Your SlideShare is downloading. ×
Fisiologia da motricidade
Fisiologia da motricidade
Fisiologia da motricidade
Fisiologia da motricidade
Fisiologia da motricidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Fisiologia da motricidade

26,437

Published on

1 Comment
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
26,437
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
540
Comments
1
Likes
6
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Fisiologia da motricidade Fisiologia da motricidade a- pronas 1.1 – Movimento dos íons 1 Organização geral dos sistemas motores 1.2 Bases iônicas do potencial de repouso 2 Níveis de organização a – potencial de equilíbrio a- Controle motor espinhal b – permeabilidade iônica relativa ao potencial de repouso -Receptores Musculares 2 Propriedades do potencial de ação -Reflexos musculares 3 Condução do potencial de ação b- Controle motor supra-espinhal - tronco cerebral - córtex motor c- Cerebelo e gânglios da base1 – Organização geral dos sistemas motores Os músculos, sob o comando do sistema nervoso, são capazes de realizarfundamentalmente três tipos de movimentos que são basicamente movimentos reflexos,movimentos rítmicos ou automáticos e movimentos voluntários. Como exemplo dosprimeiros, podemos citar o reflexo patelar, o reflexo de retirada por dor e a deglutição.Esses movimentos são os mais simples, dependem das informações sensoriais e muitopouco do controle motor voluntário. Os movimentos rítmicos ou voluntários são maiscomplexos e dependem geralmente, do ato voluntário para seu início e seu término.Como exemplo podemos citar o caminhar, a mastigação e a respiração. Os movimentosvoluntários são os mais complexos, são muito diversificados e altamente dependentesdo aprendizado, como o movimento de escrever e falar.2 – Níveis de organização No sistema nervoso, três níveis de organização são identificáveis, incluindo amedula espinhal, o tronco cerebral e o córtex motor. De modo geral, a medula espinhalcontém a maquinaria responsável pela realização dos movimentos reflexos e rítmicos, eos níveis superiores para os movimentos voluntários. No tronco cerebral diversossistemas motores podem ser identificados e incluem, genericamente, um sistema mediale um lateral, envolvidos respectivamente em controle postural e movimentos distais. Ocórtex cerebral representa o nível mais alto do comando motor, e é onde os movimentosvoluntários são organizados. Em todos os níveis de controle motor as aferências sensoriais fornecem informações essenciais para a realização dos movimentos. Além dos componentes diretamente envolvidos no controle motor (medulaespinhal, tronco cerebral e córtex espinhal) e que formam a estrutura básica para arealização dos três tipos de movimentos, o sistema motor inclui também os gânglios dabase e o cerebelo. Os gânglios da base recebem conexões de todo o córtex e se projetapara as áreas do córtex envolvidas com o planejamento da ação motora. O cerebelo porsua vez atua no movimento pela comparação das informações originárias do córtexmotor com as informações geradas por receptores sensoriais ligadas às atividadesmusculares.Nathalia Fuga – Fisiologia I Página 1
  • 2. Fisiologia da motricidade Organização geral do Sistema Motor Áreas motoras do córtex cerebral Tálamo Gânglios da base Tronco cerebral Informações Cerebelo sensoriais Medula espinhal Contração muscular e movimentoa – controle motor espinhal A medula espinhal contém os elementos mínimos necessários para a execuçãode tarefas motoras simples, como os reflexos. Esses movimentos requerem para suaexecução um arco reflexo incluindo receptores sensoriais, vias aferentes, interneurôniosem número variável e motoneurônio, que representam as vias eferentes que propiciarãoo movimento. O reflexo mais simples é o reflexo de estiramento ou miotático que se inicia nos receptores sensoriais de estiramento muscular (fusos musculares) e tem como função básica a manutenção de tônus muscular por meio da contração mantida produzida pelo estiramento das fibras musculares, gerada, por exemplo, pela gravidade. - Receptores musculares - Os fusos musculares são receptores mecânicos que se relacionam com a propriocepção e cujos aferentes farão contatos sinápticos na medula espinhal com os motoneurônios alfa. Os aferentessensoriais são ativados pelo aumento do comprimento das fibras musculares. UmNathalia Fuga – Fisiologia I Página 2
  • 3. Fisiologia da motricidade aspecto fundamental da fisiologia dos fusos musculares é seu controle pelo sistema nervoso central por meio dos motoneurônios gama. As fibras intrafusais são inervadas por esses motoneurônios especificamente nas suas extremidades. Assim, quando o motoneurônio gama está ativo ele estira as fibras intrafusais aumentando a atividade dos aferentes. Outro conjunto importante de receptores sensoriais importantes no controle muscular inclui os receptores tendinosos de Golgi. O estiramento das fibras colágenas tendinosas pela contração muscular produz abertura dos canais iônicos fazendo com que as fibras aferentes disparem. Os receptores de Golgi medem, portanto o grau de tensão muscular, levando essas informações para o sistema nervoso central.O órgão tendinoso de Golgi ou corpúsculo tendinoso de Golgi é um receptor sensorialproprioceptivo que está localizado nas inserções das fibras musculares com os tendões dos músculosesqueléticos. Este mecanorreceptor está disposto em série com o músculo. A contração muscular é oestímulo que mais gera ativação elétrica desta estrutura.Fuso muscular é um receptor sensorial proprioceptivo em forma de fuso composta por feixes defibras musculares modificadas contidas dentro de uma cápsula fibrosa. Estão dispostosparalelamente às fibras musculares extrafusais (do músculo em que está inserido) e respondem àsvariações no comprimento (estiramento ou contração) das fibras musculares. - Reflexos medulares – O reflexo miotático ou de estiramento se inicia com o estiramento muscular e consequente ativação dos fusos neuromusculares. As fibras Ia veiculam informações dos fusos ao sistema nervoso entrando na medula espinhal pelas raízes ventrais. Alguns ramos fazem sinapse excitatória com o motoneurônio que inerva esse mesmo músculo e inibitória com o músculo sinergista, enquanto outros ramos, através de interneurônios vão propiciar a inibição dos músculos antagonistas. Nathalia Fuga – Fisiologia I Página 3
  • 4. Fisiologia da motricidade Outros reflexos como os extensores e flexores são mais complexos em termos decircuitaria intra-espinhal envolvendo um grande número de interneurônios e demúsculos. Por exemplo, o reflexo de retirada que é um mecanismo de defesa contra umestímulo nocivo. Dessa forma, a medula espinhal contém circuitos integrativos básicospara a organização dos movimentos e os sinais sensoriais originários dos sistemas acimada medula (tronco cerebral e córtex), modulam os circuitos fundamentais para gerarmovimento complexo e ajustados para a demanda de cada espécie.b – controle motor supra-espinhal Os sistemas motores de controle supra-espinhais têm acesso à medula espinhalpor meio de duas vias principais que constituem o sistema lateral e o ventromedial. Osistema lateral está envolvido no controle voluntário da musculatura distal pelo córtex, eo ventromedial está envolvido no controle da postura e locomoção pelo tronco cerebral.-Córtex motor - O sistema lateral se inicia no córtex motor, e é constituído de várias áreas, sendoas mais importantes o córtex motor primário, o córtex pré-motor e a área suplementar,mas inclui também áreas associativas do córtex frontal e parietal. O movimentovoluntário envolve áreas corticais e subcorticais. A área motora primária possui umaestreita relação espacial entre a sua superfície e a área do corpo que ela comanda. Essarelação é chamada de mapa somatotópico, sua estimulação produz movimentos emmembros contralaterais a estimulação. O córtex pré-motor ou córtex motor secundárioproduz movimentos complexos e bilaterais. A área motora suplementar está envolvidano controle da musculatura distal. As áreas pré-frontais e associativas parietaisrepresentam os níveis mais elevados de controle motor, onde o planejamento e asdecisões mais elaboradas ocorrem.-Tronco cerebral - O sistema medial inclui tratos descendentes que se originam no tronco cerebral,são eles: a- vestibuloespinhal e tectoespinhal: relacionados a musculatura da cabeça e pescoço b- reticuloespinhal: controlam músculos do tronco e os músculos proximais dos membros. c – cerebelo e gânglios da base Cabe ao córtex motor planejar, à medula e aos sistemas troncoencefálicos comandarem os movimentos, mas é fundamental a participação de estruturas que regulam o movimento por meio de informações provenientes do córtex cerebral e de receptores sensoriais periféricos, essas estruturas são fundamentalmente os gânglios da base e o cerebelo.Nathalia Fuga – Fisiologia I Página 4
  • 5. Fisiologia da motricidade O cerebelo está encarregado de fazerajustes nos movimentos por meio de conexões como córtex motor e núcleos motores do troncocerebral. As lesões cerebelares não produzembloqueio de movimentos, mas comprometem aexecução da maioria dos movimentos voluntários erítmicos. Os circuitos cerebelares parecemespecialmente adequados para a detecção dasdiferenças entre a atividade produzida pelosgeradores de movimento (intenção) e o resultadodessa atividade entre músculos, tendões earticulações (ação). Esse circuito deretroalimentação é fundamental para execuçãocorreta do movimento, ajustando força, direção evelocidade. Os gânglios da base integram informações sensório-motoras corticais, viamúltiplos canais atuando em paralelo. Seus componentes recebem aferências depraticamente todo o córtex cerebral, mas somente através de núcleos talâmicos enviamprojeções para o córtex frontal. Lesões em componentes dos gânglios da base podemgerar além de déficits motores, sensíveis alterações cognitivas, sugerindo que essasestruturas processam informações motoras vinculadas à algum tipo de significadomotivacional.Nathalia Fuga – Fisiologia I Página 5

×