Comunicação celular

41,436 views

Published on

1 Comment
9 Likes
Statistics
Notes
  • Parabéns... essas informações foram muito utéis em meu trabalho!!!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
41,436
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
575
Comments
1
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Comunicação celular

  1. 1. Comunicação celular Comunicação celular 1 Comunicação celular através de sinais químicos 2 Comunicação endócrina - hormonal 3 Comunicação parácrina 4 Comunicação autócrina1 – Comunicação celular através de sinais químicos Nos organismos pluricelulares a troca de informações por meio de substânciasquímicas ocorre desde a vida embrionária e constitui durante toda a vida o principalmeio de comunicação entre as células. Esses sinais são essenciais para a formaçãoordenada de órgãos e tecidos e são importantes para coordenar o crescimento e ofuncionamento de diferentes partes do corpo. Esse sistema é formado por moléculas sinalizadoras ou ligantes que se prendemem lugares específicos de moléculas receptoras ou receptores. Para ser caracterizadacomo receptora uma molécula deve reconhecer especificamente o ligante e devedesencadear reações no interior da célula, quando unida ao ligante específico.Sinal Receptor Receptor-sinal Proteínas sinalizadoras Órgão–alvoHá três tipos de comunicação química:1) Comunicação endócrina: ocorre através da liberação de substâncias denominadas hormônios pelas glândulas endócrinas. Nesse tipo de comunicação, a substância química vai para a corrente sanguínea e age em células-alvo distantes.2) Comunicação parácrina: as substâncias químicas vão atuar em células vizinhas, os sinais químicos atuam apenas alguns centímetros do local onde foram produzidos. 3) Comunicação autócrina: as substâncias químicas atuam sobre as próprias célulasou em regiões muito próximas (alguns nanômetros). Esse tipo de comunicação ocorreatravés de neurotransmissores que agem sobre uma região especializada das célulasnervosas (neurônios), chamada sinapse. Nessa região ocorre contato de uma célula comas outras.Nathalia Fuga – CHE Página 1
  2. 2. Comunicação celular Mais recentemente foram descobertos tipos de comunicação que não apresentamreceptores, por exemplo transmissões químicas feitas através de um gás, o óxido nítrico. A resposta a um sinal químico depende do tipo de substância química e do receptor,ou seja, a diferença entre a estrutura do receptor pode fazer com que a resposta à mesmamolécula sinalizadora seja diferente. Dessa forma, é importante a interação entre essesdois componentes, substância-receptor. Por exemplo: os receptores para acetilcolina são diferentes no músculo cardíaco e no músculo esquelético, fazendo com que a acetilcolina estimule a contração no músculo esquelético, mas diminua a força e o ritmo das contrações cardíacas. Em geral, os receptores são iguais, mas a maquinaria que eles estimulam no interior da célula é diferente, gerando respostas celulares diferentes.2 – Comunicação endócrina - hormonal Os hormônios são substâncias químicas que são liberadas na corrente sanguínea econtrolam o funcionamento de outras células. As células que produzem hormônioconstituem um órgão especializado chamado de glândulas endócrinas. Essacomunicação é relativamente lenta já que os hormônios caem na circulação sanguínea epor difusão os hormônios são captados pelas células que possuem os receptoresespecíficos. A velocidade da resposta aos hormônios pode variar, já que em algunscasos o hormônio pode estar pronto e sua liberação é mais rápida do que no caso de terde sintetizar o hormônio. A maioria dos hormônios é hidrossolúvel e age sobre receptores que estão presentesna membrana, entretanto há alguns hormônios que são lipossolúveis, que penetram nacélula e se fixam a receptores presentes no citoplasma. Os hormônios esteróides e os datireóide são um bom exemplo de hormônios lipossolúveis. Para serem transportadospelo sangue eles necessitam de proteínas transportadoras. Outra diferença entre oshormônios hidrossolúveis e os lipossolúveis é o tempo de ação. Os hidrossolúveis sãorapidamente retirados, portanto têm sua ação mais curta. Já os hormônios lipossolúveispodem ficar no plasma sanguíneo durante horas ou dias, mediando respostas maisNathalia Fuga – CHE Página 2
  3. 3. Comunicação celularprolongadas. São exemplos de hormônios esteróides o hormônio sexual masculino(testosterona) e os femininos (progesterona e estrógeno). a) Modo de ação dos hormônios hidrossolúveis: Todos os hormônios hidrossolúveis são captados por receptores presentes na membrana das células- alvo. Esses receptores atuam por intermédio de uma cadeia capaz de modificar os níveis intracelulares de algumas substâncias chamadas de mensageiros intracelulares. Quando as células são expostas a um determinado hormônio há uma alteração nos níveis de AMPcíclico intracelular, levando a modificações nas funções celulares. Além do AMPcíclico, o Cálcio também atua como mensageiro intracelular. A concentração intraceluar de cálcio é baixa, sendo alta no meio extracelular e em algumas organelas citoplasmáticas. Quando os receptores estão ativados ocorre entrada de cálcio na célula e um aumento do cálcio intracelular levando a ativação de processos intracelulares dependentes do cálcio. As células-alvo podem sofrer modificações adaptativas. Uma célula alvo exposta ao mesmo estímulo por um período prolongado passa a responder ao estímulo com intensidade menor. É o que chamamos de adaptação ou dessensibilização. Isso ocorre através da diminuição de receptores na célula, alteração de suas estruturas, mudanças na afinidade, e possibilita que as células, dentro de um limite, se adaptem para alterações de concentração de moléculas sinalizadoras.Nathalia Fuga – CHE Página 3
  4. 4. Comunicação celular b) Modo de ação dos hormônios lipossolúveis: Os hormônios lipossolúveis atuam sobre receptores intracelulares, já que por seremlipossolúveis eles têm facilidade para atravessar a membrana celular (bicamadalipídica). Os mamíferos são regulados por vários hormônios esteróides. Esseshormônios são sintetizados a partir do colesterol e são moléculas pequenas, capazes deatravessar a membrana por difusão simples. Uma vez penetrando na célula esseshormônios se ligam aos receptores modificando suas estruturas, o que causa uma sériede modificações intracelular.3 – Comunicação parácrina Existem células especializadas em secreção parácrina, ou seja, na produção demediadores químicos de ação local. Outras células, mesmo não sendo especializadasnesse tipo de secreção, podem produzir mediadores de ação local como, por exemplo,durante a inflamação, na proliferação celular, contração e no tubo digestivo. Um dosexemplos mais significativos são as prostaglandinas (PG), produzidas em praticamentetodas as células. Há pelo menos 10 famílias de prostaglandinas, cada uma com váriossubtipos. Elas são derivadas do ácido graxo araquidônico, que se forma a partir dosfosfolipídios da membrana plasmática pela ação das enzimas fosfolipases. Não foipossível encontrar uma ação molecular comum para todas as ações das prostaglandinas.4 – Comunicação autócrina - sinapse As células nervosas (neurônios) possuem um corpocelular do qual partem dois tipos de prolongamentos, oaxônio e o dendrito. Funcionalmente os neurônios possuempartes receptoras, condutoras e transmissoras. Os dendritospodem ser numerosos, entretanto a célula possui apenas umaxônio que se subdivide formando os terminais axônicos, quepossuem as vesículas de neurotransmissores. Osneurotransmissores são substâncias químicas liberadas no quechamamos fenda sináptica e irão atuar sobre os receptores da membrana da próximacélula, que pode ser outro neurônio, uma glândula, ou tecido muscular. A respostasináptica é extremamente rápida, e é necessário que o neurotransmissor seja desativadoNathalia Fuga – CHE Página 4
  5. 5. Comunicação celularpara que sua ação não seja contínua, o que diminuiria a precisão da transmissãosináptica. O neurotransmissor pode ser inativado enzimaticamente ou através dadifusão. É importante salientar que muitas vezes a molécula pode agir comoneurotransmissor e também por outro modo de comunicação, como por exemplo, aadrenalina (sintetizada no neurônio e liberada na fenda sináptica e também sintetizadapela glândula adrenal e distribuída pelo organismo). Dessa forma a adrenalina pode serconsiderada tanto um neurotransmissor (ação local), quanto um hormônio (cai nacorrente sanguínea e age em órgãos distantes).“A vida de todos os organismos pluricelulares baseia-se na comunicação e nas interações entre as células que os compõem”Nathalia Fuga – CHE Página 5

×