• Like
2 Slide 1 Ano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,631
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
61
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ASPECTOS DAFILOSOFIACONTEMPORÂNEAFILOSOFIA, 1º ANO
  • 2. As ciências e suas técnicas No século XIX, a filosofia afirmava a confiança plena e total no saber científico e na tecnologia para dominar e controlar a natureza, a sociedade e os indivíduos. No século XX, contudo, a filosofia passou a desconfiar do otimismo científico- tecnológico do século anterior em virtude de vários acontecimentos : as duas grandes guerras mundiais, o bombardeio de Hiroshima e Nagasaki, os campos de concentração nazistas...
  • 3.  Um grupo de filósofos alemães, conhecidos como a Escola de Frankfurt, elaborou a chamada Teoria Crítica, concepção que distingue duas formas de razão: a razão instrumental e a razão crítica. A razão instrumental faz das ciências e das técnicas não um meio de deliberação dos seres humanos, mas um meio de intimidação, medo, terror e desespero. Ao contrário, a razão crítica é aquela que analisa e interpreta os limites e perigos do pensamento instrumental e afirma que as mudanças sociais, políticas e culturais só se realizarão verdadeiramente se tiverem como
  • 4. Os ideais políticosrevolucionários No século XIX, a filosofia apostou nos ideais políticos revolucionários (anarquismo, socialismo, comunismo), que criariam uma sociedade nova. No entanto, no século XX, com o surgimento das chamadas sociedades totalitárias (fascismo, nazismo, stalinismo, maoismo), a filosofia também passou a desconfiar do otimismo revolucionário e das utopias e a indagar se os seres humanos serão capazes de criar e manter uma sociedade nova, justa e feliz.
  • 5. A cultura No século XIX, a filosofia descobre a cultura como o modo próprio e específico da existência dos seres humanos. Haveria uma única grande cultura em desenvolvimento, da qual as diferentes culturas seriam etapas. A filosofia do século XX negou que houvesse uma única cultura em progresso e afirmou a pluralidade cultural.
  • 6. O “fim da filosofia” No século XIX, o otimismo científico e técnico levou a filosofia a supor que, no futuro, todos os conhecimentos e todas as explicações seriam dados pelas ciências. Assim, a própria filosofia poderia desaparecer, pois não teria motivo para existir. Entretanto, no século XX a filosofia passou a mostrar que as ciências não possuem princípios totalmente certos, seguros e rigorosos para as investigações e que os resultados podem ser duvidosos e precários. A filosofia voltou a afirmar seu papel de compreensão crítica das ciências.
  • 7. A maioridade da razão No século XIX, a filosofia afirmava que havíamos alcançado a maioridade racional, ou seja, a razão se desenvolveu plenamente para que o conhecimento completo da realidade e das ações humanas fosse atingido. No entanto, Marx e Freud puseram em questão esse otimismo racionalista. Marx descobriu que temos a ilusão de estar pensando com nossa própria cabeça e agindo por nossa própria vontade de maneira racional e livre, porém, a classe social que domina a sociedade exerce o seu poder sobre as mentes, fazendo com que suas ideias pareçam ser verdades universais.
  • 8. Esse poder social invisível que nos força a pensarcomo pensamos e a agir como agimos foi chamadopor Marx de ideologia.Freud, por sua vez, mostrou que os sereshumanos têm a ilusão de que tudo quantopensam, fazem, sentem e desejam, tudo quantodizem ou calam estaria sob o pleno controle denossa consciência. A esse poder que domina econtrola invisível e profundamente nossa vidaconsciente ele deu o nome de inconsciente. Diante dessas duas descobertas, a filosofia se viuforçada a reabrir a discussão sobre o que é e o quepode a razão, sobre o que é e o que pode aconsciência reflexiva ou o sujeito doconhecimento, sobre o que são e o que podem as
  • 9. Infinito e finito O século XIX prosseguiu uma tradição filosófica que veio desde a Antiguidade e que foi muito alimentada pelo pensamento cristão. A natureza eterna (gregos), o Deus eterno (cristãos), o desenvolvimento pleno e total da história ou do tempo como totalização das etapas ou momentos (como na filosofia de Hegel). A filosofia do século XX, contudo tendeu a dar maior importância ao finito, ao que surge e desaparece, ao que tem fronteiras e limites.
  • 10. Nossos dias: a pós- modernidadeO que era a modernidade? No campo do conhecimento: racionalismo; distinção entre interior e exterior ou entre sujeito e objeto; afirmação da capacidade da razão humana para conhecer a essência ou a estrutura interna de todos os seres; No campo da prática: afirmação da diferença entre a necessidade que rege a ordem natural ou as leis da natureza e a ordem humana da cultura (ética, artes, política); afirmação de que os seres humanos são indivíduos e agentes livres; distinção entre o público e o privado.
  • 11. Temas, disciplinas e campos filosóficos A filosofia existe a 26 séculos. Para Aristóteles, a filosofia era a totalidade dos conhecimentos teóricos e práticos da humanidade; chamada de “rainha de todas as ciências”. Pouco a pouco, as várias ciências particulares foram definindo seus objetivos próprios e se desligaram da filosofia. Outros campos co conhecimento se abriram para a filosofia, mas a ideia de uma totalidade de saberes que conteria em si todos os conhecimentos nunca mais reapareceu.
  • 12.  No século XX, a filosofia foi submetida a uma grande limitação quanto á esfera de seus conhecimentos. Isso pode ser atribuído a dois motivos principais:1. Desde o final do século XVIII, o filósofo Immanuel Kant, considerou que nossa razão não pode conhecer as coisas tal como são em si mesmas (metafísica), só conhecemos as coisas tais como são organizadas pela estrutura interna e universal de nossa razão. Deixando de ser metafísica, a filosofia se tornou o conhecimento das condições de possibilidades do conhecimento verdadeiro. A filosofia tornou-se uma teoria do conhecimento, uma ética, ou estudo das condições de possibilidades da ação moral enquanto realizada por liberdade e por dever. Com isso, a filosofia deixava de ser conhecimento do
  • 13. 2. Desde meados do século XIX, foi feita uma separação entre a filosofia e as ciências positivas (química, física, matemática), a filosofia seria apenas uma reflexão sobre o significado do trabalho científico, tornando-se assim, uma teoria das ciências ou epistemologia. O interesse pela consciência reflexiva ou pelo sujeito do conhecimento deu surgimento a uma corrente filosófica conhecida como fenomenologia. A atividade filosófica, porém, não se restringiu à teoria do conhecimento, à lógica, à epistemologia, à ética. Desde o início do século, a história da filosofia tornou-se uma disciplina de grande prestígio e, com ela, a história das ideias e