Cicatrização e reparo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Cicatrização e reparo

on

  • 31,334 views

 

Statistics

Views

Total Views
31,334
Views on SlideShare
31,334
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
531
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Cicatrização e reparo Cicatrização e reparo Document Transcript

    • Cicatrização e regeneração Regeneração e cicatrização 1 Introdução 2 Células lábeis, estáveis e permanentes 3 Regeneração 4 Cicatrização A. Cicatrização por 1ª Intenção B. Cicatrização por 2ª Intenção 5 Tecido de granulação 6 Fatores que participam da reparação A. Sistêmicos B. Locais1 – Introdução A neutralização de agentes agressores leva a desorganização e destruiçãotecidual. Torna-se necessária uma segunda etapa dos mecanismos de defesa,caracterizada pela reorganização da área lesada. O reparo consiste na substituição dascélulas e tecidos alterados por um tecido neoformado derivado do parênquima e/ouestroma do local injuriado. Se a reparação for feita principalmente pelos elementosparenquimatosos, uma reconstrução igual a original pode ocorrer (regeneração), mas sefor feita em grande parte pelo estroma, um tecido fibrosado não especializado seráformado (cicatriz). Poderá ocorrer um ou outro processo ou os dois, dependendo dealguns fatores sendo os mais importantes: a capacidade dos elementos do parênquima seregenerarem e a extensão da lesão.O termo quelóide é usado para as cicatrizações hipertróficas que ocorrem comumentenos indivíduos da raça negra.2 – Células lábeis, estáveis e permanentes As células do corpo podem ser divididas em 3 categorias de acordo com acapacidade de regeneração: a) As lábeis são aquelas que continuam a se multiplicar durante a vida toda (células epiteliais, hematopoiéticas e linfóides). b) As estáveis normalmente não se dividem, contudo têm a capacidade de proliferar quando estimuladas (são as células das glândulas como: fígado, pâncreas, salivares, endócrinas e as células derivadas do mesênquima como fibroblastos, osteoblastos).Nathalia Fuga – Patologia Página 1
    • Cicatrização e regeneração c) As permanentes são aquelas que perderam totalmente a capacidade de se dividir, como as células do sistema nervoso central e músculo. Uma reconstrução original da área lesada só poderá ocorrer se as células afetadas forem do tipo lábil ou estável porque se for do tipo permanente, ocorrerá à substituição por tecido conjuntivo. O processo de reparo pode ser dividido em duas grandes classes, a regeneração e a cicatrização.3 – Regeneração (regenerar = re-produzir, ou produzir de novo): Compreende o processo onde o tecido lesado é reposto por células da mesma origem daquelas que se perderam. É necessário que se faça aqui à distinção entre a regeneração de tecido previamente lesado e a regeneração dita "fisiológica", que significa a reposição de células tais como as células do sangue e do epitélio, que são destruídas normalmente. Diariamente ocorre a substituição de 2% de células do organismo, isto representa cerca de 1Kg. Na pneumonia lobar ocorre intenso acúmulo de células inflamatórias, com destruição dos pneumócitos, mas os vasos e a arquitetura são preservados, permitindo a regeneração. Fica claro que a regeneração restitui à área lesada à completa normalidade, tanto morfológica quanto funcional; seria, portanto ideal que todo o processo de cura se efetuasse pela regeneração.Nathalia Fuga – Patologia Página 2
    • Cicatrização e regeneração4 –Cicatrização A cicatrização é a substituição do tecido lesado por tecido conjuntivo fibroso. Para que a cicatrização se efetue são necessárias a eliminação do agente agressor, a ativa manutenção do potencial de proliferação das células, complementadas pela irrigação e nutrição suficientes. Como a cicatrização por tecido fibroso é constituída por tecido mais simples e mais primitivo do que os tecidos que ela substitui, essa cicatrização implica na perda permanente da função fisiológica da região comprometida. Dessa maneira, a cicatrização de uma região cardíaca, após um infarto, reduz a função do órgão, sendo a cicatriz uma marca residual permanente e irreversível. As cicatrizes, via de regra, se hialinizam e perdem a elasticidade devida à pobreza em fibras elásticas. Dada a grande variedade de situações onde ocorre a cicatrização, é evidente que esse processo pode diferir na razão direta dessas situações. Didaticamente, podem-se considerar dois tipos básicos de cicatrização: a primária (ou por 1ª intenção) e a secundária (ou por 2ª intenção).A-Cicatrização por 1ª intenção: Também chamada de união primária, tem importânciaprincipalmente em cirurgia e em ferimentos. É o tipo mais simples de reparação quepode ocorrer. O exemplo mais comum é a incisão cirúrgica feita com bisturi e posteriorsutura dos bordos. A incisão leva a morte de células epiteliais, assim como de elementosdo tecido conjuntivo. Uma vezfeita a sutura o espaço entre osbordos é reduzido e fica cheio decoágulo. A fibrina formada induza migração e serve de matriz paraa proliferação de fibroblastos eangioblastos, que vão formar otecido de granulação. “Geléias” de fibrina induzem a fibroplasia e angiogênese. Inicia-se uma inflamação aguda com exsudato principalmente de neutrófilos e posteriormentede macrófagos. Ao mesmo tempo fibroblastos e angioblastos proliferam a partir dosbordos e começam a invadir a área inflamada dando origem a um tecido rico emfibroblastos e vasos neoformados conhecido como tecido de granulação.Nathalia Fuga – Patologia Página 3
    • Cicatrização e regeneração Inicialmente é um tecido altamente celular, mas com a contínua produção defibras colágenas, tornam-se menos celular e dentro de algum tempo a área está ocupadapor um tecido com pouca células e vascularizado, rico em fibras, constituindo acicatrização, marcando para sempre o local da incisão cirúrgica. O epitélio de revestimento da pele ou da mucosa bucal tem grande capacidade deproliferação, recobrindo rapidamente a área alterada. A proliferação não contínua decélulas epiteliais é controlada por fatores do crescimento celular, e esta é uma dasdiferenças importantes em relação ao que ocorre nos carcinomas.B-Cicatrização por 2ª intenção: Também chamada de união secundária, ocorre quandoa área lesada é mais extensa e os bordos não podem ser coaptados por sutura, como porexemplo, em úlceras, abcessos ou então devido à contaminação de uma incisãocirúrgica. O processo básico é o mesmo que na união primária, diferindo apenas por sera área lesada maior e ter grande quantidade de exsudato inflamatório e restosnecrosados. O tecido de granulação vai se proliferando à medida que a área vai sendo limpa. A cicatrização por segunda intenção ocorre inevitavelmente com a formação de grande quantidade de tecido cicatricial. A formação excessiva de tecido cicatricial pode provocar uma protuberância no local, sendo o processo chamado de quelóide. A união secundária difere da primária por: 1. Perda de grande quantidade de tecido 2. Presença de uma maior quantidade de restos necróticos e exsudato inflamatório 3. Formação de maior quantidade de tecido de granulação 4. Produção de cicatriz mais extensaNathalia Fuga – Patologia Página 4
    • Cicatrização e regeneraçãoFases da cicatrização: 1) Angiogênese: brotamento de novos capilares, macrófagos fagocitam o exsudato e o tecido lesado. Ocorre a substituição do tecido por tecido de granulação vascular (capilar, macrófagos e celulas de sustentação). 2) Crescimento de fibroblastos: o tecido é preenchido por capilares, miofibroblastos, fibroblastos e poucos macrófagos, formando o tecido de granulação fibrovascular. 3) Os espaços entre os vasos são preenchidos por fibroblastos e colágenos, formando o tecido de granulaçao fibroso e ocorre retração da lesão devido aos miofibroblastos. 4) Formação de colágeno denso forma escara colagenosa. 5) Após a síntese de grande quantidade de colágeno, os fibroblastos voltam ao repouso, tornando-se fibrócitos. 5 - Tecido de granulação A resposta dos tecidos à injúria é um acúmulo de células inflamatórias na região atingida. Dentro das primeiras 24 horas, estas células acumuladas são principalmente polimorfonucleares. Posteriormente, os macrófagos tornam-se mais numerosos, e por volta do 3º dia, os fibroblastos começam a proliferar. Novos capilares avançam para a zona lesada, enquanto material extracelular, produzido pelos fibroblastos, começa a acumular-se. Este conjunto de células, material extracelular (fibras e componentes da substância fundamental) e vasos neoformados constituem o tecido de granulação jovem. O tecido de granulação se caracteriza macroscopicamente pelo aspecto róseo granular, e microscopicamente pela proliferação de vasos e fibroblastos. Com o passar do tempo, este tecido de granulação modifica-se paulatinamente, tornando-se maduro e adquirindo aspectos e funções diferentes daqueles dos primeiros dias. É importante que se estude detalhadamente os diversos passos deste processo. a) Fibroblastos: As principais atividades do fibroblasto na inflamação são: - síntese de substância fundamental e fibras. - fagocitose de fibrilas de colágeno. - contração tecidual durante a cicatrização – miofibroblastos b) Fatores de crescimento: São fatores que estimulam a proliferação celular. (Fator de Crescimento Epidérmico, Fator de Crescimento Derivado das Plaquetas, estimula proliferação de fibroblastos e céls musculares lisas; Fator de crescimento dos Fibroblastos, estimula fibroblastos e angiogênese, estimula produção de colágeno e Nathalia Fuga – Patologia Página 5
    • Cicatrização e regeneraçãofibronectina, e inibe degradação do colágeno, favorecendo a fibrogênese; IL-1 e FNT -fator de necrose tumoral; participam da remodelação do tecido conjuntivo.6 - Fatores que participam da reparação A. SISTÊMICOS: a) Condições Fisiológicas do Indivíduo: Em geral os pacientes jovens apresentam capacidade de reparação maior, isto devido principalmente à presença de melhor suprimento sanguíneo no local afetado. b) Nutrição: Proteína e Vit. C: Já que a reparação é feita por tecido neoformado, a nutrição é fator importante, entretanto apenas uma deficiência protéica grave, envolvendo principalmente cisteína e metionina, pode retardar a reparação. A deficiência de vitamina C retarda a reparação devido às alterações na síntese de fibras colágenas. c) Diabetes: Além da possível diminuição na síntese proteica, um fator relevanteé a alteração dos vasos na diabetes. d) Esteróides: Um dos mecanismos de ação dos glicocorticóides pode ser oaumento de produção das lipocortinas, que inibem a fosfolipase A2, importante paraliberação do acido aracdonico.Nathalia Fuga – Patologia Página 6
    • Cicatrização e regeneração B. LOCAIS: a) Suprimento Sanguíneo: Como todo o processo inflamatório, a reparaçãodepende do suprimento sanguíneo local. b) Presença de Corpo Estranho: A presença de qualquer corpo estranho impedeque haja a reparação pois, é um estímulo constante para a inflamação. O tecidonecrosado (infarto) é estímulo para a inflamação e deve ser removido. c) Mobilidade: Nos casos de reparação óssea é importante que haja umaimobilização e redução da fratura. Em tecidos moles a imobilização também pareceajudar a reparação. d) Extensão da lesão e) Natureza do Tecido Lesado f) InfecçãoNathalia Fuga – Patologia Página 7