Your SlideShare is downloading. ×
Pronomes Pessoais Josefina
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pronomes Pessoais Josefina

6,854
views

Published on

Published in: Technology

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,854
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
267
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 3 Ano Ens. Médio PRONOMES SÃO LUIS 2008 Prof. Josefina
  • 2.
    • PRONOMES
    SÃO LUIS 2008 É toda palavra que apresenta, substitui ou acompanha um substantivo, referindo-se sempre a um ser e indicando uma pessoal gramatical.
  • 3. TIPOS DE PRONOMES PESSOAIS POSSESSIVOS DEMONSTRATIVOS Os pronomes referem-se às pessoas do discurso: 1ªp, 2ªp e 3ªp INDEFINIDOS INTERROGATIVOS RELATIVOS SÃO LUIS 2008
  • 4. SÃO LUIS 2008 PRONOMES PESSOAIS Para melhor entender a tabela, leve em conta os seguintes aspectos:
  • 5. Exemplos: - Ofereceu a ti. - Ofereceu-te. a) A diferença entre o oblíquo átono, além da pronúncia (o tônico é pronunciado com mais intensidade), é o fato de que o segundo está acompanhado da preposição (nos átonos, se o verbo ou o nome pedir preposição, ela estará subentendida). SÃO LUIS 2008
  • 6. b) Os pronomes ele, nós, vós e eles aparecem na língua precedidos de preposição em outras funções sintáticas: Exemplos: - “ Eu não falo com ele (Jader) por uma questão de higiene.” (Antônio Carlos Magalhães, Veja, 27/12/00) SÃO LUIS 2008
  • 7. Emprego de eu, tu, mim, ti
    • Empregos
    - Os pronomes eu e tu funcionam sintaticamente como sujeitos da oração: Exemplos: - Os políticos discursavam para eu ouvir. (eu = sujeito de ouvir) - Entre eu comprar e tu chorares, é melhor que eu compre. (eu/tu = sujeitos de comprar e chorar) SÃO LUIS 2008
  • 8. Emprego de eu, tu, mim, ti
    • Empregos
    - Se a primeira pessoa (ou segunda)não for o sujeito da oração, emprega-se-ão os oblíquos: Exemplos: - Estudar foi fácil para mim. (Estudar = sujeito do verbo ser) - Entre mim e ti, restam ilusões. (Ilusões = sujeito do verbo restar) SÃO LUIS 2008
  • 9. Emprego dos auxiliares causativos e sensitivos
    • Empregos
    Os auxiliares causativos, seguidos de pronome pessoal e verbo no infinitivo, apresentam uma estrutura atípica: o pronome oblíquo é sujeito do infinitivo.
    • Linguagem coloquial:
    - Mandou eu sair - Fiz ela chorar - Mandou-me sair. me = sujeito de sair - Fi-la chorar a = sujeito de chorar
    • Linguagem culta:
    São auxiliares causativos deixar; mandar e fazer; São auxiliares sensitivos ver, ouvir, escutar, sentir, etc. SÃO LUIS 2008
  • 10. Emprego de o, a, os, as, lhe, lhes
    • Empregos
    Os pronomes o, a, os, as são formas objetivas diretas, isto é, são empregados quando o verbo “não” exigir preposição: “ Se todos os recursos usados nas políticas sociais do Brasil fossem jogados de um helicóptero, os pobres teriam mais chances de recebê-los...” (Ricardo Paes, Veja 27/12/00) Exemplo: SÃO LUIS 2008
  • 11.
    • Empregos
    Já os pronomes lhe, lhes são formas objetivas indiretas, isto é, são utilizados quando o verbo (em alguns casos, o nome) exigir preposição: “ O vizinho usa o quintal dele como toalete para seu cachorro, as mães roubam a sua vez na fila do supermercado, as crianças não lhe obedecem...” (Comentário sobre o filme Os desabusados, Veja 11/10/00) Exemplo: SÃO LUIS 2008
  • 12. Exemplos: O pronome lhe pode exercer as funções de objeto indireto, adjunto adnominal (com valor possessivo, seu, sua, seus, suas) ou complemento nominal (completando o nome). ATENÇÃO! - Não lhe ofereci o cargo. Oferecer a ele (a você) – objeto indireto - Arranquei- lhe as idéias. Arranquei as suas idéias – adjunto adnominal SÃO LUIS 2008
  • 13. Exemplos: Esses pronomes são reflexivos (referem-se ao próprio sujeito) e pedem sujeito na terceira pessoa: - O mestre levava o saber consigo . 3ªp É freqüente, na oralidade, o desrespeito à norma. Compare:
    • Empregos
    Emprego de se, si, os, consigo 3ªp SÃO LUIS 2008
  • 14. Exemplos: - Nós se entendemos. - Voltei a si. - Vou consigo.
    • Linguagem coloquial
    • Linguagem culta
    Exemplos: - Nós nos entendemos. ou Eles se entenderam. - Voltei a mim. ou Voltou a si. - Vou contigo. (com você) ou Vai consigo mesmo. SÃO LUIS 2008
  • 15. Exemplos: - Os rapazes se machucaram. reflexivo
    • Para evitar a ambigüidade em frases com a partícula se(reflexivo ou recíproco?), empregam-se os apostos esclarecedores a si mesmo ( a si próprio) e um ao outro (mutuamente).
    recíproco - Os rapazes se machucaram a si mesmos. ambíguo - Os rapazes se machucaram um ao outro. SÃO LUIS 2008
  • 16. Exemplos: - Fiz o trabalho. = Fi-lo. - Quis o serviço. = Qui-lo. As formas lo, la, los, las e no, na, nos, nas
    • Quando o verbo terminar em r, s, z , os pronomes o, a, os, as receberão o l .
    • Se terminado em ditongo nasal ou m , o pronome que segue deverá receber o acréscimo do n :
    Exemplos: - Põe a mesa! = Põe-na! - Amavam a melodia de Jobim. = Amavam-na. SÃO LUIS 2008
  • 17. - Você é um bom garoto, eu te admiro. O paralelismo
    • A norma exige concordância entre as pessoas do discurso, verbo e pronome precisam estar na mesma pessoa quando se referem a um mesmo interlocutor.
    - Você é um bom garoto, eu o admiro. Transgressão à norma 3ªp. 2ªp. Obediência à norma 3ªp. 3ªp. SÃO LUIS 2008
  • 18. - Sai daqui, você está atrapalhando.
    • É freqüente a falta de concordância quando o falante utiliza concomitantemente o imperativo e o pronome de tratamento “você”:
    - Saia daqui, você está atrapalhando. Transgressão à norma 3ªp. 2ªp. Obediência à norma 3ªp. 3ªp. 3ªp. 3ªp. SÃO LUIS 2008
  • 19. SÃO LUIS 2008 "A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe." ( Jean Piaget ) http://www.gramaticaonline.com.br/gramatica/janela.asp?cod=35 Saiba Mais