Jesus cristo para além da história

  • 99 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
99
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A glória do corpo humano
  • 2. Os «infernos» designam o estado de todos aqueles que, justos ou maus, morreram antes de Cristo. Com a alma unida à suaPessoa divina, Jesus alcançou, nos infernos, os justos que esperavam o seu Redentorpara acederem finalmente à visão de Deus. (CCCE 125)
  • 3. No Espírito,ele foi também pregaraos espíritos naprisão, aos quehaviam sidodesobedientesoutrora, quando Deususava de paciência.(1Pd 3,19-20a)
  • 4. A Ressurreição de Cristo não foi um regresso à vida terrena. O Seu corpo ressuscitado é Aquele que foi crucificado e apresenta os vestígios da Sua Paixão, mas é doravante participante da vida divina com as propriedades dum corpo glorioso. (CCCE 129)
  • 5. Aparição a mais de Testemunho Testemunho TestemunhoTúmulo vazio quinhentos das mulheres de Pedro dos Doze irmãos de uma só vez
  • 6. Envia-nos o Seu Espíritoe tendo-nos preparado um lugar, dá-nos a esperança de um dia ir ter com Ele. (CCCE 132)
  • 7. Este é o que veio pela água e pelosangue: Jesus Cristo — não somentepela água, mas pela água e pelosangue —, e o Espírito é que dátestemunho, porque o Espírito é aVerdade.(1Jo 5,6)
  • 8. Cristo glorificado permanecemisteriosamente sobre a terra, onde o SeuReino já está presente como germe e início na Igreja. Ele um dia voltará em glória. (CCCE 133)
  • 9. Tempo da Igreja Tempo da apostasia Abalo dos Astros Parusia Consumação Recrudescimento dasQueda de Jerusalém Sinal do Filho do Homem Ressurreição dos mortos perseguiçõesConversão das nações Grande Apostasia Lamentação geral Juízo Final Vinda do Senhor Destruição dos Conversão de Israel Remoção do Obstáculo com seus anjos adversários Recepção dos Aparição do Anticristo justos no céu Entrega do Reino ao Pai
  • 10. O purgatório é o estado dos que morrem na amizade de Deus, mas, embora seguros da sua salvação eterna, precisam ainda de purificação para entrar na alegria de Deus. (CCCE 210)
  • 11. Alma como Monismo Ressurreiçãomaterialista Tanatopsiquismo forma Adormecimento na morte do corpo
  • 12.  “Segundo a comum ordenação de Deus, as almas dos que saem do mundo com pecado mortal atual, imediatamente depois de sua morte baixam ao inferno” (Bento XII, Constituição Benedictus Deus) O Bem-aventurado João Paulo II (Audiência, 4/8/1999) e Bento XVI (Encíclica Spe salvi, 46) falam que ao purgatório vão os que conservam uma derradeira condição de “abertura para Deus”.
  • 13. • “Se falar contra o Espírito Santo, não será perdoado, nem neste mundo, nem no mundo que há de vir” (Mt 12,32b) ① Possibilidade do • “Se não fosse assim, o que pretenderiam aqueles que se fazem perdão póstumo batizar em favor dos mortos? Se os mortos absolutamente nãoDo lugar do purgatório ressuscitam, por que então fazer-se batizar em favor deles?”nada se encontra (1Cor 15,29)expressamente dito naEscritura, nem se podem • Algumas fórmulas de exorcismo se referem a fantasmasaduzir razões eficazes ② Existência de • Há relatos de exorcistas sobre a aparição de fantasmas que são almas errantes instruídos sobre seus erros, como quando Jesus “foi tambémque o determinem. pregar aos espíritos na prisão” (1Pd 3,19)Contudo provavelmente,segundo o mais • Revelações privadas falam de pessoas no purgatório até o fimconcorde com o ensino do mundodos santos Padres e a • Misericordiam tuam fatribus nostris concede defunctis, neque inrevelação feita a muitos, ③ Disputa por potestatem maligni spiritus iradas eos (Liturgia das essas almas Horas, Vésperas da 4ª-feira da 3ª Semana do Tempo Comum)o purgatório ocupa um • O Juízo Final seria mais que mera publicação do juízo particularduplo lugar. para essas almas, as quais poderiam realmente experimentar(Summa theologiæ, uma “segunda morte” (Ap 20,6), caso não adiram a DeusApêndice, solução ao art. 2).
  • 14. Deus é o “amante “Devemos admitir que o “A sorte das crianças “Antes de tudo, peço quedos seres humanos”. Espírito Santo oferece a não-batizadas não foi se façam súplicas,(Liturgia bizantina) todos a possibilidade de revelada (…). Mas aquilo orações, intercessões, associarem-se, de modo que sabemos de Deus, de ação de graças, por todos conhecido por Deus, e Cristo e da Igreja nos dá os seres humanos.” este mistério pascal. motivos para esperar na (1Tm 2,1) (Gaudium et spes, 22) sua salvação.” (Comissão Teológica Internacional, A esperança da salvação para as crianças que morrem sem batismo, 79)
  • 15. Aqui levantar-se-ia uma nova questão: se o «purgatório» consiste simplesmente em serpurificados pelo fogo no encontro com o Senhor, Juiz e Salvador, como pode então intervir uma terceira pessoa ainda que particularmente ligada à outra? Ao fazermos esta pergunta, deveremos dar-nos conta de que nenhum homem é uma mônada fechada em si mesma. As nossas vidas estão em profunda comunhão entre si; através de numerosas interações, estão concatenadas uma com a outra. Ninguém vive só. Ninguém peca sozinho. Ninguém se salvasozinho. Continuamente entra na minha existência a vida dos outros: naquilo que penso, digo, faço e realizo. E, vice-versa, a minha vida entra na dos outros: tanto para o mal como para obem. Deste modo, a minha intercessão pelo outro não é de forma alguma uma coisa que lhe é estranha, uma coisa exterior, nem mesmo após a morte. Na trama do ser, o meu agradecimento a ele, a minha oração por ele pode significar uma pequena etapa da sua purificação. E, para isso, não é preciso converter o tempo terreno no tempo de Deus: nacomunhão das almas fica superado o simples tempo terreno. Nunca é tarde demais para tocar o coração do outro, nem é jamais inútil. Assim se esclarece melhor um elemento importante do conceito cristão de esperança. A nossa esperança é sempre essencialmente também esperança para os outros; só assim é verdadeiramente esperança também para mim. Comocristãos, não basta perguntarmo-nos: como posso salvar-me a mim mesmo? Deveremos antes perguntar-nos: o que posso fazer a fim de que os outros sejam salvos e nasça também paraeles a estrela da esperança? Então terei feito também o máximo pela minha salvação pessoal. (Encíclica Spe salvi, 48)
  • 16. @narajr