Perspectivas da web semântica para a biblioteconomia

7,320 views
7,165 views

Published on

Trabalho apresentado no XXXIII ENEBD

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,320
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
28
Actions
Shares
0
Downloads
99
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Perspectivas da web semântica para a biblioteconomia

  1. 1. PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARAA BIBLIOTECONOMIA Autora: NAIRA MICHELLE ALVES PEREIRA Graduanda do Curso de Biblioteconomia da UFC, Campus Cariri nairamichelle_ufc@yahoo.com.br Co-autoras: JORGIVÂNIA LOPES BRITO Graduada em Biblioteconomia pela UFC, Campus Cariri jorgivanialopes@gmail.com PATRÍCIA MARIA DA SILVA Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Especialista em Gestão Estratégica em Sistemas de Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Professora Assistente dos Cursos de Biblioteconomia e Arquivologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). patricia.silva@ccsa.dci.ufpb.br
  2. 2. AGENDA: • INTRODUÇÃO; • WEB SEMÂNTICA; - Arquitetura e Elementos da Web Semântica • OS CONHECIMENTOS DA BIBLIOTECONOMIA E SUAS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO PARAA WEB; SEMÃNTICA; - Metadados - Dublin Core • CONSIDERAÇÕES FINAIS; • REFERÊNCIAS 2 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  3. 3. INTRODUÇÃO Analisando esse universo da Web Semântica, procura-se através de uma pesquisa exploratória com abordagem bibliográfica analisar os avanços obtidos pela comunidade científica das técnicas tradicionais da Biblioteconomia como indexação e catalogação, mostrando suas tendências de evolução para essa nova geração da Web. 3 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  4. 4. INTRODUÇÃO Percebe-se, portanto, que “apesar das tecnologias de informação e comunicação modificarem a concepção de organização, tratamento e acesso às informações, a essência do tratamento da informação vem de métodos tradicionais já estabelecidos na área da Biblioteconomia” (ALVES, 2005, p. 111). 4 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  5. 5. WEB SEMÂNTICA “A busca de soluções para este problema está na proposta de Berners-Lee,o criador da web, para uma nova geração da web, denominada Web Semântica” (ROCHA, 2004, p. 117) que se desenvolve para que as informações possam ser compreendidas por máquinas, na forma de agentes computacionais que são capazes de operar eficientemente sobre as informações incorporando semântica a elas. (PINHEIRO, 2009). 5 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  6. 6. WEB SEMÂNTICA Seu idealizador, Berners-Lee, aponta que “A Web Semântica não é uma Web separada, mas uma extensão da Web atual na qual as informações apresentam significados bem definidos e permite que computadores e pessoas possam trabalhar em cooperação” (BERNERS-LEE, HENDLER, LASSILA, 2001 apud ALVES, 2005, p. 27). 6 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  7. 7. 7 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA Web 2.0 Web Semântica Origem Evolução natural da Web Proposta de Berners-Lee para revolucionar a Web. Implantação Muito alta Escassa Coordenação Não existe W3C Foco Pessoas Máquinas Primeiras menções 2003 1999 Expressão Linguagem livre, expressado mediante folksonomias, palavras- chave denominadas tags, com problemas de sinonímia e polissemia. Linguagem controlada, mediante linguagem de expressão de ontologias, sistema de organização do conhecimento e vocabulários de metadados. Algumas Características - Descrição de recursos para melhorar sua distribuição gratuita - Arquitetura de colaboração - Usabilidade alta - Um recurso é mais útil quanto mais uso tem - Utilização de uma linguagem padronizada com sintaxe uniforme e semântica não ambígua. - Interoperabilidade: troca de informação entre qualquer repositório. - Usabilidade escassa. Fonte: Morato, J. et al. (2008 apud CARVALHO, 2009, p. 131).
  8. 8. ARQUITETURA E ELEMENTOS DA WEB SEMÂNTICA  camada esquema, responsável por estruturar os dados e definir seu significado para que possa elaborar raciocínio lógico;  camada ontológica, objetiva definir padrões e relações entre os dados. E;  camada lógica, composta por um conjunto de regras de inferência para que os agentes possam utilizá-las com o objetivo de relacionar e processar informações. 8 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  9. 9. OS CONHECIMENTOS DA BIBLIOTECONOMIA E SUAS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO PARAA WEB SEMÂNTICA 9 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA Conhecimentos da Biblioteconomia Necessários na Web Semântica Evolução para Estágio Representação descrita de documentos (objetos) descrição de documentos (objetos) - catalogação – formato e padrão MARC e AACR - metadado – Dublin Core ENCODEA – (EAD) Computer Interchange of Museum Information (CIMI) ... SIM MARC no XML, DUBLINCORE + XML + RDF Schema Soluções encontrada s Representação temática de documentos (objetos) Linguagem - Vocabulário específicos (descritores, palavras-chave) - Sistemas de classificação (CDD, CDV, LC...) SIM LINGUAGEM NATURAL TESAURO “universal”; Categorias de Ranganatham? + LINGUAGEM CONTROLADA Em pesquisa Fonte: OLIVEIRA, Rosa Maria Vivona Bertolini. Web Semântica: Novo desafio para os profissionais da Informação.
  10. 10. OS CONHECIMENTOS DA BIBLIOTECONOMIA E SUAS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO PARAA WEB SEMÃNTICA Dentre esses destaca-se o Dublin Core por já ter soluções que “é um conjunto de elementos de dados básicos para descrição e indexação de páginas Web. Definido por especialistas de diversos países, [...] sendo usado como base para vários projetos de indexação.” (CENDÓN, 2007, p. 296-297). 10 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  11. 11. METADADOS Metadados [...] podem ser considerados como dados sobre outros dados. É o termo da era da internet para a informação que os bibliotecários, tradicionalmente, colocaram em catálogos e que se refere comumente à informação descritiva sobre recursos da Web. Um registro metadados consiste em um conjunto de atributos, ou elementos, necessários para descrever o recurso em questão. 11 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  12. 12. METADADOS 12 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA Embora o conceito seja bastante novo, bibliotecários estão há séculos produzindo e padronizando metadados, à medida que extraem de documentos (que seriam os dados) informações de indexação e catalogação (que seriam os metadados), para oferecer aos usuários caminhos, para que estes possam buscar os documentos de que necessitarem. Na Biblioteconomia, o padrão MARC (www.loc.gov/marc) é um exemplo de esquema de metadados. Estes metadados indicam propriedades do documento, como seu autor, sua data de publicação, seu título, seu assunto, e têm como finalidade permitir a descoberta e a localização destes documentos.(MILSTEAD;FELDMAN,1999 apud ROCHA, 2004, p. 114).
  13. 13. METADADOS Portanto, “seja qual for o nome que se use, catalogação, indexação ou metadados, o conceito é familiar para profissionais de informação. Agora o mundo eletrônico finalmente o descobriu”. (MILSTEAD; FELDMAN, 1999 apud ALVES, 2005, p. 116). Pois apesar dessas tecnologias terem modificado a forma de representação da informação e seu acesso, a essência do tratamento da informação vem de métodos tradicionais já estabelecidos na Biblioteconomia. (ALVES, 2005). 13 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  14. 14. METADADOS  DIF (Directory Interchange Format – Formatos para Intercâmbio de Diretórios) – padrão para criar entradas de diretórios que descrevem um grupo de dados;  GILS (Government Information Locator Service – Serviço de Localização de Informação de Governo) usado para descrever informações governamentais;  FGDC (Federal Data Geographic Committee – Comitê Geográfico de Dados Federais) usado na descrição de dados geoespaciais; 14 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  15. 15. METADADOS • CIMI (Consortium for the Interchange of Museum Information - Consórcio para o Intercâmbio da Informação dos Museus) que descreve informações sobre museus; • MTD-BR (Padrão Brasileiro de Metadados de Teses e Dissertações) utilizado para descrever eletronicamente os metadados de teses e dissertações para intercâmbio entre o sistema BDTD (Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações). • E o MARC (Machine Readable Cataloging – Maquina de Catalogar dados Bibliográficos) usado para a catalogação bibliográfica, como já foi citado. 15 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  16. 16. DUBLIN CORE “A iniciativa Dublin Core (http://dublincore.org) tem foco no ambiente web e esta sendo adotado pelo projeto Web Semântica com o objetivo de oferecer uma coleção básica de elementos de metadados (esquema básico de metadados) para serem utilizados por qualquer comunidade, independente de sua área de domínio”. (ROCHA, 2004, p. 115). 16 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  17. 17. DUBLIN CORE O Dublin Core utiliza a linguagem XML (Extensible Markup Language – Linguagem de Marcação Extensível). Adota a sintaxe do RDF (Resource Description Framework – Recurso para Descrição de Quadros) e segundo Mey e Silveira (2009) é composto de quinze elementos. 17 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  18. 18. DUBLIN CORE - Contribuidor; - Idioma - Cobertura - Publicador/editora - Criador - Relação - Data - Direitos - Descrição - Fonte - Formato - Assunto - Identificador - Título - Tipo 18 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  19. 19. DUBLIN CORE Através da adoção desse padrão de metadados, a interoperabilidade acontece mais facilmente no ambiente Web. o DC é [...] apenas um modelo básico para a organização dos recursos informacionais em ambiente digital. [...] trata-se de uma base, pois a necessidade de fazer um tratamento adequado de outros tipos de informações pode requerer a inclusão de outros campos de informação. (CARVALHO, 2009, p. 88). 19 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  20. 20. CONSIDERAÇÕES FINAIS Portanto, pode-se concluir que a representação do conhecimento na Web Semântica é uma técnica ainda em construção e a biblioteconomia, visando o aproveitamento de processos de armazenamento, organização e recuperação da informação, está em perfeita sintonia com os estudos da área da Web Semântica na medida em que ambos objetivam aperfeiçoar a recuperação da informação para os usuários na rede. 20 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  21. 21. CONSIDERAÇÕES FINAIS Assim sendo, tentou-se mostrar que as atividades desenvolvidas pelos bibliotecários como catalogar, indexar, recuperar e disseminar a informação são de fundamental importância para o desenvolvimento de metadados e da Web semântica, pois poderão vir a abordarem aspectos lógicos, explícitos e abrangentes na prática e realidade da recuperação da informação no ambiente da Web. 21 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  22. 22. REFERÊNCIAS ALVES, Rachel Cristina Vesú. WEB SEMÂNTICA: uma análise focada no uso de metadados. Marília, 2005. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, 2005. CARVALHO, Rodrigo Aquino de. Perspectivas na Web Semântica para a Ciência da Informação. Campinas: PUC-Campinas, 2009. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2009. CENDÓN, Beatriz Valadares. A internet. In: CAMPELO, B. S.; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (Org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. DZIEKANIAK, Gisele Vasconcelos; KIRINUS, Josiane Boeira. Web Semântica. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, n. 18, 2º sem. 20004. MEY, Eliane Serrão Alves; SILVEIRA, Naira Christofoletti. Catalogação no plural. Brasília: Brinquet de Lemos, 2009. 22 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  23. 23. NOGUEIRA, Édrio Donizeti; VIEIRA, Job Lúcio Gomes. Web Semântica: a rede inteligente. Disponível em: < www.upis.br/posgraduacao/revista.../web_semantica2009.pdf > Acesso em: 02 de jun. de 2010. OLIVEIRA, Rosa Maria Vivona. Web Semântica: novos desafios para os profissionais da informação. Disponível em: < http://www.sibi.ufrj.br/snbu/snbu2002/oralpdf/124.a.pdf > Acesso em: 02 de jun. de 2010 PICKLER, Maria Elisa Valentim. Web Semântica: ontologias como ferramentas de representação do conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 1, p. 65-83, jan./abr. 2007. PINHEIRO, José Maurício. Web Semântica: rede de conceitos. Cadernos UniFOA, n. 9, p. 23-27, abr. 2009. RAMALHO, Rogério Aparecido Sá. Web Semântica: aspectos interdisciplinares da gestão de recursos informacionais no âmbito da Ciência da Informação. Campinas: PUC-Campinas, 2009. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2009. ROCHA, Rafael Port da. Metadados,Web Semântica, Categorização Automática: combinando esforços humanos e computacionais para a descoberta e uso dos recursos da web. Em Questão, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 109-121, jan./jun. 2004. 23 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  24. 24. OBRIGADO PELAATENÇÃO! 24 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA
  25. 25. Tecnólogo Olha a máquina Bibliotecário (Humanista) Olha o humano Fontes: MODESTO, Fernando. Da Ficha “Lascada” aos Metadados. [SLIDE], 2007. 25 PERSPECTIVAS DA WEB SEMÂNTICA PARA A BIBLIOTECONOMIA

×