Your SlideShare is downloading. ×
Tecido nervoso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tecido nervoso

17,374

Published on

Published in: Technology
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
17,374
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
350
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Tecido nervoso Histologia Tecido nervoso1 Introdução2 Divisão anatômica e células constituintes A-neurônios B- fibras nervosas C- condução do impulso nervoso D- Sinapse E- outros tipos celulares1 - Introdução O tecido nervoso atua com uma estrutura sensível a vários tipos de estímulos quese originam de fora ou do interior do organismo. Ao ser estimulado, esse tecido torna-secapaz de conduzir os impulsos nervosos de maneira rápida e, às vezes, por distânciasrelativamente grandes. Trata-se, portanto, de um dos tecidos mais especializados doorganismo animal.2 – Divisão anatômica e células constituintes No organismo, o tecido nervoso constitui o chamadosistema nervoso, que anatomicamente pode ser dividido em:  sistema nervoso central (SNC) - formado pelo encéfalo e pela medula espinhal;  sistema nervoso periférico (SNP) - formado pelos nervos e gânglios nervosos.O sistema nervoso é constituído de neurônios (células nervosas) e de uma variedade decélulas de manutenção, sustentação e nutrição denominadas neuróglias. A - Neurônios São células altamente especializadas, os neurônios são dotados de um corpo celular e numerosos prolongamentos. O corpo celular do neurônio contém um núcleo grande e arredondado e as organelas comuns às células animais. As mitocôndrias são numerosas e o citoplasma é bem desenvolvido. Os prolongamentos do neurônio podem ser de dois tipos:Nathalia Fuga – CHE Página 1
  • 2. Tecido nervoso  dendritos (do grego déndron = árvore) - são ramificações semelhantes a galhos de uma árvore, que se tornam mais finos á medida que se afastam do neurônio; os dendritos têm a função de captar estímulos;  axônio (do grego axis = eixo) - é o maior prolongamento da célula nervosa (varia de frações de milímetros até cerca de 1 metro); cada neurônio tem apenas um axônio; o axônio, em sua parte final, ramifica-se em prolongamentos muito finos, que frequentemente delimitam pequenas dilatações que abrigam microvesículas portadoras de neurotransmissores, que desempenham papel muito significativo no mecanismo de transmissão do impulso nervoso. Em toda sua extensão, o axônio é envolvido por células que se dispõem em torno desua superfície, formando um envoltório espiralado que constitui a chamada bainha demielina. No sistema nervoso periférico, as células de Schwann formam a bainha demielina. No sistema nervoso central, quem forma a bainha de mielina são osoligodendrócitos. Em muitos axônios, as células de Schwann, enrolando-se em espiralno axônio, determinam a formação de um invólucro membranoso pluriestratificado,formado pelas membranas plasmáticas das próprias células, diversas vezes redobradas e sobrepostas. Este invólucro, de natureza lipídica, é denominado bainha de mielina. Essa bainha atua como isolante elétrico e contribui para o aumento da velocidade de propagação do impulso nervoso ao longo do axônio. A bainha de mielina, porém, não é contínua. Entre uma célula de Schwann e outra existe uma região de descontinuidade da bainha, o que acarreta a existênciade uma constrição (estrangulamento) denominadanódulo de Ranvier. Existem axônios em que as célulasde Schwann não formam a bainha de mielina. Por isso,há duas variedades de axônio: os mielínicos e oamielínicos. B - Fibras nervosas As fibras nervosas são formadas pelosprolongamentos dos neurônios (dendritos ou axônio) eseus envoltórios. Cada fibra nervosa é envolvida poruma camada conjuntiva denominada endoneutro. Asfibras nervosas organizam-se em feixes. Cada feixe, porNathalia Fuga – CHE Página 2
  • 3. Tecido nervososua vez, é envolvido por uma bainha conjuntiva denominada perineuro. Vários feixesagrupados paralelamente formam um nervo. O nervo também é envolvido por umabainha de tecido conjuntivo chamada epineuro. Observe que os nervos são, em última análise, constituídos por feixes de fibrasnervosas. Portanto, os nervos não contêm os corpos celulares dos neurônios; essescorpos celulares localizam-se no sistema nervoso central ou nos gânglios nervosos, quepodem ser observados próximos à medula espinhal. Quando partem do encéfalo, osnervos são chamados de cranianos; quando partem da medula espinhal, denominam-seraquidianos. Os nervos permitem a comunicação com os órgãos receptores (sensoriais) ou, ainda,com órgãos efetores (músculos e glândulas). De acordo com a direção da transmissão doimpulso nervoso, os nervos podem ser:  sensitivos ou aferentes - quando transmitem os impulsos dos órgão receptores até o sistema nervos central;  motores ou eferentes - quando transmitem os impulsos nervosos do sistema nervoso central para os órgãos efetores;  mistos - quando possuem tanto fibras sensitivas quanto fibras motoras. Os nervos mistos são os mais comuns no organismo. C - A condução do impulso nervoso O interior de um neurônio é rico em potássio (K) e pobre em sódio (Na). Entretanto, os fluidos do lado externo da célula são ricos em sódio e pobres em potássio. Considerando as forças de concentração através da membrana celular, verifica-se que os íons potássio estão na posição adequada para a difusão ao lado externo da célula. Em relação aos íons sódio, sucede o contrário, ou seja, esses íons acham-se em posição adequada para a difusão ao interior da célula. O que acontece depende, portanto, da permeabilidade da membrana do neurônio a esses íons. Quando o neurônio encontra- se em "repouso", o conjunto iônico do lado externo acumula uma positividade maior do que o conjunto iônico situado no lado interno. Diz-se, então, que o neurônio em repouso está polarizado, sendo o lado externo positivo em relação ao ladoNathalia Fuga – CHE Página 3
  • 4. Tecido nervoso interno, que é, portanto considerado negativo. A diferença de potencial que se estabelece entre o ambiente interno (negativo) e o ambiente externo (positivo) tem um valor de aproximadamente -60 mV. Aplicando-se um estímulo adequado, capaz de alterar a permeabilidade damembrana, verifica-se, num primeiro momento, que a permeabilidade da membrana aosódio aumenta, o que acarreta um fluxo desses íons para o interior do neurônio. Apenetração de sódio no neurônio provoca uma modificação no potencial da membrana:o ambiente interno torna-se positivo e o ambiente externo torna-se negativo. Assim, adiferença de potencial passa de -60 mV para cerca de +20 mV. Dizemos, então, quehouve uma inversão polaridade da membrana. Num segundo momento, a membrana torna-se mais permeável ao potássio, quemigra para o meio externo, possibilitando o retorno ao potencial primitivo de "repouso".Assim, a membrana torna-se novamente positiva no lado externo e negativa no ladointerno. A inversão de polaridade da membrana, devido à entrada de sódio, determina osurgimento de um potencial de ação que se "alastra" ao longo do neurônio, de forma agerar um impulso nervoso, que conduz uma informação através do neurônio.D –Sinapses Sinapses são articulações terminaisestabelecidas entre um neurônio e outro ouentre um neurônio e uma fibra muscularou um neurônio e uma célula glandular.Um neurônio não se comunica fisicamentecom outro neurônio nem com a fibramuscular ou com a célula glandular, demaneira que, entre eles, não existecontinuidade citoplasmática. O que existeé um microespaço denominado sinapse, naqual um neurônio transmite o impulsonervoso para outro através da ação de mediadores químicos ou neurotransmissores.E –Outros tipos celulares As células da glia ou neuroglia dão suporte ao sistema nervoso. Elas diferem emforma e função, cada uma desempenha um papel diferente na estrutura e nofuncionamento do tecido nervoso.Nathalia Fuga – CHE Página 4
  • 5. Tecido nervoso - Astrócitos (astro= estrela, cito=célula). São vários tipos de células emforma de estrela. Os astrócitos, são ascelulas da neuróglia que possuem asmaiores dimensões. Existem dois tiposde astrócitos: os protoplasmasticos e osfibrosos. Os primeiros predominam nasubstância cinzenta, e os segundospredominam na substância branca docérebro. Os astrócitos desempenhamfunções muito importantes, como asustentação e a nutrição dos neurônios.Outras funções dos astrócitos são:• Preenchimento dos espaços entre os neurônios.• Regulagem da concentração de diversas substâncias com potencial para interferir nasfunções neuronais normais (ex.: concentrações extracelulares de potássio).• Regulagem dos neurotransmissores (restringem a difusão de neurotransmissoresliberados e possuem proteínas especiais em suas membranas que removem osneurotransmissores da fenda sináptica).- Oligodendrócitos (óligo - pouco; dendro - ramificação) São as células da neuróglia,responsáveis pela formação, e manutenção das bainhas de mielina dos axônios do SNC(sistema nervoso central), função em que no sistema nervoso periférico é executadapelas células de schwann. Cada prolongamento de um oligodendrócito forma uminternodo de mielina: expande-se à maneira de uma pá e enrola-se em volta do axôniosucessivas vezes, lembrando um rolo de papel. O espaço entre dois internodos é o nodode Ranvier, onde se dão as trocas iônicas da condução saltatória.Micróglia - O corpo das células da micróglia é alongado e pequeno, com núcleo denso etambém alongado. A forma do núcleo destas células facilita sua identificação nospreparados corados com HE (Hematoxilina-Eosina). As células da micróglia são pouconumerosas e apresentam prolongamentos curtos, cobertos por saliências finas, o quelhes confere um aspecto espinhoso. A micróglia é encontrada tanto na substância brancacomo na cinzenta. Suas células são macrofágicas.Nathalia Fuga – CHE Página 5

×