• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Brasil Retratos Poéticos 2
 

Brasil Retratos Poéticos 2

on

  • 348 views

 

Statistics

Views

Total Views
348
Views on SlideShare
348
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Brasil Retratos Poéticos 2 Brasil Retratos Poéticos 2 Presentation Transcript

    • ....... brasilretratospoéticos 2
    • . brasil retratos poéticos 2 fotos edson sato fábio colombinimaurício simonetti walter firmo textos/poemasraimundo gadenha escrituras editora são paulo, 2001
    • Tenho grande admiração pela fina sensibilidade dos fotógrafos brasileiros. Participo dos que julgam que o olho do fotógrafo é aquele que possui maior força noregistro dos componentes das paisagens. É o único com sensibilidade de captar a beleza e a significância dosdetalhes das cenas e cenários ocorrentes no cotidiano de nosso mundo. Na diversidade e bizarria das minúcias escondem-se ensinamentos, hábitos tradicionais,luminosidades impensadas. Muitas vezes pode-se sentir, através dos flashes do mundo real retratado, a própria dinâmica de sua atuação. Aziz Ab´Saber
    • Para onde será levado o pensamento ao se lavar coloridas vestes em tão calma paisagem?
    • Sobre o chão, sombras são tentáculos tentando tudo alcançar O gato, impassível... Os olhos do menino, Impossível saber onde vão dar.
    • Hoje, a roda é um círculo de saudadeHá muito já não range o velho carro-de-boi Nas paredes, em lenta agonia, as evidências da passagem do tempo.
    • Na água que transparece, a alma aparece no sorriso e no brilho do olhar.
    • Das brancas nuvens não vemnenhum sinal de onde elas vêm... Parece que as brancas nuvens apenas brandamente brincamde, pelo denso e fixo azul, passar.
    • Na pequena casa, longínquo interior, o simples ato de abrir a portatransforma-se em uma intensa viagemà bela e verdadeiramente rica paisagem.
    • Estendem-se em perfeita simetriafinos fios vindos de galhos tortos...Natureza em constante harmonia.
    • O barco, casa sobre as águas, segue num ritmo modorrento O pequeno motor é canção de ninar Algumas tantas crianças já sonhamA natureza, lentamente, vai apagando as luzes.
    • Em busca de novos destinos o homem arrisca-se riscando a natureza.
    • Foram tantos os mares navegados... Mas hoje, sob sol e lua,O navio é só âncora, triste imobilidade!
    • Com natural enlevo,Plantas rompem a terra e elevam-se...Verdume, velas agitam-se no espaçoEspalhando ao vento suave perfume.
    • Longe, o rio Tietê se veste de dourado.O sol, brando, brinca de apagar identidades Sonhos sobram das sombras.
    • A natureza, grandiosa e bela,sem ressentimentos incorpora à sua paisagem velhos – e hoje silenciosos – canhões.
    • Um vento passou soprando diferenteQue novas sementes ao tempo terá espalhado? No intento de descobrir, a árvore tenta o vento acompanhar.
    • O sólido rochedo abre-se em fenda e lágrimas cristalinas jorram... Estupenda paisagem que a lua,antecipando sua passagem, contempla.
    • Onde as ferramentas? Onde o cinzel que, neste céu,esculpiu estes rochedos revestidos de verde?...
    • Diante dos naturais adereços a introspecção a tudo aderiuEndereços, memória, saudade...Tudo passando lento como o rio.
    • A beleza do Rio transborda e prédios e cores invadem a lagoaSolene, o coqueiro se curva ao espetáculo.
    • Numa aquarela de sonhos equilibram-se confiantes a jovem sobre saltos altose o rapaz de flores amarelas.
    • Escamas coloridas brilham sobre o dorso negro do meninoDoce sorriso por, naturalmente,extrair do mar alegria e sustento.
    • Em que solo pisarão e que rastros vão deixarestas cores hoje suspensas no ar?
    • Festa, fé, tradições...Cores oscilam sobre coresO vento murmura orações.
    • SATO, Edson, GADELHA, Raimundo et al. BRASIL: RETRATOSPOÉTICOS 2. São Paulo: Escrituras, 2001.