, João Pessoa, Recife, Maceió, Aracaju e Salvador;• Clima tropical úmido e relevo com planícies e tabuleiros;• Mais industrializada e urbanizada;• Maior densidade demográfica.
  8. 8. Zona da MataA) Zona da Mata açucareira• Do litoral do RN até o norte da BA;• Agroindústria da cana-de-açúcar.• Pecuária, produção de frutas, indústrias, comércio e serviços.B) Zona da Mata cacaueira• Sul da BA: destaque para Ilhéus e Itabuna;• Produção e exportação do Cacau  maior do Brasil.• Pecuária, indústria de polpa de frutas e de celulose.
  9. 9. Zona da MataC) Recôncavo Baiano• Municípios em torno de Salvador;• Polo Petroquímico de Camaçari  indústrias petroquímicas, metalúrgicas e automobilísticas.
  10. 10. Agreste• Entre a Zona da Mata e o Sertão  Corresponde ao Planalto da Borborema;• Faixa de transição  entre as áreas úmidas e o clima semiárido;• Agropecuária: pequenas e médias propriedades policultoras;• Indústria de derivados do leite, doces, sucos, móveis, calçados e têxteis.• Comércio: Caruaru e Garanhuns (PE), Campina Grande (PB), Feira de Santana e Vitória da Conquista (BA).
  11. 11. Sertão• Clima semiárido com uma estação seca e outra chuvosa;• Menor densidade demográfica;• Polígono das Secas;• Poucas chuvas  concentradas em 3 ou 4 meses do ano  rios intermitentes;• Causas: Massas de ar e a influência do relevo  Chuvas orográficas;• Caatinga: xerófilas, caducifólios, grande armazenamento de água e raízes longas.
  12. 12. Sertão• Brejos: áreas de vales fluviais ou encostas de serras  mais úmidas Triunfo (PE), Crato e Juazeiro do Norte (CE).• Pecuária extensiva de corte e agricultura comercial de frutas, algodão, soja, milho, feijão, arroz, milho e mandioca;• Áreas agrárias modernas.
  13. 13. SertãoA) Complexo Agroindustrial de Petrolina e Juazeiro• 1970: Início de um projeto de irrigação nas cidades de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA)  produção de frutas (manga, uva, melão, melancia e mamão);• 1980: Instalação de indústrias de processamento de alimentos, equipamentos de irrigação, embalagens, materiais de construção, fertilizantes e rações.
  14. 14. SertãoB) Áreas de moderna agricultura de grãos• Oeste da BA até o sul do MA e PI;• Introdução do cultivo da soja por agricultores do sul do Brasil através do apoio do Governo Federal;• Café, soja e frutas;• Criação de aves, suínos, frigoríficos de carne bovina, indústrias de fertilizantes e de máquinas agrícolas.C) Polo de Fruticultura do Vale do Açu (RN)• Especializado na produção de frutas tropicais irrigadas  melão, uva e manga.
  15. 15. SertãoA Indústria da seca• Os políticos e latifundiários dos municípios afetados pela seca, fizeram dela um pretexto para solicitar verbas para o Governo Federal e, assim, desviar recursos para outros fins, fazendo um mau aproveitamento das verbas públicas.
  16. 16. Meio-Norte• Abrange o MA e boa parte do PI;• Área de transição entre o clima semiárido do sertão e o clima equatorial da Floresta Amazônica;• Cerrado: transformado pela expansão da cultura da soja  concentração de terras nas mãos de poucas pessoas  conflitos rurais;• Porto de Itaqui (MA): exportação de soja e do ferro da Serra de Carajás (PA);• Mata dos Cocais: extrativismo vegetal  carnaúba (óleos e ceras) e babaçu (palmito e coco para a produção de óleo)  grande desmatamento.
  17. 17. Os rios do Nordeste• rios intermitentes ou temporários: a maioria no Sertão  prejudica a economia da região;• rios perenes ou permanentes: Bacia do São Francisco  principal do Nordeste, considerado um rio exorreico, com alguns afluentes temporários.
  18. 18. Bacia do Rio São Francisco• Possui duas denominações:• 1º Rio de Currais: devido à concentração de rebanhos em suas margens no período colonial;• 2º Rio da Unidade Nacional: devido ao seu trecho navegável, ligando o Sudeste ao Nordeste, regiões mais importantes do período colonial.• Fonte de alimento;• Gerador de energia;• Irrigação;• Transporte.• Sofre com o assoreamento, desmatamento das margens e poluição.
  19. 19. Bacia do Rio São Francisco• Possui duas denominações:• 1º Rio de Currais: devido à concentração de rebanhos em suas margens no período colonial;• 2º Rio da Unidade Nacional: devido ao seu trecho navegável, ligando o Sudeste ao Nordeste, regiões mais importantes do período colonial.• Fonte de alimento;• Gerador de energia;• Irrigação;• Transporte.• Sofre com o assoreamento, desmatamento das margens e poluição.
  20. 20. Transposição• Objetivo de acabar com a seca no Sertão;• Criação de dois eixos (Norte e Leste), levando água para as áreas críticas dos Estados de PE, PB, RN e CE;• Polêmicas: Beneficiará somente os latifundiários e o dinheiro poderia ser melhor aproveitado com projetos mais baratos;• Benefícios: geração de emprego, abastecimento da população carente, sem prejuízo para a economia e a geração de energia e tratamento dos problemas ambientais.
  21. 21. Transposição• Objetivo de acabar com a seca no Sertão;• Criação de dois eixos (Norte e Leste), levando água para as áreas críticas dos Estados de PE, PB, RN e CE;• Polêmicas: Beneficiará somente os latifundiários e o dinheiro poderia ser melhor aproveitado com projetos mais baratos;• Benefícios: geração de emprego, abastecimento da população carente, sem prejuízo para a economia e a geração de energia e tratamento dos problemas ambientais.
  22. 22. A economia do Nordeste• Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE);• Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS);• Objetivo de incentivar o desenvolvimento da região, não dando certo e obrigando a população a deixar sua terra.• Benefícios somente para os grandes proprietários e grandes empresas  desigualdade social;
  23. 23. A economia do Nordeste• 1970: o Governo Federal investe em políticas para atrair indústrias, hotéis, produtores agrícolas e empresas  redução de impostos, aumento da produção de energia e modernização do sistema de transportes, além dos salários serem mais baixos.• 1990 a 2000: Aumento do crescimento econômico e maior integração com as outras regiões do país e o exterior  indústria, comércio e serviços;
  24. 24. A economia do Nordeste• Indústrias: falta de mão de obra especializada  necessidade de investir na formação e qualificação  aumento dos gastos;• Turismo: praias, belezas naturais do interior, turismo ecológico e turismo histórico-cultural e religioso.

×