Fernando Pessoa

2,648 views
2,483 views

Published on

Published in: Education, Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,648
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
118
Actions
Shares
0
Downloads
62
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fernando Pessoa

  1. 1. FERNANDO PESSOA Clique para passar os slides
  2. 2. Ao longe, ao luar, No rio uma vela Serena a passar, Que é que me revela? Não sei, mas meu ser Tornou-se-me estranho, E eu sonho sem ver Os sonhos que tenho. Que angústia me enlaça? Que amor não se explica? É a vela que passa Na noite que fica. 05/08/1921
  3. 3. O meu olhar é nítido como um girassol. Tenho o costume de andar pelas estradas Olhando para a direita e para a esquerda, E de vez em quando olhando para trás... E o que vejo a cada momento É aquilo que nunca antes eu tinha visto, E eu sei dar por isso muito bem... Sei ter o pasmo essencial Que tem uma criança se, ao nascer, Reparasse que nascera deveras... Sinto-me nascido a cada momento Para a eterna novidade do Mundo...
  4. 4. Creio no mundo como num malmequer, Porque o vejo. Mas não penso nele Porque pensar é não compreender... O Mundo não se fez para pensarmos nele (Pensar é estar doente dos olhos) Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo... Eu não tenho filosofia; tenho sentidos... Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é, Mas porque a amo, e amo-a por isso Porque quem ama nunca sabe o que ama Nem sabe por que ama, nem o que é amar... Amar é a eterna inocência, E a única inocência não pensar... Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos“ 8-3-1914
  5. 5. Vaga, no azul amplo solta, Vai uma nuvem errando. O meu passado não volta. Não é o que estou chorando. O que choro é diferente. Entra mais na alma da alma. Mas como, no céu sem gente, A nuvem flutua calma. E isto lembra uma tristeza E a lembrança é que entristece, Dou à saudade a riqueza De emoção que a hora tece.
  6. 6. Mas, em verdade, o que chora Na minha amarga ansiedade Mais alto que a nuvem mora, Está para além da saudade. Não sei o que é nem consinto À alma que o saiba bem. Visto da dor com que minto Dor que a minha alma tem. 29-3-1931
  7. 7. Eu tenho idéias e razões, Conheço a cor dos argumentos E nunca chego aos corações. 1932
  8. 8. Por quem foi que me trocaram Quando estava a olhar pra ti? Pousa a tua mão na minha E, sem me olhares, sorri. Sorri do teu pensamento Porque eu só quero pensar Que é de mim que ele está feito É que tens para mo dar. Depois aperta-me a mão E vira os olhos a mim... Por quem foi que me trocaram Quando estás a olhar-me assim?
  9. 9. Eu amo tudo o que foi, Tudo o que já não é, A dor que já me não dói, A antiga e errônea fé, O ontem que dor deixou, O que deixou alegria Só porque foi, e voou E hoje é já outro dia. 1931
  10. 10. Amigos! Agradeço se divulgarem essas poesias de Fernando Pessoa. Divulgar poesias de poetas consagrados é uma forma de espalhar cultura e participar ativa e positivamente da teia mundial de informações e trocas , a “nossa” Internet! Agradeço também por respeitarem os créditos ! Muitas alegrias, conquistas, reconhecimentos e vitórias nesse ano que se inicia! Poesias: Fernando Pessoa Fonte: http://www.insite.com.br/art/pessoa/ Imagens: www.whatatop.com e www.trekearth.com Música: Trecho de Adiós Nonino, de Astor Piazzolla Criação: Fátima Graziottin 02/02/2008

×