Your SlideShare is downloading. ×
Aula 01   inicial - apresentação e introdução
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Aula 01 inicial - apresentação e introdução

1,859
views

Published on

Prof. Nelson Virgilio

Prof. Nelson Virgilio

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,859
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
192
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Tratamento deÁgua e Efluentes 2º. Sem./2010 Eng.Ambiental
  • 2. Apresentação do Curso ENGENHARIA AMBIENTAL Hidrosfera PROGRAMA DE DISCIPLINA: TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTE DISCIPLINACURSO: CARGA HORÁRIA: 60 H SEMESTRE: 8º2010.2 PROFESSOR: NELSON VIRGÍLIO DE CARVALHO FILHO Calendário Acadêmico Início: 28.07.10 1ª. Avaliação: Prova dia 29.09.10 2ª. Avaliação: Seminário (novembro) Término: 01.12.10
  • 3. 3
  • 4. 4
  • 5. Objetivos Identificar as características das águas atestando a importância do seu tratamento para o consumo humano, industrial e agropecuário Identificar as principais características de efluentes de origem industrial, rural e urbano para propor um tratamento adequado. Aplicar os métodos avançados e as necessidades atuais e futuras de desenvolvimento e tecnologia de baixo custo econômico e ecológico, no tratamento de água e efluentes. Dimensionar os sistemas de estudos de tratabilidade de efluentes objetivando o reúso de água para garantir ganhos econômicos, sociais e ambientais compatíveis e adequados. 5
  • 6. ProgramaI UNIDADE  Introdução – Histórico – Panorama  Caracterização das Águas e Esgotos  Princípios Químicos, Físicos e Biológicos do TA  Interpretação de Análises e Elaboração de Laudos  Considerações Projetos e Técnicas de Tratamento  Tecnologia para Tratamento de Água  Parâmetros de controle de qualidade de Água  Legislação Aplicada e Padrões Visita Técnica: EMBASA – Viera de Melo (data a definir) 6
  • 7. Programa ETAS BOLANDEIRAETA Teodoro Sampaio ETA Vieira de Mello
  • 8. ProgramaII UNIDADE  Caracterização e tratamento dos efluentes industriais:  galvanoplastia, ind. papel e celulose, têxtil, laticínios, abatedouros e frigoríficos, curtumes, ind. química e petroquímica, farmacêutica, ind. alimentícia e bebidas.  Controle de Processo e Análise de CustoVisita Técnica: CETREL (Polo Camaçari) – Data a definir 8
  • 9. Programa CETRELEstação TratamentoPolo Emissário
  • 10. ProgramaJAR-TEST
  • 11. ProgramaSeminários e Mini Seminários
  • 12. Programa Palestras Técnicas e de MercadoÁgua Viva Consultoria Ambiental
  • 13. Programa Sistema de AvaliaçãoInstrumento PesoI Unidade – Prova I 9I Unidade – Mini Seminário 1II Unidade – Seminário 10 13
  • 14. BibliografiaBásica Biblioteca: zero• VON SPERLING, Marcos. Princípios Básicos de Tratamento de Esgotos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996• VON SPERLING, Marcos. Introdução a Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996• METCALF & EDDY INC. Wastewater Engineering Treatment, Disposal, Reuse. Fourth edithion International Edition. New York: McGraw-Hill, 2003Complementar• MANCUSO, Pedro C. S. e SANTOS, Hilton F. Reúso de Água. São Paulo: Ed. Manole, 2003• TELLES, Dirceu D´Alkmin e COSTA, Regina H. P. G. Reúso de Água: Conceitos, Teorias e Práticas. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 2007• EDWARDS, Joseph. D. Industrial Wastewater Treatment. Boca Raton, Florida: Lewis Publishers, 1995 14
  • 15. BibliografiaAlternativa• MIERZWA, José Carlos e HESPANHOL, Ivanildo. Água na Industria uso Racional e Reuso. Editora Oficina de Textos, 2005• GIODARNO, Ganhi. Tratamento e Controle de Efluentes Industrias. Rio de Janeiro: Apostila Curso - UERJ• CARVALHO F, Nelson Virgilio. Análise das Condições Operacionais da Estação de Tratamento de Efluentes do Polo Petrquímico de Ravenna - Itália e Projeto de uma Estação a Lodo Ativado. Monografia Pós-Graduação em Eng. Química e Petroquimica. SOGESTA, Itália, 1990 15
  • 16. 16
  • 17.  Apresentação do Curso  Introdução: Visão Histórica  Tratamento de Água para Consumo Humano: PanoramaNesta Mundial e BrasileiroAula  O papel do Eng.Veremos ... Ambiental nos Processos de Tratamento de Água e Efluentes
  • 18. Introdução 18
  • 19. 19
  • 20. Introdução“A água, essencial ao surgimento e à manutenção da vida em nosso planeta, é indispensável para odesenvolvimento das diversas atividades criadas pelo ser humano, e apresenta, por essa razão, valores econômicos, sociais e culturais”(Moran, Morgan e Wierma, 1985 e Beeckman, 1998) 20
  • 21. Introdução“O ser humano começou a abandonar a caça como forma de sustento e iniciou o cultivo das primeiras culturas e a criação de rebanho”Como consequência renunciou ao nomadismo e se concentrou próximo a cursos d’água (ex.: Mesopotânia) 21
  • 22. IntroduçãoÁgua ArAlime Luz nto 22
  • 23. Energia, elemento fundamental da vidaFornecida por várias fontes existentes na naturezaConsumida de modos diferentes pelos seres vivos
  • 24. Histórico Assentamentos humanos (fim do nomadismo) Capacidade de produzir alimentos, Água para suprir a dessedentação, a agricultura incipiente, a higiene e, posteriormente, a diluição de dejetos. Fixação das comunidades humanas em locais próximos aos rios ou lagos. O aumento da população fixada nos assentamentos urbanos, aliados à expansão industrial, agravou-se a contaminação das águas superficial e subterrânea 24
  • 25. Foi esta necessidade que fixou a tendência natural do hmem em se estabelecer próximos aos cursos d’água (distribuição não uniforme e nãopode ser produzida pelo homem)
  • 26. Água : recurso natural presenteem toda biosfera, sendoelemento de maior importânciapara todas as formas de vida naterra, percorre um caminhocíclico em nosso planeta
  • 27. Linha do Tempo4.000 a.C. 1.500 a.C. Sec. III a.C. 400 a 1400 d.C 1829 1874 Índia 1º. documento a sistematizar uma metodologia de tratamento da agua: orientava as pessoas a fervura ou exposição da água ao sol, ao uso de peças de cobre aquecidas que deveriam ser mergulhadas na água várias vezes, complementado com filtração e resfriamento posterior em potes cerâmicos 28
  • 28. Linha do Tempo4.000 a.C. 1.500 a.C. Sec. III a.C. 400 a 1400 d.C 1829 1874 Egito O uso de sulfato de alumínio para remover sólidos suspensos. Nas tumbas de Amenophis II e Ramses II (em períodos diferentes), há pinturas que descrevem equipamento para tratamento de água. 29
  • 29. 30
  • 30. Linha do Tempo4.000 a.C. 1.500 a.C. Sec. III a.C. 400 a 1400 d.C 1829 1874 Roma Antiga Engenheiros romanos construiram o sistema de abastecimento de água com vazão de 490.000 m3/dia para abastecimento de Roma por meio de aquedutos 31
  • 31. Aquadutos Romanos 32
  • 32. Histórico Banheiro público romano “Toalete de Ephesus” 33
  • 33. Linha do Tempo 4.000 a.C. 1.500 a.C. Sec. III a.C. 400 a 1400 d.C 1829 1874 Idade Média Período de 10 séculos sem avanços sanitários. Lixo de todo tipo se acumulavanas ruas, facilitando a proliferação de ratos e criando sérios problemas de saúde pública – um dos mais graves foi a epidemia da peste bubônica, que só na Europa, causou a morte de cerca de 25 milhões de pessoas. 34
  • 34. 35
  • 35. Linha do Tempo 4.000 a.C. 1.500 a.C. Sec. III a.C. 400 a 1400 d.C 1829 1874 Londres, Inglaterra A 1ª. ETA tinha a função de coar a água do rio Tâmisa em filtros de areia.No final do séc. XVIII, (Revolução Industrial), populaçãodas cidades aumentou muito causando agravamento doacúmulo de lixo e excrementos nas ruas. Foi necessária a criação de um sistema de esgotos, risco de deter oprogresso industrial (novas epidemias) e êxodo cidades 36
  • 36. "Cottonopolis”, na InglaterraGravura feita por Edward Goodall (1795-1870). 37
  • 37. 38
  • 38. Linha do Tempo4.000 a.C. 1.500 a.C. Sec. III a.C. 400 a 1400 d.C 1829 1874 Windsor, Inglaterra Testada pela 1ª. vez a idéia de tratar o esgoto antes de lançá-lo ao meio ambiente. em 1843 Hamburgo, Alemanha, pela 1ª. vez foi adotada construção sistema subterrâneo captação esgoto 39
  • 39. “Despoluição do rio Tâmisa”, na Inglaterra (150 anos)Epidemias de cólera (1840-1850). 40
  • 40. A História do Uso da Água no Brasil - http://historiadaagua.ana.gov.br/
  • 41. No Brasil Situação do Saneamento - Rio de Janeiro (século XIX) Um passeio pelo centro de RJ (Jornal: “O Arlequin”, 1867 - RJ -“Tigres” jogando excretas no mar(Jornal:“A Semana Ilustrada”, 1861 – RJ)
  • 42. “Poluição do rio Tietê”, SP 43
  • 43. Como é possível recuperar um rio poluído ? 44
  • 44. Recursos Hídricos 45
  • 45. Recursos HídricosÁgua salgadas nos oceanos = 97,5% Capas de gelo e geleiras = 2,14% Água subterrânea = 0,61% Águas superficiais = 0,009% Umidade do solo = 0,005% Atmosfera = 0,001% 46
  • 46. Recursos Hídricos 47
  • 47. Recursos Hídricos Alessandra da Silva Faria Engenheira Sanitarista e Ambiental - Doutoranda do Programa de Engenharia Industrial – PEI/UFBA. Mestrado em Engenharia Ambiental Urbana (MEAU/UFBA). Especialista em Gestão dos Recursos Hídricos. Pesquisadora do Grupo de Recursos Hídricos (GRH/UFBA) REFERÊNCIAS 1. CONAGUA - Comisión Nacional del Agua. El Proceso Regional del IV Foro Mundial del Água, México, 2006. 2. THE WORLD´S WATER. Pacific Institute. 3. TUNDISI, J. G. Água no Século XXI: Enfrentando a escassez. São 48
  • 48. Recursos Hídricos 49
  • 49. Recursos Hídricos 50
  • 50. Recursos Hídricos 51
  • 51. Recursos HídricosConclusões África: maior concentração de países cuja população encontra-se desprovida de níveis considerados adequados de cobertura de água e de serviços de saneamento, Continentes: níveis de cobertura na área rural são mais críticos do que na área urbana, em relação ao saneamento Brasil:  Cobertura (urbana): Água (96%) e saneamento = (83%).  Cobertura (rural): Água (58%) e saneamento = (35%) 52
  • 52. Os recursos mundiais de água doce Relação entre disponibilidade de água e população Disponibilidade de água por pessoa por ano Etapas Importantes Exemplos de países situados na parte superior da lista Exemplos de países situados na parte média da lista Exemplos de países situados na parte inferior da lista • Terceiro Fórum Mundial de Água, Kyoto, março de 2003 Recursos Recursos Recursos Rankin Hídricos Rankin Hídricos Rankin Continent Hídricos Crise da água • Ano Internacional de Água Doce, 2003 Continente País Continente País País g g g e • Encontro Mundial de Desenvolvimento Sustentável, Hohannesburgo, 2002 – WEHAB (m³/pessoa.ano) (m³/pessoa.ano) (m³/pessoa.ano) • Crise de gestão, devido ao emprego de métodos inadequados; • Conferência Internacional sobre a Água Doce, Bonn, 2001 América do Portuga • Enfermidades relacionadas com a água; • Segundo Fórum Mundial de Água, Haya, 2000 1 Norte Groenlândia 10.767.857 82 Europa l 6.859 133 Ásia Índia 1.880 • Necessidades básicas de alimentação; • Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD), Rio de Janeiro, 1992 – América do Alasca, Estados América do • Entorno degradado e perigoso; Agenda 21 2 Norte Unidos 1.563.168 94 Norte México 4.624 134 Europa Alemanha 1.878 • Pobreza: sintoma e causa da crise de água. • Conferência Internacional sobre a Água e o Meio Ambiente, Dublin, 1992 (Princípios de Dublin) 3 América do Sul Guiana Francesa 812.121 102 Ásia Coréia 3.464 150 África África do Sul 1.154 • Decênio Internacional de Água Potável e de Saneamento (1981 – 1990) 4 Europa Islândia 609.319 104 Europa França 3.439 167 Ásia Israel 276 • Conferência de Mar del Plata 1977 5 América do Sul Guiana 316.689 106 Ásia Japão 3.383 173 Ásia Arábia Saudita 118 Emirados Árabes 6 América do Sul Suriname 292.566 107 Europa Itália 3.325 178 Ásia Unidos 58 25 América do Sul Brasil 48.314 111 África Nigéria 3.107 180 Ásia Kuwait 10 Água e saneamento A Água e os Alimentos Valoração da Água • A Água e a Saúde A Água e e seus Riscos • Preços comparativos • • O custo da água em alguns países • 1 bilhão de pessoas não tem acesso a um adequado Desnutrição e Segurança Alimentar Estatísticas Gerais Tendências das emergências alimentares 2001 desenvolvidos: abastecimento de água. 777 milhões de pessoas nos países em • Usos da Água na Agricultura • A proporção de emergências alimentares provocadas pelo • Entre 1.990 e 2.001 ocorreram 2.200 desastres desenvolvimento não tem acesso a alimentos suficientes –Canadá: US$ 0,40 por metro cúbico • 2.4 bilhões de pessoas não tem acesso a um adequado Aproximadamente 70% de toda a água disponível é relacionados com a água. homem está aumentando e adequados. –Reino Unido: US$ 1.18 por metro cúbico • sistema de saneamento. utilizada para irrigação. Desastres relacionados com a água 27 milhões de pessoas nos países em transição sofrem A terra utilizada para fins agrícolas aumentou em 12% 1981 1997 –França: US$ 1.23 por metro cúbico • Acesso à água encanada nos domicílios de desnutrição e 11 milhões em países industrializados. 39% –Alemanha: US$ 1.91 por metro cúbico – desde os anos 60, totalizando cerca de 1,5 bilhões de 70 A segurança alimentar está melhorando em escala 15% 66 hectares. 60 50 29% • Os pobres pagam mais: Preço (em US$) daEnfermidades Diarréicas 70 global: Estima-se que a retirada de água para irrigação a nível 50 conexão domiciliar versos o preço do 49• A diarréia ocasiona aproximadamente 6.000 mortes por dia, 60 Em 1965 nos países em desenvolvimento o mundial seja da ordem de 2.000 a 2.555 km³ por ano. 40 28 vendedor informal de alguns países: (%) consumo de alimento por pessoa foi de 2.054 –Colombo (Sri Lanka): 0.02 versus 0.10 –principalmente entre os meninos menores de cinco anos. 50 Terras irrigadas em 1999 30• Em 2001, 1,96 milhões de pessoas morreram por causa de 40 24 kcal/pessoa/dia, em 1998 havia aumentado para 20 11 9 71% 61% (4.35 vezes mais caro) %diarréias infecciosas, das quais 1,3 milhões eram meninos 30 2.681 kcal/pessoas/dia. 10 2 85% –Chiangmai (Tailândia): 0.15 versus 1.01 20 O maior incremento foi no Leste Asiático, que 85 0 desastres naturais desastres naturais 71 (6.64 vezes mais caro)menores de cinco anos. 100 Inundações Doenças de Secas Deslisam entos Fom e 10 cresceu de 1.957 kcal/pessoa/dia em 1965, para ações do homem 2001 ações do homem 29 –Ho Chi Minh City (Vietnã): 0.12 versus• De 1.085.000 a 2.187.000 mortes vinculadas às enfermidades 90 veiculação de terras e Percentual do potencial de 2.921 kcal/pessoa/dia em 1998. desastres naturais 1.08 (9.23 vezes mais caro). • 0 80 hídrica avalanchesdiarréicas podem ser atribuídas a três fatores: “água, Am érica Latina e Ásia África Caribe 70 50 Distribuição geográfica dos desastres relacionados com a água ações do homem –Manila (Filipinas): 0.11 versus 4.74saneamento e higiene”, dos quais 90 por cento dos atingidos irrigação 60 Produtos alimentícios e necessidade de água 39% (42.32 vezes mais caro)são crianças menores de cinco anos. Acesso a sistema de esgoto 50 Nas últimas décadas, o consumo de carne nos países 40 –Faisalabad (Paquiistão): 0.11 versus• A maior parte das mortes poderiam ser evitadas adotando em desenvolvimento aumentou a uma taxa de 5 a 6 por 30 13 70 7.38 (68.33 vezes mais caro). 66sérias medidas de higiene simples como lavar as mãos depois 70 cento ao ano; o consumo de leite e produtos lácteos entre 20 60 61% –Vientiane (Laos): 0.11 versus 14.68de usar o banheiro ou antes de preparar os alimentos. 60 3 e 4 por cento. 10 50 (135.92 vezes mais caro). 0 50 • O setor avícola é o setor que cresce mais rapidamente em Mundo África Sub-Sahariana Sudeste Asiático 40 29 Inundações desastres naturais 61 –Delhi (Índia): 0.01 versus 4.89 (489 vezes (%)Malária todo o mundo: representou 13 por cento da produção de 20 mais caro). Água e a Informação A 40 18 30 • As inundaçõeshomem 39 ações do representam 15% de todas as mortes % 13• Mais de um milhão de pessoas morrem de malária todos os carne na década de 60, em comparação com os 28 por • 30 20 relacionadas com os desastres naturais, a fome 42%. • Na atualidade, 79% das crianças de todo oanos. 13 cento na atualidade. • Os pastos e cultivos ocupam 37% da superfície da terra. 3 mundo entre 6 a 11 anos freqüentam a 20 10 • Aproximadamente 66 milhões de pessoas sofreram• Cerca de 90% das taxas globais anuais de mortes por malária • As más práticas agrícolas de irrigação e drenagem têm – 10 danos por causa das inundações entre 1973 e 1997. escola primária. 0 Quantidade de água requerida para produção de conduzido à inundação e salinização de aproximadamente –ocorrem na África Sub-Sahariana. 0 Am érica Latina e Ásia África Ásia As Am éricas Europa Oceania • Entre 1987 e 1997, 44% de todos os desastres por • 3.873 institutos em todo o mundo oferecem alimentos: 10% das terras irrigadas do planeta. –• A malária ocasiona ao menos 300 milhões de casos de Caribe • Em 1999 houve 50.000 mortes ocasionadas por desastres cursos de nível superior em matérias 1 kg de cereais: 1,5 m³ de água; inundação afetou a Ásia, causando a perda de 228.000 relacionadas com a água: –enfermidades graves a cada ano. Metas a serem alcançadas naturais, em 1998 foram 40.000. vidas (cerca de 93% de todas as mortes devidas às 2% 1 kg de ave fresca: 6 m³ de água;• A enfermidade custa para a África mais de 12 milhões de • Os desastres naturais custaram um total de US$ 70 bilhões inundações no mundo). As perdas na região totalizaram 4% 1% 7% 1% 1 kg de carne bovina fresca: 15 m³ de água; 2%dólares ao ano e atraso o crescimento econômico dos países em 1999, em comparação com US$ 30 bilhões em 1990. US$ 136 milhões. • Até 2015 é desejável que 1.5 bilhões de pessoas adicionais 1 cabeça de gado bovino: 4.000 m³ de água. 13%africanos em 1,3% ao ano. tenham acesso a alguma forma de abastecimento de água • As secas provocaram 280.000 mortes entre 1991 e 2000. 1%• A utilização de redes com mosquiteiros para dormir seria uma adequado, o que significa 100 milhões de pessoas adicionais 2%forma simples mas efetiva de prevenir muitos casos de malária, por ano (274.000/dia) até 2015. Países em Desenvolvimentoespecialmente com meninos menores de cinco anos. • De 1992 a 2001, os países em desenvolvimento foram • alvo de 20% do número total de desastres relacionadosEsquistossomose • Almeja-se que 1,9 bilhões de pessoas tenham acesso a um com a água, e mais de 50% de suas vítimas mortais.• Mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo estão adequado sistema de saneamento, o que implica 125 milhões Morrem aproximadamente 13 vezes mais gente nosinfectadas por esquistossomose. de pessoas adicionais por ano (342.000/dia) até 2015; desastres que ocorrem nos países em desenvolvimento• 88 milhões de crianças menores de 15 anos se infectam a do que nos países desenvolvidos.cada ano. • Nas zonas urbanas, mais de um bilhão de pessoas terão• 80% da transmissão da enfermidade ocorre na África Sub- necessidade, nos próximos 15 anos, de acesso a sistemas de 36% abastecimento de água e saneamento. 31%Sahariana. África África Central África Oriental África do Norte África do Sul África Ocidental Ásia Europa América Latina e o Caribe América do Norte Oceania A Água e a Indústria A Água e a Energia A Água Compartilhada A Água e os Ecossistemas Impacto do Desvio e Fragmentação A Água e as Cidades Usos industriais da água Acesso à energia e necessidades básicas Bacias Transfronteiriças Principais ameaças da atividade humana aos ecossistemas dos Cursos de Água Mortalidade infantil em zonas urbanas •Cerca de 2 bilhões de pessoas não tem nenhum tipo de acesso à • Em 2002 existiam 263 bacias transfronteiriças cadastradas, • 60% dos 227 maiores rios do mundo se encontramPopulação Urbana •Crescimento da população e do consumo. seriamente fragmentados por represas, desvios e • Nas zonas urbanas de países de menores recursos, 1 eletricidade. em comparação a 218 em 1978.• A população média das 100 maiores cidades do mundo 70 59 •Desenvolvimento de infra-estrutura ( represas, crescimento canais, o que conduz à degradação doscresceu de cerca de 0,2 milhões em 1800, para 0,7 milhões em criança em cada 6 morre antes de completar 5 anos. •1 bilhão de pessoas utilizam eletricidade de fontes anti- Bacias Tranfronteiriças urbano, rodovias). 60 ecossistemas. Extração de água para a1900, e para 6,2 milhões em 2000. • Nas zonas com escassez de água e saneamento, a taxa de econômicas. Aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas nos 73 •Uso e ocupação da terra (desmatamentos, agricultura, •Em 1998, o Mar de Aral havia perdido 75% de seu mortalidade se multiplica por 10 ou 20, em comparação às 50 países em desenvolvimento, principalmente nas áreas rurais, têm• Dezesseis cidades se converteram em “mega-cidades” (com indústria (%) 80 crescimento urbano). volume total. Sua desaparição foi causada zonas que contam com serviços adequados de abastecimento 40 acesso limitado aos serviços de energia comercial. 59 58 61mais de 10 milhões de habitantes) em 2000, concentrando 4% 22 70 •Exploração da terra, pesca excessiva, desperdício nas principalmente pelo desvio do volume afluente dosda população. de água e saneamento. 30 •Mais de 2 milhões de crianças morreram de enfermidades 60 práticas de irrigação. rios Amu Darya e Syr Darya. Quantidade 20 8 respiratórias agudas em 2.000; 60% dessas mortes estão 50Proporção da população que vive em meio urbano •Despejo de contaminantes (excrementos, produtos associadas com a contaminação do ar em interiores e outros 40 10 químicos agrícolas e industriais). Abastecimento de água e saneamento fatores ambientais. 30 17 Perda de Áreas Úmidas No Mundo 0 Mundo Países de Alta Renda Países de Baixa Renda •Combustíveis de biomassa e carbono: 20 •Introdução de espécies exóticas (substituindo e movendo 1 Proporção de lugares em grande cidades abastecidos com água encanada – A biomassa representa 80% de todo o consumo domiciliar 10 as espécies nativas). •Desde 1900 foram perdidos 50% das áreas úmidas do (conexão domiciliar ou predial) 70 54 60 • O volume anual de água utilizada pela indústria crescerá 0 planeta. 60 nos países em desenvolvimento; África Ásia Europa Am érica Am érica do Oceania 47 100 de 753m³/ano em 1995 para um valor estimado em Latina e Norte •Mais de 80% das áreas úmidas do rio Danúbio foram 50 38 100 94 92 1170m³/ano em 2025. – 800 milhões de pessoas dependem da biomassa como Caribe 40 90 77 77 fonte de combustível devido à severa escassez de lenha. • 145 nações possuem território inserido dentro de uma destruídos desde o começo do século 20. % 80 73 • Presume-se que em 2025 o componente industrial •Os pântanos de sal da Mesopotâmia e as bacias dos 30 70 – 3 bilhões de pessoas em todo o mundo dependem dos bacia transfronteiriça, e 21 estão situadas inteiramente representará 24% da extração total de água doce. rios Tigres e Eufrates foram devastadas por represas e 20 60 combustíveis de biomassa e de carbono para preparação dentro de uma. 43 10 % 50 Contaminação da água pela indústria •Distribuição da energia em áreas rurais: pela canalização fluvial. 40 de alimentos e calefação; • 12 países têm mais de 95% de seu território dentro de uma 0 1975 2000 2015 2030 30 • A indústria acumula a cada ano uns 300 a 500 milhões de – 85% da energia é utilizada nas residências (para ou mais bacias transfronteiriças. 20 Ano 10 toneladas de metais pesados, solventes, sedimentos preparação de alimentos e calefação); • Aproximadamente 1/3 das 263 bacias transfronteiriças são Nas regiões mais desenvolvidas 0 tóxicos e outros resíduos. – 2 a 8% da energia é utilizada na agricultura (para compartilhadas por mais de dois países. Perda da Biodiversidade Global África Ásia Europa Am érica Am érica Oceania Latina e do Norte • As indústrias que se utilizam de matéria prima orgânica funcionamento de equipamentos mecânicos e bombas de • 19 bacias incluem cinco ou mais países: Caribe irrigação; Contaminação dos Rios •Entre 34 e 80 espécies de peixes entraram em extinção 100 78,5 são as principais responsáveis pela contribuição de carga – A bacia do Danúbio é compartilhada por 18 nações desde o final do século 19 e 6 desde 1970. 70 75,5 Proporção de lugares em grande cidades conectados a sistema de esgoto de contaminantes orgânicos, sendo o setor de – 2 a 10% da energia comercial (eletricidade e querosene) é ribeirinhas; 80 alimentação o que mais contamina. utilizada para iluminação. A cada dia são despejados 2 milhões de toneladas de •Em escala mundial, cerca de 24% dos mamíferos e 12% – Cinco bacias são compartilhadas por 9 a 11 países; excremento nos cursos d’água. das aves estão classificadas na categoria de 60 92 96 Contribuição do setor alimentar na produção •Distribuição mundial de energia hidráulica: – Treze bacias possuem entre 5 a oito países % 100 86 • 40% das massas de água avaliadas em 1998 pelos Estados ameaçadas. 40 90 de contaminantes orgânicos da água – A energia hidráulica é a principal fonte de energia ribeirinhos. 80 Unidos não foram consideradas aptas para distribuição de •Nos Estados Unidos, 120 de 822 espécies de peixes de 20 renovável e a mais amplamente utilizada. energia hidráulica nem para usos recreativos, devido a sua 70 água doce são considerados ameaçados, – Representa 19% do total da produção de eletricidade. Conflito e cooperação contaminação por nutrientes, metais e despejos agrícolas. 0 60 45 representando cerca de 15% do total de espécies de 1975 2000 2015 % 50 35 70 54 – O Canadá é o maior produtos de energia hidráulica, • Ocorreram 1.831 interações (tanto conflitivas quanto • 5 dos 55 rios da Europa são considerados não peixes. Ano 40 30 60 40 seguido pelos Estados Unidos e Brasil. cooperativas) nos últimos 50 anos. contaminados, e somente as porções superiores dos 14 18 15 Nas regiões menos desenvolvidas 20 50 – Aproximadamente dois terços do potencial – 7 disputas incluíram violência e houve 507 eventos maiores rios mantêm um bom estado ecológico. 10 economicamente aproveitável ainda está por se 40 de conflito. • Na Ásia, todos os rios que atravessam cidades estão (%) 0 48,5 Global África Ásia Europa Am érica Am érica Oceania 30 desenvolver. – Foram firmados aproximadamente 200 tratados, fortemente contaminados. 60 20 40,5 Latina e do Norte •Os recursos hidroenergéticos ainda não explorados são •|A energia hidráulica desempenha um papel preponderante na com um total de 1.228 eventos cooperativos. 50 Caribe 10 0 abundantes na América Latina, África Central, Índia a metade do redução das emissões de gases de efeito estufa: se e China. • Desenvolveu-se o conceito de “água virtual” que permite 40 27 Países de Alta Renda Países de Baixa Renda potencial mundial de energia hidráulica economicamente viável % 30 às nações e aos estados compartilharem os produtos e for desenvolvida, se poderia reduzir as emissões de gases de benefícios da água. 20 • Mais de 80% dos resíduos perigosos do mundo é efeito estufa em cerca de 13%. 10 produzido pelos Estados Unidos •Os principais impactos negativos da construção de represas Convenções 0 • Nos países em desenvolvimento, 70% dos esgotos 1975 2000 2015 incluem o deslocamento da população local e a degradação dos • A convenção sobre a Lei de Usos Não Navegáveis dos industriais são despejados na água sem tratamento ecossistemas (perda de biodiversidade e de umidade, proliferação Ano Rios Internacionais foi adotada pelas Nações Unidas em prévio, o que contamina a provisão de água disponível. de espécies invasoras). 1997. Atualmente, foi firmada por 16 países e ratificada por Fonte: The United Nations World Water Development Report – 9. UNESCO 2003 Fotos e Figuras: Acervo Clip-art ANA - Agência Nacional de Águas SPO - Setor Policial, Área 5, Quadra 3, Blocos B, L e M Ministério do CEP: 70610-200 - Brasília - DF SEMI Fone: (61) 2109-5400 - www.ana.gov.br Meio Ambiente V.2
  • 53. Recursos Hídricos Qual a sua pegada de “Água” ? 54
  • 54. Recursos Hídricos Países com pouca abundância de água (Egito) Países com grande abundância de água e Utilização média  pouca população 650 a 700 (Canadá, m3/pessoa/anoNova Zelândia, Islândia) 55
  • 55. Saneamento no Brasil No Brasil, apenas 49% do esgoto produzido é coletado por meio de rede, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Destes, somente 10% do esgoto são tratados. As regiões metropolitanas e grandes cidades possuem extensos volumes de esgoto que é despejado sem tratamento nos rios e mares, desta forma, o resultado é a poluição das águas A solução é a implantação de uma estação de tratamento de esgoto que remova os principais poluentes presentes nas águas residuárias para que não afetem a qualidade da água 57
  • 56. Saneamento no Brasil Instituto Trata Brasil divulga ranking do saneamento com avaliação dos serviços nas 81 maiores cidades do País (com + de 300 mil hab.) Estudo revela o que é feito com esgoto gerado por 72 milhões de brasileiros nas maiores cidades. O estudo revelou que entre os anos de 2003 e 2008 houve um avanço de 11,7% no atendimento de esgoto nas cidades observadas e de 4,6% no tratamento 58
  • 57. Saneamento no Brasil 81 cidades brasileiras observadas no estudo 72 milhões de habitantes. 129 litros de água/dia é o consumo médio desta população e 150 litros de água/dia é o consumo médio do brasileiro 80% em média da água consumida se transforma em esgoto 9,3 bi de litros de esgoto é o total gerado todos os dias por essa população, desses 5,9 bi de litros de esgoto não recebe nenhum tratamento Em média, apenas 36% do esgoto gerado nessas cidades recebem algum tipo de tratamento 59
  • 58. 60
  • 59. 61
  • 60. Saneamento no Brasil Um dos grandes projetos de incentivo de implantação de tratamento de esgotos tem como finalidade a redução dos níveis de poluição dos recursos hídricos no país e foi criado em março de 2001 pela ANA (Agência Nacional de Águas). Esse programa chama-se PRODES (Programa Despoluição de Bacias Hidrográficas) e tem como objetivo a redução de poluição por esgotos domésticos lançados sem tratamento nas bacias hidrográficas brasileiras. 62
  • 61. 63
  • 62. 64
  • 63. 65
  • 64. 66
  • 65. Engenharia Ambiental Qual o papel do Eng. Ambiental ?Gerenciamento das rotas de águasIncluindo planejamento, projeto,execução e controle de obrasnecessárias para a manutenção daqualidade da água desejada em funçãode seus diversos usos 67
  • 66. Onde Estudar a Aula de HojeNos Livros• Von Sperling, Marcos – Introdução a Qualidadedas Águas – Editora UFMG 3ª. Ed ( Cap. 1 –Noções de Qualidade das Águas)• Telles D’Alkimin, Dirceu – Reúso da Água – Ed.Blucher (Cap. 1 – Água: matéria prima primordial àvida)
  • 67. Onde Estudar a Aula de HojeNa Internet• ANA – Agencia Nacioal de Águaswww.ana.gov.br/• Instituto Trata Brasil – Saneamento e Saúdewww.tratabrasil.org.br/• Livro: "A História do Uso da ÁGUA no Brasil“ siteda ANA em http://historiadaagua.ana.gov.br/
  • 68. Na Próxima Aula Veremos ... Tratamento de Água Noções de Qualidade das Águas Uso das Águas Impurezas Encontradas nas Águas Parâmetros de Qualidade da Água Requisitos de Qualidade da Água Poluição das Águas Quantificação das Águas Poluidoras
  • 69. Créditos 71