Uso público nas UC do Rio de Janeiro – Manuela Tambellini
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Uso público nas UC do Rio de Janeiro – Manuela Tambellini

on

  • 631 views



Do 3º Congresso de Natureza, Turismo e Sustentabilidade, realizado pela Fundação Neotrópica do Brasil em Bonito - Mato Grosso do Sul. Site: http://www.conatus.org.br

Statistics

Views

Total Views
631
Views on SlideShare
631
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

 Uso público nas UC do Rio de Janeiro – Manuela Tambellini Uso público nas UC do Rio de Janeiro – Manuela Tambellini Presentation Transcript

  • Gestão da Visitação nas UC do Rio de Janeiro CONATUS, 03 julho de 2013, Bonito - MS
  • A visitação nas UC como estratégia de proteção da natureza e um vetor de desenvolvimento sustentável regional Linhas de ação de 2010 a 2016:  Gestão da visitação  Infraestrutura física.  Fomento à sustentabilidade. Comunicação PLANEJAMENTO DA VISITAÇÃO NOS PARQUES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO
  • Dificuldades • Imagem dos parques estaduais como destino turístico muito enfraquecida, bem como a economia local; • Programas de Uso Público dos parques estaduais com baixo nível de implementação; • Visitação subestimada, não controlada e com pouca orientação; • Inexistência de um marco regulatório para concessão, permissão e aitorização nas UC.
  • Atendimento a todos os segmentos da sociedade, respeitando as diferentes motivações. Não-obrigatoriedade da contratação dos serviços oferecidos. Estímulo à participação comunitária . Termo de Reconhecimento de Risco – TRR. Cobrança de ingresso. Proibições. Estímulo a serviços e atividades desenvolvidas por voluntários. Decreto Estadual nº 42.483, de 27 de maio de 2010 ESTABELECE DIRETRIZES PARA O USO PÚBLICO
  • GESTÃO DA VISITAÇÃO Projeto - Fortalecimento e implementação da gestão do Uso Público para o incremento da visitação nos Parques Estaduais do Rio de Janeiro.
  • OBJETIVOS DO PROJETO Consolidar os Programas de Uso Público dos parques e subsidiar as Reservas Biológicas e Estações Ecológicas; Prover as UC de recursos materiais e operacionais, bem como capacitação, adequadas para atingir as metas de incremento e finalidade da visitação; Criar um marco regulatório institucional para concessões, permissões e autorizações de serviços de apoio à visitação nos parques, TRR, Voluntariado;
  • OBJETIVOS DO PROJETO • Levantar informações, oportunidades e desafios e elaborar um Planejamento Estratégico para o tema visitação nos Parques Estaduais até 2016; • Revisar e regulamentar instrumentos legais e criar manuais de procedimentos técnicos relacionados ao tema Uso Público em Unidades de Conservação. • Gestão do conhecimento. • Aproximação com o setor do turismo.
  • PERFIL DE VISITANTES
  • Banco de dados Ficha da UC Atividade s Atrativos Equipamento Infraestrutur a Comunicaçã o Diagnóstic o Trilhas Perfil de Visitantes Evento s Entidades Instituições Ensino Estimativ a Visitantes Informações gerais Equipe UP Projetos UP Agenda Conselho Atividades de Uso Público e atrativos existentes Atividades não permitidas Atividades potenciais Atividades operacionais Pesquisas ( concluídas, andamento) Atores (GP, voluntários, estagiários) Infra existente Infra necessária Equip. existente Equip. necessário Sinalização Delimitação Site, blog, jornal Comunidade local Perfil socioeconômico Serviços utilizados Origem Pesquisa satisfação Entidades prestadoras serviços Entidades potenciais Guias e condutores Parceria Visitas Educação Ambiental Manejo Implantação Georreferenciamen to Dificuldade Metodologia padronizada Número atual Histórico Demandas Mapas Guias Roteiros Aplicativos Programa Voluntariad o Ampliação da visitação ConcessõesPlanos de negócios individualizad os Termo de Reconheciment o de Risco Projetos para CCA
  • Curso de Planejamento e Manejo do Uso Público em Unidades de Conservação
  • REGIONALIZAÇÃO TURÍSTICA – RJ E OS PARQUES ESTADUAIS
  • REGIÃO TURÍSTICA SERRA VERDE IMPERIAL PARQUE ESTADUAL DO TRÊS PICOS
  • REGIÃO TURÍSTICA METROPOLITANA PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA
  • REGIÃO TURÍSTICA DA COSTA VERDE PARQUE ESTADUAL DA ILHA GRANDE PARQUE ESTADUAL CUNHAMBEBE RESERVA ECOLÓGICA DA JUATINGA
  • REGIÃO TURÍSTICA COSTA DO SOL PARQUE ESTADUAL DA COSTA DO SOL
  • ECONOMIA VERDE Aumento de investimentos Novas atividades e atrações turísticas Maior o tempo de permanência no destino turístico. Aumento de lucro nos meios de hospedagem, restaurantes e outros equipamentos turísticos. Crescimento do número de empregos e renda local (Economia Vede)
  • OUTRAS AÇÕES EM IMPLANTAÇÃO • Programa de Guias de turismo e Condutores em Parques Estaduais • Planos de Manejo (Programas de Uso Público) • Regularização fundiária (Caminho Darwin, Vale da Revolta...) • Demarcação de limites / Sinalização
  • PARQUE ESTADUAL DA ILHA GRANDE Projeto - Sistema de sustentabilidade da Ilha Grande e autonomia de custeio do conjunto de UC estaduais que a compõem. Definir: • Limites recomendáveis para as atividades turísticas • Indicadores de qualidade ambiental, da qualidade da atividade turística. • Sistema de controle integrado de acesso turístico • Sustentabilidade econômico-financeira das UC
  • OBSERVAÇÃO DE AVES • Grupo de trabalho de técnicos do INEA: • Elaboração de projetos. • Participação de eventos. • O parque abriga 65% das aves endêmicas de toda a Mata Atlântica.
  • GUIA DE TRILHAS GUIA DE TRILHAS DO PARQUE ESTADUAL DO DESENGANO Publicação bilíngue Implantação de trilhas do Desengano – sinalização, manejo, estrutura. Primeira publicação de uma série de gênero voltada para os parques estaduais do RJ – Próximos PEPB e PETP
  • GUARDA-PARQUES
  • Unidade de Policiamento Ambiental (UPAM)
  • Projeto Trilhas da Copa 2014 Prover as UC de infraestrutura adequada para atender o uso público e atingir os objetivos das UC, aumentando a conscientização ambiental nos visitantes e a proteção da biodiversidade. • Mapear e documentar as trilhas e atrativos; • Projetos executivos de infraestrutura destinada às trilhas, atrativos, sinalização; • Projetos de trilhas para portadores de necessidades especiais; • Caderno de intervenções para manejo de trilhas e atrativos; • Material e equipamentos adequados para manutenção e conservação das trilhas e atrativos.
  • VALE DA REVOLTA : ÁREA 1 - PLANO DE OCUPAÇÃO, URBANIZAÇÃO/ PAISAGISMO E PROJETO PARA SEDE E CENTRO DEVISITANTES CENTRO DEVISITANTES SEDE
  • Perspectiva do Centro deVisitantes PARQUE ESTADUAL DOSTRÊS PICOS SU SEDE VALE DA REVOLTA -TERESÓPOLIS
  • PARQUE ESTADUAL DOSTRÊS PICOS SUBSEDE VALE DA REVOLTA -TERESÓPOLIS Perspectiva SedeAdministrativa
  • PARQUE ESTADUAL DOSTRÊS PICOS SUB SEDE VALE DA REVOLTA -TERESÓPOLIS Perspectiva do Restaurante / Recepção Camping
  • PARQUE ESTADUAL DOSTRÊS PICOS SUB SEDE VALE DA REVOLTA -TERESÓPOLIS Perspectiva da Casa do Chefe
  • PARQUE ESTADUAL DOSTRÊS PICOS SUB SEDE VALE DA REVOLTA -TERESÓPOLIS Perspectiva da Edificação Apoio Lazer Camping
  • Projeto de Reforma do Centro deVisitantes –Vila do Abraão PARQUE ESTADUAL DE ILHA GRANDE
  • PARQUE ESTADUAL DE ILHA GRANDE Perspectiva interna
  • PARQUE ESTADUAL DE ILHA GRANDE RESERVA BIOLÓGICA DA PRAIA DO SUL PROJETO PARA REFORMA DA SEDE DA RESERVA BIOLÓGICA DA PRAIA DO SUL recursos Caixa Econômica Federal
  • Parque Estadual Cunhambebe
  • OBRIGADA! Manuela Tambellini Turismóloga Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral - GEPRO Diretoria de Biodiversidades e Áreas Protegidas – DIBAP usopublico@inea.rj.gov.br