Your SlideShare is downloading. ×
Primeira guerra mundial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Primeira guerra mundial

4,178
views

Published on

Aula sobre a primeira guerra mundial.

Aula sobre a primeira guerra mundial.

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,178
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
121
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Primeira Guerra Mundial 1914-1918
  • 2. Fins do século XIX e início do XX
  • 3. A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL É O MARCO DO SÉCULO XX. PONDO FIM À CHAMADA BÉLLE EPOQUE – 1871-1914; PERÍODO EM QUE AS GRANDES POTÊNCIAS EUROPÉIAS NÃO ENTRARAM EM GUERRA ENTRE SI E A BURGUESIA VIVEU SUA ÉPOCA DE MAIOR FASTÍGIO, GRAÇAS À EXPANSÃO DO CAPITALISMO IMPERIALISTA E À EXPLORAÇÃO IMPOSTA AO PROLETARIADO.
    • Por volta do final do século XIX e da primeira década do século XX, a Europa vivia um clima de otimismo e confiança, ao mesmo tempo em que o avanço da industrialização (Segunda Revolução Industrial – Difusão) e da corrida imperialista (neocolonialismo) denotavam uma fase do capitalismo capaz de gerar crises.
    • A constante disputa por mercados fornecedores e consumidores trazia uma forte inquietação e o prenúncio de um conflito iminente entre as potências européias. Esse embate, conhecido como Primeira Guerra Mundial (1914/18), ocorreu como resultado de um conjunto de fatores determinantes que, em nível conjuntural e estrutural, passaremos a analisar.
    • O imperialismo resultante da evolução do sistema capitalista para o chamado capitalismo monopolista, do qual teve origem a expansão colonialista em direção à África e Ásia, culminou num clima de disputas territoriais entre os países industrializados, contribuindo sobremaneira para o agravamento das tensões mundiais.
  • 4. PAZ ARMADA
    • O período que antecedeu a eclosão da
    • I Guerra Mundial é conhecido pelo nome de Paz Armada , pois as grandes potências, convencidas da inevitabilidade do conflito e até mesmo desejando-o, aceleraram seus preparativos bélicos (exceto a Itália, que não estava bem certa do que iria fazer). Por duas vezes, em 1905 e 1911, a Alemanha provocou a França a respeito do Marrocos, mas as crises foram contornadas.
  • 5. Nacionalismos
    • O nacionalismo crescente nas múltiplas minorias nacionais, que foram englobadas às grandes monarquias européias (Congresso de Viena, 1814/15), contribuiu para acentuar as tensões no continente europeu. O Império austro-húngaro pode ser lembrado como o exemplo mais claro desse momento.
    • O Império era composto por um conjunto de pequenas nacionalidades ( húngaros, croatas, romenos, tchecos, eslovacos, bósnios etc.) que não conseguiam manter laços de unidade e organizavam-se para questionar, por meio de movimentos nacionalistas , a monarquia dual austro-húngara e lutar contra ela.
  • 6. FATORES GERAIS:
    • Disputa dos mercados internacionais pelos países industrializados, que não conseguiam mais escoar toda a produção de suas fábricas. Tal concorrência era particularmente acirrada entre a Grã-Bretanha e a Alemanha.
    • Atritos entre as grandes potências devido a questões coloniais. Alemanha, Itália e Japão participaram com atraso da corrida neocolonialista e estavam insatisfeitos com as poucas colônias que haviam adquirido.
    • Exacerbação dos nacionalismos europeus, manipulados pelos respectivos governos como um meio de obter a adesão popular à causa da guerra. Há que considerar ainda o nacionalismo das populações que se encontravam sob o jugo do Império Austro-Húngaro ou do Império Russo e ansiavam pela independência.
  • 7. FATORES ESPECÍFICOS:
    • A França alimentava em relação à Alemanha um forte sentimento de revanchismo, por causa da humilhante derrota sofrida na Guerra Franco-Prussiana de 1870-71, e desejava recuperar a região da Alsácia-Lorena, perdida para os alemães naquele conflito.
    • A Itália, cujo processo de unificação política ocorrera no século XIX, desejava incorporar as cidades “irredentas” (não-redimidas) de Trento e Trieste, que continuavam em poder da Áustria-Hungria.
    • O Reino da Sérvia aspirava à formação de uma Grande Sérvia; para tanto, pretendia anexar o vizinho Reino do Montenegro e as regiões da Bósnia-Herzegovina, Croácia e Eslovênia, pertencentes ao Império Austro-Húngaro. As ambições sérvias eram respaldadas pela Rússia, desejosa de consolidar sua influência nos Bálcãs para ter acesso ao Mar Mediterrâneo.
    • O decadente Império Otomano (Turquia), apelidado O Homem Doente da Europa , vinha sofrendo uma dupla pressão: da Rússia, que tencionava apossar-se dos estreitos do Bósforo e dos Dardanelos, e da Grã-Bretanha, que desejava libertar as populações árabes do domínio turco, a fim de poder explorar o petróleo do Oriente Médio. Tal situação levou o governo otomano a se aproximar da Alemanha, em busca de ajuda técnica e militar.
  • 8. ANTECEDENTES
    • Depois de unificar a Alemanha em torno do Reino da Prússia, dando origem ao II Reich (Império Alemão, 1871-1918), o chanceler (primeiro-ministro, nos países de língua alemã) Bismarck procurou tecer uma Política de Alianças com as demais potências européias, a fim de manter a França isolada e neutralizar o revanchismo francês. Essa política teve sucesso (exemplo: a União dos Três Imperadores, celebrada entre Alemanha, Áustria-Hungria e Rússia), mas foi abandonada após 1890, quando Bismarck se afastou da vida política.
    • O novo imperador da Alemanha, Guilherme II (conhecido como o Kaiser, 1888-1918), adotou uma política militarista que minou as relações com a Rússia e a Grã-Bretanha: a primeira irritou-se com o estreitamento da aliança entre Alemanha e Áustria-Hungria, além do apoio dado pelos alemães à Turquia; a Grã-Bretanha, já prejudicada com a concorrência industrial e comercial alemã, inquietou-se com os planos do Kaiser no sentido de criar uma poderosa marinha de guerra e construir uma ferrovia ligando Berlim a Bagdá (cidade do Império Otomano relativamente próxima do Golfo Pérsico).
    • Em consequência, houve um remanejamento de posições das potências européias. O resultado foi a formação de dois blocos opostos:
  • 9. POLÍTICA DE ALIANÇAS: Em decorrência do clima de rivalidade e crescente hostilidade que envolvia a Europa, acentuou-se a " Política de Alianças ", que teve em Bismarck, ao final da unificação alemã, o seu precursor.
    • Tríplice Aliança:
    • Alemanha, Áustria-Hungria e Itália. Esta uniu-se à Alemanha em represália à França, que frustrara a pretensão italiana de conquistar a Tunísia. Mas o fato de a Áustria-Hungria fazer parte do bloco incomodava os italianos, devido à questão das “cidades irredentas”.
    • Tríplice Entente:
    • Inglaterra (ou melhor, Grã-Bretanha), França e Rússia. Esse nome vem de Entente Cordiale (“Entendimento Cordial”) – forma como o governo francês definiu sua aproximação com a Inglaterra, de quem a França era adversária tradicional.
  • 10. Durante a I Guerra Mundial, os blocos em conflito mudaram de denominação, passando a ser conhecidos como: Impérios Centrais:  Alemanha, Áustria-Hungria, Turquia e Bulgária. Aliados:  Sérvia, Rússia, França, Bélgica, Grã-Bretanha, Japão, Itália, Romênia, EUA, Brasil etc.
    • Em uma semana, o que deveria ser mais um conflito balcânico transformara-se em uma guerra européia. A Itália somente entrou na luta em 1915; mas fê-lo contra a Alemanha e Áustria-Hungria, porque Grã-Bretanha e França lhe prometeram – e depois não cumpriram – que os italianos ganhariam algumas colônias alemãs na África (além de Trento e Trieste, naturalmente).
    Rosa: Tríplice Entente Cinza: Tríplice Aliança Amarelo: Países neutros
  • 11. Principais Conflitos:
    • Conflito Franco-Alemão –  A França queria o revanchismo sobre a Alsácia e Lorena, esta última extremamente rica em minério de ferro. Os alemães tomaram esses territórios após vitória sobre os franceses na guerra de 1870. A partir daí, a burguesia francesa alimentou na imprensa, igrejas, escolas e quartéis, cada vez mais, o espírito de revanche, que foi largamente responsável pela Grande Guerra. Esse conflito tornou-se mais agudo à medida que os dois países disputavam, na África, o Marrocos.
    • Conflito Anglo-Alemão –  O crescimento industrial alemão criou a concorrência comercial anglo-alemã; paralelamente a isso, crescia também a rivalidade naval. O desenvolvimento da Marinha alemã abalou o domínio inglês nos mares. Por outro lado, a Alemanha penetrava comercialmente no Império turco, e a prova disso foi o plano de construir a estrada de ferro Berlim – Bagdá. Esse empreendimento tornava mais fácil o acesso ao petróleo existente naquela região (Oriente Médio).
    • Conflito Germano-Russo –   Devido à disputa dos dois imperialismos no Leste europeu, sobretudo na Turquia.
  • 12. Principais Conflitos:
    • IV. Conflito Austro-Russo –  Esse conflito girou em torno da Sérvia (região que,  em 1830,  tornou-se independente  do Império turco). Havia o pan-eslavismo da Rússia, política pela qual essa nação procurava proteger os povos eslavos, presentes na Europa Central e nos Bálcãs, subjugados aos impérios turco e austríaco. O  crescimento da Sérvia  se colocava em função da independência e do agrupamento de uma série de povos eslavos, como os bosnianos, os croatas e os montenegrinos. Dessa forma, criava-se a Grande Sérvia ou atual Iugoslávia; entretanto, esse anseio chocava-se com os domínios dos impérios turco e austríaco. A guerra foi antecedida por uma corrida armamentista desenvolvida pelos países europeus a partir das crises do Marrocos e dos Bálcãs.
    • V. As Crises do Marrocos  –  A disputa entre França e Alemanha pelo domínio daquele país quase levou à guerra, que só foi evitada graças à diplomacia de vários países. A questão marroquina foi resolvida em 1911, quando a França tomou o Marrocos e a Alemanha apoderou-se de uma parte do Congo Francês.
  • 13. Principais Conflitos:
    • VI. As Crises Balcânicas  – Essas crises foram marcadas pelo crescimento da Sérvia e pelas rivalidades entre Rússia, Áustria e Turquia. Os planos de crescimento da Sérvia foram frustrados quando a Áustria, no ano de 1906, anexou os territórios da Bósnia e Herzegovina. Desse modo, os sérvios expandiram-se para o sul, onde desenvolveram vários conflitos contra a Turquia, sobretudo nos anos de 1911 e 1913. As  Guerras Balcânicas (nome dado aos conflitos travados na região dos Bálcãs) fortaleceram a Sérvia, que agora se voltava com maior força contra a Áustria. Os sérvios au- mentavam cada vez mais a propaganda nacionalista entre os eslavos dominados pela Áustria-Hungria.
    • Pensando em minimizar a agitação antiaustríaca, o arquiduque Francisco Ferdinando , futuro imperador do Império austro-húngaro, pretendia incluir um reino eslavo. Isso criaria uma monarquia tríplice e dificultaria a independência dos eslavos daquele império
  • 14. CAUSA IMEDIATA
    • A crise diplomática surgiu com o assassinato do arquiduque da Áustria, Francisco Ferdinando (28/7/1914) em Sarajevo (Bósnia), por um patriota sérvio da sociedade secreta "Mão Negra“.
    • Em Viena, decidiu-se eliminar, por uma humilhação diplomática ou guerra, a Sérvia, que era sempre fator de agitação antiaustríaca. Berlim concordou, mas a Rússia não aceitou a repressão, pois a Sérvia era instrumento do pan-eslavismo.
    • Em 23 de julho, um ultimato austríaco à Sérvia exigia que se desfizessem todas as agitações sérvias e que aceitassem a participação de funcionários austríacos nas perícias sobre o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando.
    • Sob o conselho da Rússia, a Sérvia rejeitou as imposições, alegando que o ultimato atentava contra a sua soberania. A Áustria declarou guerra à Sérvia, a Rússia mobilizou suas tropas destinadas a operar sobre as fronteiras austro-russas.
    • A Alemanha exigiu a desmobilização da Rússia e, como não obteve resposta, mobilizou-se. Quando a Alemanha invadiu a Bélgica para atacar a França, esta lhe declarou guerra.
  • 15. A Primeira Grande Guerra apresentou três frentes de batalha: – a frente ocidental, onde belgas, ingleses e franceses combatiam os alemães. – a frente oriental, onde os russos combatiam os alemães. – a frente dos Bálcãs, onde os sérvios combatiam os austríacos. Na execução do plano, os alemães não contavam com um imprevisto: o avanço russo sobre a Alemanha. Isso exigiu da Alemanha a criação de uma frente oriental de combate, o que enfraqueceu a frente ocidental. Dessa forma, seu avanço sobre a França foi detido na batalha sobre o rio  Marne , em setembro ( Batalha do Marne ). O primeiro momento do conflito foi marcado pela Guerra de Movimento  (de agosto a novembro de 1914). No ano de 1914, o exército alemão tratou de colocar em prática seu plano de guerra chamado Plano Schlieffen  (do general Von Schlieffen). Esse plano mostrava que a Alemanha deveria invadir primeiro a Bélgica, para facilitar depois a invasão da França e, em seguida, investir sobre a Rússia.
  • 16. Ainda no final de 1914, a guerra ganharia outra característica: a guerra de movimento seria substituída pela guerra de posições, isto é, uma  Guerra de Trincheiras . (novembro de 1914/março de 1918). Foram abertas trincheiras de ambos os lados (Aliados e Ententes) que iam desde o mar do Norte até a Suíça. Durante quase dois anos e meio, as linhas de combate estabilizaram-se e os exércitos adversários procuraram abrigar-se em um complexo sistema de trincheiras onde passaram praticamente a morar – convivendo com ratos, parasitas e ainda com a lama ou o pó, o frio ou o calor, conforme a estação do ano. Protegidas por intrincadas redes de arame farpado e por ninhos de metralhadora, eram posições muito difíceis de conquistar. Os comandantes de ambos os lados, não preparados para essa nova realidade, continuaram durante muito tempo a ordenar ataques frontais de infantaria, perdendo dezenas de milhares de homens para avançar alguns quilômetros. O exemplo mais dramático desse inútil sacrifício de vidas foi a luta pelas posições fortificadas francesas de Verdun. A luta, que se arrastou por dez meses em 1916, provocou mais de um milhão de mortes e, no final, as posições eram as mesmas quando do início da batalha.
  • 17. Na Frente Oriental, o chamado “rolo compressor russo” (o maior exército do mundo) obteve algumas vitórias iniciais, mas depois teve de recuar diante dos alemães e austro-húngaros. O exército czarista era mal armado, mal organizado e mal comandado; mesmo assim, tentou contra-ofensivas em 1915 e 1916, sofrendo baixas terríveis. No começo de 1917, os Impérios Centrais controlavam firmemente a Polônia, a Lituânia, a Letônia e parte da Bielo-Rússia (todos esses territórios faziam parte do Império Russo). Na África e no Pacífico, a maioria das colônias alemãs caiu rapidamente em poder dos Aliados. No Oriente Médio, um exército britânico passou a operar contra os turcos a partir de 1917; foi auxiliado por um levante das tribos da Arábia, estimuladas pelo célebre agente inglês Thomas Lawrence, conhecido como “Lawrence da Arábia”. No Mar do Norte, a esquadra alemã defrontou-se com a britânica na Batalha da Jutlândia (1916), mas não conseguiu romper o bloqueio marítimo imposto pelos Aliados.
  • 18. 1917: o ano decisivo
    • A Alemanha possuía a maior frota de submarinos entre os países beligerantes. Entretanto, os comandantes dessas embarcações vinham se abstendo de torpedear navios de passageiros (ainda que de bandeira inimiga) e quaisquer navios de países neutros. A exceção foi o transatlântico inglês Lusitania, torpedeado em 1915 e que explodiu – provavelmente por estar transportando secretamente munições norte-americanas para a Inglaterra. Em janeiro de 1917, o governo alemão anunciou que iria iniciar uma campanha submarina “sem restrições”; ou seja, seus submarinos torpedeariam quaisquer navios que tentassem alcançar portos franceses ou britânicos. Essa decisão complicou a situação dos Aliados, pois a Grã-Bretanha dependia de fornecimentos marítimos para sua própria sobrevivência.
    • Em março de 1917, estourou a Revolução Russa. O czar Nicolau II foi derrubado e um governo provisório liberal (formado por aristocratas e burgueses) assumiu o poder. Oficialmente, a Rússia continuou na guerra contra a Alemanha; mas seus soldados, esgotados e desmoralizados, praticamente pararam de combater. Essa circunstância poderia permitir aos alemães deslocarem tropas para a frente ocidental, derrotando definitivamente ingleses e franceses.
  • 19.
    • No decorrer da guerra, os Estados Unidos haviam se tornado os grandes fornecedores dos Aliados, aos quais vendiam desde alimentos até armas e munições. Grã-Bretanha, França e outros países tinham acumulado débitos enormes junto aos empresários norte-americanos, os quais não poderiam suportar o fantástico prejuízo advindo de uma possível derrota anglo-francesa.
    • Vários navios americanos foram afundados em fevereiro de 1917; os americanos romperam relações com a Alemanha e, concomitantemente à ruptura, a Rússia se retirava da Entente devido à revolução. Por outro lado, os banqueiros e industriais norte-americanos temiam que, se a Alemanha ganhasse a guerra, tornar-se-ia difícil receber as imensas dívidas que os países da Entente tinham para com os Estados Unidos.
    ENTRADA DOS ESTADOS UNIDOS
  • 20.
    • Os Estados Unidos entravam agora de fato para cobrir a retirada da Rússia, mobilizando 1 200 000 homens e uma vastíssima produção industrial. Porém, Wilson procurava restabelecer a paz, propondo os "14 pontos de paz", que pregavam o retorno de Alsácia e Lorena para a França, a Independência da Bélgica, Polônia, Sérvia e Romênia, e também liberdade nos mares e a criação da Sociedade das Nações, que deveria ser árbitro internacional e fazer reinar a justiça.
    • Por essa razão, em 6 de abril de 1917, tomando como pretexto o afundamento de cinco navios norte-americanos por submarinos alemães, o presidente Wilson (o mesmo que em janeiro daquele ano divulgara seus 14 pontos para uma paz justa), declarou guerra aos Impérios Centrais. Como o país não tinha serviço militar obrigatório, foram necessários dez meses para treinar um enorme exército que pudesse operar na Europa. Mas a marinha de guerra norte-americana entrou imediatamente na luta contra os submarinos alemães, aliviando a grave situação dos ingleses.
  • 21. 1918: Cronologia do término do conflito.
    • Fevereiro:  Chegada das primeiras tropas norte-americanas à França.
    • Março:  O governo bolchevique (comunista) russo, que fora instaurado em novembro de 1917, assina o Tratado de Brest-Litovsk com a Alemanha, retirando a Rússia da guerra. No mesmo mês, os alemães iniciam uma última ofensiva na frente ocidental, mas mais uma vez não conseguem tomar Paris.
    • Julho:  Contra-ofensiva aliada na França. Os alemães começam a bater em retirada.
    • Setembro:  Capitulação (rendição) da Bulgária.
    • Outubro:  Capitulação da Turquia.
    • Novembro:  O Império Austro-Húngaro desintegra-se no dia 3. Áustria e Hungria assinam armistícios (acordos de cessar-fogo) separados. No dia 9, irrompe uma revolução republicana na Alemanha; fuga do Kaiser Guilherme II. No dia 11, o novo governo alemão assina um armistício com os Aliados, na expectativa de serem observados os “14 Pontos” de Wilson (expectativa frustrada pela dureza das condições impostas pelos vencedores).
  • 22. TRATADOS DE PAZ
    • Em 1919, reuniu-se a Conferência de Paz de Paris, para a qual somente a Rússia não foi convidada. Todavia, em vez de discussões amplas e abertas entre todos os envolvidos na Grande Guerra (nome dado ao conflito de 1914-18 até 1939, quando começou a II Guerra Mundial), os tratados de paz foram elaborados pelos Três Grandes – Wilson, dos EUA; Lloyd George, da Grã-Bretanha; Clemenceau, da França – e impostos aos países vencidos.
    • O tratado mais importante foi o de Versalhes, que a Alemanha foi obrigada a assinar. Eis suas cláusulas mais importantes:
    • A Alemanha foi considerada a única responsável pela eclosão da guerra. Foram perdidas todas as colônias e vários territórios alemães na Europa (principais: a Alsácia-Lorena, restituída à França; o Corredor Polonês, que dividiu a Alemanha em duas partes; o porto de Danzig, transformado em cidade-livre).
  • 23.
    • Limitações militares: proibição do serviço militar obrigatório e da produção de aviões de combate, tanques, canhões gigantes, navios de guerra de grande porte e submarinos, além da limitação do exército alemão a 100 mil homens. Pagamento de pesadíssimas reparações de guerra.
    • As duras (e injustas) condições do Tratado de Versalhes geraram entre os alemães um profundo ressentimento, responsável em grande parte pela ascensão de Hitler ao poder– o que acabaria levando à II Guerra Mundial.
    • O fim da Primeira Guerra Mundial está ligado ao início da Segunda, pois as perdas territoriais alemãs iriam servir de justificativa para o expansionismo nazista. Na foto, um desfile das unidades SS (força de elite da Alemanha Nazista).
  • 24. Consequências da I Guerra Mundial
    • 11 milhões de mortos (destes, 8 milhões eram combatentes).
    • Fim dos impérios Russo, Austro-Húngaro, Alemão e Otomano.
    • Surgimento de novos Estados europeus: Do desmembramento do Império Austro-Húngaro: Áustria, Hungria, Checoslováquia e Iugoslávia (nome oficial da “Grande Sérvia”, criado em 1931). Do desmembramento do Império Russo: URSS, Finlândia, Polônia, Lituânia, Letônia e Estônia.
    • Crise econômica generalizada, com especial gravidade na URSS, Itália e Alemanha.
    • Surgimento dos regimes totalitários, tanto de esquerda (comunismo) como de direita (fascismo).
    • Ascensão dos EUA à posição de maior potência mundial.
    • Criação da Sociedade das Nações ou Liga das Nações – um dos poucos itens dos “14 Pontos” que foram aproveitados.
    • Existência de minorias étnicas com tendência separatista em vários países da Europa Central e Oriental, criando graves focos de tensão.
  • 25.