Your SlideShare is downloading. ×

Tratamento de lesoes Cervicais não Cariosas

14,386
views

Published on


1 Comment
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
14,386
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
10
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIME UNIÃO METROPOLITANA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA
  • 2. Lesões cervicais não cariosas Conceito  As lesões cervicais não-cariosas são representadas pela perda de tecido dental duro decorrente de mecanismos não relacionados com o processo de cárie. (GARONE NETO at al.,2003,p.53-54)
  • 3. Lesões cervicais não cariosas  A perda não-cariosa de tecido dental duro ou desgaste dental em geral tem etiologia multifatorial.  São mais visíveis na região cervical da superfície vestibular de dentes de adultos e idosos. (BARATIERI,2007,P.363)
  • 4. Fatores causais  As lesões de erosão, abrasão, por atrito e do tipo abfração, e suas possíveis interações, têm sido consideradas como as principais causas das lesões cervicais dos dentes. (VALÕES apud Pereira, J.C.,1995) FONTE: Baratieri,2002
  • 5. Erosão  A erosão é descrita como o processo gradual de destruição da superfície dental por meio de substâncias ácidas, sem envolvimento bacteriano. (IMFELD, T., 1996).  Pode não ser evidente antes que o paciente relate sintomas se sensibilidade ou fratura das bordas incisais que se tornam finas. (BARATIERI,2007,P.363) FONTE: Garone, 2003 FONTE: Garone,2003
  • 6. 1. Características Clínicas  Perda do brilho normal dos dentes;  Sensibilidade persistente  Exposição pulpar  Exposição de dentina nas superfícies vestibulares, palatais/linguais;  Incisivos encurtados e com relação largura/comprimento desproporcional;  Concavidades dentinárias nas superfícies oclusais ou incisais, etc. Baratieri (2007, apud Asher e Read)
  • 7. 2. Classificação da erosão  Extrínseca, intrínseca ou idiopática  Feita de acordo com a etiologia uma vez que os ácidos que produzem o desgaste dental podem ser: exógenos, endógenos ou de origem desconhecida (BARATIERI,2007,P.363)
  • 8. A. Erosão extrínseca Resultado da ação de ácidos exógenos provenientes da dieta: 1)Ácido cítrico contido em frutas frescas 2)Ácido ascórbico(vitamina c) contida em bebidas, refrigerantes e doces 3) Medicamentos
  • 9. Lesões do tipo Erosão extrínseca FONTE: Baratieri,2002 FONTE: Baratieri,2002 FONTE: Baratieri,2002 FONTE: Baratieri,2002
  • 10. B. Erosão intrínseca  Resultado da ação do ácido endógeno, ácido gástrico que entra em contato com os dentes durante o vômito recorrente regurgitação ou refluxo.  Regurgitação do suco gástrico/vômitos(refluxo gastroesofágico, vômitos relacionados ao abuso de álcool, anorexia e bulimia nervosa).
  • 11. B. Erosão intrínseca  A severidade e progresso da erosão dental depende da frequência, duração do vômito e dos hábitos de higiene bucal dos pacientes e da natureza dos tecidos dentais duros (grau de mineralização, conteúdo de fluoreto, quantidade de saliva secretada. (BARATIERI,2007,P.363)
  • 12. Lesões do tipo Erosão intrínseca FONTE:Baratieri,2002 FONTE:Baratieri,2002 FONTE:Baratieri,2002
  • 13.  Reeducação alimentar  Atenção psicológica  Prescrição de soluções remineralizadoras (soluções fluoretadas para bochecho, aplicação tópica de flúor)  Laser terapia  Confecção de restaurações com materiais adesivos  Em caso de sensibilidade dentinária: aplicação de verniz fluoretado, em lesões incipientes, 4 vezes ao ano se estiver progredindo
  • 14. Abrasão  A abrasão é considerada como a perda de substância dental por ação mecânica (PEREIRA, J.C.,1995). Decorrente da escovação traumática, uso de dentifrícios com muito abrasivo ou hábitos nocivos (BARATIERI,L.N. et al., 2001)
  • 15. FONTE: Baratieri,2002 FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Edph_pr_inmediata_r0539.JPG
  • 16.  Comumente evidenciado no terço cervical vestibular dos dentes que apresentam recessão gengival ; em especial caninos e pré-molares.  Superfície dura,rasa,polida com contorno regular e em forma de V.
  • 17.  Orientação da escovação  Dentifrício menos abrasivo  Aplicação de agentes dessensibilizantes  Restaurações com CIV ou resina composta desde que a quantidade de tecido abrasionado permita a inserção desses materiais.
  • 18.  A abfração tem como etiologia a ação de forças tensionais (Lee e Eakle,1984; LEE, H.E. et al., 2002). Apresenta-se clinicamente como um defeito em forma de cunha na região cervical do dente.
  • 19. Lesões do tipo Abfração FONTE:Baratieri,2002 FONTE:Baratieri,2002 FONTE: Garone,2003
  • 20.  Lesões em forma de cunha  Margens bem definidas  Profundas  Maior incidência em dentes inferiores
  • 21. 2. Tratamento  Ajuste oclusal  Placas miorrelaxantes  Terapia ortodôntica  Cirurgia ortognática  Restaurações protéticas
  • 22.  A prevenção e o tratamento adequados das lesões não cariosas dependem do conhecimento dos fatores causais e das características clínicas de cada tipo lesão.
  • 23. Referências  BARATIERI, N. Luiz; et al; Odontologia Restauradora – Fundamentos e Possibilidades; São Paulo,Editora Santos, 2002  GARONE NETTO, Narciso; et al; Introdução à Dentística Restauradora; São Paulo, Editora Santos, 2003  VALÔES, F.Flavia; BRUM, T. Rafael; Principais etiologias e aspectos clínicos das lesões cervicais não cariosas; Revista Dens, v.14, n.2, novembro/abril 2006