Your SlideShare is downloading. ×
0
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Introdução à Análise de Sistemas

7,953

Published on

Published in: Education
2 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
7,953
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
288
Comments
2
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. Objetivo: Obter conceitos iniciais e fundamentais sobre a teoria geral de sistemas Imagem: Capa da Engenharia de Software Magazine, Ano II, Edição 13 <ul>Análise de Sistemas </ul><ul>Unidade I – Introdução à Análise de Sistemas </ul><ul>Prof. Nécio de Lima Veras </ul>
  2. Apresentação da disciplina <ul><li>Objetivo Geral : Compreender conceitos, técnicas e métodos para análise, projeto e programação de sistemas orientados a objetos, de forma a perceber a importância do uso de uma metodologia de desenvolvimento de software orientado a objetos usando como ferramenta de modelagem a Linguagem de Modelagem Unificada.
  3. Objetivos Específicos: </li></ul><ul><ul><li>Obter conceitos iniciais e fundamentais sobre a teoria geral de sistemas;
  4. Visualizar o paradigma da Orientação a Objetos;
  5. Detalhar os princípios da Orientação a Objetos;
  6. Conhecer a Linguagem de Modelagem Unificada (UML) e seus diagramas;
  7. Apresentar diferentes métodos de processos de desenvolvimento de software;
  8. Estudar padrões de projetos;
  9. Aplicar ferramentas de modelagem em estudos de casos; </li></ul></ul>
  10. Apresentação da disciplina <ul><li>Bibliografia: </li></ul><ul><ul><li>Brett Mclaughlin, Gary Pollice e David West. Use a Cabeça! Análise e Projeto Orientado ao Objeto. Alta Books.
  11. TONSIG, S. L. Engenharia de Software – Análise e Projeto de Sistemas. Editora Ciência Moderna, 2a Edição, 2008.
  12. BLAHA, Michael. RUMBAUGH, James. Modelagem e Projetos baseados em objetos com UML2. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006 </li></ul></ul><ul><li>Sítio na web: http://disciplinas.necioveras.com.br </li></ul>
  13. <ul>Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul><li>Antes de mais nada, o que é um Sistema? </li></ul><ul><ul><li>Definição simplificada: é um conjunto de elementos inter-relacionados com um objetivo comum. </li></ul></ul><ul><li>Existem problemas diferentes e soluções comuns;
  14. Os sistemas possuem características e leis independentemente da área onde se encontram.
  15. Exemplos de sistemas? </li></ul><ul><ul><li>automóvel, corpo humano, computador, empresa, etc </li></ul></ul>
  16. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul><li>Todo sistema deve possuir 4 características básicas : </li></ul><ul><ul><li>elementos ou entidades;
  17. relações entre elementos;
  18. objetivo comum;
  19. meio-ambiente; </li></ul></ul><ul>Exemplo: </ul><ul><ul><li>Um carro possui elementos tais como sistema elétrico, motor, chassis, rodas e carroceria. As relações entre os elementos são estruturais (uma parte acoplada ou integrada a outra) ou funcionais (uma parte desempenhando trocas com outra). O objetivo comum é a locomoção.
  20. Faltou algo? </li></ul></ul>
  21. ...Teoria Geral de Sistemas... <ul><li>Meio-ambiente !? </li></ul>
  22. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul>Há diversas classificações para sistemas. Eis algumas: </ul><ul><ul><li>concretos X abstratos </li></ul></ul><ul>Sistemas concretos existem fisicamente; abstratos, são modelos ou representações do mundo físico. </ul><ul><ul><li>naturais X artificiais </li></ul></ul><ul>Sistemas naturais existem na natureza e artificiais foram criados ou inventados pelo Homem. </ul><ul><ul><li>abertos X fechados </li></ul></ul><ul>Sistemas abertos realizam trocas com o meio-ambiente; sistemas fechados, não. </ul>
  23. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul>Leis universais: a) “Todo sistema se contrai, ou seja, é composto de subsistemas recursivos”. Os elementos de um sistema são também sistemas. Exemplo: o motor de um carro é formado de subsistemas como injeção, pistões, partida, etc. b) “Todo sistema se expande, ou seja, é parte de um sistema maior recursivamente”. Por exemplo, o sistema “carro” é parte de um sistema maior de tráfego, que por sua vez pode ser considerado subsistema de uma cidade e assim infinitamente. </ul>
  24. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul>Leis universais: c) “Quanto maior a fragmentação do sistema, maior será a necessidade para coordenar as partes”. Por exemplo, ninguém vê peças pequenas (como parafusos) quando pensa em elementos de um carro. O número de subsistemas é arbitrário e depende do ponto de vista de cada pessoa ou de seu objetivo. <li>Por exemplo, um carro pode ser visto formado por 2 subsistemas somente (motor e estrutura); já outras pessoas poderão subdividir um carro em parte elétrica, motor, rodas, chassis, carroceria e estofamentos.
  25. “ A beleza está nos olhos de quem vê.” </li></ul>
  26. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul>Leis universais: d) O número mágico 7 ± 2 Na década de 40, pesquisadores de psicologia concluíram que as pessoas normais possuem uma certa capacidade de processamento de informações. Uma das descobertas é que podemos gerenciar de 5 a 9 subsistemas (por isto, o número 7 + 2 e 7 – 2). Isto quer dizer que uma pessoa consegue gerenciar melhor uma equipe com 5 a 9 membros. Ou que devemos subdividir os sistemas de 5 a 9 partes para poder entender melhor o todo. Se tivermos mais de 9 elementos, provavelmente teremos dificuldade para gerenciar os subsistemas ou entender o sistema como um todo. Abaixo disto, estamos com capacidade ociosa. Esta “regra” é seguida na hora de dividir um sistema baseado em tecnologia em subsistemas. Um exemplo na área, é que devemos colocar de 5 a 9 opções no menu (interface) de um sistema automatizado. </ul>
  27. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul>Leis universais: e) Homeostase Este princípio diz que os sistemas sempre procuram o equilíbrio . Por exemplo, uma infecção no pé pode gerar febre e isto afeta todo o corpo; da mesma forma, outras partes poderão ficar infeccionadas. Em uma empresa, se o setor de vendas não está bem, outros setores devem trabalhar mais ou melhor para suprir a deficiência do outro. </ul>
  28. <ul>...Teoria Geral de Sistemas... </ul><ul>Leis universais: f) Redundância Vários sistemas apresentam entidades redundantes na sua estrutura. Tal característica traz certa segurança na busca por atingir seus objetivos. A redundância pode ser um mecanismo de auxílio da manutenção da homeostasia de um sistema. Nos sistemas atualmente a redundância é necessária (especialmente para dados e hardware), já que são fatores de risco para o funcionamento do sistema. O backup é uma redundância extremamente necessária. Um efeito colateral da redundância é a necessidade de uma maior área disponível para conter o armazenamento dos dados replicados. </ul>
  29. <ul>...Teoria Geral de Sistemas </ul><ul>Leis universais: g) Sinergia A sinergia pode ser exemplificada pela fórmula 1 + 1 = 3. Isto significa que as partes de um sistema podem interagir para gerar algo maior, o que as partes não conseguiriam fazer ou atingir se trabalhando isoladamente. Tal princípio também pode ser entendido através da frase “O todo não é a mera soma das partes”. ...uma equipe de futebol com um jogador a menos consegue ganhar de outra com maior número de jogadores. </ul>
  30. <ul>Uma abordagem sistêmica... </ul><ul><li>...visa observar um problema como um sistema ; </li></ul>
  31. <ul>...Abordagem sistêmica... </ul><ul>Dicas para uma abordagem sistêmica de problema: a) olhar para o todo (visão holística) Se alguém está perdido numa floresta, sobe numa árvore para poder enxergar onde está a saída. O mesmo acontece com labirintos. A visão do todo permite entender como as partes se relacionam. b) dividir para conquistar Procure dividir o problema em problemas menores. Alguém que quer ir de uma cidade a outra, divide o caminho em partes por onde deve passar (estradas a tomar, saídas, entradas, conexões). c) identificar todas as partes do sistema Procure identificar tudo o que faz parte do sistema. Algumas partes podem fazer a diferença. Um exemplo clássico é o cavalo de tróia na guerra entre gregos e troianos. Se os gregos vissem o problema apenas como uma cidade (Tróia) com muros altos e fortes portões, não teriam conseguido entrar. A diferença aconteceu porque eles entenderam que o sistema ainda era composto de pessoas e, neste caso, supersticiosos e religiosos (que não poderiam rejeitar um presente dos deuses).   </ul>
  32. <ul>...Abordagem sistêmica </ul>Dicas para uma abordagem sistêmica de problema: <ul>d) atentar para detalhes A falta de uma caneta pode gerar o insucesso de um sistema automatizado. Os analistas se preocupam geralmente com as coisas grandes como computadores, redes e software de banco de dados. Mas num supermercado, se não houver uma caneta para o cliente assinar o cheque, de nada terá adiantada gastar milhares de dólares com hardware, software e treinamento de pessoal. e) analogias A analogia consiste em utilizar uma solução S’ num problema P’, similar a uma solução S que já teve sucesso num problema P similar a P’. Ou seja, é o reuso de soluções em problemas similares, com alguma adaptação da solução. Não é a toa que o Homem criou o avião observando os pássaros voarem. </ul>
  33. <ul>Ok, mas onde estão os sistemas? </ul>Um dia típico ... <ul><ul><li>O sistema telefônico ficou mudo!
  34. Ele tem problemas no sistema circulatório...
  35. O sistema de avaliação do professor é...
  36. O sistema está fora do ar. </li></ul></ul>Em uma empresa qualquer … <ul><ul><li>Nosso sistema de vendas está...
  37. O sistema financeiro está integrado com...
  38. O sistema de informações gerenciais gerou um relatório... </li></ul></ul>
  39. <ul>Em busca de um conceito formal de sistema... </ul><ul>“ Um sistema é um conjunto de objetos unidos por alguma forma de iteração ou interdependência.” (Chiavenato, 1983) “ Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação. Disposição das partes ou elementos de um todo, coordenados entre si, e que formam uma estrutura organizada.” (Ferreira, 1988) </ul>“ Conjunto de partes coordenadas, que concorrem para a realização de um conjunto de objetivos.” (Dias & Gazzaneo, 1989) “ Sistema pode ser definido como um conjunto de elementos interdependentes que interagem com objetivos comuns formando um todo.” (Ballestero Alvarez, 1990) “ Um sistema é um coleção significativa de componentes inter-relacionados, que trabalham em conjunto para atingir algum objetivo.” (Sommerville, 2003)
  40. <ul>Enfim, Sistema é... </ul><ul>...um conjunto de entidades relacionadas, interdependentes, que interagem entre si, buscando atingir um objetivo declarado e outros correlatos. <li>Segundo a Teoria Geral dos Sistemas , qualquer sistema está inserido em um meio ambiente, ou seja, tudo o que é externo pode ser chamado de seu meio ambiente. </li></ul>
  41. <ul>Sistema e seu meio ambiente... </ul><ul>Meio ambiente </ul><ul>Sistema </ul><ul>subsistema </ul><ul>subsistema </ul><ul>O meio ambiente, normalmente é um outro sistema ou conjunto de sistemas. Chama-se de subsistema aquele sistema interno a outro. </ul>
  42. <ul>Exercício – Unidade I </ul><ul>1 - Quais características básicas os sistemas, de uma forma geral, devem possuir? 2 – Crie um conceito de sistema. <li>3 – Porque é interessante usar uma abordagem sistêmica para resolver um problema? </li></ul>
  43. <ul>Referências </ul><ul>TONSIG, S. L. Engenharia de Software – Análise e Projeto de Sistemas. Editora Ciência Moderna, 2ª Edição, 2008. <li>Estes slides foram originalmente produzidos pelo professor Francisco Gerson de A. Meneses (IFPI/Parnaíba) e gentilmente cedidos para serem adaptados/modificados por Nécio de Lima Veras. </li></ul>

×